Sintomas

Com quantos dias aparecem os primeiros sintomas de gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os primeiros sintomas de gravidez começam a surgir cerca de 40 dias depois da mulher ter engravidado, ou seja, a partir da ou 6ª semana de gestação. Isso geralmente acontece depois de 7 a 14 dias do dia esperado de vir a menstruação.

Em geral, o primeiro sintoma da gravidez é a ausência de menstruação ou atraso menstrual detectado quando o período não vem na data esperada. Após esse sintoma, outros podem ser percebidos no início da gestação, como náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, aumento da frequência urinária e cansaço.

Normalmente, o atraso do período menstrual é notado pela mulher após uma a duas semanas de atraso. As náuseas e os vômitos podem ter início já nos primeiros dias de gravidez. Contudo, esses sintomas são mais frequentes no primeiro ou segundo mês de gestação e nem todas as grávidas os apresentam.

Portanto, os primeiros sintomas de gravidez aparecem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação. Com o avançar da gravidez, outros sinais e sintomas vão aparecendo, como inchaço abdominal, constipação intestinal, azia, desconforto na região pélvica, alteração do humor, falta de ar e tontura.

Sintomas menos comuns no início da gravidez

Algumas mulheres grávidas também podem apresentar outras manifestações menos frequentes no início, como cólicas ou sangramento no momento da implantação do óvulo no útero, o que geralmente acontece na metade do ciclo.

As aréolas ao redor dos mamilos também podem ficar mais escuras e muitas vezes vêm acompanhadas por inchaço e aumento da sensibilidade das mamas.

Outros sintomas iniciais da gravidez podem incluir ainda desejo por determinados alimentos, sonolência, sensação de gosto metálico na boca e alterações no olfato, que muitas vezes fica mais apurado.

Ao detectar uma gravidez, a mulher deve procurar o serviço de saúde para iniciar os cuidados de pré-natal.

Leia também: Dor ao urinar pode ser gravidez?

Corrimento marrom, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

O corrimento marrom pode ser causado por diversos motivos, entre eles a infecção vaginal bacteriana (corrimento geralmente amarelado, mas pode ser marrom claro na vaginose bacteriana) pode ser causa de corrimento marrom.

Quando o corrimento vaginal é marrom escuro, geralmente adquire esta cor por ter sangue em sua composição, o que pode indicar feridas sangrantes no colo do útero, nas paredes vaginais, nas tubas uterinas ou ser proveniente da própria parede uterina (alteração menstrual).

Normalmente, o corrimento vaginal adquire a cor marrom devido à presença de sangue coagulado na sua composição. Esses restos de sangue podem ter como causas resquícios do período menstrual, traumatismos, infecções, presença de corpo estranho, câncer, atrofia vaginal, gravidez ectópica (gravidez fora do útero), entre outras.

A menstruação tipo borra de café, verificada no final do período, também pode ter coloração marrom. Trata-se da mudança de cor do sangue, que oxida devido ao tempo que fica retido no útero até ser expelido, o que altera a sua cor.

O corrimento marrom deixa de ser considerado “normal”, ou seja, fisiológico, se persistir por vários dias ou vier acompanhado de mau cheiro.

Leia mais sobre corrimento normal em: Corrimento vaginal é normal?

Corrimento marrom nas infecções, alergias e outras doenças

Nos casos de infecção bacteriana vaginal, normalmente outros sinais e sintomas acompanham o corrimento marrom, como: ardência, cheiro forte e desagradável, inchaço, prurido (coceira) e vermelhidão.

O corrimento vaginal marrom também pode ser decorrente de doença inflamatória pélvica (DIP), muito mais grave e pode necessitar de internação hospitalar para tratamento, câncer do colo do útero, câncer de endométrio, pólipos ou miomas uterinos, endometrite, outras doenças sexualmente transmissíveis como a gonorreia.

Alergias e irritação

Grande parte dos corrimentos crônicos são causados por preservativos. O látex das camisinhas pode provocar alergia em algumas mulheres, o que vai desregular o pH vaginal e criar um ambiente propício à proliferação de bactérias que causam a vaginose bacteriana.

Produtos de higiene íntima (duchas vaginais) também são outro agente que provoca irritação. Duchas podem levar à destruição das bactérias benéficas (flora vaginal normal - bacilos de Doderlein) que impedem a proliferação de bactérias causadoras de doenças como as da vaginose. O uso de sabonetes, lubrificantes e cremes vaginais sem indicação do médico é outro fator que pode explicar corrimentos recorrentes.

Corrimento marrom após relações sexuais

O corrimento marrom escuro geralmente indica sangramento em algum local do aparelho reprodutor. O sangramento pode ser oriundo da própria parede vaginal ou do colo do útero, como consequência de relações sexuais intensas ou repetidas.

Corrimento marrom na gravidez

Nas primeiras 12 semanas de gestação, algumas mulheres podem apresentar secreção vaginal marrom. Esse pequeno sangramento pode se originar da implantação do embrião na parede uterina (nidação). Neste caso o sangramento é semelhante à menstruação, mas em pequena quantidade, de coloração mais clara e dura poucos dias.

A vagina também fica mais sensível durante a gravidez, podendo sangrar mais facilmente durante relações sexuais ou exames ginecológicos. Além disso, aumenta a chance de infecções nesse período.

Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente. O corrimento também pode significar algo mais grave, como perda sanguínea decorrente de gravidez ectópica com rotura de tuba uterina (acompanhada de fortes dores abdominais em cólica), aborto (ou ameaça de aborto), placenta prévia, descolamento prematuro de placenta, rotura de vasa prévia, entre outras causas.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico ginecologista ou médico de família para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Também pode lhe interessar:

Corrimento vaginal: o que significam as diferentes cores?

Dor na nuca, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Dor na nuca pode ter várias causas, sendo que as mais comuns ocasionadas por tensão muscular, mais raramente valores muito altos de pressão alta (hipertensão arterial) também podem desencadear dores na nuca.

A dor na nuca também pode ser causada por enxaqueca. Nesses casos, a dor é latejante, piora com esforços físicos e a pessoa apresenta incômodo com a luz.

Pode também ser um sintoma de doença neurológica, como a meningite. Nesse caso, geralmente aparece acompanhada de outros sinais e sintomas como enjoos, vômitos e febre.

Dor na nuca e tensão muscular

A tensão muscular resulta de vários fatores como má postura, contração muscular por estresse ou esforços físicos. Nesse caso, a dor pode irradiar da nuca para outras partes do corpo como cabeça, ombros e braços.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por tensão muscular?

O tratamento da dor na nuca causada por tensão muscular baseia-se na correção da postura, na realização de exercícios físicos adequados ao problema, redução do estresse e uso de analgésicos e relaxantes musculares.

Dor na nuca e hipertensão arterial

Outra causa para a dor na nuca é a elevação repentina da pressão arterial (hipertensão arterial sistêmica). No entanto, a maioria das pessoas com pressão alta não apresenta nenhum sintoma.

À medida que os níveis de pressão sobem, no decorrer do tempo, o organismo tende à adaptar-se à essa situação, levando a alterações no funcionamento de vários órgãos, mas sem causar dor ou outras queixas.

Normalmente, a hipertensão arterial só causa sintomas se a pressão estiver muito alta, com valores acima de 200/110 mmHg. Apesar da dor na nuca estar frequentemente associada à pressão alta, na maioria dos casos ela tem outra causa.

Contudo, se a dor na nuca for mesmo um sintoma de hipertensão arterial, a pessoa pode manifestar também dor no peito, tontura, náuseas, sonolência, confusão mental, vômitos, palidez, tremores nas mãos, zumbido no ouvido, sangramento pelo nariz, fraqueza, visão turva e alterações visuais.

Qual o tratamento para dor na nuca causada por pressão alta?

A dor na nuca é um sintoma, por isso, assim, como na tensão muscular, o tratamento deve incidir sobre a causa. A hipertensão arterial não tem cura mas tem tratamento, que deve ser feito sem interrupções e durante a vida toda, de forma a evitar complicações cardiovasculares e renais.

Algumas medidas para o tratamento e controle da hipertensão arterial incluem:

  • Manter uma alimentação saudável com frutas, verduras e fibras, evitando alimentos industrializados, gordurosos e muito calóricos;
  • Reduzir a ingestão de sal e de bebidas alcoólicas;
  • Praticar atividades atividades físicas regulares, 30 minutos diários, 5 dias por semana, com orientação médica;
  • Tomar os medicamentos para hipertensão sempre, mesmo quando a pressão estiver boa;
  • Procurar reduzir o nível de estresse, mudando hábitos de vida e com o auxílio de atividades ou técnicas para esse fim;
  • Manter o peso adequado à altura;
  • Realizar técnica de respiração lenta, com 10 respirações por minuto durante 15 minutos por dia;
  • Não fumar.

O clínico geral ou médico de família pode diagnosticar e orientar o tratamento para a dor na nuca.

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

A vontade de urinar a toda hora pode decorrer de uma série de motivos e nem sempre é sinal de doença. Diversas condições, patológicas ou não, podem provocar um aumento da produção de urina ou irritações na bexiga que deixam a pessoa com uma vontade constante de urinar.

Poliúria

O excesso de produção de urina (poliúria) caracteriza-se pela produção de mais de 2,5 litros por dia, quando o normal é de 1,2 a 1,5 litros de urina por dia. Isso ocorre ao beber muito líquido e na gravidez, o que é normal, mas também pode ser sintoma de doenças como diabetes e insuficiência renal, ou ainda efeito colateral de medicamentos diuréticos.

Veja também: Quais os Sintomas para Suspeitar de Diabetes?

Polaciúria

O aumento da frequência urinária acompanhada de pouca eliminação de urina (polaciúria), ou seja, sentir vontade de urinar toda hora mas em pequenas quantidades, é um sintoma característico de cistite (infecção urinária na bexiga) ou doenças da próstata. No entanto, trata-se de uma condição normal durante a gestação.

Leia também: O que é cistite e quais os sintomas?

Nictúria

A nictúria caracteriza-se pela vontade de urinar durante à noite e pode ter as mesmas causas da poliúria e da polaciúria. Ir ao banheiro uma vez depois de dormir é considerado normal, mas quando a frequência de micções noturnas aumenta, é um sinal muito típico de doenças da próstata, insuficiência cardíaca, cirrose e outras doenças que causam inchaço nas pernas. Ao deitar, o edema é reabsorvido no sangue e esse excesso de água é então eliminado pelos rins.

Síndrome da Bexiga Hiperativa

A Síndrome da Bexiga Hiperativa afeta tanto homens como mulheres, embora seja mais comum na mulher. Trata-se de uma alteração no funcionamento da bexiga que provoca contrações involuntárias no órgão, causando vontade constante e urgente de urinar.

Pessoas com essa Síndrome têm mais de 8 micções ao longo do dia e da noite, inclusive depois de dormir. A urgência urinária, ou seja, a necessidade de urinar logo que se tenha vontade, é outro sintoma característico da Síndrome da Bexiga Hiperativa.

Veja também: O que é bexiga hiperativa e quais os sintomas?

Em caso de vontade de urinar a toda hora, consulte um clínico geral, médico de família ou um urologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Saiba mais em:

O que pode causar ardência ao urinar?

Dor ao urinar, o que pode ser?

Vontade de urinar a toda hora e não conseguir. O que pode ser?

Dificuldade para urinar: o que pode ser e o que fazer?

É normal sentir constantemente vontade de urinar?

Sinto dores abdominais do lado direito abaixo as costelas. Pode ser hepatite?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Dor abdominal do lado direito, abaixo as costelas, pode ser hepatite, apesar de que no seu caso, os exames estão dentro da normalidade. Outra possível causa para as dores abdominais é a presença de cálculos (“pedras”) na vesícula biliar. Lesões na parte inferior do pulmão direito, no rim, nas costelas ou ainda em músculos também podem causar dor na porção superior direita do abdômen.

A hepatite nem sempre manifesta sintomas e, quando estão presentes, caracterizam-se por fadiga, falta de apetite, febre, náusea, vômitos, diarreia, clareamento das fezes, dor nas articulações, urina escura, dores abdominais, icterícia (pele e olhos amarelados), entre outros.

Se a hepatite durar mais de 6 meses, ela é considerada crônica. Nesses casos, a doença pode evoluir para cirrose hepática ou ainda câncer de fígado.

Há diversos tipos de hepatite e a gravidade dos sintomas varia muito de acordo com o tipo de hepatite. Algumas hepatites podem resolver-se espontaneamente em poucos dias ou necessitar de amplo tratamento. Há casos em que a hepatite não tem cura e o objetivo do tratamento é apenas controlar a evolução doença.

O que é hepatite?

A hepatite é uma inflamação do fígado, causada principalmente por vírus. A hepatite impede o fígado de exercer as suas diversas funções, como digestão, armazenamento de energia e eliminação de toxinas. A hepatite causa lesões no fígado que podem evoluir para cirrose hepática ou câncer de fígado.

A hepatite também pode ter como causas bactérias e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, medicações e algumas plantas. Há ainda hepatites autoimunes, em que o sistema imunológico da pessoa ataca as próprias células do fígado.

A hepatite, independentemente do tipo e da causa, precisa sempre de avaliação e acompanhamento médico adequado.

Qual é o tratamento para hepatite?

O tratamento da hepatite aguda é feito com repouso e dieta adequada. O objetivo do tratamento é permitir a recuperação do fígado. Nos casos mais graves de hepatite e na hepatite crônica, o tratamento é feito com medicamentos específicos que controlam a multiplicação do vírus e diminuem as lesões causadas ao órgão.

Dor abdominal do lado direito pode ser pedra na vesícula?

Sim. Além do fígado, a vesícula biliar é outra causa comum de dor no lado superior direito do abdômen, principalmente quando há pedra na vesícula. As pedras na vesícula são formadas por sucos digestivos endurecidos que se depositam na vesícula biliar.

Nesse caso, a dor abdominal é na realidade uma cólica biliar, provocada pela obstrução da vesícula por uma ou mais pedras.

Como se formam as pedras na vesícula?

A vesícula biliar é uma pequena bolsa que se localiza abaixo do fígado, do lado superior direito do abdômen, abaixo das costelas.

Dentro da vesícula biliar está a bílis, produzida pela fígado. Ao se contrair, a vesícula “injeta” a bílis para dentro do intestino para atuar na digestão das gorduras.

Porém, quando está muito concentrada, a bílis pode cristalizar, dando origem aos cálculos (pedras) biliares. A maioria das pedras na vesícula são constituídas por colesterol e se formam quando a concentração de colesterol na bílis está muito alta ou quando a vesícula biliar não se esvazia de forma adequada.

Quais são os sintomas de pedra na vesícula?

A grande maioria das pessoas que tem pedra na vesícula biliar não manifesta sintomas. Quando presentes, a principal manifestação é a dor abdominal do lado direito, embaixo das costelas. A dor pode irradiar para o lado esquerdo do abdômen, para as costas, para o tórax ou se difundir para todo o abdômen.

A dor abdominal pode durar minutos ou horas e surge subitamente, podendo durar minutos ou horas. Em alguns casos, a pessoa pode apresentar também náuseas, vômitos, aumento da transpiração e palidez.

Se a obstrução permanecer por muito tempo, a vesícula inflama e surge a colecistite. Além de cólica biliar, que surge após a ingestão de alimentos gordurosos, a colecistite causa febre e vômitos.

Se não provocar sintomas, os cálculos biliares podem não necessitar propriamente de um tratamento, exceto em casos específicos. Porém, se houver sintomas como dor abdominal (cólica biliar) ou outras complicações, é necessário fazer uma cirurgia para retirar a vesícula biliar.

Consulte um/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família se a dor abdominal for muito intensa, durar horas ou dias, ou ainda se vier acompanhada de vômitos, febre ou outros sintomas.

Coceira no corpo, o que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Coceira no corpo pode ser causada por diversas doenças, que vão desde alergias a tumores no fígado, passando por seborreia e micoses. Regra geral, o que se deve fazer é evitar coçar muito o local para evitar lesões e infecções.

Dependendo do local do corpo que a coceira aparece, é possível saber o que pode ser:

Cabeça: Caspa;Olhos: Conjuntivite ou blefarite (caspa ocular);Lóbulo a orelha: Alergia ao brinco de bijuteria ou prata;Abaixo da nuca: Alergia à etiqueta da roupa;Axilas: Alergia ao desodorante;Virilha: Micose;Genitais: infecções sexualmente transmissíveis, alergias;Corpo todo: Urticária ou dermatite atópica;Dentro ou atrás da orelha: Dermatite seborreica;Nariz: Rinite;Pescoço e pálpebra superior: Alergia ao esmalte da unha;Lateral do abdômen: pele seca;Mãos: Alergia ao detergente ou sabão;Pés: micose.

Quais são as principais causas de coceira no corpo? Dermatites

Caracterizam-se pelo aparecimento de manchas avermelhadas que descamam e coçam, podendo ter evolução crônica. Pode ser causada por produtos de limpeza, higiene pessoal e beleza, substâncias químicas, efeito secundário de algum medicamento, entre outros.

Escabiose ("sarna")

Geralmente provoca coceira à noite, principalmente no abdômen, parte interna dos braços, área genital e coxas. A doença é causada por um ácaro que pode facilmente ser transmitido através do uso comum de roupas de cama e roupas, embora o contato sexual seja o seu principal meio de disseminação.

Urticária

Caracteriza-se pelo aparecimento repentino de placas avermelhadas e elevadas na pele. Pode ter diversas causas, sendo que alguns medicamentos estão entre as principais.

Ansiedade ou estresse

Coceira generalizada pode ser sinal de ansiedade ou estresse severos, capazes de levar o indivíduo a ideias suicidas.

Alimentação

A coceira nestes casos é mais rara, com características semelhantes à urticária. O consumo de camarão está entre suas principais causas.

Picada de inseto

A picada de determinados insetos pode levar ao surgimento de bolinhas avermelhadas na pele que geralmente coçam muito.

Doenças mais graves

Dengue, catapora, viroses, hepatites B e C e até infecção pelo HIV podem causar erupções na pele que provocam coceira.

Se estiver com coceira no corpo, você pode procurar o/a médico/a de família, clínico/a geral ou dermatologista para que seja feito um diagnóstico das causas, seguido por um tratamento adequado.

Saiba mais em:

Coceira no ouvido: O que pode ser e o que devo fazer?

Estou com coceira na garganta e sinto que ela está irritada. O que pode ser?

Faz quatro dias meu olho direito fica tremendo, o que será?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Olho tremendo ou tremor nos olhos é na realidade um tremor nas pálpebras e não do olho em si. Chama-se mioclonia e trata-se de um tremor involuntário das pálpebras que pode ocorrer sem um motivo aparente, mas que pode indicar também alguma doença nos olhos ou nos nervos da face.

O tremor acontece no músculo palpebral ou no músculo orbicular (ao redor dos olhos) e geralmente é benigno, ou seja, não é sinal de nenhuma doença. Às vezes, o tremor nos olhos pode vir acompanhado de dormência.

Tremor nos olhos pode ser estresse?

Em geral, o tremor nos olhos ocorre devido ao estresse e os sintomas nesses casos permanecem enquanto durar o fator que está desencadeando o estresse, que pode ser o cansaço físico e mental, a ansiedade, problemas financeiros, entre outros.

O estresse aumenta a secreção de hormônios no sistema nervoso autônomo que causam os tremores, como o cortisol e a adrenalina.

Quando esses hormônios caem na circulação sanguínea, chegam aos músculos e aos nervos que os estimulam, gerando contrações rápidas e involuntárias (espasmos) e, consequentemente, o tremor.

Normalmente, os músculos e as terminações nervosas menores são os mais afetados, como os músculos das pálpebras e dos olhos. Daí o estresse ser uma causa tão comum de tremor nos olhos.

Quais as causas de tremor nos olhos?

Apesar do estresse ser uma das principais causas de tremor nos olhos, há várias doenças oftalmológicas que podem causar tremores nas pálpebras ou nos olhos, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, devido ao esforço realizado pelos músculos oculares. Olhos secos e retinopatia também estão entre os distúrbios oculares que podem causar tremores.

As principais causas de tremor nos olhos, são:

  • Muito cansaço;
  • Nervosismo, ansiedade, estresse;
  • Consumo de café e outras bebidas com cafeína em excesso;
  • Falta de vitaminas e minerais, como o potássio;
  • Uso de óculos com grau errado;
  • Ponto solto após uma cirurgia nos olhos.
  • Doenças oculares (olho seco, alergia ocular, ceratite).
  • Blefaroespasmo e Espasmos hemifaciais

O blefaroespasmo e o espasmo hemifacial, são doenças do sistema nervoso que provocam contrações involuntárias e frequentes dos músculos em torno dos olhos. Nestes casos, os tremores podem acometer também os músculos ao redor da boca e do rosto.

O consumo excessivo de cafeína também pode causar tremor nos olhos, especialmente quando a pessoa toma 6 xícaras de café por dia ou mais.

Apesar de não ser tão comum, usar óculos com a graduação incorreta também favorece o tremor nas pálpebras devido ao esforço que é necessário fazer para conseguir enxergar.

Dormir pouco, menos de 6 horas por noite, é outra possível causa para os tremores nos olhos. O sono é fundamental para o descanso do corpo e da mente. Por isso, o cansaço causado pelas poucas horas de sono pode estar na origem do tremor nas pálpebras ou nos olhos.

Qual o tratamento para tremor nos olhos?

Quando o tremor nos olhos ocorre, não há muito o que fazer para cessar os espasmos musculares. É necessário esperar que a musculatura relaxe e retome o seu funcionamento normal. Fechar os olhos por alguns segundos ou aplicar uma compressa fria pode ajudar a diminuir o tremor nos olhos.

Quando o tremor é esporádico, não é preciso nenhum tratamento específico. No entanto, é necessário identificar a causa desse tremor.

Nos casos de blefaroespasmo e espasmo hemifacial, os tremores chegam a ser tão intensos e constantes que limitam muito a vida do paciente e precisam de tratamento, que pode ser feito com aplicação de toxina botulínica tipo A (botox®).

O tremor nos olhos pode durar alguns minutos, mas em alguns casos pode permanecer durante dias ou semanas, desaparecendo depois por longos períodos. Na grande maioria das pessoas, o tremor nos olhos desaparece sem que a pessoa note, mas ele também pode ser persistente e causar grande incômodo.

Apesar do tremor nos olhos parecer muito intenso, ele raramente é notado pelas outras pessoas, já que o músculo que se contrai é muito fino.

O mais indicado é consultar um médico oftalmologista para que sejam despistadas possíveis doenças oculares ou neurológicas e a causa do tremor no olho seja identificada.

Pode lhe interessar também:

O que são espasmos musculares e quais as causas?

Botox: como funciona e quais os efeitos colaterais?

Como saber se os batimentos cardíacos estão normais?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A frequência cardíaca normal, em repouso, varia entre 60 e 100 batimentos por minuto (bpm). Quando os batimentos cardíacos estão acelerados, acima de 100 bpm, a pessoa está com taquicardia. Uma frequência cardíaca baixa, inferior a 60 bpm, é considerada bradicardia.

Para saber se os seus batimentos cardíacos estão normais, basta medir a sua pulsação. Para isso, você deve permanecer em repouso, de preferência deitado, durante pelo menos 5 minutos. Depois, ainda deitado, coloque as pontas dos dedos indicador, médio e anelar logo abaixo do pulso, na base do polegar.

Pressione ou movimente os dedos para os lados, até sentir a pulsação. Use um relógio ou cronômetro para marcar o tempo e observe quantas vezes o seu coração bate durante 1 minuto.

Vale lembrar que contar as pulsações por 15 segundos e depois multiplicar por 4 para obter o número de batimentos cardíacos por minuto pode dar um resultado que não condiz com a realidade, pois a pulsação nem sempre é regular e pode oscilar.

Que fatores influenciam os batimentos cardíacos?

A frequência cardíaca varia conforme a idade e o condicionamento físico. Quanto menor a idade, maior a frequência cardíaca. Em geral, pessoas adultas sedentárias têm uma frequência cardíaca entre 70 a 100 batimentos por minuto, enquanto que aquelas bem condicionadas fisicamente podem apresentar uma frequência cardíaca de 50 bpm ou ainda menos.

Isso indica que o coração de um indivíduo que pratica exercícios físicos regularmente é mais eficiente para bombear o sangue e, por isso, trabalha menos.

O coração é um órgão musculoso e fica mais forte com a prática regular de atividade física. Logo, não precisa bater tantas vezes para levar o sangue para o resto do corpo, pois os seus batimentos são fortes e eficientes.

O coração de uma pessoa sedentária é mais fraco e, por isso, precisa bater mais vezes para conseguir bombear o sangue.

Ter uma frequência cardíaca de repouso baixa protege o coração, pois menos batimentos por minuto significa menos desgaste com o passar do tempo. Essa é uma das razões por que a prática regular de exercícios físicos ajuda a prevenir doenças cardiovasculares.

O que pode deixar o batimento cardíaco alto?

Os batimentos cardíacos podem ficar com valores mais altos em várias situações e condições. É normal o coração ficar acelerado ao praticar exercício físico ou diante de emoções fortes, por exemplo.

Porém, em repouso, a frequência cardíaca considerada normal não deve ser superior a 100 bpm. Se isso ocorrer sem um motivo aparente, precisa ser investigado. O aumento da frequência cardíaca para valores acima 100 bpm é denominada taquicardia.

As principais causas do aumento da frequência cardíaca incluem: doenças cardíacas (arritmias), ansiedade, estresse, fatores genéticos, consumo de cafeína, bebidas alcoólicas e cigarro, hipertireoidismo, doenças reumáticas, processos infecciosos, febre, hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue), desidratação, anemia e uso de certos medicamentos.

Quais as causas de batimentos cardíacos baixos?

A frequência cardíaca é considerada baixa se estiver abaixo de 60 bpm. Essa diminuição dos batimentos cardíacos pode ter várias causas e é denominada bradicardia.

Em casos específicos, os batimentos cardíacos baixos são considerados normais. É o que acontece com pessoas que têm um bom condicionamento físico, por exemplo, que podem ter uma frequência cardíaca de apenas 50 bpm ou ainda mais baixa.

O coração dessas pessoas é mais eficiente, por isso precisa bater menos vezes para bombear o sangue para o resto do corpo.

Porém, em outros casos, os batimentos cardíacos baixos podem ter como causas: arritmia cardíaca, hipotireoidismo, doença de Lyme, febre tifoide, hipotermia (temperatura corporal abaixo de 35ºC), níveis altos de potássio no sangue, uso de drogas ou certos medicamentos.

Quando os batimentos cardíacos estão baixos, a pessoa pode sentir tontura, fraqueza e até desmaiar devido ao pouco oxigênio que chega às células do corpo e cérebro.

Consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou cardiologista se verificar que a sua frequência cardíaca de repouso está acima ou abaixo dos valores considerados normais. Tanto a taquicardia como a bradicardia podem ser um sinal de arritmia cardíaca e precisam ser investigadas.