Perguntar
Fechar
Cobreiro é contagioso?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, cobreiro (Herpes Zoster) é contagioso. O vírus é transmitido de pessoa para pessoa enquanto apresentar lesões com conteúdo líquido em suas vesículas. Após rotura das bolhas e feridas com crostas já não transmite mais.

O contágio pode ser pelo contato direto da pele com as bolhas e conteúdo líquido no interior ou através das secreções respiratórias. A transmissão do cobreiro também pode ocorrer por meio de objetos contaminados.

O vírus Varicela-Zoster é o responsável tanto pelo herpes-zoster quanto pela catapora, por isso quem já foi contaminado uma vez, já apresentou catapora, herpes-zoster ou recebeu vacina para o vírus, não é mais contaminado, está imunizado.

O período de incubação do vírus varia entre 10 e 20 dias após o contato, podendo ser mais curto em pacientes com imunidade baixa.

O período de transmissão do cobreiro é de 1 a 2 dias antes de surgirem as lesões e de até 5 dias após o aparecimento do primeiro grupo de vesículas. Enquanto houver vesículas, a doença pode ser transmitida.

A prevenção do cobreiro é feita através da vacinação: na infância, através da vacina contra a catapora; em adultos, a vacina contra o cobreiro diminui em cerca de 50% os riscos de infecção e é indicada para pessoas com mais de 50 anos.

Também pode lhe interessar: Como identificar e tratar herpes ocular?

Qual pomada usar para picada de insetos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As pomadas mais usadas são as pomadas com corticoides, as pomadas antialérgicas e aquelas com substâncias naturais, que acalmam a pele, como a cânfora e a calamina.

A pomada de corticoides têm uma resposta mais rápida e eficaz, mas não deve ser usada em grande quantidade ou por mais de 5 dias consecutivos, devido aos efeitos colaterais da medicação.

Por isso, quando são muitas picadas ou para pessoas que têm frequentemente esse problema, o recomendado é optar por pomadas antialérgicas ou naturais. No entanto, se houver sinais de infecção, como vermelhidão, calor local, dor ou secreção amarelada, a melhor opção são as pomadas com antibióticos.

Na dúvida, converse com o seu médico de família ou dermatologista.

Pomadas para picada de inseto e como usar
Pomadas Como usar

Corticoide:

Cutisone®, Topison®, Advantan®, Benevat®, Betaderm® e Betnovate®

Aplicar pequena camada, uma a 2 vezes ao dia, por 5 dias.

Antialérgico:

Andontol®, Caladryl®, Polaramine®, Fenergan®

Aplicar pequena camada, 2 a 3 vezes ao dia, por 5 a 7 dias.

Naturais:

Minancora® e Fisiogel®

Aplicar pequena camada, 2 a 3 vezes ao dia, por 5 a 7 dias.

Antibiótico:

Bactroban®, Verutex®, Nadiclox®, (Mupirocina ou Ácido fusídico)

Aplicar pequena camada, uma a 2 vezes ao dia, por 4 a 5 dias consecutivos.

Outras substâncias antibióticas tópicas, a princípio, não são indicadas para feridas infectadas, devido o risco de aumentar a ferida.

O antibiótico, mesmo em pomada, precisa de receita controlada para compra, por isso se houver sinais de infecção, procure o quanto antes um médico de família ou dermatologista para avaliação e prescrição da receita.

O que fazer no caso de uma picada de inseto
  • Colocar gelo no local
  • Limpar a ferida
  • Aplicar pomada

Nunca aplicar pomada na mão de uma criança. A criança pode coçar os olhos ou levar a mão à boca enquanto espalha o produto e com isso apresentar sinais de intoxicação. Nenhuma pomada deve ser ingerida.

Qual remédio usar para picada de insetos?

No caso de feridas grandes ou com coceira intensa, o tratamento pode incluir medicamentos orais, sendo os mais usados: Hixizine®, Polaramine®comprimido ou solução, Allegra® e Loratadina®.

Com evitar a picada de inseto?

As medidas mais indicadas são o uso regular de: tela (mosquiteiro), repelentes e roupas adequadas quando estiver em ambientes ao ar livre, principalmente região tropical e estações do ano mais quentes.

Evitar o uso de desodorantes, perfumes e cremes perfumados e horários de maior atividade de insetos, como o nascer e o pôr do sol, também são medidas eficazes contra picadas.

Se mantiver placas, coceira ou sinal de infecção nas feridas (vermelhidão, dor ou secreção amarelada), procure rapidamente um serviço médico. A infecção é uma complicação das feridas de picadas de insetos, que deve ser tratada com antibióticos.

Saiba mais sobre esse tema nos artigos:

Picada de borrachudo é perigosa?

Como tratar uma picada de marimbondo?

Como devo tratar uma picada de aranha? Quais os sintomas e mordidas perigosas?

Percevejo: o que fazer em caso de picada e como prevenir?

Referência:

SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) - Departamento Científico de Dermatologia. Dez, 2016.

FIOCRUZ - Ministério da Saúde do Brasil.

Estou com manchas avermelhadas no couro cabeludo...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Provavelmente é uma micose, mas a maioria das micoses de couro cabeludo são resistentes ao cetoconazol. Para ter certeza do que é o ideal é fazer um exame (raspado de couro cabeludo) volte para o dermatologista.

Existe algum tratamento para foliculite?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, a foliculite resolve-se espontaneamente sem necessidade de um tratamento específico. Porém, algumas medidas podem aliviar a dor e o incômodo como aplicar compressas mornas no local da inflamação, além de evitar depilação e raspagem dos pelos.

Caso a foliculite fique persistente ou se agrave, pode ser indicado o uso de pomadas contendo antibiótico ou drenagem para eliminação do pus. Em alguns casos, também podem ser usados medicamentos antibióticos por via oral, além de corticoidees orais ou em pomada.

Na maioria dos casos, a foliculite é leve e cura-se espontaneamente. O tratamento é necessário nos casos mais graves e persistentes, ou ainda quando a foliculite torna-se recorrente. O tratamento nesses casos depende do tipo e da gravidade da infeção.

Se a foliculite evoluir e formar furúnculos, pode ser necessário realizar uma drenagem cirúrgica para eliminar o pus, diminuir a dor e acelerar a cura da infecção.

Caso a foliculite provoque coceira intensa, a aplicação de água morna ajuda a aliviar o desconforto. Também podem ser prescritos medicamentos específicos para acalmar o prurido.

O que é foliculite?

Foliculite é uma infecção bacteriana superficial do folículo capilar ou piloso. Por isso, em qualquer região do corpo que contenha pelo, a foliculite pode acontecer, apesar de ser mais frequente em regiões submetidas à depilação ou raspagem frequente como barba, axilas, virilha e coxas.

Quais os sinais e sintomas da foliculite?

A foliculite caracteriza-se pela formação de pequenas espinhas com a extremidade branca ao redor de um pelo. A infecção pode ser superficial ou profunda.

A foliculite superficial atinge somente a porção superior do pelo e se manifesta pela formação de espinhas vermelhas pequenas que podem ou não conter pus. O local fica avermelhado, dolorido e mais quente. Também pode haver coceira e aumento da sensibilidade no local.

A foliculite profunda atinge camadas mais profundas da pele e pode levar à formação de furúnculos. Nesses casos, as lesões são semelhantes a grandes espinhas elevadas, com pus amarelo no centro. Atinge uma área maior de pele, que fica vermelha e dolorida. Também pode haver coceira e a dor pode ser intensa.

A foliculite profunda pode deixar cicatrizes e provocar a destruição permanente do pelo ou cabelo.

O diagnóstico e tratamento da foliculite é da responsabilidade do/a médico/a de família, clínico/a geral ou dermatologista.

Saiba mais em: O que é um furúnculo e como se forma?

Como ocorre a transmissão da hanseníase?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A transmissão da hanseníase se dá pelo contato prolongado e frequente com uma pessoa infectada pelo bacilo e que não esteja em tratamento. A pessoa infectada expele bacilos (bactérias) através do sistema respiratório superior quando ela fala, tosse ou espirra, por meio da saliva e secreções nasais. 

Como a bactéria tem uma baixa infectividade, apenas o contato por vários anos e frequente com a pessoa infectada é capaz de ocasionar a transmissão da hanseníase. Quando a pessoa inicia o tratamento para erradicar a doença, a transmissão é interrompida.

Hanseníase é uma doença infecciosa causada pelo Mycobacterium leprae, uma bactéria que acomete a pele e os nervos periféricos. Ela é uma doença de baixa infectividade, ou seja, o seu poder de contágio é baixo.

Vale lembrar que tocar uma pessoa com hanseníase não transmite a doença. Isso significa que a hanseníase não é transmitida pelo contato físico, mas sim pela inalação contínua de gotículas de saliva ou secreções do nariz infectadas pelo bacilo.

Outra informação pouco conhecida é que a grande maioria das pessoas é imune à hanseníase e não desenvolve a doença, mesmo se forem infectadas.

Quais são os sintomas da hanseníase?

A hanseníase se manifesta por meio de manchas claras, avermelhadas ou escuras, que não são vistas facilmente. Os limites dessas manchas são irregulares e a sensibilidade no local fica alterada. No local das lesões, também ocorre queda de pelos e não há transpiração.

Na fase aguda da doença, podem surgir nódulos ou inchaço nas orelhas, nas mãos, nos cotovelos e nos pés.

Se algum nervo periférico for afetado, a pessoa sente dormência, perda de força muscular e os dedos ficam retraídos, tornando o membro afetado incapacitado. 

A evolução da hanseníase é lenta. Os sintomas só aparecem depois de 2 a 6 anos que ocorreu o contágio. 

Por isso, quanto mais cedo a doença é diagnosticada, mais rápido o tratamento poderá ser iniciado, permitindo a quebra da cadeia de transmissão do bacilo. O exame físico, diagnóstico e tratamento são fornecidos gratuitamente nas unidades de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Como se pega o herpes labial?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O herpes labial se transmite pelo contato direto com a lesão de uma pessoa infectada. Ele é causado pelo vírus Herpes simplex tipo 1 e provoca o aparecimento de vermelhidão, dor em "ferroadas", coceira e formação de vesículas (bolhas), que são as lesões típicas do herpes.

O líquido que está dentro dessas bolhas contêm grande quantidade de vírus vivo, e por isso é altamente contagioso.

Depois de penetrar no corpo, o vírus do herpes labial segue o trajeto de um nervo, onde fica inativo durante a maior parte do tempo. Contudo, quando por alguma razão a imunidade fica baixa, o vírus volta a se multiplicar e a doença se manifesta.

Lesão típica do herpes labial

Dentre os fatores que favorecem o aparecimento do herpes labial estão: cansaço físico, exposição prolongada ao sol, estresse, febre, gripe e infecções.

Vale lembrar que a transmissão do herpes labial só ocorre durante as crises, durante o período de manifestação das lesões. Durante o período de latência, isto é, enquanto não há lesões visíveis, a pessoa portadora do vírus não transmite a doença, e o contato direto não eleva ao risco de contaminação.

Como prevenir o herpes labial?

Para não pegar herpes labial, é importante evitar qualquer tipo de contato com as lesões, inclusive o beijo e a atividade sexual. Portanto, a melhor forma de evitar o contágio do vírus é não beijar e não receber beijos de pessoas que estejam manifestando os sintomas.

Para evitar transmissão do herpes labial, lavar sempre as mãos, após contato com a ferida.

Como é o tratamento do herpes labial?

O tratamento do herpes labial inclui o uso de pomadas e comprimidos antivirais, capaz de reduzir ou eliminar os sintomas. Porém, o vírus continua sempre vivo dentro dos nervos do indivíduo, e as lesões podem reaparecer em momentos de estresse e baixa imunidade.

Isso pode ocorrer em semanas, meses ou anos após a primeira manifestação.

Para saber qual é o tipo de tratamento mais adequado para cada caso, é fundamental procurar o clínico geral, médico de família ou dermatologista.

Para saber mais sobre herpes labial, você pode ler:

Referências

Cole, S. Herpes Simplex Virus: Epidemiology, Diagnosis, and Treatment. Nursing Clinics of North America, 55(3):337-345, 2020.

Sociedade Brasileira de Estomatologia e Patologia Oral.

Sociedade Brasileira de Infectologia.

Excesso de pelos em homens, o que fazer?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A presença de pelos em excesso nos homens pode ocorrer devido à características genéticas, tais como as características familiares e da raça (etnia). Eles podem ser reduzidos por meio de tratamento estéticos.

Existem vários tratamentos cosméticos para diminuir a quantidade de pelos do corpo masculino. Os resultados dependem da quantidade de pelos e de suas características, que devem ser analisados por um profissional para a indicação do tratamento mais adequado à cada caso.

Tratamentos cosméticos para redução de pelos:

  • retirada dos pelos por meio da raspagem (lâminas): o pelo é cortado na altura da pele dando a impressão que ele cresce mais grosso; volta a crescer em torno de 3 dias; o método não é doloroso,
  • depilação com cera quente ou fria: o pelo é arrancado; aparenta crescer mais fino; cresce em torno de 25 dias; método doloroso,
  • eletrólise ou eletrocoagulação: o pelo é destruído por uma corrente elétrica que passa através de uma agulha; os resultados e o número de sessões que devem ser feitas dependem de cada pessoa, da capacidade de tolerar as frequências necessárias para destruir o pelo e das cicatrizes que podem aparecer,
  •  terapia com LASER: os resultados e o número de sessões necessárias dependem da cor do pelo, da área a ser tratada e do tom e características da pele; em alguns casos é preciso a realização de novas sessões de manutenção em intervalos de 8 a 12 meses; pode ser necessário o uso de anestésicos locais para aliviar a dor.

O dermatologista e o endocrinologista são os profissionais indicados para orientar o tratamento para o excesso de pelos.

O que são Hifas nas unhas?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

As hifas são estruturas características de alguns fungos. Os fungos causam as micoses, por isso a presença de hifas nas unhas pode significar a presença de micose.

As micoses nas unhas (onicomicoses) podem ser causadas por vários tipos de fungos, como as leveduras, fungos dermatófitos ou fungos não-dermatófitos. No exame laboratorial, a presença de hifas e o seu aspecto serve para ajudar a identificar qual é o tipo de fungo presente na unha. Esse resultado é importante para definir o medicamento que deverá ser utilizado para o tratamento.

O tratamento para as micoses de unha é feito com antifúngicos ou antimicóticos, costumam ser demorados e não devem ser abandonados até a sua melhora. O dermatologista é o especialista indicado para o diagnóstico e tratamento das micoses.

Leia também:

Dor nas unhas: o que pode ser e o que fazer?

Unhas amareladas podem ser sinal de doença?