Perguntar
Fechar

Urologia

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

A vontade de urinar a toda hora pode decorrer de uma série de motivos e nem sempre é sinal de doença. Diversas condições, patológicas ou não, podem provocar um aumento da produção de urina ou irritações na bexiga que deixam a pessoa com uma vontade constante de urinar.

Poliúria

O excesso de produção de urina (poliúria) caracteriza-se pela produção de mais de 2,5 litros por dia, quando o normal é de 1,2 a 1,5 litros de urina por dia. Isso ocorre ao beber muito líquido e na gravidez, o que é normal, mas também pode ser sintoma de doenças como diabetes e insuficiência renal, ou ainda efeito colateral de medicamentos diuréticos.

Veja também: Quais os Sintomas para Suspeitar de Diabetes?

Polaciúria

O aumento da frequência urinária acompanhada de pouca eliminação de urina (polaciúria), ou seja, sentir vontade de urinar toda hora mas em pequenas quantidades, é um sintoma característico de cistite (infecção urinária na bexiga) ou doenças da próstata. No entanto, trata-se de uma condição normal durante a gestação.

Leia também: O que é cistite e quais os sintomas?

Nictúria

A nictúria caracteriza-se pela vontade de urinar durante à noite e pode ter as mesmas causas da poliúria e da polaciúria. Ir ao banheiro uma vez depois de dormir é considerado normal, mas quando a frequência de micções noturnas aumenta, é um sinal muito típico de doenças da próstata, insuficiência cardíaca, cirrose e outras doenças que causam inchaço nas pernas. Ao deitar, o edema é reabsorvido no sangue e esse excesso de água é então eliminado pelos rins.

Síndrome da Bexiga Hiperativa

A Síndrome da Bexiga Hiperativa afeta tanto homens como mulheres, embora seja mais comum na mulher. Trata-se de uma alteração no funcionamento da bexiga que provoca contrações involuntárias no órgão, causando vontade constante e urgente de urinar.

Pessoas com essa Síndrome têm mais de 8 micções ao longo do dia e da noite, inclusive depois de dormir. A urgência urinária, ou seja, a necessidade de urinar logo que se tenha vontade, é outro sintoma característico da Síndrome da Bexiga Hiperativa.

Veja também: O que é bexiga hiperativa e quais os sintomas?

Em caso de vontade de urinar a toda hora, consulte um clínico geral, médico de família ou um urologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Saiba mais em:

O que pode causar ardência ao urinar?

Dor ao urinar, o que pode ser?

Vontade de urinar a toda hora e não conseguir. O que pode ser?

Dificuldade para urinar: o que pode ser e o que fazer?

É normal sentir constantemente vontade de urinar?

Coceira no pênis, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A coceira no pênis pode ter várias causas, uma delas pode ser a alergia a algum produto como sabonetes e o látex da camisinha (preservativo), ou uma infecção.

As infecções também podem causar coceira, como a candidíase, que é uma infecção causada por um fungo (Candida albicans) e que pode ser transmitida pela relação sexual. Às vezes só se manifesta em um dos parceiros e pode causar além da coceira, irritação e vermelhidão no local. Nas mulheres é comum o aparecimento de secreção vaginal. Ambos os parceiros devem ser tratados. 

Outras infecções como a herpes genital e a tricomoníase podem causar coceira no pênis que, geralmente, aparece acompanhada de outros sintomas como bolhas no pênis (herpes), ardência e dificuldade para urinar (tricomoníase).

Leia também: Coceira que piora durante a noite: o que pode ser?

É necessário a realização de um exame clínico e/ou laboratorial para o diagnóstico adequado da causa da coceira no pênis. O urologista ou o dermatologista são os profissionais indicados para realizar o diagnóstico e orientar o tratamento. 

Também pode lhe interessar: 

Dor no pênis. O que pode ser?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Foram detectados cristais de oxalato de cálcio na minha urina. O que é possível fazer para eliminá-los do organismo?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Primeiramente, é importante frisar que o fato de você apresentar cristais de oxalato de cálcio no exame de urina não significa que você terá cálculo renal, ou que haverá prejuízo a sua saúde.

Algumas pessoas tem predisposição a ter cálculos renais de repetição e nestas pessoas é necessária a investigação para afastar doenças metabólicas.

Nos pacientes que apresentam cálculos renais de repetição, normalmente sintomáticos (levando à cólica renal), é necessária a investigação radiológica (com tomografia ou ultra-som) para determinar a quantidade e tamanho dos cálculos, pois pode ser necessária abordagem cirúrgica, e também investigação sobre distúrbios metabólicos que podem estar associados à predisposição para formação de cálculos. Estes distúrbios estão associados a presença aumentada de cálcio, ácido úrico ou oxalato, ou a diminuição de citrato na urina, e devem ser dosados em exame de urina de 24 horas.

A dieta é muito importante no tratamento dos cálculos renais de repetição e algumas orientações devem ser seguidas:

  • ingestão de líquidos de no mínimo 2,5 litros ao dia. Chás mate e preto devem ser evitados, por conterem oxalato. Sucos de limão e laranja devem ser consumidos por serem ricos em citratos (considerados inibidores da formação de cálculos);

  • evitar o consumo de bebidas alcoólicas. Estas bebidas são ricas em purinas, que devem ser evitadas por pacientes com hiperexcreção de ácido úrico.

  • não restringir da dieta alimentos ricos em cálcio, como leites, queijos e iogurtes. Vegetais verdes escuros também devem ser consumidos;

  • aumentar o consumo de hortaliças e frutas, pois a baixa ingestão de potássio é fator de risco para litíase renal;

  • diminuir o consumo de produtos industrializados, em conserva e embutidos, pelo excesso de sódio presente nestes alimentos;

  • evitar a ingestão de carboidratos simples, pois estes aumentam a excreção de cálcio na urina;

  • evitar consumo excessivo de carnes, pois tem alto teor de purinas, aumentando a excreção na urina de ácido úrico;
  • incluir na dieta alimentos ricos em fitatos, como cereais integrais, leguminosas e oleaginosas, pois estes diminuem a chance de formação de cálculos;
  • evitar suplemento de vitamina C, por aumentar a excreção de oxalato.

Os pacientes com cálculos renais de repetição devem ser seguidos por médico nefrologista e urologista.

O que pode ser dor na virilha e o que fazer?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Dor na virilha pode ter várias causas. As causas mais comuns nas mulheres e homens são citadas abaixo:

  • prática de exercícios ou esportes de alto impacto, como atletismo, hóquei, tênis e futebol, em que a dor ocorre por distensão muscular;
  • osteoastrite (artrose) do quadril, ou bursite;
  • apendicite;
  • prostatite (inflamação da próstata);
  • litíase renal (pedras nos rins);
  • gravidez, especialmente nos meses finais;
  • linfonodos aumentados (ínguas);
  • inflamação ou tumores no testículo;
  • inflamação nos intestinos;
  • diferença no comprimento dos membros;
  • infecção de urina;
  • hérnia inguinal.

O tratamento dependerá da causa da dor na virilha e, para um correto diagnóstico, deve ser procurado um clínico geral, para os casos mais crônicos (que duram semanas a meses) ou um pronto atendimento se a dor for aguda e especialmente se estiver associada a febre e alteração do hábito intestinal ou urinário.

No caso das distensões musculares, artrose, bursite e a associada à gestação, muitas vezes o tratamento será baseado no uso de analgésicos potentes e anti-inflamatórios, além de fisioterapia ou acupuntura. É importante que estas drogas sejam prescritas pelo médico.

Saiba mais em: Distensão muscular: O que é, quais os sintomas e como tratar?

No caso de apendicite, hérnia inguinal e inflamação nos intestinos, é necessário avaliação de urgência, pois poderá ser necessária cirurgia.

No caso de prostatite, infecção de urina e de ínguas, poderá ser necessário o uso de antibióticos.

No caso de tumores no testículo e pedras nos rins, é necessária a avaliação de um médico urologista.

No caso de diferença no comprimento dos membros, deve ser procurado um médico ortopedista.

Para uma avaliação adequada da causa da dor na virilha, pode ser procurado um pronto atendimento ou médico clínico ou cirurgião geral.

Fiz exame de urina e o resultado dos leucócitos está elevado. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Leucócitos altos no exame de urina geralmente é sinal de infecção urinária. Os leucócitos, também conhecidos como glóbulos brancos, são células de defesa do sistema imunológico.

Níveis elevados de leucócitos na urina normalmente indicam que há alguma inflamação no trato urinário, que pode ou não ser causada por algum agente infeccioso.

Algumas possíveis causas de leucócitos altos na urina:

  • Infecção urinária, causada na maioria das vezes pela bactéria Escherichia coli;
  • Tuberculose do trato urinário;
  • Infecção por outros micro-organismos, como fungos e vírus;
  • Nefrite e glomerulonefrite (inflamação dos rins);
  • Cálculos renais (pedra nos rins);
  • Uso de substâncias irritantes;
  • Câncer.

Os valores normais de leucócitos no exame de urina devem estar abaixo de 10.000/ml. Acima desse valor é considerado leucocitúria.

Se a leucocito-esterase e o nitrito estiverem positivos, é provável que seja infecção urinária.

A presença de hemácias (glóbulos vermelhos) e proteína na urina pode indicar inflamação nos rins ou cálculos renais.

Cabe ao médico que solicitou o exame de urina interpretar os resultados, de acordo com os sinais e sintomas apresentados, além de outros exames que podem ter sido solicitados.

Leia também: Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?

Tenho feridas no pênis. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Ferida no pênis pode ser sinal de infecção sexualmente transmissível (IST), câncer de pênis, má higiene, alergia ou micose.

Feridas na cabeça do pênis (glande) também podem ser causadas pelo atrito durante a relação sexual, principalmente em homens que não fizeram a cirurgia da fimose e tendem a ter a glande mais sensível.

Uma IST que pode causar ferida no pênis é a sífilis. O primeiro sinal é uma ferida que surge no pênis mas que não provoca dor e desaparece mesmo sem tratamento. Depois de alguns meses aparecem manchas pelo corpo, que também resolvem-se espontaneamente. Com o passar dos anos, a sífilis pode causar lesões na pele, cegueira, doenças neurológicas, ósseas e cardiovasculares, podendo levar à morte se não tratada devidamente.

O câncer de pênis caracteriza-se pela presença de uma ferida na glande com aspecto irregular e odor muito desagradável, podendo ser dura e elevada. O câncer de pênis ocorre mais frequentemente em locais com baixo nível socioeconômico e está relacionado com má higiene e infecção pelo HPV.

A ferida no pênis também pode ser decorrente de uma balanite, que é uma inflamação na cabeça do pênis. A balanite pode ou não estar associada a uma infecção. Normalmente, está relacionada com micro-organismos infecciosos transmitidos através de relação sexual desprotegida. A inflamação também pode ser causada por doenças de pele, alergias, traumas, má higiene ou ainda câncer de pênis.

Leia também: Dor no pênis. O que pode ser?

Os principais sintomas da balanite são dor na cabeça do pênis, vermelhidão e aumento da temperatura local. Também pode haver inchaço e feridas na glande. Quando há infecção, podem estar presentes bolhas com pus, além de coceira e secreção com mau cheiro.

A presença de feridas no pênis pode ser avaliada pelo/a médico/a de família, clínico/a geral, urologista ou infectologista que poderá realizar o diagnóstico específico e indicar o tratamento apropriado para o seu caso.

Também podem lhe interessar:

Tenho o pênis inchado, o que pode ser?

Coceira no pênis, o que pode ser?

Corrimento no pênis: o que pode ser e como tratar?

Células epiteliais na urina: O que isso significa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A presença de células epiteliais na urina não é sinal de doença. Trata-se apenas de uma observação do resultado do exame de urina, sem relevância clínica. A presença delas na urina é considerada normal, sendo mais comum ocorrer em mulheres.

As células epiteliais são as células do trato urinário. O fato delas estarem presentes na urina significa apenas que essas células descamaram e foram levadas pela urina ao passar pelo canal urinário.

Portanto, células epiteliais na urina são apenas o resultado da descamação natural que ocorre no trato urinário, assim como acontece na pele, por exemplo. A presença delas só é relevante quando se agrupam em forma de cilindro (cilindros epiteliais).

As células epiteliais também podem vir acompanhadas por cristais e leucócitos acumulados, formando muco na urina.

A presença de cristais na urina também não têm importância clínica. Porém, em alguns casos, a presença de certos tipos de cristais pode ser sinal de alguma doença.

Já os leucócitos são glóbulos brancos, ou seja, são as células de defesa do organismo. A presença deles na urina normalmente indica alguma inflamação nas vias urinárias, geralmente infecção urinária, mas também podem estar presentes em diversas situações, como traumas, utilização de substâncias irritantes ou qualquer inflamação que não seja causada por um agente infeccioso.

Saiba mais em: Leucócitos altos na urina, o que pode ser?

Cabe ao médico que solicitou o exame de urina interpretá-lo, uma vez que os resultados devem ser analisados em conjunto com a história clínica, os sintomas e o exame físico do paciente.

Também pode lhe interessar:

Corpos cetônicos positivo no exame de urina: O isso significa?

Nitrito na urina: O que isso significa?

O que são piócitos na urina?

Bactérias na urina são sinal de infecção urinária?

Quais são os sintomas e causas de uma infecção urinária?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A infecção urinária pode afetar a uretra, a bexiga e os rins, e seus sintomas podem variar de uma pessoa para outra e dependem do local que está acometido. Os mais comuns incluem aumento da frequência urinária, dor ou ardência durante a micção, vontade urgente de urinar, dor nos rins, febre e corrimento amarelado na uretra.

Os sintomas de infecção urinária na bexiga, chamada cistite, incluem dor ou ardor ao urinar, vontade de urinar frequente, mas em pouca quantidade, urina esbranquiçada ou turva e com cheiro desagradável.

Quando a infecção afeta os rins, ela é chamada de pielonefrite e pode causar dor ou ardor ao urinar, desconforto abdominal, calafrios e febre acima de 38ºC, dor de um lado das costas, enjoo e vômitos.

Já a infecção urinária na uretra, conhecida como uretrite, pode causar dor ou ardor para urinar e corrimento amarelado na uretra.

Nos bebês e crianças mais novas, os sintomas de infecção urinária são diferentes. Nesses casos, a infecção pode deixar a urina mais escura que o normal e com cheiro desagradável, além de provocar falta de apetite, irritabilidade e febre.  

Leia também:

O que é pielonefrite e quais os sintomas?

Uretrite: Quais os sintomas e possíveis complicações?

O que é cistite e quais os sintomas?

Causas

Geralmente, as infecções urinárias são causadas pela bactéria E. coli, proveniente do intestino. Daí as infecções urinárias serem bem mais frequentes nas mulheres, uma vez que nelas a uretra fica bem mais perto do ânus do que nos homens, o que favorece a entrada de bactérias que habitam o intestino.

Nos homens, a distância entre ânus e uretra é maior, o que dificulta a infecção por bactérias provenientes da região anal.

Veja também: Infecção urinária no homem: quais os sintomas e como é o tratamento?

Porém, a infecção urinária também ocorrer devido a outras condições, como segurar o xixi por muito tempo, beber poucos líquidos, estar grávida, ter relações sexuais com a bexiga cheia e ainda diarreia.

Saiba mais em: Infecção urinária pode ser transmitida através de relação sexual?

Tratamento

O tratamento da infecção urinária geralmente é feito com antibióticos, durante 3, 7, 10 dias ou mais. Alguns exemplos de remédios utilizados contra a infecção urinária são: amoxicilina, cefalexina, ciprofloxacino, norfloxacino e nitrofurantoína.

Casos mais graves de infecções urinárias podem necessitar de tratamento hospitalar para que os medicamentos sejam administrados diretamente na veia. O internamento é indicado principalmente quando os vômitos impossibilitam o uso de antibióticos por via oral. Além disso, os vômitos e a febre aumentam a desidratação, o que reforça ainda mais um acompanhamento mais rigoroso.

Leia também: Qual o tratamento para infecção urinária?

É importante que o antibiótico seja tomado sempre no mesmo horário e pela quantidade de dias que o médico indicou, mesmo que os sintomas desapareçam antes.

Se você apresentar sintomas de infecção urinária, deverá procurar um pronto atendimento para avaliação e prescrição do tratamento.

Saiba mais em:

Infecção urinária dificulta a tentativa de gravidez?

Infecção urinária pode alterar a pressão arterial?

Bactérias na urina são sinal de infecção urinária?