Perguntar
Fechar
Quais os sintomas e tratamento para micose nos pés?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A micose nos pés, ou pé-de-atleta, é uma doença infecciosa causada por fungos e geralmente cursa com os seguintes sintomas:

  • Lesões avermelhadas, especialmente nas bordas, que ocupam a planta dos pés (em mocassim);
  • Presença de pequenas bolhas que, ao "estourarem", deixam uma descamação delicada, conhecida como "em colarete";
  • Prurido local;
  • Algumas vezes podem apresentar pequenas "bolhas de pus" nas bordas;
  • Crescimento centrífugo;
  • Áreas esbranquiçadas entre os dedos dos pés;
  • Pode acometer apenas um ou ambos os pés.

O tratamento da micose nos pés é simples e consiste na aplicação de antifúngicos tópicos. Quando não há melhora com uso de medicação tópica, é indicado o tratamento sistêmico, com antifúngicos orais.

Saiba mais em: Qual é o tratamento para pé de atleta?

É uma doença que tem cura, porém é comum a ocorrência de recidivas, especialmente se não foram adotadas medidas locais para evitar a proliferação de fungos. Dito isto, cito alguns cuidados que devem ser adotados e as opções de antifúngicos tópicos.

  • Evitar frequentar descalço locais de grande circulação de pessoas, como vestiários, chuveiros e banheiros públicos;
  • Antes de calçar calçados, ou após molhar os pés, certifique-se de que os mesmos estão bem secos, especialmente na região interdigital. Se necessário, pode ser utilizado um secador de cabelos;
  • Tente deixar os pés o maior tempo possível em contato com o ar;
  • Após exercícios ou molhar o calçado, troque as meias e deixe o calçado ao ar livre, por pelo menos 24 horas;
  • Faça higiene local diariamente;
  • Não compartilhe meias e calçados;
  • Use talco para manter os pés secos.

Há diversas opções de antifúngicos tópicos, como cetoconazol, miconazol, clotrimazol, isoconazol, ciclopirox olamina e terbinafina. O tratamento deve ser vendido somente com prescrição médica e mantido por quatro a seis semanas. Duas aplicações diárias são suficientes.

Leia também: Como curar frieiras?

O diagnóstico e a prescrição do tratamento devem ser feitos pelo médico dermatologista.

Usar protetor solar vencido faz mal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Usar protetor solar vencido faz mal porque ele deixa de proteger a pele dos raios solares de forma eficaz, além de poder provocar irritações ou reações alérgicas. Recomenda-se não usar protetor solar vencido.

Cosméticos e produtos dermatológicos, como o protetor solar, fora do prazo de validade, perdem a eficácia dos seus componentes, deixando de fazer o efeito desejado de proteção da pele dos raios ultravioleta.

Os compostos presentes na sua formulação estão sujeitos à degradação e ao serem armazenados por um tempo maior do que o indicado na embalagem podem favorecer aparecimento de micro-organismos como fungos e bactérias. Essas substâncias alteradas podem causar dermatite, inchaço, bolhas e vermelhidão, além de lesão na córnea se forem utilizados perto dos olhos.

Esses compostos podem também sofrer oxidação devido ao contato com o ar, temperatura e  luminosidade. Uma vez oxidadas, as moléculas do produto se transformam e tornam-se irritantes e alergênicas.

O próprio fabricante deixa de dar garantias quanto a segurança do protetor solar, se este for utilizado fora do prazo. 

Por todas essas razões, o protetor solar não deve ser usado se estiver fora do prazo porque pode fazer mal a saúde. 

Bolinhas no braço: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Bolinhas no braço podem ser sinal de queratose pilar. Trata-se de um problema genético que ocorre devido ao acúmulo de queratina, uma proteína que forma a barreira de defesa da pele. Esse excesso de queratina bloqueia a saída do pelo e forma-se então a "bolinha", chamada pápula.

As pápulas são pequenas e ásperas, sendo muitas vezes confundidas com cravos ou espinhas. As bolinhas podem surgir em qualquer parte do corpo que tenha pelos, mas são mais frequentes no braço.

A queratose pilar é comum em pessoas com síndrome de Down, embora esteja presente em cerca de 30% a 40% da população. Indivíduos com pele seca ou dermatite atópica têm mais risco de ter o problema.

O tratamento da queratose pilar é feito com hidratantes e medicamentos queratolíticos, que amenizam os depósitos de queratina da pele e fazem as bolinhas desaparecer temporariamente. Porém, se a pessoa deixar de usar os produtos, as pápulas voltam a aparecer.

Espremer, cutucar ou mexer nas bolinhas não é indicado, pois pode machucar a pele e causar infecções.

Saiba mais sobre o assunto em: Queratose pilar tem cura? Qual o tratamento?

Consulte o médico de família, ou clínico geral ou dermatologista para avaliar o caso e prescrever o tratamento mais adequado para a queratose pilar.

Como tirar mancha de limão da pele?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento para tirar manchas de limão da pele pode ser feito com cremes despigmentantes, laser, peelings, além do uso constante de filtro solar.

É comum o desaparecimento das manchas provocadas pelo limão com o decorrer do tempos aos poucos, para tanto são importantes alguns cuidados como uso de protetor solar.

Para acelerar o tratamento e em casos mais extenso e de difícil resolução os cremes despigmentantes podem ser utilizados. Eles possuem substâncias clareadoras como hidroquinona, ácido glicólico e ácido azeláico. 

Peelings de diamante ou cristal fazem uma esfoliação com agentes físicos ou químicos, permitindo a formação de uma nova camada de pele. São muito usados para remover manchas causadas por espinhas, mas também podem ser úteis para tirar manchas escuras na pele provocadas por queimadura de limão.

O laser estimula a produção de colágeno na pele e dissolve os pigmentos escuros das manchas. O laser de CO2 e o laser quantum são dois exemplos de lasers que podem ser usados para clarear as manchas de limão.

Já o filtro solar é fundamental para o sucesso do tratamento, uma vez que protege a pele contra os raios solares que provocam o escurecimento da lesão. Recomenda-se a aplicação de filtro solar com FPS 30 (no mínimo), e que também protege contra os raios ultravioleta A (UVA) e B (UVB);

O médico dermatologista é o especialista capacitado para tratar e clarear as manchas provocadas por limão.

Também pode lhe interessar: Queimadura de limão: o que fazer e como tratar?

Estou com manchas avermelhadas no couro cabeludo...
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Provavelmente é uma micose, mas a maioria das micoses de couro cabeludo são resistentes ao cetoconazol. Para ter certeza do que é o ideal é fazer um exame (raspado de couro cabeludo) volte para o dermatologista.

Quem tem HPV pode engravidar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. Quem tem HPV pode engravidar. A presença do papiloma vírus humano (HPV) não impede que a mulher engravide.

O vírus HPV é responsável pela maioria dos casos de câncer do colo do útero. As lesões causadas pelo HPV têm tratamento e podem ser diagnosticadas pelo/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

A mulher com HPV pode não apresentar nenhum sintoma ou apresentar verrugas genitais ou anais que podem coçar, sangrar, causar aumento de sensibilidade na região e vir acompanhado de corrimento vaginal.

Essas verrugas podem ser tratadas sem repercussão na fertilidade da mulher. Sendo assim, não havendo outros problemas associados, a mulher seguirá apta a engravidar.

HPV oferece riscos na gravidez?

Mesmo durante a gravidez, o HPV não provoca malformações fetais e não afeta a saúde do feto. O risco de aborto espontâneo ou parto prematuro também não é maior nas grávidas portadoras de HPV. Contudo o feto pode ser infectado pelo vírus durante o parto.

Grande parte das crianças elimina o vírus do organismo rapidamente e, por isso, muitos não irão adquirir a doença. No entanto, há casos em que a infecção do recém-nascido pelo HPV pode trazer graves complicações.

A mais severa delas é papilomatose de laringe, que pode levar à morte por sufocamento. Porém, complicações como essa são muito raras, com uma média de 20 casos em cada 1 milhão de partos.

Também pode lhe interessar: Toda verruga é HPV?

Como tratar o HPV durante a gravidez?

O tratamento do HPV na gestação vai depender do tipo e do local da lesão, do risco da evolução para câncer de colo de útero, além do período em que se encontra a gravidez. 

No começo da gestação e dependendo do local, a verruga pode ser removida. Já nas últimas semanas de gravidez, a remoção da lesão fica comprometida, já que nessa fase da gestação a irrigação sanguínea na vulva está muito elevada, aumentando as chances de sangramentos durante o procedimento.

O procedimento cirúrgico utilizado para retirar as verrugas não traz riscos para a gravidez, já que não prejudica o feto nem interfere com a gestação.

Leia também:  HPV durante a gravidez: quais os riscos e como tratar?

Contudo, há casos em que a verruga é muito grande e pode trazer riscos para a gravidez. Por isso, muitas vezes o tratamento do HPV é feito pela mulher após o parto, pois a imunidade melhora e as lesões normalmente diminuem, o que melhora a resposta ao tratamento.

O bebê pode ser infectado pelo HPV na gravidez?

Durante a gestação o bebê não entra em contato com o vírus. Isso porque o HPV não circula pelo sangue como outros vírus, tais como o HIV, por exemplo. O HPV fica alojado no local (vagina, colo útero), impedindo assim o contato direto com o feto que está dento do útero.

Saiba mais em:  HPV: o que é e como se transmite?

Tenho HPV. Posso ter parto normal?

Sim, o fato da gestante ser portadora de HPV não impede o parto normal e não é uma indicação para cesariana. Nessa fase da gravidez, o HPV já pode estar presente no líquido amniótico, daí os riscos de contaminação podem ocorrer em ambas vias de parto.

Além disso, a cesariana também não garante que o bebê não seja infectado pelo vírus, nem reduz os riscos de complicações. Mesmo assim, as probabilidades do bebê desenvolver lesões após o nascimento nos dois tipos de parto são muito baixas. 

A cesariana é indicada apenas quando as lesões são muito extensas de tal forma que impedem a passagem do bebê pelo canal vaginal ou quando o risco de sangramentos graves é alto. 

Veja também: Quem deve tomar a vacina contra HPV?

Na presença de alguma lesão vaginal, procure algum/a profissional de saúde para melhor acompanhamento e orientação.

Saiba mais em:

Como tomar a vacina contra HPV?

Quais são os tratamentos para HPV? 

HPV tem cura definitiva?

Quais são os sintomas do HPV?

Existe alguma forma de clarear manchas escuras na pele?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, existem várias formas de clarear manchas escuras na pele, que variam conforme o local, a profundidade e o tipo de mancha. Alguns dos tratamentos indicados para tirar manchas escuras na pele:

  • Proteção solar: Proteger a pele contra os raios solares é fundamental para o sucesso de qualquer tratamento para remover manchas na pele. Para isso, deve-se aplicar um filtro solar com FPS mínimo de 30 nas áreas expostas do corpo. Recomenda-se usar filtros que protegem contra os raios ultravioleta A (UVA) e B (UVB);
  • Laser: Além de estimular a produção de colágeno na pele, o laser dissolve os pigmentos escuros das manchas;
    • Laser de CO2 fracionado: É indicado para tirar manchas escuras na pelecausadas por envelhecimento, exposição ao sol, entre outros fatores. As células atingidas pelo laser evaporam, pois atingem uma temperatura de 100ºC;
    • Laser Quantum: Muito usado para remover manchas avermelhadas do pescoço, também é útil para clarear manchas escuras causadas pelo sol;
    • Laser de Rubi: Este tipo de laser é bastante usado para tratar sardas escuras;
  • Ácido retinoico e hidroquinona: A combinação dessas duas substâncias é muito usada para tirar manchas na pele. Em alguns casos, são adicionados corticoides para potencializar o efeito das fórmulas. As aplicações devem ser feitas à noite, de preferência no inverno, para evitar qualquer tipo de exposição solar. Provoca descamação e deixa a pele levemente rosada;
  • Isolaz: É um método que associa a luz pulsada com sucção, limpando os poros, reduzindo a inflamação e clareando as manchas. É indicado principalmente para clarear manchas escuras causadas por acne;
  • Peeling de Diamante ou Cristal: Através de agentes químicos ou físicos, o peeling faz uma esfoliação, permitindo a formação de uma nova camada de pele. O método é especialmente indicado para tirar manchas causadas pela acne;
  • Luz Pulsada: A cor escura da mancha atrai a luz, que destrói os seus pigmentos; Trata-se de uma luz de alta energia que atua principalmente em manchas na pele provocadas pelo sol, processos inflamatórios, feridas, picadas de inseto e acne;
  • Microcauterização: É uma forma simples e bastante eficiente de clarear manchas e sardas escuras na pele. O tratamento é feito com um aparelho de ponta muito fina e quente, que é aplicada sobre o local e provoca uma descarga elétrica que destrói a mancha;
  • Neve Carbônica: Trata-se de um aparelho com uma ponta congelada que é aplicada sobre a mancha, provocando a sua destruição devido ao frio intenso;
  • Amelan: Pode ser aplicado sob a forma de creme ou peeling, sendo indicado para tratar manchas escuras no rosto. Como contém ácidos, provoca uma leve descamação e vermelhidão;
  • Cremes despigmentantes: Possuem substâncias clareadoras como hidroquinona, ácido glicólico e ácido azeláico. Os resultados só começam a aparecer depois de cerca de 2 meses.

Veja também:

Água oxigenada com bicarbonato de sódio clareia manchas na pele?

Como posso tirar manchas de espinha da cara?

Manchas escuras na pele: o que pode ser?

Mancha escura no pescoço é diabetes?

Para saber qual é o método mais indicado para clarear as manchas escuras que você tem na pele, consulte um médico dermatologista.

Qual o tratamento no caso de cisto sebáceo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O tratamento no caso de cisto sebáceo é cirúrgico e consiste na remoção do cisto e da sua cápsula, sendo a pele suturada a seguir. Se a cápsula ou um fragmento dela permanecer, o cisto sebáceo poderá voltar, daí o tratamento através da remoção cirúrgica do cisto e da sua cápsula ser o mais indicado.

Dependendo do tamanho, do tipo e da localização do cisto sebáceo, o tratamento pode ser realizado através de uma única incisão, com drenagem do conteúdo do cisto e destruição da sua cápsula com produtos cáusticos.

No entanto, um cisto de sebáceo geralmente não precisa de tratamento, a não ser que esteja infeccionado, inflamado ou causando um problema estético.

Cisto sebáceo

Cistos infectados normalmente são tratados através de drenagem e remoção da cápsula. Antibióticos e anti-inflamatórios podem ser indicados, de acordo com cada caso.

A drenagem do cisto sebáceo também pode ser feita através de laser. Nesse procedimento, é realizado um pequeno “furo” no cisto com o laser e o seu conteúdo é drenado. A cápsula que envolve o cisto geralmente é retirada depois de 1 mês.

Depois do cisto ser retirado, é indicada a aplicação de pomada com antibiótico para evitar infecções no local. A pomada deve ser usada até à completa cicatrização. Em alguns casos, podem ser indicadas pomadas específicas para ajudar na cicatrização.

Existe algum tratamento caseiro para cisto sebáceo?

Se o cisto sebáceo tiver menos de 1 cm, o tratamento pode ser feito através da aplicação de compressas quentes durante 15 a 30 minutos, 2 vezes ao dia, durante 10 dias.

Com isso, o cisto tende a diminuir gradualmente até desaparecer, embora possa retornar em alguns casos. Este método transforma o conteúdo do cisto num fluido oleoso que é mais facilmente reabsorvido pelo organismo.

É importante lembrar que nunca se deve espremer um cisto sebáceo, pois pode romper a sua cápsula e provocar uma infecção, além de abrir mais espaço para o cisto crescer.

O que é um cisto sebáceo?

O cisto sebáceo, também conhecido como cisto epidérmico, é um cisto benigno que surge na pele. Os cistos podem ter material líquido ou semilíquido no seu interior, como pus. Em geral, o cisto sebáceo surge no rosto, no pescoço ou no tronco.

Os cistos sebáceos crescem de forma lenta, mas podem causar incômodo se não receberem o tratamento adequado.

Quais as causas do cisto sebáceo?

O cisto sebáceo surge nas glândulas sebáceas, que produzem sebo, uma espécie de óleo que recobre a pele e os cabelos. Quando, por alguma razão (sobretudo traumas), o canal pelo qual sai o sebo fica obstruído, pode haver formação do cisto.

Os cistos sebáceos também podem ser causados por defeitos no desenvolvimento do canal da glândula sebácea, danos celulares durante cirurgias e problemas genéticos.

Quais os sintomas de um cisto sebáceo?

Em geral, o cisto sebáceo surge na pele do rosto, do pescoço e do tronco. O cisto costuma ser pequeno, mole e não causa dor ao toque. Porém, cistos maiores podem causar desconforto e dor.

O tratamento do cisto sebáceo deve ser efetuado pelo/a médico/a dermatologista.