Perguntar
Fechar
Vomitar sangue: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Vomitar sangue pode ter diversas causas. A presença de sangue no vômito se chama hematêmese e indica que o sangue pode ser proveniente do estômago, da boca, da garganta, do esófago ou da porção inicial do intestino delgado, não sendo, portanto, obrigatoriamente um sinal de gravidez.

Algumas das causas de sangue no vômito:

  • Vomitar com muita intensidade ou durante muito tempo pode ferir pequenos vasos sanguíneos da garganta ou do esôfago e produzir estrias de sangue no vômito. Pode ser essa a razão da pessoa vomitar sangue depois de beber álcool (bebidas alcoólicas) em excesso;
  • Sangramento de veias inchadas localizadas no estômago ou nas paredes da porção inferior do esôfago. Pode ter como causa lesões hepáticas graves;
  • Úlcera com hemorragia no estômago, na porção inicial do intestino delgado ou no esôfago;
  • Defeitos nos vasos sanguíneos do aparelho digestivo;
  • Esofagite ou gastrite (irritação, inchaço ou inflamação do revestimento do esôfago ou estômago);
  • Engolir sangue após uma hemorragia nasal;
  • Câncer no estômago ou no esôfago.
Vomitar sangue é normal?

Não, vomitar sangue não é normal. Se você está vomitando sangue, significa que algo está errado no seu sistema digestivo. O sangramento pode vir, principalmente do esôfago, estômago e do início do intestino delgado.

Se vomitar sangue, a pessoa deve procure o médico de família, clínico geral ou gastroenterologista para que as causas sejam conhecidas e tratadas.

Quando devo me preocupar?

Ao perceber qualquer quantidade de sangue no vômito, não hesite em buscar ajuda médica e permaneça atento aos seguintes sinais de alerta:

  • Vômito com sangue vermelho vivo: indica sangramento ativo e contínuo e consiste em uma emergência médica que necessita de cuidados imediatos,
  • Vômito com sangue semelhante à borra de café: significa que o sangramento diminuiu ou parou. O aspecto de borra de café acontece porque o sangue foi, em parte, digerido pelo ácido do estômago,
  • Suor (sudorese) intenso,
  • Pele pálida,
  • Batimento cardíacos acelerados,
  • Fraqueza e
  • Desmaio.

Se você sentir qualquer um deste sintomas, busque o mais rapidamente possível uma emergência hospitalar. Pode ser necessário realizar exames de sangue e uma endoscopia digestiva para identificar a causa e tratar o sangramento.

Para saber mais sobre vômito com sangue em mulheres grávidas e como parar de vomitar, leia:

Vomitar sangue durante a gravidez é normal?

O que fazer para para de vomitar?

Referência

  • Federação Brasileira de Gastroenterologia
Qual é a temperatura normal do corpo humano?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A temperatura normal do corpo varia entre 36,1ºC e 37,2ºC, com oscilações ao longo do dia que normalmente não ultrapassam os 0,6ºC. A temperatura corporal é mais baixa pela manhã, depois aumenta durante o dia e atinge o valor máximo no início da noite. A média da temperatura corpórea deve ficar em torno dos 36,5ºC. Isso vale para adultos, bebês e crianças.

Quando a temperatura do corpo está entre 37,3ºC e 37,8ºC, considera-se que a pessoa está com uma febrícula, ou seja, um pequeno aumento da temperatura, mas que não causa repercussões importantes no organismo.

Algumas condições podem aumentar a temperatura corporal normal sem necessariamente caracterizar um quadro de febre. Nos primeiros 3 meses de gravidez, por exemplo, é normal haver um aumento da temperatura do corpo da gestante. Depois da ovulação, também é comum haver uma elevação da temperatura do corpo da mulher.

A elevação da temperatura nesses casos pode chegar a 1ºC e é considerada normal e aceitável. O controle da temperatura corporal é feito por um centro regulador que compensa as perdas e os ganhos de calor entre o corpo e o ambiente.

Qual é a temperatura corporal em caso de febre?

Apenas quando a temperatura do corpo está acima de 37,8ºC tem-se o estado de febre, em que podem aparecer alguns sintomas como calafrios, transpiração e mal-estar.

Quando a temperatura corporal atinge cerca de 39ºC, já pode causar confusão mental e delírios. Acima de 40ºC, pode desencadear convulsões.

Se a febre vier acompanhada de manchas na pele, gemidos, mudanças de comportamento, alterações da consciência, convulsões, dificuldade para respirar, vômitos persistentes e dor de cabeça intensa, deve-se procurar um serviço de urgência.

Febre em bebês com menos de 3 meses também é um sinal de alerta para procurar atendimento médico com urgência.

A febre é uma defesa do corpo contra uma infecção. Isso porque o aumento da temperatura corporal ajuda a controlar a multiplicação dos micro-organismos e torná-los menos ativos.

Por isso, os medicamentos para baixar a febre (antipiréticos) devem ser usados apenas se necessário, quando a temperatura corporal está igual ou superior a 38ºC, para aliviar o desconforto. O uso desses remédios em excesso pode ser tóxico para o organismo, além de prolongar a duração da doença e aumentar os riscos de complicações.

A febre é um sintoma de infecção por Coronavírus (COVID-19)?

A febre (temperatura corporal superior a 37,8ºC) é sim um sintoma da infecção por COVID-19. Nas pessoas infectadas por coronavírus a febre se inicia de forma leve e, com o passar do tempo, vai se tornando alta (acima de 38ºC) e persistente.

Além da febre, também são sintomas do contágio por coronavírus:

  • Tosse
  • Dificuldade respiratória

Em caso de febre, você deve utilizar paracetamol.

Se você começar a apresentar dificuldade respiratória deve buscar um serviço hospitalar o quanto antes.

Quais os riscos se a temperatura do corpo estiver muito alta?

Desde que a temperatura não ultrapasse os 40ºC, não há riscos graves para a saúde. No entanto, temperaturas muito altas, acima de 43ºC, podem até levar à morte. Porém, raramente o corpo alcança temperaturas tão altas.

O aumento da temperatura do corpo acompanhado de alterações nas funções vitais e falha na capacidade de autorregulação da temperatura é chamado de hipertermia.

Já a hipotermia ocorre quando a temperatura fica abaixo de 35ºC, o que prejudica as funções vitais do organismo pelo motivo oposto, a queda da temperatura.

Corrimento marrom após relação sexual: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Corrimento marrom após a relação sexual pode ser sinal de algum sangramento na parede da vagina ou no colo do útero, causado por relações sexuais intensas ou repetidas, ou ainda alergia ao látex do preservativo.

Nestes casos, o corrimento geralmente adquire uma cor marrom escuro devido ao sangue presente na sua composição.

De um modo geral, corrimento marrom indica a presença de sangue coagulado resultante de:

  • Restos de menstruação;
  • Traumas (por exemplo, durante a relação sexual);
  • Infecções;
  • Corpo estranho;
  • Alergia ao látex;
  • Câncer ginecológico;
  • Início de gravidez (implantação do embrião no útero);
  • Atrofia vaginal;
  • Gravidez ectópica.

Em qualquer caso de corrimento vaginal, seja marrom ou de qualquer outra cor, deve-se consultar o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral para um diagnóstico correto e tratamento adequado.

Conheça mais sobre esse assunto nos artigos:

É normal ter cólica depois da relação sexual?

Corrimento marrom pode ser gravidez?

Corrimento marrom, o que pode ser?

Sinto a garganta fechando e a sensação de que não consigo respirar. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sentir a garganta fechando e ter a sensação de não conseguir respirar pode ser um sintoma de ansiedade. Porém, é preciso fazer alguns exames para descartar problemas cardíacos e alterações hormonais, para que seja diagnosticada a ansiedade.

No entanto, não há exames específicos para diagnosticar diretamente os distúrbios de ansiedade. Alguns desses distúrbios podem durar curtos espaços de tempo, enquanto outros poderão ocorrer durante toda a vida, necessitando assim de um tratamento prolongado.

A psicoterapia é uma forma de tratamento que tem se mostrado bastante eficaz no tratamento dos distúrbios de ansiedade.

As técnicas de psicoterapia têm como objetivo alterar as crenças equivocadas que o/a paciente tem sobre si mesmo, ajudando-o/a a enfrentar situações que causam desconforto.

Com a ajuda do/a psicólogo/a o/a paciente será capaz de identificar e gerenciar as causas da sua ansiedade, pois estará mais bem preparado/a para enfrentar as situações difíceis que possam surgir.

Consulte o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família para descartar outros problemas médicos e, se a causa da falta de ar e da garganta fechando for mesmo ansiedade, esse/a profissional fará o cuidado necessário além de referenciar para outros/as especialistas como o/a médico/a psiquiatra ou um/a psicólogo/a.

Também pode ser do seu interesse:

Formas de aliviar a sensação de bolo na garganta

Dor no peito e bola na garganta, que médico procurar?

Nó e bolo na garganta: saiba se é ansiedade e o que fazer

Posso tomar dipirona com dengue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quem está com dengue pode tomar Dipirona. Os medicamentos que não devem ser usados quando se está com dengue são os medicamentos à base de ácido acetilsalicílico, presentes no AAS ou Aspirina. Essas medicações aumentam a chance de provocar hemorragias e, por isso, devem ser evitadas durante a dengue.

Além do ácido acetilsalicílico, quem está com dengue também deve evitar medicamentos anti-inflamatórios como o Ibuprofeno, a Nimesulida e o Diclofenaco. A contraindicação é a mesma da dipirona, ou seja, pode aumentar o risco de hemorragia.

Aedes aegypti, mosquito da transmissor da dengue Quais são os sintomas da dengue?

A dengue é uma infecção viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Na Dengue Clássica, os sintomas são semelhantes a um resfriado: febre, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dor muscular e nas articulações, cansaço, manchas vermelhas pelo corpo, entre outros.

A dengue hemorrágica provoca dor abdominal intensa e constante. A dipirona, nesses casos, não alivia a dor. A febre normalmente termina de forma repentina e dura no máximo 5 dias.

A dengue hemorrágica também pode provocar outros sinais e sintomas, como vômitos persistentes, agitação, letargia, aumento da frequência cardíaca, enfraquecimento da pulsação, transpiração excessiva, extremidades do corpo frias e arroxeadas, hemorragias espontâneas, pressão baixa, entre outros.

Qual é o tratamento para quem tem dengue?

A dengue clássica não possui um tratamento ou medicamento específico. O tratamento, em geral, é realizado com hidratação e medicamentos para aliviar a febre e a dor no corpo, como a dipirona e o paracetamol.

A dengue hemorrágica requer uma observação cuidadosa devido ao risco de choque. A pessoa com essa forma de dengue deve ser observada continuamente para que os primeiros sinais de choque sejam logo identificados.

Nesses casos, o risco é maior quando a pessoa começa a deixar de ter febre, normalmente após 3 dias do começo dos sintomas.

Aos primeiros sinais de choque, os líquidos perdidos devem ser repostos rapidamente e a acidose metabólica deve ser corrigida.

Na presença desses sintomas, é importante procurar um serviço de saúde. Não tome medicamentos sem prescrição médica.

Seios inchados fora do período menstrual: o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Seios inchados fora do período menstrual podem ser causados por diversas situações, como a aproximação da menstruação (TPM), gravidez, amamentação, uso de anticoncepcional, alergia, presença de cistos e até tumores.

Na maioria das vezes ocorre pela oscilação natural dos hormônios, durante o ciclo menstrual, e não tem indicação de tratamento, a não ser que o incômodo interfira na qualidade de vida da mulher.

Portanto, se o inchaço for frequente, acometer apenas uma das mamas ou vir acompanhado de outros sintomas, como dor, febre e perda de peso, converse com seu médico de família, ou ginecologista para uma avaliação mais cuidadosa.

1. TPM (tensão pré-menstrual) e Alterações hormonais

Entre as causas mais frequentes estão a TPM (tensão pré-menstrual) e alterações hormonais. Nesses casos é normal que os seios fiquem inchados e doloridos devido à retenção de líquidos provocada pela mudança hormonal no corpo em determinadas fases do ciclo menstrual.

Durante a amamentação também é comum os seios mais inchados, algumas vezes até associado a dor (mastalgia), devido ao preaparo para a lactação.

2. Uso de anticoncepcionais

O uso regular de anticoncepcionais hormonais também podem causar aumento da mamas, como efeito colateral. Nesse caso, se o efeito interfere na qualidade de vida da mulher, deve avaliar junto com o ginecologista, a substituição da medicação.

Para as demais situações, de período fértil e gestação, após o nascimento do bebê, os sintomas desaparecem espontanemaente. Não há indicação de tratamento.

3. Alergia

A alergia nas mamas pode ocorrer pelo uso de cremes ou produtos de higiene, cremes e cuidados pessoais. Algumas mulheres apresentam ainda reação alérgica a diferentes tipos de tecidos de roupas íntimas, como sutiã de lycra ou rendas.

A alergia, embora mais comum na infância, pode ter início na idade adulta, por sensibilização. Portanto, na presença de seios inchados, com pequenas erupções, vermelhidão e coceira, procure um médico para avaliar uma reação alérgica, e dar início ao devido tratamento.

4. Cistos e tumores

Os cistos e tumores costumam ser encontrados na palpação, mas podem ser visualizados como inchaço, em uma das mamas, dolorosos ou não a palpação.

Se observar um cisto ou nódulo na mama, procure imediatamente um gineoclogista para avaliação.

Seios inchados pode ser gravidez?

Sim, se os seios estiverem inchados e doloridos e vierem acompanhados de atraso menstrual e outros sintomas, como cansaço, náuseas e sonolência, pode ser que esteja grávida.

Portanto, para saber exatamente por que os seus seios estão inchados fora do período menstrual, você deve procurar um ginecologista.

Conheça mais sobre esse assunto, nos seguintes artigos:

Pode-se estar grávida sem sintoma algum, só atraso menstrual?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. É possível estar grávida sem sintoma algum, apenas atraso menstrual. Os primeiros sintomas de gravidez começam a surgir a partir da ou 6ª semana de gestação. Portanto, antes disso, a mulher não apresenta nenhum sintoma da gravidez.

Vale lembrar que atrasos menstruais de 7 ou 8 dias são bastante frequentes e muitas vezes não são sinal de gravidez. Para suspeitar de gravidez, a menstruação deve estar atrasada pelo menos 15 dias, que é o seu caso (22 dias).

Contudo, se a mulher tiver o ciclo menstrual bem regular, 5 dias de atraso da menstruação já podem ser suficientes para se desconfiar de gravidez.

Quais são os primeiros sintomas de gravidez?

Em geral, o primeiro sintoma da gravidez é a ausência de menstruação ou atraso menstrual detectado quando a menstruação não vem no período esperado. Durante o período em que a menstruação não vem, podem ocorrer pequenos sangramentos, porém diferentes do sangramento normal da menstruação.

Após esse sintoma, outros podem ser percebidos no início da gestação, como: náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, aumento da frequência urinária e cansaço.

Esses sintomas de gravidez aparecem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, ou seja, aproximadamente entre 7 a 14 dias após o dia esperado de vir a menstruação.

Algumas mulheres podem não sentir sintoma algum mesmo após esse período.

Outros sintomas menos frequentes também podem estar presentes no início da gravidez, como cólicas e sangramentos, sobretudo quando ocorre a implantação do óvulo fecundado no útero.

Também pode haver desejo por determinados alimentos, sonolência durante o dia e alterações no paladar e no olfato.

Os enjoos geralmente começam a surgir no 1º ou 2º mês de gravidez e nem todas as gestantes apresentam esse sintoma. Porém, algumas mulheres podem ter enjoos e vômitos logo no início da gestação.

Conforme a gravidez evolui, outros sinais e sintomas vão aparecendo, como inchaço abdominal, constipação intestinal, azia, desconforto na região inferior do abdômen, alterações de humor, falta de ar e tonturas.

Atraso menstrual é sempre sinal de gravidez?

Não, o atraso menstrual nem sempre é sinal de gravidez. Existem diversas causas para o atraso da menstruação, como ansiedade, estresse, suspensão do uso da pílula anticoncepcional, emagrecer ou engordar muito em pouco tempo, obesidade, magreza extrema, anorexia, hipo ou hipertireoidismo, síndrome dos ovários policísticos e menopausa.

Existem ainda outras condições que podem atrasar a menstruação, como doenças, infecções, uso de certos medicamentos e excesso de exercício físico.

Por isso, no caso de atraso menstrual, procure um serviço de saúde para uma avaliação ou detecção de gravidez.

Pode lhe interessar também:

Posso estar grávida? Quantos dias de atraso menstrual é considerado gravidez?

Posso estar grávida com 5 dias de atraso da menstruação?

Teste de farmácia pode dar resultado errado?

20 dias de atraso e 3 exames negativos e ainda acho que...

Quais são os sintomas do HPV?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas do HPV são muito variados, já que existem centenas de tipos de HPV. A infecção pelo vírus pode se manifestar pela presença de verrugas na pele ou nos órgãos genitais, dificuldades respiratórias, dificuldades para engolir, entre outras manifestações.

Quando transmitido pela via sexual, normalmente surgem verrugas na cabeça do pênis (glande), na vagina, no ânus, no colo do útero, na boca ou na garganta, conforme a forma de contato sexual.

HPV na garganta Quais os sintomas do HPV no homem?

No homem, os sinais e sintomas são facilmente identificados pela presença lesões (verrugas) no próprio pênis ou na pele que recobre o órgão. Para identificar as lesões no ânus, é necessário fazer uma anuscopia, exame que permite ver o interior do ânus.

Veja também: Homem com HPV pode ter filhos?

Quais os sintomas do HPV na mulher?

Em mulheres, quando não há manifestação de sintomas, o diagnóstico do HPV pode ser realizado por meio de um exame das células do colo do útero e da vagina.

Porém, à medida que a doença evolui, podem surgir manifestações como dor, corrimento e sangramento vaginal. Nessa fase, é necessário realizar uma colposcopia para determinar o avanço da infecção no canal vaginal e no colo do útero.

Também pode lhe interessar o artigo: Quem tem HPV pode engravidar?

Como ocorre a transmissão do HPV?

A transmissão do HPV se dá por contato direto com pessoas contaminadas ou suas secreções, sendo a via sexual o principal meio de contágio. A mãe também pode transmitir o HPV para o bebê no momento do parto se estiver infectada. O risco do vírus ser transmitido também é maior se as verrugas estiverem visíveis.

Contudo, vale lembrar que, mesmo sem apresentar sintomas de infecção pelo HPV, a pessoa pode transmitir o vírus.

O tratamento das infecções pelo HPV vai depender da gravidade e localização das lesões. Pode incluir desde a remoção da lesão por cauterização elétrica ou medicações, ou ainda cirurgias e quimioterapia nos casos de câncer.

Em caso de sintomas de HPV, consulte o/a médico/a clínico geral ou médico/a de família para receber um diagnóstico e tratamento adequado.

Saiba mais em:

Referências:

FEBRASGO - Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia.