Perguntar
Fechar
O que é clamídia, quais os sintomas e como é a transmissão?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A clamídia é uma infecção sexualmente transmissível (IST), causada pela bactéria Chlamydia trachomatis. É uma infecção muito comum em jovens sexualmente ativos, sobretudo os que têm várias parcerias e praticam relações sexuais sem uso da camisinha.

A clamídia atinge principalmente o canal da urina, causando uretrites, mas também pode causar infecção anal, respiratória e ocular.

A infecção por clamídia pode não causar sintomas, mas pode provocar complicações como: dor pélvica crônica, infertilidade, maior risco para abortamentos e partos prematuros, artrites, doenças urológicas e genitais.

Principais sintomas da clamídia

Os sintomas mais comuns da clamídia incluem dor ou ardência ao urinar, corrimento vaginal e presença de secreção clara saindo do pênis.

A infecção por clamídia muitas vezes não apresenta sintomas ou eles demoram para aparecer. Em outros casos, os sinais e sintomas da clamídia podem ser confundidos com os da candidíase, fazendo com que a infecção não seja tratada adequadamente.

Alguns tipos de clamídia causam infecções genitais e urinárias e, quando transmitida durante a gravidez, podem causar conjuntivite ou pneumonia no bebê.

Outros tipos de clamídia provocam uma lesão genital conhecida como linfogranuloma venéreo. Nesses casos, a lesão aparece no local de contacto com o micro-organismo. Depois de algumas semanas, surge um nódulo inflamado que pode crescer e formar uma placa que geralmente evolui para ferida, podendo cicatrizar e causar inchaço.

Sintomas de clamídia nos homens

Em geral, a clamídia não causa sintomas nos homens. Quando presentes, os sintomas podem incluir dor ou sensação de queimação no períneo (região entre ânus e genitais), nos testículos ou ainda presença de corrimento uretral.

Outros sintomas que podem estar presentes nos homens: ardência ao urinar, epididimite, prostatite ou proctite. Pode ocorrer ainda a chamada síndrome de Reiter, que caracteriza-se pela presença de artrite, conjuntivite e uretrite.

Sintomas de clamídia nas mulheres

Nas mulheres, é comum a clamídia também não causar sintomas. Numa minoria dos casos, pode haver presença de corrimento, ardência e aumento da frequência urinária. Em outros casos podem estar presentes ainda uretrite ou cervicite.

O atraso no início do tratamento da clamídia pode causar graves problemas nos órgãos reprodutivos das mulheres, como a Doença Inflamatória Pélvica (DIP), que pode provocar gravidez fora do útero (ectópica), dor crônica no baixo ventre (pélvica) e esterilidade.

Portanto, de acordo com o Ministério da Saúde do Brasil, está indicado a pesquisa da bactéria de rotina na faixa etária mais prevalente, mulheres entre 25 e 35 anos de idade.

Como é a transmissão da clamídia?

A transmissão da clamídia ocorre através de relação sexual vaginal, anal ou oral sem proteção. A infecção também pode ser transmitida através do canal do parto, da mãe para o bebê.

Qual é o tratamento para clamídia?

O tratamento da clamídia é feito com medicamentos antibióticos, preferencialmente doxiciclina ou azitromicina, os quais devem ser prescritos por médicos/as, em média por 1 semana. Já o tratamento do linfogranuloma venéreo é mais prolongado, com duração de pelo menos 3 (três) semanas.

É importante lembrar que o tratamento da clamídia também deve ser realizado pelo/a parceiro/a. Caso contrário, a infecção pode voltar a aparecer.

O tratamento precoce da clamídia é eficaz e a evolução costuma ser boa, desde que a doença seja diagnosticada e tratada no início.

As complicações são raras quando o tratamento for realizado corretamente.

A prevenção da clamídia é feita através do uso de camisinha em todas as relações sexuais.

O/a médico/a de família, clínico/a geral, ginecologista ou urologista são indicados/as para diagnosticar e tratar a doença ocasionada pela presença de clamídia.

Como controlar Herpes Labial?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para controlar o herpes labial, deve-se utilizar logo no início dos sintomas medicamentos antivirais prescritos pelo/a médico/a, além de medidas para prevenir o seu aparecimento. Há ainda vacinas que diminuem de forma significativa a frequência dos surtos do herpes na boca.

Existem fatores que facilitam a manifestação do vírus e o aparecimento do herpes labial, tais como queda da imunidade, estresse, cansaço, febre, bem como exposição ao sol e a temperaturas muito frias. Nesses últimos casos, o uso de protetores labiais podem ajudar a controlar o herpes bucal.

Como tratar o herpes labial?

O tratamento do herpes labial deve começar assim que apareçam os primeiros sinais e sintomas. O remédio geralmente usado para tratar o herpes é o Aciclovir, em comprimidos e em pomada. A duração do tratamento é de 5 a 7 dias.

O ideal é começar a tomar o medicamento ainda antes do aparecimento das lesões. Muitos pacientes referem dormência no local antes do herpes se manifestar. Nesse momento, já pode começar a tomar a medicação, conforme orientação médica.

Herpes labial tem cura?

O herpes labial não tem cura. Por isso, é importante que a pessoa aprenda a identificar quais os fatores que estimulam o seu aparecimento para evitá-los. Quando não for possível, identificar o início dos sintomas a fim de utilizar os medicamentos necessários, ainda nessa fase, evitando a sua progressão.

Herpes labial é contagioso?

O herpes labial é altamente transmissível. Porém, o contágio ocorre apenas pelo contato direto com as lesões, como no caso de beijo, ou pelo uso imediato de algum objeto contaminado como batom, copo ou toalhas. O aparecimento das lesões ocorre somente em cerca de 10% das pessoas contaminadas com o vírus.

Quais os sintomas do herpes labial?

Os sintomas do herpes labial são: ardência ou coceira, inchaço, vermelhidão, aparecimento de pequenas bolhas, rompimento das bolhas, inflamação e formação de crostas (casquinhas).

O/a médico/a de família, clínico/a geral, dermatologista ou infectologista são as/os médicas/os que poderão diagnosticar e tratar o herpes labial.

Faz mal tomar Cimelide se estiver amamentando?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim, faz mal tomar Cimelide® (nimesulida) se você estiver amamentando. Tomar Cimelide® durante o período da amamentação não é indicado pois pode fazer mal ao bebê. O Cimelide® é um anti-inflamatório que pode passar através do leite durante amamentação e causar problemas à saúde do bebê.

Na gravidez, não há dados adequados sobre o uso de Cimelide®. Portanto, o risco do seu uso durante a gestação não é conhecido. Por isso, se a mulher estiver grávida e precisar tomar a medicação, o/a médico/a deverá avaliar os riscos e os benefícios em tomar Cimelide®.

Para que serve o Cimelide®?

O Cimelide® tem como princípio ativo a nimesulida, um anti-inflamatório usado em diversas condições que necessitam de alguma ação contra inflamações, dor e febre.

Os efeitos do Cimelide®, como o alívio da dor, demoram cerca de 15 minutos para serem notados após a ingestão do medicamento. Nos casos de febre, os efeitos começam a ser sentidos depois de uma a duas horas do uso da medicação. Os efeitos do Cimelide® duram cerca de 6 horas.

Como tomar Cimelide®?

Os comprimidos de Cimelide ® devem ser ingeridos preferencialmente após as refeições, juntamente com meio copo de água.

Para adultos e crianças com mais de 12 anos, a dose mais indicada é de 50 mg a 100 mg, o que corresponde a meio a 1 comprimido, duas vezes ao dia.

Em casos específicos, com indicação médica, a dose pode passar para 200 mg (2 comprimidos), duas vezes ao dia.

O Cimelide ® (Nimesulida) não deve ser usado durante a amamentação pelo alto risco de causar lesão no fígado do bebê. Por isso, evite usar essa medicação e converse com o/a médico/a de família, obstetra ou pediatra durante as consultas médicas para tirar as suas dúvidas quanto ao uso de medicações.

Para que serve e como tomar maleato de dexclorfeniramina (polaramine)? É indicado para tosse?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O maleato de dexclorfeniramina, conhecido como Polaramine®, é usado para o tratamento de alergias, coceira, picadas de insetos, rinite alérgica, conjuntivite alérgica, urticária e alguns tipos de inflamação na pele (dermatites).

O Polaramine® não é indicado para gripes e resfriados comuns.

O medicamento pode ser encontrado em comprimidos, drágeas, solução líquida, gotas e creme.

Trata-se de um anti-histamínico (antialérgico), que neutraliza os efeitos da histamina. A histamina é uma substância produzida pelo corpo, responsável pela maioria dos sintomas de alergia. Por este motivo, a medicação ajuda a diminuir os sintomas das crises alérgicas.

Como tomar maleato de dexclorfeniramina?

As doses variam de acordo com a idade, o peso, uso de mdicmaentos e doenças associadas. Cabe ao médico avaliar individualmente.

Alguns cuidados importantes no uso desse remédio são de não partir ou mastigar os comprimidos, e procurar tomá-los com água.

As drágeas também não devem ser abertas ou mastigadas.

Para crianças até os 12 anos, a medicação é melhor aceita nas formulações de solução líquida e/ou gotas.

A versão deste medicamento em creme não deve ser aplicado nos olhos, boca, nariz, genitais ou em outras mucosas. Não deve ser utilizado em áreas extensas da pele, principalmente em crianças. Somente é recomendado o uso externo.

O mais importante é que as dosagens indicadas pelo/a médico/a para as apresentações em comprimidos, solução e gotas, sejam devidamente seguidas.

Maleato de dexclorfeniramina® é indicado para tosse?

O medicamento pode aliviar a tosse se a sua causa for alérgica. Para definir o melhor tratamento, converse com o/a seu/sua médico/a.

Contraindicações do maleato de dexclorfeniramina®
  • Alergia aos componentes da fórmula;
  • Mulheres grávidas ou que estão amamentando;
  • Bebês prematuros ou recém-nascidos;
  • Pessoas que fazem uso de inibidores da monoaminoxidase (IMAOs), componente da fórmula de alguns antidepressivos.
Efeitos colaterais do maleato de dexclorfeniramina®

Os efeitos colaterais mais comuns produzidos pelo uso do medicamento são:

  • Sonolência leve ou moderada
  • Dor de cabeça
  • Urticária
  • Coceira (prurido)
  • Erupções na pele
  • Sensibilidade na pele quando exposta ao sol
  • Azia
  • Náuseas

Estes efeitos podem ocorrer de forma mais frequente ao uso da medicação em comprimidos, drágeas, suspensão ou gotas. Se você apresentar algumas destas reações, comunique-se com o/a seu/sua médico/a.

Siga as orientações médicas quanto ao uso de maleato de dexclorfeniramina (Polaramine) e o não utilize medicação sem prescrição.

Leia também

Como identificar uma alergia? Quais os sintomas?

O que fazer em caso de reação alérgica?

O que é impige (tinea), o que provoca e como tratar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Impinge é o nome popular dado à tinea, uma infecção superficial de pele provocada por fungos. São lesões características que podem surgir em qualquer região da pele, como nos pés, mãos, face, virilha e couro cabeludo.

Lesão de pele provocada por infecção fúngica. O que causa a tinea?

A tinea é causada por fungos dermatófitos que se alimentam da queratina presente na pele. A micose se desenvolve nas regiões mais úmidas do corpo. Sua transmissão se dá pelo contato direto com pessoas infectadas, especialmente quando a pessoa apresenta uma baixa imunidade.

Sintomas de infecções por tinea

No local afetado apresenta lesões com as seguintes características:

  • Coloração avermelhada;
  • Descamação;
  • Prurido (coceira);
  • Perda de cabelos (quando afeta o couro cabeludo).
Tratamento da tinea

O tratamento da tinea é feito com uso de medicamentos locais (tópicos) ou orais e deve ser efetuado mediante orientação médica.

Lesões localizadas

O tratamento das lesões localizadas é feito com aplicação de medicação antifúngica tópica em forma de creme ou pomada durante alguns dias ou semanas.

Lesões extensas ou de couro cabeludo

As lesões que afetam regiões corporais maiores, o couro cabeludo e/ou cabelos são tratadas com antifúngicos administrados por via oral ou em associação com a medicação tópica. Nestes casos mais graves o tratamento pode durar até 30 dias.

Formas de prevenção da tinea
  • Manter a pele seca, especialmente nas regiões do corpo que possuem dobras como axilas, pescoço e virilhas;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal como toalhas, lençóis, roupas íntimas, escova de cabelo;
  • Efetuar higiene corporal;
  • Adotar hábitos alimentares saudáveis de alto valor nutricional para fortalecer o sistema imune.

Para uma tratamento eficaz procure atendimento com médico/a de família ou dermatologista. Não trate micoses provocadas por tinea ou qualquer outro fungo utilizando medicamentos sem prescrição médica, pode ser prejudicial à sua saúde.

Leia também

Fungos na pele: Como identificar e tratar?

Que tipos de micose existem?

Chá de amora: para que serve? Tem contraindicações?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O chá de amora é feito com as folhas de amora e é utilizado como um potente antioxidante e como coadjuvante nos tratamentos de gastrite, inflamações de boca e garganta, alívio dos sintomas de tensão pré-menstrual e da menopausa e diarreia.

Esta bebida é rica em nutrientes como vitaminas A, C, E, K e vitaminas do complexo B, potássio, cálcio, magnésio, ferro, manganês, leveduras, flavonoides, fibras e substâncias antioxidantes.

1. Ação antioxidante

As folhas e as frutas sem espinhos da amora contêm propriedades antioxidantes, entre eles, a vitamina C. Deste modo, o chá das folhas de amora é capaz de auxiliar a combater os radicais livres causadores do envelhecimento precoce e de algumas doenças a exemplo do câncer.

2. Coadjuvante no tratamento de gastrite

A ação anti-inflamatória do chá de folhas de amora é útil para o tratamento de gastrite no sentido de ajudar a tratar a inflamação da mucosa do estômago. Durante o tratamento de gastrite com H. pylori, a bebida reduz o desconforto provocado por medicações específicas para tratar a infecção por esta bactéria.

3. Ajuda a tratar inflamações de boca e garganta

O chá das folhas de amora pode ser utilizado como coadjuvante no tratamento de inflamações da mucosa da boca e garganta por ter ação anti-inflamatória. A ingestão do chá ou o uso como gargarejo ou bochechos, neste caso em temperatura ambiente, pode aliviar as dores provocadas por aftas ou dores de garganta.

O chá de folhas de amora não deve ser utilizado para faringite, laringite ou qualquer outra infecção. Nestas situações o tratamento é efetuado mediante o uso de antibióticos.

4. Promove o alívio dos sintomas de tensão pré-menstrual e menopausa

O chá de folhas de amora auxilia no alívio dos sintomas da tensão pré-menstrual: reduz o fluxo sanguíneo da menstruação e as cólicas menstruais. Estes efeitos são provocados pelos taninos presentes no chá. Para uma maior liberação de taninos das folhas de amora, o chá deve ser preparado por decocção (colocar as folhas diretamente em contato com a água fervente).

A ação sobre a redução dos sintomas da menopausa está relacionada aos fitormônios também presentes nas folhas de amora. Estas substâncias desempenham no organismo da mulher uma função muito semelhante à do estrogênio, o que ajuda a amenizar os as ondas de calor, a secura vaginal, a insônia e as alterações de memória características da fase de menopausa.

5. Alivia os episódios de diarreia

Os taninos presentes no chá das folhas de amora aliviam os episódios diarreicos sem causa específica. Neste caso o chá deve ser preparado por decocção que consiste em colocar as folhas em água fervente. Este procedimento permite extrair das folhas uma maior concentração de taninos.

Contraindicações do chá de amora
  • Mulheres grávidas: o chá de amora pode provocar contrações uterinas que podem levar ao parto prematuro ou aborto quando usado em grande quantidade;
  • Pessoa que possuem distúrbios do fígado.
Chá de amora e emagrecimento

Não há nenhuma evidência de que o chá das folhas de amora promova o emagrecimento. Sabe-se que a bebida não tem efeito termogênico e, portanto, não possui ação sobre o metabolismo capaz de por si só provocar o emagrecimento. É importante esclarecer que o consumo de líquidos promove a redução da sensação de inchaço o que pode levar à percepção de que se está emagrecendo.

A ingestão de chás e outros líquidos não elimina a necessidade do consumo de água, necessária ao bom funcionamento do organismo.

Cuidados quanto ao consumo do chá de amora

O consumo em excesso (mais de três xícaras ao dia) pode provocar náuseas, vômitos, desconforto no estômago, diarreia, toxicidade hepática (fígado) e alterar a absorção de cálcio e ferro. Para preservar absorção normal de cálcio e ferro pelo organismo evite consumir o chá de amora durante as refeições.

Se você utiliza medicamentos de uso contínuo não suspenda a medicação e comunique-se com seu/sua médico/a para orientações quanto a interações medicamentosas.

O consumo do chá não substitui nenhum medicamento. Ele pode ajudar no tratamento de algumas doenças. Por este motivo, procure orientação médica antes de usar o chá de folhas de amora como coadjuvante no tratamento de doenças.

Leia também

Plantas medicinais são seguras para a saúde?

Picolinato de cromo emagrece? Saiba como tomar e quais os seus efeitos colaterais
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O picolinato de cromo é um produto registrado pela ANVISA, na categoria de suplemento vitamínico e ou mineral, popularmente usado para fins de emagrecimento, porém ainda sem registro ou eficácia comprovada para esse fim.

Picolinato de Cromo x Emagrecimento

Embora ainda não esteja cientificamente comprovado que o produto promove o emagrecimento, alguns estudos evidenciaram esse resultado. Pesquisadores entendem que o produto seja capaz de estimular a redução do apetite e o desejo por comida, além de acelerar o metabolismo e impulsionar a queima de gordura. O que levaria a perda de peso.

O cromo é um mineral essencial que participa no metabolismo dos carboidratos, aumenta a tolerância do organismo à glicose e potencializa a ação da insulina. Além disso, auxilia na redução da formação de colesterol. Este mineral pode ser ingerido em sua forma natural por meio da alimentação.

Como tomar picolinato de cromo

A dose recomendada deve ser de 50 a 300 microgramas (mcg) por dia.

Entretanto, a suplementação com picolinato de cromo deve ser prescrita e orientada por médico/a ou nutrólogo. Seu uso deve ser associado a uma alimentação saudável e à prática de atividade física.

Contraindicações do picolinato de cromo
  • Insônia
  • Alterações de humor
  • Cefaleia (dor de cabeça)
  • Perda de minerais (ferro)
  • Vômitos
  • Diarreia
  • Surgimento de úlceras
  • Anemia
  • Problemas de fígado
Fontes naturais de cromo

O cromo pode ser encontrado em grãos integrais, frutas, vegetais, leguminosas alimentos de origem animal e alimentos integrais.

Grão integrais
  • Aveia
  • Linhaça
  • Chia
Frutas
  • Uva
  • Maçã
  • Laranja
  • Açaí
  • Banana
Vegetais
  • Espinafre
  • Brócolis
  • Tomate
  • Alho
  • Cenoura
  • Batata
Leguminosas
  • Soja
  • Milho
  • Feijão
Alimentos de origem animal
  • Frango
  • Carnes
  • Frutos do mar
  • Ovos
  • Leite e derivados
Alimentos integrais
  • Pão integral
  • Arroz integral
  • Massas integrais
  • Açúcar mascavo
  • Farinha de trigo integral
  • Levedura de cerveja

Não utilize suplementos alimentares sem orientação de um/a nutricionista ou nutrólogo/a e adote um estilo de vida que inclua uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos.

Leia mais

Remédios para emagrecer

7 Erros que você não pode cometer se quer emagrecer

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?

Como engravidar rápido? 7 dicas para engravidar rapidamente
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Existem algumas estratégias simples que podem ajudar os casais que querem engravidar.

Conhecer o período fértil, evitar hábitos ruins como tabagismo e consumo de álcool, adotar alimentação mais saudável e buscar formas para reduzir a ansiedade, como a prática de atividade física são medidas comprovadamente eficazes.

É também importante consultar o ginecologista para avaliar a saúde reprodutiva do casal.

1. Faça exames laboratoriais

Procure um ginecologista para fazer os seus exames de sangue, já bem definidos como rotina de pré-natal, especialmente a dosagem de hormônios.

É importante dosar hormônios da tireoide, pois eles influenciam na fertilidade. As disfunções da tireoide podem provocar tanto a infertilidade, como o aborto. O hormônio tireoestimulante (TSH) e a tiroxina (T4) são os principais hormônios a serem analisados.

A prolactina, hormônio responsável pela produção do leite materno, também deve ser avaliada. Se estiver em concentração elevada no sangue, pode provocar o bloqueio da menstruação e, por isto, infertilidade.

Portanto, atualize todos os seus exames ginecológicos.

2. Suspenda os contraceptivos

Pare de usar o anticoncepcional assim que decidir engravidar. Independente de quanto tempo você usou contraceptivos, o corpo leva um período para se ajustar a ausência de hormônios sintéticos. Ele precisará voltar a produzir os seus hormônios novamente, sem interferência do anticoncepcional.

O organismo pode levar semanas ou meses para regularizar a produção natural dos hormônios e a ovulação. Não existe uma regra ou prazo comprovado.

Quem utiliza anticoncepcionais não tem período fértil e, por este motivo você ainda não sabe quando vai ovular. A presença de cólicas e atrasos menstruais são comuns e significam que o corpo está se reajustando.

3. Conheça o seu ciclo menstrual

Conhecer o ciclo menstrual é importante para identificar o período fértil, no qual as chances de engravidar são maiores.

Alguns estudos mostraram que a possibilidade de gravidez aumenta se a relação sexual ocorrer dois dias antes da ovulação, pois os espermatozoides sobrevivem dentro do corpo da mulher por até 5 dias. Já o óvulo, quando sai dos ovários para as trompas de Falópio, local onde ocorre a fecundação, somente pode ser fecundado entre 12 e 24 horas.

Conhecendo o ciclo é possível calcular o dia da sua ovulação, sem esquecer que organismo não é um relógio perfeito, e que alterações podem ocorrer: a ovulação pode adiantar ou atrasar um pouco. Mesmo assim, sabendo o provável dia da ovulação, aumenta a chance da gravidez.

Veja também: Como calcular o seu período fértil?

4. Cuide da sua alimentação

Consumir fast food, cafeína, álcool ou drogas pode atrapalhar a sua fertilidade. Se você está se preparando para engravidar, adote uma alimentação saudável com menos alimentos industrializados, menos gorduras, mais carnes magras, frutas, verduras e legumes, ricas em minerais e vitaminas.

Ovos e grão-de -bico são exemplos de alimentos que atuam no sistema hormonal e parecem ajudar a engravidar mais rápido.

Hábitos alimentares saudáveis fazem com que o organismo funcione melhor e promova ovulações mais efetivas com óvulos de melhor qualidade, o que favorece a fecundação e a gestação sadia.

5. Tenha relações sexuais em dias alternados

Ter relações sexuais em dias alternados, dia sim e dia não, disponibiliza um maior número de espermatozoides de qualidade para que a fecundação aconteça.

Este intervalo de um dia sem relação sexual é indicado para que a produção de espermatozoides se dê no tempo adequado, para que eles ganhem mobilidade, motilidade e estejam mais fortes e aptos à fecundação do óvulo.

Alguns estudos descrevem que, as relações sexuais em dias alternados durante o período fértil, aumentam as chances de gravidez. Se o casal tiver relações com esta frequência durante todo o ciclo menstrual e não somente durante o período fértil, a probabilidade de ocorrer a gestação aumenta ainda mais.

6. Pratique atividade física

A prática de atividade física é benéfica para o estado de saúde geral e melhora o funcionamento de todo o organismo.

Entretanto, o excesso de exercícios físicos interfere na fertilidade da mulher e pode até levar à amenorreia (suspensão da menstruação por tempo superior a 3 meses), comum em mulheres atletas. Para quem deseja engravidar o recomendado é que a atividade física seja incorporada na sua rotina de forma moderada.

Além de ajudar na manutenção da saúde, os exercícios físicos ajudam a reduzir a ansiedade, um evento comum em mulheres que desejam engravidar, que pode levar a alterações do ciclo menstrual, interferindo no processo da gravidez.

7. Evite as infecções

O casal que deseja engravidar deve redobrar os cuidados para não adquirir infecções. Algumas bactérias podem alcançar o colo do útero, entrar na cavidade uterina e atingir as trompas, provocando uma doença inflamatória pélvica, causa frequentes de infertilidade na mulher.

Se após um ano (12 meses) de consecutivas tentativas, o casal não conseguir engravidar, se faz necessário buscar um médico especializado para uma avaliação mais profunda e detalhada. Nesta avaliação, são analisadas as possibilidades de tratamentos para a gravidez, como a indução da ovulação ou fertilização in vitro.

O homem também deve ser examinado, pois, 50% dos casos de dificuldade para engravidar estão relacionados à problemas masculinos.

Leia também: Quero engravidar:o que devo fazer?