Perguntar
Fechar
Dúvidas sobre Anticoncepcional Injetável
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Neste artigo, estão as dúvidas sobre mais frequentes sobre anticoncepcional injetável, ouvidas pelos médicos nos consultórios.

1) Tem como engravidar tomando anticoncepcional injetável?

Não. É praticamente impossível engravidar tomando anticoncepcional injetável, de forma correta. Se fizer a aplicação no dia recomendado pelo médico, a chance de engravidar é menor do que 0,5%.

2) Quando tomar a segunda dose?

A segunda dose e as próximas doses, vão depender do seu anticoncepcional. Existem os medicamentos mensais e os trimestrais. No caso dos mensais, o anticoncepcional deve ser aplicado a cada 30 dias. Os anticoncepcionais trimestrais, devem ser aplicados a cada 90 dias, ambos são aplicados independente da menstruação.

3) Após a segunda dose já estou protegida?

Sim. Após a segunda dose já estará protegida.

4) Posso tomar injeção menstruada?

Sim, pode e deve tomar. A segunda dose e as doses subsequentes não devem ser baseadas na menstruação.

Os anticoncepcionais, orais ou injetáveis, tem como efeito colateral a irregularidade menstrual, por isso é comum nos primeiros meses, principalmente, que a menstruação atrase ou que venha mais de uma vez. Portanto, é muito importante que siga exatamente a data recomendada para a aplicação, independente da menstruação, para que a eficácia da medicação seja mantida.

5) Qual é o dia certo para tomar a injeção de anticoncepcional a primeira vez?

Na maioria dos anticoncepcionais, é o primeiro dia da menstruação. Porém alguns tipos específicos, como por exemplo o Perlutan®, recomenda que a primeira dose seja feita entre o 7º e o 10º dia do ciclo.

O primeiro dia do ciclo é o primeiro dia da menstruação. Com o início da menstruação temos certeza de que não está grávida, o que permite de forma segura aplicar a injeção de anticoncepcional.

6) Comecei a tomar a injeção este mês, já estou protegida?

Depende. Algumas medicações garantem eficácia completa após 7 dias, outras após 15 ou 30 dias do início do seu uso, por isso o mais recomendado é que aguarde pelo menos os 30 dias, ou mantenha outro método contraceptivo durante todo o primeiro mês, por exemplo, fazer uso de camisinha.

A partir do segundo mês, seja qual for o medicamento em uso, estará protegida.

7) Estarei protegida o mês todo, não corro risco de engravidar?

Sim. A partir do segundo mês do uso do anticoncepcional, estará protegida durante todo o mês. Desde que seja feito o uso de maneira correta.

Os fabricantes comprovam a segurança e estimam que o risco de gravidez seja menor do que 0,5%, para a maioria das injeções disponíveis no mercado.

8) Se eu tiver relação sem proteção nos primeiros dias após começar a usar a injeção de anticoncepcional, posso engravidar?

Sim. Existe uma pequena chance de ficar grávida se tiver relação sem proteção logo nos primeiros dias depois de tomar o anticoncepcional injetável. A eficácia do medicamento varia de acordo com o fabricante, organismo da mulher, entre outros fatores, por isso recomendamos no primeiro mês fazer uso de mais um método contraceptivo, como o uso da camisinha.

A partir do segundo mês, tomando a medicação corretamente, estará protegida.

9) Uso anticoncepcional injetável trimestral, vou menstruar a cada 3 meses?

Não. Não existe regularidade na menstruação com o uso dos anticoncepcionais trimestrais. No início, pode menstruar mensalmente, mas com o passar dos meses ocorre ausência das menstruações, irregularidade menstrual ou até mesmo sangramentos entre o ciclo, chamado sangramento de "escape".

10) Uso anticoncepcional injetável e estou tendo menstruação (sangramento contínuo). O que pode ser?

Efeito colateral da medicação. Anticoncepcionais injetáveis podem causar irregularidade menstrual e sangramento vaginal contínuo. Normalmente, nesses casos, é importante uma reavaliação com o seu ginecologista, para ajuste de dose ou substituição da medicação.

O anticoncepcional oral de alta dosagem pode ser uma opção de tratamento. O fato de ter esse sangramento não indica gravidez nem falta de eficácia do medicamento, apenas um efeito colateral deste anticoncepcional.

Outros efeitos colaterais comuns são: náuseas, dores de cabeça, aumento de peso, inchaço, sensibilidade nas mamas e diminuição da libido. Vale ressaltar que não são todas as mulheres que desenvolvem os efeitos colaterais.

11) Esqueci de tomar no dia certo. Tem algum problema tomar atrasado?

Não tem problema, você pode tomar a medicação atrasada, porém lembre-se que nesses casos a eficácia pode ser menor durante esse mês.

Os anticoncepcionais injetáveis de uso mensal têm uma tolerância de 1 dia, no máximo 2 dias de segurança, enquanto os trimestrais têm uma tolerância um pouco maior, de até uma semana, para quem já faz uso há mais de 1 ano.

Sendo assim, e devido a grande variedade de medicamentos, o mais seguro é que pense neste mês como se fosse o primeiro mês de uso novamente. Tome a medicação, mas faça uso de mais um contraceptivo, como a camisinha durante esse mês. A partir do próximo mês, tome no dia em que recomeçou e a eficácia da medicação já será completa.

Lembrando que o anticoncepcional protege a mulher, apenas de uma gravidez não programada. Para se proteger de doenças sexualmente transmissíveis, é preciso fazer uso de contraceptivo de barreira, como a camisinha, em todas as relações.

12) Parei de tomar o anticoncepcional injetável há vários meses e a menstruação não veio ainda. O que fazer?

Se parou de usar o anticoncepcional e mantém relações, deve fazer uso de outro contraceptivo para evitar uma gravidez não planejada. Se existe a chance de estar grávida, ou seja, manteve relação sem camisinha ou outro contraceptivo, o mais aconselhável é que faça um teste de gravidez, ou procure um atendimento médico.

No entanto, se não manteve relações sem proteção, o mais provável é que a ausência da menstruação seja ainda um efeito do anticoncepcional injetável que estava usando. Os anticoncepcionais injetáveis, especialmente os trimestrais (3 em 3 meses), podem causar amenorreia (falta de menstruação), por muitos meses após a última aplicação.

13) Quando vou conseguir engravidar após parar as injeções?

Pode engravidar desde o primeiro que interrompe a medicação. Essa resposta varia de acordo como o organismo de cada mulher.

Aspectos emocionais, alimentares, estilo de vida e até condições de saúde do pai, influenciam nessa resposta. Mas em relação à medicação, desde o momento que para o anticoncepcional, principalmente o mensal, o organismo volta de organizar e preparar o corpo da mulher para a ovulação e possível gravidez.

14) A pílula do dia seguinte pode cortar os efeitos da injeção de anticoncepcional?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e não interfere na ação dos outros anticoncepcionais.

Trata-se de um método de emergência para evitar a gravidez quando existe alguma falha no método contraceptivo usado. Por exemplo, quando está na primeira cartela, ou primeiro mês de uso de anticoncepcional injetável e houve relação sem outra proteção. Fora isso, não existe indicação de tomar pílula do dia seguinte com a injeção.

15) Quando será meu período fértil com o uso de anticoncepcional injetável?

Não existe período fértil quando se toma anticoncepcional. O anticoncepcional atua no organismo mantendo as taxas hormonais estáveis, impedindo assim que ocorra a ovulação, data que representa o período fértil.

O período fértil compreende a data provável da oculação, mais 3 dias antes e 3 dias após, um total de 7 dias (uma semana). Entretanto, para que ocorra a ovulação, é preciso haver um pico de hormônio, que a medicação não permite.

16) Tomei a injeção e no momento da aplicação ocorreu um refluxo do líquido. Corro risco de engravidar? Tenho que aplicar novamente?

Quase todas as injeções quando aplicadas tem um pequeno extravasamento do líquido. Esse pequeno refluxo não diminui a eficácia da injeção, por isso não há risco de gravidez e não deve tomar outra injeção.

Apenas certifique-se de que a pessoa que aplica é habilitada e está aplicando no local exato. E lembre-se que o primeiro mês não confere toda a eficácia estipulada pela medicação, apenas a partir do segundo mês de uso, com algumas exceções.

Porém, não sendo a primeira dose, e havendo uma perda significativa da dose, a própria profissional, sendo ela capacitada e da área da saúde, saberá te indicar que deve tomar cuidado durante esse mês. Mas nova dose não é indicada mesmo nessas situações.

17) Em vez de menstruação, desceu apenas uma "borra". Posso estar grávida ou isso é normal?

Sim, é normal. Quando se usa anticoncepcional, principalmente os injetáveis, a menstruação costuma ser diferente e pode sim mudar de um mês para outro. Mas se tomou sempre certo, o risco de gravidez é muito baixo, em torno de 0,4 a 1% apenas. O provável é que seja um sangramento de "escape".

18) Como trocar o anticoncepcional injetável?

Para trocar o anticoncepcional e não correr riscos de engravidar, é recomendado fazer uso de um método de barreira a mais, como a camisinha, nos primeiros 7 dias, ou durante o primeiro mês da troca, dependendo da medicação.

A maneira exata depende da medicação que está em uso e qual será a nova, o médico que prescreve deve esclarecer todas essas dúvidas. Em geral, na data da próxima injeção, deve aplicar a nova medicação.

19) Posso tomar qualquer anticoncepcional de primeira vez?

Não. Inclusive nem todas as mulheres podem tomar anticoncepcionais. Mulheres com alto risco de câncer de mama, história de câncer na família, ou risco para doenças tromboembólicas (AVC, infarto do coração e trombose na perna), também não deve fazer uso de anticoncepcionais hormonais.

Por isso, antes de inciar essa medicação, seja oral ou injetável, é precisar ser avaliada por um médico da família ou ginecologista.

20) Tomei o anticoncepcional atrasado (dias depois) e agora minha menstruação está atrasada, posso estar grávida?

Sim. O anticoncepcional injetável garante uma proteção de 1 ou 2 dias de atraso apenas, por isso, se a aplicação do remédio foi atrasada e houve relação sem outro meio de proteção, pode estar grávida e sendo assim, o mais recomendado é que faça um teste de gravidez para ter certeza.

No entanto, o uso regular de anticoncepcional, seja injetável ou oral, causa com frequência uma irregularidade menstrual. A diminuição do sangramento e a falta de menstruação (amenorreia), são efeitos coleterais comuns desses medicamentos.

De qualquer forma, antes de tomar a próxima dose, o mais seguro é realizar o teste de gravidez, de farmácia ou de sangue, para evitar problemas de malformação, caso esteja grávida.

Para maiores esclarecimentos, converse com o seu médico da família ou ginecologista.

Leia também: Sangramento de escape pode ser considerado menstruação?

Importante ainda, saber que nem todas as mulheres podem tomar anticoncepcionais, é preciso avaliar os riscos e benefícios de acordo com as condições de saúde e história familiar de doenças como a trombose. Saiba mais sobre esse assunto no artigo: Todas as mulheres podem tomar anticoncepcional?

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Dúvidas sobre menstruação, sangramentos e escapes
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Uma dica importante que talvez resolva a dúvida de muitas mulheres: menstruação não é o período fértil da mulher. Aliás, é o contrário. Quanto mais longe da menstruação, mais fértil são os dias, tanto antes como depois da menstruação. Outra recomendação importante: se sua menstruação atrasou ou veio, mas de forma diferente, e está desconfiando de gravidez, precisa fazer o exame de gravidez.

1. O que é a menstruação?

A menstruação é uma perda de sangue decorrente da descamação da camada mais interna do útero, o endométrio. O período menstrual ocorre por ciclos e tem uma duração que varia entre 2 e 7 dias.

Depois da primeira menstruação (menarca), os ciclos menstruais geralmente são irregulares e a menina pode ficar longos períodos sem menstruar.

A duração do ciclo menstrual e a quantidade de sangue perdido em cada menstruação podem ser influenciadas por diversos fatores. Por isso, os ciclos e o fluxo menstrual podem variar de um mês para outro.

2. Quanto tempo dura o ciclo menstrual?

Em média, os ciclos menstruais têm duração de 28 a 32 dias, podendo variar em algumas mulheres para mais ou menos. O ciclo menstrual começa no 1º dia da menstruação e termina no dia anterior à vinda da próxima menstruação.

3. Comecei a menstruar há pouco tempo e minha menstruação está desregulada. Isso é normal?

Isso é "normal" nos primeiros meses depois que a mulher começa a menstruar. No início, a menstruação costuma ser desregulada, às vezes vem certo, às vezes não vem ou até mesmo vem duas vezes no mesmo mês.

4. Qual é o tempo normal de uma menstruação?

Uma menstruação normal pode durar entre 2 e 7 dias.

5. O que é sangramento de escape?

O sangramento de escape ou spotting, como também é conhecido, é uma pequena perda de sangue que ocorre fora do período menstrual. Suas causas são variadas e, na maioria dos casos, não representam nada de grave.

Porém, é necessário fazer uma avaliação com um médico de família ou ginecologista, pois o spotting pode ser sinal de mioma uterino, pólipo endometrial, lesões no colo do útero, entre outras doenças e condições.

Os sangramentos de escape são muito comuns em mulheres que tomam pílula anticoncepcional. Ocorrem no meio do ciclo menstrual e fora do período de pausa entre uma cartela e outra.

Nesses casos, os sangramentos de escape ocorrem com mais frequência nos primeiros 3 meses de uso do anticoncepcional. Porém, com o tempo, o spotting torna-se esporádico e raramente ocorre em mulheres que tomam a pílula há mais tempo.

Vale lembrar que o sangramento de escape não é um sinal de que o anticoncepcional falhou. Por isso, a mulher deve continuar a tomar a pílula normalmente.

Sangramentos são muito comuns quando se toma anticoncepcional e não significam necessariamente que existe risco de gravidez. Podem ocorrer em qualquer época do ciclo e não significam que o anticoncepcional está fraco. Porém, quando se repete muito ou é contínuo, geralmente é preciso avaliar se é necessário trocar de anticoncepcional ou de método contraceptivo.

6. Por que o anticoncepcional causa sangramento de escape?

O sangramento de escape que ocorre no meio do ciclo é causado por uma atrofia do endométrio (camada mais interna do útero). Os hormônios presentes no anticoncepcional deixam o endométrio mais fino, o que deixa os vasos sanguíneos mais expostos e aumenta, assim, o risco de sangramentos.

Porém, o spotting também pode ser provocado pelo uso incorreto ou esquecimento da pílula, ou ainda pelo início do uso fora da época correta do ciclo menstrual.

Em alguns casos, pílulas anticoncepcionais com doses muito baixas de hormônios também podem causar esse efeito colateral. Nesses casos, pode ser um sinal de que o medicamento não está atuando de forma adequada e pode falhar. Quando isso acontece, recomenda-se utilizar outro método anticoncepcional e consultar o médico ginecologista.

7. Pequeno sangramento “tipo borra” é sinal de gravidez?

Talvez. Pode ser apenas uma irregularidade ou o chamado “escape”, mas em alguns casos pode indicar gravidez. Esse sangramento é causado pela implantação do óvulo fecundado no útero e costuma acontecer entre de 7 a 15 dias após a relação sem proteção. Nesse caso, o ideal é esperar a próxima menstruação e se ocorrer atraso menstrual superior a 15 dias, deve fazer o exame de gravidez.

8. O sangramento pode ser nidação?

O sangramento de nidação é raro, nem sempre acontece, e somente ocorre se uma gravidez for possível, no caso de relação sem proteção durante o período fértil.

O sangramento de nidação somente ocorre no meio do ciclo (longe da menstruação) e dura poucas horas ou no máximo 1 ou 2 dias. O sangue pode vir com qualquer aspecto. Uma coisa é importante: se teve esse tipo de sangramento e sua menstruação atrasar (15 ou mais dias de atraso) é um bom indício de gravidez.

9. Minha menstruação atrasou. Estou grávida?

Talvez. Atrasos eventuais e de poucos dias são muito comuns e não necessariamente indicam gravidez. Os médicos consideram apenas indicativo de gravidez atrasos realmente consistentes, ou seja, 15 dias ou mais.

Isso é um bom indício de que algo está acontecendo e é prudente fazer o exame de gravidez (caso haja essa suspeita) e independente do resultado (positivo ou negativo) deve procurar um médico de família ou ginecologista para avaliar a causa do atraso.

10. Minha menstruação está atrasada. Fiz o exame de gravidez ou teste de gravidez e deu negativo. O que pode ser?

A causa do atraso menstrual precisa ser melhor avaliada por um médico de família ou ginecologista. Se está com menos de 15 dias de atraso, espere completar 15 dias e refaça o teste de gravidez. Se já está com mais de 15 dias de atraso e fez o exame depois desse período e ele veio negativo vale a pena consultar um médico para avaliar a razão do atraso menstrual.

11. Minha menstruação atrasou, tive infecção e tomei antibióticos. Pode ser por causa disso?

É uma possibilidade, tanto a infecção como os antibióticos podem interferir com o ciclo menstrual.

12. Minha menstruação está atrasada, mas não é gravidez, porque não tive relações. O que será?

Atrasos desse tipo são geralmente decorrentes de algum tipo de alteração hormonal ou alguma doença física ou emocional. Precisa procurar um médico para saber a causa.

13. Infecção urinária atrasa a menstruação?

Eventualmente sim.

14. Minha menstruação adiantou. É normal?

Eventualmente isso acontece e pode ser considerado "normal". Somente deve se preocupar caso isso aconteça com muita frequência.

15. Minha menstruação veio duas vezes esse mês. Isso é normal?

Normal não é. Porém, eventualmente, isso acontece e pode ser considerado "normal". Somente deve se preocupar caso isso aconteça com muita frequência.

16. Minha menstruação é desregulada e está atrasada, será que estou grávida?

Se sua menstruação é desregulada é difícil saber se ela está realmente atrasada. Espere mais alguns dias e, se continuar atrasada, faça o exame de gravidez.

17. Minha menstruação está desregulada. Quando ela vem novamente?

A previsão de uma nova menstruação somente é possível quando a mulher é bem regulada, tem um ciclo com uma duração fixa e a menstruação costuma vir sempre na mesma data. Nesses casos, a própria mulher já sabe quando ela vem. Porém, se está desregulada, não tem como saber quando vai descer novamente.

18. Depois que comecei a tomar anticoncepcional minha menstruação (fluxo) diminuiu e mudou seu aspecto. Isso é normal?

Pílula anticoncepcional de uma forma geral tende a reduzir a quantidade de dias e a quantidade do fluxo menstrual, além de alterarem o aspecto da secreção vaginal ou sangramento menstrual.

19. Tomo anticoncepcional bem certo e este mês a menstruação não veio. O que pode ser?

Isso é uma ocorrência relativamente comum para quem faz uso de anticoncepcional. Eventualmente, a menstruação não vem um mês e no mês seguinte ela vem normalmente. Pode até indicar gravidez, mas não é comum. Se tomou o anticoncepcional certo, não há porque se preocupar.

Volte a tomar a pílula no dia que é para voltar a tomar a próxima cartela normalmente e se ficar ansiosa ou preocupada faça um teste de gravidez para sair da dúvida.

O mesmo ocorre quando a menstruação vem menos ou diferente do habitual. Isso é comum usando anticoncepcional, sem que signifique algo a se preocupar. Na dúvida, consulte um ginecologista ou médico de família.

20. Tive relação durante a menstruação. Posso engravidar?

Não. Raramente ocorre gravidez se a relação ocorre durante a menstruação.

21. É normal ter dor forte na menstruação?

“Normal” não é a palavra mais adequada para se usar nesse caso. Existem mulheres que sempre têm cólica menstrual (antes e durante). Isso pode ser normal porque a menstruação delas sempre foi assim desde a primeira vez, mas existe tratamento.

Outras mulheres começaram a ter dor forte na menstruação depois de um tempo ou depois de terem filhos. Pode então ser alguma doença e não ser normal. Um exemplo é a endometriose (dores durante e logo depois da menstruação). Precisa procurar um médico.

22. Tenho 15 anos (ou mais ), já tenho corpo, mas minha menstruação nunca veio. O que pode ser?

alvez sua menstruação ainda venha. Porém, o esperado é vir até os 16 anos. A partir dos 16 anos de idade já é indicado fazer uma investigação para avaliar seu organismo e saber se não há algo de errado.

23. Como faço para atrasar minha menstruação ou fazê-la não descer?

Caso use anticoncepcional de 21 comprimidos, basta emendar uma cartela na outra, sem dar pausa. Caso tome anticoncepcional de 28 comprimidos, com cores diferentes, não deve tomar os últimos comprimidos de cor diferente e deve começar uma nova cartela, dispensando os comprimidos restantes.

Se não tomar anticoncepcional, basta iniciar um anticoncepcional pelo menos uns 10 dias antes da menstruação chegar. Importante: Nem sempre dá certo, mesmo que faça tudo corretamente, às vezes a menstruação vem mesmo assim.

Para maiores esclarecimentos sobre menstruação e sangramentos de escape, consulte um médico ginecologista ou médico de família.

Também podem lhe interessar:

Corrimento marrom, o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O corrimento marrom pode ser causado por diversos motivos, entre eles a infecção vaginal bacteriana (corrimento geralmente amarelado, mas pode ser marrom claro na vaginose bacteriana) pode ser causa de corrimento marrom.

Quando o corrimento vaginal é marrom escuro, geralmente adquire esta cor por ter sangue em sua composição, o que pode indicar feridas sangrantes no colo do útero, nas paredes vaginais, nas tubas uterinas ou ser proveniente da própria parede uterina (alteração menstrual).

Normalmente, o corrimento vaginal adquire a cor marrom devido à presença de sangue coagulado na sua composição. Esses restos de sangue podem ter como causas resquícios do período menstrual, traumatismos, infecções, presença de corpo estranho, câncer, atrofia vaginal, gravidez ectópica (gravidez fora do útero), entre outras.

A menstruação tipo borra de café, verificada no final do período, também pode ter coloração marrom. Trata-se da mudança de cor do sangue, que oxida devido ao tempo que fica retido no útero até ser expelido, o que altera a sua cor.

O corrimento marrom deixa de ser considerado “normal”, ou seja, fisiológico, se persistir por vários dias ou vier acompanhado de mau cheiro.

Leia mais sobre corrimento normal em: Corrimento vaginal é normal?

Corrimento marrom nas infecções, alergias e outras doenças

Nos casos de infecção bacteriana vaginal, normalmente outros sinais e sintomas acompanham o corrimento marrom, como: ardência, cheiro forte e desagradável, inchaço, prurido (coceira) e vermelhidão.

O corrimento vaginal marrom também pode ser decorrente de doença inflamatória pélvica (DIP), muito mais grave e pode necessitar de internação hospitalar para tratamento, câncer do colo do útero, câncer de endométrio, pólipos ou miomas uterinos, endometrite, outras doenças sexualmente transmissíveis como a gonorreia.

Alergias e irritação

Grande parte dos corrimentos crônicos são causados por preservativos. O látex das camisinhas pode provocar alergia em algumas mulheres, o que vai desregular o pH vaginal e criar um ambiente propício à proliferação de bactérias que causam a vaginose bacteriana.

Produtos de higiene íntima (duchas vaginais) também são outro agente que provoca irritação. Duchas podem levar à destruição das bactérias benéficas (flora vaginal normal - bacilos de Doderlein) que impedem a proliferação de bactérias causadoras de doenças como as da vaginose. O uso de sabonetes, lubrificantes e cremes vaginais sem indicação do médico é outro fator que pode explicar corrimentos recorrentes.

Corrimento marrom após relações sexuais

O corrimento marrom escuro geralmente indica sangramento em algum local do aparelho reprodutor. O sangramento pode ser oriundo da própria parede vaginal ou do colo do útero, como consequência de relações sexuais intensas ou repetidas.

Corrimento marrom na gravidez

Nas primeiras 12 semanas de gestação, algumas mulheres podem apresentar secreção vaginal marrom. Esse pequeno sangramento pode se originar da implantação do embrião na parede uterina (nidação). Neste caso o sangramento é semelhante à menstruação, mas em pequena quantidade, de coloração mais clara e dura poucos dias.

A vagina também fica mais sensível durante a gravidez, podendo sangrar mais facilmente durante relações sexuais ou exames ginecológicos. Além disso, aumenta a chance de infecções nesse período.

Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente. O corrimento também pode significar algo mais grave, como perda sanguínea decorrente de gravidez ectópica com rotura de tuba uterina (acompanhada de fortes dores abdominais em cólica), aborto (ou ameaça de aborto), placenta prévia, descolamento prematuro de placenta, rotura de vasa prévia, entre outras causas.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico ginecologista ou médico de família para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Também pode lhe interessar:

Corrimento vaginal: o que significam as diferentes cores?

Quantos dias de atraso são considerados como atraso menstrual?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para ser considerado atraso menstrual, a menstruação deve estar com pelo menos 15 dias de atraso. Atrasos menstruais de até 7 ou 8 dias são muito comuns e nem sempre indicam gravidez.

No entanto, mulheres com ciclos menstruais bastante regulares podem desconfiar de gravidez a partir do 5º dia de atraso menstrual.

A ausência de menstruação é o primeiro e mais importante sinal de gravidez. Em geral, esse atraso pode vir acompanhado por pequenos sangramentos, diferentes do sangramento menstrual habitual.

Em caso de gravidez, os primeiros sintomas costumam a aparecer a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, quando a menstruação já está com uma a duas semanas de atraso.

Além do atraso menstrual, é comum a mulher apresentar também náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, aumento do número de micções e cansaço.

Algumas mulheres podem apresentar náuseas e vômitos logo no início da gestação, embora esses sintomas sejam mais comuns no 1º ou 2º mês de gravidez e nem sempre estão presentes.

À medida que a gravidez avança, surgem outras manifestações, como inchaço abdominal, prisão de ventre, azia, desconforto no baixo ventre, variações de humor, falta de ar e tontura.

Além da gravidez, quais as outras causas de atraso menstrual?

Atraso na menstruação nem sempre indica uma gravidez. Outras causas de atraso menstrual incluem: estresse, ansiedade, interrupção da pílula anticoncepcional, ganhar ou perder muito peso num curto espaço de tempo, obesidade, magreza extrema, distúrbios alimentares, como anorexia, hipo ou hipertireoidismo, ovários policísticos e menopausa ;

O atraso menstrual também pode ser provocado por doenças ou infecções, mesmo que sejam simples e corriqueiras, uso de medicamentos como antipsicóticos, corticoides, antidepressivos, quimioterapia, imunossupressores e anti-hipertensivos, e até mesmo pela prática de atividade física em excesso.

Em caso de atraso menstrual, a mulher deve consultar o/a médico/a ginecologista ou médico/a de família, que poderá pedir um teste de gravidez para descartar esta possibilidade ou investigar outras possíveis causas do atraso menstrual.

Minha menstruação veio duas vezes este mês, é normal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A menstruação pode vir duas vezes no mesmo mês em mulheres com ciclo menstrual curto. Sendo assim, o intervalo entre  uma menstruação e outra é menor de 28 dias e, ocasionalmente pode coincidir das duas menstruações ocorrerem no mesmo mês.

Outras situações podem explicar a presença de menstruação duas vezes no mesmo mês, como:

  • Estresse;
  • Alterações emocionais;
  • Mioma;
  • Câncer;
  • Ovários policísticos;
  • Cisto no ovário;
  • Uso de alguns medicamentos;
  • Anticoncepcionais;
  • Alterações hormonais, como o aumento da secreção de prolactina;
  • Cirurgia no ovário;
  • Laqueadura.

O uso de anticoncepcionais, por exemplo, pode levar à ligeiros escapes, o que pode ser confundido com menstruação.

Menstruar duas vezes num mesmo mês não significa, propriamente, algum problema de saúde. Em geral, as irregularidades menstruais apenas têm importância quando duram muitos dias ou se repetem com frequência.

Saiba mais em: Minha menstruação está irregular. O que pode ser?

É importante a mulher acompanhar seu ciclo menstrual, sabendo a duração da menstruação, a quantidade do fluxo menstrual, o primeiro dia que a menstruação chega, além da quantidade de dias entre as menstruações. Com isso, ela entenderá melhor o funcionamento de seu organismo e saberá relatar ao/à médico/a quando for necessário.

Na presença de sangramentos excessivos e frequentes ao longo do ciclo menstrual, é recomendado consultar o/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista para avaliação do seu estado de saúde.

Tomei pílula do dia seguinte e a menstruação não desceu. O que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se tomou a pílula do dia seguinte e a menstruação não desceu, isso é normal e pode acontecer mesmo quanto a pílula do dia seguinte foi eficaz. Nos casos de atraso menstrual em mulheres que usam a pílula anticoncepcional, a mulher pode continuar tomando sua medicação regularmente, mesmo não vindo a menstruação. Provavelmente no próximo ciclo haverá um reajuste e o ciclo menstrual habitual será retomado.

A pílula do dia seguinte pode atrasar a menstruação devido ao desequilíbrio hormonal que ela provoca. Após o uso da medicação, o organismo precisa se readaptar e reajustar o ciclo menstrual. Isso pode demorar algum tempo a depender de qual momento do ciclo menstrual você utilizou a pílula do dia seguinte.

Quando a pílula do dia seguinte é usada próximo do período que viria a menstruação habitual, esse atraso pode ser de mais de 1 semana, prolongando o ciclo menstrual.

Normalmente, depois de tomar a pílula do dia seguinte, a menstruação volta a descer cerca de uma semana depois da data prevista.

Se a menstruação não ocorrer depois de 4 semanas da tomada da pílula, convém fazer um exame de gravidez.

Pílula do dia seguinte atrasa sempre a menstruação?

Não, sem sempre a pílula do dia seguinte atrasa a menstruação. Embora o atraso da menstruação seja um efeito colateral comum da pílula do dia seguinte, ele não ocorre na maioria dos casos.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), para aproximadamente 57% das mulheres que tomam o anticoncepcional, a menstruação vem na data prevista. A maioria das mulheres apresenta pouca ou nenhuma alteração relevante no ciclo menstrual.

Ainda segundo a OMS, cerca de 15% das usuárias que tomam a pílula do dia seguinte podem apresentar um atraso de até 7 dias na menstruação. Aproximadamente 13% das mulheres que usam a medicação podem apresentar um atraso menstrual de pouco mais de 7 dias. Em 15% das mulheres, a pílula do dia seguinte pode antecipar a menstruação em até uma semana.

A pílula do dia seguinte não é o único método anticoncepcional que pode atrasar ou ainda antecipar a menstruação. O anticoncepcional injetável trimestral, o DIU de cobre e os implantes também podem causar irregularidade menstrual.

Depois de tomar a pílula do dia seguinte a menstruação volta ao normal?

Sim, depois de tomar a pílula do dia seguinte a menstruação volta ao normal. A irregularidade ocorre no período menstrual imediatamente seguinte ao uso da pílula. Com a vinda da menstruação, o ciclo volta ao normal.

A irregularidade no ciclo menstrual causada pela pílula do dia seguinte resolve-se espontaneamente. O uso correto do anticoncepcional não provoca alterações duradouras ou permanentes na data da menstruação.

No entanto, o uso repetitivo da pílula do dia seguinte pode tornar as alterações menstruais mais intensas, tornando difícil para a mulher prever a vinda da menstruação e identificar o seu período fértil.

Para maiores esclarecimentos sobre o uso da pílula do dia seguinte, consulte um médico clínico geral, médico de família ou ginecologista.

O que faz a mulher menstruar duas vezes no mesmo mês?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A mulher pode menstruar duas vezes no mesmo mês quando ela possui um ciclo menstrual curto. Sendo assim, o intervalo entre  uma menstruação e outra é menor de 28 dias e, ocasionalmente pode coincidir das duas menstruações ocorrerem no mesmo mês.

Menstruar duas vezes no mesmo mês não é necessariamente sinal de problema ou doença. Anticoncepcionais, alterações hormonais e estresse são as principais causas.

Alguns fatores podem fazer a menstruação descer duas vezes no mesmo mês são:

  • Estresse e alterações emocionais;
  • Miomas, câncer, ovários policísticos, cisto no ovário;
  • Uso de medicamentos, como anticoncepcionais;
  • Alterações hormonais e emocionais;
  • Cirurgia no ovário;
  • Laqueadura.

Leia também: Sangramento de escape pode ser considerado menstruação?

O uso de anticoncepcional injetável pode ocasionar sangramentos de escape ao longo do ciclo menstrual. Mesmo assim, a mulher deve continuar o uso normal da medicação, devendo tomar a injeção na data programada.

Se você fica menstruada duas vezes ao mês com alguma frequência, consulte seu/sua médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista para avaliação do seu estado de saúde, bem como ponderar uma possível troca de método contraceptivo, caso esses sangramentos de escape estejam causando desconforto.

É normal ter cólica fora do período menstrual? O que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Ter cólica fora do período menstrual pode ou não ser normal, dependendo da sua causa. A cólica pode ser considerada "normal", por exemplo, se ela for causada pela ovulação. Nesses casos, a dor abdominal geralmente é observada em mulheres que têm ciclos regulares e cólicas menstruais.

A dor decorrente da ovulação apresenta as seguintes características:

  • Normalmente é regular, ocorrendo sempre na mesma fase do ciclo menstrual;
  • A cólica geralmente dura apenas algumas horas, podendo ainda persistir por 2 ou 3 dias em algumas mulheres;
  • Também pode ocorrer sangramento vaginal nesse período, provocado por uma queda dos níveis de estrogênio.

No entanto, ter cólicas fora do período menstrual também pode ser sintoma de problemas ou doenças em órgãos do aparelho reprodutor, urinário e gastrointestinal, podendo ainda ter origem no sistema musculoesquelético.

As principais causas de dor abdominal aguda fora do período menstrual são:

  • Doença inflamatória pélvica;
  • Gravidez ectópica;
  • Apendicite;
  • Torção de ovário;
  • Endometriose;
  • Infecção urinária.

Já as dores abdominais crônicas fora do período menstrual podem ter como causas:

  • Ginecológicas: endometriose, adenomioses, pólipos, prolapso genital, varizes no útero, aderências pélvicas, doença inflamatória pélvica;
  • Gastrointestinais: síndrome do intestino irritável, prisão de ventre crônica, hérnias, doença inflamatória pélvica, câncer;
  • Urinárias: cistite, litíase urinária, câncer;
  • Musculoesqueléticas: espasmo de musculatura do assoalho pélvico, problemas posturais, fibromialgia; hérnia de disco.

A dor pélvica crônica caracteriza-se por sensação dolorosa na região inferior do abdômen ou da pelve, que pode ir e vir ou ser constante, podendo ser cíclica ou não, durante pelo menos 6 meses.

O que se deve fazer em caso de cólica fora do período menstrual é consultar o/a médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para que a causa da dor seja devidamente diagnosticada e receba um tratamento correto.

Leia também: Pontadas na barriga, o que pode ser?