Perguntar
Fechar
Minha namorada está com peito saindo líquido igual água?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não é um sintoma típico de gravidez, principalmente se isolado, ela deve procurar um ginecologista ou médico de família para uma avaliação inicial.

A saída de secreção ou líquido da mama pode ter diferentes causas, geralmente benignas. Entre as causas mais comuns se destacam:

  • A presença de um tumor benigno, chamado papiloma intraductal;
  • Aumentos dos níveis do hormônio prolactina;
  • Dutos de leite dilatados;
  • Infecções e abcessos;
  • Cistos ou nódulos.
Papiloma intraductal

Os papilomas intraductais são nódulos benignos que se desenvolvem em ductos de leite por trás da aréola mamária. A mulher sente que tem uma nodulação embaixo da aréola, eventualmente pode ocorrer também a saída pelo mamilo de um líquido claro e pegajoso, podendo apresentar um pouco de sangue. É uma das principais causas de saída de líquido mamilar.

Ectasia do duto mamário

A ectasia ductal corresponde a dilatação de um ducto de leite, que fica com as paredes espessadas e rígidas, levando ao acúmulo de líquido, que pode se exteriorizar. Geralmente, a ectasia não causa sintomas intensos e melhora espontaneamente.

Aumento dos níveis de prolactina

O aumento do hormônio da prolactina pode levar a saída de de leite pela mama, já que esse é o hormônio responsável pela produção de leite pelas glândulas mamárias. As causas de aumento de prolactina são variadas, a principal corresponde a amamentação, mas o seu aumento também pode ocorrer em situações de prolactinoma (tumor benigno), distúrbios na hipófise ou no hipotálamo, estímulo dos mamilos, hipotireoidismo e uso de medicamentos.

Infecção ou abcesso da mama

A presença de infecção nas glândulas mamárias ou formação de abcessos pode levar a saída de líquido com pus ou sanguinolento. No entanto, nesse quadro outros sintomas importantes estão presentes como dor mamária, vermelhidão e inchaço.

Secreção mamilar pode ser câncer de mama?

Raramente, em menos de 10% dos casos a saída de secreção da mama pode estar relacionado a presença de câncer de mama.

Alguns fatores relacionados a saída da secreção mamilar leva a uma maior suspeita de câncer de mama como saída de secreção rósea, sanguinolenta ou transparente, em uma única mama, presença de nódulo endurecido na mama e quando ocorre em mulheres acima dos quarenta anos.

Para uma melhor avaliação consulte um médico de família ou ginecologista.

Tomar injeção de Mesigyna® pode diminuir vontade de ter relações sexuais e causar dor nas pernas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Tomar injeção de Mesigyna® ​pode diminuir a vontade de ter relações sexuais (libido), embora esse efeito secundário seja incomum, ou seja, atinge entre 1 e 10 em cada 1.000 usuárias do anticoncepcional.

É importante lembrar que existem muitos fatores que interferem no desejo sexual feminino. Deve-se levar em consideração fatores psicológicos, como estresse, problemas que estão interferindo no momento da relação afetiva, fatores físicos, como inflamações, infecções ou outras doenças, além do uso de medicamentos.

Há poucas evidências científicas de que o uso de anticoncepcionais hormonais interfere no desejo sexual das mulheres.

Assim, o fator hormonal deve ser considerado em último caso, depois de esgotados todos os outros possíveis fatores que possam estar interferindo na libido.

Já a dor nas pernas não é um efeito secundário que se possa esperar, embora não seja impossível de ocorrer.

No entanto, é preciso estar atenta aos seguintes sintomas:

  • Inchaço de apenas uma perna;
  • Dor ou sensibilidade na perna sentida apenas quando se está em pé ou andando;
  • Sensação de calor, vermelhidão ou mudança na coloração da pele da perna.

Esses sintomas podem ser sinal de uma trombose venosa profunda e sabe-se que existe uma correlação entre o uso de contraceptivo hormonal combinado e o risco aumentado de coágulos principalmente no primeiro ano de uso.

A Mesigyna® é um anticoncepcional injetável que deve ser utilizado todo mês. Os efeitos colaterais geralmente são presentes nos primeiros meses de administração, porém depois desse período de adaptação ela é bem aceitável pelas mulheres. Os efeitos colaterais mais relatados pelas mulheres são alterações no ciclo menstrual, dor e sensibilidade nas mamas, instabilidade no humor, dores de cabeça e aumento do peso.

Se você está usando a injeção de Mesigyna® e apresenta algum desses ou outros sintomas procure o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação.

Sinusite é contagiosa?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Não, a sinusite não é contagiosa e não se transmite de pessoa para pessoa. Embora gripes e resfriados sejam contagiosos e estejam entre as causas da sinusite, a sinusite por si só não é transmissível.

A sinusite é uma inflamação da mucosa que recobre os seios paranasais, que são cavidades ósseas localizadas ao redor do nariz e atrás da maçã do rosto, da testa e dos olhos.

Dentro dos seios paranasais é produzido muco, que é escoado para o nariz através de pequenos túneis. Quando esses túneis ficam obstruídos por secreção, inchaço da mucosa ou outra causa qualquer, os seios da face perdem a comunicação com o nariz, ficando selados e sem ventilação.

Assim, o muco produzido pela mucosa fica acumulado e facilita a infecção por micro-organismos, dando origem à sinusite.

As causas mais comuns de sinusite são os distúrbios que provocam inchaço da mucosa, como rinite alérgica e infecções respiratórias causadas por vírus, pois o inchaço impede que o muco seja drenado normalmente para o nariz.

A sinusite pode ser causada por gripes e resfriados, alergia respiratória, desvio de septo nasal, rinite, asma, bronquite, amigdalite e faringite.

Qualquer situação que possa obstruir a comunicação entre os seios faciais e o nariz pode causar sinusite. Porém, uma vez com sinusite, o indivíduo não pode transmiti-a.

Consulte um médico de família ou clínico geral caso apresente sintomas de sinusite.

Saiba mais em:

O que é sinusite e quais as causas?

Sinusite tem cura?

O que é sinusite alérgica e quais os sintomas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sinusite alérgica é uma inflamação dos seios paranasais causada por alergia respiratória.

Os sintomas mais comuns da sinusite alérgica incluem:

  • Dor na face;
  • Sensação de peso facial;
  • Dor de cabeça;
  • Tosse que piora à noite;
  • Secreção nasal;
  • Congestão nasal, sensação de nariz entupido;
  • Edema (inchaço) ao redor dos olhos.

Os seios paranasais são cavidades ósseas localizadas ao redor do nariz e atrás da maçã do rosto, atrás da testa e dos olhos. Os seios são revestidos por uma mucosa, que produz o muco, que é escoado para o nariz através de pequenos túneis.

Quando esses túneis ficam obstruídos por secreção, edema da mucosa ou outra causa, os seios paranasais perdem a comunicação com o nariz, ficando selados e sem ventilação. O muco fica então acumulado, facilitando inclusive a proliferação de vírus, bactérias ou fungos, por vezes originando quadro de sinusite infecciosa.

Os sintomas da sinusite alérgica também são encontrados nas rinites alérgicas. As alergias provocam com frequência uma reação na mucosa de edema, congestionando os seios, favorecendo a proliferação de germes e consequentemente infecções, ou seja, cria-se um círculo vicioso: a alergia causa sinusite e esta, por sua vez, piora a alergia.

Leia também: Diferenças entre Rinite, Sinusite e Resfriado

A sinusite alérgica não tem cura, uma vez que a alergia é uma herança genética. Por isso é fundamental identificar e afastar-se dos fatores que podem desencadear uma crise alérgica e manter acompanhamento médico regular.

O/A médico/a otorrinolaringologista é o responsável por acompanhar casos de sinusite alérgica.

Saiba mais em:

Sinusite faz o nariz sangrar?

Sinusite dá tontura?

Quais são os sintomas da sinusite?

Qual é o tratamento para sinusite alérgica?

12 benefícios do Tribulus terrestris e quem pode tomar
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Enfermeira doutorada em Saúde Pública

Tribulus terrestris é uma planta de origem europeia e asiática bastante utilizada na medicina chinesa e indiana. O extrato do tribulus é usado como um suplemento fitoterápico e tem muitos benefícios.

Atua estimulando a vasodilatação e produção natural de testosterona, principal hormônio sexual masculino, mas presente, em menor quantidade, também nas mulheres. Seu principal composto ativo são as saponinas. São elas que induzem a produção da testosterona.

A protodioscina é um composto de saponina responsável pela vasodilatação. Isto é importante para entender os benefícios do Tribulus terrestris.

Quem pode usar Tribulus terrestris?

O fitoterápico Tribulus terrestris pode ser usado por pessoas com idade acima de 30 anos.

Tribulus terrestris ajuda a regularizar os níveis de glicose no sangue

Foi demonstrado em estudos recentes que o extrato do Tribulus terrestris tem a capacidade de reduzir os níveis de glicose sanguínea tanto em quem os tem elevados, mas não considerado diabético, como em pessoas diabéticas.

É verdade que o tribulus terrestris aumenta a libido?

Sim. Em pesquisas com seres humanos foi demonstrado que o uso de Tribulus terretris contribui para o aumento da libido. Este efeito é provocado pelo aumento transitório dos níveis de testosterona.

10 Benefícios do Tribulus terrestris 1. Amplia o tempo de ereção

O aumento do tempo de ereção foi comprovado em pesquisa com seres humanos e este efeito se deve à ação vasodilatadora da protodioscina. Além disso, a protodioscina pode aumentar discretamente os níveis de testosterona, o que auxiliaria neste efeito. No entanto, a elevação dos níveis de testosterona foi evidenciada somente em pesquisas feitas com animais. Em humanos ainda não há comprovações.

2. Aumenta a fertilidade

O Tribulus terretris também estimula a produção de espermatozoides (espermatogênese), nos homens. Nas mulheres promove a melhoria da ovulação. Estes efeitos contribuem para a fertilidade.

3. Melhora da irrigação sanguínea vaginal

Há também estudos em animais que mostram que a ação vasodilatadora da protodioscina provoca uma melhor irrigação sanguínea do canal vaginal, em mulheres.

4. Reduz a sensação de calor e sudorese noturna em mulheres no período de menopausa

Ainda não se conhece o mecanismo de ação que provoca a redução da sensação de calor e a suores noturnos (sudorese noturna) em mulheres durante a menopausa.

5. Diminui os sintomas da Tensão Pré-Menstrual (TPM)

Estão sendo estudados os meios pelos quais o uso do Tribulus terretris causa este efeito.

6. Ajuda a reduzir a pressão arterial

Este efeito, observado em estudos feitos com animais, ocorre porquê a protodioscina estimula a produção de óxido nítrico, substância que causa a vasodilatação

7. Controla o colesterol ruim (LDL)

As pesquisas com animais também revelaram que o uso de Tribulus terrestris também ajuda a controlar o colesterol, entretanto o mecanismo responsável por este efeito ainda não é conhecido. Além disso, são necessários estudos que comprovem este efeito em seres humanos.

8. Previne problemas cardíacos

As saponinas presentes no Tribulus terrestris podem auxiliar na prevenção da morte precoce das células cardíacas. A prostodioscina inibe uma substância chamada de angiotensina que, quando em níveis elevados na circulação sanguínea, provoca alterações da pressão arterial e aumenta o risco de doenças cardiovasculares.

9. Aumento da massa muscular e redução dos índices de gordura corporal

O ganho de massa magra em praticantes de atividade física foi observado em estudos feitos em animais com crescimento leve dos músculos. Em humanos estes efeito ainda não foi comprovado. A diminuição do percentual de gordura ocorreria como uma consequência do aumento de massa muscular.

10. Redução da retenção de líquidos

O Tribulus terrestris desempenha ação diurética, fazendo com que ocorra a redução da retenção hídrica (sensação de inchaço).

Como tomar o Tribulus terrestris?

O Tribulus terrestris pode ser usado em forma de cápsulas ou em pó. A dosagem correta deve ser ajustada de acordo com os objetivos pretendidos.

Se Recomenda que o pó ou comprimidos sejam feitos com extrato seco de Tribulus terrestris, de preferência em farmácias de manipulação, para manter a concentração adequada das saponinas.

Uma avaliação nutricional ou médica antes de iniciar o uso também são recomendadas.

Efeitos colaterais do Tribulus terrestris

São poucos os efeitos colaterais do Tribulus terrestris. Pode-se citar:

  • Insônia
  • Queda de cabelo
  • Ginecomastia (crescimento das mamas em homens)
  • Refluxos gástricos
Contraindicações do Tribulus terrestris

Tribulus terrestris é contraindicado em casos de:

  • Mulheres grávidas
  • Mulheres que estão amamentando

Saiba mais:

Como aumentar minha libido?

Falta de libido: o que pode ser e o que fazer

7 erros que você não pode cometer se quer emagrecer

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?

Referências:

1. Sanagoo S, Oskouei BS, Salehi-Pourmehr H, Hazhir N, Farshbaf-Khalili A. Effect of Tribulus terrestris L. on sperm parameters in men with idiopathic infertility: A systematic review. Complementary Therapies in Medicine 2019; 42:95-103.

2. Tian C, Chang Y, Zhang Z, Wang H, Xiao S, Cui C, Liu M. Extraction technology, component analysis, antioxidant, antibacterial,analgesic and anti-inflammatory activities offlavonoids fraction from Tribulus terrestris l. leaves. Helion 2019; 5(e02234):1-11.

Dor no pé da barriga: o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor no pé da barriga pode ser causada por várias doenças e condições. Também chamada de dor pélvica ou dor no baixo ventre, é uma dor abdominal inferior, localizada abaixo do umbigo, que pode indicar um problema no trato urinário, nos órgãos reprodutivos ou no aparelho digestivo. O pé da barriga, baixo ventre ou pelve, é a região entre o abdômen e as coxas. Inclui a parte inferior do abdômen, a virilha e os órgãos genitais. Homens e mulheres podem sentir dor nessa parte do corpo.

Algumas causas de dores no pé da barriga, incluindo cólicas menstruais em mulheres, são normais e não são motivo de preocupação. Outras podem ser sérias e graves, necessitando de tratamento urgente e específico.

O que pode causar dor no pé da barriga? Infecção do trato urinário

A infecção urinária pode ocorrer em qualquer parte do trato urinário. Isso inclui uretra, bexiga, ureteres e rins. As infecções urinárias afetam sobretudo asmulheres, mas também podem ocorrer em homens. A bexiga costuma ser o órgão mais acometido, o que chamamos de cistite.

Os sinais e sintomas de infecção urinária incluem dor no pé da barriga, sensação de pressão ou peso no baixo ventre, urina turva, escura ou com mau cheiro, vontade frequente de urinar, presença de sangue na urina e dor ou ardência ao urinar.

A maioria das infecções urinárias afeta a bexiga. Além das infecções bacterianas, a cistite também pode ser causada por reação a medicamentos ou a produtos químicos, radioterapia e uso prolongado de cateter.

Infecção sexualmente transmissível

Uma infecção sexualmente transmissível é uma infecção transmitida por contato sexual. Dentre as mais comuns estão a clamídia e a gonorreia. Essas infecções são causadas por bactérias e geralmente aparecem juntas.

Em muitos casos, a gonorreia e a clamídia não causam sintomas, porém quando causam dor, nas mulheres a queixa é localizada no pé da barriga, especialmente ao urinar ou evacuar. Nos homens, a dor pode se localizar nos testículos.

Além da dor pélvica e da dor abdominal, os sintomas de uma infecção sexualmente transmissível podem incluir: secreção pela uretra, dor ou queimação ao urinar, sangramentos entre os ciclos menstruais, corrimento, dor ou sangramento no reto, pus na urina, aumento da frequência urinária, dor durante as relações sexuais, sensibilidade e inchaço nos testículos (homens).

Hérnia

O tipo mais comum de hérnia é a hérnia inguinal, que ocorre quando o intestino empurra o músculo abdominal e uma parte do órgão extravasa através de uma área enfraquecida do músculo.

As hérnias inguinais frequentemente afetam os homens. A hérnia pode ser sentida através de um caroço doloroso na porção inferior do abdômen ou na virilha. O caroço desaparece quando o indivíduo se deita e pode ser empurrado de volta para dentro da cavidade abdominal.

Os sinais e sintomas da hérnia inguinal incluem dor no pé da barriga, que piora ao rir, tossir ou inclinar-se para frente; fraqueza na virilha; presença de protuberância que cresce lentamente na parede do abdômen (ou virilha) e sensação de plenitude (“barriga cheia”).

Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável é um distúrbio gastrointestinal que afeta o funcionamento do intestino grosso. A causa exata não está clara, mas parece estar relacionada a distúrbios psicológicos, associado a problemas nos músculos intestinais e presença de bactérias intestinais.

A síndrome do intestino irritável causa problemas digestivos, incluindo dores no pé da barriga, dor abdominal, cólicas, alteração no trânsito intestinal (diarreia / prisão de ventre), inchaço abdominal, gases e presença de muco branco nas fezes.

Saiba mais sobre o assunto no artigo: O que é a síndrome do intestino irritável?

Apendicite

Apendicite é uma inflamação do apêndice. O apêndice é um pequeno saco em forma de dedo anexado à primeira parte do intestino grosso. Está localizado no lado inferior direito do abdômen, ou seja, no pé da barriga do lado direito.

A apendicite pode causar dor abdominal intensa, que geralmente começa no umbigo e depois irradia para a porção inferior direita do abdômen. A dor tende a piorar, especialmente ao tossir ou espirrar.

Os sintomas da apendicite incluem forte dor no pé da barriga do lado direito, perda de apetite, prisão de ventre, diarreia, náusea, vômito, inchaço abdominal, febre baixa e incapacidade de eliminar gases.

A apendicite é uma urgência cirúrgica! Na sua suspeita, procure imediatamente um atendimento médico.

Cálculo renal (pedra no rim)

Os cálculos renais são pedras formadas por depósitos minerais que se desenvolvem no trato urinário. As pedras podem se formar nos rins ou na bexiga. Também é possível que pequenas pedras nos rins entrem na bexiga.

Os cálculos renais e da bexiga nem sempre causam sintomas, mas podem causar dor abaixo do umbigo (dor pélvica, dor no baixo ventre ou no pé da barriga), dor nas laterais do tronco e nas costas (abaixo das costelas), dor ao urinar, micção frequente, sangue na urina e escurecimento da urina.

Aprisionamento do nervo pudendo

O nervo pudendo é o principal nervo pélvico. O aprisionamento do nervo pudendo ou neuralgia do pudendo ocorre quando o nervo pudendo está irritado ou danificado. O sintoma inicial é a dor pélvica constante, que pode piorar ao se sentar.

A dor no pé da barriga pode ser sentida em queimação, aperto, formigamento ou tipo "facadas". Outros sintomas incluem dormência, aumento da sensibilidade à dor na pelve, micção frequente, desejo repentino de urinar, dor durante as relações e disfunção erétil.

Aderência abdominal

As aderências abdominais são bandas fibrosas de tecido cicatricial que se formam no abdômen. As bandas podem se desenvolver entre as superfícies dos órgãos ou entre os órgãos e a parede abdominal. Essas aderências podem torcer, puxar ou pressionar os órgãos próximos, localizados na pelve.

Geralmente, a aderência abdominal ocorre em pessoas que fizeram cirurgia no abdômen. A maioria das aderências não causam sintomas. Contudo, quando presentes, causam dor abdominal que se espalha para o baixo ventre.

As aderências abdominais podem levar à obstrução intestinal. Nesses casos, além de causar dor no pé da barriga, pode haver inchaço abdominal, prisão de ventre, náusea, vômito, retenção de gases e interrupção dos movimentos intestinais.

Saiba mais em: Dor abdominal: o que pode ser?

O que pode causar dor no pé da barriga em homem?

A dor no pé da barriga em homem pode ser causada por problemas urinários, reprodutivos ou intestinais. Contudo, existem muitas causas possíveis para a dor no baixo ventre em homem. É importante observar outros sintomas, que podem ajudar a determinar a causa da dor.

Prostatite

A prostatite é uma inflamação da próstata. A próstata é uma glândula que produz o líquido que compõe o sêmen. A prostatite pode ser causada por infecção bacteriana ou por danos nos nervos do trato urinário inferior. Às vezes, a inflamação não tem uma causa aparente.

Além de dor no pé da barriga, os sinais e sintomas da prostatite incluem:

  • Dor genital (pênis e testículos);
  • Dor abdominal ou na região lombar;
  • Dor entre o saco escrotal e o reto;
  • Sangue na urina;
  • Urina turva;
  • Micção frequente;
  • Dor ao urinar;
  • Ejaculação dolorosa;
  • Sintomas gripais (prostatite bacteriana).
Estenose uretral

Nos homens, a uretra é um tubo fino que leva a urina da bexiga para o exterior do corpo, além de transportar o sêmen. A uretra pode desenvolver cicatrizes devido a inflamação, infecção ou lesão. As cicatrizes estreitam o tubo, o que reduz o fluxo de urina. Isso é chamado de estenose uretral.

A dor no pé da barriga é um sintoma comum da estenose uretral. Pode também haver dor ao urinar, urina com sangue ou escura, fluxo lento de urina, perda de urina, pênis inchado e sangue no sêmen.

Hiperplasia prostática benigna

A hiperplasia prostática benigna (HPB) é um aumento benigno da próstata, ou seja, não é um câncer. Uma próstata aumentada pode pressionar a uretra e a bexiga. Isso reduz o fluxo de urina e causa dor no pé da barriga e na pelve.

Outros sintomas da HPB incluem dor ao urinar, micção frequente (especialmente durante a noite), vontade constante de urinar, com sensação de esvaziamento incompleto, fluxo de urina fraco, urina com mau cheiro e dor após a ejaculação.

Síndrome da dor pélvica crônica

A síndrome da dor pélvica crônica é uma causa comum de dores no pé da barriga em homens. É frequentemente chamada de prostatite não bacteriana crônica, porque torna a próstata sensível, mas não é causada por bactérias.

A síndrome da dor pélvica crônica geralmente causa dor intermitente. Outros sintomas incluem dor na região lombar, dor nos órgãos genitais, micção frequente, dor ao urinar ou evacuar, piora da dor durante relações sexuais e disfunção erétil.

Síndrome da dor pós-vasectomia

A vasectomia é um método anticoncepcional definitivo masculino. Trata-se de um procedimento cirúrgico no qual o ducto deferente (tubos que transportam os espermatozoides) são cortados ou bloqueados. Até 2% dos homens que fazem vasectomia desenvolvem dor crônica. Isso é chamado de síndrome da dor pós-vasectomia.

A síndrome causa dor genital que se espalha para a pelve e para o abdômen. Outros sintomas incluem: dor durante a relação, na ereção e ejaculação, além de disfunção erétil.

O que pode causar dor no pé da barriga em mulheres?

Existem muitas causas de dor no pé da barriga em mulheres. A dor pélvica pode ser aguda ou crônica. Uma dor aguda refere-se a uma dor súbita ou nova. A dor crônica refere-se a uma condição duradoura, que pode permanecer constante ou ir e vir, há mais de 3 meses.

Doença inflamatória pélvica (DIP)

A doença inflamatória pélvica (DIP) é uma infecção dos órgãos reprodutivos femininos. Geralmente é causada por uma infecção sexualmente transmissível não tratada, como clamídia ou gonorreia. As mulheres geralmente não apresentam sintomas quando são infectadas pela primeira vez.

Se não tratada, a DIP pode causar complicações sérias, incluindo dor crônica e intensa na pelve (pé da barriga) ou no abdômen. Outros sintomas podem incluir sangramento durante a relação sexual, febre, corrimento vaginal intenso com odor desagradável, dificuldade ou dor para urinar.

A doença inflamatória pélvica requer atenção médica imediata para evitar complicações adicionais, como gravidez ectópica, cicatrizes nos órgãos reprodutivos, abscessos e infertilidade.

Endometriose

A endometriose pode ocorrer em qualquer mulher em idade reprodutiva. É causada pelo crescimento de tecido uterino fora do útero. Porém, esse tecido continua a agir da maneira que faria se estivesse dentro do útero, incluindo espessamento e descamação com sangramento durante a menstruação.

A endometriose geralmente causa graus variados de dor pélvica, que variam de leve a debilitante. Essa dor no baixo ventre costuma ser mais forte durante a menstruação. Também pode ocorrer durante a relação sexual e com os movimentos intestinais ou da bexiga. A dor geralmente é localizada no pé da barriga, mas pode se estender para o abdômen.

Além da dor pélvica, a endometriose também pode causar fluxos menstruais mais intensos, náusea e inchaço. A endometriose é uma das causas mais comuns de infertilidade.

Ovulação

Algumas mulheres experimentam dores no pé da barriga agudas e temporárias durante a ovulação, quando um óvulo é liberado de um ovário. Essas dores geralmente duram apenas algumas horas.

Menstruação

A dor pélvica pode ocorrer antes e durante a menstruação e é geralmente descrita como cãibras na pelve ou no pé da barriga. A intensidade da dor pode variar de mês para mês.

Além de dor no baixo ventre, a menstruação pode provocar inchaço, irritabilidade, insônia, ansiedade, aumento da sensibilidade das mamas, mudanças de humor, dor de cabeça e dor nas articulações. Esses sintomas geralmente desaparecem quando vem a menstruação.

A dor no pé da barriga durante a menstruação é chamada dismenorreia. Essa dor pode parecer com cãibras no abdômen ou se manifestar como uma dor persistente nas coxas e na região lombar. Pode ser acompanhada por náusea, dor de cabeça, tontura e vômito.

Torção ovariana

Se o ovário torcer repentinamente sobre o seu eixo, pode haver uma dor imediata, aguda e insuportável no pé da barriga. Às vezes, a dor pélvica é acompanhada de náusea e vômito. Essa dor também pode começar dias antes como cólicas intermitentes.

A torção ovariana é uma emergência médica que geralmente requer cirurgia imediata.

Cisto no ovário

Cistos no ovário geralmente não causam sintomas. Contudo, se forem grandes, a mulher pode sentir uma forte dor no quadrante inferior esquerdo ou direito do abdômen e dor abdominal difusa. Também pode haver inchaço e sensação de peso no baixo ventre. Se o cisto se romper, pode haver uma dor repentina e aguda no pé da barriga.

Mioma uterino

Miomas uterinos são tumores benignos do útero. Os sintomas variam de acordo com o tamanho e a localização, ou nem causam sintomas.

Porém, miomas grandes podem causar sensação de pressão ou dor abaixo do umbigo, sangramento durante a relação sexual, períodos menstruais intensos, problemas com a micção, dor na perna, prisão de ventre e dor nas costas. Miomas também podem dificultar uma gravidez.

Câncer ginecológico

O câncer ginecológico pode surgir no útero, no endométrio (camada interna do útero), no colo do útero ou nos ovários. Os sinais e sintomas variam, mas geralmente incluem dor abaixo da barriga ou dor abdominal difusa, dor durante a relação sexual e corrimento vaginal.

Síndrome de congestão pélvica

A síndrome de congestão pélvica caracteriza-se pelo desenvolvimento de varizes nos ovários. Ocorre quando as válvulas que normalmente mantêm o sangue fluindo na direção correta pelas veias não funcionam mais. Isso faz com que o sangue retorne nas veias, que incham.

A dor no pé da barriga é o principal sintoma da síndrome de congestão pélvica. A dor muitas vezes piora durante o dia, especialmente se a mulher estiver sentada ou em pé por muito tempo. Também pode haver dor durante a relação sexual e na época da menstruação.

Outros sintomas incluem diarreia, prisão de ventre, varizes nas coxas e dificuldade em controlar a micção.

Prolapso de órgão pélvico

Os órgãos pélvicos femininos permanecem no lugar devido a uma rede de músculos e outros tecidos que os sustentam. Devido ao parto e à idade, esses músculos podem enfraquecer e permitir que a bexiga e o útero caiam.

O prolapso de órgão pélvico pode afetar mulheres de qualquer idade, mas é mais comum em mulheres mais velhas. Esta condição pode causar uma sensação de pressão ou peso no baixo ventre. A mulher também pode sentir um caroço saindo da vagina.

Gravidez

Dor no pé da barriga pode ser gravidez. A dor pélvica é comum durante a gestação. À medida que o corpo da mulher se ajusta e cresce, seus ossos e ligamentos se esticam. Isso pode causar dor ou desconforto.

Porém, uma dor pélvica na gravidez acompanhada de outros sintomas, como sangramento vaginal, ou se não desaparecer ou durar um longo período de tempo, deve ser avaliada pelo médico obstetra.

Veja também: Dor no pé da barriga pode ser gravidez?

Algumas possíveis causas de dor no pé da barriga durante a gravidez incluem:

Contrações de Braxton-Hicks

Essas contrações ocorrem com mais frequência no 3º trimestre de gravidez, causando dores no pé da barriga. Elas podem ser provocados por esforço físico, movimentos do bebê ou desidratação.

As contrações de Braxton-Hicks não são uma emergência médica, mas a gestante deve informar o médico na próxima consulta pré-natal.

Aborto espontâneo

Um aborto espontâneo é a perda de uma gravidez antes da 20ª semana de gestação. A maioria dos abortos ocorre durante o 1º trimestre, antes da 13ª semana de gravidez. Eles são frequentemente acompanhados por:

  • Sangramento vaginal;
  • Cólicas abdominais;
  • Dores no pé da barriga, dor abdominal ou na região lombar;
  • Fluxo de fluidos ou tecidos pela vagina.
Trabalho de parto prematuro

O trabalho de parto que ocorre antes da 37ª semana de gravidez é considerado trabalho de parto prematuro. Os sintomas incluem:

  • Dor abaixo do umbigo, que pode parecer contrações agudas e cronometradas;
  • Dor na região lombar;
  • Fadiga;
  • Corrimento vaginal mais intenso que o normal;
  • Cãibras no estômago com ou sem diarreia;
  • Saída do tampão mucoso;
  • Febre (se o parto estiver sendo causado por uma infecção).
Descolamento da placenta

A placenta se forma e se liga à parede uterina no início da gravidez. Ela foi projetada para fornecer oxigênio e nutrir o bebê até o momento do parto. Em situações raras, a placenta se descola parcialmente ou totalmente da parede do útero.

O descolamento da placenta pode causar sangramento vaginal, acompanhado por súbitas sensações de dor ou sensibilidade no abdômen ou nas costas. É mais comum no 3º trimestre, mas pode ocorrer a qualquer momento após a 20ª semana de gravidez.

Gravidez ectópica

A gravidez ectópica ocorre se um óvulo fecundado se implantar em uma das trompa ou em outra parte do aparelho reprodutivo que não seja o útero. Esse tipo de gravidez nunca é viável e pode resultar em ruptura da trompa de Falópio e sangramento interno, com risco de morte para a mãe.

Os principais sintomas são a dor aguda e intensa no pé da barriga e o sangramento vaginal. A dor pode ocorrer no abdômen ou na pelve, pode irradiar para o ombro ou pescoço se houver sangramento interno e o sangue se acumular sob o diafragma.

Em caso de dor no pé da barriga intensa ou que não passa, acompanhada ou não de outros sinais e sintomas, procure um atendimento de emergência para avaliação.

Saiba mais em: Dor pélvica na mulher, o que pode ser?

Estou tentando engravidar e meus seios estão inchados. Posso estar grávida?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, se os seus seios estão inchados e você teve relações durante a ovulação, pode ser que esteja grávida. Seios inchados e doloridos são alguns dos sintomas de gravidez.

Outros sinais e sintomas de gravidez incluem:

  • Atraso da menstruação;
  • Cansaço;
  • Tontura;
  • Sonolência;
  • Inchaço abdominal.

Porém, é importante lembrar que seios inchados também podem ser um sinal de que você vai menstruar. É muito comum as mulheres ficarem com os seios inchados e doloridos durante a TPM. Além disso, o próprio uso do anticoncepcional também pode deixar os seios inchados.

Espere pela sua menstruação. Se houver atraso, aguarde uma semana e faça um teste de gravidez de farmácia. Se der positivo, marque uma consulta com a/o ginecologista, médica/o de família ou clínica/o geral para iniciar o acompanhamento pré-natal. Se der negativo, espere mais uma semana e se a menstruação continuar atrasada, repita o teste. 

Diferenças entre Rinite, Sinusite e Resfriado
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A melhor forma de saber as diferenças entre rinite, sinusite e resfriado é conhecer um pouco de cada doença, o que são, suas causas e sintomas.

Rinite

O que é: Trata-se de um processo inflamatório da mucosa nasal. Pode ter várias causas. A forma mais comum é a rinite alérgica, frequente em pessoas atópicas e desencadeadas por alérgenos. A rinite alérgica está muito associada a fatores genéticos e ambientais.

Quais os sintomas mais comuns da rinite?

Os principais sintomas da rinite incluem coriza, congestão nasal, coceira no nariz, olhos e céu da boca, espirros, lacrimejamento e olheiras.

Outros sinais e sintomas que podem estar presentes: roncos nasais, tosse, falta de ar, respiração oral, dor de cabeça, rouquidão, diminuição do paladar e do olfato.

Os sintomas da rinite se manifestam após a exposição a algum tipo de alérgeno (pó, pólen, fungos, ácaros, pelos de animais), poluentes, como fumaça de cigarro, ou devido a mudanças bruscas de clima.

As infecções virais também podem provocar uma crise ou piorar os sintomas, uma vez que os vírus lesionam e irritam a mucosa que recobre o aparelho respiratório, tornando-a mais sensível aos alérgenos.

Quais as causas da rinite?

A rinite pode ser causada por inalação de alérgenos (ácaros, pó, pólen, pelos, fumaça, perfumes, entre outros), infecções virais, bacterianas ou fúngicas, inalação de irritantes respiratórios e fatores hormonais.

Sinusite

O que é: Inflamação dos seios paranasais, localizados atrás da testa, bochechas, olhos e osso nasal. Normalmente está associada a processos infecciosos causados por vírus, bactérias ou fungos, processos alérgicos ou irritativos.

A sinusite pode ser aguda ou crônica. Na aguda, a inflamação dos seios paranasais é recente, normalmente decorrente de complicações de algum resfriado. Já na sinusite crônica a inflamação dos seios paranasais pode durar meses ou anos.

Veja também: Qual a diferença entre sinusite aguda e sinusite crônica?

Quais os sintomas mais comuns de sinusite?

Os principais sintomas da sinusite incluem dor na face, dor de cabeça, febre, tosse, espirros, secreção, nariz entupido, dificuldade para respirar e inchaço ao redor dos olhos.

Saiba mais em: Quais são os sintomas da sinusite?

Se a sinusite for causada por bactérias, pode haver ainda mau hálito, perda do apetite e cansaço. Por inclusive haver presença de pus na secreção nesses casos.

Quais as causas da sinusite?

A sinusite tem como principais causas: infecção bacteriana, fúngica ou viral, gripes e resfriados, alergia respiratória e desvio de septo nasal.

Algumas doenças e condições favorecem o desenvolvimento da sinusite, como asma, rinite, bronquite, amigdalite, faringite, gripe ou resfriados.

A sinusite ocorre quando os túneis que escoam o muco produzido nos seios paranasais ficam obstruídos por secreção, inchaço da mucosa ou outra causa. Isso provoca acúmulo desse muco, favorecendo a proliferação de bactérias e causando sinusite.

Por essa razão, a principais causas da sinusite são os distúrbios que causam inchaço da mucosa, como rinite e infecções respiratórias virais.

Resfriado

O que é: Infecção do trato respiratório superior (nariz e garganta), causada por um vírus.

Quais os sintomas mais comuns do resfriado?

O resfriado caracteriza-se pela presença de coriza, congestão nasal, espirros ou tosse, lacrimejamento dos olhos e febre, normalmente baixa.

No início, a pessoa pode apresentar um pouco de dor de garganta. A tosse seca pode ainda permanecer durante semanas após o desaparecimento dos sintomas. A febre em adultos é rara, mas pode ocorrer.

Os sintomas do resfriado geralmente se manifestam entre 24 e 72 horas depois do contágio. O tempo de duração dos sintomas varia entre 5 e 7 dias. Em alguns casos de resfriado, os sintomas podem persistir por até duas semanas.

Qual a causa do resfriado?

Os resfriados são causados por vírus como Rinovírus (RV), Adenovírus e Parainfluenza.

A transmissão do resfriado ocorre pelo contato com vírus presentes em partículas de secreção expelidas por uma pessoa infectada.

Apesar de apresentarem sintomas semelhantes, rinite, sinusite e resfriado são doenças diferentes, mas que podem estar associadas umas às outras.

Caso apresente sintomas de rinite, sinusite ou resfriado, consulte o seu médico de família ou clínico geral para uma avaliação, diagnóstico e tratamento adequados. Em casos de recorrência de sintomas da rinite ou sinusite pode ser necessária uma avaliação pelo médico otorrinolaringologista.

Dor no seio durante a gravidez: o que fazer para aliviar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para aliviar a dor no seio durante a gravidez, a gestante deve usar sutiãs adequados e mais confortáveis, feitos com tecidos macios, que tenham alças largas e apoio nas costas. Também é importante que o sutiã não tenha nenhuma armação de ferro, sustente bem a mama e tenha um tamanho ajustável.

Aplicar compressas de água morna nos seios também ajudam a amenizar a dor e o desconforto durante a gestação. Hidratantes com elastina e colágeno na composição podem auxiliar no alívio do incômodo, embora não sejam capazes de acabar com a dor.

Na hora do banho, a mulher deve lavar os seios com sabonete neutro, com movimentos circulares e delicados no sentido dos ponteiros do relógio.

No início da gravidez, é normal os seios ficarem mais sensíveis e doloridos devido às alterações hormonais. O aumento do volume da mama também pode causar algum desconforto e provocar dor.

Para maiores informações sobre como aliviar a dor no seio durante a gravidez, fale durante as consultas com o/a médico/a que está acompanhando seu pré-natal.

Também podem lhe interessar:

Estou com os seios inchados e doloridos o que pode ser?

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?

O que é sinusite e quais as causas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sinusite é uma inflamação da mucosa que recobre os seios paranasais, que são cavidades ósseas localizadas ao redor do nariz, na região frontal (testa) e entre os olhos.

A sinusite pode ser causada por bactérias, vírus, fungos ou reação alérgica. Algumas condições facilitam o desenvolvimento da sinusite, como o desvio de septo nasal, rinite, asma, bronquite, amigdalite, faringite, gripe ou resfriados.

Nadar ou mergulhar a cabeça na água pode permitir a entrada de água e bactérias para os seios da face, causando irritação e infecção, resultando na sinusite. Até mesmo infecções dentárias podem se alastrar pelos seios da face e infectá-los diretamente, causando sinusite.

Seios Paranasais

Existem 2 tipos de sinusite: aguda e crônica. A sinusite aguda é uma inflamação recente dos seios paranasais, geralmente uma complicação de um resfriado. Já a sinusite crônica é a inflamação dos seios da face que dura meses ou anos.

Como ocorre a sinusite?

Dentro dos seios paranasais é produzido um muco, que é escoado para o nariz através de pequenos túneis. Quando esses túneis ficam obstruídos por secreção, inchaço da mucosa ou outra causa qualquer, os seios da face perdem a comunicação com o nariz, ficando selados e sem ventilação.

Assim, o muco produzido pela mucosa fica acumulado, o que facilita a proliferação de bactérias, dando origem à sinusite.

Por isso, as causas mais comuns de sinusite são os distúrbios que provocam edema, ou inchaço da mucosa, como rinite alérgica e infecções respiratórias causadas por vírus. 

Quais são os sintomas da sinusite?

A sinusite tem como principais sintomas a dor e a sensação de peso no rosto (região frontal). Além desses sinais e sintomas, dependendo da causa, pode haver febre, espirros, coriza, nariz entupido, entre outras manifestações.

Quando a sinusite é causada por bactérias, a pessoa pode apresentar também mau hálito, diminuição do apetite e cansaço. Nesses casos, a secreção nasal pode inclusive vir acompanhada de pus.

Saiba mais em: Quais são os sintomas da sinusite crônica?

Como tratar a sinusite?

O tratamento da sinusite depende da sua causa e do tipo de sinusite (aguda ou crônica).

Em geral são indicados:

  • Medidas gerais, de limpeza e manutenção de ambiente higienizado;
  • Medicamentos tópicos, como spray nasal com antialérgicos e corticoides;
  • Vacinas;
  • Medicamentos orais, como antialérgicos, antifúngicos e corticoides;
  • Cirurgia.

A sinusite aguda melhora espontaneamente em alguns dias, enquanto que na sinusite crônica os cuidados são maiores e o tratamento muitas vezes tem como objetivo apenas controlar os sintomas.

Leia também: 

Qual é o tratamento para sinusite bacteriana?

Sinusite tem cura?

Além dos medicamentos, é importante ter alguns cuidados com o ambiente para evitar alergias e irritação das vias respiratórias. Tais medidas incluem evitar fumaça de cigarro e outros poluentes, manter o quarto bem arejado, limpar e aspirar pó frequentemente, usar capa protetora no colchão e no travesseiro, evitar exposição ao frio, cheiros irritantes e evitar o consumo de alimentos com corantes artificiais.

O diagnóstico e tratamento da sinusite é da responsabilidade do médico otorrinolaringologista.

Também podem lhe interessar:

Sinusite crônica tem cura? Qual é o tratamento?

Será que a sinusite pode causar paralisia facial?

Anticoncepcional pára os efeitos da TPM?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O anticoncepcional, especialmente a pílula, são bastante utilizados e, além de evitar a gravidez, também são indicados para diminuir os sintomas de TPM. As pílulas mais novas, que contém o progestágeno drospirenona, foram lançadas com a promessa de acabar com os sintomas da TPM, por proporcionar a estabilidade da flutuação hormonal feminina.

Com o uso da pílula, um grande número de mulheres relatou melhora de: cólicas menstruais, acne e excesso de oleosidade na pele, excesso de peso e inchaço provocados pela retenção de líquido, irritabilidade e depressão.

Além de diminuir os sintomas da TPM, a pílula ainda protege a massa óssea e os cabelos e previne endometriose, anemia, câncer e cistos no ovário.

A pílula anticoncepcional pode começar a ser usada em média dois anos após o inicio do ciclo menstrual. Há contraindicações ao seu uso, como: doenças do fígado que alteram fatores de coagulação, tabagismo, antecedente ou fator de risco para trombose venosa e embolia pulmonar, antecedente pessoal e familiar de câncer de mama ou de ovário.

A escolha do método contraceptivo ou a prescrição do anticoncepcional para amenizar os sintomas da TPM deverá ser feita junto com seu médico ginecologista.

Selene: para que serve, como tomar e quais os efeitos colaterais?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O Selene ® é um anticoncepcional que tem como princípios ativos o etinilestradiol e o acetato de ciproterona, dois hormônios sintéticos. O medicamento está indicado como contraceptivo nos casos de alterações hormonais na mulher, como:

  • Tratamento de doenças de origem hormonal na mulher, como acne (sobretudo quando acompanhada de seborreia, inflamações ou formações de nódulos);
  • Crescimento anormal de pelos e
  • Síndrome dos ovários policísticos.

Apesar de ser um anticoncepcional, o Selene ® não é recomendado para uso exclusivo de contracepção. O medicamento é especialmente indicado para mulheres que apresentam acne, excesso de pelos e síndrome dos ovários policísticos.

O uso da medicação no tratamento da acne é indicado quando os cremes, as pomadas ou os medicamentos antibióticos não são os mais apropriados para tratar o problema ou não resultam em melhora.

O tratamento com Selene ® deve ser interrompido depois que a causa que originou a prescrição do medicamento estiver resolvida, após cerca de 3 a 4 ciclos. O uso de Selene ® não é recomendado para uso continuado apenas como anticoncepcional oral.

Como o Selene ® funciona?

O Selene ® é indicado para tratar doenças associadas aos hormônios andrógenos femininos. Cada comprimido de Selene ® possui uma combinação acetato de ciproterona, hormônio sintético com propriedades antiandrogênicas, e etinilestradiol, uma forma sintética do hormônio estrógeno. Trata-se de um anticoncepcional oral com baixas doses hormonais.

O acetato de ciproterona impede a ação dos hormônios andrógenos, por isso sua indicação no tratamento de doenças decorrentes dos efeitos desses hormônios, como a acne.

O Selene ® também diminui o funcionamento excessivo das glândulas sebáceas, responsável pelo aparecimento da acne e da seborreia, apesar de precisar de algum tempo para que a pessoa observe esse efeito. Depois de 3 a 4 meses de uso de Selene ®, as espinhas e os cravos começam efetivamente a desaparecer.

Mulheres em idade fértil que apresentam excesso de pelos (sobretudo na face), uma condição chamada hirsutismo, também têm indicação de tomar Selene ®. Nesses casos, os resultados só podem ser notados depois de vários meses.

Saiba mais em: O que é hirsutismo e qual é o tratamento?

No tratamento da síndrome dos ovários policísticos, o Selene ® ameniza os sinais de androgenização, regula os níveis hormonais, diminui a formação de cistos ovarianos e o tamanho do ovário e ajuda a regular a menstruação.

A combinação dos hormônios sintéticos acetato de ciproterona e etinilestradiol dá ao Selene ® a sua propriedade anticoncepcional. Desde que tomado da maneira correta, as chances de gravidez são muito pequenas. Por isso, durante o tratamento com Selene ®, não é necessário tomar outra pílula anticoncepcional.

Outro efeito benéfico da medicação é a redução de sangramento durante a menstruação, essa ação torna a menstruação menos dolorosa e ajuda a combater a deficiência de ferro.

Como tomar Selene ®?

A dose indicada de Selene ® é de 1 comprimido por dia. Recomenda-se tomar Selene ® preferencialmente à mesma hora, todos os dias, juntamente com meio copo de água.

Cada embalagem de Selene ® possui 21 pílulas anticoncepcionais, com indicações no verso da cartela dos dias da semana que cada comprimido deve ser tomado. Depois, basta seguir a direção das flechas, acompanhando os dias da semana, até tomar todas as 21 pílulas da cartela.

Quando a cartela terminar, a mulher deverá fazer uma pausa de 7 dias antes de iniciar a nova cartela. Durante essa pausa de uma semana, normalmente ocorre um sangramento parecido com a menstruação, em média após 2 a 3 dias da última pílula. A nova cartela de Selene ® deve ser iniciada então no 8º dia, mesmo que o sangramento ainda não tenha cessado.

O Selene ® tem uma eficácia de 99% na prevenção da gravidez. Porém, o medicamento torna-se menos eficaz quando a mulher esquece de tomar a pílula ou não toma o medicamento corretamente. A eficácia do Selene ® também diminui em caso de vômitos que ocorrem 3 a 4 horas após a mulher ter tomado o anticoncepcional, diarreia intensa e uso de certos medicamentos.

Selene ® engorda?

Sim, tomar Selene ® pode engordar. Contudo, isso não acontece em todos os casos. Apesar de ser considerado um efeito colateral comum, o aumento de peso só ocorre em uma a dez mulheres em cada 100 que tomam o medicamento, ou seja, em 1% a 10% dos casos.

Raramente, o uso de Selene ® pode causar efeito contrário, ou seja, pode emagrecer. No entanto, o emagrecimento é considerado um efeito colateral raro, sendo observado em 0,01% a 0,1% das mulheres que tomam Selene ®.

Quais são os efeitos colaterais do Selene ®?

Efeitos colaterais comuns (ocorrem em 1% a 10% dos casos): náuseas, dores abdominais, ganho de peso, dor de cabeça, depressão, mudanças de humor, dor e aumento da sensibilidade na mamas.Efeitos colaterais incomuns (ocorrem em 0,1% a 1% dos casos): Vômitos, diarreia, retenção de líquidos, enxaqueca, diminuição da libido, mamas inchadas, erupções na pele e urticária.Efeitos colaterais raros (ocorrem em 0,01% a 0,1% dos casos): formação de coágulos sanguíneos, rejeição a lentes de contato, reações alérgicas, perda de peso, aumento da libido, secreção vaginal, secreção nas mamas e doenças da pele.

Para maiores informações sobre o uso de Selene ®, consulte um médico clínico geral, médico de família ou um ginecologista.

Pode lhe interessar também: Ovários policísticos têm cura? Qual o tratamento?