Perguntar
Fechar
9 Coisas que Você Deve Fazer Antes de Engravidar
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Antes de engravidar é importante que a mulher tenha alguns cuidados para preparar o corpo e proteger o bebê contra diversas doenças. Tomar ácido fólico, fazer exame de sangue, ter uma alimentação saudável e controlar o peso são alguns desses cuidados.

Confira 9 coisas que a mulher deve fazer antes de engravidar:

  1. Consulte o seu médico ginecologista:

    • Faça uma avaliação de rotina, que inclui os exames preventivo, de mama, ginecológico e de imagem;
    • Ao informar o seu médico que pretende engravidar, ele solicitará os exames de pré-natal;
    • Informe ao ginecologista se você tem diabetes, pressão alta, epilepsia, depressão ou qualquer outra doença crônica para que ele faça uma adaptação nos medicamentos usados; não esconda nenhuma doença do seu médico;
    • Certifique-se junto do seu médico se as suas vacinas estão em dia e só tome vacina sob orientação médica;
  2. Tome ácido fólico (vitamina B9):
    • O médico deverá também lhe prescrever o ácido fólico pelo menos 3 meses antes de engravidar;
    • Quando já estiver grávida, tome uma dose diária de ácido fólico de 5 mg durante os primeiros 3 meses de gestação;
    • A vitamina B9 diminui em cerca de 70% o risco do bebê ter problemas no fechamento do tubo neural, além de prevenir problemas no desenvolvimento do cérebro do feto (leia também: Para que serve o ácido fólico?);
  3. Mantenha-se dentro do peso ideal:
    • O sobrepeso aumenta as chances de diabetes gestacional e pressão alta, o que ocasiona problemas na nutrição do bebê e riscos à mãe;
    • Grávidas com excesso de peso podem ter um final de gravidez mais complicado e as chances de parto cesárea são maiores;
    • O ideal é que ao final da gestação a mulher tenha ganho no máximo de 10 a 12Kg, que equivalem ao peso do bebê, água, placenta e à retenção de líquidos (inchaço). Peso além desse na verdade consiste em gordura corporal acumulada, o que não é saudável e difícil de perder depois do parto (leia também: Qual o peso mínimo para poder engravidar?);
  4. Não use drogas:
    • O uso de drogas ilegais pode fazer o bebê nascer com síndrome de abstinência, malformações e dificuldade no relacionamento e a aprendizagem da criança;
    • Sabe-se que o uso de maconha, por exemplo, está associado a baixo peso do bebê ao nascer;
  5. Pare de fumar:
    • Fumar pode causar baixo peso ao nascimento, aumenta o risco de parto prematuro, complicações durante a gestação e síndrome de morte súbita do bebê;
    • Mesmo fumantes passivos também correm esses riscos, por isso, fique longe da fumaça do cigarro;
    • Parar de fumar também pode facilitar a ocorrência da gravidez;
  6. Pratique exercícios físicos:
    • A atividade física regular ajuda a emagrecer, melhora o humor, diminui o estresse, além de melhorar a capacidade física da mulher, fortalecendo o corpo e melhorando o condicionamento cardiorrespiratório;
    • Faça pelo menos 40 minutos de exercícios, 3 vezes por semana;
    • Natação, alongamento e caminhada são excelentes atividades para praticar durante a gravidez;
  7. Tenha uma alimentação saudável:
    • Dê preferência a alimentos como frutas, verduras, legumes e proteínas (carnes, peixes, aves, feijão, grão de bico, lentilha, feijão, ovos, laticínios);
    • Evite comer gorduras, frituras e açúcar;
  8. Cuide dos seus dentes:
    • Marque uma consulta no dentista para fazer um check-up da saúde bucal e faça uma limpeza nos dentes antes de engravidar;
    • Doenças periodontais não são raras durante a gestação e podem provocar aborto ou parto prematuro;
  9. Procure manter-se bem emocionalmente:
    • Tente administrar da melhor forma a frustração e a ansiedade;
    • Tentar engravidar e não conseguir pode gerar um grande estresse, prejudicando o seu bem-estar emocional e o relacionamento conjugal.

O mais importante será uma consulta antes da gestação, para esclarecer suas dúvidas, ajustar medicações que precise, realizar exames de rotina e atualizar as vacinas, antes da gestação.

Fale com o seu médico ginecologista!

Pode lhe interessar também: Descobri que estou grávida tarde e não fiz pré-natal. O bebê corre algum risco? O que devo fazer?

Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Mamilo sangrando durante a amamentação pode ser um sinal de pega e posicionamento inadequados, que podem causar rachaduras, fissuras e até fazer o mamilo sangrar.

Para evitar machucados e sangramentos nos mamilos durante a fase de amamentação, é preciso ter alguns cuidados:

  • Garantir uma boa pega: O bebê deve abocanhar todo o mamilo, inclusive a aréola, e não apenas o bico do seio;
  • Preparar o mamilo antes do parto:
    • Lavar as mamas apenas com água, não fazer uso de sabonetes ou cremes, pois retiram a hidratação natural das mamas facilitando o aparecimento de feridas e ou rachaduras;
    • A partir do momento que as mamas estiverem crescendo e se tornando pesadas, não deixe de utilizar um sutiã com boa sustentabilidade, mesmo durante a noite;
    • Tomar sol nos mamilos: Deixe os mamilos expostos ao sol todos os dias, durante 10 a 15 minutos, entre 8h e 10h da manhã, ou depois das 16h. Se não for possível tomar sol, faça o seguinte:
      • Tire a cúpula de um abajur em casa e coloque nele uma lâmpada de 40 watts;
      • Deixe os mamilos expostos à luz a uma distância de 20 cm, durante 15 minutos. Tanto o sol como a luz aumentam a produção de melanina, deixando os mamilos mais resistentes.
Mamilos sangrando pode ser câncer?

Sim, a ocorrência de sangramento pelos mamilos fora do período de amamentação pode indicar problemas mais graves, como câncer de mama.

O principal sinal de câncer de mama é a presença de um nódulo ou endurecimento no seio que não desaparece e não muda de aspecto durante a palpação.

Outros sinais que podem ocorrer:

  • Inchaço;
  • Retração da pele;
  • Vermelhidão;
  • Ulceração ou feridas na pele;
  • Sangramento pelo mamilo;
  • Desvio do mamilo;
  • Alteração da aréola.

Consulte um médico ginecologista ou mastologista em caso de sangramento pelos mamilos ou qualquer outra alteração nas mamas.

Leia também:

Tenho bolinhas nos mamilos. O que pode ser e o que fazer?

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?

Pele oleosa pode ser sintoma de gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, pele oleosa pode ser sintoma de gravidez.

As alterações na pele, que pode ficar mais oleosa ou mais ressecada, dependendo da mulher, são observadas durante a gravidez.

Além do aumento (ou diminuição) da oleosidade da pele, o início da gestação também é marcado pelas seguintes alterações:

  • Atraso menstrual;
  • Mamas doloridas e inchadas;
  • Escurecimento dos mamilos;
  • A mulher começa a urinar com mais frequência;
  • Enjoos e vômitos;
  • Pequeno sangramento (nem sempre), acompanhado por cólicas uterinas;
  • Cansaço;
  • Sonolência.

Leia também: Sintomas de Gravidez; Sintomas de gravidez só aparecem após o atraso menstrual?

A gravidez também deixa a pele mais luminosa e viçosa, devido ao aumento das células de gordura do corpo, que esticam a pele e melhoram o seu aspecto. Porém, se a mulher já tiver tendência para ter pele oleosa, ela poderá desenvolver espinhas.

Contudo, pele oleosa também pode ser sintoma de síndrome do ovário policístico, uma doença nos ovários que também provoca acne, aumento dos pelos do corpo e obesidade.

Veja mais sobre o assunto em Pele e cabelo oleosos: o que pode ser e o que fazer?

Para saber se está mesmo grávida, o melhor é esperar pela menstruação. Se ela atrasar, faça um teste de gravidez de farmácia. Se estiver grávida, consulte o/a médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família. Caso contrário, procure o/a médico/a dermatologista, clínico/a geral ou médico/a de família para fazer uma avaliação da pele oleosa.

Diferenças entre Gravidez e Gravidez Psicológica
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As diferenças entre gravidez e gravidez psicológica podem, no início, passar despercebidas uma vez que a gravidez psicológica provoca os mesmos sinais e sintomas de uma gravidez real, tais como:

  • Menstruação atrasada;
  • Crescimento da barriga;
  • Inchaço das mamas;
  • Aumento da temperatura corporal;
  • Sonolência;
  • Enjoos;
  • "Desejos de grávida";
  • Lactação (produção de leite);
  • Pode inclusive haver alterações hormonais, porém, os níveis de beta HCG, usado para detectar uma gravidez, não mudam.

Na gravidez psicológica, a mulher acredita mesmo que está grávida e o seu corpo sofre alterações, levando também outras pessoas a acreditarem que ela está grávida, inclusive o/a médico/a. Há casos em que a mulher chega a sentir o bebê mexer.

A gravidez psicológica é um distúrbio emocional que faz com que a mulher apresente os sintomas de uma gestação sem estar grávida. A gravidez psicológica pode, inclusive, durar os mesmos 9 meses da gravidez real.

Além dos sintomas físicos, a gravidez psicológica provoca também sintomas psicológicos. Mesmo depois da gravidez ser desmentida pela menstruação, pelos exames de sangue e de imagem (ultrassom), a mulher pode continuar convicta que está grávida.

As mulheres mais propícias a terem uma gravidez psicológica são aquelas que têm um forte desejo de engravidar e não têm sucesso e as que têm pavor de engravidar.

O tratamento dos casos de gestações psicológicas é feito com psicoterapia. Medicamentos antidepressivos também podem ser necessários.

O diagnóstico de uma gravidez psicológica pode ser feito pelo/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral, que deverá posteriormente encaminhar a paciente para o tratamento psicológico e/ou psiquiátrico.

Estou com caroço no bico do seio o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Provavelmente não há relação com seu tumor uterino, quando voltar ao seu ginecologista peça para ele examinar suas mamas. A presença de nódulo no mamilo pode corresponder a diferentes afecções mamilares.

Entre as possíveis causas de nódulo mamilar estão a ectasia ductal, o papiloma intraductal, a presença de um abcesso subareolar, ou mesmo um tumor maligno da mama.

Ectasia ductal da mama

A ectasia ductal ocorre quando um ducto de leite dilata-se, fica com as paredes espessadas e rígidas, levando ao acúmulo de líquido. Pode haver o bloqueio desse ducto, que ocasiona uma alteração no mamilo com formação de nódulo, pode também ocorrer sintomas de sensibilidade, vermelhidão e inchaço local.

O mais comum é a ectasia ductal da mama ser assintomática e geralmente a melhora ocorrer espontaneamente. Em algumas situações é necessário o uso de antibióticos para tratar uma infecção secundária.

A causa da ectasia ductal da mama não está bem estabelecida, mas há associação com o envelhecimento, tabagismo ou inversão mamilar.

Papiloma intraductal

Os papilomas intraductais são nódulos benignos que se desenvolvem em ductos de leite por trás da aréola mamária, não estão associados a um aumento do risco de câncer de mama. Geralmente, a mulher sente que tem uma nodulação embaixo da aréola, eventualmente pode ocorrer também a saída pelo mamilo de um líquido claro e pegajoso, podendo apresentar um pouco de sangue.

Na maioria das vezes esses papilomas não requerem tratamento, em algumas situações quando inflamam pode ser aconselhado uma intervenção cirúrgica para retirada do ducto afetado.

Abscesso subareolar da mama

O abcesso subareolar da mama ocorre quando há uma infecção bacteriana e consequente inflamação nos ductos terminais da mama. É um quadro que pode acometer principalmente mulheres entre os 30 e os 40 anos de idade, é também mais comum em mulheres fumantes.

O abcesso subareolar mamilar também apresenta outros sintomas importante como inchaço, vermelhidão e dor na região acometida, com a sua evolução pode ocorrer a formação de uma fístula com a saída de secreção pustulosa para o exterior da aréola.

O tratamento é basicamente através do uso de antibióticos e drenagem da secreção acumulada no interior do abcesso.

Quando suspeitar de câncer de mama?

Alguns sinais de alerta para a presença do câncer do mama são:

  • Presença de nódulo mamário geralmente endurecido e indolor, com conformação irregular;
  • Saída de líquido transparente ou com sangue do mamilo;
  • Endurecimento ou rigidez da mama, principalmente em volta do mamilo, a pele pode ficar com um aspecto enrugado;
  • Pele avermelhada e sensível na mama e na região das axilas.

Na presença de qualquer um desses sintomas é essencial procurar a avaliação de um médico para avaliação e investigação

Minha filha tem 7 anos e notei que os seios estão nascendo!
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Esse inchaço pode ser o botão mamário, pode acontecer de iniciar num lado antes que ou outro, isso é sinal que os hormônios dela estão começando a entrar em atividade. Porém para saber com certeza o ideal é um médico examinar as mamas dela para realmente dar o correto diagnóstico.

Para que serve o ultrassom com Doppler?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O ultrassom com Doppler serve para avaliar órgãos, estruturas, tecidos, vasos sanguíneos e o fluxo de sangue da região em análise. O ultrassom com Doppler é uma ultrassonografia realizada da mesma forma que as outras, porém, com um adicional que permite a visualização do fluxo sanguíneo do local, analisando a irrigação e a permeabilidade sanguínea.

O ultrassom com Doppler é usado para determinar se a pessoa tem uma condição que reduz ou obstrui a circulação sanguínea. Também pode ser usado para diagnosticar certas doenças cardíacas.

Na área da obstetrícia, por exemplo, o ultrassom com Doppler serve para avaliar o sentido e a quantidade de fluxo sanguíneo que chega para o feto, permitindo, assim, analisar a circulação sanguínea nos vasos uterinos e fetais, além de detectar possíveis alterações na placenta.

Em geral, o ultrassom Doppler serve para:

  • Avaliar o funcionamento do coração. Nesse caso, normalmente é feito em conjunto com um eletrocardiograma, que mede os sinais elétricos no coração;
  • Detectar obstruções na circulação sanguínea;
  • Detectar danos nos vasos sanguíneos e defeitos na estrutura do coração;
  • Identificar estreitamento dos vasos sanguíneos;
  • Monitorar a circulação sanguínea após uma cirurgia;
  • Verificar se a circulação sanguínea entre a gestante e o feto está normal.
Quando o ultrassom com Doppler é indicado?

O ultrassom com Doppler geralmente é indicado quando há presença de sinais e sintomas de fluxo sanguíneo reduzido ou doença cardíaca. Os sintomas variam dependendo da causa. Alguns sintomas comuns de problemas de circulação sanguínea incluem:

  • Dormência ou fraqueza nas pernas;
  • Cãibras dolorosas nos quadris ou músculos das pernas ao caminhar ou subir escadas;
  • Pernas ou pés frios;
  • Mudança na cor da pele ou brilho na pele da perna;
  • Dificuldade para respirar;
  • Inchaço em pernas, pés ou abdômen;
  • Fadiga.

O ultrassom Doppler também pode ser usado em casos de:

  • Derrame cerebral: após um acidente vascular cerebral (AVC), pode ser solicitado um tipo especial de ultrassom com Doppler chamado Doppler transcraniano, que serve para observar o fluxo sanguíneo no cérebro;
  • Lesão nos vasos sanguíneos;
  • Tratamento de distúrbios da circulação sanguínea;
  • Suspeita de problemas circulatórios na gravidez (feto muito pequeno, anemia falciforme, pré-eclâmpsia).
O que é o ultrassom com Doppler?

O ultrassom com Doppler é um exame de imagem que usa ondas sonoras (ultrassônicas) para mostrar a circulação sanguínea através dos vasos sanguíneos. O ultrassom comum também usa ondas sonoras para criar imagens de estruturas internas do corpo, mas elas não podem mostrar o sangue em circulação.

O ultrassom com Doppler funciona medindo as ondas de ultrassom que são refletidas nas estruturas em movimento, como os glóbulos vermelhos. Isso é conhecido como efeito Doppler.

Existem diferentes tipos de ultrassom Doppler:

Doppler colorido: esse tipo de Doppler usa um computador para converter ondas sonoras em cores diferentes, que mostram a velocidade e a direção do sangue em tempo real.

Power Doppler: novo tipo de Doppler colorido. Pode mostrar mais detalhes da circulação sanguínea do que o Doppler colorido comum, mas não mostra a sua direção, o que, em certos casos, pode ser importante.

Doppler espectral: mostra a circulação sanguínea em um gráfico em vez de imagens coloridas. Pode mostrar a forma como um vaso sanguíneo está obstruído.

Doppler Duplex: usa o ultrassom convencional para formar imagens de vasos e órgãos sanguíneos. Em seguida, um computador converte essas imagens em um gráfico, semelhante ao Doppler espectral.

Doppler de ondas contínuas: nesse exame, as ondas ultrassônicas são enviadas e recebidas continuamente. Permite uma medição mais precisa do sangue que flui mais rapidamente.

Como é feito o ultrassom com Doppler?

Geralmente, durante a realização do ultrassom Doppler, a pessoa fica deitada numa maca com a parte do corpo onde o exame será feito descoberta. O profissional espalha um gel especial na pele e sobre o local passa um transdutor, um dispositivo que envia ondas de ultrassom pelo corpo.

O movimento das células sanguíneas altera o tom das ondas sonoras. É possível ouvir sons que parecem assobios ou pulsos durante o procedimento. As ondas são gravadas e convertidas em imagens ou gráficos em um monitor.

Todo o procedimento dura de 30 a 60 minutos. O ultrassom com Doppler pode ser realizado em diversas regiões do corpo, como tireoide, rins, mamas, carótidas, bolsa escrotal, abdômen, coração, entre outras.

Se o ultrassom com Doppler detectar alguma anormalidade, pode ser um sinal de:

  • Obstrução ou coágulo na artéria;
  • Estreitamento dos vasos sanguíneos;
  • Circulação sanguínea anormal;
  • Aneurisma (protuberância em forma de balão nas artérias): faz com que as artérias se estiquem e se tornem mais finas. Se a parede ficar muito fina, a artéria pode se romper e causar uma hemorragia (derrame cerebral);
  • Anormalidade na circulação sanguínea do feto.

O significado dos resultados depende da parte do corpo em que o ultrassom é realizado.

Tenho que me preparar para fazer o ultrassom com Doppler?

Para realizar o ultrassom com Doppler, é necessário tirar roupas e joias da parte do corpo onde o exame será realizado. Também deve-se evitar fumar ou utilizar produtos com nicotina duas horas antes do exame. A nicotina provoca um estreitamento dos vasos sanguíneos e pode interferir nos resultados.

Para alguns tipos de ultrassom Doppler, pode ser necessário fazer jejum de alimentos ou bebidas durante várias horas antes do exame.

O profissional que irá realizar o exame poderá esclarecer eventuais dúvidas em relação ao funcionamento do ultrassom com Doppler e ao procedimento em si.

Realize os exames solicitados pelo/a profissional de saúde e retorne na consulta após o resultado para a devida avaliação.

Parei o anticoncepcional e a menstruação está atrasada, sinto seios inchados e sensíveis, posso estar grávida?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. É possível que esteja grávida se houve relação sem uso de preservativos ou outro método de contracepção.

O atraso menstrual se caracteriza pela ausência da menstruação por mais de 40 a 45 dias do último ciclo, ou seja, mais de 10 a 15 dias após a data esperada, menos do que isso pode acontecer e ocorre com frequência em muitas mulheres.

Porém o atraso, sem uso de contracepção, e sentindo os sintomas descritos sugerem gravidez ou alteração hormonal. O mais adequado é que realize um teste de gravidez o quanto antes, para que tenha certeza desse diagnóstico e buscar tratamento ou devidas orientações.

Toda e qualquer tipo de alteração na menstruação deve ser comunicado ao médico ginecologista.

Também pode lhe interessar:

Enquanto os seios doerem é porque estão crescendo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, é possível que a dor nos seios esteja relacionada ao crescimento das mamas em adolescentes e mulheres jovens. Durante a puberdade a presença de hormônios leva ao crescimento do tecido mamário e estica a pele da mama, esse processo pode levar a uma maior sensibilidade dos seios e dor.

Enquanto a mama não se desenvolver completamente esses episódios de dor podem se repetir. É comum e frequente esse tipo de dor mamária e não representa nenhuma doença.

Em mulheres que já apresentam ciclos menstruais também são comuns episódios de dor mamária no período pré-menstrual, chamada mastalgia cíclica. Nessa situação, a mama torna-se um pouco mais ingurgitada devido à ação hormonal, o que pode ocasionar dor, desconforto e aumento da sensibilidade.

Eventualmente, também podem surgir pequenos nódulos mamários, móveis e dolorosos. Esta dor relacionada ao ciclo menstrual costuma cessar com a vinda da menstruação, em casos mais graves, no entanto, pode persistir por mais dias.

O que fazer para aliviar a dor nos seios?

As dores mamárias relacionados ao ciclo menstrual e a dor associada ao crescimento dos seios na adolescência costumam melhorar espontaneamente. Caso os episódios de dor sejam mais frequentes e incômodos algumas medidas podem ser tomadas para aliviar a dor, como:

  • Uso de sutiã esportivo;
  • Ter uma dieta livre de gorduras;
  • Não fumar;
  • Praticar atividade física.

No caso de dores intensas ou aparecimento de outros sintomas como nódulos endurecidos, secreção mamilar, inchaço e vermelhidão mamária, alterações na pele da mama é importante procurar um médico de família ou ginecologista para uma avaliação.

Sinusite crônica tem cura? Qual é o tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sinusite crônica pode ter cura. O tratamento vai depender das características de cada pessoa, podendo ser com uso de medicamentos orais e tópicos, ou através de uma cirurgia corretiva.

Para casos de sinusite crônica por problemas físicos de obstrução, como um desvio importante de septo, por exemplo, a correção cirúrgica pode ser a medida principal no tratamento definitivo. Nos casos de doença por alergia crônica, viroses ou exposição a temperaturas extremas, o tratamento deve se basear em aplicação de spray nasal, medicamentos orais e mais raramente, indicação de cirurgia. Além das orientações gerais pelo médico otorrinolaringologista.

Por vezes, o principal objetivo do tratamento da sinusite crônica será de prevenir novas crises.

Enquanto a sinusite aguda, na maioria das vezes, resolve-se de maneira espontânea, a sinusite crônica exige maiores cuidados e apresenta pior resposta ao tratamento, nem sempre é alcançada a cura definitiva. Contudo, mesmo que apenas para aliviar os sintomas e manter a doença sob controle, já representa importante melhora na qualidade de vida dessas pessoas.

A sinusite aguda deve ser tratada por 10 a 14 dias. O tratamento da sinusite crônica geralmente é mantido por 3 a 4 semanas, ou mais.

Qual remédio posso usar para tratar sinusite crônica?

Nos casos de sinusite crônica de causa alérgica, o tratamento pode ser feito com vacina antialérgica específica, associada a spray nasal à base de antialérgicos e corticoides.

Se a sinusite crônica for causada por infecção fúngica, o tratamento inclui medicamentos antifúngicos. Contudo, a maioria das sinusites decorrentes de infecções provocadas por fungos necessita de cirurgia.

Geralmente as sinusites crônicas não são causadas por infecções bacterianas, portanto o uso de antibióticos não é útil nesses casos. Os antibióticos podem ser prescritos para:

  • Crianças com corrimento nasal e tosse que não melhora após 2 a 3 semanas;
  • Febre superior a 39°C;
  • Dor de cabeça ou dor no rosto;
  • Inchaço ao redor dos olhos.

É preciso ter cuidado com o uso de descongestionantes nasais como oximetazolina® ou neo-sinefrina®. Eles podem ajudar no início da crise, mas usá-los por mais de 3 a 5 dias pode piorar a congestão nasal.

Quando a cirurgia é indicada para tratar sinusite crônica?

A cirurgia pode ser indicada nos casos de :

  • Problemas físicos (desvio de septo importante, presença de pólipos nasais);
  • Refratário ao medicamento oral e tópico, quando os sintomas não desaparecem depois de 3 meses de tratamento;
  • Casos com mais de duas ou 3 crises de sinusite aguda por ano.

A cirurgia consiste em aumentar a abertura dos seios paranasais, além de limpar e drenar os mesmos, quando houver secreção.

Veja também: Sinusite tem cura?

Contudo, mesmo após a cirurgia, a maioria dos pacientes necessita de tratamento de manutenção, para evitar o retorno da sinusite crônica.

O que posso fazer em casa para tratar a sinusite crônica?

Algumas medidas indicadas para diminuir a falta de ventilação nos seios paranasais:

  • Aplicar panos úmidos e quentes no rosto várias vezes ao dia;
  • Beber bastante líquido para diluir o muco;
  • Inspirar vapor 2 a 4 vezes por dia (pode ser feito no banho, ligando a água quente);
  • Usar solução nasal salina várias vezes ao dia;
  • Usar umidificador de ar nos ambientes.

Para aliviar a dor ou a pressão nos seios paranasais:

  • Evitar andar de avião quando enquanto os seios estiverem congestionados;
  • Evitar temperaturas extremas, mudanças bruscas de temperatura e inclinar a cabeça para frente e para baixo;
  • Fazer uso de anti-inflamatórios (sob orientação médica).
Como prevenir as crises de sinusite crônica?

A melhor maneira de prevenção é manter medidas de higiene ambiental, além de evitar fatores que sabidamente estimulam as crises, como: poeira, fumaça de cigarro, poluição, temperaturas extremas e corantes alimentares.

Podemos indicar como medidas de higiene ambiental:

  • Evitar contato com fumaça de cigarro e outros tipos de poluentes ambientais;
  • Manter o quarto bem ventilado;
  • Evitar ao máximo o acúmulo de poeira;
  • Usar colchão e travesseiro com capa protetora;
  • Remover o mofo do ambiente;
  • Evitar o frio, odores irritantes e corantes artificiais;
  • Beber bastante líquido para aumentar a hidratação do corpo e a umidade dos seios paranasais;
  • Tratar as alergias de forma adequada e rápida;
  • Usar um umidificador de ar para aumentar a umidade dos seios.

Seja qual for a causa da sinusite crônica, é mandatório o cuidado e a prevenção de crises.

O que é sinusite?

A sinusite ocorre quando a mucosa que reveste os seios paranasais fica inflamada devido a uma infecção por vírus, bactérias ou fungos.

Seios paranasais

Existem 2 tipos de sinusite:

Sinusite aguda: os sintomas estão presentes durante no máximo 4 semanas. É causada por bactérias que se proliferam nos seios paranasais.

Sinusite crônica: Ocorre quando o inchaço dos seios paranasais está presente por mais de 3 meses. Pode ser causada por bactérias, reação alérgica ou fungos.

Quais as causas da sinusite?

Os seios paranasais são espaços cheios de ar no crânio. Eles estão localizados atrás da testa, dos ossos do nariz, das bochechas e dos olhos. Seios saudáveis não contêm bactérias ou outros micro-organismos infecciosos. Além disso, a parede desses seios produz um muco para sua defesa, porém o ar passa livremente por essas cavidades, o ar pode circular através delas.

Quando os seios paranasais ficam bloqueados ou há excesso de muco, pela reação inflamatória ou reação alérgica, as bactérias e outros micro-organismos podem se multiplicar mais facilmente, dando origem à sinusite.

A sinusite pode ocorrer quando:

  • Os cílios dos seios paranasais não conseguem remover o muco adequadamente;
  • Ocorre excesso de produção de muco e obstrução dos seios paranasais em resfriados e alergias;
  • A abertura dos seios paranasais fica bloqueada em caso de desvio de septo nasal ou presença de pólipos nasais.

Os seguintes fatores podem aumentar o risco de sinusite em adultos e crianças:

  • Rinite alérgica;
  • Fibrose cística;
  • Frequentar creches (contaminação viral);
  • Mudanças de altitude ou pressão (voar ou mergulhar);
  • Adenoides grandes;
  • Tabagismo (ativo ou passivo);
  • Sistema imunológico enfraquecido por HIV ou quimioterapia;
  • Estruturas anormais dos seios paranasais.
Quais são os sintomas da sinusite aguda e crônica? Sintomas de sinusite em adultos
  • Febre;
  • Dor de cabeça;
  • Congestão nasal;
  • Coriza;
  • Dor semelhante à pressão, atrás dos olhos ou sensibilidade facial;
  • Mau hálito;
  • Perda do olfato;
  • Tosse que geralmente piora à noite (pelo gotejamento da secreção ao se deitar);
  • Fadiga e sensação de desconforto geral;
  • Dor de garganta.

Os sintomas da sinusite aguda em adultos geralmente surgem após um resfriado que não melhora ou piora, passados 5 a 7 dias. Já os sintomas da sinusite crônica tendem a ser mais leves que os da sinusite aguda e duram mais de 3 meses.

Sintomas de sinusite em crianças
  • Doenças respiratórias ou resfriados que estão melhorando e começam a piorar;
  • Febre alta associada à secreção nasal escura por pelo menos 3 dias;
  • Corrimento nasal, com ou sem tosse, por mais de 10 dias.

Embora sejam raros, alguns casos de sinusite podem evoluir com complicações como a formação de abscesso, infecção óssea (osteomielite), meningite e infecção cutânea ao redor dos olhos (celulite).

Em geral, as sinusites são curadas com o tratamento médico e os cuidados pessoais. Episódios recorrentes de sinusite devem ser avaliados por um otorrinolaringologista, para investigar causas secundárias, como pólipos nasais ou outros problemas, como alergias.

Casos de sinusite crônica também devem ser avaliados por um médico otorrinolaringologista, que irá indicar o tratamento mais adequado, de acordo com cada caso.

Quais são os sintomas da sinusite?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os principais sintomas da sinusite são dor e sensação de peso ou pressão no rosto.

Dependendo da causa, pode haver também outros sintomas associados, como: espirros, tosse, obstrução nasal, coriza (nariz escorrendo), dor de cabeça, mau hálito, cansaço, diminuição do paladar e do olfato, febre e sensação de muco na garganta.

Os sintomas da sinusite são muito semelhantes com os sintomas de gripes e resfriados. Porém, nas sinusites, o tempo de duração é superior a 10 dias e o quadro não melhora. Além disso, a dor na face é localizada sobretudo ao redor do nariz e atrás dos olhos e piora ao andar ou inclinar a cabeça para baixo.

Os sintomas da sinusite aguda desaparecem em até 4 semanas, enquanto na sinusite crônica os sintomas permanecem por mais tempo.

Quais são os sintomas da sinusite bacteriana?

Na sinusite bacteriana, pode haver tosse, febre, mau hálito, cansaço, secreção nasal purulenta e falta de apetite. Durante a noite, a tosse pode piorar bastante, sobretudo nas crianças.

Outro sinal característico da sinusite bacteriana é a presença de mais secreção em uma das narinas, que pode ainda sair misturada com pus. O inchaço e a vermelhidão nas pálpebras também podem estar presentes, bem como vômitos e alterações na visão.

Os sintomas desse tipo de sinusite podem ser graves desde o início ou serem leves e piorar progressivamente em dias.

Quais são os sintomas da sinusite crônica?

Os sintomas da sinusite crônica são os mesmos da sinusite aguda. A diferença está na duração e na gravidade dos mesmos. Na sinusite crônica, os sintomas persistem por mais de 12 semanas consecutivas, mesmo que a pessoa esteja fazendo algum tipo de tratamento. Por outro lado, a sinusite aguda pode curar-se espontaneamente em poucos dias.

O seu sintoma mais característico, assim como a aguda, é a dor na face (atrás dos olhos e ao redor do nariz). A dor facial surge principalmente quando a pessoa anda ou abaixa a cabeça.

Geralmente, a sinusite crônica está associada a desvio de septo ou à presença de pólipos nasais. Tanto um como o outro obstrui a comunicação entre os seios paranasais, o que torna a cura da sinusite mais difícil, contribuindo assim para que a doença fique crônica.

O que é sinusite?

A sinusite é a inflamação dos seios paranasais, que são cavidades aeradas localizadas no rosto. Essa inflamação pode ser de causa infecciosa (num quadro gripal, por exemplo), alérgica (nas rinites ou rinossinusites) ou traumática (em caso de diferenças de pressão, como em viagens de avião ou mergulhos).

Os seios da face normalmente produzem uma quantidade de muco, que é constantemente drenada através de canais que desembocam na cavidade nasal. Esse muco serve para proteger as vias respiratórias.

Durante o quadro de sinusite, essa quantidade de muco aumenta muito, o que pode obstruir a drenagem, deixando os seios bloqueados e cheios de muco. Isso pode provocar infecção, dor e sensação de peso no rosto.

Com o passar do tempo, o muco pode se infectar, levando à sinusite bacteriana, que exige tratamento específico com antibióticos.

A sinusite também pode ser uma complicação da rinite alérgica, uma vez que a alergia deixa a mucosa nasal inflamada, o que obstrui os seios paranasais, dificultam a drenagem, oferecendo uma condição propícia para a proliferação de bactérias.

Quais as causas da sinusite?

Em geral, qualquer condição que dificulte a drenagem da secreção nasal, favorecendo o seu acúmulo, pode causar infecção e obstrução dos seios paranasais, levando à sinusite.

As alergias de origem respiratória são uma causa frequente de sinusite. Muitas vezes, as reações alérgicas são causadas por pó, polens e pelos de animais.

Outras causas desencadeantes de sinusite podem incluir clima frio, umidade, traumatismos do nariz, mudanças bruscas de pressão, poluição, fumaça de cigarro, higiene inadequada do nariz, desvio do septo nasal, uso de descongestionantes nasais em excesso e natação.

Qual é o tratamento para sinusite?

O tratamento da sinusite depende da sua causa, podendo incluir o uso de medicamentos orais, como os antibióticos, anti-inflamatórios ou analgésicos, ou tópicos como os descongestionantes nasais, além de sprays nasais com solução salina.

A cirurgia pode ser indicada quando o tratamento medicamentoso não é eficaz ou quando não é possível tratar a obstrução dos seios paranasais de outra maneira.

O tratamento da sinusite crônica é importante para prevenir lesões nos seios nasais. Isso pode incluir: cessação do tabagismo, uso de spray nasal contendo corticoide, lavagem nasal com solução salina ou uso de corticoide oral.

A definição da melhor proposta terapêutica deve ser feita e acompanhada pelo/a médico/a de família, clínico/a geral, pediatra ou otorrinolaringologista.

Saiba mais em:

Sinusite tem cura?

Dor nos ossos: o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A dor nos ossos é um sintoma menos frequente do que a dor na articulação e a dor muscular, e deverá ser diferenciada destes outros tipos de dor.

 A dor óssea pode ocorrer com muitas lesões ou condições, tais como:

  • Câncer nos ossos (malignidade primária), quando pode associar-se a inchaço da região;
  • Câncer quer se espalha para os ossos (malignidade metastática), comum nos casos de mieloma múltiplo, câncer de mama e de próstata;
  • Diminuição do fluxo sanguíneo para os ossos, como na anemia falciforme;
  • Osteomielite (infecção óssea), quando poderá estar presente febre;
  • Lesão ou fratura óssea;
  • Leucemia;
  • Perda de mineralização (osteoporose);
  • Fratura por estresse, mais comum na criança menor de 2 anos.

Leia também: O que é doença de Paget? Quais os sintomas?

O sintoma de dor óssea sempre deverá ser investigado. Procure um médico clínico geral!