Estética, Beleza e Saúde

Quais são os efeitos colaterais da creatina?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Na verdade, determinar os efeitos colaterais da creatina ainda é bastante controverso, apenas o ganho de peso é um efeito colateral em que todos os estudos concordam.

Os demais efeitos colaterais descritos na literatura, como danos ao sistema renal, hepático, gastrointestinal, lesão muscular, entre outros, foram apenas apresentados como relatos de caso, descritos há algum tempo, sem comprovação científica até o momento, seja por falta de estatística ou número mínimo de pessoas estudadas, configurando dados insuficientes.

Em contrapartida, estudos recentes, com maior número de participantes e duração, afirmam que o uso da suplementação com orientação adequada, doses corretas e acompanhamento, são seguros, eficazes e parecem oferecer outros benefícios aos seus consumidores,além de auxiliar no desempenho muscular e treinamento de atletas, como já conhecido.

Os benefícios que as pesquisas vêm tentando comprovar são relacionados à prevenção de lesão muscular, auxílio na reabilitação, principalmente em pessoas idosas, além de aparentemente melhor qualidade de vida de pacientes com doenças neurodegenerativas.

Como efeito colateral também apontam para a retenção de líquido e aumento de massa muscular.

Contudo, é senso comum que indivíduos que já apresentam desordens funcionais nos rins, fígado e coração não devam fazer uso da creatina sem acompanhamento com nutricionista ou médico.

O que é a creatina?

A creatina é um ácido produzido naturalmente pelo organismo que ajuda a fornecer energia às fibras musculares durante a contração muscular. Por isso a maioria dos especialistas em exercício físico defendem o uso da creatina como suplemento, visando auxiliar no fortalecimento dos músculos e promover aumento de massa muscular.

A creatina é um produto que só deve ser consumido sob supervisão de um médico especializado em medicina desportiva, nutrólogo, um profissional de educação física ou nutricionista.

Quais são os benefícios do ômega 3?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os benefícios mais comuns são:

  1. Redução e auxílio no controle da pressão arterial;
  2. Redução do colesterol ruim (LDL);
  3. Auxilia no bom desenvolvimento neurológico do feto, quando utilizado pela gestante - até o 8º mês;
  4. Ajuda na cognição e memória;
  5. Contribui para o emagrecimento.
Como o ômega 3 promove tantos benefícios?

O controle da pressão arterial é justificado pela ação vasodilatadora do ômega 3, que relaxa a parede das artérias, o que ajuda a baixar levemente a pressão arterial, sendo por isso algumas vezes indicado no controle da hipertensão arterial.

Sabe-se também que o uso regular de ômega 3 nas doses adequadas traz diversos benefícios para a saúde do coração e vasos sanguíneos, reduz risco de arritmias além de auxiliar no controle da pressão.

Outro benefício do ômega 3 é a sua capacidade de baixar o colesterol ruim (LDL) e os triglicerídeos, porém reduz também o colesterol bom (HDL), o que não é desejado, visto que o HDL também exerce a função de descolar o LDL da parede da artéria, prevenindo tromboses e doenças cardiovasculares.

Na gravidez, o ômega 3 auxilia o crescimento e o desenvolvimento do feto e de todo o seu sistema nervoso, estimulando o cérebro e potencializando as transmissões entre as células nervosas. Entretanto, próximo ao parto, é aconselhável interromper o seu uso, até após o nascimento, uma vez que a sua ação vasodilatadora pode aumentar o sangramento.

Após o nascimento, principalmente entre os 6 e os 12 meses de idade, o ômega 3 aumenta o campo de visão e o desenvolvimento neuropsicomotor da criança.

Leia também: Posso tomar Ômega 3 na gravidez?

O uso de ômega 3 se mostra benéfico para a saúde mental e cognição, melhorando o humor, a motivação, a memória, a concentração e o aprendizado.

Estudos sugerem que o ômega 3 pode contribuir para o processo de emagrecimento através de dois mecanismos: ajudando no controle do apetite e potencializando a ação da insulina, que favorece a transformação do açúcar em energia antes que seja armazenado sob a forma de gordura no corpo.

Veja também: Tomar ômega 3 emagrece?

O ômega 3 está presente principalmente em peixes como salmão, atum, sardinha, truta, cavala e arenque. O consumo diário deve ser superior a 1,8 g, o equivalente a 300 gramas de peixe por semana.

Clique aqui para saber quais são os alimentos com mais ômega 3.

Já a utilização de cápsulas de ômega 3 deve ser indicada por um médico ou nutricionista, que terá em conta o histórico da pessoa e as suas necessidades, indicando quanto, quando e como se deve tomar.

Saiba mais em:

O consumo de cápsulas de ômega 3 é desaconselhado em alguma situação?

Quem não pode tomar ômega 3?

Ômega 3, 6 e 9: Para que servem e quais são os seus benefícios?

O que são varicoses?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

As varicoses são veias dilatadas, tortuosas e alongadas que ficam evidentes logo abaixo da pele, no tecido subcutâneo. Elas podem ser pequenas ou, com o passar do tempo, apresentar um calibre maior.

As veias varicosas são mais frequentes nos membros inferiores, em  mulheres e em pessoas com idade avançada. Mas, a depender da presença de outras patologias e fatores de risco, pode acometer homens e pessoas em outra faixa etária.

As complicações das varicoses não são frequentes, porém, na presença de sangramento local e/ou sinais de inflamação e infecção, a pessoa deve procurar o serviço de saúde para uma avaliação.

Leia também:

Varicose tem cura? Qual o tratamento?

O que é úlcera varicosa?

Botox: como funciona e quais os efeitos colaterais?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O botox® é um medicamento que tem como princípio ativo a toxina botulínica tipo A, uma substância purificada extraída de bactérias. A toxina interrompe os estímulos nervosos nos músculos, causando paralisia da musculatura. Como resultado, o músculo fica mais relaxado, pois deixa de ser estimulado. Por isso, as aplicações desse produto são muito utilizadas para o tratamento de rugas na face além de outras indicações, como na espasticidades (músculos "enrijecidos"), por doenças neurológicas, como AVC e espasmos faciais.

Como é feita a aplicação de botox®?

A aplicação de botox® é feita através da injeção de pequenas quantidades de toxina botulínica diretamente nos músculos selecionados. A agulha usada na aplicação é de tamanho pequeno e bem fina, sendo o procedimento bem tolerado e realizado em poucos minutos.

As rugas com melhores resultados no tratamento costumam ser aquelas localizadas entre as sobrancelhas, na base do nariz, ao redor dos olhos (“pés-de-galinha”), na testa e no pescoço.

Nas doenças neurológicas, os músculos tratados são aqueles mais rígidos, facilitando a reabilitação com fisioterapia, terapia ocupacional, além de auxiliar na higiene do paciente. Por exemplo, nos casos de pacientes com AVC que não conseguem abrir a mão, ou esticar o braço por completo, a limpeza da palma da mão e axilas ficam dificultadas, portanto o uso da toxina está indicado, para permitir uma adequada higiene e bem estar.

Outras doenças que causam espasticidade e se beneficiam do tratamento com toxina são esclerose múltipla, doença de Parkinson, lesões medulares, espasmo hemifacial, entre outros.

Em quanto tempo posso ver os efeitos do botox®?

Os efeitos da aplicação de toxina botulínica não são imediatos, geralmente se tornam mais evidentes depois de 3 a 7 dias, atingindo seus efeitos máximos no primeiro mês, com duração de 3 a 6 meses. Após esse período, os músculos voltam a receber os sinais nervosos e os efeitos começam a desaparecer progressivamente. Por essa razão, para manter os resultados do botox®, é preciso seguir exatamente as orientações do/a médico/a assistente.

Quais são os efeitos colaterais do botox®?

Os efeitos colaterais da aplicação de toxina botulínica são muito poucos e temporários, estando muitas vezes relacionados com o próprio local da injeção. Os hematomas, dor de cabeça, sintomas semelhantes a um resfriado leve, estão entre as reações mais comuns.

Em casos mais raros, por haver queda das pálpebras ou de apenas uma delas. Todos os possíveis efeitos colaterais do botox® são leves, passageiros e autolimitados.

Quais as indicações do botox®?

Além de tratar as rugas e sequelas de AVC, o botox® também possui outras importantes indicações:

  • Hiperidrose
  • Blefaroespasmo
  • Espasmo hemifacial
  • Enxaqueca crônica
  • Estrabismo
  • Bexiga neurogênica e
  • Incontinência urinária.

Na hiperidrose (transpiração excessiva) nas axilas, nas mãos e nos pés. A toxina botulínica diminui a produção de suor pelas glândulas sudoríparas. A aplicação nesses casos é feita com a toxina botulínica bem diluída e a injeção é aplicada na pele dessas regiões. Com apenas uma aplicação de botox, a transpiração fica reduzida durante meses. Depois desse período, a transpiração volta ao que era e para manter os efeitos é necessária uma nova aplicação.

O blefaroespasmo e espasmo hemifacial, as contrações dos músculos da face são involuntárias e ininterruptas, causando dor local, dificuldade na visão e lacrimejamento do olho, além do constrangimento pela movimentação "anormal", que acaba por chamar muita atenção de pessoas ao redor. Algumas vezes pode precipitar crises de ansiedade e depressão. A toxina botulínica é a primeira escolha de tratamento e oferece excelentes resultados para esses casos.

Na enxaqueca crônica, sem melhora a tratamentos convencionais, já está indicado a aplicação da toxina nos músculos do couro cabeludo, com resultados satisfatórios.

No estrabismo, na verdade a primeira grande indicação de aplicação local da toxina, oferece bons resultados e deve ser aplicado e acompanhado pelo/a médico/a Oftalmologista.

O tratamento da bexiga neurogênica e incontinência urinária são indicados e acompanhados pelo/a médico/a urologista.

O especialista responsável pela aplicação de botox®, no caso do tratamento das rugas e hiperidrose, é o/a médico/a dermatologista e para os casos neurológicos, o/a médico/a neurologista.

Vale ressaltar que além do Botox®, existem outras marcas de toxina botulínica do tipo A liberadas para as mesmas indicações no mercado Brasileiro.

Quem tem vitiligo pode fazer tatuagem?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não é recomendável a realização de tatuagem em pessoas com vitiligo.

A pele da pessoa com vitiligo é sensível e pode reagir de forma diferente. A escoriação que a tatuagem promove na pele pode ocasionar o fenômeno de Koebner. Esse fenômeno é uma reação que a pele faz quando é traumatizada, escoriada ou mesmo quando é bronzeada excessivamente. E ao provocar esse fenômeno a área despigmentada pode aumentar, agravando quadro da doença.

A pessoa com vitiligo deve usar sempre protetor solar e usar com moderação os objetos que podem danificar a pele como colares, pulseiras, etc.

A escolha do que fazer com o próprio corpo é uma decisão pessoal baseada nos desejos e na conscientização das informações sobre possíveis consequências.    

Quando não é aconselhado fazer uma tatuagem?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Tatuagem não é aconselhável para pessoas com alguma alergia aos pigmentos utilizados ou que já tenham alguma doença de pele (como psoríase e vitiligo). A tatuagem também não é aconselhável durante a gravidez e amamentação

Os maiores riscos de se fazer uma tatuagem estão vinculados a infecções locais na pele ou sistêmicas que envolvem o organismo todo. Hipersensibilidade na pele ou reação alérgica é comum associada aos pigmentos que são usados para colorir a tatuagem. Apesar dos efeitos entre tatuagem e câncer não estejam bem estabelecidos, alguns pigmentos e metais (mercúrio, cobalto, cromo, cádmio, manganês) foram relacionados com a possibilidade de causar câncer a longo prazo. 

O uso de agulhas e/ou tintas contaminadas aumentam a possibilidade de contaminação pelos vírus da AIDS e hepatite B e C. Se o material não estiver bem esterilizado e o local ou o tatuador não seguir rigorosamente as condições de higiene, há risco de infecções cutâneas provocadas por vírus, fungos ou bactérias, alergias, abscesso, erisipela e até uma infecção generalizada, nos casos mais graves. As tintas também podem ser tóxicas e altamente alergênicas

Pessoas tatuadas podem sentir uma dor maior e sensação de queimação local durante a realização do exame de ressonância magnética. 

No caso das grávidas e das mulheres que estão amamentando, a tatuagem não é indicada para evitar que, no caso de haver alguma contaminação, o feto ou o bebê não seja infectado. 

Anorexia tem cura? Qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A anorexia tem cura, porém a recuperação completa pode demorar anos. O tratamento da anorexia, assim como de outros transtornos alimentares, é multidisciplinar e envolve médicos, médico psiquiatra, psicólogo e nutricionista.

O tratamento inclui o ganho de peso através de dieta hipercalórica, orientada pelo nutricionista para recuperação e manutenção do peso adequado, psicoterapia realizada com psicólogo ou psicoterapeuta e apoio social-familiar durante todo o processo e, principalmente, nas possíveis recaídas.

Em muitos casos de anorexia, a pessoa precisa ficar internada para que os alimentos sejam reintroduzidos gradualmente na dieta e o coração não entre em sobrecarga. 

Os medicamentos usados para tratar o transtorno servem para controlar e tratar a ansiedade, a depressão e as atitudes compulsivas, uma vez que não há uma medicação específica para tratar a anorexia.

Contudo, uma vez que alguns medicamentos psiquiátricos podem provocar aumento de peso ou de apetite, muitas pessoas deixar de tomar a medicação, o que dificulta a cura da anorexia.

A psicoterapia, nomeadamente a terapia cognitivo-comportamental e a terapia familiar desempenham um papel muito importante no tratamento da anorexia.

Sem tratamento, a anorexia pode causar diminuição da massa óssea e muscular, desmineralização dos dentes, retardo no crescimento, perda total da gordura corporal, prisão de ventre grave, desnutrição extrema e morte.

Por isso, é indicado consultar o clínico geral ou médico de família que coordenará esse cuidado global do paciente.

Também pode lhe interessar: 

Como é o tratamento para vigorexia?

Quais os tipos de transtornos alimentares e seus sintomas?

Como é o tratamento para transtornos alimentares?

Picolinato de cromo emagrece? Saiba como tomar e quais os seus efeitos colaterais
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O picolinato de cromo é um produto registrado pela ANVISA, na categoria de suplemento vitamínico e ou mineral, popularmente usado para fins de emagrecimento, porém ainda sem registro ou eficácia comprovada para esse fim.

Picolinato de Cromo x Emagrecimento

Embora ainda não esteja cientificamente comprovado que o produto promove o emagrecimento, alguns estudos evidenciaram esse resultado. Pesquisadores entendem que o produto seja capaz de estimular a redução do apetite e o desejo por comida, além de acelerar o metabolismo e impulsionar a queima de gordura. O que levaria a perda de peso.

O cromo é um mineral essencial que participa no metabolismo dos carboidratos, aumenta a tolerância do organismo à glicose e potencializa a ação da insulina. Além disso, auxilia na redução da formação de colesterol. Este mineral pode ser ingerido em sua forma natural por meio da alimentação.

Como tomar picolinato de cromo

A dose recomendada deve ser de 50 a 300 microgramas (mcg) por dia.

Entretanto, a suplementação com picolinato de cromo deve ser prescrita e orientada por médico/a ou nutrólogo. Seu uso deve ser associado a uma alimentação saudável e à prática de atividade física.

Contraindicações do picolinato de cromo
  • Insônia
  • Alterações de humor
  • Cefaleia (dor de cabeça)
  • Perda de minerais (ferro)
  • Vômitos
  • Diarreia
  • Surgimento de úlceras
  • Anemia
  • Problemas de fígado
Fontes naturais de cromo

O cromo pode ser encontrado em grãos integrais, frutas, vegetais, leguminosas alimentos de origem animal e alimentos integrais.

Grão integrais
  • Aveia
  • Linhaça
  • Chia
Frutas
  • Uva
  • Maçã
  • Laranja
  • Açaí
  • Banana
Vegetais
  • Espinafre
  • Brócolis
  • Tomate
  • Alho
  • Cenoura
  • Batata
Leguminosas
  • Soja
  • Milho
  • Feijão
Alimentos de origem animal
  • Frango
  • Carnes
  • Frutos do mar
  • Ovos
  • Leite e derivados
Alimentos integrais
  • Pão integral
  • Arroz integral
  • Massas integrais
  • Açúcar mascavo
  • Farinha de trigo integral
  • Levedura de cerveja

Não utilize suplementos alimentares sem orientação de um/a nutricionista ou nutrólogo/a e adote um estilo de vida que inclua uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos.

Leia mais

Remédios para emagrecer

7 Erros que você não pode cometer se quer emagrecer

Não consigo emagrecer, o que devo fazer?