Perguntar
Fechar
Como é feita a ressonância magnética com contraste e quais os riscos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A ressonância magnética com contraste é um exame de imagem feito com um aparelho que emite ondas magnéticas para obter imagens do interior do corpo, não possui radiação.

O contraste serve para o médico poder visualizar e diferenciar melhor os tecidos e os vasos sanguíneos, ajudando a detectar lesões de forma mais precoce, principalmente as lesões pequenas, determinando assim o tratamento adequado. É o exame mais indicado para detectar lesão ou anomalia nas estruturas moles do corpo, suspeitadas durante uma consulta médica e exame clínico.  

O contraste geralmente é injetado em uma veia da mão ou do braço através de uma agulha pequena. Essa injeção na maioria das vezes, só é administrada em uma segunda fase do exame; primeiro é realizado o exame produzindo imagens sem contraste, e quando o médico entende ser necessário um complemento, uma melhor visualização dos órgãos, então é solicitado a administração deste meio de contraste, e realizadas novas imagens.

Os riscos e receios da ressonância magnética com contraste estão relacionados a reações alérgicas, o que é raro. A taxa de reação alérgica ao gadolínio, um dos meios de contraste mais utilizados, de acordo com estudos recentes, não chegam a 1%. As reações mais relatadas devido a aplicação intravenosa do contraste são mal-estar e indisposição, que duram poucos minutos.

A preocupação médica quanto ao exame, refere-se aos pacientes portadores de insuficiência renal, nesses casos o exame com contraste deve ser evitado, já que a substância é eliminada pelos rins, podendo causar uma sobrecarga e piora da doença. Os riscos e benefícios para realização deste exame devem ser discutidos com o médico assistente.

O acúmulo da substância no sangue pode provocar esclerose sistêmica, uma doença autoimune que provoca alterações nos vasos sanguíneos, com diminuição do fluxo de oxigênio e nutrientes para os tecidos do corpo.

A maioria das pessoas submetidas a uma ressonância magnética com contraste pode retornar às suas atividades de vida ou laborais no mesmo dia do exame. O contraste normalmente é eliminado pela urina em até 24 horas. O tempo médio para a realização do exame varia entre 20 e 50 minutos.

Para maiores esclarecimentos sobre o procedimento e os riscos da ressonância magnética com contraste, fale com o médico radiologista, que é o responsável pela realização do exame.

Também podem lhe interessar:

Grávida pode fazer ressonância magnética?

Quem usa aparelho ortodôntico pode fazer ressonância magnética?

É normal sentir dor e sangrar depois da colonoscopia?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Depois da colonoscopia é normal sentir dor abdominal, que são cólicas intestinais causadas pelo ar que é injetado no intestino durante o exame. Já os sangramentos são raros e só ocorrem em pouquíssimos casos, principalmente quando a colonoscopia é feita com biópsia ou remoção de pólipos (polipectomia).

A dor abdominal que pode surgir depois da colonoscopia geralmente desaparece após 4 horas. Já o sangramento pode ocorrer durante o exame ou alguns dias depois. Contudo, se o procedimento for feito sem sedação, pode haver dor e cólicas no momento da colonoscopia.

O/a médico/a deve ser contactado/a com máxima urgência se após a colonoscopia houver dor intensa no abdômen, sangramento persistente, grande volume de sangue nas fezes, febre, vômitos e calafrios.

O exame de colonoscopia não é perigoso. Trata-se de um exame seguro, mas que tem alguns riscos, embora sejam bastante baixos. As complicações mais frequentes são a perfuração e o sangramento, embora sejam raras.

A perfuração ocorre em cerca de 0,5% dos exames de colonoscopia. É mais comum em pessoas idosas com doença diverticular do cólon. Porém, quando os pólipos são retirados, o risco de perfuração é maior, podendo chegar a 2%.

Os sangramentos são ainda mais raros e só acontecem em 0,05% dos exames. Normalmente, ocorrem em pacientes com problemas na coagulação sanguínea, quando a colonoscopia é feita com biópsia. Os sangramentos são mais frequentes quando o exame inclui outros procedimentos, como a polipectomia (retirada de pólipos), podendo ocorrer em até 2,5% dos casos.

A perfuração normalmente necessita de tratamento cirúrgico, enquanto que os sangramentos podem ser resolvidos por cauterização das lesões.

A colonoscopia é feita apenas pelo/a médico/a gastroenterologista, coloproctologista ou colonoscopista, devidamente treinado/a e capacitado/a para a realização do exame.

Leia também:

Como é feita a colonoscopia?

Exame de colonoscopia: como devo me preparar?

Colonoscopia pode detectar câncer de intestino?

Como é o preparo para colonoscopia?

O que é ultrassom obstétrico e para que serve?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Ultrassom obstétrico é o exame de ultrassonografia realizado durante a gravidez.

A função dele é avaliar a placenta, o líquido amniótico que protege o feto, o crescimento e desenvolvimento fetal. Com ele, é possível detectar alguns problemas e anomalias fetais, bem como determinar a idade gestacional e a data provável do parto.

O ultrassom obstétrico é solicitado pelo/a médico/a obstetra, clínico/a geral ou médico/a de família durante a realização do pré-natal.

Todo exame realizado deve ser levado de volta para o/a profissional que solicitou para dar sequência à avaliação.

Converse com sua equipe de saúde sobre suas dúvidas durante o pré-natal. Assim, poderá sentir-se mais segura sobre suas decisões. 

No ecocardiograma, o que significa relaxamento ventricular? É grave?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O relaxamento ventricular observado no ecocardiograma refere-se ao relaxamento do músculo cardíaco que ocorre logo após a sua contração. Não se trata de nenhum sinal de doença, mas sim de uma fase do batimento cardíaco, portanto não é nada de grave.

No entanto, uma alteração no relaxamento ventricular já pode indicar alguma doença cardíaca, estando presente na maioria dos pacientes com problemas cardíacos.

O coração é formado por 4 cavidades: 2 átrios (direito e esquerdo) e 2 ventrículos (direito e esquerdo). O sangue chega ao coração pelos átrios, passa para os ventrículos e é então bombeado para o corpo através da contração ventricular, chamada "sístole".

Logo após essa contração vem a fase de relaxamento ventricular, chamada "diástole", que é quando o músculo cardíaco relaxa para que os ventrículos possam se encher novamente de sangue e continuar o ciclo.

O médico cardiologista poderá esclarecer se há ou não alguma alteração no relaxamento ventricular, bem como as suas possíveis causas.

Cisto no ovário... resultado de ultrassom...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

No seu caso o ideal é:

1) Ficar calma e tranquila que pelo seu exame não é nada para você se preocupar;

2) Fazer um novo ultrassom após um ano (se você tiver muito ansiosa, então repita o ultrassom em 6 meses).

O que são estrias no pulmão e como tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Estrias no pulmão são cicatrizes decorrentes de alguma infecção ou processo inflamatório pulmonar. Tratam-se de sequelas pulmonares de lesões antigas ou atuais. O próprio cigarro pode lesionar os pulmões e deixar cicatrizes nesses órgãos.

As estrias no pulmão são compostas por tecido conjuntivo fibroso, o mesmo tecido presente nas cicatrizes da pele. Da mesma forma que os cortes e as lesões na pele deixam cicatriz, assim também acontece nos órgãos internos. A função do tecido cicatricial é preencher o espaço deixado pelo tecido do órgão que foi destruído.

Portanto, as estrias pulmonares observadas na tomografia computadorizada de tórax não são uma doença que requeira tratamento, mas sim uma marca deixada por inflamações pulmonares. Assim como ocorre na pele, essas cicatrizes muitas vezes já estão bem definidas e não há muito o que fazer. Contudo, em situações muito específicas, as estrias podem ser removidas através de cirurgia.

Quando necessário, o médico pneumologista poderá avaliar o caso e indicar o tratamento.

Grávida pode fazer ressonância magnética?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, grávida pode fazer ressonância magnética. As evidências cientificas atuais não comprovaram que a exposição ao exame seja prejudicial ao feto, mesmo no primeiro trimestre da gestação. 

No entanto, é muito importante enfatizar que o uso de gadolínio, que é o contraste  paramagnético usado no exame, deve ser evitado, pois alguns estudos demonstraram associação do gadolínio com maior risco de morte e complicações neonatais.

Além disso, como todo exame, deve sempre ser cuidadosamente avaliado os potenciais riscos e benefícios da sua realização e o quanto o exame é essencial para a investigação e seguimento da gestante. 

Alguns médicos ainda preferem indicar a ressonância magnética apenas a partir do segundo trimestre como forma de ter maior precaução.

Há situações específicas em que a ressonância magnética é indicada, mesmo no 1º trimestre de gravidez, tais como:

  • Lesões no cérebro ou na medula espinhal da mãe;
  • Grávidas com câncer;
  • Grávidas com doenças aguda torácica, abdominal ou pélvica, que não foram diagnosticadas pela ultrassonografia;
  • Casos específicos de anomalia fetal ou desordem fetal complexa.

Não existe uma legislação específica no Brasil que determina a época da realização da ressonância magnética durante a gravidez. O médico obstetra ou o médico radiologista poderá esclarecer outras dúvidas que a grávida possa ter em relação ao exame durante o pré-natal.

Leia também:

Quem usa aparelho ortodôntico pode fazer ressonância magnética?

Como é feita a ressonância magnética com contraste e quais os riscos?

Grávida pode fazer acupuntura?

Qual a diferença entre eletrocardiograma e ecocardiograma? Para que servem?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A diferença entre eletrocardiograma e ecocardiograma é que o eletrocardiograma é um exame no qual registram-se as variação dos potenciais elétricos produzidos pela atividade elétrica do coração, enquanto que o ecocardiograma examina a estrutura e o funcionamento do coração através de ultrassonografia.

Eletrocardiograma

O eletrocardiograma avalia a atividade elétrica do coração. São esses impulsos elétricos, emitidos pelo próprio coração, que comandam a contração do músculo cardíaco, ou seja, os batimentos o coração. Através do eletrocardiograma, é possível avaliar se esses impulsos estão sendo gerados e transmitidos da forma adequada.

Eletrocardiograma Para que serve o eletrocardiograma?

Algumas indicações do uso do eletrocardiograma incluem situações de urgência e emergência cardiovascular, análise de doenças cardíacas, sobretudo arritmias cardíacas e isquemias, bem como diagnóstico de infarto agudo do miocárdio. O exame é indicado ainda para avaliar doenças das válvulas cardíacas e sequelas no coração causadas pela hipertensão arterial.

Como é feito o eletrocardiograma?

No eletrocardiograma, são colocados eletrodos em pontos específicos do corpo para registrar as diferenças de potenciais geradas pela atividade elétrica do coração. Essa atividade elétrica ocorre devido à variação na quantidade de sódio presente dentro e fora das células do músculo cardíaco.

O eletrocardiograma é realizado com a pessoa deitada. Recomenda-se não fazer nenhum tipo esforço 10 minutos antes do exame e não fumar 30 minutos antes do mesmo. Também é recomendado não beber água gelada antes do exame.

Os elétrodos são fixados no tórax, punhos e tornozelos. A seguir, o aparelho detecta os impulsos elétricos do coração e imprime os resultados numa folha quadriculada específica. O tempo de duração do eletrocardiograma é de apenas alguns segundos.

O eletrocardiograma de esforço é feito com a pessoa numa esteira ou bicicleta ergométrica. Essa forma de eletrocardiograma é indicada sobretudo em casos de angina ou suspeita de doenças cardíacas, principalmente quando o eletrocardiograma em repouso não apresenta anormalidades.

Há ainda uma outra forma de eletrocardiograma, que permite monitorar o coração durante 24 horas. O objetivo desta forma de exame é avaliar o funcionamento do coração ao longo do dia, permitindo comparar o seu comportamento de acordo com as atividades realizadas e os sintomas apresentados pela pessoa.

Ecocardiograma

O ecocardiograma usa ondas de ultrassom para produzir imagens do coração, permitindo visualizar os batimentos cardíacos e o bombeamento do sangue pelo coração. Através das imagens, é possível detectar anomalias no coração e nas válvulas cardíacas.

O ecocardiograma mostra ao/à médico/a imagens estáticas e em movimento do músculo e das válvulas do coração.

Imagem do coração obtida por ecocardiograma

Através da técnica Doppler, é possível identificar a direção e a velocidade do fluxo sanguíneo dentro das cavidades cardíacas.

Trata-se de um exame não invasivo e muito preciso para avaliar o músculo cardíaco, as valvas e o fluxo sanguíneo.

Para que serve o ecocardiograma?

O ecocardiograma é indicado quando há suspeita de lesões nas paredes do coração ou nas suas valvas, ou em casos de alteração no bombeamento do sangue. O ecocardiograma também é usado para detectar doenças cardíacas congênitas, mesmo antes do bebê nascer.

O ecocardiograma serve para avaliar sopro cardíaco, sintomas de palpitação, síncope, falta de ar, dor torácica, portadores de doenças cardíacas como infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, miocardiopatias, doenças das valvas cardíacas, anomalias congênitas do coração, entre outras.

As imagens permitem verificar as dimensões das cavidades do coração e a espessura das suas paredes, avaliar o funcionamento das valvas cardíacas, avaliar a função de contração e relaxamento do músculo cardíaco, avaliar as veias e as artérias do coração, detectar trombos, detectar a presença de doenças cardíacas, entre outras utilizações.

Como é feito o ecocardiograma?

O ecocardiograma pode ser realizado pela via transtorácica ou transesofágica. Na primeira forma, a sonda do aparelho é colocada diretamente sobre o peito da pessoa. Na via transesofágica, a sonda é introduzida no esôfago e o procedimento é feito sob sedação. Esta forma é indicada quando não é possível obter imagens adequadas pelo tórax.

No ecocardiograma transesofágico é necessário um preparo específico para o exame, uma vez que a sonda será inserida no esôfago. Nesses casos, a pessoa não deve comer nas horas que antecedem o ecocardiograma.

O tempo de duração da realização do ecocardiograma é, em geral, em menos de uma hora.

O/a médico/a cardiologista é especialista indicado/a para avaliar os resultados desses exames.