Perguntar
Fechar

Sangue

Criança evacuando sangue sem sentir dor o que é?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Evacuar sangue nessa idade sem sentir nenhuma dor pode ser que houve o rompimento de alguma veia na região próxima ao ânus decorrente de algum esforço para defecar, principalmente se ela sofre de intestino preso com fezes muito duras. Mas é só uma suposição. O ideal é você procurar um médico para avaliar melhor sua filha e ver se não é realmente nada mais sério.

Fiz exames de sangue de TSH e T4 Livre...
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Quer dizer que os exames estão normais. Ainda assim, é fundamental que leve o resultado para o médico que o solicitou, porque provavelmente está conduzindo uma investigação e esses resultados darão seguimento ao seu acompanhamento.

O que quer dizer TSH e T4?

O TSH (hormônio estimulante da tireoide), produzido na hipófise (glândula localizada abaixo do cérebro), age estimulando a glândula tireoide a produzir seus hormônios específicos (T3 e T4). Os valores considerados normais para esse hormônio estão entre 0,5 e 5,0 µUI/mL, porém podem variar em função do método utilizado e do laboratório.

O T4 (tiroxina) é o hormônio produzido na glândula tireoide, que está na sua maior parte na forma inativa, ligada a uma proteína; e o T4 livre (tiroxina livre circulante no sangue), é a fração desse hormônio, que não está ligada a nenhuma proteína, por isso pode ser convertido em T3 (tri-iodotironina), o hormônio que age efetivamente no metabolismo do corpo.

Seus valores considerados normais, variam também de acordo com a faixa etária, método de estudo e laboratório, com valores entre: Recém-nascidos: 2,6 a 6,3 ng/dL e Adultos: 0,8 a 2,7 ng/dL.

Para que servem os exames de TSH e T4?

São os exames utilizados na prática médica, para acompanhar ou investigar possíveis alterações na função da tireoide. Muito utilizado por exemplo na suspeita de hipotireoidismo ou hipertireoidismo. Trata-se de um exame simples, realizado através de uma amostra de sangue, aonde são dosados os níveis desses dois hormônios, além de outros, e comparados aos valores considerados normais, ou adequados para aquela faixa etária.

O/A médico/a responsável por essa avaliação e maiores esclarecimentos é o/a endocrinologista.

Leia também: Quais são os sintomas de tireoide alterada?

Estou com febre, dores no pé da barriga e no estômago, além de fezes amareladas e com sangue... O que devo fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Você deve procurar um serviço de emergência, para melhor avaliação visto que mantém febre há alguns dias e apresentou episódio de sangramento vivo nas fezes.

Existem muitas causas para a situação que descreve, entretanto, algumas mais comuns e de fácil tratamento, como uma gastroenterite ou uma virose, e outras que te expõe a risco de morte, como a apendicite supurada.

Portanto, precisa ser avaliado/a por um médico, que diante de mais detalhes referentes aos sintomas que descreve, e através de exame físico detalhado, poderá avaliar as principais suspeitas, e em uma emergência, orientar se deve agendar uma consulta ambulatorial ou dar seguimento com urgência, nos exames e avaliações subsequentes imediatamente. 

Podemos citar algumas das doenças mais comuns para os sintomas que refere, embora existam muitas outras causas: 

  • Apendicite: A dor geralmente se inicia de forma difusa ao redor do umbigo e aumenta, passando para o pé da barriga, mais ao lado direito. Causa dores abdominais, febre e vômitos e precisa ser tratada com urgência;
  • Gastroenterite: Neste caso, a febre e as dores no pé da barriga vêm acompanhadas também de vômitos e diarreia, que podem ser acompanhadas de sangue e muco. O tratamento varia de acordo com os resultados dos exames;
  • Diverticulite: Na maior parte dos casos, provoca febre e uma dor no pé da barriga, mais localizada no lado esquerdo, em pessoas com mais de 60 anos. O tratamento também varia, desde medicamentos orais até cirurgia de emergência, dependendo dos resultado dos exames;
  • Pedras na vesícula biliar: A dor abdominal ocorre devido à obstrução da vesícula por uma ou mais pedra. Se a obstrução for prolongada, a vesícula pode inflamar, causando, além da dor, calafrios, febre e vômitos.O tratamento é cirúrgico, embora nem sempre de urgência;
  • Doença Inflamatória pélvica (DIP): No caso das mulheres, precisamos descartar DIP, doença infecciosa que acomete o trato genital superior, o útero, trompas e ou ovários. Apresenta dor no pé da barriga, corrimento, sangramento vaginal, pode ter febre e náuseas associados, e o tratamento é realizado com antibióticos orais. 

No seu caso específico, as fezes amareladas com presença de sangue podem ter ocorrido pelo tempo que esteve constipada, o que leva ao ressecamento das fezes, e quando expelidas lesam a parede do reto, por ser uma área muita vascularizada, causando o sangramento vermelho vivo.

Por fim, não podemos descartar uma infecção no local do piercing, mesmo tendo colocado há muito tempo, pode ter ocorrido algum trauma ou reação no local que levou a um processo infeccioso.

Para mais esclarecimentos e tratamento adequado, procure um serviço de emergência e siga as orientações do médico que lhe atender.

Pode lhe interessar também:

O que é apendicite supurada e quais os riscos?

O que é DIP e quais os sintomas?

Quais os sintomas de infecção intestinal?

Quais os sintomas de sangue nas fezes?

Diabético pode doar sangue?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Algumas pessoas com diabetes podem, sim, doar sangue. Se a pessoa estiver controlando apenas com alimentação e/ou hipoglicemiantes orais (medicamentos) e não apresente alterações vasculares, poderá doar (desde que cumpra todos os outros critérios para doação).

Entretanto, caso ela seja insulino-dependente ou tenha utilizado insulina uma única vez, não poderá doar. Esses pacientes têm alterações cardiovasculares importantes e, como consequência, durante ou logo após a doação de sangue, podem manifestar alguma reação que piore seu estado de saúde. É uma maneira de proteger o doador, já que não oferece risco à pessoa que vai receber o sangue.

Doar sangue é uma atitude louvável - todos aqueles que podem doar deveriam fazê-lo. É possível doar até 4 vezes ao ano, e cada doação pode salvar vidas ou ajudar até 30 pessoas. Veja quais são as restrições para saber se você pode doar ou não:

Requisitos básicos:

  • Estar em boas condições de saúde;
  • Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos, clique para ver documentos necessários e formulário de autorização);
  • Pesar no mínimo 50 kg;
  • Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas);
  • Estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação);
  • Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social).

Impedimentos temporários:

  • Resfriado, gripe, diarreia ou conjuntivite: esperar 7 dias após desaparer os sintomas;
  • Gravidez: 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana;
  • Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses);
  • Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação;
  • Hipo ou hipertensão no momento da doação;
  • Anemia detectada no teste anterior à doação;
  • Aumento ou diminuição importante dos batimentos cardíacos no momento da doação;
  • Febre no momento da doação;
  • Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins são estados onde há alta prevalência de malária. Quem esteve nesses estados deve aguardar 12 meses;
  • Restrição por 48 horas: caso tenha recebido vacina preparada com vírus ou bactérias mortos, toxoide ou recombinantes. Ex.: cólera, poliomielite (Salk), difteria, tétano, febre tifoide (injetável), meningite, coqueluche, pneumococo, gripe;
  • Restrição por 2 semanas: após o término do tratamento de infecções bacterianas (como por exemplo amigdalite), após a cura de rubéola e erisipela;
  • Restrição por três semanas: após a cura de caxumba ou varicela (catapora);
  • Restrição por quatro semanas: caso tenha recebido vacina de vírus ou bactérias vivos ou atenuados. Ex.: poliomielite oral, febre tifoide oral, caxumba, febre amarela, sarampo, BCG, rubéola, varicela (catapora), varíola. Além disso, se recebeu soro antitetânico e após a cura de dengue;
  • Restrição por três meses: se foi submetido a apendicectomia, hemorroidectomia, hernioplastia, ressecção de varizes ou amigdalectomia.
  • Restrição por seis meses a um ano: se submeteu-se a alguma cirurgia de grande porte como colecistectomia, histerectomia, tireoidectomia, colectomia, esplenectomia pós trauma, nefrectomia. Além disso, após a cura de toxoplasmose comprovada laboratorialmente ou após qualquer exame endoscópico (endoscopia digestiva alta, colonoscopia, rinoscopia etc) - se com biópsia, é necessário avaliação do resultado da mesma;
  • Restrição por um ano: se recebeu uma transfusão de sangue, plasma, plaquetas ou hemoderivados, enxerto de pele ou de osso; se sofreu acidente se contaminando com sangue de outra pessoa; se teve acidente com agulha já utilizada por outra pessoa; se teve contato sexual com pessoa que seja profissional do sexo, usuário de drogas endovenosas, que tenha recebido transfusão de sangue ou com HIV/hepatite nos últimos 12 meses; se mora na mesma casa de uma pessoa que tenha hepatite, se fez tatuagem ou piercing (se feito em local sem condições de avaliar a antissepsia: esperar 12 meses após realização; com material descartável e realizado em local adequado: esperar 6 meses após a realização; se efetuado na mucosa oral ou genital: enquanto estiver com o piercing está inapto, tornando-se apto 12 meses depois da retirada do mesmo). Se teve sífilis ou gonorreia e se foi detido por mais de 24 horas.
  • Restrição de 5 anos: após cura de tuberculose pulmonar.

Impedimentos definitivos:

  • Hepatite após os 11 anos de idade;
  • Diabético insulino-dependente;
  • Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças infecciosas transmissíveis pelo sangue: Hepatites B e C, AIDS (vírus HIV), doenças associadas aos vírus HTLV I e II e Doença de Chagas;
  • Doenças auto-imunes como Tireoidite de Hashimoto ou Lupus;
  • Uso de determinados medicamentos (consulte ao doar);
  • Uso de drogas ilícitas injetáveis;
  • Malária;
  • Recebeu enxerto de dura-máter;
  • Teve algum tipo de câncer, incluindo leucemia;
  • Tem graves problemas no pulmão, coração, rins ou fígado;
  • Tem problema de coagulação de sangue; 
  • Teve tuberculose extra-pulmonar.
  • Já teve elefantíase, hanseníase, calazar (leishmaniose visceral), brucelose;
  • Tem alguma doença que gere inimputabilidade jurídica;
  • Foi submetido a gastrectomia total, pneumectomia, esplenectomia não decorrente de trauma, transplante de órgãos ou de medula.
  • Hepatite após completar 11 anos: Recusa permanente; Hepatite B ou C depois ou ou antes dos 10 anos de idade: Recusa definitiva; Hepatite causada por Medicamento: apto depois de curado e avaliado clinicamente; Hepatite viral (A): após os 11 anos de idade, se trouxer o exame do diagnóstico da doença, será avaliado pelo médico da triagem;

Intervalos para doação:

  • Homens - 60 dias (4 doações nos últimos 12 meses, nomáximo);
  • Mulheres - 90 dias (3 doações nos últimos 12 meses, no máximo).
Qual exame de sangue para detectar alergia?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Atualmente, até existem alguns exames de sangue para o diagnóstico de reações alérgicas induzidas por fármacos, contudo, raramente são utilizados na prática clínica.

Alguns testes ainda não estão disponíveis nos laboratórios, como o teste de IgE  específica ao medicamento, e outros são usados apenas em situações muito específicas, como as concentrações de triptase e histamina no soro, que estão indicadas em algumas situações de anafilaxia. Outros exames existentes estão em fase de estudo e não são ainda usados pelos médicos.

Usualmente, o diagnóstico de alergia a fármacos é feito mais comumente através da história clínica, de testes cutâneos e pelo teste de provocação oral.

Em relação a história do paciente, o médico geralmente avalia a relação entre a tomada do medicamento e o aparecimento dos sintomas, se já teve ou não sintomas semelhantes no passado, e também se tem outras alergias ou doenças.

Leia também: Como identificar uma alergia a medicamentos?

Após uma avaliação detalhada da história podem ser realizados alguns exames em centros especializados. Entre eles, o exame inicial costuma ser  o teste cutâneo, onde a testagem para alguns fármacos como antibióticos beta-lactâmicos, relaxantes neuro-musculares e heparinas, pode ser realizada de forma rápida e simples.

Outro exame que pode ser realizado é a provocação oral, que consiste na tomada de pequenas doses do medicamento, de forma progressiva, sob rigorosa observação e em ambiente de segurança, até se chegar a dose normalmente prescrita do fármaco ou até o aparecimento de sintomas, quando o teste é interrompido. 

O teste de provocação é o exame considerado padrão-ouro, pois através dele pode-se de fato confirmar ou descartar a alergia a determinado fármaco. Ele pode ser utilizado com os seguintes medicamentos: anti-inflamatórios, anestésicos locais, antibióticos beta-lactâmicos ou não beta-lactâmicos.

Esse tipo de teste não pode ser realizado naquelas pessoas que já apresentaram reações cutâneas ou sistêmicas muito graves como Síndrome de Stevens-Johnson, DRESS, entre outras.

Veja também: O que fazer em caso de reação alérgica

Caso apresente alergia a algum medicamentos compareça a uma consulta para uma avaliação inicial com o seu médico de família ou clínico geral. Para uma investigação mais especializada pode ser realizado um encaminhamento ao médico alergologista, especialista em alergias.

Câncer no sangue tem cura? Qual é o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Câncer no sangue pode ter cura, dependendo do tipo de câncer e do tempo que demorou para ser diagnosticado. No caso do mieloma múltiplo, a doença ainda não possui uma cura definitiva e completa, enquanto que nas leucemias e nos linfomas as chances de cura aumentam de acordo com o tempo que a doença levou para ser detectada e o tipo de tumor.

mieloma múltiplo é tratado com quimioterapia, hemodiálise, medicamentos corticoides, imunomoduladores, antibióticos monoclonais e medicação para estimular a produção de hemácias (glóbulos vermelhos do sangue), além de transplante de medula óssea. As formas de tratamento são definidas conforme os sintomas e as complicações apresentadas pelo paciente.

Vale ressaltar que o transplante autólogo e os medicamentos talidomida e lenalidomida, usados para tratar o mieloma múltiplo, produzem excelentes resultados, o que pode deixar o mieloma fora da lista dos cânceres incuráveis.

Veja também: Mieloma múltiplo tem cura? Qual é o tratamento?

O tratamento dos linfomas pode incluir quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e transplante de medula óssea. A cura do linfoma e a forma de tratamento dependem do estágio da doença e do tipo de linfoma (Hodgkin ou não-Hodgkin).

Leia também: Linfoma tem cura?

Já a leucemia é tratada com quimioterapia e medidas para controlar as complicações provocadas pelas infecções e sangramentos, bem como para prevenir e combater o câncer no sistema nervoso central. O objetivo do tratamento das leucemias é destruir as células cancerosas para normalizar a produção de células sanguíneas normais pela medula óssea.

O diagnóstico e tratamento do câncer no sangue é da responsabilidade do/a médico/a hematologista ou oncologista.

Saiba mais em:

Leucemia tem cura? Como é o tratamento?

Quais os tipos de câncer no sangue e os seus sintomas?

A partir de que idade se pode doar sangue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Pode-se doar sangue a partir dos 16 anos de idade, desde que o/a menor de idade apresente um termo de autorização assinado por um dos pais ou responsável legal. Após os 18 anos, a pessoa não precisa mais dessa autorização, devendo apresentar apenas um documento de identificação. A idade máxima para doar sangue vai até os 69 anos.

Além de estar dentro da idade permitida, a pessoa também deve cumprir os requisitos mínimos necessários para se poder doar sangue, como:

  • Ter pelo menos 50 kg de peso;
  • Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas;
  • Estar alimentado (de preferência não ter comido alimentos gordurosos nas últimas 4 horas);
  • Apresentar documento original com foto emitido por órgão oficial.

Algumas condições que impedem temporariamente a doação de sangue:

  • Gravidez; amamentação
  • Parto normal (esperar 90 dias), cesariana (esperar 180 dias) e aborto (esperar 90 dias);
  • Resfriado;
  • Ingestão de bebida alcoólica 12 horas antes da doação;
  • Ter feito uma tatuagem nos últimos 12 meses;
  • Uso de drogas injetáveis;
  • Quem esteve nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Tocantins deve esperar 12 meses devido à alta prevalência de malária nessas regiões.
Fezes escuras com sangue, o que é?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

Fezes escuras com sangue podem ocorrer devido a um sangramento do sistema digestivo. As causas para esses sangramentos podem variar, como por exemplo:

  • Presença de vermes nos intestinos,
  • Lesões traumáticas,
  • Esofagites,
  • Varizes esofagianas,
  • Úlceras,
  • Hemorroidas e
  • Tumores.

Quando o sangramento ocorre na boca, esôfago, estômago ou duodeno (parte superior do intestino delgado), as fezes tendem a apresentar uma coloração bem escura e um cheiro forte característico (melena), principalmente em presença de sangramentos intensos. 

Nesses casos, outros sinais e sintomas também podem estar presentes, como hipotensão arterial (pressão baixa), aumento da frequência cardíaca (taquicardia) e palidez cutânea.

Quando o sangramento ocorre nas regiões baixas do sistema digestivo, como intestino grosso (cólon), reto e ânus, as fezes são acompanhadas de sangue com a coloração vermelho vivo (hematoquezia). 

Esse tipo de sangramento também pode ser notado pela presença de pingos de sangue no vaso sanitário e no papel higiênico.

Sangue oculto nas fezes

Quando as fezes não estão escuras e não apresentam sangue visível a olho nu, pode ser feito um exame em laboratório que permite detectar sangue oculto nas fezes. Esse teste pode identificar pequenas quantidades de sangue, normalmente quando este não é visível nas fezes.

O exame de sangue oculto nas fezes é usado para rastrear pólipos intestinais, que algumas vezes são consideradas lesões pré-cancerígenas.

Para realizar o exame, utiliza-se uma pequena amostra de fezes recolhida pela própria pessoa. A amostra é então analisada em laboratório para se detectar a presença de sangue. 

Há casos em que para fazer o exame é necessário realizar uma dieta específica, que deve começar de 3 a 5 dias antes do exame. Porém, há exames em que não é necessário fazer nenhuma dieta especial.

O gastroenterologista ou o proctologista são os especialistas responsáveis pela pesquisa de presença de sangue nas fezes, capazes de definir diagnóstico e tratamentos para cada caso.

O que significa trombocitose em exame de sangue?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Trombocitose é o aumento no número de plaquetas no sangue, as plaquetas são responsáveis pelo processo de coagulação no sangue. Trombocitose não é uma doença é na verdade uma alteração de exame que pode ou não significar uma doenças. Existem muitas causas para trombocitose, algumas são simples e outras são mais sérias. O ideal é retornar ao médico que solicitou o exame para, talvez, num primeiro momento repetir o exame para confirmar o resultado e depois se necessário procurar a causa.

Quando vou defecar sai pingos de sangue vermelho?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sangramento aos pingos de sangue vivo é geralmente decorrente de lesões no ânus ou parte baixa do intestino, dificilmente do fígado. Precisa ir a um médico para ver o que realmente está acontecendo.

Fiz exames de sangue para tireoide TSH e T4, deram 0,68 e 1,42, estão normais ?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Os valores dosados de TSH e de T4 estão dentro dos limites de normalidade.

Sempre importante lembrar que todos os exames complementares, sejam eles exames de sangue, exames de imagem, exames de urina ou outro, devem ser analisados junto com os achados clínicos e avaliação do médico que o solicitou. Os valores chamados de referência são os esperados sim, porém algumas vezes, dependendo do caso, da idade e peso do paciente podemos achar que está insuficiente.

Um bom exemplo é a vitamina B12, muitas vezes, apesar do resultado estar dentro dos limites de referência no exame de sangue, quando avaliamos a queixa do paciente, idade e necessidade desta vitamina, acabamos por sugerir um aumento do consumo da vitamina através de orientação dietética.

Por isso, todo exame que realizar, mesmo observando pelos valores de referência que estão dentro dos valores de normalidade, deve levar ao médico que o solicitou para confirmação e orientações adequadas.

Pode lhe interessar também:

Minha menstruação é sangue grosso, é normal?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Se sempre foi assim e não tem nenhum outro sintoma, não deve se preocupar isso deve ser uma característica das suas menstruações.