Perguntar
Fechar

Tratamentos

Uma hérnia pode voltar depois da cirurgia?

Sim, uma hérnia pode voltar depois da cirurgia, embora o risco seja pequeno.

Dependendo da técnica cirúrgica utilizada, das características anatômicas da pessoa e do tipo de atividade desempenhada, há chances de uma hérnia (inguinal, umbilical, incisional, femural) voltar a depois da cirurgia.

No passado, quando se fazia uma cirurgia para tratar uma hérnia, a fraqueza ou falha na parede abdominal que provocava o aparecimento da hérnia era corrigido costurando-se o próprio tecido do/a paciente.

Como o tecido é frágil por natureza, havia mais chances dele afrouxar e a hérnia voltar a aparecer no mesmo local.

Com o passar do tempo, a cirurgia passou a ser feita com a colocação de uma tela, uma espécie de "remendo" que reforça a região. Com essa técnica, o risco da hérnia retornar é muito menor.

Em caso de recidiva (retorno da hérnia), é necessário realizar uma segunda cirurgia cirurgia para retirada da hérnia.

Leia também:

Hérnia inguinal: como é a cirurgia e recuperação pós operatório?

Quantos dias após a cirurgia de hérnia inguinal posso ter relação?

Toda hérnia tem que ser operada

Retirada da vesícula: como é a recuperação e quais os efeitos colaterais?

A recuperação após a cirurgia de retirada da vesícula normalmente é tranquila, sem grandes complicações. O/a paciente geralmente fica internado por um dia e pode retomar as suas atividades em aproximadamente uma semana após a remoção da vesícula.

A diarreia é o efeito colateral mais comum no pós-operatório. Contudo, assim como em outras cirurgias, existe sempre o risco de ocorrer sangramentos, infecções ou alguma reação alérgica à anestesia. 

A retirada da vesícula não traz grandes consequências, já que a digestão não é afetada de forma significativa. O corpo se adapta à ausência da vesícula biliar depois de algumas semanas ou meses e a pessoa pode voltar a comer alimentos gordurosos.

Leia também: O que não pode comer quem tem problemas na vesícula?

Em alguns casos mais raros, o/a paciente pode ter diarreias frequentes, que podem ser controladas com uso de certos medicamentos.

A cirurgia para retirar a vesícula é indicada principalmente em casos de cálculos ("pedras") biliares. As pedras podem obstruir o fluxo da bile pela vesícula ou por algum dos ductos biliares, causando dor, inflamação ou infecção.

A vesícula biliar é um pequeno órgão localizado junto ao fígado e que serve para armazenar a bile. A bile é um suco digestivo produzido pelo fígado que atua como um "detergente" sobre as gorduras, favorecendo a digestão das mesmas.

No entanto, mesmo sem a vesícula, o fígado continua produzindo a bile. Por isso, o organismo consegue digerir e absorver os alimentos normalmente sem o órgão.

A cirurgia mais utilizada para remover a vesícula biliar é feita através de pequenas incisões no abdômen, pelas quais o/a cirurgião/ã introduz pinças cirúrgicas na cavidade abdominal e retira a vesícula. Todo o procedimento é acompanhado através de uma câmera (videolaparoscopia), que também é introduzida no abdômen e permite ao/à médico/a visualizar a operação.

Saiba mais em: Qual o tempo de recuperação da cirurgia para retirar pedra da vesícula?

Quais os benefícios e riscos da auto-hemoterapia?

Os supostos benefícios da auto-hemoterapia estão relacionados com o aumento do número de leucócitos (células de defesa). Através dessa elevação dos níveis de leucócitos, a auto-hemoterapia promete tratar várias doenças, desde a acne ao câncer, e até fazer emagrecer.

O método consiste na aplicação intramuscular de sangue retirado do próprio paciente, dentro de no máximo 30 minutos. Teoricamente, o sangue, ao ser aplicado no músculo, é reconhecido pelo organismo como sendo um corpo estranho, desencadeando uma resposta do sistema imunológico, somando a resposta já existente, aumentando a resposta imunológica desta pessoa.

Os macrófagos, um tipo específico de leucócitos, são importantes células de defesa do organismo, cuja função é "engolir" e destruir micro-organismos invasores, além de trabalhar em conjunto com outras células de defesa (linfócitos T e B).

Sabe-se que os macrófagos desencadeiam uma poderosa ação contra vírus, bactérias e até mesmo células cancerígenas.

Baseando-se nisso, os adeptos da auto-hemoterapia alegam que o método é capaz de curar várias doenças, que vão desde acne e úlcera do estômago ao câncer, passando por alcoolismo, diabetes, esclerose múltipla, hipertensão arterial, dores crônicas, obesidade, entre outras.

Contudo, não existem evidências científicas que comprovem esses benefícios, e ao contrário, profissionais médicos e farmacêuticos sinalizam dos riscos que essa técnica pode levar aos praticantes. 

Quais os riscos e efeitos colaterais da auto-hemoterapia?

O principal risco da auto-hemoterapia é o risco de infecção, que, em alguns casos, pode evoluir para infecção generalizada e provocar a morte do paciente.

Essa infecção pode ser causada por bactérias que estão na pele ou no próprio ambiente, que muitas vezes não tem as condições sanitárias adequadas.

O hematoma que se forma após a aplicação torna-se um meio de cultura de bactérias, onde elas se multiplicam e proliferam.

A Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular (ABHH), a Anvisa e o Conselho Federal de Medicina não reconhecem a auto-hemoterapia como um método terapêutico, uma vez que não existem estudos científicos que comprovem a sua eficácia.

Para maiores informações sobre a auto-hemoterapia e os seus riscos, consulte um médico hematologista ou hemoterapeuta.

Pelo encravado inflamado: o que fazer?

Se o pelo encravado não estiver muito inflamado, ele pode se curar sozinho. Porém, se a inflamação persistir, pode ser necessário fazer um tratamento com pomadas à base de corticoide, antibiótico ou antifúngico. Dependendo da infecção, também pode haver necessidade de tomar antibióticos por via oral.

Quando o pelo encravado inflamado está infeccionado com bactérias que habitam a pele (estafilococos), há coceira no local e a inflamação apresenta pus. O tratamento nesse caso é feito com antibióticos através de pomadas ou por via oral. Também pode ser feita uma combinação de ambos. Enquanto houver inflamação, a área afetada não deve ser raspada.

O pelo encravado também pode estar infectado por bactérias presentes na água. O local apresenta erupções vermelhas e coça, podendo surgir depois bolhas com pus. Nesse caso, os pelos encravados tendem a infeccionar nos locais do corpo que ficam úmidos por mais tempo, como as regiões que ficam em contato com a roupa de banho. Os antibióticos raramente são indicados nessas situações e o tratamento é feito com loções que aliviam a coceira.

Os pelos encravados também podem estar inflamados devido à presença de fungos, provocando coceira, sobretudo nas costas e no peito. Pode ocorrer também no pescoço, rosto, ombros e braços. O tratamento nesses casos é feito com antifúngicos tópicos ou por via oral.

Há casos de pelo encravado inflamado em que o/a médico/a pode optar por fazer uma drenagem através de um pequeno corte para retirar o pus e aliviar a dor.

Saiba mais em: Qual o tratamento para um furúnculo?

Alguns cuidados podem ajudar a prevenir o aparecimento de pelos encravados inflamados, tais como:

  • Usar barbeador elétrico;
  • Utilizar água morna para se barbear e massagear os pelos para amolecê-los antes de fazer a barba;
  • Usar gel ou espuma de barbear ou ainda sabão para facilitar o deslizamento da lâmina e evitar cortes; 
  • Passar o barbeador no sentido do crescimento dos pelos;
  • Passar um hidratante no rosto depois de fazer a barba;
  • Manter a pele limpa, seca e hidratada, sem irritações ou lesões.

O/a especialista indicado para diagnosticar e tratar os pelos encravados inflamados é o/a médico/a dermatologista.

Também podem lhe interessar:

Como tirar pelo encravado?

Qual é o tratamento para foliculite no couro cabeludo?

Cauterização no útero dói? Qual o tempo de recuperação?

A cauterização no útero é um procedimento que pode causar incômodo e dor a depender de cada paciente.

A anestesia usada no procedimento é uma anestesia local no colo do útero. O/a ginecologista aplica a anestesia no momento do procedimento e a paciente continua acordada durante todo o tempo.

A cauterização no útero é um procedimento realizado para tratar lesões pré-cancerígenas ou infecciosas e destruir células anormais no colo do útero.

O procedimento em geral é simples e o tempo de recuperação dependerá de cada pessoa. A paciente pode continuar suas atividades cotidianas normalmente, devendo evitar relações sexuais, duchas vaginais e uso de tampões por algumas semanas após a cauterização. Esse tempo é necessário para haver a cicatrização do tecido.

A mulher que vai realizar ou já realizou o procedimento deve perguntar ao/à médico/a dúvidas sobre a cauterização, suas consequências e os cuidados que se deve ter após a realização.

Leia também: 

Quem fez cauterização no útero pode engravidar?

Tosse com catarro: o que fazer?

Em casos de tosse com catarro por mais de uma semana, ou se a sua tosse se apresentar com mais sintomas associados, como febre, mal estar, dor no peito ou falta de apetite, o médico deverá ser procurado o quanto antes. Nesses casos é preciso ser descartado um processo infeccioso, como a Pneumonia ou caso de Tuberculose, entre outras doenças mais graves. 

Nos casos de tosse com catarro sem mais sintomas, nós recomendamos que beba muita água, pelo menos 1,5 a 2 litros de água por dia. O aumento da ingestão de água, é a principal medida que deve ser tomada, pois a água fluidifica o catarro auxiliando na sua eliminação.

Outra recomendação valiosa é a inalação, pode ser feita com soro fisiológico ou inalação de vapor de água quente. A inalação age aliviando os sintomas da tosse, fluidificando as vias aéreas, favorecendo também a eliminação da secreção.

Xaropes que inibem a tosse (antitussígenos) não são recomendados, pois assim o catarro não será expelido.

Vale lembrar que a tosse é um mecanismo de defesa do corpo para eliminar secreção (catarro), corpos estranhos e agentes infecciosos das vias aéreas.

Em algumas situações, os xaropes expectorantes podem ser indicados porque fluidificam a secreção (catarro), facilitando a sua expulsão e impedindo a obstrução das vias aéreas. Mas nos casos de tosse por infecção, apenas auxiliam a ação do medicamento indicado, nesse caso os antibióticos.

Os xaropes para tosse podem conter em suas fórmulas anti-histamínicos (antialérgicos), descongestionantes e anti-inflamatórios, que podem causar efeitos colaterais indesejados e até levar à morte. Alguns desses efeitos indesejados incluem:

  • Sonolência;
  • Aumento da frequência cardíaca ("batedeiras");
  • Agitação;
  • Arritmia cardíaca.

Também é importante salientar que nem os xaropes, nem as pastilhas para tosse tratam a causa dessa tosse, apenas aliviam o desconforto e a frequência desse sintoma.

Veja também: Ao tossir tenho catarro com sangue, o que pode ser?

Leia também: Qual a diferença entre tosse alérgica e tosse normal?

Existe algum xarope ou remédio caseiro para tosse com catarro?

Sabe-se que o mel tem propriedades que dilatam os brônquios e diminuem a irritação da garganta, além de ser anti-inflamatório. Por isso, é considerado um bom remédio caseiro para tosse.

A dose indicada é de 1 colher de sopa (adultos) ou 1 colher de sobremesa (crianças) de mel, antes de dormir.

Outro produto natural que pode auxiliar o tratamento da tosse é o gengibre, pois possui gingerol, uma substância com ação anti-inflamatória e antibacteriana. Veja como fazer um xarope caseiro para tosse com gengibre:

Ingredientes:

  • 5 paus de canela;
  • 1 limão descascado (não jogue fora a casca, que também será usada);
  • 1 dente de alho;
  • 1 xícara (chá) de gengibre cortado em lascas;
  • 1 xícara (chá) de açúcar cristal.

Como fazer:

  1. Coloque o açúcar numa panela e leve ao fogo para fazer uma calda;
  2. Acrescente o gengibre e deixe a mistura no fogo durante 20 minutos;
  3. Adicione o limão;
  4. Quando levantar fervura, adicione a canela, a casca do limão e o alho;
  5. Caso a calda fique muito grossa, acrescente meio copo de água;
  6. Desligue o fogo e deixe repousar por 30 minutos.

Como tomar: Beba meia xícara (café) do xarope caseiro quente por dia.

Casos de tosse com catarro que duram mais de uma semana, ou que apresentam outros sintomas, como febre, mal estar, dor no peito e ou falta de apetite, devem ser avaliados por um médico imediatamente, para que seja detectado o que está provocando a tosse e a causa seja devidamente tratada e não o sintoma.

Pulso aberto: Como identificar e o que devo fazer?

O "pulso aberto" é um sintoma geralmente decorrente de traumas e esforços (fraturas, entorses, tendinites ou artroses), que podem ter lesionado alguma das estruturas do punho, como ossos e ligamentos.

Os principaissintomas do pulso aberto são dor no punho ou na mão, perda de força da mão e instabilidade da articulação do punho, o que causa limitação dos movimentos. Em alguns casos pode haver ainda inflamação do punho e inchaço local.

Entretanto, devido a grande quantidade de estruturas encontradas nessa região, é importante a  avaliação por um especialista, para que seja feito o diagnóstico e tratamento adequados,  evitando futuras complicações, como artrose e tendinites crônicas, por exemplo.

A imobilização do punho pode ser um primeiro passo, para amenizar os sintomas, como dor e o inchaço, assim como a aplicação de gelo no local durante 20 minutos, com cuidado e proteção da pele durante todo o tempo.

A fisioterapia pode ser indicada em muitos casos, sobretudo quando a recuperação é mais lenta. 

Contudo, o tratamento para o pulso aberto depende da gravidade do caso. Nas lesões mais leves, pode ser necessário apenas fazer repouso, gelo local e tomar medicamentos analgésicos para aliviar a dor. Já os casos mais severos podem necessitar inclusive de intervenção cirúrgica.

Portanto sugerimos que agende uma consulte com um médico ortopedista, especialista em mãos, para avaliar o seu caso e indicar o tratamento mais adequado.

Saiba mais em: Dor no pulso, o que pode ser e o que fazer?

Qual é o tratamento para condiloma acuminado?

O tratamento para condiloma acuminado inclui uso de medicações que se passam na região afetada e cauterização elétrica (isto é, "queimar" as lesões).

O condiloma acuminado é uma doença sexualmente transmissível, causada pelo vírus HPV e que se caracteriza pela presença de verrugas que aparecem em áreas como vulva e vagina, ânus e reto, pênis e boca.

O acompanhamento da doença deve ser feito por dermatologista ou ginecologista.