Perguntar
Fechar

Sintomas

Faz quatro dias meu olho direito fica tremendo, o que será?

Olho tremendo ou tremor nos olhos é na realidade um tremor nas pálpebras e não do olho em si.

Chama-se mioclonia e trata-se de um tremor involuntário das pálpebras que pode ocorrer sem um motivo aparente, mas que pode indicar também alguma doença nos olhos ou nos nervos da face.

O tremor acontece no músculo palpebral ou no músculo orbicular (ao redor dos olhos) e geralmente é benigno, ou seja, não é sinal de nenhuma doença.

As principais causas de tremor nos olhos, são:

  • Muito cansaço;
  • Nervosismo, ansiedade;
  • Estresse;
  • Consumo de café e outras bebidas com cafeína em excesso;
  • Falta de vitaminas e minerais, como o potássio;
  • Uso de óculos com grau errado;
  • Ponto solto após uma cirurgia nos olhos.
  • Doenças oculares:
    • Olho seco;
    • Alergia ocular;
    • Ceratite.

Outra possível causa do tremores nos olhos é o blefaroespasmo e o espasmo hemifacial, que são doenças do sistema nervoso que provocam contrações involuntárias e frequentes dos músculos em torno dos olhos.

Nestes casos, os tremores podem acometer também os músculos ao redor da boca e do rosto.

Qual o tratamento para tremor nos olhos?

Quando o tremor é esporádico, não é preciso nenhum tratamento específico. No entanto, é necessário identificar a causa desse tremor.

Nos casos de blefaroespasmo e espasmo hemifacial, os tremores chegam a ser tão intensos e constantes que limitam muito a vida do paciente e precisam de tratamento, que pode ser feito com aplicação de botox.

O mais indicado é consultar um médico oftalmologista para que sejam despistadas possíveis doenças oculares ou neurológicas e a causa do tremor no olho seja identificada.

Irritação na vagina tipo assadura com coceira e sangramento: o que é?

Irritação na vagina, tipo assadura, com coceira e sangramento é muito comum nas infecções vaginais tipo vaginose bacteriana ou infecção por fungo (como a candidíase).

No caso da candidíase, outro sintoma comumente observado é a presença de corrimento vaginal esbranquiçado ou amarelado. Os sintomas geralmente pioram antes da menstruação e melhoram no início do período.

A candidíase é bastante comum e não é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), embora o fungo causador da doença possa ser disseminado através do contato oral-genital.

O fungo causador da candidíase, a cândida, está naturalmente presente no canal vaginal, juntamente com várias outras bactérias. Os lactobacilos (um tipo de bactéria) contrabalanceiam a proliferação dos fungos no interior da vagina. Quando há um desequilíbrio na proliferação de cândida, temos um quadro de candidíase vaginal.

Alguns dos principais fatores de risco para candidíase:

  • Uso de antibiótico;
  • Gravidez;
  • Diabetes mellitus descontrolada;
  • Obesidade;
  • Uso de glicocorticoides e imunossupressores;
  • Uso de roupas de lycra e mal ventiladas;
  • Doenças autoimunes ou imunidade alterada;
  • Uso de ducha ou sabonete íntimo diário.

O tratamento da candidíase vaginal pode incluir:

  • Aplicação única ou aplicações diárias de cremes antifúngicos, supositórios ou óvulos;
  • Uso de antibióticos orais.

Outra situação em que pode haver irritação na vagina, parecida com uma assadura, com coceira e sangramento, é na vaginose bacteriana, sendo esta a principal causa de corrimento vaginal em mulheres na idade reprodutiva.

A vaginose caracteriza-se por um crescimento anormal de bactérias anaeróbias como Gardnerella vaginalis, Mobiluncus, entre outras, associado a uma diminuição de lactobacilos da flora vaginal normal.

Relações sexuais frequentes, uso de duchas vaginais ou período pré-menstrual favorecem a alteração da flora bacteriana vaginal, podendo desencadear a vaginose.

A vaginose bacteriana também não é considerada uma DST, embora a sua ocorrência seja maior em mulheres com número elevado de parceiros sexuais, sendo rara naquelas sexualmente inativas.

O tratamento da vaginose bacteriana inclui:

  • Uso de pomada ou creme vaginal;
  • Medicamentos antibióticos orais.

Para um diagnóstico e tratamento adequado, a mulher deve consultar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Formigamento na língua, o que pode ser?

As causas mais comuns do formigamento na língua são ansiedade e doenças cardiovasculares.

Formigamento na língua que acontece com frequência ou com longa duração em geral é relatado por pessoas que têm algum grau de ansiedade. Pode ser apenas o estresse normal do dia-a-dia, ou pode ser algum tipo de transtorno de ansiedade, que precise ser tratado com psicoterapia ou medicações.

Por outro lado, o formigamento intenso e de início súbito pode ser um sinal de doenças cardiovasculares graves, tais como infarto ou AVC (derrame).

Outras causas muito menos comuns incluem traumas (pancadas) na boca e na face, mordidas na língua, inflamações e infecções locais e até mesmo alguns tumores.

De qualquer modo, um médico clínico geral precisa ser consultado, para que a pessoa seja examinada e tenha o diagnóstico mais correto. Isso vai possibilitar o encaminhamento a um especialista ou ao início imediato do tratamento adequado.

Saiba mais em:

Quais são os sintomas do câncer de língua?

Como tratar língua branca?

Língua branca é sinal de doença?

Inchaço, vermelhidão, coceira, irritação na vagina?

Inchaço, vermelhidão, coceira e irritação na vagina são sintomas de infecção vaginal, sendo a candidíase a mais provável. Caso não seja detectado nenhum micro-organismo causador de doenças, pode ser alguma irritação mecânica, química ou alérgica.

No caso da candidíase, trata-se de uma infecção da vulva e da vagina causada por um fungo (Candida albicans, Candida tropicalis, Candida glabrata, Candida parapsilosis) que habita a mucosa vaginal e a mucosa digestiva. Quando o ambiente torna-se favorável, o fungo se prolifera e ocasiona a candidíase.

Pode ser transmitido através de relações sexuais, embora essa já não seja considerada a principal forma de transmissão, uma vez que o fungo está naturalmente presente presente na flora vaginal das mulheres sem provocar nenhum sintoma.

Alguns fatores que favorecem o aparecimento da candidíase vaginal:

  • Diabetes;
  • Uso de antibióticos, contraceptivos orais, corticosteroides;
  • Gravidez;
  • Imunidade baixa;
  • Obesidade;
  • Roupas justas;
  • Clima quente.

O tratamento da candidíase é feito com medicamentos antifúngicos por via oral e também através de cremes vaginais.

Se for uma reação alérgica ou alguma irritação mecânica, é preciso investigar a causa e remover o agente agressor.

Cabe à/ao ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral diagnosticar a origem desses sintomas e prescrever um tratamento adequado. 

Corrimento marrom na gravidez é normal?

O corrimento marrom na gravidez pode ser normal ou não, depende.

Um corrimento com essa coloração (considerando marrom escuro ou avermelhado) geralmente indica que há sangue em sua composição.

Primeira metade da gravidez:

No início da gravidez, pode ocorrer por causas que são frequentemente normais e fisiológicas (implantação do embrião na parede uterina, vagina mais sensível a sangramentos em exames de rotina ou relações sexuais, etc). Nestes casos, o sangramento é similar ao que ocorre numa menstrução, porém em menor quantidade e duração do fluxo.

Entretanto, sangramentos no primeiro trimestre podem indicar situações muito mais graves, tais como aborto (ou ameaça de aborto, que ocorre em até 25% de todas as gestações), incompetência ístmo-cervical, gestação ectópica, doença trofoblástica gestacional, eritroblastose fetal.

Durante a gestação, há também uma maior susceptibilidade de infecções vaginais, o que também pode causar corrimentos.

Segunda metade da gravidez:

Além dos sangramentos "normais", decorrentes de lesões mecânicas da parede vaginal, como visto acima, podem ocorrer causas muito graves e que demandam atenção imediata, tais como descolamento prematuro de placenta, placenta prévia e rotura uterina, de vasa prévia ou de seio marginal.

Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente para avaliação e tratamento adequado.

Dor no maxilar perto do ouvido, o que pode ser?

Dor no maxilar perto do ouvido pode ter como primeira hipótese diagnóstica distúrbios da articulação temporomandibular (DATM), mas pode ocorrer devido a várias causas, tais como neuralgia do trigêmeo, fibromialgia, sinusite, mastoidite, otite, etc

A mastigação é uma ação bem complexa, e que engloba vários músculos e grupos musculares, ossos, articulações e ligamentos. Estes são os responsáveis pela capacidade de abrir e fechar a mandíbula de forma coordenada. Quando essa harmonia se desequilibra de alguma forma,  o resultado é uma série de sintomas e sinais chamado "Distúrbios da Articulação Temporomandibular", mais conhecidos talvez pela sigla DATM. Esse termo engloba dois grandes grupos de pacientes:

  • os que exibem patologias da articulação temporomandibular em si;
  • os que exibem distúrbios tocantes aos músculos da mastigação (disfunção dolorosa miofacial).

O profissional de saúde com mais competências para tratar estes distúrbios (quando tenham sido diagnosticados de forma correta) é o cirurgião-dentista especializado em oclusão dentária, que trata de forma adequada cada causa específica.

Em caso de dor no maxilar perto do ouvido, um médico deverá ser consultado para avaliação, tratamento e/ou encaminhamento a um cirurgião bucomaxilofacial ou otorrinolaringologista, se necessário (distúrbios da ATM).

Também pode lhe interessar: Como saber se estou com o ouvido inflamado?

Barriga de grávida é dura ou mole?

Barriga de grávida é dura, pois o útero está se expandindo para acomodar o desenvolvimento do bebê. A mulher já pode sentir a barriga mais dura logo no início da gravidez, por volta da 7ª semana de gestação.

Primeiro é a região abaixo do umbigo que fica dura, passando a seguir para a área ao redor do umbigo. À medida que o feto vai crescendo, a barriga da grávida vai ficando mais dura e arredondada.

Quando a gravidez está mais ou menos pela metade, entre a 16ª e a 20ª semana de gestação, a grávida pode começar a sentir a barriga mais dura durante períodos de 30 a 60 segundos.

Nesses casos, o que deixa a barriga dura momentaneamente são contrações uterinas que podem ocorrer várias vezes ao dia, de forma aleatória e normalmente sem causar dor.

São as chamadas "contrações de Braxton-Hicks", também conhecidas como "contrações falsas" ou "contrações de treinamento", pois acredita-se que sejam uma espécie de preparação do corpo para o momento do parto. Nem todas as grávidas sentem essas contrações, que são normais e esperadas.

No entanto, se essas contrações ocorrerem mais de duas vezes por hora ou causarem muita dor, se forem no final da gravidez, se a grávida suspeitar de trabalho de parto, notar perda de sangue ou se o bebê parar de se mexer, deve-se procurar seu/sua médico/a obstetra com urgência.

Fezes com muco, o que pode ser?

Fezes com muco pode ocorrer em situações normais, uma vez que o muco é um componente secretado pelo intestino grosso e que, às vezes, é eliminado junto com as fezes quando há um aumento dos movimentos intestinais, como ao comer algum alimento com efeito laxante.

No entanto, quando o muco torna-se frequente, abundante e aparece acompanhado de outros sinais e sintomas pode significar a presença de algum distúrbio intestinal, tais como:

  • Disenteria: Trata-se de uma perda líquida caracterizada pela presença de sangue e muco nas fezes. Normalmente é causada por alguma bactéria ou vírus que invadiu a mucosa intestinal;
  • Síndrome do intestino irritável: Não é uma doença, mas sim um conjunto de sintomas que incluem dor abdominal, estufamento, "intestino preso" e diarreia. É comum haver alternância entre diarreia e prisão de ventre, podendo também surgir muco com as fezes;
  • Pólipos intestinais: São tumores benignos que surgem devido a um crescimento anormal das células da mucosa do intestino. Na maioria dos casos, os pólipos são pequenos e não causam nenhum sintoma. Porém, pólipos maiores podem causar obstrução intestinal ou sangramento, além da possibilidade de haver muco nas fezes;
  • Tumores de cólon e reto: O câncer de intestino pode não causar sintomas nos estágios iniciais. Contudo, nas fases avançadas, podem surgir anemia, cólicas, dores abdominais, náuseas, vômitos, prisão de ventre ou diarreia. As fezes podem ter sangue e muco;
  • Doença de Crohn: Trata-se de uma doença inflamatória que afeta com mais frequência o intestino, mas que pode acometer todo o trato gastrointestinal. Os seus sintomas incluem diarreia (com ou sem muco nas fezes), dor abdominal e perda de peso;
  • Retocolite ulcerativa: É uma inflamação da mucosa localizada dentro da parede do intestino. O seu principal sintoma é a diarreia com presença de sangue e muco nas fezes, podendo causar ainda dor abdominal, febre e emagrecimento.

Leia também: 

Minhas fezes estão verdes, o que pode ser?

O que é balantidiose, quais os sintomas e como tratar?

Se o muco nas fezes vier acompanhado de outros sintomas, consulte o/a médico/a de família, clínico/a geral ou gastroenterologista para uma avaliação pormenorizada.