Sintomas

Dor na nuca, o que pode ser?

Dor na nuca pode ter várias causas, sendo que as mais comuns são tensão muscular e pressão alta (hipertensão arterial). Pode também ser um sintoma de doença neurológica, como a meningite, mas nesse caso, geralmente aparece acompanhada de outros sinais e sintomas como enjoos, vômitos e febre.

A tensão muscular resulta de vários fatores como má postura, contração muscular por estresse ou esforços físicos. Nesse caso, a dor pode irradiar para outras regiões do corpo como a cabeça, ombros e braços. O seu tratamento baseia-se na correção da postura, na realização de exercícios físicos adequados ao problema, redução do estresse e uso de analgésicos e relaxantes musculares.

Outra causa para a dor na nuca é a elevação repentina da pressão arterial (hipertensão arterial sistêmica). No entanto, a maioria das pessoas com pressão alta não apresenta nenhum sintoma, porque à medida que os níveis de pressão sobem, no decorrer do tempo, o organismo tende à adaptar-se à essa situação, levando à alterações no funcionamento de vários órgãos, mas sem causar dor ou outras queixas.

A hipertensão arterial não tem cura mas tem tratamento, que deve ser feito sem interrupções e durante a vida toda, de forma a evitar complicações cardiovasculares e renais 

Algumas medidas para o tratamento e controle da hipertensão arterial:

  • manter uma alimentação saudável com frutas, verduras e fibras, evitando alimentos industrializados, gordurosos e muito calóricos,
  • reduzir a ingestão de sal e de bebidas alcoólicas,
  • praticar atividades atividades físicas regulares, 30 minutos diários, 5 dias por semana, com orientação médica,
  • tomar os medicamentos prescritos sempre, mesmo quando a pressão estiver boa,
  • procurar reduzir o nível de estresse, mudando hábitos de vida e com o auxílio de atividades ou técnicas para esse fim,
  • manter o peso adequado à altura,
  • realizar técnica de respiração lenta, com 10 respirações por minuto durante 15 minutos por dia,
  • não fumar.

O clínico geral pode diagnosticar e orientar o tratamento para a dor na nuca.

Dr. Ivan Ferreira
Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?

A vontade de urinar a toda hora pode decorrer de uma série de motivos, nem sempre é sinal de doença. É importante diferenciar três conceitos:

  • Poliúria: nome dado ao excesso de produção de urina (mais de 2,5 litros por dia, quando o normal é de 1,2 a 1,5 litros por dia). Ocorre quando se bebe muito líquido, geralmente, ou na gravidez (o que é geralmente normal), mas pode ser um sintoma de doenças como diabetes (mellitus ou insipidus) e insuficiência renal não dialítica, ou efeito colateral de medicamentos (diuréticos).
  • Polaciúria: É o aumento da frequência do ato de urinar, mas em pequenas quantidades, ou seja, a pessoa vai várias vezes ao banheiro mas em cada uma das vezes urina pouco. Este é um sintoma característico da cistite (infecção urinária baixa) ou doenças da próstata, mas ocorre fisiologicamente na gravidez.
  • Nictúria: Quando a frequência de micções aumenta (o normal é não ir ao banheiro após dormir, ou ir no máximo uma vez). As causas são as mesma da polaciúria e da poliúria, e é extremamente comum em pessoas com doenças da próstata, ou com insuficiência cardíaca, cirrose ou outras doenças que causem edema (inchaço) nas pernas. Ao deitar, o edema é reabsorvido no sangue e esse excesso de água é então eliminado pelos rins.

Em caso de vontade de urinar a toda hora, portanto, deve ser procurado médico clínico geral, para investigação da causa e tratamento associado.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Corrimento marrom, o que pode ser?

O corrimento marrom pode ser causado por diversos motivos, entre eles infecção vaginal bacteriana (geralmente amarelado, mas pode ser marrom claro na vaginose bacteriana, porém quando é marrom escuro geralmente adquire esta cor por ter sangue em sua composição, o que pode indicar feridas sangrantes no colo do útero, paredes vaginais, tubas uterinas ou ser proveniente da própria parede uterina (alteração menstrual).

Infecções e outras doenças:

Grande parte dos corrimentos crônicos são causados por preservativos. O látex nas camisinhas pode provocar alergia em algumas mulheres, o que vai desregular o pH vaginal e criar um ambiente propício à proliferação de bactérias que causam a vaginose bacteriana. Produtos de higiene íntima (duchas vaginais) também são outro agente que provoca irritação. Duchas podem levar à destruição das bactérias benéficas (flora vaginal normal - bacilos de Doderlein) que impedem a proliferação de bactérias causadoras de doenças como as da vaginose. O uso de sabonetes, lubrificantes e cremes vaginais sem indicação do médico é outro fator que pode explicar corrimentos recorrentes.

Muitas mulheres desenvolvem alergia a uma substância química chamada propileno glicol, que a maioria dos produtos usa na sua composição. O ginecologista é o profissional indicado para prescrever o tratamento médico adequado e ele pode observar eventuais reações.

Mas nos casos de infecção bacteriana vaginal, normalmente outros sintomas acompanham o corrimento, como:

  • ardência;
  • cheiro forte e desagradável;
  • inchaço;
  • prurido (coceira);
  • vermelhidão.

Pode ser decorrente de doença inflamatória pélvica (DIP), muito mais grave e pode necessitar de internação hospitalar para tratamento, ou ainda câncer do colo do útero, câncer de endométrio, pólipos ou miomas uterinos, endometrite, outras doenças sexualmente transmissíveis como a gonorréia.

Relações sexuais:

Como dito inicialmente, o corrimento marrom escuro geralmente indica sangramento em algum local do aparelho reprodutor. O sangramento pode ser oriundo da própria parede vaginal ou do colo do útero, como consequência de relações sexuais intensas ou repetidas.

Gravidez:

Nas primeiras 12 semanas de gestação, algumas mulheres podem apresentar secreção vaginal marrom. Esse pequeno sangramento pode se originar da implantação do embrião na parede uterina (nidação). Neste caso o sangramento é semelhante à menstruação, mas em pequena quantidade, de coloração mais clara e dura poucos dias.

A vagina fica mais sensível durante a gravidez, podendo sangrar mais facilmente durante relações sexuais ou exames ginecológicos. Além disso, aumenta a chance de infecções neste período. Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente, pois pode também significar algo mais grave, como por exemplo perda sanguínea decorrente de  gravidez ectópica com rotura de tuba uterina (acompanhada de fortes dores abdominais em cólica), aborto (ou ameaça de aborto), placenta prévia, descolamento prematuro de placenta, rotura de vasa prévia, entre outras causas.

Menstruação:

Pode ocorrer eliminação de um corrimento marrom após a menstruação, geralmente decorrentes de restos da menstruação que a mucosa uterina não conseguiu eliminar totalmente (escape menstrual, por alterações hormonais), mesmo depois de dias do término do fluxo. Também costumam ocorrer nas primeiras menstruações da adolescência.

Menopausa:

A menopausa também pode desencadear um corrimento marrom escuro, em raros casos, pois a diminuição dos hormônios característicos da menacme (período fértil da mulher, da primeira à última menstruação) pode ressecar a mucosa e irritar a área genital, inclusive causando coceira. Pode ocorrer também na pré-menopausa.

Em caso de corrimento, de qualquer cor ou tipo, um médico ginecologista deve ser consultado para avaliação e tratamento adequado.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Formigamento nas mãos, o que pode ser?

A sensação de formigamento nas mãos é causada pela compressão de um nervo ou pela má circulação sanguínea em determinada região do corpo. Sendo assim, todas as condições que causem essas situações podem levar a esse sintoma.

Ele pode ser um sintoma normal, causado apenas por má postura, ou por exemplo quando dormimos sobre o braço e, com isso, comprimimos os nervos e os vasos sanguíneos, prejudicando a circulação local, mas também pode ser sintoma de problemas mais sérios.

Entre as doenças relacionadas à compressão de nervos, a mais conhecida é a síndrome do túnel do carpo, que acontece principalmente em mulheres por volta dos 40 anos de idade, mas pode aparecer também em homens e pessoas mais jovens. Está relacionada à compressão dos nervos do punho. Essa compressão pode aparecer por inchaço do punho, que pode ocorrer no período da menopausa, durante a gravidez, no hipotireoidismo ou por consequência de traumas (pancadas) na região.

Leia também: Mãos inchadas: o que pode ser e o que fazer?

Cada vez mais frequente nos dias atuais, é a compressão causada por esforços repetitivos, em especial nas pessoas que utilizam demais os dedos para trabalhar, como por exemplo quem trabalha com computador e pianistas.

Doenças inflamatórias crônicas como a artrite reumatoide e o uso de alguns medicamentos também podem favorecer ao aparecimento dessa síndrome.

Outra situação de compressão nervosa não relacionada ao túnel do carpo é a hérnia de disco. Nesse caso, a raiz do nervo, que é localizada na coluna vertebral, acaba sendo "beliscada" pelos ossos vertebrais toda vez que o indivíduo vira o pescoço ou fica em determinada posição. Esse "beliscão" pode ser sentido como um formigamento intenso e súbito, que melhora quando o corpo volta à posição anterior.

Com relação à alteração da circulação, doenças como hipertensão, diabetes e outras que causem vasculite (doença dos vasos sanguíneos) podem levar ao sintoma.

E existem também as chamadas causas centrais, em que o sintoma é provocado por alterações no cérebro, e embora sejam mais raras também devem ser pensadas no momento do diagnóstico.

Por fim, formigamentos de início súbito, especialmente quando associados a outros sintomas também de início súbito, como dor no peito, fraqueza, alterações visuais, alterações da fala, alterações de comportamento, dificuldade para andar, desmaio entre outros, pode ser sinal de infarto ou AVC (derrame). Nesse caso, um pronto-socorro deve ser procurado imediatamente.

Em todo caso, para ter o diagnóstico mais preciso em cada situação, é fundamental procurar um clínico geral ou médico do trabalho, para que os exames sejam feitos e os tratamentos mais adequados sejam indicados.

Dr. Gabriel Soledade
Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça. Posso estar grávida?

Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza e dor de cabeça não são propriamente sintomas de gravidez. Até porque, se não houve penetração e o seu namorado estava de cueca e você com short e calcinha, as chances de você estar grávida são praticamente nulas, mesmo que tenha havido ejaculação.

Se tudo aconteceu da maneira como você disse, é quase impossível que os espermatozoides tenham conseguido chegar até ao canal vaginal para poder gerar uma gravidez. 

Além disso, os primeiros sintomas de gravidez não surgem dois dias depois da relação, mas a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação. O primeiro deles é o atraso da menstruação, que vem acompanhado de:

  • Mamas doloridas e inchadas;
  • Escurecimento dos mamilos;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Náuseas e vômitos;
  • Cansaço;
  • Sonolência.

Veja aqui com quantos dias aparecem os sintomas de gravidez.

Procure um/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família se esses sintomas não passarem, pois eles devem ter outra causa que precisa ser diagnosticada.

Saiba mais em: Sintomas de Gravidez

Dra. Nicole Geovana
Dor no maxilar ao abrir a boca e ao mastigar, o que pode ser?

Dor no maxilar ao abrir a boca e ao mastigar pode ter como primeira hipótese diagnóstica distúrbios da articulação temporomandibular (DATM), mas pode ocorrer devido a várias causas, tais como neuralgia do trigêmeo, fibromialgia, sinusite, mastoidite, otite, etc.

Discutiremos aqui os DATM, causa mais comum dos sintomas mencionados, para não tornar a resposta muito ampla, mas é fundamental consultar um médico para que ele possa, através de sua história detalhada, exame físico e complementares (quando necessários), determinar a causa exata da sua dor.

O profissional mais habilitado a tratar estes distúrbios (quando corretamente diagnosticados) é o cirurgião-dentista com especialização em oclusão dentária que trata adequadamente cada causa específica.

Causas

As principais causas dos DATM são aquelas que alteram os músculos faciais, espasmos nos músculos mastigatórios desencadeados por tensão ou estresse, depressão e ansiedade, artrites ou fixações na articulação temporomandibular, traumatismos na mandíbula, má oclusão dentária (mordida com defeitos), bruxismo (ranger dos dentes ao dormir), morder objetos estranhos, roer unhas, mastigar chicletes em excesso, tumores e problemas de crescimento na mandíbula.

Sintomas

Os principais sinais e sintomas (não é preciso que todos estejam presentes) compreendem principalmente dor facial (que piora ou só aparece ao abrir e fechar a boca, seja falando, bocejando ou ao se alimentar, que pode espalhar para qualquer lugar da face, ouvido, pescoço ou nuca), dificuldade para abrir a boca (com contraturas musculares e calcificações articulares), som de estalido ou rangido ao morder, sensação de mordida torta ou cruzada, desvio da mandíbula para um dos lados, edema (inchaço) em face, otalgia (dor no ouvido), surdez momentânea, vertigem ou zumbidos, ouvido "tampado" e perturbações visuais, além de cefaleias frequentes (dor de cabeça). Desse modo, o otorrinolaringologista é, frequentemente procurado, devendo estar familiarizado com o diagnóstico e tratamento.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por um médico ou cirurgião dentista que palpa, observa e ouve a movimentação da mandíbula; sente o estado das articulações, dos músculos, dos ligamentos, a oclusão dos dentes (a mordida e correta coaptação das arcadas dentárias superiores e inferiores). São feitas perguntas ao paciente em busca de informações que possam ser a causa da dor e de outros sintomas, tais como traumas, hábitos orais, tratamentos médicos e dentais prévios. ​Podem ser solicitados exames de imagem da mandíbula e da movimentação da articulação em estágios variados (abertura total, média e fechamento total). Foram desenvolvidas uma variedade de outras técnicas para diagnosticar DATM, inclusive para localizar as contrações musculares, chamada de eletromiografia de superfície, sonografia (SonoPak), termografia e cinesiografia. São exames que detalham com precisão as estruturas afetadas.​

Tratamento

O tratamento é inicialmente clínico; apenas em casos mais graves ou não responsivos à terapia conservadora deve-se recorrer a técnicas cirúrgicas. Os objetivos do tratamento são reduzir a dor, restabelecer função mandibular confortável, limitar a recorrência da dor e restabelecer o padrão de vida normal, o mais rapidamente possível.

Inicialmente, na fase aguda, pode-se utilizar analgésicos simples e aplicação de bolsas de água quente com massagens na região afetada. Também é importante evitar dietas que demandem mastigação excessiva (carnes) ou abrir muito a boca (maçãs inteiras, por exemplo). Alguns pacientes podem precisar de antidepressivos, anticonvulsivantes ou analgésicos mais potentes (mas sempre deve-se começar o tratamento com os analgésicos mais fracos, e ir subindo gradualmente de intensidade se não houver melhora dos sintomas). Há evidências de que técnicas de relaxamento diminuem o sofrimento em casos de dor crônica. Respire lenta e profundamente, enrijeça e relaxe seus músculos alternadamente. A ioga e/ou hipnose são úteis para algumas pessoas.

Em casos mais graves, existem as seguintes opções:

  • Terapia de aplicação ortopédica (placa estabilizadora);
  • Terapia oclusal (ortodontia, reabilitação oral, etc...);
  • Correção de problemas dentários;
  • Cirurgia

Em caso de dor no maxilar ao abrir a boca e mastigar, um médico deverá ser consultado para avaliação, tratamento e/ou encaminhamento a um cirurgião bucomaxilofacial ou otorrinolaringologista, se necessário (distúrbios da ATM).

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Coceira no corpo, o que pode ser e o que fazer?

Coceira no corpo pode ser causada por diversas doenças, que vão desde alergias a tumores no fígado, passando por seborreia e micoses. Regra geral, o que se deve fazer é evitar coçar muito o local para evitar lesões e infecções. Dependendo do local do corpo que a coceira aparece, é possível saber o que pode ser:

  • Cabeça: Caspa;
  • Olhos: Conjuntivite ou blefarite (caspa ocular);
  • Lóbulo a orelha: Alergia ao brinco de bijuteria ou prata;
  • Abaixo da nuca: Alergia à etiqueta da roupa;
  • Axilas: Alergia ao desodorante;
  • Virilha: Micose;
  • Genitais: infecções, doenças sexualmente transmissíveis, alergias;
  • Corpo todo: Urticária ou dermatite atópica;
  • Dentro ou atrás da orelha: Dermatite seborreica;
  • Nariz: Rinite;
  • Pescoço e pálpebra superior: Alergia ao esmalte da unha;
  • Lateral do abdômen: pele seca;
  • Mãos: Alergia ao detergente ou sabão (veja mais em: Coceira nas mãos: o que pode ser e o que fazer?);
  • Pés: micose (leia também: Coceira nos pés: o que pode ser e o que fazer?).

Causas comuns de coceira no corpo:

  • Dermatites: Caracterizam-se pelo aparecimento de manchas avermelhadas que descamam e coçam, podendo ter evolução crônica. Pode ser causada por produtos de limpeza, higiene pessoal e beleza, substâncias químicas, efeito secundário de algum medicamento, entre outros;
  • Escabiose ("sarna"): Geralmente provoca coceira à noite, principalmente no abdômen, parte interna dos braços, área genital e coxas. A doença é causada por um ácaro que pode facilmente ser transmitido através do uso comum de roupas de cama e roupas, embora o contato sexual seja o seu principal meio de disseminação;
  • Urticária: Caracteriza-se pelo aparecimento repentino de placas avermelhadas e elevadas na pele. Pode ter diversas causas, sendo que alguns medicamentos estão entre as principais;
  • Ansiedade e/ou estresse: Coceira generalizada pode ser sinal de ansiedade ou estresse severos, capazes de levar o indivíduo a ideias suicidas;
  • Alimentação: A coceira nestes casos é mais rara, com características semelhantes à urticária. O consumo de camarão está entre suas principais causas;
  • Picada de inseto: A picada de determinados insetos pode levar ao surgimento de bolinhas avermelhadas na pele que geralmente coçam muito;
  • Doenças mais graves: Dengue, catapora, viroses, hepatites B e C e até infecção pelo HIV podem causar erupções na pele que provocam coceira.

Se estiver com coceira no corpo, o que deve fazer é procurar o/a médico/a dermatologista, médico/a de família ou clínico/a geral para que seja feito um diagnóstico das causas, seguido por um tratamento adequado.

Dra. Nicole Geovana
Olhos inchados: quais as causas e tratamento?

Os olhos (na verdade, geralmente as pálpebras) podem ficar inchados por diversos motivos, quando estão inflamadas, quando a inflamação ocorre no(s) olho(s), ou quando há um excesso de fluidos (edemas) nos tecidos conjuntivos em torno dos olhos. Este inchaço pode ser doloroso ou não e afetar os olhos, as pálpebras superiores e as inferiores. A inflamação pode ser devida a:

  • Infecções: como por exemplo conjuntivites - a conjuntivite é uma inflamação da mucosa clara da superfície do olho, a conjuntiva. Podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos (mais raramente) ou serem alérgicas (vide abaixo, "alergias"). Resultam em inchaço das pálpebras, dentre outros sintomas, como olhos lacrimejantes, vermelhos e coceira. Já no hordéolo, popularmente conhecido como "terçol", ocorre uma infecção bacteriana seguida de inflamação nos folículos ciliares (hordéolo externo) ou glândulas de Zeiss (hordéolo interno). O inchaço na pálpebra é um frequente quando essas glândulas ficam bloqueadas. Um terçol pode deixar toda a pálpebra inchada, tornando-a sensível ao toque também.
  • Blefarite: é uma inflamação, infecciosa ou não, das pálpebras, geralmente causada pela produção excessiva de uma camada lipídica gerada por uma glândula encontrada na pálpebra. A blefarite é caracterizada por pálpebras inchadas e dolorosas e podem ser acompanhadas por caspa, mudanças na pele da pálpebra e perda dos cílios. Geralmente é uma condição crônica, ou seja, é possível controlar os sintomas com o tratamento adequado e práticas de higiene rígidas, mas ela nunca é curada totalmente;
  • Lesões oculares: qualquer trauma na área dos olhos, incluindo uma contusão na pálpebra ou um trauma causado por uma cirurgia plástica (blefaroplastia) pode provocar inflamação e inchaço nos olhos;
  • Corpos estranhos / produtos irritantes: Também podem causar irritação nos olhos, com inchaço local. Incluem solventes de limpeza doméstica, produtos de higiene pessoal (maquiagem, hidratantes, shampoo e sabonete), cloro da piscina, serragem, fagulhas, pequenos insetos, etc;
  • Uso de lentes de contato: uso inadequados de lentes de contato - lentes mal higienizadas, nadar com lentes de contato ou guardar a lente num estojo sujo - podem causar uma infecção nos olhos e inchaço nas pálpebras. Usar lentes de contato vencidas, danificadas ou dormir e esquecer de retirar as lentes também pode irritar os olhos e causar o inchaço;
  • Alergias: ocorrem quando o sistema imunológico reage exageradamente a uma substância estranha, chamada de alérgeno, liberando produtos químicos (o mais comum, a histamina). Trata-se de uma tentativa 'exagerada' do organismo se defender de uma substância à qual se sensibilizou, mesmo que esta seja inócua. Os vasos sanguíneos se dilatam sob efeito da histamina, provocando vermelhidão e edema (inchaço). Pólen, poeira, pelos de animais, alguns colírios e soluções para lentes de contato são alguns dos alérgenos oculares mais comuns (leia também: O que fazer em caso de reação alérgica?);
  • Insuficiência renal: neste caso, ocorre retenção de líquidos devido à perda de função dos rins, que não conseguem eliminar o líquido do corpo com a mesma eficiência. O inchaço nas pálpebras pode expandir-se para todo o rosto e é mais evidente de manhã, logo ao acordar.
  • Problemas de saúde mais graves: celulite orbitária, doença de Graves, insuficiência renal ou herpes ocular.
    • Celulite orbitária: infecção bacteriana rara e grave dos tecidos ao redor do olho, resultando em inchaço doloroso da pálpebra superior e inferior, e, eventualmente, da sobrancelha e da bochecha. Os sintomas podem ainda incluir olhos saltados, redução da visão, febre e dor, quando a pessoa move os olhos. A celulite orbitária é uma emergência médica e necessita ser tratada rapidamente para evitar a lesão do nervo óptico e a perda permanente da visão, além de outras complicações graves. Se a infecção estiver limitada ao tecido mole das pálpebras, ela é menos grave do que a celulite orbital e pode muitas vezes ser tratada com medicamentos tópicos, sem necessidade de hospitalização.
    • Doença de Graves: distúrbio ocular causado por uma tireoide hiperativa (hipertireoidismo), muitas vezes associado a inchaço, pálpebras inchadas, exoftalmia (olhos saltados), visão dupla e pálpebras caídas (ptose).
    • Herpes ocular: transmitida pelo vírus herpes simples comum, a herpes ocular é por vezes apelidada de "afta do olho" e causa inflamação (e às vezes cicatrizes) na córnea. Os sintomas podem ser parecidos com os da conjuntivite, embora possam aparecer feridas dolorosas na pálpebra, visão embaçada devido à opacidade da córnea e inchaço nos olhos, que obstruem a visão. Pode ir desde uma infecção ligeira a uma forma mais grave que pode levar ao transplante da córnea ou ainda em perda de visão.
Tratamento de Olhos inchados

O tratamento das pálpebras inchadas depende da sua causa. Se os olhos estão inchados devido a alergias, colírios anti-histamínicos ou medicamentos de alergia oral, o uso de lubrificantes pode ajudar a aliviar os sintomas. O oftalmologista poderá também prescrever colírios esteroides suaves para reações alérgicas mais graves. Outras causas, como infecções, conjuntivite ou herpes ocular respondem bem a antibióticos, colírios antivirais e a pomadas oculares anti-inflamatórios, dependendo da doença. Crises mais leves de inchaço podem ser tratadas em casa.

Em primeiro lugar, a pessoa deve evitar esfregar os olhos para não agravar ainda mais a sua condição. Além disso, o uso de lentes de contato deve ser suspenso até que o inchaço passe.

A aplicação de uma compressa fria pode reduzir o inchaço das pálpebras, assim como compressas de água fria nas pálpebras fechadas. Porém, se os sintomas persistirem ou piorarem, ou se o indivíduo sentir qualquer dor no olho, deve consultar o oftalmologista imediatamente.

Em caso de olhos inchados, um médico (preferencialmente um oftalmologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento, caso a caso.

Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues