Perguntar
Fechar
Quais os Benefícios da Manga? Engorda ou Emagrece?
Dra. Juliana Guimarães
Dra. Juliana Guimarães
Enfermeira doutorada em Saúde Pública

A manga é uma fruta tropical rica em vitamina A, C, minerais (potássio, cobre e ferro), betacaroteno e fibras. Em cada 100 gramas de manga, 13g são de carboidratos, 2g são fibras, 1g de proteínas e, praticamente não contém gorduras. O valor calórico em 100g da fruta é de 50 calorias.

Pode ser utilizada tanto para auxiliar o processo de emagrecimento, como para aumentar o ganho de massa magra.

Manga ajuda na prevenção de câncer?

Estudos têm mostrado que os polifenóis presentes na manga tem contribuído para evitar o crescimentos de células cancerígenas no cólon e mamas, sem que a células saudáveis sejam alteradas. Já a pectina contribui para evitar o câncer de próstata. Entretanto, mais pesquisas estão sendo realizadas para confirmar estas informações.

Consumir manga auxilia na proteção da saúde ocular

Rica em vitamina A (retinol) e zeaxantina, a manga ajuda a prevenir as doenças oculares. A vitamina A, contribui para para uma boa visão e para a prevenção de cegueira noturna. Já a zeaxantina, é um carotenoide que ajuda a evitar a degradação da mácula ocular, doença associada à cegueira em pessoas com idades mais avançadas.

7 Benefícios da Manga para a saúde1. Sensação de saciedade

Por ter uma quantidade razoável de fibras, esta fruta ocupa mais espaço dentro do estômago e a sua digestão ocorre de forma mais lenta. Isto promove sensação de saciedade e ajuda no emagrecimento.

2. Melhora o trânsito intestinal

As fibras presentes na manga ajudam na formação do bolo fecal e na regularização do funcionamento dos intestinos. Quem tem problemas de constipação, a manga pode ser bastante benéfica. Este fator também ajuda a emagrecer.

3. Auxilia no controle do diabetes

O índice glicêmico é a velocidade com que os carboidratos que ingerimos nos alimentos são absorvidos e provocam o aumento dos níveis de glicose do sangue. Como o índice glicêmico da manga é considerado médio, a depender do que você adicionar à fruta, pode reduzir ainda mais este índice. Por exemplo, pode-se adicionar iogurte desnatado, kefir e laticínios magros integrais. Isto torna mais lenta a absorção de seus carboidratos e evita picos de glicose e insulina. Este mecanismo ajuda o controle do nível de açúcar no sangue e evita o ganho de gordura corporal.

4. Reduz o colesterol

O alto teor de fibras e a pectina presentes na manga reduzem a absorção dos carboidratos presentes nos alimentos e, assim, ajudam a reduzir os níveis de colesterol.

5. Previne o envelhecimento precoce

A ação antioxidante da vitamina E e dos carotenóides, responsáveis pela coloração laranja da manga (betacaroteno), evita os danos provocados pela produção de radicais livres e auxilia na prevenção do envelhecimento precoce.

6. Ajuda na prevenção de câncer

Estudos têm mostrado que os polifenóis presentes na manga tem contribuído para evitar o crescimentos de células cancerígenas no cólon e mamas, sem que a células saudáveis sejam alteradas. Já a pectina contribui para evitar o câncer de próstata. Entretanto, mais pesquisas estão sendo realizadas para confirmar estas informações.

7. Fortalece o sistema imunológico

As vitamina A e vitamina C, presentes na manga em altas concentrações fortalecem o bom funcionamento do sistema imunológico reforçando as defesas do organismo contra infeções, gripes e manutenção de um bom estado de saúde geral.

A vitamina A, protege a saúde da pele e mucosas que são nossas primeiras barreiras de defesas contra diferentes tipos de infecções.

Enquanto a vitamina C, com sua função antioxidante, combate o câncer e o envelhecimento além de contribuir com a integridade dos vasos sanguíneos.

Consumo de Manga e Emagrecimento

Por provocar a sensação de saciedade por mais tempo, ter reduzido índice glicêmico e melhorar o funcionamento intestinal, a manga pode ser uma importante aliada para as pessoas que querem emagrecer. Isto se deve ao alto teor de fibras presentes na fruta.

Portanto ao consumir com o objetivo de emagrecer, é importante respeitar a quantidade de fruta orientada pelo nutricionista, não adicionar açúcares e dar preferência à sua forma in natura. Deve ser evitado o consumo do suco, uma vez que, nesta forma, a quantidade de fibras da fruta se torna muito pequena, perdendo-se também os benefícios de saciedade e motilidade intestinal.

Consumo de Manga e Ganho de Massa Muscular

As altas concentrações e vitamina A e C, desempenham importante função para quem tem como objetivo, o ganho de massa magra.

Vitamina A (retinol): participa da quebra das moléculas de proteínas em aminoácidos. Estes aminoácidos são moléculas estruturais que ajudam na construção do tecido muscular. Além disso, estão relacionados ao armazenamento de uma das principais formas de energia utilizadas pelo nosso organismo, chamada de glicogênio.

Vitamina C (ácido ascórbico): está diretamente ligada ao metabolismo dos aminoácidos e na formação do colágeno, um importante componente para manutenção da saúde das articulações. Contribui também na produção de alguns hormônios, na absorção de ferro e, por sua ação antioxidante, ajuda a eliminar os radicais livres formados pelo organismo e evitar danos celulares

Estas são características relevantes, especialmente, para os praticantes de musculação que pretendem ganhar massa muscular.

Formas de Consumir

  • Dê preferência ao consumo da fruta in natura para que todas as suas propriedades e benefícios sejam mantidos.
  • A ingestão de pedaços da fruta em saladas é bastante saudável, agrega sabor e aumenta a quantidades de fibras ingeridas.
  • Adicione em saladas de frutas.
  • Lembre-se que o consumo em forma de suco diminui a quantidade de fibras disponíveis, o que leva a redução de muitos dos benefícios da fruta.
  • Em forma de geleias, doces ou sorvetes, adoce com xylitol ou stevia. Não adicione açúcares. Nas preparações se pode usar leite ou kefir.
Cuidados
  • A manga contém uma substância chamada urushiol que está presente na casca da fruta e seiva da planta. Em pessoas alérgicas ao látex, o urishiol pode produzir uma dermatite de contato.
  • A colheita da manga verde e a indução da maturação com carboneto de cálcio, proibido em diversos países, é efetuada por diversos agricultores. Alguns estudo mostram que esta substância é bastante tóxica ao nosso organismo. Portanto, esteja atento à procedência da fruta e, sempre que possível, dê preferência aos produtos orgânicos.

Para um plano alimentar mais eficaz para emagrecimento e/ou ganho de massa magra, busque orientação de um nutricionista.

Referência:

Arbizu-Berrocal SH, Kim H, Fang C, Krenek KA, Mertens-Talcott SU. Polyphenols from mango (Mangifera indica L.) modulate PI3K/AKT/mTOR-associated micro-RNAs and reduce inflammation in non-cancer and induce cell death in breast cancer cells. Journal of Functional Foods 2019; 55:9-16.

A cerveja atrapalha no efeito do antibiótico?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, dependendo da quantidade, a cerveja pode interferir no efeito do antibiótico, assim como qualquer bebida alcoólica. Para não atrapalhar o efeito do medicamento, não é indicado beber quando em uso de antibióticos.

Isso ocorre porque a bebida alcoólica age estimulando a diurese, e quando uma pessoa urina mais, acelera também a eliminação do antibiótico circulante no corpo, podendo diminuir o efeito desta medicação.

A combinação de álcool com antibiótico também pode sobrecarregar o fígado, uma vez que ambos são metabolizados por este órgão.

Assim como o antibiótico, outras medicações de uso regular e controlado não devem ser utilizadas em conjunto com bebidas alcoólicas, evitando o risco de efeitos colaterais por interação das medicações.

Por todas essas razões, não é recomendado misturar álcool com antibióticos.

Para maiores informações quanto ao consumo de cerveja ou outras bebidas alcoólicas durante o uso do antibiótico, fale com o médico que receitou o medicamento.

Leia também:

A bebida alcoólica corta o efeito dos antibióticos?

Existe alguma comida que corta o efeito do antibiótico?

Quem teve hérnia inguinal pode ter filhos?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, quem teve hérnia inguinal pode ter filhos. Contudo, alguns homens que fizeram cirurgia para corrigir a hérnia inguinal podem ficar com aderências que obstruem os canais por onde passa o esperma, impedindo a saída do sêmen e causando infertilidade.

Outra possível consequência da cirurgia que pode impedir o homem de ter filhos é a colocação de uma tela, que se ficar muito justa também pode obstruir os ductos e bloquear a saída do esperma. Contudo, a cirurgia de correção da hérnia inguinal pode ser feita sem essa tela e, dependendo do caso, o médico pode optar por não utilizar o material para evitar eventuais problemas de fertilidade.

Além da obstrução, a operação também pode prejudicar a produção de esperma devido a aderências que podem comprimir vasos sanguíneos e diminuir o fluxo de sangue para os testículos.

Uma hérnia inguinal que surge na infância e não é tratada também pode interferir no desenvolvimento dos testículos e afetar a fertilidade a longo prazo. Além disso, uma hérnia que não recebe tratamento cirúrgico corre sempre o risco de ficar estrangulada e comprimir os vasos sanguíneos que nutrem os testículos, causando atrofia dos mesmos.

Veja também: Uma hérnia pode estourar?

Por isso toda hérnia inguinal deve ser operada. O tratamento cirúrgico consiste em colocar de volta no abdômen a porção do intestino que extravasou pela hérnia e fechar o "buraco" por onde ele saiu.

Saiba mais em: Hérnia inguinal: como é a cirurgia e recuperação pós operatório?

O médico urologista é o responsável pelos exames e avaliações necessárias para identificar as causas de infertilidade no homem.

Também podem ser do seu interesse:

Hérnia inguinal durante a gravidez é perigoso?

O que é hérnia inguinal e quais os sintomas?

Quantos dias após a cirurgia de hérnia inguinal posso ter relação?

O que fazer para curar afta na boca?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para curar aftas na boca, língua, gengiva ou bochechas, recomenda-se aplicar pomadas com analgésico e corticoide para aliviar a dor e controlar a inflamação. O tratamento também inclui fazer bochechos com enxaguantes antissépticos bucais para diminuir a irritação no local e aplicar gel protetor na mucosa da boca.

O uso de pomadas só é possível quando a afta está localizada em locais de fácil acesso, como língua, boca (lábios), gengiva e parte interna da bochecha. A aplicação de medicamentos tópicos em aftas na garganta, por exemplo, é inviável. Nesses casos, o tratamento é feito com gargarejos e medicamentos por via oral, quando necessários.

Em alguns casos, podem ser prescritos medicamentos antibióticos para curar a infecção secundária que pode estar causando a afta na boca. Para tratar as aftas maiores, que apresentam sintomas intensos e duração prolongada, pode ser indicado também o uso de corticoide por via oral.

Alguns produtos e terapias como bicarbonato de sódio, nitrato de prata e aplicação de laser, agridem a base da afta e destroem as terminações nervosas, o que pode aliviar os sintomas em alguns casos. Porém, esses tratamentos não aceleram a cicatrização nem são capazes de curar a afta.

Durante o tratamento da afta, também deve-se evitar alimentos quentes, ácidos ou apimentados, que podem irritar ainda mais a lesão.

Que remédio posso usar para afta?

Os remédios mais usados para tratar aftas são as pomadas à base de policresuleno, acetonido de triancinolona e amlexanox. Todas essas pomadas servem para acelerar a cicatrização da ferida e possuem algum anti-inflamatório ou corticoide nas suas composições. Não existe um remédio específico capaz de curar a afta.

Como usar pomada para afta? Policresuleno

Aplique a pomada diretamente na afta utilizando um algodão ou cotonete e enxague bem a boca após a aplicação.

O medicamento não deve ser ingerido, devido ao risco de causar graves lesões no esôfago. Se houver ingestão acidental, beba água em abundância e procure atendimento médico.

Acetonido de triancinolona

Lave as mãos antes de aplicar o medicamento. Aplique um pouco de pomada na afta, sem esfregar, até formar uma película fina. Recomenda-se aplicar apenas o necessário para cobrir a ferida com uma película fina de pomada. A aplicação deve ser feita à noite, antes de ir dormir.

A pomada de acetonido de triancinolona não é indicada em casos de tuberculose, úlcera e não deve ser usada para tratar herpes labial.

Amlexanox

Lave as mãos antes de aplicar a pomada e seque suavemente a afta com um pano limpo e seco. Aplique uma fina camada da pomada sobre a ferida, sem esfregar.

A aplicação do medicamento deve ser feita 4 vezes por dia, depois das refeições e antes de dormir.

A pomada amlexanox não é indicada para menores de 18 anos, idosos com mais de 65 anos e pessoas que estão em tratamento de doença dos rins ou do fígado.

O que é afta?

A afta é uma pequena ferida que surge na boca, que provoca muita dor e ardência. A lesão pode aparecer no lábio, na gengiva, na língua ou em qualquer parte da mucosa bucal, podendo surgir em grupos ou isoladamente.

As aftas podem ter formato redondo ou ovalado e ter coloração esbranquiçada, avermelhada ou amarelada. Dependendo do tamanho ou do número de lesões, a afta pode causar dificuldade para comer, beber e falar, febre, mal-estar e aumento dos gânglios do pescoço.

Em geral, a afta desaparece espontaneamente depois de 7 a 14 dias sem deixar cicatrizes, mesmo sem tratamento. Contudo, pode ser indicado o uso de produtos, medicamentos e outros tratamentos para diminuir os sintomas e prevenir infecções.

Quais as causas da afta?

As causas da afta nem sempre são conhecidas. Acredita-se que o aparecimento da ferida esteja associado a uma sensibilidade exacerbada a uma bactéria encontrada na boca e a uma anormalidade do sistema imune. Nesse caso, os anticorpos atacam as bactérias e a superfície da mucosa oral, causando afta.

Contudo, sabe-se que algumas condições podem causar aftas, como traumatismos, mordidas na língua ou na bochecha, escovagem muito intensa dos dentes, movimentação de dentes afiados ou mal posicionados e mastigar alimentos muito duros. Existem ainda fatores de risco que favorecem o desenvolvimento de aftas, como:

  • Predisposição genética;
  • Casos de afta na família;
  • Alterações hormonais;
  • Ansiedade;
  • Estresse;
  • Sono irregular;
  • Refluxo gastroesofágico;
  • Falta de ferro, zinco, vitamina B12 ou ácido fólico (vitamina B9);
  • Problemas odontológicos;
  • Menstruação;
  • Menopausa;
  • Má higiene bucal;
  • Má alimentação;
  • Imunidade baixa;
  • Doenças;
  • Uso de medicamentos.
Como evitar aftas na boca?

Uma das formas de prevenir as aftas é afastar os fatores de risco e as causas, quando possível, além de evitar o consumo de certos tipos de alimentos e bebidas, como:

  • Alimentos apimentados ou muito condimentados;
  • Alimentos processados com sal, como amendoim e batata frita;
  • Frutas cítricas ou ácidas (limão, laranja, abacaxi, tangerina, kiwi, morango);
  • Alimentos muito duros;
  • Alimentos ou bebidas quentes;
  • Açúcar branco;
  • Chocolate.

O tratamento da afta tem como principais objetivos aliviar a dor, diminuir o tempo de duração da úlcera e reduzir a frequência de novos episódios. As aftas menores, com menos de 1 cm, tendem a curar-se espontaneamente em 7 a 10 dias sem deixar cicatriz. Já as maiores, com mais de 1 cm, podem durar até 6 semanas e deixar cicatriz.

Se as aftas não cicatrizarem dentro de um período máximo de 10 dias, você pode consultar o/a dentista, médico/a de família ou clínico/a geral para uma avaliação.

Sangue nas fezes, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A presença de sangue nas fezes pode ter muitas causas. Quando o sangue existente nas fezes tem coloração vermelho vivo, pode indicar que o sangramento ocorreu nas regiões baixas do sistema digestivo (intestino grosso, reto e ânus). Esse tipo de sangramento pode ser causado por hemorroidas, fissuras anais, lesões causadas por algum tipo de trauma nessas regiões, vermes, pólipos, diverticuloses, doenças inflamatórias intestinais (doença de Crohn e retocolite ulcerativa) ou tumores.

Quando esse sangramento ocorre na boca, esôfago, estômago ou duodeno (parte superior do intestino delgado), as fezes tendem a apresentar uma coloração bem escura e um cheiro forte característico (melena), principalmente após sangramentos mais intensos. Entre as causas para estes sangramentos temos as lesões traumáticas, úlceras, esofagites, varizes esofagianas, pólipos e tumores.

Sangue nas fezes em pequena quantidade

O sangramento retal mais comum é aquele em que se observa uma pequena quantidade de sangue nas fezes ou o sangue só é notado no papel higiênico. Na grande maioria dos casos, esses pequenos sangramentos não indicam nada de grave e são causados principalmente por hemorroidas e fissuras anais.

As causas incluem principalmente hemorroidas, fissuras anais, pólipos intestinais, inflamação na porção final do intestino ou no ânus, úlceras no reto, câncer no reto ou no ânus e endometriose intestinal.

No caso das hemorroidas, os sintomas incluem dor ao evacuar e presença de pequenas quantidades de sangue nas fezes. O sangramento pode ser percebido sob a forma de gotas de sangue que surgem após evacuar ou no papel higiênico ao se limpar.

Leia também: Como saber se tenho hemorroidas e quais os sintomas?

As fissuras anais causam dor intensa ao evacuar e o sangue pode ser notado em pequenas quantidades nas fezes, no vaso sanitário ou no papel higiênico.

Sangue nas fezes em média e grande quantidade

Se houver uma quantidade moderada ou grande de sangue nas fezes ou quando as fezes estão com uma coloração bem escura (melena), é provável que o sangramento tenha origem mais interna, como no cólon, no duodeno ou no estômago.

Nesses casos, as causas mais comuns incluem úlcera no estômago ou intestino, lesões no esôfago, doença diverticular do cólon, câncer de intestino, infecção intestinal, doença inflamatória do intestino e angiodisplasia (presença de vasos sanguíneos dilatados na camada interna do intestino grosso).

O gastroenterologista, proctologista, clínico geral ou médico de família são os especialistas que diagnosticam e tratam os problemas do sistema digestivo, como no caso de presença de sangue nas fezes.

Leia também:

Tive um sangramento anal o que pode ser?

Tabela Chinesa: funciona para saber o sexo do bebê?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Cientificamente não funciona. Os estudos científicos realizados para avaliar a precisão do método "Tabela chinesa" ou calendário lunar, concluíram que não é um método eficaz para prever o sexo do bebê, nem para outras associações com o parto.

Entre tantas observações, o método foi eficaz em apenas 50% na maioria dos estudos, ou não mostrou qualquer relação entre esses dados. A eficácia de 50%, para uma análise de apenas duas possibilidades, menino ou menina, significa que é a mesma para qualquer outro teste ou até um "palpite", pois todos apresentam 50% de chance de acertar ou errar.

Sendo assim, o método não é recomendado pelo meio médico.

Existem estudos científicos sobre a tabela chinesa para o sexo do bebê?

Sim. No ano de 2005, nos Estados Unidos, foram avaliados mais de 500 mil nascimentos, com objetivo de analisar as correlações do ciclo lunar com frequência de parto, complicações e prever o sexo do bebê. O estudo conclui, após 5 anos de coleta de dados, a inexistência de qualquer influência do ciclo lunar nas situações descritas.

Na Alemanha, em 2008, mais um estudo, com o mesmo objetivo, avaliou mais de 6 mil partos, junto aos ciclos lunares. O resultado foi de desaprovação do método, por falta de evidências e relação do ciclo com questões relacionadas ao parto.

O estudo realizado na Suécia no ano de 2010, foi o mais robusto, e por isso o mais famoso sobre o tema. Nesse estudo, foram avaliados mais de 2.800.000 partos, entre os anos de 1973 e 2006. Seguindo os critérios publicados e apresentados na tabela chinesa, com a idade lunar materna e mês de concepção do bebê. Os resultados demonstraram que o método não é melhor em prever o sexo de um bebê do que "jogar uma moeda para cima", sendo desaconselhado pelo grupo de pesquisadores.

Em seguida, um estudo desenvolvido na Índia, no ano de 2012, avaliou mais de 9 mil nascimentos ao longo de 12 ciclos lunares, aonde os resultados também não evidenciaram relação com a frequência de partos.

E bem recentemente, em maio desse ano (2019), na África do Sul, foi publicado um grande estudo sobre esse tema. O objetivo foi de analisar a relação entre as fases da lua e a frequência de partos em um contexto histórico rural. Permitindo assim avaliar as teorias descritas sobre como a lua interfere nos nascimentos. Para o estudo foram analisados 23.689 nascimentos, para 1.484 ciclos lunares, entre os anos de 1810 e 1929. A conclusão da análise de um período de 120 anos, mostrou que não há influência previsível das fases lunares na frequência de nascimentos. Não existe nenhuma evidência científica para essa credibilidade.

Portanto, mais uma vez, caracterizando o método como uma crença, não comprovada.

Qual exame é confiável para descobrir o sexo do bebê? Com quantas semanas posso saber o sexo do bebê?

Os exames realmente comprovados e indicados para descobrir o sexo do bebê são o exame de ultrassonografia ou o exame de sexagem fetal.

A ultrassonografia, é um exame comum na rotina de pré-natal, porém precisa aguardar um tempo para essa avaliação, em média com 9 semanas, o médico é capaz de definir o sexo do bebê.

O exame de sexagem fetal, é um exame realizado na amostra de sangue da mãe, aonde são pesquisados a presença de um marcador genético, específico do sexo masculino (cromossomo Y). A sua positividade indica o desenvolvimento de um feto do sexo masculino. A sua ausência, o desenvolvimento de um bebê do sexo feminino. Esse exame pode ser realizado a partir da 8ª semana de gestação.

Existe também um exame de urina, vendido em farmácias, para identificação do sexo do bebê, porém esse apresenta menor confiabilidade.

É importante procurar um/a médico/a de família ou obstetra para fazer o acompanhamento pré-natal durante toda a gestação. No pré-natal são solicitados exames que permitem não somente verificar o sexo do bebê, mas também acompanhar o desenvolvimento da feto e o estado de saúde da mãe e da criança.

Veja também:

Com quantas semanas é possível ver o sexo do bebê?

Na ultrassonografia transvaginal dá para saber o sexo do bebê?

Caroço na vagina, o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, bartolinite é uma das possíveis causas de caroço na vagina. Mas existem outras causas prováveis de caroço na região da vulva e da vagina como foliculite, linfogranuloma venéreo, cisto sebáceo, lipoma.

A bartolinite é uma inflamação das glândulas de Bartholin. Essa glândulas ficam na entrada da vagina e apresentam pequenos orifícios por onde sai liquido, que serve para lubrificar a vagina. Quando esses orifícios se obstruem ocorre o acumulo de líquido dentro da glândula, formando assim o cisto de Bartholin, o caroço que se sente e é observado na vagina.

Esse processo pode levar a uma reação inflamatória local e em alguns casos bactéria podem se acumular causando uma infecção.  Quando está infectada, a glândula de Bartholin causa muita dor e grande desconforto na região da vulva e vagina.

O tratamento da bartolinite consiste na drenagem do líquido e muitas vezes antibióticos também podem ser necessários. A drenagem é feita geralmente com uma agulha no próprio consultório médico, é um procedimento simples e que leva a um alívio muito grande dos sintomas.

Saiba mais sobre a bartolinite em: O que é Bartolinite? tem cura?

Caso esteja com um caroço na vagina, que a esteja incomodando, procure um médico de família ou ginecologista para uma melhor avaliação. 

Como saber se estou com depressão? Quais são os sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para confirmar o quadro de depressão, são obrigatórios a presença de pelo menos cinco dos nove critérios descritos mais abaixo, sendo que devem estar presentes por pelo menos duas semanas, e que um deles seja obrigatoriamente: humor deprimido, perda importante de interesse ou de prazer.

Os 9 critérios de depressão

Se a pessoa estiver com 5 dos 9 critérios, por duas semanas ou mais, as chances de estar com depressão são muito elevadas.

  1. Humor deprimido, desânimo ou irritabilidade na maior parte do dia;
  2. Falta de interesse ou prazer nas atividades diárias, físicas ou de trabalho;
  3. Perda de apetite com ganho ou diminuição do peso considerável, sem que esteja em tratamento para isso, com dietas ou restrição alimentar;
  4. Insônia ou sonolência diurna excessiva;
  5. Agitação ou preguiça excessiva;
  6. Fadiga constante, dores musculares;
  7. Sentimento constante de culpa;
  8. Dificuldade de concentração e/ou distúrbios de memória (muito esquecimento), indecisão;
  9. Pensamentos frequentes de morte, ideias suicidas, desejo de autoagressão ou automutilação.

O diagnóstico de depressão segue critérios definidos pelas sociedades de psiquiatria mundiais, os quais estão sendo revisados e atualizados constantemente.

A depressão é diferente do "humor triste" ou da reação de luto, que são consideradas situações normais. Na depressão dito doença, os sintomas têm uma duração prolongada (no mínimo duas semanas), e são de intensidade tal que prejudicam a pessoa nas suas tarefas do dia-a-dia.

Pessoas com depressão apresentam um humor deprimido durante praticamente todo o tempo e todos os dias. A sensação é de vazio, tristeza profunda e falta de esperança.

O paciente depressivo geralmente sente-se inútil, com sentimento de culpa exagerados, muita indecisão, dificuldade de concentração, pensamentos negativos constantes, vontade de deixar de viver, podendo haver tentativas de suicídio.

A depressão pode causar ainda aumento ou perda de peso, bem como alterações do apetite, que pode estar maior ou menor.

Os sintomas da depressão podem incluir ainda distúrbios do sono, com insônia ou sono em excesso. Além disso, são comuns o cansaço e a falta de energia quase que constantes.

Pessoas depressivas tendem a apresentar movimentos mais agitados ou mais lentos que o normal. A falta de energia e o cansaço ocorrem quase que diariamente.

Qual é o tratamento para depressão?

O tratamento da depressão pode ser feito com medicamento antidepressivo, atividade física e psicoterapia. Os antidepressivos melhoram progressivamente os sintomas da depressão e ajudam a prevenir novas crises. Em geral, os resultados podem ser notados depois de algumas semanas do seu início.

No entanto, mesmo com uma melhora significativa dos sintomas, o uso do antidepressivo geralmente é mantido por tempo prolongado. O tempo de duração do tratamento pode ser de meses, anos ou por toda a vida, conforme o caso.

A atividade física se mostra cada vez mais importante no tratamento, por aumentar a autoestima, aproximar de novos contatos, o que não deixa de ser uma terapia conjunta, além de fortalecer musculatura, o que diminui as queixas frequentes de dor e fadiga desses pacientes.

A psicoterapia exerce um papel muito importante no tratamento da depressão, pois atua na origem do transtorno e ajuda a pessoa a identificar os seus pensamentos e comportamentos e refletir sobre as suas emoções. Uma das técnicas de psicoterapia mais usada no tratamento da depressão é a terapia cognitivo comportamental.

O diagnóstico, o tratamento e o acompanhamento da depressão devem ser realizados pelo/a médico/a de família ou psiquiatra.

Saiba mais em: Como é o tratamento para transtorno depressivo maior?