Perguntar
Fechar
Faz quatro dias meu olho direito fica tremendo, o que será?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Olho tremendo ou tremor nos olhos é na realidade um tremor nas pálpebras e não do olho em si. Chama-se mioclonia e trata-se de um tremor involuntário das pálpebras que pode ocorrer sem um motivo aparente, mas que pode indicar também alguma doença nos olhos ou nos nervos da face.

O tremor acontece no músculo palpebral ou no músculo orbicular (ao redor dos olhos) e geralmente é benigno, ou seja, não é sinal de nenhuma doença. Às vezes, o tremor nos olhos pode vir acompanhado de dormência.

Tremor nos olhos pode ser estresse?

Em geral, o tremor nos olhos ocorre devido ao estresse e os sintomas nesses casos permanecem enquanto durar o fator que está desencadeando o estresse, que pode ser o cansaço físico e mental, a ansiedade, problemas financeiros, entre outros.

O estresse aumenta a secreção de hormônios no sistema nervoso autônomo que causam os tremores, como o cortisol e a adrenalina.

Quando esses hormônios caem na circulação sanguínea, chegam aos músculos e aos nervos que os estimulam, gerando contrações rápidas e involuntárias (espasmos) e, consequentemente, o tremor.

Normalmente, os músculos e as terminações nervosas menores são os mais afetados, como os músculos das pálpebras e dos olhos. Daí o estresse ser uma causa tão comum de tremor nos olhos.

Quais as causas de tremor nos olhos?

Apesar do estresse ser uma das principais causas de tremor nos olhos, há várias doenças oftalmológicas que podem causar tremores nas pálpebras ou nos olhos, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, devido ao esforço realizado pelos músculos oculares. Olhos secos e retinopatia também estão entre os distúrbios oculares que podem causar tremores.

As principais causas de tremor nos olhos, são:

  • Muito cansaço;
  • Nervosismo, ansiedade, estresse;
  • Consumo de café e outras bebidas com cafeína em excesso;
  • Falta de vitaminas e minerais, como o potássio;
  • Uso de óculos com grau errado;
  • Ponto solto após uma cirurgia nos olhos.
  • Doenças oculares (olho seco, alergia ocular, ceratite).
  • Blefaroespasmo e Espasmos hemifaciais

O blefaroespasmo e o espasmo hemifacial, são doenças do sistema nervoso que provocam contrações involuntárias e frequentes dos músculos em torno dos olhos. Nestes casos, os tremores podem acometer também os músculos ao redor da boca e do rosto.

O consumo excessivo de cafeína também pode causar tremor nos olhos, especialmente quando a pessoa toma 6 xícaras de café por dia ou mais.

Apesar de não ser tão comum, usar óculos com a graduação incorreta também favorece o tremor nas pálpebras devido ao esforço que é necessário fazer para conseguir enxergar.

Dormir pouco, menos de 6 horas por noite, é outra possível causa para os tremores nos olhos. O sono é fundamental para o descanso do corpo e da mente. Por isso, o cansaço causado pelas poucas horas de sono pode estar na origem do tremor nas pálpebras ou nos olhos.

Qual o tratamento para tremor nos olhos?

Quando o tremor nos olhos ocorre, não há muito o que fazer para cessar os espasmos musculares. É necessário esperar que a musculatura relaxe e retome o seu funcionamento normal. Fechar os olhos por alguns segundos ou aplicar uma compressa fria pode ajudar a diminuir o tremor nos olhos.

Quando o tremor é esporádico, não é preciso nenhum tratamento específico. No entanto, é necessário identificar a causa desse tremor.

Nos casos de blefaroespasmo e espasmo hemifacial, os tremores chegam a ser tão intensos e constantes que limitam muito a vida do paciente e precisam de tratamento, que pode ser feito com aplicação de toxina botulínica tipo A (botox®).

O tremor nos olhos pode durar alguns minutos, mas em alguns casos pode permanecer durante dias ou semanas, desaparecendo depois por longos períodos. Na grande maioria das pessoas, o tremor nos olhos desaparece sem que a pessoa note, mas ele também pode ser persistente e causar grande incômodo.

Apesar do tremor nos olhos parecer muito intenso, ele raramente é notado pelas outras pessoas, já que o músculo que se contrai é muito fino.

O mais indicado é consultar um médico oftalmologista para que sejam despistadas possíveis doenças oculares ou neurológicas e a causa do tremor no olho seja identificada.

Pode lhe interessar também:

Formigamento nas mãos, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A sensação de formigamento nas mãos pode ser causada por diversas doenças ou condições, como:

  • Compressão dos nervos mediano ou ulnar
  • Má circulação sanguínea
  • Acidente vascular cerebral (AVC) - "derrame"
  • Ansiedade e depressão
  • Doenças da coluna cervical - Hérnia de disco
  • Siringomielia
  • Síndrome do desfiladeiro torácico
  • Tumor
  • Artrite reumatoide
  • Neurite, polineurites
  • Hanseníase
  • Obesidade
  • Infecções
  • Esclerose múltipla
  • Gravidez
  • Efeitos colaterais de medicamentos.
Compressão de nervo

Uma das causas mais comuns de formigamento nas mãos é pela compressão do nervo mediano ou nervo ulnar, responsáveis pela inervação da mão. O uso excessivo das mãos, como trabalhos manuais, digitação, entre outras, é uma causa comum. A compressão prolongada da região, por exemplo quando adormecemos por cima do braço ou da mão, também podem causar esse sintoma.

O tratamento varia de acordo com a causa, se for um sintoma passageiro, como devido a compressão prolongada, a melhora é espontânea aliviando a pressão.

Quando a causa for uma compressão fixa, por uso contínuo, levando a chamada Síndrome do túnel do carpo, pode ser tratada com fisioterapia ou cirurgia.

Síndrome do túnel do carpo

Entre as doenças relacionadas à compressão de nervos, a mais conhecida é a síndrome do túnel do carpo, que acontece principalmente em mulheres por volta dos 40 anos de idade, mas pode aparecer também em homens e pessoas mais jovens. Está relacionada à compressão dos nervos do punho.

Essa compressão pode aparecer por inchaço do punho, que pode ocorrer no período da menopausa, durante a gravidez, no hipotireoidismo ou por consequência de traumas (pancadas) ou compressão na região.

Compressão do nervo ulnar

O nervo ulnar é responsável pela inervação da face medial da mão. O nervo segue o trajeto do osso ulnar do antebraço. Esse nervo é bem superficial na região do cotovelo, sendo ele o responsável pela sensação de "choque" ao bater com o cotovelo.

O formigamento e a dormência nas mãos também podem surgir ao ficar apoiado sobre o cotovelo fletido. Nesses casos, o formigamento costuma ocorrer nos dedos mínimo ou anelar.

LER - Lesão por esforços repetitivos

A compressão causada por esforços repetitivos é muito frequente, em especial nas pessoas que utilizam demais os dedos para trabalhar, como por exemplo quem trabalha com computador e pianistas.

Má circulação sanguínea

Com relação à alteração da circulação, doenças como hipertensão, diabetes e outras doenças crônicas, costumam causar inflamação nos vasos, a vasculite, podendo levar ao sintoma.

A diminuição do fluxo sanguíneo no local pode causar formigamento, dor, mudança na cor dos dedos, que ficam mais pálidos devido à diminuição da irrigação sanguínea.

AVC - Acidente Vascular Cerebral (“derrame”)

Formigamentos de início súbito, especialmente quando associados a outros sintomas também de início súbito, como dor no peito, fraqueza, alterações visuais, alterações da fala, alterações de comportamento, dificuldade para andar, desmaio entre outros, pode ser sinal de infarto ou AVC (derrame). Nesse caso, um pronto-socorro deve ser procurado imediatamente.

Ansiedade e Depressão

Durante as crises de ansiedade e depressão, neurotransmissores são liberados, levando a diversos sintomas adrenérgicos, sendo um deles o formigamento nas mãos, na face, entre outras localizações.

Doença na coluna cervical - Hérnia de disco

Outra situação de compressão nervosa não relacionada ao túnel do carpo é a hérnia de disco. Nesse caso, a raiz do nervo, que é localizada na coluna vertebral, acaba sendo "beliscada" pelos ossos vertebrais toda vez que o indivíduo vira o pescoço ou fica em determinada posição. Esse "beliscão" pode ser sentido como um formigamento intenso e súbito, que melhora quando o corpo volta à posição anterior.

O pinçamento da raiz nervosa também pode ocorrer em casos de bico-de-papagaio e tensão muscular.

Doenças inflamatórias e medicamentos

Doenças inflamatórias crônicas como a artrite reumatoide e o uso de alguns medicamentos também podem favorecer ao aparecimento desse sintoma.

O que fazer em caso de formigamento nas mãos?

Para tratar o formigamento nas mãos, é necessário identificar a causa, que, na maioria dos casos, é provocada por compressão nervosa. O tratamento nesses casos pode ser feito através de cirurgia para aliviar a pressão no nervo, além de medicamentos anti-inflamatórios. A fisioterapia pode ser indicada em alguns casos.

Se o formigamento for causado por tensão muscular, bico de papagaio ou hérnia de disco, o formigamento pode ser aliviado com exercícios de alongamento para o pescoço. Ao alongar a musculatura cervical, a pressão sobre os discos intervertebrais diminui, aliviando a compressão da raiz nervosa e, consequentemente, o formigamento.

Alongamento para formigamento nas mãosExercício 1

1. Na posição sentada ou em pé, puxe a cabeça para o lado com uma das mãos, tentando encostar a orelha no ombro; 2. Mantenha a posição por 30 segundos; 3. Repita o mesmo movimento do lado oposto; 4. Repita os alongamentos até completar 3 séries (3 vezes de cada lado).

Exercício 2

1. Na posição sentada ou em pé, entrelace os dedos atrás da nuca e puxe a cabeça para frente, até encostar o queixo no peito; 2. Mantenha a posição por 30 segundos; 3. Repita o alongamento por 3 vezes.

Em todo caso, para ter o diagnóstico mais preciso em cada situação, é fundamental procurar um/a médico/a da família ou clínico/a geral para definir o tipo de tratamento mais adequado.

Leia também:

Dormência no rosto, o que pode ser?

Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça. Posso estar grávida?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza e dor de cabeça não são propriamente sintomas de gravidez. Até porque, se não houve penetração e o seu namorado estava de cueca e você com short e calcinha, as chances de você estar grávida são praticamente nulas, mesmo que tenha havido ejaculação.

Se tudo aconteceu da maneira como você disse, é quase impossível que os espermatozoides tenham conseguido chegar até ao canal vaginal para poder gerar uma gravidez.

Para haver possibilidade de gravidez, é necessário que ocorra penetração. Só assim pode haver a união do óvulo com o espermatozoide para ocorrer a concepção.

Além disso, os primeiros sintomas de gravidez não surgem dois dias depois da relação, mas a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação. O primeiro deles é o atraso da menstruação, que vem acompanhado de mamas doloridas e inchadas, escurecimento dos mamilos, aumento da frequência urinária, náuseas, vômitos, cansaço e sonolência.

Outros sinais e sintomas que podem surgir na gravidez incluem: mudanças de humor, inchaço, sangramento leve, cólicas, prisão de ventre, intolerância a certos alimentos e cheiros, desejos alimentares, dor de cabeça, dor nas costas, aumento ou diminuição da acne.

O sangramento de nidação, que ocorre no momento da implantação do embrião no útero, raramente é observado.

De qualquer maneira, embora a probabilidade de você estar grávida seja praticamente nula, espere pela menstruação. Se ela atrasar uma semana, faça um teste de gravidez. Contudo, é importante ressaltar que as chances de gravidez no seu caso são de praticamente 0%.

Procure um/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família se esses sintomas não passarem, pois eles devem ter outra causa que precisa ser diagnosticada.

O que pode ser dor de cabeça na nuca, enjoo e tontura?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor na nuca, enjoo e tontura são sintomas inespecíficos, que podem acontecer em diversas situações, desde situações específicas simples, como jejum prolongado, gravidez ou exposição solar por muito tempo, até doenças mais preocupantes, que geram riscos, como crise de hipertensão, doenças infecciosas, aneurisma, tumores, entre outras.

Portanto, no caso de sentir esses sintomas, mesmo que não seja frequente, os mesmos devem ser sempre investigados, evitando piora do quadro ou complicações.

Durante uma consulta médica, com adequada história clínica e exame físico, o profissional já será capaz de suspeitar de algumas situações, solicitando os exames propícios para definir o diagnóstico. Porém dentre as causas mais frequentes na nossa população, já podemos citar:

  • Hipertensão arterial, ou hipotensão arterial;
  • Diabete mellitus descompensado;
  • Gestação;
  • Jejum prolongado;
  • Desidratação;
  • Distúrbios visuais;
  • Cefaleia, crises de enxaqueca;
  • VPPB (vertigem posicional paroxística benigna);
  • Uso inadequado dos óculos de grau;
  • Meningite, aneurisma, tumores cerebrais, entre outros.

Se houver por exemplo, apenas dor de cabeça na nuca, enjoo e tontura, sem mais sintomas, e com história de enxaqueca na família, as hipóteses mais prováveis serão de cefaleia tensional ou migrânea (enxaqueca). Nessas duas primeiras possibilidades, a tontura e o enjoo costumam vir juntos com a dor.

No caso da tontura ser o sintoma mais incômodo, podemos pensar em doenças do labirinto, ou VPPB (vertigem posicional paroxística benigna).

Problemas de visão, como o uso inadequado de óculos, também é uma causa bem comum de dores de cabeça e enjoo, com a particularidade de ser mais frequente no final do dia, quando a vista já foi muito "forçada".

Contudo, a dor de cabeça, o enjoo e a tontura, quando associados a outros sintomas, como febre, mal-estar, vômitos, inapetência ou rigidez de nuca (dificuldade em encostar o queixo no peito), sinalizam maior gravidade, devendo ser descartado com urgência casos como meningite, aneurismas ou tumores cerebrais, condições que oferecem risco de morte ao paciente.

Portanto, para chegar a um diagnóstico, é fundamental uma boa avaliação médica com detalhada história clínica, exame médico e exames complementares.

Nesses casos, um/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família deve ser consultado.

Relembrando que nos casos de dor na nuca, enjoo e tontura, associados a febre, vômitos, inapetência, ou rigidez de nuca, deverá procurar um serviço de urgência imediatamente!

Pode lhe interessar também:

Sinto uma pulsação na minha barriga, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Uma pulsação na barriga pode ser apenas os batimentos cardíacos sentidos através da artéria aorta, mas também pode indicar um aneurisma nessa mesma artéria. Gravidez não provoca pulsação na barriga e, mesmo que a mulher esteja grávida, não é possível sentir o coração do bebê bater.

A artéria aorta é o principal vaso sanguíneo que sai do coração e atravessa o tórax e o abdômen (barriga). A porção abdominal da aorta é volumosa e pode ser facilmente sentida em pessoas magras. Daí a sensação de "pulsação na barriga".

Porém, existe um problema relacionado às artérias chamado aneurisma, em que o vaso sanguíneo fica dilatado e pode se romper, causando uma hemorragia interna que pode levar à morte.

Normalmente o aneurisma da aorta não causa sintomas, mas, quando estes aparecem, o paciente geralmente sente pulsação na barriga e dor na barriga ou nas costas. É importante lembrar que cerca de 75% dos casos de aneurisma da aorta ocorrem na porção abdominal.

Essa dilatação geralmente ocorre numa área mais frágil da parede da artéria, enfraquecida principalmente pela aterosclerose, o que faz com que a pressão sanguínea no interior da artéria provoque a protusão.

O aneurisma da aorta pode se romper a qualquer momento e quase sempre evolui para a ruptura, daí a importância de um diagnóstico precoce. Uma vez detectado, o tratamento do aneurisma é cirúrgico.

Em caso de sensação de pulsação na barriga, o mais indicado é procurar o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família para que o abdômen seja devidamente examinado e as causas sejam identificadas.

Para saber mais sobre tremores e pulsações na barriga, você pode ler:

5 causas de barriga tremendo e quando devo me preocupar

Referência

FBG. Federação Brasileira de Gastroenterologia.

Dor no maxilar ao abrir a boca e ao mastigar, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Dor no maxilar ao abrir a boca e ao mastigar tem como principal causa distúrbios da articulação temporomandibular (ATM), que é a articulação entre a mandíbula e o osso temporal da face. A dor no maxilar nesses casos pode se instalar subitamente ou progressivamente, com variações na intensidade e na frequência das crises durante meses ou anos.

Contudo, a dor no maxilar também pode ocorrer devido a várias causas, tais como neuralgia do trigêmeo, fibromialgia, sinusite, mastoidite, otite, entre outras.

Uma vez que os distúrbios da ATM são a principal origem das dores no maxilar, sobretudo ao abrir a boca e mastigar, serão a causa abordada adiante. Porém, é fundamental consultar um médico para determinar a causa exata da dor e receber o tratamento apropriado.

O profissional mais habilitado a tratar esses distúrbios é o cirurgião-dentista.

Quais as causas dos distúrbios da ATM?

As principais causas dos distúrbios da ATM são aquelas que alteram os músculos faciais, como espasmos nos músculos mastigatórios desencadeados por tensão, estresse, depressão e ansiedade, artrites ou fixações na articulação temporomandibular, traumatismos na mandíbula, má oclusão dentária (mordida com defeitos), bruxismo (ranger dos dentes), morder objetos estranhos, roer unhas, mascar chicletes em excesso, tumores e problemas de crescimento na mandíbula.

Articulação temporomandibular (ATM) Quais os sintomas dos distúrbios da ATM?

O principal sintoma dos distúrbios da ATM é a dor na face, nos músculos mastigatórios ou no maxilar, mais especificamente na articulação entre a mandíbula e o osso temporal da face (temporomandibular - ATM). A dor piora ou só aparece ao abrir e fechar a boca, seja falando, bocejando ou ao se alimentar, podendo irradiar para qualquer lugar do rosto, ouvido, pescoço ou nuca.

Também pode haver dificuldade para abrir a boca devido a contraturas musculares e calcificações articulares.

Os distúrbios da ATM envolvem problemas nos músculos mastigatórios, na articulação temporomandibular e nas estruturas associadas à articulação.

Outros sinais e sintomas que podem estar presentes:

  • Maxilar estalando ou som de rangido ao morder;
  • Sensação de mordida torta ou cruzada;
  • Desvio da mandíbula para um dos lados ao abrir ou fechar a boca;
  • Inchaço na face;
  • Dor no ouvido;
  • Surdez momentânea;
  • Vertigem;
  • Zumbidos;
  • Sensação de “ouvido tapado";
  • Perturbações visuais;
  • Dor de cabeça.
Como é feito o diagnóstico dos distúrbios da ATM?

O diagnóstico é feito por um médico ou cirurgião dentista que palpa, observa e ouve a movimentação da mandíbula; sente o estado das articulações, dos músculos, dos ligamentos e verifica a oclusão dos dentes (a mordida e o encaixe correto das arcadas dentárias superiores e inferiores).

São feitas perguntas ao paciente em busca de informações que possam ser a causa da dor e de outros sintomas, tais como traumas, hábitos orais e tratamentos médicos e dentários prévios.

Podem ser solicitados exames de imagem da mandíbula e da movimentação da articulação em estágios variados (abertura total, média e fechamento total). Foram desenvolvidas uma variedade de outras técnicas para diagnosticar os distúrbios da ATM, inclusive para localizar as contrações musculares, tais como eletromiografia de superfície, sonografia (SonoPak), termografia e cinesiografia. São exames que detalham com precisão as estruturas afetadas.

Qual é o tratamento para os distúrbios da ATM?

O tratamento para os distúrbios da ATM, na fase aguda, pode ser feito com analgésicos e aplicação de bolsas de água quente com massagens na região afetada para aliviar a dor no axilar.

Também é importante evitar alimentos que exigem mastigação excessiva, como carnes, ou abrir muito a boca, como maçãs inteiras, por exemplo.

Algumas pessoas podem precisar de tratamento medicamentoso associado. Os medicamentos mais usados são antidepressivos, anticonvulsivantes ou analgésicos mais potentes. Contudo, sempre deve ser iniciado com os analgésicos mais fracos e aumentar gradativamente, conforme a resposta, ou caso não haja melhora dos sintomas.

Há evidências de que técnicas de relaxamento diminuem o sofrimento em casos de dor crônica no maxilar. Portanto a fisioterapia e correções posturais podem ser incluídos no tratamento.

Nos casos mais graves, o tratamento pode ser feito com terapia de aplicação ortopédica (placa estabilizadora), terapia oclusal (ortodontia, reabilitação oral), correção de problemas dentários e cirurgia.

Resumindo, o tratamento para os distúrbios da ATM é inicialmente clínico e pode controlar os sinais e sintomas em até 90% dos casos. Apenas em casos mais graves ou que não respondem à terapia conservadora, deve-se recorrer à cirurgia.

Os objetivos do tratamento são reduzir a dor, restabelecer a função mandibular e limitar a recorrência da dor no maxilar.

Em caso de dor no maxilar ao abrir a boca e mastigar, um médico clínico geral ou médico de família deve ser consultado para avaliação e tratamento ou encaminhamento para um cirurgião bucomaxilofacial.

Também pode lhe interessar:

Dor no maxilar perto do ouvido, o que pode ser?

Dor e caroço no local da injeção: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A ocorrência de dor e caroço no local de injeção intramuscular é relativamente comum e é considerada uma complicação deste procedimento.

Essas complicações podem ocorrer tanto no braço, quanto nos glúteos, que são os locais em que mais comumente se aplica injeções.

Na maioria dos casos, esses sintomas melhoram com o decorrer do tempo e medidas simples com aplicação de calor ou frio, e massagens no local ajudam a aliviar.

A reação adversa mais relatada é a dor no local da injeção, podem ainda ocorrer, inchaço e formação de nódulo no local.

Por que ocorre dor e forma-se caroço no loca da injeção?

Esta ocorre porque a pele e tecido subcutâneo são ricamente inervados e os receptores da dor são estimulados pela agulha, quando penetra e disseca o tecido conectivo.

O músculo é menos inervado, mas a infusão de solução pode ser muito dolorosa, pela irritação devida à própria solução e ao pH. A injeção de penicilina benzatina, por exemplo, é aplicada no glúteo e por conter uma formulações que contém microcristais costuma causar dor.

Após a aplicação da injeção também pode ocorrer a formação de hematomas ou escurecimento da área onde foi aplicada a injeção. A pigmentação da pele e hemorragia ocorrem por extravasamento de sangue após lesão de capilares e vasos.

Quando a limpeza e assepsia do local da injeção não foi feito corretamento pode levar a infecção no local da picada da agulha, que pode evoluir para a formação de abcessos.

O que fazer se tiver dor ou caroço no local da injeção?

Usualmente medidas locais são suficientes para aliviar a dor ou desfazer o inchaço ou caroço que se forma no local de aplicação da injeção. As principais medidas a serem tomadas são:

Aplicação de calor local

Pode-se aplicar compressas quentes no local onde foi aplicada a injeção. O calor alivia a dor da injeção e promove uma melhor e mais rápida distribuição do medicamento que foi aplicado.

Aplicação de compressa fria

Embora a compressa quente ajude a aliviar a dor, a aplicação de frio ajuda a reduzir o inchaço, portanto, caso o que esteja incomodando mais seja o inchaço e vermelhidão no local de aplicação a compressa fria pode ser utilizada ao invés da compressa quente.

Massagem com movimentos circulares

Realizar pequenos movimentos suaves na região onde apresenta inchaço pode facilitar a drenagem de líquido acumulado e também ajuda no controle da dor.

Uso de analgésicos simples

O uso de analgésicos simples como paracetamol e dipirona pode ser útil para casos de dores moderadas e mais persistentes.

Na maioria dos casos essas medidas são suficientes para aliviar a dor e desfazer o inchaço ou nódulos que tenham surgido no local da injeção.

No entanto, caso não haja melhora ou apresente sinais de infecção no local da injeção como saída de pus, vermelhidão, inchaço e dor intensa, ou ainda outros sintomas como febre, consulte um médico para uma avaliação.

Principais complicações das injeções intramusculares

Além da dor e de nódulos, outras complicações das injeções intramusculares podem ocorrer, como:

  • Diminuição da sensibilidade do membro;
  • Formação de abscesso;
  • Infarto e necrose local;
  • Atrofia da pele e tecido adiposo;
  • Contratura muscular;
  • Fibrose tecidual;
  • Hematoma;
  • Lesão do nervo ciático, quando a injeção é aplicada no glúteo.
O que pode causar complicações no local da injeção?

A ocorrência de complicações depende de alguns fatores, como:

  • Tipo de medicação introduzida: pode ser irritante, estar diluída em solvente oleoso ou de absorção lenta, ou apresentar alta concentração;
  • Volume injetado incompatível com a estrutura do músculo: volumes maiores precisam ser aplicados em músculos que suportem a quantidade de medicamento injetado, caso contrário pode causar dor e inflamação;
  • Escolha inadequada da agulha e da seringa;
  • Desconhecimento pelos profissionais da anatomia e farmacologia, bem como falta de prática e habilidade;
  • Múltiplas injeções em um só local.

Se você apresentar complicações após injeção intramuscular, deverá procurar o serviço de saúde em que foi aplicada para maiores orientações.

Também pode ser do seu interesse:

Em crianças, qual o local correto para a aplicação de uma injeção?

Coceira e inchaço no local de aplicação da benzetacil

Tomei uma benzetacil, posso fazer uma compressa quente?

Injeção anticoncepcional causou dor fora do normal, é possível ter sido mal administrada e não funcionar?

Referência

Ministério da Saúde. Programa Nacional de Imunizações - PNI.

Quais os sintomas do Gama-GT alto?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Na realidade, o Gama-GT alto não provoca sintomas específicos. Uma pessoa com níveis elevados de Gama-GT poderá apresentar os sintomas daquilo que provocou esse aumento no Gama-GT.

Por exemplo, uma pessoa com doença no fígado poderá ter Gama-GT alto, mas não irá manifestar sintomas causados pelo Gama-GT especificamente, mas sim pela doença hepática. Neste caso, pode-se esperar que o paciente apresente os seguintes sintomas:

  • Fraqueza;
  • Fadiga;
  • Perda de apetite;
  • Náuseas e vômitos;
  • Dor ou distensão abdominal;
  • Icterícia (pele e olhos amarelados);
  • Alteração da cor da urina e das fezes;
  • Coceiras.
Quais as principais causas do Gama-GT alto?
  • Doenças hepáticas e biliares;
  • Infarto;
  • Doenças pancreáticas;
  • Diabetes;
  • Insuficiência renal;
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica;
  • Medicamentos (fenantoína, barbitúricos);
  • Alcoolismo.

A Gama-GT é uma enzima que está presente no fígado, coração e pâncreas. O exame de Gama-GT é útil para rastrear obstrução biliar e doenças no fígado, especialmente aquelas causadas pelo álcool.

Leia também: Quais os sintomas do Gama-GT baixo?

Geralmente o/a médico/a solicita o Gama-GT em conjunto ou no seguimento de outros exames capazes de fornecerem informações adicionais. Leve o resultado dos exames solicitados na consulta de retorno para que o/a profissional possa realizar a avaliação completa do seu caso clínico.