Perguntar
Fechar

Sintomas

Sinto uma pulsação na minha barriga, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Uma pulsação na barriga pode ser apenas os batimentos cardíacos sentidos através da artéria aorta, mas também pode indicar um aneurisma nessa mesma artéria. Gravidez não provoca pulsação na barriga e, mesmo que a mulher esteja grávida, não é possível sentir o coração do bebê bater.

A artéria aorta é o principal vaso sanguíneo que sai do coração e atravessa o tórax e o abdômen (barriga). A porção abdominal da aorta é volumosa e pode ser facilmente sentida em pessoas magras. Daí a sensação de "pulsação na barriga".

Porém, existe um problema relacionado às artérias chamado aneurisma, em que o vaso sanguíneo fica dilatado e pode se romper, causando uma hemorragia interna que pode levar à morte.

Normalmente o aneurisma da aorta não causa sintomas, mas, quando estes aparecem, o paciente geralmente sente pulsação na barriga e dor na barriga ou nas costas. É importante lembrar que cerca de 75% dos casos de aneurisma da aorta ocorrem na porção abdominal.

Essa dilatação geralmente ocorre numa área mais frágil da parede da artéria, enfraquecida principalmente pela arterosclerose, o que faz com que a pressão sanguínea no interior da artéria provoque a protusão.

O aneurisma da aorta pode se romper a qualquer momento e quase sempre evolui para a ruptura, daí a importância de um diagnóstico precoce. Uma vez detectado, o tratamento do aneurisma é cirúrgico.

Em caso de sensação de pulsação na barriga, o mais indicado é procurar o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família para que o abdômen seja devidamente examinado e as causas sejam identificadas.

Olhos inchados: quais as causas e tratamento?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Os olhos (na verdade, geralmente as pálpebras) podem ficar inchados por diversos motivos, quando estão inflamadas, quando a inflamação ocorre no(s) olho(s), ou quando há um excesso de fluidos (edemas) nos tecidos conjuntivos em torno dos olhos. Este inchaço pode ser doloroso ou não e afetar os olhos, as pálpebras superiores e as inferiores. A inflamação pode ser devida a:

  • Infecções: como por exemplo conjuntivites - a conjuntivite é uma inflamação da mucosa clara da superfície do olho, a conjuntiva (saiba mais em: Quais são os sintomas da conjuntivite?). Podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos (mais raramente) ou serem alérgicas (vide abaixo, "alergias"). Resultam em inchaço das pálpebras, dentre outros sintomas, como olhos lacrimejantes, vermelhos e coceira. Já no hordéolo, popularmente conhecido como "terçol", ocorre uma infecção bacteriana seguida de inflamação nos folículos ciliares (hordéolo externo) ou glândulas de Zeiss (hordéolo interno). O inchaço na pálpebra é um frequente quando essas glândulas ficam bloqueadas. Um terçol pode deixar toda a pálpebra inchada, tornando-a sensível ao toque também.
  • Blefarite: é uma inflamação, infecciosa ou não, das pálpebras, geralmente causada pela produção excessiva de uma camada lipídica gerada por uma glândula encontrada na pálpebra. A blefarite é caracterizada por pálpebras inchadas e dolorosas e podem ser acompanhadas por caspa, mudanças na pele da pálpebra e perda dos cílios. Geralmente é uma condição crônica, ou seja, é possível controlar os sintomas com o tratamento adequado e práticas de higiene rígidas, mas ela nunca é curada totalmente;
  • Lesões oculares: qualquer trauma na área dos olhos, incluindo uma contusão na pálpebra ou um trauma causado por uma cirurgia plástica (blefaroplastia) pode provocar inflamação e inchaço nos olhos;
  • Corpos estranhos / produtos irritantes: Também podem causar irritação nos olhos, com inchaço local. Incluem solventes de limpeza doméstica, produtos de higiene pessoal (maquiagem, hidratantes, shampoo e sabonete), cloro da piscina, serragem, fagulhas, pequenos insetos, etc;
  • Uso de lentes de contato: uso inadequados de lentes de contato - lentes mal higienizadas, nadar com lentes de contato ou guardar a lente num estojo sujo - podem causar uma infecção nos olhos e inchaço nas pálpebras. Usar lentes de contato vencidas, danificadas ou dormir e esquecer de retirar as lentes também pode irritar os olhos e causar o inchaço;
  • Alergias: ocorrem quando o sistema imunológico reage exageradamente a uma substância estranha, chamada de alérgeno, liberando produtos químicos (o mais comum, a histamina). Trata-se de uma tentativa 'exagerada' do organismo se defender de uma substância à qual se sensibilizou, mesmo que esta seja inócua. Os vasos sanguíneos se dilatam sob efeito da histamina, provocando vermelhidão e edema (inchaço). Pólen, poeira, pelos de animais, alguns colírios e soluções para lentes de contato são alguns dos alérgenos oculares mais comuns (leia também: O que fazer em caso de reação alérgica?);
  • Insuficiência renal: neste caso, ocorre retenção de líquidos devido à perda de função dos rins, que não conseguem eliminar o líquido do corpo com a mesma eficiência. O inchaço nas pálpebras pode expandir-se para todo o rosto e é mais evidente de manhã, logo ao acordar.
  • Problemas de saúde mais graves: celulite orbitária, doença de Graves, insuficiência renal ou herpes ocular.
    • Celulite orbitária: infecção bacteriana rara e grave dos tecidos ao redor do olho, resultando em inchaço doloroso da pálpebra superior e inferior, e, eventualmente, da sobrancelha e da bochecha. Os sintomas podem ainda incluir olhos saltados, redução da visão, febre e dor, quando a pessoa move os olhos. A celulite orbitária é uma emergência médica e necessita ser tratada rapidamente para evitar a lesão do nervo óptico e a perda permanente da visão, além de outras complicações graves. Se a infecção estiver limitada ao tecido mole das pálpebras, ela é menos grave do que a celulite orbital e pode muitas vezes ser tratada com medicamentos tópicos, sem necessidade de hospitalização.
    • Doença de Graves: distúrbio ocular causado por uma tireoide hiperativa (hipertireoidismo), muitas vezes associado a inchaço, pálpebras inchadas, exoftalmia (olhos saltados), visão dupla e pálpebras caídas (ptose).
    • Herpes ocular: transmitida pelo vírus herpes simples comum, a herpes ocular é por vezes apelidada de "afta do olho" e causa inflamação (e às vezes cicatrizes) na córnea. Os sintomas podem ser parecidos com os da conjuntivite, embora possam aparecer feridas dolorosas na pálpebra, visão embaçada devido à opacidade da córnea e inchaço nos olhos, que obstruem a visão. Pode ir desde uma infecção ligeira a uma forma mais grave que pode levar ao transplante da córnea ou ainda em perda de visão (saiba mais em: Como identificar e tratar herpes ocular?).

Também pode lhe interessar: 

Tenho muita coceira nos olhos. O que pode ser e o que fazer para aliviar?

Olhos vermelhos, o que pode ser?

Tratamento de Olhos inchados

O tratamento das pálpebras inchadas depende da sua causa. Se os olhos estão inchados devido a alergias, colírios anti-histamínicos ou medicamentos de alergia oral, o uso de lubrificantes pode ajudar a aliviar os sintomas. O oftalmologista poderá também prescrever colírios esteroides suaves para reações alérgicas mais graves. Outras causas, como infecções, conjuntivite ou herpes ocular respondem bem a antibióticos, colírios antivirais e a pomadas oculares anti-inflamatórios, dependendo da doença. Crises mais leves de inchaço podem ser tratadas em casa.

Em primeiro lugar, a pessoa deve evitar esfregar os olhos para não agravar ainda mais a sua condição. Além disso, o uso de lentes de contato deve ser suspenso até que o inchaço passe.

A aplicação de uma compressa fria pode reduzir o inchaço das pálpebras, assim como compressas de água fria nas pálpebras fechadas. Porém, se os sintomas persistirem ou piorarem, ou se o indivíduo sentir qualquer dor no olho, deve consultar o oftalmologista imediatamente.

Em caso de olhos inchados, um médico (preferencialmente um oftalmologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Quais os sintomas de vermes no corpo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de vermes no corpo do ser humano variam de acordo com a verminose, sendo que o sinal mais evidente é a presença do verme nas fezes. Outros sintomas comuns são:

  • Diarreia;
  • Febre;
  • Presença de sangue, gordura ou muco nas fezes;
  • Anemia;
  • Dor abdominal;
  • Náuseas e vômitos;
  • Fraqueza;
  • Perda de peso;
  • Perda ou aumento do apetite.

Também pode lhe interessar: Ranger os dentes pode ser causado por algum verme?

Além desses sintomas, existem determinados tipos de vermes que manifestam sintomas mais específicos, como:

  • Esquistossomo (barriga d'agua): Diarreia e/ou constipação intestinal, pode haver aumento do fígado e baço, cirrose, hemorragias;
  • Ancilóstomo (amarelão): Pele amarelada, pode causar complicações cardíacas e pulmonares, além de afetar o desenvolvimento da criança;
  • Filária (elefantíase): Inflamação nos vasos linfáticos, dor muscular, intolerância à luz, inchaço do saco escrotal, virilha, vulva, mamas, pernas e braços, manchas na pele, presença de gordura ou sangue na urina, pele grossa e áspera;
  • Larva migrans (bicho geográfico): Prurido (coceira), linhas avermelhadas na pele que assemelham-se com mapas;
  • Oxiúrus: Prurido anal, corrimento e sono agitado. Os vermes, que têm em média entre 1 e 2 cm, também são visíveis nas fezes.

Leia também:

Quais são as doenças causadas por vermes?

O que fazer no caso de verme nas fezes?

O tratamento das verminoses é feito com medicamentos vermífugos.

Como saber se os batimentos cardíacos estão normais?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A frequência cardíaca normal, em repouso, varia entre 60 e 100 batimentos por minuto (bpm). Quando os batimentos cardíacos estão acelerados, acima de 100 bpm, a pessoa está com taquicardia. Uma frequência cardíaca baixa, inferior a 60 bpm, é considerada bradicardia.

Para saber se os seus batimentos cardíacos estão normais, basta medir a sua pulsação. Para isso, você deve permanecer em repouso, de preferência deitado, durante pelo menos 5 minutos. Depois, ainda deitado, coloque as pontas dos dedos indicador, médio e anelar logo abaixo do pulso, na base do polegar.

Pressione ou movimente os dedos para os lados, até sentir a pulsação. Use um relógio ou cronômetro para marcar o tempo e observe quantas vezes o seu coração bate durante 1 minuto.

Vale lembrar que contar as pulsações por 15 segundos e depois multiplicar por 4 para obter o número de batimentos cardíacos por minuto pode dar um resultado que não condiz com a realidade, já que a pulsação nem sempre é regular e pode oscilar.

Que fatores influenciam os batimentos cardíacos?

A frequência cardíaca varia conforme a idade e o condicionamento físico. Quanto menor a idade, maior a frequência cardíaca. Em geral, pessoas adultas sedentárias têm uma frequência cardíaca de 70 a 100 batimentos por minuto, enquanto que aquelas bem condicionadas fisicamente podem apresentar uma frequência cardíaca de 50 bpm ou ainda menos.

Isso indica que o coração de um indivíduo que pratica exercícios físicos regularmente é mais eficiente para bombear o sangue e, por isso, trabalha menos.

O coração é um órgão musculoso e fica mais forte com a prática regular de atividade física. Logo, não precisa bater tantas vezes para levar o sangue para o resto do corpo, já que os seus batimentos são fortes e eficientes.

Já o coração de uma pessoa sedentária é mais fraco e por isso precisa bater mais vezes para conseguir bombear o sangue.

Ter uma frequência cardíaca de repouso baixa protege o coração, pois menos batimentos por minuto significa menos desgaste com o passar do tempo. Essa é uma das razões por que a prática regular de exercícios físicos ajuda a prevenir doenças cardiovasculares.

O que pode deixar o batimento cardíaco alto?

Os batimentos cardíacos podem ficar com valores mais altos em várias situações e condições. É normal o coração ficar acelerado ao praticar exercício físico ou diante de emoções fortes, por exemplo.

Porém, em repouso, a frequência cardíaca considerada normal não deve ser superior a 100 bpm. Se isso ocorrer sem um motivo aparente, precisa ser investigado. O aumento da frequência cardíaca para valores acima 100 bpm é denominada taquicardia.

As principais causas do aumento da frequência cardíaca incluem: doenças cardíacas (arritmias), ansiedade, estresse, fatores genéticos, consumo de cafeína, bebidas alcoólicas e cigarro, hipertireoidismo, doenças reumáticas, processos infecciosos, febre, hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue), desidratação, anemia e uso de certos medicamentos.

Quais as causas de batimentos cardíacos baixos?

A frequência cardíaca é considerada baixa se estiver abaixo de 60 bpm. Essa diminuição dos batimentos cardíacos pode ter várias causas e é denominada bradicardia.

Em casos específicos, os batimentos cardíacos baixos são considerados normais. É o que acontece com pessoas que têm um bom condicionamento físico, por exemplo, que podem ter uma frequência cardíaca de apenas 50 bpm ou ainda mais baixa.

O coração dessas pessoas é mais eficiente, por isso precisa bater menos vezes para bombear o sangue para o resto do corpo.

Porém, em outros casos, os batimentos cardíacos baixos podem ter como causas: arritmia cardíaca, hipotireoidismo, doença de Lyme, febre tifoide, hipotermia (temperatura corporal abaixo de 35ºC), níveis altos de potássio no sangue, uso de drogas ou certos medicamentos.

Quando os batimentos cardíacos estão baixos, a pessoa pode sentir tontura, fraqueza e até desmaiar devido ao pouco oxigênio que chega às células do corpo e cérebro.

Consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou cardiologista se verificar que a sua frequência cardíaca de repouso está acima ou abaixo dos valores considerados normais. Tanto a taquicardia como a bradicardia podem ser um sinal de arritmia cardíaca e precisam ser investigadas.

Dor e caroço no local da injeção: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A ocorrência de dor e caroço no local de injeção intramuscular é relativamente comum e é considerada uma complicação deste procedimento. A reação adversa mais relatada é a dor no local da injeção. Esta ocorre porque a pele e tecido subcutâneo são ricamente inervados e os receptores da dor são estimulados pela agulha, quando penetra e disseca o tecido conectivo. O músculo é menos inervado, mas a infusão de solução pode ser muito dolorosa, pela irritação devida à própria solução e ao pH. A pigmentação da pele e hemorragia ocorrem por extravasamento de sangue após lesão de capilares e vasos. O surgimento de nódulo no local pode corresponder à contratura muscular ou formação de abscesso. O abscesso se associa a aumento da temperatura e vermelhidão local.

Usualmente medidas locais, como o uso de pomadas de anti-inflamatórios, calor local ou aumento dos movimentos é suficiente para resolver as complicações.

Outras complicações das injeções intramusculares são citadas abaixo:

  • diminuição da sensibilidade do membro;
  • formação de abscesso;
  • infarto e necrose local;
  • atrofia da pele e tecido adiposo;
  • contratura muscular;
  • fibrose tecidual;
  • hematoma;
  • lesão do nervo ciático.

A ocorrência de complicações depende de alguns fatores, como:

  • Tipo de medicação introduzida: pode ser irritante, estar diluída em solvente oleoso ou de absorção lenta, alta concentração;
  • Volume injetado incompatível com a estrutura do músculo: pode aumentar a tensão local, compressão vascular; o edema local, juntamente com o efeito tóxico, pode causar infarto muscular, fibrose e necrose;
  • Local de aplicação errado em relação a qualidade da medicação injetada: há medicações que exigem grande massa muscular, uma vez que uma superfície possibilita acentuada velocidade de absorção;
  • Uso inadequado da técnica;
  • Escolha inadequada da agulha e da seringa: a medicação retida no tecido adiposo é muito lentamente absorvida e podem ocorrer nodulações; no paciente emagrecido, pode atingir inervações ou estruturas ósseas. A seringa ou a agulha contaminadas podem conduzir a septicemias;
  • Escolha inadequada da área a ser introduzida a medicação: o músculo deltoide (no braço) constitui o último a ser utilizado devido ao nervo circunflexo e ramificações de vasos na sua porção inferior esquerda;
  • Desconhecimento pelos profissionais da anatomia e farmacologia, bem como falta de prática e habilidade;
  • Múltiplas injeções em um só local: após repetidas injeções no mesmo local, manchas, depressões, fibrose e outras complicações podem ocorrer devido a concentração, pH, natureza química da droga e cinética de absorção.

Se você apresentar complicações após injeção intramuscular, deverá procurar o serviço de saúde em que foi aplicada para maiores orientações.

Sai do umbigo uma secreção com mau cheiro, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Sair uma secreção com mau cheiro do umbigo pode ter várias causas, desde uma inflamação local, uma infecção (foliculite), uma reação a um corpo estranho (piercing), até a persistência do úraco, que é uma estrutura embrionária em forma de tubo que liga o umbigo à bexiga.

Durante a formação do nosso corpo, ainda dentro do útero materno, várias estruturas se formam e se modificam até o desenvolvimento estar completo. Após o nascimento, o úraco se fecha e forma um ligamento entre o umbigo e a bexiga. Quando isso não ocorre, forma-se uma espécie de canal entre abexiga e o umbigo. Durante o crescimento, podem se formar secreções dentro dele que são eliminadas pela cicatriz umbilical, principalmente quando ocorrem infecções locais.

Outra problema raro que pode estar presente no umbigo é um foco de endometriose, que é o desenvolvimento das células do endométrio (camada interna do útero) fora da cavidade uterina.

Como as causas e os tratamentos podem ser muito variados, deve-se sempre consultar um médico nessas situações. O clínico geral é o profissional indicado para tratar ou realizar o encaminhamento a outros especialistas.

Leia também:

Dor no umbigo: o que pode ser?

Umbigo inflamado: o que pode ser?

Dor e sangramento no umbigo: o que pode ser e o que fazer?

Coceira que piora durante a noite: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Coceira no corpo que piora durante a noite pode ser escabiose, popularmente conhecida como "sarna". A coceira acomete principalmente abdômen, parte interna dos braços, áreas genitais e coxas. O rosto normalmente não coça, exceto quando a escabiose é em bebês.

A doença é causada pelo Sarcoptes scabieium ácaro que parasita o ser humano e provoca uma intensa coceira.

A transmissão da escabiose pode ocorrer pelo uso comum de vestuários e roupas de cama, embora o principal meio de disseminação do ácaro seja através do contato sexual.

O tratamento é feito com medicamentos de uso tópico ou via oral e visa eliminar os ovos do ácaro que são depositados sob a pele.

Leia também: Como tratar sarna humana?

Coceira que piora à noite pode ser problema no fígado?

Sim, além da escabiose, coceiras pelo corpo que pioram à noite também podem ser sinal de doenças no fígado, como tumores ou cirrose biliar primária.

Nesses casos, como não há formação de feridas na pele, a pessoa pensa que a coceira é alguma alergia e espera passar.

No caso da cirrose biliar primária, a coceira piora muito durante a noite, especialmente em locais de clima quente e úmido.

Há pessoas que se coçam tanto que chegam a provocar lesões na pele e no couro cabeludo. Existem também relatos de suicídio devido à coceira intensa.

Para um diagnóstico adequado da causa dessa coceira noturna, consulte o/a clínico/a geral, médico/a de família ou dermatologista para orientar o tratamento mais indicado.

Também pode lhe interessar: 

O que pode causar coceira nas pernas?

Coceira na cabeça é sinal de doença no couro cabeludo?

Dor na panturrilha, o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

A dor na panturrilha ("batata da perna") pode ter diversas causas. Se a dor for aguda, iniciada após atividade física, é mais provável que seja resultado de uma distensão do músculo da panturrilha (gastrocnêmio). Em algumas ocasiões será necessário o uso de relaxante muscular e anti-inflamatório, além de repouso, para melhora dos sintomas.

Outra causa de dor aguda na panturrilha são as cãibras, que ocorre quando o músculo fica muito contraído durante alguns minutos, sendo associadas a bastante dor. Normalmente são autolimitadas e não necessitam de tratamento, exceto se a dor permanecer mesmo após resolução da cãibra.

Para evitar as cãibras, é importante realizar alongamentos e fazer fortalecimento muscular, 3 vezes por semana. Além disso, é importante ter uma alimentação e uma hidratação adequadas durante a prática de atividade física. E, após uma rotina de exercícios, descansar por um dia, pelo menos.

Quais as outras causas de dor na panturrilha?

Apesar de, na maioria dos casos, a dor na panturrilha não indicar nada de grave, é preciso ter atenção, pois há situações em que a dor pode ser sintoma de alguma doença.

Insuficiência venosa

Especialmente comum nas mulheres, nas pessoas que ficam muitas horas em pé e idosos. Usualmente, a dor nas panturrilhas é uma dor em peso (as pernas ficam "pesadas"), mais comum no final do dia e podem estar presentes inchaço, "vasinhos" (teleangiectasias) e varizes.

O tratamento consiste no uso de meias elásticas, prática regular de exercícios físicos e, algumas vezes, será necessária cirurgia para remover as veias que ficaram dilatadas e perderam a sua função. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico cirurgião vascular.

Insuficiência arterial (claudicação intermitente)

Comum em idosos e especialmente em tabagistas. Usualmente, a dor na panturrilha é forte, em pontada, e ocorre após andar alguns quarteirões ou ao subir uma rua ou escada.

É comum a pessoa necessitar interromper a caminhada em virtude da dor. O repouso, durante alguns minutos, resolve os sintomas. Contudo, retornando a caminhada, ressurge a dor.

A quantidade de metros caminhados para iniciar a dor é variável conforme cada paciente e tende a ser menor conforme a gravidade da obstrução arterial.

O tratamento consiste no uso de medicamentos e muitas vezes é necessária uma cirurgia para desobstrução da artéria acometida e é importante e fundamental parar de fumar. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico cirurgião vascular.

Cisto de Baker

Algumas pessoas podem apresentar um cisto na região do joelho e, se o cisto estourar, pode ocorrer dor nas panturrilhas e inchaço no joelho. Em algumas ocasiões pode ser necessária retirada cirúrgica. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico ortopedista ou reumatologista.

Como aliviar dor na panturrilha?

A dor na panturrilha muitas vezes é causada por má circulação. Esse distúrbio na circulação provoca acúmulo de sangue nas pernas, levando à dor. Algumas medidas, que favorecem o retorno do sangue para o coração, ajudam a aliviar a dor na panturrilha causada por má circulação:

Usar meias elásticas

Usar meias elásticas compressivas é indicado em muitos casos, pois as meias favorecem o retorno do sangue para o coração, aliviando o cansaço. Porém, as meias elásticas devem ser prescritas por um médico, já que utilizar meias com a compressão inadequada pode piorar o quadro.

Praticar atividade física

O importante nesses casos é escolher exercícios que trabalham os músculo da panturrilha, como andar, correr, pedalar e nadar.

Movimentar-se

Para evitar a dor na panturrilha, deve-se evitar ficar parado por muito tempo na mesma posição. Pessoas que trabalham várias horas sentadas, devem se levantar e andar um pouco, pelo menos a cada duas horas.

Caso não seja possível levantar-se, convém exercitar os músculos da panturrilha, abaixando os pés como se estivesse acelerando um carro, a cada 30 minutos.

Elevar as pernas

Deitar-se de barriga para cima com as pernas elevadas ajuda o sangue a retornar ao coração. Isso pode ser feito colocando várias almofadas embaixo dos pés, por exemplo. Para aliviar a dor na panturrilha, recomenda-se fazer isso todos os dias, durante 20 minutos.

Emagrecer

O excesso de peso dificulta o retorno do sangue para o coração, favorecendo o seu acúmulo nas pernas, o que pode causar dor na panturrilha. O próprio peso do corpo pode sobrecarregar os músculos da panturrilha, sobretudo se a pessoa praticar atividade física, gerando dor.

Se a dor nas panturrilhas for recorrente, consulte um médico clínico geral ou médico de família para receber um diagnóstico e tratamento adequados.