Perguntar
Fechar
Gastrite crônica tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A gastrite crônica é a inflamação da mucosa do estômago e tem cura, se realizadas algumas mudanças de hábitos e uso correto de medicações.

Alguns cuidados devem ser seguidos por todos os pacientes:

  • respeitar o horário e não "pular" refeições;
  • preferir pequenas refeições, 6x/dia, ao invés de grandes refeições, poucas vezes ao dia;
  • mastigar bem os alimentos;
  • dar preferência a frutas, verduras, carnes magras e evitar frituras, refrigerantes, bebidas com cafeína;
  • não fumar;
  • evitar bebidas alcoólicas;
  • evitar o uso de anti-inflamatórios sem prescrição médica.

Se houver infecção pela bactéria H. pylori, que pode ser detectada na endoscopia, é necessário curso de tratamento com terapia tríplice durante 7 dias, para sua erradicação. A terapia tríplice consiste no uso de inibidor da bomba de prótons 2x/dia (omeprazol, lanzoprazol, pantoprazol, esomeprazol ou rabeprazol), associado a amoxicilina 1g, 2x/dia, e claritromicina 500mg, 2x/dia. Há combinações das três drogas disponíveis.

Na ausência de infecção, pode ser necessário tratamento com medicamentos, como inibidores de bomba protônica, como omeprazol, e/ou bloqueadores H2, como a ranitidina.

O seguimento deve ser feito com médico clínico ou gastroenterologista.

Leia também:

5 alimentos que quem tem gastrite deve comer

Quem tem gastrite deve evitar comer o quê?

Principais tipos e como tratar a gastrite: infecciosa, autoimune e erosiva

O que são estrias no pulmão e como tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Estrias no pulmão são cicatrizes decorrentes de alguma infecção ou processo inflamatório pulmonar. Tratam-se de sequelas pulmonares de lesões antigas ou atuais. O próprio cigarro pode lesionar os pulmões e deixar cicatrizes nesses órgãos.

As estrias no pulmão são compostas por tecido conjuntivo fibroso, o mesmo tecido presente nas cicatrizes da pele. Da mesma forma que os cortes e as lesões na pele deixam cicatriz, assim também acontece nos órgãos internos. A função do tecido cicatricial é preencher o espaço deixado pelo tecido do órgão que foi destruído.

Portanto, as estrias pulmonares observadas na tomografia computadorizada de tórax não são uma doença que requeira tratamento, mas sim uma marca deixada por inflamações pulmonares. Assim como ocorre na pele, essas cicatrizes muitas vezes já estão bem definidas e não há muito o que fazer. Contudo, em situações muito específicas, as estrias podem ser removidas através de cirurgia.

Quando necessário, o médico pneumologista poderá avaliar o caso e indicar o tratamento.

Pode lhe interessar também: Água no pulmão: quais as causas, sintomas e como é o tratamento?

Tomografia de crânio: como é feita e para que serve?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A tomografia de crânio permite visualizar o cérebro, o pescoço, os seios da face, a orelha, a mandíbula e os ossos da face, auxiliando assim o diagnóstico de diversas doenças.

O exame pode ser indicado em casos (ou suspeitas) de traumatismo craniano, tumor cerebral, aneurisma, derrame, infecção, hidrocefalia, dores de cabeça, ataques epiléticos, nódulos, alterações no comportamento ou na personalidade, entre outros.

Como é o preparo para a tomografia de crânio?

É necessário estar com 4 horas de jejum para fazer o exame. Os medicamentos habituais não devem ser suspensos, exceto se a pessoa for diabética e tomar medicações contendo metformina, como Diaformin, Glucoformin e Glifage. Nesse casos, é necessário suspender a medicação nas 24 horas anteriores e posteriores à tomografia de crânio.

Também é preciso informar o/a médico/a em caso de problemas renais, uso de marcapasso ou outro dispositivo implantado

Como é feita a tomografia de crânio?

A tomografia computadorizada de crânio é realizada com o/a paciente deitado/a de barriga para cima e com a cabeça apoiada num encosto apropriado para permanecer imóvel durante o exame. Os braços podem ficar esticados ao lado do corpo ou posicionados sobre o abdômen.

Durante o exame, a mesa em que o/a paciente está deitado/a desliza para trás e para frente entre o aparelho de tomografia, que tem a forma de um anel. O tomógrafo emite raios-X que atravessam o crânio e são captados por um scanner, fornecendo imagens bem detalhadas da cabeça.

A tomografia é feita sem anestesia e a pessoa permanece acordada durante todo o procedimento, que dura no máximo 10 minutos. A tomografia de crânio não provoca nenhum tipo de dor, assim como os exames de raio-x tradicionais.

Como é feita a tomografia com contraste?

Pode ser necessário utilizar contraste, que serve para o/a médico/a poder visualizar melhor algumas estruturas ou lesões que ficam mais visíveis com a substância contrastada, como tumores e abscessos cerebrais.

O contraste geralmente é injetado diretamente numa veia da mão ou do braço através de uma agulha pequena e normalmente é eliminado pela urina em até 24 horas.

Os meios de contraste podem causar algumas reações e efeitos colaterais em algumas pessoas, como mal-estar, indisposição, náuseas, coceira e vermelhidão. Contudo, esses sinais e sintomas costumam ser leves e desaparecem espontaneamente em pouco tempo. As reações alérgicas ao contraste são raras.

O que é tomografia e para que serve?

A tomografia computorizada (TAC) é um exame de imagem realizado com uma espécie de aparelho de raios-x, que serve para obter imagens dos órgãos do corpo. A tomografia é especialmente útil, pois permite observar órgãos e tecidos com muito mais clareza que o exame de raio-x convencional.

Em muitos casos, a tomografia permite fazer diagnósticos definitivos de doenças, sem necessidade de recorrer a outros tipos de exame.

Além do crânio, a tomografia computadorizada pode ser usada para avaliar coração, artérias, pulmões, fígado, baço, pâncreas, rins, bexiga, coluna, bacia, membros e articulações.

Quais os riscos da tomografia?

Os riscos da radiação emitida pelo aparelho de tomografia são muito baixos. Porém, no caso de crianças e jovens, podem ser tomadas algumas precauções específicas, bem como em pessoas com diabetes e doenças renais.

Indivíduos com asma ou alergias que estão em tratamento podem precisar tomar medicamentos no dia anterior à tomografia.

A tomografia deve ser evitada durante a gravidez devido à radiação. Por isso, mulheres em idade fértil que vão fazer o exame devem sempre informar o médico se estão grávidas ou em suspeita de gravidez.

Para maiores esclarecimentos sobre o procedimento e os eventuais riscos da tomografia de crânio, fale com o/a médico/a que solicitou a tomografia ou com o/a médico/a radiologista responsável pela realização do exame.

O que é miométrio heterogêneo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Miométrio heterogêneo é um miométrio que não é uniforme em toda a sua extensão, o que sugere a presença de mioma ou adenomiose. O miométrio é a camada mais grossa do útero, formada por músculos, enquanto que o endométrio (camada interna) e o perimétrio (camada externa) são bem mais finos.

A adenomiose é a invasão do endométrio no miométrio. Trata-se da presença de tecido endometrial na parte muscular do útero, o que provoca um aumento do órgão.

Nesses casos, o miométrio apresenta-se heterogêneo durante o exame de ultrassom, podendo ter também pequenos cistos. Há também espessamento ou irregularidades na área de junção entre as duas camadas do útero, o que é um forte indício de adenomiose.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico ginecologista.

Leia também: O que é adenomiose e quais os sintomas?

O que é calcificação pélvica?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Uma calcificação pélvica significa que algo está calcificado (impregnado de cálcio e endurecido) na sua pelve. Geralmente são pequenas veias calcificadas ou calcificação de trombos venosos crônicos na pelve (flebólitos).

A calcificação é o depósito gradual de cálcio em algum tecido do corpo. A insuficiência renal crônica pode levar à calcificação pélvica, pois provoca retenção de fosfato, que por sua vez aumenta os níveis de cálcio circulante no corpo para equilibrar a relação cálcio-fósforo no sangue.

Esse aumento do cálcio sanguíneo pode ultrapassar o limite de solubilidade do cálcio e do fósforo no plasma, permitindo que ele se deposite nos tecidos.

Para ilustrar esse processo de calcificação, basta lembrar o que acontece quando se coloca sal ou açúcar a mais em um copo com água. Uma parte é dissolvida, mas o excesso se precipita no fundo do copo.

As calcificações podem ocorrer tanto em tecidos mortos ou degenerados como em tecidos vivos e saudáveis e as suas causas são bastante variadas.

A calcificação pode oferecer riscos à saúde quando interfere no funcionamento de um órgão, como endurecer ou bloquear os vasos sanguíneos do coração, rins e cérebro, por exemplo.

O médico que solicitou o raio-x poderá dar maiores esclarecimentos sobre a sua calcificação pélvica e orientar quanto ao tratamento, se for o caso.

Saiba mais sobre o assunto em:

Dor pélvica na gravidez, o que pode ser?

Como é feito o ultrassom pélvico e para que serve?

O que é Colposcopia?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A colposcopia é um procedimento realizado para examinar a vagina, a vulva e o colo do útero, com o uso de um colposcópio. Sua realização demora, normalmente, de 10 a 20 minutos e não dói, mas pode causar um ligeiro desconforto.

Não há contraindicação para a realização da colposcopia em grávidas. Geralmente a colposcopia é realizada quando o exame de papanicolau ou citologia oncótica apresenta um resultado anormal.

Como é feita a colposcopia?

Durante a colposcopia, a mulher fica deitada em posição ginecológica. A seguir, é introduzido na vagina um instrumento conhecido como bico de pato.

O colposcópio é então posicionado e, através do uso de líquidos específicos, é possível visualizar anormalidades na vagina, na vulva e no colo uterino.

Colposcópio

O colposcópio é um aparelho semelhante a um microscópio, dotado de lentes de aumento e luzes, específico para examinar a vagina, vulva e o colo do útero, permitindo uma melhor visualização de lesões nesses locais. Durante o procedimento, o aparelho não é introduzido nem entra em contato com a mulher.

Colposcopia com biópsia

Em alguns casos, a colposcopia pode ser feita com biópsia. No procedimento, é retirado um pequeno fragmento de lesões ou alterações observadas no exame. Depois, o material é analisado em laboratório para diagnosticar o tipo de lesão, conforme as características celulares observadas ao microscópio.

Como é o preparo para a colposcopia?
  • Não aplicar cremes, medicamentos ou duchas vaginais nas 48 horas anteriores ao exame,
  • Não manter relações sexuais nas 48 horas anteriores ao exame;
  • Não estar menstruada;
  • Procurar esvaziar a bexiga antes do exame, para proporcionar um maior conforto durante sua realização.

O uso de medicamentos ou a suspensão deles para a realização do exame vai depender da orientação médica. É importante que a mulher leve os exames anteriormente realizados (papanicolau ou colposcopias) caso o médico não os tenha.

O ginecologista é o especialista responsável pela realização da colposcopia.

O que é um nódulo isodenso?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Um nódulo isodenso observado na mamografia é um nódulo que apresenta a mesma densidade do tecido da mama. Isso significa que, na imagem de raio-x, o nódulo não vai estar nem mais nem menos esbranquiçado que o tecido ao seu redor. Por ser isodenso, os raios-x passam pelo nódulo da mesma forma que atravessam a mama, conferindo assim o mesmo tom esbranquiçado mostrado na mama. 

Os nódulos podem ser densos, isodensos, com baixa densidade, com densidade de gordura ou ainda densidade heterogênea. A densidade é apenas um dos critérios de análise dos nódulos mamários, que também são analisados conforme o tamanho, contorno e limites.

No caso do câncer de mama, os nódulos geralmente têm alta densidade, apresentam contorno irregular ou com espículas (pontas) e limites mal definidos.

Para maiores esclarecimentos, consulte o médico que solicitou o exame.

Também pode lhe interessar:

O que é um nódulo hipoecóico e hipoecogênico?

Um nódulo benigno pode virar maligno?

Caroço no seio que se movimenta e não dói o que pode ser?

Ultrassom transvaginal tem algum risco para o bebê?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não, ultrassom transvaginal não oferece nenhum risco para o bebê. A sonda introduzida para fazer o exame não irá machucar o bebê, que está bem protegido no útero. A ultrassonografia também não emite radiação, como o raio-X, e as ondas de alta frequência emitidas pelo aparelho não prejudicam o bebê.

Além de não trazer riscos para o bebê, o ultrassom transvaginal é fundamental para acompanhar o desenvolvimento e a saúde do feto, detectar malformações e identificar sinais de doenças genéticas, como a síndrome de Down. 

No 1º trimestre de gravidez, o principal objetivo do exame é o rastreamento de anomalias genéticas. O ultrassom transvaginal pode ser realizado entre a 11ª e a 14ª semana de gestação, de preferência entre a 12ª e a 13ª semana.

A sensibilidade da ultrassonografia transvaginal para detectar a síndrome de Down é de aproximadamente 90% e cerca de 60% das malformações fetais podem ser identificadas nesta fase através do exame.

O médico ginecologista poderá esclarecer as suas dúvidas sobre o ultrassom transvaginal e tranquilizá-la para a realização do exame.

Pode lhe interessar também: