Sintomas

Formigamento na língua, o que pode ser?

As causas mais comuns do formigamento na língua são ansiedade e doenças cardiovasculares.

Formigamento na língua que acontece com frequência ou com longa duração em geral é relatado por pessoas que têm algum grau de ansiedade. Pode ser apenas o estresse normal do dia-a-dia, ou pode ser algum tipo de transtorno de ansiedade, que precise ser tratado com psicoterapia ou medicações.

Por outro lado, o formigamento intenso e de início súbito pode ser um sinal de doenças cardiovasculares graves, tais como infarto ou AVC (derrame).

Outras causas muito menos comuns incluem traumas (pancadas) na boca e na face, mordidas na língua, inflamações e infecções locais e até mesmo alguns tumores.

De qualquer modo, um médico clínico geral precisa ser consultado, para que a pessoa seja examinada e tenha o diagnóstico mais correto. Isso vai possibilitar o encaminhamento a um especialista ou ao início imediato do tratamento adequado.

Dr. Gabriel Soledade
Sinto minha barriga mexer: o que pode ser?

Sentir a barriga mexer é provável que seja gases intestinais. Se for gravidez, é preciso estar com pelo menos 4 ou 5 meses de gestação para sentir o bebê mexer, o que significa que a mulher já deverá ter percebido que está grávida nessa altura.

Os gases intestinais são produzidos por bactérias que habitam o intestino e atuam na digestão dos alimentos. Quando produzidos em excesso, eles podem mesmo fazer a barriga mexer, como se estivesse "algo" lá dentro. 

Além disso, os gases intestinais podem deixar a barriga dura e inchada, causando dor abdominal e flatulência.

A principais causas de gases intestinais são:

  • Alimentos como feijão, ovos, leite, batata, milho, brócolis, couve-flor, grão-de-bico, ervilha;
  • Falta de atividade física;
  • Prisão de ventre;
  • Intolerância à lactose.

Na maior parte dos casos, a produção excessiva de gases intestinais não está associada a nenhuma doença. No entanto, se surgirem outros sintomas, como emagrecimento, diarreia crônica, falta de apetite, anemia e sangramentos, deve-se consultar o/a clínico/a geral ou médico de família.

Dra. Nicole Geovana
Dor pélvica na mulher, o que pode ser?

Dor pélvica na mulher pode ser devido a uma série de causas. Corresponde a um terço das queixas nos consultórios médicos e desvendar suas causas é um grande desafio para os profissionais, pois requer uma investigação profunda e detalhada do problema.

A dor pélvica normalmente é sentida no baixo ventre e como se manifesta normalmente no “pé da barriga”. Fazem parte da pelve o útero, os ovários, as tubas uterinas, a vagina, o reto e a bexiga, além de diversos músculos, nervos e ossos, portanto as causas que geram a dor pélvica podem ser as mais diversas e para seu diagnóstico correto deve ser feita uma anamnese detalhada, um exame físico bem feito e exames complementares quando necessários.

Na investigação, é fundamental saber a sua idade, sexo, antecedentes pessoais e características específicas da dor pélvica (onde exatamente dói (aponte)? qual o tipo da dor - pontada, peso, pulsação, aperto, queimação? é intensa? quão intensa (dê uma nota de zero a dez - zero é a dor mais fraca da vida e dez é a pior)? é a mais forte da vida? chega a despertar do sono ou vomitar nas crises? irradia ("espalha") para algum lugar ou é restrita a essa região específica? há quanto tempo está com dor? ela é cíclica (vai e volta) ou contínua, durando dias? quando vem a dor dura quanto tempo? você já teve antes? é comum? tem algum horário do dia ou do mês em que acontece com mais frequência? melhora com alguma coisa? está piorando, ao longo do tempo, ou apresentando novos sintomas concomitantes? piora nas relações sexuais? tem relação com o período menstrual? tem corrimento vaginal? ardência ao urinar? está indo mais vezes ao banheiro e fazendo pouco xixi? qual a sua frequência sexual? pratica sexo anal? tem mais de um parceiro? sente tontura ou enjoo juntos com a dor? etc.), início dos sintomas, concomitância dos sintomas com febre/sangramentos ou outros sinais/sintomas de gravidade, etc.

Dores agudas que surgem repentinamente na região pélvica e são progressivas necessitam de um atendimento médico emergencial, pois pode se tratar de problemas mais sérios como apendicite, ruptura de uma gravidez tubária e requerem intervenção cirúrgica, outras doenças mais sérias têm entre seus sintomas dores pélvicas, como a vulvodínia, endometriose e fibrose uterina, por isso sempre que sentir algo diferente em seu corpo, procure logo a ajuda de um médico, preferencialmente um ginecologista (que abrange a maioria das causas de dor pélvica - se não for o seu caso, ele poderá encaminhá-la ao especialista correto, seja um gastroenterologista, proctologista, urologista, ortopedista ou neurologista).

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Corrimento marrom na gravidez é normal?

O corrimento marrom na gravidez pode ser normal ou não, depende.

Um corrimento com essa coloração (considerando marrom escuro ou avermelhado) geralmente indica que há sangue em sua composição.

Primeira metade da gravidez:

No início da gravidez, pode ocorrer por causas que são frequentemente normais e fisiológicas (implantação do embrião na parede uterina, vagina mais sensível a sangramentos em exames de rotina ou relações sexuais, etc). Nestes casos, o sangramento é similar ao que ocorre numa menstrução, porém em menor quantidade e duração do fluxo.

Entretanto, sangramentos no primeiro trimestre podem indicar situações muito mais graves, tais como aborto (ou ameaça de aborto, que ocorre em até 25% de todas as gestações), incompetência ístmo-cervical, gestação ectópica, doença trofoblástica gestacional, eritroblastose fetal.

Durante a gestação, há também uma maior susceptibilidade de infecções vaginais, o que também pode causar corrimentos.

Segunda metade da gravidez:

Além dos sangramentos "normais", decorrentes de lesões mecânicas da parede vaginal, como visto acima, podem ocorrer causas muito graves e que demandam atenção imediata, tais como descolamento prematuro de placenta, placenta prévia e rotura uterina, de vasa prévia ou de seio marginal.

Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente para avaliação e tratamento adequado.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Sinto uma pulsação na minha barriga, o que pode ser?

Uma pulsação na barriga pode ser apenas os batimentos cardíacos sentidos através da artéria aorta, mas também pode indicar um aneurisma nessa mesma artéria. Gravidez não provoca pulsação na barriga e, mesmo que a mulher esteja grávida, não é possível sentir o coração do bebê bater.

A artéria aorta é o principal vaso sanguíneo que sai do coração e atravessa o tórax e o abdômen (barriga). A porção abdominal da aorta é volumosa e pode ser facilmente sentida em pessoas magras. Daí a sensação de "pulsação na barriga".

Porém, existe um problema relacionado às artérias chamado aneurisma, em que o vaso sanguíneo fica dilatado e pode se romper, causando uma hemorragia interna que pode levar à morte.

Normalmente o aneurisma da aorta não causa sintomas, mas, quando estes aparecem, o paciente geralmente sente pulsação na barriga e dor na barriga ou nas costas. É importante lembrar que cerca de 75% dos casos de aneurisma da aorta ocorrem na porção abdominal.

Essa dilatação geralmente ocorre numa área mais frágil da parede da artéria, enfraquecida principalmente pela arterosclerose, o que faz com que a pressão sanguínea no interior da artéria provoque a protusão.

O aneurisma da aorta pode se romper a qualquer momento e quase sempre evolui para a ruptura, daí a importância de um diagnóstico precoce. Uma vez detectado, o tratamento do aneurisma é cirúrgico.

Em caso de sensação de pulsação na barriga, o mais indicado é procurar o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família para que o abdômen seja devidamente examinado e as causas sejam identificadas.

Dra. Nicole Geovana
Irritação na vagina tipo assadura com coceira e sangramento: o que é?

Irritação na vagina, tipo assadura, com coceira e sangramento é muito comum nas infecções vaginais tipo vaginose bacteriana ou infecção por fungo (como a candidíase).

No caso da candidíase, outro sintoma comumente observado é a presença de corrimento vaginal esbranquiçado ou amarelado. Os sintomas geralmente pioram antes da menstruação e melhoram no início do período.

A candidíase é bastante comum e não é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), embora o fungo causador da doença possa ser disseminado através do contato oral-genital.

O fungo causador da candidíase, a cândida, está naturalmente presente no canal vaginal, juntamente com várias outras bactérias. Os lactobacilos (um tipo de bactéria) contrabalanceiam a proliferação dos fungos no interior da vagina. Quando há um desequilíbrio na proliferação de cândida, temos um quadro de candidíase vaginal.

Alguns dos principais fatores de risco para candidíase:

  • Uso de antibiótico;
  • Gravidez;
  • Diabetes mellitus descontrolada;
  • Obesidade;
  • Uso de glicocorticoides e imunossupressores;
  • Uso de roupas de lycra e mal ventiladas;
  • Doenças autoimunes ou imunidade alterada;
  • Uso de ducha ou sabonete íntimo diário.

O tratamento da candidíase vaginal pode incluir:

  • Aplicação única ou aplicações diárias de cremes antifúngicos, supositórios ou óvulos;
  • Uso de antibióticos orais.

Outra situação em que pode haver irritação na vagina, parecida com uma assadura, com coceira e sangramento, é na vaginose bacteriana, sendo esta a principal causa de corrimento vaginal em mulheres na idade reprodutiva.

A vaginose caracteriza-se por um crescimento anormal de bactérias anaeróbias como Gardnerella vaginalis, Mobiluncus, entre outras, associado a uma diminuição de lactobacilos da flora vaginal normal.

Relações sexuais frequentes, uso de duchas vaginais ou período pré-menstrual favorecem a alteração da flora bacteriana vaginal, podendo desencadear a vaginose.

A vaginose bacteriana também não é considerada uma DST, embora a sua ocorrência seja maior em mulheres com número elevado de parceiros sexuais, sendo rara naquelas sexualmente inativas.

O tratamento da vaginose bacteriana inclui:

  • Uso de pomada ou creme vaginal;
  • Medicamentos antibióticos orais.

Para um diagnóstico e tratamento adequado, a mulher deve consultar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Dra. Nicole Geovana
Qual a diferença dos sintomas de gravidez e TPM?

Alguns dos sintomas de gravidez são semelhantes aos sintomas da TPM (tensão pré-menstrual, mas de uma forma geral é difícil fazer confusão entre os dois.

A TPM é repetitiva e ocorre todos os meses antes e no início da menstruação, a mulher já conhece esses sintomas e já os espera todos os meses porque eles tem data marcada para começar.

Os sintomas da gravidez são novos, a mulher somente os tem quando está grávida, geralmente iniciam no meio ou fim do primeiro mês de gestação, sendo mais intensos no segundo e terceiro mês em diante. E o mais importante de todos é o atraso menstrual, na TPM os sintomas desaparecem com a menstruação e na gravidez os sintomas aparecem porque a menstruação atrasou, ou seja é difícil confundir e se há suspeita de gravidez basta fazer um exame e ver o resultado.

Já os sintomas mais comuns de TPM são: dor e desconforto na barriga com sensação de inchaço, dor e sensibilidade nas mamas com sensação de inchaço, dor de cabeça, fadiga e cansaço, aumento do apetite, sintomas emocionais bem proeminentes (irritabilidade, humor variável, nervosismo, tristeza, choro fácil, dificuldade de memória e concentração, entre outros), acne, calorões, tontura e palpitações.

Link útil:

Dr. Charles Schwambach
Coceira que piora durante a noite: o que pode ser?

Coceira no corpo que piora durante a noite pode ser escabiose, popularmente conhecida como "sarna". A coceira acomete principalmente abdômen, parte interna dos braços, áreas genitais e coxas. O rosto normalmente não coça, exceto quando a escabiose é em bebês.

A doença é causada por um ácaro que parasita o ser humano, diferente da sarna dos cães, que é provocada por outro micróbio.

A transmissão da escabiose pode ocorrer pelo uso comum de vestuários e roupas de cama, embora o principal meio de disseminação do ácaro seja através do contato sexual.

O tratamento é feito com medicamentos de uso tópico ou via oral e visa eliminar os ovos do ácaro que são depositados sob a pele.

Leia também: Como tratar sarna humana?

Coceira que piora à noite pode ser problema no fígado?

Sim, além da escabiose, coceiras pelo corpo que pioram à noite também podem ser sinal de doenças no fígado, como tumores ou cirrose biliar primária.

Nesses casos, como não há formação de feridas na pele, a pessoa pensa que a coceira é alguma alergia e espera passar.

No caso da cirrose biliar primária, a coceira piora muito durante a noite, especialmente em locais de clima quente e úmido.

Há pessoas que se coçam tanto que chegam a provocar lesões na pele e no couro cabeludo. Existem também relatos de suicídio devido à coceira intensa.

Para um diagnóstico adequado da causa dessa coceira noturna, consulte um médico dermatologista. Se o problema não tiver origem na pele, ele irá lhe encaminhar para o especialista mais indicado.