Perguntar
Fechar

Sintomas

Com quantos dias aparecem os sintomas de gravidez?

Os sintomas de gravidez começam a surgir a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação.

Em geral, o primeiro sintoma da gravidez é a ausência de menstruação ou atraso menstrual detectado quando a menstruação não vem no período esperado.

Após este sintoma, outros podem ser percebidos no início da gestação como:

  • Náusea e vômitos;
  • Aumento da sensibilidade nas mamas;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Cansaço.

Esses sintomas de gravidez aparecem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, ou seja, aproximadamente entre 7 a 14 dias após o dia esperado de vir a menstruação.

Com o avançar da gestação, outros sintomas vão aparecendo como:

  • Inchaço abdominal;
  • Constipação intestinal;
  • Azia;
  • Desconforto na região pélvica;
  • Alteração do humor;
  • Falta de ar;
  • Tontura.

Ao detectar uma gravidez, a mulher deve procurar o serviço de saúde para iniciar os cuidados de pré-natal.

Leia também: Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça. Posso estar grávida?

Quais os sintomas da Pangastrite Enantematosa?

Os sintomas de todas as gastrites variam conforme a gravidade e a duração da doença, e podem incluir: dor e queimação abdominal, sensação de refluxo ou queimação no peito, náusea e vômitos (que podem inclusive ser com sangue), distensão ("estufamento") abdominal e saciedade precoce (o indivíduo se sente empachado ou "cheio" com pequenas porções de comida).

O termo pangastrite enantematosa não é um tipo diferente de gastrite, mas somente a classificação que o médico dá ao realizar uma endoscopia. Significa apenas que toda a mucosa do estômago estava avermelhada, que é um sinal de inflamação, no momento do exame.

O tratamento deve ser indicado pelo clínico geral ou gastroenterologista que solicitou o exame, e provavelmente incluirá mudanças no hábito alimentar e uso de medicações.

Dor no estômago na gravidez é normal?

Na maioria das vezes, é sim. Dor de estômago é um dos sintomas mais comuns na gestação, e está relacionada a uma mudança no comportamento desse órgão.

Durante a gestação, o estômago passa a produzir maior quantidade de enzimas digestivas e ácido. Além disso, com o avanço da gravidez e o aumento do tamanho do útero, o estômago é empurrado para cima, o que favorece a ocorrência de refluxo gastroesofágico, levando à sensação de dor e queimação.

Para reduzir o sintoma, é importante procurar reduzir o tamanho das porções ingeridas. Ou seja, comer menor quantidade de alimentos em cada refeição, e realizar mais refeições por dia. Outro fator importante é não ingerir líquidos durante a refeição. Isso tudo ajuda a evitar que o estômago fique muito cheio.

Alimentos gordurosos e pesados também têm a digestão mais lenta, o que pode prejudicar ainda mais os sintomas.

Em alguns casos, pode ser necessário o uso de alguma medicação antiácida.

Portanto, é fundamental consultar-se com o obstetra, para saber quais as medidas e tratamentos mais adequados estão indicados.

Excesso de gases: o que pode ser e como tratar?

Excesso de gases (eructação ou popularmente arroto e flatos ou popularmente pum) pode ocorrer por uma série de motivos.

É completamente normal (eliminamos diariamente até 1,5 litro de gases pelo ânus, com uma frequência de 10 a 20 flatos) e geralmente não indica qualquer doença, exceto quando ocorrem com uma frequência muito elevada e/ou associado a dor de barriga, perda de peso, diarreia crônica, hiporexia (diminuição da fome), anemia, febre e sangramentos.

Os gases intestinais são produzidos pelas bilhões de bactérias que vivem no nosso trato digestivo e participam do processo de digestão, principalmente após metabolização de carboidratos, gorduras e proteínas ingeridas nos alimentos.

No caso dos gases no estômago (os arrotos), a origem principal é o ar engolido durante as refeições. Não reparamos, mas durante as refeições engolimos grandes volumes de ar.

Veja também: Arrotos constantes, o que pode ser e o que fazer?

Também é comum haver deglutição de ar quando mastigamos um chiclete, engolimos saliva, tomamos bebidas com gás, fumamos ou mesmo conversando.

Dentre os alimentos que causam mais gases intestinais, estão:

  • Refrigerantes e bebidas gaseificadas em geral;
  • Cerveja;
  • Feijão;
  • Repolho;
  • Couve flor;
  • Ovos;
  • Vinagre;
  • Leite e alguns laticínios;
  • Adoçantes artificiais;
  • Batata;
  • Milho;
  • Alho.

Outras causas possíveis são: falta de exercício físico, intolerância à lactose, alterações da flora bacteriana dos intestinos por uso de antibióticos, síndrome do intestino irritável, dispepsia funcional e constipação intestinal.

O tratamento mais interessante e fácil para excesso de gases é a simples mudança da dieta, evitando ou diminuindo os alimentos citados aqui. Mantenha um registro de alimentos e bebidas que você ingere para conseguir identificar quais as comidas são mais incômodas e procure evitá-las no futuro.

É importante também praticar exercícios físicos e diminuir o estresse, além de equilibrar a alimentação. Existem alguns medicamentos, também, que podem ser úteis, mas primeiro tente resolver o problema com a dieta. Se não for suficiente, procure um médico que possa lhe prescrever o tratamento mais adequado.

Em caso de excesso de gases, um médico (preferencialmente um gastroenterologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual é o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento.

Leia também: Soltar gases pela vagina é normal? O que pode ser?

Sangue na urina, o que pode ser?

A presença de sangue na urina, chamada hematúria, é uma alteração do sistema urinário que pode ser visível, através da mudança de cor da urina para um tom mais avermelhado (hematúria macroscópica).

Nesses casos a urina adquire um tom rosado, avermelhado ou bastante similar ao sangue, com coágulos sanguíneos, inclusive, em casos mais graves. Também pode ser invisível, quando a presença de sangue é tão pequena que só consegue ser detectado através de exames laboratoriais (hematúria microscópica).

Uma única gota de sangue já é suficiente para que a urina mude de coloração. Dezenas de condições podem provocar sangramentos na urina, algumas delas inofensivas, outras bem graves, entre elas:

  • Cálculo (Pedra) nos rins ou ureteres (uma das principais causas, deve ser investigada);
  • Infecções urinárias;
  • Câncer dos rins, da próstata ou da bexiga (pessoas geralmente mais idosas);
  • Hiperplasia benigna da próstata (HBP);
  • Uretrites por doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia ou gonorreia;
  • Doença policística renal;
  • Doenças do glomérulo, como glomerulonefrites;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Anemia falciforme;
  • Traumas na região do rim, bexiga ou próstata;
  • Procedimentos médicos no trato urinário, como biópsia dos rins biópsia da próstata, litotripsia, endoscopia urinária, etc;
  • Feridas da uretra após passagem de sonda vesical;
  • Cistite rádica (lesão da bexiga por radioterapia);
  • Medicamentos (ex: pyridium, rifampicina, fenitoína, nitrofurantoína, entre outros);
  • Tuberculose urinária;
  • Excesso de cálcio na urina;
  • Endometriose;

Hematúrias inofensivas:

  • Doença da membrana fina: É comum o indivíduo apresentar uma hematúria microscópica sem ter nenhuma causa identificada, mesmo com investigação intensa. Geralmente estes indivíduos apresentam a doença da membrana fina (ou hematúria benigna familiar), uma alteração genética das membranas dos glomérulos que causa perda de sangue na urina sem que isso tenha qualquer significa clínico. Essa alteração não oferece nenhum risco ao paciente.
  • Hematúria após esforço físico: A hematúria após esforço físico é um sangramento urinário, macro ou microscópico, que surge após a realização de qualquer atividade física extenuante. Geralmente é passageira e desaparece depois de alguns dias de repouso. Se o paciente for jovem, saudável, não tiver outras queixas e a hematúria desaparecer com o repouso, não há necessidade de nenhuma investigação mais profunda.

Em caso de sangue na urina, um médico (preferencialmente um urologista) deverá ser consultado. Ele poderá avaliar detalhadamente, através de anamnese, exame físico e eventuais exames complementares, qual o seu diagnóstico correto, orientá-lo e prescrever o melhor tratamento, ou encaminhá-lo a um especialista de outra área se necessário, caso a caso.

Também pode lhe interessar: O que pode deixar a urina vermelha?

Corrimento amarelo pode ser gravidez?

Corrimento amarelo pode, sim, ser um indicativo de gravidez, embora geralmente seja um sinal de infecção, pois o corrimento característico da gravidez é de cor clara, sem cheiro, decorrente de alterações hormonais e aumento de fluxo sanguíneo local, que ocorrem com a mulher nesta fase. Não é prejudicial nem à gestante, nem ao bebê.

Já o corrimento marrom, amarelado, esverdeado, acinzentado ou escuro com mau cheiro e que vem acompanhado ou não de outros sintomas, como coceira e ardência ao urinar ou durante o contato íntimo, pode ser um quadro mais grave e a gestante deve procurar um obstetra o quanto antes. 

Portanto, sempre que ocorrer sangramento ou corrimento, de qualquer cor ou tipo, procure imediatamente um médico ginecologista para avaliação. Ele poderá fazer o exame para averiguar se você está grávida ou não e lhe dar o tratamento ideal, se for necessário.

Anticoncepcional injetável tem efeitos colaterais?

Anticoncepcionais injetáveis podem ter diversos efeitos colaterais, como todos os outros medicamentos.

Os principais efeitos colaterais podem ser:

  • hemorragias entre os períodos menstruais ("spotting"),
  • amenorreia secundária (parada da menstruação),
  • cefaleia,
  • náuseas e vômitos,
  • tontura,
  • cólicas menstruais,
  • dor em mamas,
  • prurido vaginal,
  • alterações emocionais e da libido,
  • alterações do peso.

Outros efeitos colaterais podem surgir, mas os dois primeiros os mais comuns.

Os efeitos colaterais são os mesmos dos anticoncepcionais orais (pílula), entretanto costumam ser menos intensos, pois os estrógenos utilizados são naturais. 

O anticoncepcional injetável é um método muito confiável para evitar a gestação - efetividade próxima a 99,6%, que pode aumentar para até 99,9% quando utilizada em conjunto com métodos de barreira, como é o caso da camisinha, por exemplo.

Além de diminuir consideravelmente a chance de engravidar, os anticoncepcionais injetáveis também são indicados em muitas outras situações, como no tratamento do hiperandrogenismo (excesso de hormônio masculino), da dismenorreia (cólicas menstruais), da menorragia (aumento excessivo do fluxo menstrual) e da tensão pré-menstrual.

Leia também: 10 Motivos para Mudar de Anticoncepcional

Os estrógenos mais utilizados nos contraceptivos injetáveis são o cipionato de estradiol, enantato de estradiol e valerato de estradiol. Os progestágenos  mais utilizados são o acetato de medroxiprogesterona, enantato de noretindrona e o acetofenido de dihidroxiprogesterona.

O médico ginecologista deve sempre ser consultado para acompanhamento correto do uso do anticoncepcional que lhe foi prescrito por ele, idealmente mesmo na ausência de quaisquer efeitos colaterais.

Também pode lhe interessar:

Tomei anticoncepcional injetável e continua descendo. É normal?

Parei de tomar o anticoncepcional injetável e deixei de menstruar normalmente. O que fazer?

Vontade de urinar na relação é normal?

A vontade de urinar durante a relação sexual é geralmente normal, especialmente em mulheres.

A uretra também é estimulada durante a relação e, ao se aproximar do orgasmo, essa sensação se intensifica; inclusive pode haver pequeno escape de urina (o que é relativamente raro).

Algumas mulheres podem ter ejaculação (1 a 2%), com eliminação de um líquido claro, que pode ser confundido com urina, mas é um líquido incolor e sem cheiro produzido nas glândulas de Skene (parauretrais). Acontece em orgasmos muito intensos ou múltiplos.

Algumas doenças podem cursar com aumento da vontade de urinar, mas não especificamente durante a relação sexual, como é o caso da cistite (polaciúria), mas são exceções; na maioria dos casos essa vontade é totalmente normal.

Entretanto, se for algo recorrente, que não aconteça apenas próximo da hora do orgasmo, é recomendado consultar um urologista para investigação da causa e tratamento associado.