Perguntar
Fechar
O que não pode comer quem tem problemas de rins?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Quem tem problemas de rins NÃO pode comer carambola e deve evitar alimentos que tenham muito potássio, fósforo e sal (sódio), além de controlar a ingestão de alimentos gordurosos e ricos em açúcar.

Carambola

A fruta contém uma substância tóxica que é eliminada por rins saudáveis, mas que não pode ser excretada pelos rins de pacientes com insuficiência renal ou função renal comprometida. Essa toxina então permanece no organismo, podendo causar diversas alterações neurológicas, como: Confusão mental, agitação, insônia, fraqueza muscular, alteração da sensibilidade dos membros, convulsões, coma e até a morte, dependendo do caso.

Alimentos ricos em potássio - EVITAR!
  • Abacate, banana-nanica, banana-prata, açaí, água de coco;
  • Figo, laranja, maracujá, melão, damasco, graviola, fruta-do-conde;
  • Tangerina, uva, mamão, goiaba, jaca, laranja-pera, maracujá;
  • Kiwi, feijão, chocolate, extrato de tomate.

Pessoas com problemas renais, acumulam potássio no sangue porque os seus rins não são capazes de eliminá-lo. Quando os níveis de potássio ficam muito elevados, pode causar fraqueza muscular intensa, arritmias e até uma parada cardíaca.

Alimentos com muito sal (sódio) - EVITAR!
  • Temperos prontos;
  • Alimentos enlatados;
  • Sucos em pó;
  • Salames e embutidos;
  • Queijos, Manteiga ou Margarina com sal.

O consumo de sal em excesso provoca um aumento da pressão arterial (pressão alta). Manter a pressão arterial sob controle é fundamental para retardar a progressão da doença renal crônica.

Alimentos ricos em fósforo - EVITAR!
  • Carnes processadas;
  • Refrigerantes e
  • Cerveja.

Assim como o potássio, o fósforo também tende a ficar acumulado no sangue de pacientes com insuficiência renal, pois os seus rins não conseguem eliminá-lo. O excesso de fósforo no sangue provoca coceira e estimula a produção do paratormônio, um hormônio produzido pelas glândulas paratireoides, que em excesso causam complicações como perda óssea.

Controlar o consumo de alimentos gordurosos e ricos em açúcar, é fundamental para reduzir os níveis de colesterol, pois favorece os rins e o sistema cardiovascular.

O que pode comer quem tem problemas nos rins

Não existe uma dieta única para todas as pessoas com problemas de rins. Cada paciente deve ser avaliado de forma individual pelo médico nefrologista e ter a sua dieta elaborada por uma nutricionista.

No entanto, os alimentos que podem ser consumidos e mais indicados para quem tem problemas nos rins, são:

  • Verduras e legumes (Couve-flor, repolho, pimentão)
  • Frutas: maça, mirtilo, morango, framboesa, uva vermelha e cítricos (laranja e limão)
  • Clara de ovo
  • Peixe e carne magra
  • Cebola, alho e azeite
  • Grãos integrais.

Além disso, aumentar a ingesta de água, pelo menos 2 litros de água por dia, para quem não tem comprometimento renal grave. Nos casos de insuficiência renal, o cálculo de água por dia deverá ser definido pelo médico nefrologista que o acompanha.

Quem tem problemas renais pode comer ovo?

Depende da situação. Na insuficiência renal, o ideal é que não seja consumido. Os ovos outros alimentos ricos em proteínas, como os laticínios, a carne vermelha, carne branca, pães, biscoitos, massas e arroz, são fundamentais para o organismo, porém em situações de comprometimento renal importante, como na insuficiência dos rins, deve ser evitado ou mesmo, contraindicado para evotar comlicações mais graves.

Entretanto, na grande maioria das vezes, as doenças renais são mais simples, como pedras nos rins e cisto renal, e nessas situações o ovo pode ser consumido. Para definir a quantidade indicada, é preciso avaliar caso a caso, com um profissional da área, nutrólogo ou nutricionista.

Dicas para reduzir o potássio de alguns alimentos

Para ajudar na variedade de alimentos e opções de dietas, pode usar algumas dicas valiosas como:

1. Antes de cozinhar os legumes, como a batata, mantenha em um recipiente grande de água por 2 a 3 horas, já cortada e sem casa, trocando a água algumas vezes. Esse procedimento reduz a concentração de potássio nos alimentos;

2. Cozinhar os alimentos antes de comer, especialmente as frutas, porque também reduz o seu teor de potássio;

3. Cozinhar os alimentos com bastante água e

4. Usar como temperos especiarias, salsinha, cebolinha, cebola e alho. Evite ao máximo o sal de cozinha.

Veja também:

Referência:

Sociedade Brasileira de Nefrologia.

Como aliviar a dor nos rins?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor nos rins pode ser aliviada com compressa morna, consumo cuidadoso de água e técnicas de relaxamento.

No entanto, quando originada por cálculo renal ou infecção urinária, é preciso acrescentar medicamentos, com o objetivo de aliviar a dor, reduzir a inflamação e relaxar a musculatura do ureter, para facilitar a passagem da pedra impactada.

Nos casos mais graves ou complicados por infecção, pode ser indicado procedimento cirúrgico de urgência. Conheça mais sobre cada uma das indicações e quando procurar um atendimento médico com urgência.

1. Compressa de água morna

A compressa com água morna, no local da dor, pode auxiliar no relaxamento da musculatura e aliviar a dor.

Deve ser colocada no dorso, logo abaixo das costelas, do lado da dor, 3 a 4x por dia, durante 20 minutos, sempre com cuidado quanto a temperatura, para não causar queimaduras à pele.

2. Ingesta de água

O aumento do consumo de água favorece a filtração renal e reduz o risco de formação de cálculos. Por isso é indicada para pessoas que sabidamente tem pedras nos rins, ou história familiar. São recomendados pelo menos 2 litros de água por dia. Nos casos de cardiopatia ou insuficiência renal, esse cálculo deverá ser feito, individualmente.

Já, durante uma crise de dor, não é recomendado beber muita água. Nesse caso, é preciso evitar o consumo de água em excesso, porque aumenta a filtração renal e acúmulo de líquido, que está impedido de ser eliminado pela obstrução, o que piora bastante o quadro de dor.

3. Remédios para aliviar a dor nos rins

Os medicamentos mais indicados para o alívio da dor na crise renal são:

  • Cetoprofeno (Profenid® 50 ou 100mg),
  • Buscopan composto,
  • Tramal® 50 mg ou Tramal retard® 100 mg, nos casos de dor intensa.
4. Procedimentos médicos

Muitas vezes as pedras nos rins são eliminadas espontaneamente pela urina, o que alivia imediatamente a dor. Em outros casos, os cálculos precisam ser retirados por procedimentos mais invasivos, como aplicação de laser, terapia por ondas de choque, colocação de duplo J (cateter introduzido no sistema renal para drenagem da urina até a bexiga), ou cirurgia aberta.

Cabe ao médico da emergência, ou urologista, analisar os casos e definir o melhor tratamento.

Como aliviar a dor nos rins na gravidez?

Na gestação, a dor nos rins originada por pedras nos rins, pode ser aliviada com: compressa morna, consumo moderado de água e alongamento ou técnicas de relaxamento.

O uso de anti-inflamatórios não é indicado para gestantes, pelo risco de sangramento, a não ser que seja indicado pelo seu médico obstetra.

Além disso, é importante descartar a presença de uma infecção urinária, situação comum durante a gestação, mas que oferece grande risco a mãe e ao bebê. Sintomas como dor e ardência ao urinar, urina com cheiro forte e desagradável, dor na barriga ou nas costas sugerem a infecção. Nesse caso, procure um serviço de emergência.

Quando procurar uma emergência?
  • Febre (temperatura axilar acima de 38º)
  • Piora do dor, mesmo com uso de medicamentos,
  • Presença de naúseas e vômitos,
  • Presença de sangue na urina,
  • Sinais de infecção urinária (dor e ardência ao urinar, urina amarelada, cheiro forte e desagradável, dor na região inferior da barriga).

Procure um/a médico/a clínico/a geral, médico/a de família ou Urologista, para receber uma avaliação detalhada da origem da cólica renal, bem como indicação das medicações e procedimentos apropriados, para o seu caso.

Para compreender mais sobre esse assunto, leia os seguintes artigos:

Como é a cirurgia para pedra nos rins?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A cirurgia para pedra nos rins pode ser feita com ondas de choque, laser, introdução de sonda pela uretra ou ainda por meio de cirurgia aberta. O tipo de tratamento cirúrgico para os cálculos renais depende principalmente do tamanho, da forma e da localização da pedra.

As cirurgias mais usadas para tratar pedra nos rins são:

⇒ Cirurgia por ondas de choque (litotripsia extracorpórea): Os cálculos renais são quebrados com ondas de choque aplicados através da pele. As pedras são fragmentadas em pedaços pequenos que são eliminados espontaneamente. O procedimento pode ser feito com sedação.

⇒ Cirurgia a laser pela uretra (ureterolitotripsia): Neste procedimento, é introduzido um aparelho endoscópico muito fino e flexível pela uretra, com o qual o médico pode aplicar o laser ou as ondas de choque diretamente nos cálculos renais. As pedras são então fragmentadas e retiradas com pinças especiais.

⇒ Cirurgia a laser pela lombar (nefrolitotripsia percutânea): Através de um pequeno "furo" na pele da região lombar, são introduzidos aparelhos que fragmentam e removem a pedra. Trata-se de uma punção direta no rim para chegar ao cálculo. 

⇒ Cirurgia aberta convencional: O rim é aberto para que as pedras sejam retiradas. A cirurgia aberta normalmente é usada em casos de cálculos renais coraliformes (pedras ramificadas que se moldam aos contornos do rim ao seu redor).

De todos os tipos de cirurgia para pedra nos rins, a litotripsia extracorpórea por ondas de choque é a mais usada.

Porém, se as pedras forem muito grandes (mais de 2 cm) ou se estiverem presas no ureter, que é o canal que leva urina do rim à bexiga, a litotripsia extracorpórea pode não ser suficiente para removê-las. Nesses casos, a ureterolitotripsia ou a nefrolitotripsia percutânea são mais indicadas.

Casos específicos em que os cálculos estão localizados em rins muito dilatados, também pode ser considerada como opção a remoção cirúrgica das pedras por laparoscopia (pielolitotomia laparoscópica).

Cabe ao médico urologista avaliar o caso e indicar o tratamento cirúrgico mais apropriado em cada situação.

Saiba mais em:

Qual o tratamento para quem tem pedra nos rins?

Como eliminar pedras nos rins?

Quais os sintomas para quem tem pedra nos rins?

Dor nas costas pode ser pedras nos rins?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, dor nas costas pode ser sintoma de pedras nos rins ou nas vias urinárias. Nesse caso, a pessoa sente uma dor intensa na coluna lombar, que geralmente irradia para o abdômen e para a virilha, podendo ainda afetar a região genital. A cólica renal caracteriza-se como uma forte dor que começa subitamente, sentida na região lateral das costas, do lado em que está localizada a pedra no rim.

Além de dor nas costas (região lombar), os sinais e sintomas de pedra no rim podem incluir ainda presença de sangue na urina (urina avermelhada), saída de pequenos pedaços da pedra na urina, náusea, vômitos, febre, calafrios, dor ao urinar e urgência para urinar.

Contudo, muitas pessoas com pedras nos rins não apresentam sintomas e as pedras são encontradas em exames destinados para outros propósitos.

Em outros casos, os sintomas só se manifestam quando o cálculo desce pelos canais (ureteres) que levam a urina até a bexiga. Quando isso acontece, as pedras podem bloquear o fluxo de urina do rim, causando dilatação do órgão e dor intensa.

A cólica renal também pode ser causada por coágulos sanguíneos, ligadura cirúrgica do ureter, doença policística renal, infecção urinária ou ainda compressão provocada por tumor.

Saiba mais em: Quais são as causas da cólica renal?

Como saber se a dor nas costas é muscular ou no rim?

É importante diferenciar a dor lombar (lombalgia) da dor nos rins. A imensa maioria das dores nas costas tem origem em problemas ósseos ou musculares da coluna lombar e não em problemas renais.

A dor nas costas provocada por pedras nos rins é excruciante, não está relacionada com movimentos do tronco e não piora nem melhora se a pessoa mudar de posição.

Já na lombalgia, a dor geralmente piora quando a pessoa anda, levanta-se ou se senta, podendo melhorar em algumas posições.

Leia também: Quais são os sintomas de uma cólica renal?

O que é cálculo renal?

Os cálculos renais são massas sólidas compostas por pequenos cristais, que podem surgir no rim ou no ureter. Nesses casos, pode haver a formação de uma ou mais pedras.

Existem diferentes tipos de pedras nos rins e as causas dependem do tipo de cálculo. As pedras de cálcio são as mais comuns. Nesses casos, o cálcio pode ser combinado com outras substâncias para formar o cálculo, como fosfato, carbonato e oxalato. Dentre elas, o oxalato é a mais comum e está presente em certos alimentos, como espinafre, além de suplementos de vitamina C. Doenças do intestino delgado também aumentam o risco de formação dessas pedras.

Outros tipos de cálculos renais incluem:

  • Pedras de cistina: podem se formar em pessoas com cistinúria, um distúrbio hereditário que afeta homens e mulheres caracteriza-se pela eliminação de aminoácidos pela urina;
  • Pedras de estruvita: são encontradas principalmente em mulheres com infecção do trato urinário. Essas pedras podem crescer muito e bloquear os rins, ureteres ou bexiga;
  • Pedras de ácido úrico: são mais comuns em homens do que em mulheres e podem ocorrer devido a gota e quimioterapia.
O que causa pedra nos rins?

O cálculo renal pode se formar quando a urina tem um alto teor de certas substâncias que formam cristais, que podem se tornar pedras ao longo de semanas ou meses.

O principal fator de risco para desenvolver cálculo renal é não beber bastante líquido. As pedras nos rins têm maior probabilidade de se formar se a pessoa produzir menos de 1 litro de urina por dia.

Outras substâncias, como certos medicamentos, também podem formar pedras nos rins.

Quais os tratamentos para pedra no rim?

O tratamento do cálculo renal depende do tipo de pedra e da gravidade dos sintomas. Pedras pequenas quase sempre passam pelo trato urinário e são eliminadas com a urina. Para ajudar a eliminar o cálculo, recomenda-se beber pelo menos de 6 a 8 copos de água por dia, para aumentar a quantidade de urina.

Para aliviar a dor no rim, são usados medicamentos analgésicos. Se a dor for muito intensa, pode haver necessidade de hospitalização para administrar líquidos e medicação através da veia.

Para alguns tipos de pedras, podem ser prescritos medicamentos para impedir a formação do cálculo ou ajudar a dissolver e eliminar o material que está causando o mesmo. Essas medicações podem incluir alopurinol (cálculos de ácido úrico), antibióticos (pedras de estruvita), diuréticos, soluções de fosfato, bicarbonato de sódio ou citrato de sódio e tansulosina, para relaxar o ureter e ajudar a passagem da pedra.

A cirurgia para retirar pedras do rim pode ser necessária se:

  • O cálculo for muito grande para ser eliminado pela urina;
  • O cálculo estiver crescendo;
  • A pedra estiver bloqueando o fluxo de urina e causando infecção ou danos aos rins;
  • A dor for incontrolável.

A maioria dos tratamentos para eliminar os cálculos renais é pouco invasiva. A litotripsia é utilizada para remover pedras com menos de 1,25 cm, localizadas próximas ao rim ou ureter. Esse método usa ondas de ultrassom ou ondas de choque para quebrar as pedras em pequenos fragmentos, para depois serem eliminados pela urina. É também chamada litotripsia extracorpórea por onda de choque.

Para retirar cálculos renais grandes, é utilizada uma sonda (endoscópio), que é introduzida através de uma pequena incisão cirúrgica nas costas e chega até o interior do rim ou dos ureteres. A ureteroscopia pode ser usada para cálculos renais localizados no trato urinário inferior.

Quando todas as outras formas de tratamento falham ou não são possíveis de serem executadas, pode haver necessidade de realizar uma cirurgia aberta.

A expulsão da pedra deve ser confirmada através de uma radiografia de acompanhamento ou filtrando a urina após cada micção. Vale lembrar que a ausência de dor nas costas não confirma que o cálculo foi eliminado.

Como prevenir pedras nos rins?

Para prevenir a formação de pedras nos rins, recomenda-se beber bastante líquido (pelo menos 6 a 8 copos de água por dia) para produzir urina suficiente. Em alguns casos, pode ser necessário tomar medicamentos ou fazer alterações na dieta.

Se você está com algum dos sintomas de pedra no rim, procure um serviço de saúde para avaliação.

Dor nos rins: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Dor nos rins pode ser sintoma de pedra nos rins (cálculo renal) ou nas vias urinárias. As pedras obstruem a passagem da urina pelo rim, fazendo o órgão dilatar, o que provoca dor. Nesses casos, a pessoa sente uma dor intensa no lado direito ou esquerdo da coluna lombar, que geralmente irradia para o abdômen e para a virilha.

Se a causa da cólica renal for pedra nos rins, além da dor, podem estar presentes outros sinais e sintomas, como presença de sangue na urina, saída de pequenos fragmentos do cálculo na urina, náuseas, vômitos, dor ou ardência ao urinar, aumento do número de micções e vontade urgente de urinar.

Outras possíveis causas de dor nos rins (cólica renal) incluem coágulos sanguíneos, ligadura cirúrgica do ureter, doença policística renal, infecção urinária e compressão provocada por tumor.

Dor nos rins ou nas costas?

Como a dor nos rins é sentida na região lombar (parte de baixo das costas), é comum os pacientes associarem uma dor nas costas com um problema renal. No entanto, a maioria das doenças renais não provoca dor nas costas, mesmo uma insuficiência renal crônica.

A imensa maioria das dores nas costas tem origem em problemas ósseos ou musculares da coluna lombar (lombalgia - dor na coluna lombar). Na lombalgia, a dor geralmente piora quando a pessoa anda, levanta-se ou senta-se, podendo melhorar em algumas posições.

Já a dor provocada por pedras nos rins é excruciante e não está relacionada com movimentos do tronco. Ela não piora nem melhora se a pessoa mudar de posição.

Essa característica é importante para diferenciar a dor nos rins causada por problemas renais da dor nas costas relacionada com a coluna lombar (lombalgia).

Qual é o tratamento para dor nos rins?

Em primeiro lugar, deve-se procurar um médico clínico geral ou médico de família para que seja diagnosticada a causa da dor nos rins. Se ela for mesmo renal, em alguns casos, o paciente pode ser encaminhado ao médico nefrologista ou se tiver origem na coluna, ao ortopedista ou neurologista, a depender da causa.

O tratamento da cólica renal causada por pedra nos rins é feito com medicamentos analgésicos, antiespasmódicos e anti-inflamatórios, por via oral, injeção ou aplicados na veia. Nos casos mais graves, quando a dor não melhora, o paciente precisa ser internado.

As pedras nos rins muitas vezes são eliminadas espontaneamente pela urina, o que alivia imediatamente a dor. Em outros casos, os cálculos precisam ser retirados através de cirurgia.

A cirurgia para retirar as pedras dos rins é indicada nos casos de pedras maiores, que não passam pelas vias urinárias. O procedimento pode ser feito para remover os cálculos ou reduzir o tamanho dos mesmos, através de ondas de choque, laser, cirurgia comum ou através de introdução de sonda pela uretra.

Em caso de dor nos rins, consulte um médico clínico geral ou médico de família para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Como eliminar pedras nos rins?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As pedras nos rins, ou cálculos renais, podem ser eliminados espontaneamente, quando bem pequenos, ou pode ser preciso estímulo, como:

  • Aumentar o consumo de água,
  • Uso de medicamentos ou
  • Procedimentos urológicos (laser, litotripsia e cirurgias).

Os tratamentos propostos para eliminar as pedras nos rins, vão variar de acordo com o tipo de material que forma o cálculo, tamanho do cálculo, localização e se tem ou não, sinal de infecção associada.

1. Aumentar o consumo de de água

O aumento da ingesta de água facilita a eliminação de pedras pequenas e pode evitar a sua formação, devido ao aumento do fluxo de urina, o que impede a concentração de sais minerais no parênquima renal.

Além do consumo de água, também é importante evitar o consumo dos sais minerais em excesso, como sódio e potássio nos alimentos, o que contribui para a formação das pedras.

2. Medicamentos Citrato de potássio

Indicado para cálculos formados por ácido úrico e oxalato de cálcio, com o objetivo de evitar a formação de novos cálculos e por vezes, dissolver as pedras de ácido úrico.

Buscopan® (escopolamina)

O uso de buscopan®, buscopan composto®, anti-inflamatórios e analgésicos fortes, além de aliviar a dor, auxiliam no relaxamento da parede do ureter, o que facilita a passagem da pedra, dependendo do seu tamanho.

3. Procedimentos urológicos

Cálculos compostos por estruvita, cálculos grandes (acima de 2 cm) ou com sinal de infecção, devem ser tratados por procedimentos cirúrgicos, cirurgia aberta e/ou antibioticoterapia.

Conheça um pouco sobre cada um dos procedimentos mais indicados para eliminar as pedras nos rins, por vezes, realizados em ambulatório, sem necessidade de anestesia ou internação:

  • Litotripsia extracorpórea com ondas de choque (LECO):

Procedimento bastante utilizado, com resposta satisfatória e baixo risco. Pode ser realizado em ambiente de consultório ou ambulatório, sem anestesia e sem necessidade de internação. A maioria das pessoas tolera bem e pode retornar a atividade laboral logo após o procedimento.

Trata-se de um aparelho que emite ondas de choque, fragmentando a pedra em pedaços menores, o que permite a sua passagem pelo ureter e eliminação espontânea pela urina.

Indicado em quase todos os casos de pedras nos rins. As contraindicações são: gravidez, coagulopatias (doenças de coagulação), presença de infecção urinária e obstrução do cálculo distal (mais próximo da saída da urina).

  • Nefrolitotomia percutânea

Procedimento realizado por uma punção direta no rim para chegar ao cálculo. Através desse "furo", são introduzidos aparelhos que fragmentam e removem a pedra.

  • Ureteroscopia flexível (ureterolitotripsia):

Nesse caso, o médico introduz um aparelho endoscópico muito fino e flexível pela uretra que chrga ao ureter, com o qual o médico pode fragmentar e retirar as pedras com pinças especiais.

  • Nefrolitotomia aberta (“anatrófica”)

Primeira cirurgia descrita para cálculos. Atualmente muito pouco indicada, porém casos refratários, cálculos impactados ou muito grandes, podem necessitar dessa abordagem mais invasiva.

  • Cateter de duplo J

O cateter duplo J é um cateter com duas pontas, inserido no ureter após um procedimento cirúrgico que manipule o ureter, para evitar a obstrução desse canal. Toda a manipulação da via urinária promove uma reação inflamatória, que pode evoluir com obstrução e infecção da via. O cateter deve ser retirado após a resolução completa do problema urológico.

Quanto tempo demora para expelir uma pedra no rim?

Não é possível determinar o tempo que uma pedra no rim demora para sair, e nem mesmo se conseguirá sair espontaneamente.

Como vimos, dependendo da localização da pedra e do tamanho dessa pedra, pode sair facilmente e nem causar sintomas como pode levar horas para ser eliminada, e precisar de auxílio de medicamentos e hidratação venosa.

Por fim, se for um cálculo grande, ou de localização ainda distante da saída, e não conseguir passar pelo canal (ureter), acaba por obstruir a passagem da urina, sendo preciso um procedimento cirúrgico para resolver essa obstrução.

Por isso, se tem o diagnóstico de pedra nos rins, procure um urologista e mantenha um acompanhamento regular. Assim, sempre que novas pedras forem identificadas, podem ser tratadas antes de causar dor, obstrução ou outros problemas.

Dicas para expelir pedra nos rins
  • Aumentar a ingesta de água - a dica mais valiosa é mesmo beber ao menos 2 litros de água por dia, para evitar o acúmulo de sais e formação de novas pedras, além de expelir mais rapidamente as pedras de tamanho pequeno;
  • Alimentação saudável - reduzir a quantidade de sal e proteína animal, como a carne vermelha, reduz a formação de cálculo renal, no entanto, nenhum alimento deve ser abolido da dieta, para evitar prejuízos a saúde;
  • Reduzir a quantidade de alimentos ricos em cálcio também ajuda, mas deve ser muito pequena essa redução, visto que a falta de cálcio traz outros problemas graves como a osteoporose. Sendo assim, uma das dicas mais importantes é fazer acompanhamento nutricional com profissional da área, nutricionista;
  • Atividade física regular - existem diversos trabalhos comprovando que a prática de exercícios regular, sem exagero, para evitar a desidratação, tem sido benéfica para auxiliar na eliminação de pedras e na prevenção de formar novas pedras.
Quando está indicada cirurgia para a retirada de pedras nos rins?

O tratamento cirúrgico para retirada de pedra nos rins está indicado nos casos de:

  • Presença de cálculo com mais de 10 mm;
  • Presença de sinais de infecção urinária associada, como febre, mal-estar e alterações laboratoriais compatíveis com infecção;
  • Presença de sintomas como dor intensa, náuseas e/ou vômitos apesar do tratamento clínico medicamentoso; ao que chamamos de sintomas refratários, mesmo nos casos de cálculos pequenos;
  • Nos casos de obstrução persistente e/ou progressiva, apesar do tratamento;
  • Pacientes com história de insuficiência renal aguda, ou portador de rim único.

Cabe ao médico urologista, analisar os diferentes fatores sobre os cálculos renais e as condições de saúde do paciente, para indicar o melhor tratamento, para cada caso.

Leia também, sobre esse assunto, os seguintes artigos:

Referência:

Sociedade Brasileira de Nefrologia

Portal de Urologia

Qual o tratamento para quem tem pedra nos rins?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento para pedra nos rins (cálculos renais) pode ser feito com medicamentos ou cirurgia, dependendo do tamanho da pedra, da sua localização, da presença de sintomas e da intensidade da dor.

Na presença de náusea, vômitos, febre e dores intensas, a pessoa precisa ir ao serviço de urgência para tomar medicamentos pela veia.

Os remédios que são colocados diretamente na corrente sanguínea e absorvidos imediatamente. Assim, os sintomas melhoram de forma mais rápida, reduzindo a perda de líquidos e o incômodo da dor.

Nos casos de dores não muito intensas e sem a presença de outros sinais e sintomas, pode-se esperar que o cálculo seja expelido naturalmente.

Isso é feito com uso de analgésicos e anti-inflamatórios para tolerar a dor, medicamentos para dissolver a pedra e aumento da ingestão de água.

Cirurgia

As pedras que são maiores e não são capazes de passar para o canal da urina precisam de intervenção cirúrgica para sua retirada ou para facilitar a redução do tamanho. Isso pode ser feito com ondas de choque, laser, cirurgia comum ou com introdução de sonda pela uretra.

Litotripsia extracorpórea

Esse tratamento cirúrgico fragmenta as pedras em pedaços bem pequenos através de um aparelho que emite ondas de choque. Depois, os cálculos são expelidos juntamente com a urina.

Nefrolitotripsia percutânea

Essa cirurgia é feita por meio de uma pequena incisão pela qual se chega ao rim. Depois, é introduzido um aparelho que destrói e remove o cálculo renal.

Ureterolitotripsia

A retirada das pedras é feita pela introdução de um tubo bem fino e flexível (endoscópio) no uréter, com o qual é possível destruir e remover os cálculos com o auxílio de pinças especiais.

Saiba mais em: Como eliminar pedras nos rins?

A decisão de qual tratamento mais indicado em cada situação é realizada pelo/a médico/a juntamente com o/a paciente.

Leia também:

Como é a cirurgia para pedra nos rins?

Quais os sintomas para quem tem pedra nos rins?

Cálculo renal: como saber se tenho pedra nos rins?

O que causa pedra nos rins?

O que causa pedra nos rins?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

As pedras nos rins (cálculos renais) podem se formar por conta de um conjunto de fatores, os principais são a pouca ingestão de água ou o aumento de minerais no organismo como cálcio ou ácido úrico.

Com um volume de urina baixo, não há líquido suficiente para dissolver os sais, que vão se acumulando no rim sob a forma de cristais até formarem o cálculo renal.

Dentre as causas mais comuns de cálculo renal estão:

⇒ Pouca ingestão de água (menos de 1,5 litro por dia): É observada em mais da metade dos casos de pedra nos rins;

⇒ Aumento da concentração de cálcio no sangue: Doenças que alteram o metabolismo do cálcio, como hiperparatireoidismo e tumores ósseos podem aumentar a absorção óssea de cálcio, elevando a concentração sanguínea do mineral;

Aumento de ácido único no sangue: Pode ser a causa de até 20% dos casos de cálculo renal.

Leia também: Quais os sintomas do ácido úrico alto e baixo?

A formação de pedra nos rins é observada sobretudo em pessoas que já possuem alguma história familiar ou prévia de cálculo renal ou que ingerem pouco líquido, mas existem outros fatores de risco para o desenvolvimento deste problema, são eles:

  • Dieta rica em proteína animal e sódio ou pobre em cálcio;
  • Infecção urinária de repetição;
  • Uso de alguns medicamentos como aciclovir, sulfadiazina;
  • Doenças crônicas como hipertensão, diabetes.

Para prevenir a formação de pedra nos rins, é muito importante manter uma ingestão adequada de água (cerca de 2 litros por dia).

Uma boa forma de saber se o corpo está bem hidratado é observar a cor da urina. Se ela estiver muito amarela ou escura é sinal que falta água no corpo, enquanto que uma coloração bem clara indica uma hidratação adequada.

Também recomenda-se diminuir a ingestão de alimentos que podem provocar um aumento do acido úrico, como frutos do mar, aves, carne vermelha, bacon, miúdos e bebidas alcoólicas, principalmente cerveja.

Consulte o seu médico de família ou clínico geral para mais esclarecimentos.

Saiba mais em:

Como eliminar pedras nos rins?

Qual o tratamento para quem tem pedra nos rins?

Como é a cirurgia para pedra nos rins?

Dor nos rins durante a gravidez é normal?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Dor nos rins durante a gravidez não é normal. Se a dor tiver mesmo origem renal, pode ser decorrente de uma infecção urinária ou da presença de pedra nos rins ou nas vias urinárias, ou ainda ser ocasionada por outros problemas renais. 

Porém, essa "dor nos rins" pode ser na verdade uma dor na coluna lombar (lombalgia), bastante comum durante a gravidez devido às transformações que ocorrem no corpo da mulher. 

É importante lembrar que até 20% das grávidas chegam a ter infecção urinária durante o primeiro trimestre de gravidez. Portanto, é importante estar atenta a sintomas de infecção urinária como: ardência ou dor para urinar, mudança do odor e cor da urina ou ainda aumento da frequência urinária.

Já em relação a dor lombar vale lembrar de algumas características que a ajudam a diferenciar da dor nos rins:

  • Pode irradiar para a perna;
  • Pode vir associada a uma contratura da musculatura ao longo da coluna;
  • Piora com movimentos ou se a mulher ficar muito tempo sentada ou em pé;
  • Pode melhorar com o repouso.

Cerca de 50% a 80% das mulheres grávidas apresentam algum tipo de lombalgia, principalmente entre o 5º e o 7º mês de gestação. Há casos em que a dor lombar já começa na 8ª semana de gravidez. A lombalgia é frequente na gravidez por conta de vários fatores, como:

  • O hormônio relaxina deixa os ligamentos mais frouxos, inclusive os da coluna e da bacia para poder acomodar o bebê e facilitar o parto;
  • À medida que o bebê cresce, a mulher sofre alterações posturais. Uma delas é o aumento da curvatura da coluna lombar (as nádegas ficam mais "empinadas para trás");
  • O aumento do útero e o crescimento do feto provocam um ganho de peso na grávida. Isso afeta o seu equilíbrio e provoca uma sobrecarga na coluna lombar.

Veja também: Dor nos rins: o que pode ser e o que fazer?

A grande maioria dos casos de dor lombar não está relacionada com os rins, mas sim com problemas articulares, ósseos ou musculares na coluna.

No entanto, no caso das grávidas, devido ao aumento do risco de infecção urinária, as doenças renais e do aparelho urinário também devem ser consideradas e investigadas.

O melhor é marcar uma consulta com o médico obstetra ou médico de família para que a origem da dor nos rins seja devidamente diagnosticada e tratada, prevenindo assim complicações para a mulher e para o bebê. 

Leia também: 

É normal ter dor lombar na gravidez?

Dor nas articulações na gravidez é normal?

Como aliviar a dor nos rins?

Hipertrofia Coluna de Bertin e bifidez renal tem que operar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

A hipertrofia na Coluna de Bertin é uma variação anatômica e geralmente não está associada a nenhum problema. A bifidez renal é uma alteração anatômica que pode estar associada a estenose do ureter (obstrução do fluxo de urina) e aumento da incidência de infecção urinária. Operar ou não operar tudo vai depender do grau de alteração e das consequências dessas alterações.

O que é hipertrofia da coluna de bertin?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A hipertrofia na Coluna de Bertin é uma variação anatômica e geralmente não está associada a nenhum problema.

Coluna de Bertin

A coluna de Bertin, ou coluna renal, é uma área do córtex renal, localizada entre duas pirâmides renais. Em média, 20% da população apresenta hipertrofia, ou seja, aumento da coluna de Bertin, apenas como variante anatômica, sem que represente um problema renal.

Entretanto, nos exames de imagem, essa hipertrofia se assemelha a imagem de uma tumoração verdadeira, por isso a preocupação em sinalizar essa variação anatômica e por vezes, repetir ou acompanhar a imagem, para confirmação diagnóstica.

Tumor de córtex renal

Nos casos de tumores de córtex renal, as imagens apresentam hipertrofia e mais algumas características sugestivas de lesão complexa, aquelas com maior risco de evoluir para câncer. Como imagem cística, paredes mais espessas, bordos irregulares, presença de septos e calcificações ou conteúdo sólido em seu interior. Além da imagem típica, o paciente costuma apresentar queixa de dores, perda de peso ou fadiga crônica, embora mais comum nos casos avançados.

Na suspeita de tumor ou cisto complexo, a opção de tratamento deve ser a retirada cirúrgica e avaliação histológica.

O exame de imagem mais fidedigno é a tomografia computadorizada.

Portanto, a hipertrofia da coluna de Bertin, não significa uma doença ou qualquer problema renal, porém em alguns casos a tomografia deverá complementar a investigação.

O médico que pediu o exame é o responsável por definir os próximos passos. Leve o exame para que seja avaliado esse resultado junto ao seu exame clínico e demais exames que tenha solicitado, afim de dar sequência ao seu acompanhamento e orientações.

Pode lhe interessar também: Hipertrofia Coluna de Bertin e bifidez renal tem que operar?

Cálculo renal: como saber se tenho pedra nos rins?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de cálculo renal podem incluir cólicas renais, presença de sangue na urina, dor ao urinar, náuseas, vômitos e vontade urgente de urinar. Dependendo do tamanho e da localização do cálculo, pode haver saída de pequenos pedaços da pedra juntamente com a urina.

A cólica renal caracteriza-se como uma forte dor na região lombar, do lado em que a pedra está localizada. A dor começa de forma súbita e pode irradiar para a porção lateral do abdômen e área genital.

A dor provocada pelos cálculos renais não melhora nem piora com o repouso ou com a movimentação. A intensidade da cólica renal pode provocar inclusive náuseas e vômitos.

A presença de sangue na urina é verificada pela coloração avermelhada da mesma. Nesses casos, o sangue costuma ser decorrente das lesões na uretra causadas pela passagem da pedra.

Vale lembrar que os cálculos renais nem sempre manifestam sinais e sintomas. Muitas vezes a pedra é detectada durante outros exames.

Em caso de sintomas de pedra nos rins, procure um serviço de urgência para receber a medicação para aliviar as cólicas e o tratamento necessário para eliminar os cálculos. O especialista indicado para tratar cálculos renais é o médico urologista ou nefrologista.

Saiba mais em:

Referência:

Sociedade Brasileira de Nefrologia.