Pergunte ao Médico
Como Funciona

Infecção Vaginal

Usando pomada vaginal posso ter relação?

Não é recomendável ter relações sexuais durante o uso da pomada vaginal

A pomada vaginal serve para tratar determinada inflamação e/ou infecção e precisa estar disponível na região da vagina para fazer efeito. Com a atividade sexual pode atrapalhar a absorção da pomada, pois desequilibra a flora vaginal normal e altera o pH da vagina. Assim, a ação e a eficácia do medicamento ficam prejudicadas

Por isso, não pode ter relações enquanto estiver usando a pomada vaginal. Se tiver, o tratamento pode não funcionar e a inflamação não será curada, podendo voltar a aparecer.

Você poderá voltar a ter relações sexuais assim que deixar de usar a pomada vaginal. Para saber se a inflamação melhorou, observe se os sintomas desapareceram. Se eles não melhoraram, pode ser que o diagnóstico ou o tratamento não está correto, o tratamento não foi eficaz contra o seu tipo de inflamação ou o tratamento não foi feito de forma adequada.

Use a pomada durante o tempo determinado pelo/a médico/a e evite relações sexuais durante esse período. Se não observar melhora dos sintomas, faça uma nova consulta com o/a médico/a que prescreveu a medicação.

Leia também:

Quanto tempo depois de usar a pomada vaginal posso ter relações sexuais?

Qual o risco de ter relação durante o uso de creme vaginal?

Estou com caroços dentro da vagina em um dos lados...

Caroço nos grandes lábios da vagina pode ser característico de vários acometimentos como:

  • Bartolinite;
  • Foliculite;
  • Hematoma;
  • Linfogranuloma venéreo;
  • Cisto sebáceo e outro tipos de cistos;
  • Lipoma, etc.

Com as características apresentadas, pode tratar-se de uma inflamação no pelo da região, situação conhecida como foliculite.

Neste caso, não é indicado apertar, espremer ou estourar. Deve-se fazer a higiene local no momento do banho com água e sabão, sem a necessidade de usar nenhum outro produto de limpeza específico.

Caso a inflamação infeccione e transforme em abscesso com dor local, presença de pus, vermelhidão e inchaço, é necessária a drenagem para que o pus saia e alivie a dor, juntamente com uso de antibiótico.  

Se o caroço não regredir em alguns dias e vir acompanhado desses sintomas, a mulher deve procurar o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para o diagnóstico e tratamento adequado.

Irritação na vagina tipo assadura com coceira e sangramento: o que é?

Irritação na vagina, tipo assadura, com coceira e sangramento é muito comum nas infecções vaginais tipo vaginose bacteriana ou infecção por fungo (como a candidíase).

No caso da candidíase, outro sintoma comumente observado é a presença de corrimento vaginal esbranquiçado ou amarelado. Os sintomas geralmente pioram antes da menstruação e melhoram no início do período.

A candidíase é bastante comum e não é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), embora o fungo causador da doença possa ser disseminado através do contato oral-genital.

O fungo causador da candidíase, a cândida, está naturalmente presente no canal vaginal, juntamente com várias outras bactérias. Os lactobacilos (um tipo de bactéria) contrabalanceiam a proliferação dos fungos no interior da vagina. Quando há um desequilíbrio na proliferação de cândida, temos um quadro de candidíase vaginal.

Alguns dos principais fatores de risco para candidíase:

  • Uso de antibiótico;
  • Gravidez;
  • Diabetes mellitus descontrolada;
  • Obesidade;
  • Uso de glicocorticoides e imunossupressores;
  • Uso de roupas de lycra e mal ventiladas;
  • Doenças autoimunes ou imunidade alterada;
  • Uso de ducha ou sabonete íntimo diário.

O tratamento da candidíase vaginal pode incluir:

  • Aplicação única ou aplicações diárias de cremes antifúngicos, supositórios ou óvulos;
  • Uso de antibióticos orais.

Outra situação em que pode haver irritação na vagina, parecida com uma assadura, com coceira e sangramento, é na vaginose bacteriana, sendo esta a principal causa de corrimento vaginal em mulheres na idade reprodutiva.

A vaginose caracteriza-se por um crescimento anormal de bactérias anaeróbias como Gardnerella vaginalis, Mobiluncus, entre outras, associado a uma diminuição de lactobacilos da flora vaginal normal.

Relações sexuais frequentes, uso de duchas vaginais ou período pré-menstrual favorecem a alteração da flora bacteriana vaginal, podendo desencadear a vaginose.

A vaginose bacteriana também não é considerada uma DST, embora a sua ocorrência seja maior em mulheres com número elevado de parceiros sexuais, sendo rara naquelas sexualmente inativas.

O tratamento da vaginose bacteriana inclui:

  • Uso de pomada ou creme vaginal;
  • Medicamentos antibióticos orais.

Para um diagnóstico e tratamento adequado, a mulher deve consultar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Coceira na vagina, o que é?

A coceira na vagina pode ocorrer devido à candidíase que é uma infecção vaginal muito frequente. Ela é causada por um fungo (Candida albicans) que está presente normalmente na vagina sem causar algum problema ou sintoma. Porém, em algumas situações, como períodos de muito estresse ou queda da imunidade, a quantidade desse fungo presente na vagina pode sofrer um aumento causando coceira intensa na vagina e na região próxima à ela, corrimento claro, esbranquiçado e sem cheiro, dor para urinar, dor na relação sexual e ardência. O seu tratamento baseia-se no uso de medicamentos antifúngicos por via oral ou vaginal.

A coceira ou prurido vaginal pode também ser causada por alergia à produtos, como no caso do sabão em pó usado para lavar a calcinha, ao sabonete e outros produtos usados para higiene íntima, ducha vaginal, ou ainda, ao próprio tecido da calcinha. As calcinhas que não são de algodão (material sintético) e o uso constante de calça jeans, principalmente em dias quentes podem levar à irritação das regiões próximas à vagina (vulva) causando coceira e também contribuindo para o aparecimento da candidíase. 

Leia também: Coceira que piora durante a noite: o que pode ser?

A menopausa é uma outra causa possível para a coceira vaginal que ocorre devido à redução da produção do estrógeno que ocorre nessa fase.O uso de lubrificantes locais ajudam a amenizar o problema.

O ginecologista é o profissional indicado para diagnosticar a causa para a coceira na vagina e indicar o tratamento adequado.

Inchaço, vermelhidão, coceira, irritação na vagina?

Inchaço, vermelhidão, coceira e irritação na vagina são sintomas de infecção vaginal, sendo a candidíase a mais provável. Caso não seja detectado nenhum micro-organismo causador de doenças, pode ser alguma irritação mecânica, química ou alérgica.

No caso da candidíase, trata-se de uma infecção da vulva e da vagina causada por um fungo (Candida albicans, Candida tropicalis, Candida glabrata, Candida parapsilosis) que habita a mucosa vaginal e a mucosa digestiva. Quando o ambiente torna-se favorável, o fungo se prolifera e ocasiona a candidíase.

Pode ser transmitido através de relações sexuais, embora essa já não seja considerada a principal forma de transmissão, uma vez que o fungo está naturalmente presente presente na flora vaginal das mulheres sem provocar nenhum sintoma.

Alguns fatores que favorecem o aparecimento da candidíase vaginal:

  • Diabetes;
  • Uso de antibióticos, contraceptivos orais, corticosteroides;
  • Gravidez;
  • Imunidade baixa;
  • Obesidade;
  • Roupas justas;
  • Clima quente.

O tratamento da candidíase é feito com medicamentos antifúngicos por via oral e também através de cremes vaginais.

Se for uma reação alérgica ou alguma irritação mecânica, é preciso investigar a causa e remover o agente agressor.

Cabe à/ao ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral diagnosticar a origem desses sintomas e prescrever um tratamento adequado. 

Quais são os sintomas da candidíase?

Os sintomas da candidíase variam de acordo com a região do corpo onde ocorre a infecção. A candidíase é uma infecção causada por um fungo, geralmente a Candida albicans, que pode atingir várias regiões do corpo como boca, esôfago, vagina, vulva e pele.  As candidíases mais comuns são as que ocorrem na vagina e na boca (ou oral). Os homens também podem ter candidíase, embora ela seja mais comum nas mulheres. A candidíase ou monilíase oral pode ter sintomas diferenciados dependendo da sua causa e é muito comum em idosos com prótese dentária (dentadura) e pessoas com higiene oral deficiente.

Sinais e sintomas da monilíase ou candidíase oral: 

  • manchas avermelhadas, dolorosas e inchadas na língua e na mucosa oral,
  • manchas brancas (placas) na língua, mucosas da boca, céu da boca (palato) e na região da garganta (orofaringe), podendo ser dolorosas ou não e, em alguns casos, podem sangrar ao serem removidas. 

Sinais e sintomas da candidíase em mulheres e em gestantes:

  • coceira (prurido), muitas vezes intensa, na vagina, podendo atingir também a vulva, períneo e ânus,  
  • ardência ou dor para urinar,
  • corrimento branco, grumoso, sem cheiro, podendo ter aspecto de leite coalhado (caseoso),
  • vermelhidão (hiperemia), inchaço (edema) vulvar,
  • dor na relação sexual,
  • sensação de irritação na vulva e nas áreas próximas. 

  Sinais e sintomas da candidíase genital no homem:

  •  vermelhidão na glande (cabeça do pênis) e em regiões próximas a ela,
  •  lesões com aspecto de pequenos pontos vermelhos na glande e em regiões próximas a ela,
  •  coceira.

A cândida está presente no corpo, normalmente sem causar algum problema ou sintoma. Porém, em algumas situações, como na gestação, nos períodos de muito estresse, na queda da imunidade (portadores de AIDS, carcinomas, uso de corticoides em doses elevadas) ou durante o uso de antibióticos, a sua quantidade pode sofrer um aumento, causando a infecção. Pessoas com diabetes mellitus também têm maior risco para a candidíase.

O ginecologista, o urologista ou o infectologista são os especialistas indicados para diagnosticar e tratar pacientes com candidíase.

Bolinhas com pus na parte de dentro da vagina e muita dor. O que pode ser?

Bolinhas com pus na parte de dentro da vagina que provocam muita dor podem ser algum tipo de infecção vaginal. O pus e a dor são sinais e sintomas de infecção, o que reforça as chances de ser uma infecção vaginal.

Em geral, as infecções vaginais produzem também sintomas como:

  • Corrimento;
  • Sensação de desconforto abaixo do estômago;
  • Coceira;
  • Dor ao urinar;
  • Dor ou dificuldade para ter relações sexuais.

As vulvovaginites, como são chamadas as infecções vaginais, quase sempre têm como causa micro-organismos (fungos, bactérias) que podem ou não ser transmitidos pelo contato sexual.

Porém, uma infecção vaginal também pode estar relacionada com fatores físicos, químicos, hormonais e anatômicos, que aumentam a predisposição para desencadear o processo.

Tais fatores modificam a flora vaginal, favorecendo o aparecimento de infecções. Entre eles estão:

  • Diabetes;
  • Uso de esteroides;
  • Traumas;
  • Uso de lubrificantes e absorventes internos e externos;
  • Depilação exagerada e frequente;
  • Roturas perineais;
  • Prática de sexo não convencional;
  • Uso de DIU;
  • Estrogênio baixo ou elevado.

Para saber ao certo a origem dessas bolinhas com pus dentro da vagina, você deve procurar um médico ginecologista. Ele poderá diagnosticar a origem dessa eventual infecção e prescrever o tratamento mais adequado para o seu caso. 

Quando tenho relações fico com um corrimento amarelo...

Não sei se isso tem algo haver com o tamanho do pênis, deve procurar um ginecologista que ele poderá tratar você, corrimento com esse aspecto é sinal de infecção vaginal.

Candidíase na gravidez é perigoso?

Candidíase na gravidez não é perigoso, mas deve ser tratada adequadamente pelo médico obstetra para evitar a contaminação do bebê durante o nascimento.

Candidíase vaginal ou monilíase é um problema muito comum na gravidez, causado por um fungo chamado Candida albicans que está presente no organismo, na própria vagina, no ânus e na boca, não causando nenhum problema para essas regiões, normalmente. Porém, existem situações em que há uma multiplicação anormal da candida levando à sintomas como no caso da candidíase vaginal, manifestada por um corrimento vaginal esbranquiçado, coceira, dor na relação sexual, ardência ao urinar, vermelhidão e irritação na região da vagina e ânus.

O tratamento da candidíase é feito com medicamentos orais e com  aplicação de pomadas ou óvulos intravaginais, sendo possível o reaparecimento da candidíase durante a gravidez. A sua prevenção pode ser feita com o uso de calcinhas de algodão, uso preferencial de saias, evitar calças apertadas, evitar protetores de calcinha perfumados e procurar dormir sem calcinha.

Corrimento Vaginal e Ardência para Urinar o que é?

Após a relação sexual, a pessoa pode sentir ardência para urinar o que não necessariamente chega a ser dor.

Pela fricção que ocorre durante o ato sexual, é normal sentir essa ardência ao urinar após a relação. Essa ardência, em geral, deixa de existir após algumas micções.

Outra situação que pode ocorrer é a infecção de urina, muito frequente em mulheres com vida sexual ativa. A infecção urinária pode ser desencadeada com o ato sexual. Com ela, a mulher pode sentir ardência ao urinar, micção frequente e em alguns casos, dor ao urinar. Essa infecção de urina deve ser tratada com medicação apropriada.

O corrimento vaginal pode ser normal quando apresenta coloração clara ou esbranquiçada, parecida com clara de ovo, não possui cheiro forte, não provoca coceira ou ardência. Neste caso, trata-se de uma secreção vaginal normal.

No entanto, corrimento vaginal branco, amarelo ou esverdeado, com odor desagradável tipo peixe podre ou azedo, pode ser algum tipo de infecção ou inflamação vaginal que precisa ser avaliada e tratada adequadamente pelo/a clínico/a geral, médico/a de família ou ginecologista.

Você pode observar essa ardência e o corrimento. Caso fiquem constante, é recomendável procurar um serviço de saúde para uma avaliação e uso da medicação indicada.

Preventivo e o diagnóstico é de gardnerella/mobilungus?

O resultado do seu preventivo significa que você tem uma infecção por um germe com esse "nome estranho", não é grave, só precisa ir ao médico para fazer o tratamento que pode ser com uso de creme vaginal ou comprimidos.

Candidíase impede a mulher de engravidar?

Não. Candidíase não impede a mulher de engravidar.

A candidíase é uma infecção fúngica que pode ocorrer na vagina. Na presença de sintomas, ela deve ser corretamente tratada para aliviar a irritação e evitar outras complicações.

A candidiase não deixa a mulher infértil. Por isso, quem está ou já teve candidiase continuará podendo engravidar (a menos que tenha outras complicações advindas de outras causas).

Caso você esteja com candidiase, procure o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para indicar o tratamento adequado.

Caso você está na tentativa de engravidar há mais de 15 meses, procure também um/a desses/as profissionais para, juntamente com seu parceiro, investigar as causas de uma possível infertilidade.