Perguntar
Fechar

Resultado de Exames

O que é um nódulo hipoecóico e hipoecogênico?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Um ​nódulo hipoecóico ou hipoecogênico é um nódulo que reflete pouco as ondas do aparelho de ultrassom. Como resultado, a imagem do nódulo aparece mais escura em relação ao restante do tecido do órgão examinado, como mama ou tireoide, por exemplo.

As imagens na ultrassonografia são formadas pela reflexão das ondas emitidas pelo aparelho. Quando os tecidos não refletem ou refletem pouco essas ondas, as imagens ficam escuras (hipoecóicas ou hipoecogênicas). Quando as ondas são bem refletidas, as imagens ficam claras (hiperecóicas ou hiperecogênicas).

Na mama, um nódulo hipoecóico não significa que o mesmo seja maligno ou benigno, pois em ambos os casos o nódulo pode apresentar-se hipoecogênico.

Veja também: O que é um fibroadenoma mamário e quais os sintomas?

Já na tireoide, nódulos sólidos e hipoecogênicos com mais de 1 cm de diâmetro devem ser investigados. Nesses casos, poderá ser indicada a complementação do Ultrassom com a punção em que são colhidas células do interior do nódulo para verificar a existência de células cancerígenas ou com potencial de malignidade.

Sempre após a realização de qualquer exame, é importante marcar uma consulta de retorno com o/a médico/a que solicitou o exame para que ele/ela possa dar seguimento ao acompanhamento e fazer a avaliação mais detalhada do quadro clínico da pessoa.

Também pode lhe interessar: O que é um nódulo isodenso?

Que doenças o hemograma pode detectar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O hemograma pode ajudar a detectar doenças como anemia, alguns tipos de câncer como leucemia, infecções e inflamações, problemas no sistema imunológico, entre outras. 

Através da análise dos leucócitos (glóbulos brancos), hemácias (glóbulos vermelhos) e plaquetas, o hemograma fornece ao médico informações importantes sobre as células do sangue, sendo muito útil para auxiliar o diagnóstico ou acompanhar a evolução de diversas doenças. Contudo, o hemograma não detecta gravidez, drogas ou doenças como diabetes, DST e HIV.

O hemograma avalia os três grupos de células sanguíneas: hemácias, leucócitos e plaquetas.

As hemácias, também conhecidas como glóbulos vermelhos, são as células sanguíneas responsáveis pelo transporte de oxigênio. Níveis elevados de hemácias indica policitemia, o que pode prejudicar as demais células e deixar o sangue espesso. Se o hemograma detectar uma diminuição das hemácias, pode ser sinal de anemia ou hemorragia.

Veja também: Hemácias normocíticas e normocrômicas é anemia?

Os leucócitos ou glóbulos brancos são as células de defesa do corpo. A contagem dos glóbulos brancos serve para detectar infecções ou inflamações, avaliar a necessidade de se fazer uma biopsia da medula óssea ou analisar a resposta do organismo a tratamentos com antibióticos, quimioterapia ou radioterapia.

Quando os leucócitos estão elevados (leucocitose), pode ser sinal de infecção, leucemia, infarto do miocárdio, gangrena ou morte (necrose) de algum tecido. Se o número de glóbulos brancos estiver reduzido (leucopenia), pode indicar uma depressão da medula óssea causada por infecções virais ou tratamento do câncer, além de ingestão de mercúrio ou exposição ao benzeno. Dentre as doenças que podem causar leucopenia estão febre tifoide, influenza, sarampo, hepatite infecciosa e rubéola.

Leia também:

Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?

O que significa monocitose confirmada em hemograma?

As plaquetas são as células sanguíneas responsáveis pela coagulação. A contagem do número de plaquetas serve para avaliar a capacidade de coagulação do sangue, bem como diagnosticar ou verificar as causas de um aumento ou diminuição dessas células.

Assim, o hemograma pode auxiliar o diagnóstico de uma grande variedade de doenças e problemas de saúde, como:

  • Hemorragias;
  • Doença cardíaca;
  • Alterações do sistema imunológico;
  • Distúrbios na medula óssea;
  • Câncer;
  • Processos infecciosos e inflamatórios;
  • Reações a medicamentos e tratamentos.

O resultado do hemograma deve ser avaliado pelo médico que solicitou o exame.

Também podem lhe interessar:

Quais são os principais tipos de exame de sangue e para que servem?

No hemograma, o que significa VCM, HCM e RDW?

Quais são os valores de referência de um hemograma?

Hemograma pode detectar gravidez?

Quanto tempo leva para exames de gravidez darem positivos?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O exame de gravidez pode dar positivo após 7 dias da fecundação, ou seja, em torno de uma a duas semanas após a relação sexual. Como o espermatozoide pode ficar viável na vagina por até 5 dias após a relação sexual e o óvulo disponível por 24 horas, a fecundação pode ocorrer em um prazo de até 6 dias após uma relação sexual.

Após a fecundação, o ovo (junção do óvulo com o espermatozoide) é transportado para o útero e inicia o processo de implantação. Apenas após a implantação do ovo é que inicia a produção do hormônio hCG, que só é produzido durante a gravidez. Esse hormônio pode então ser detectado pela urina ou sangue da mulher.

Em geral, os testes de gravidez podem ser feitos logo no primeiro dia de atraso menstrual ou cerca de 14 dias depois da ovulação.

Quando fazer o teste de gravidez de farmácia?

O teste de gravidez de farmácia feito com urina demora um pouco mais para acusar positivo, uma vez que a concentração do hormônio na urina é bem menor que no sangue.

Em geral, os testes de gravidez de farmácia mais caros costumam ser mais sensíveis e podem detectar uma gravidez alguns dias antes da menstruação atrasar. Contudo, alguns testes de farmácia são menos sensíveis, podendo dar resultados negativos quando na verdade a mulher está grávida.

O ideal é esperar pela menstruação e, em caso de atraso superior a 7 dias, fazer o teste de gravidez de farmácia. Recomenda-se fazer o teste com a primeira urina do dia, pois está menos diluída e possui uma concentração maior de beta-hCG.

Para que a gravidez seja detectada no teste, é necessário que os níveis de beta-hCG estejam suficientemente altos para que o hormônio, produzido apenas na gestação, seja detectado no teste.

Só 8 dias após a fecundação, ou seja, 8 dias depois da união do óvulo com o espermatozoide, é que o hCG pode ser detectado na urina.

Quando fazer o exame de gravidez beta-hCG?

O exame beta-hCG pode detectar uma gravidez cerca de 12 dias depois da ovulação. O exame qualitativo fornece resultados “positivo” ou “negativo”, como os testes de gravidez de farmácia.

Já o exames de beta-hCG quantitativos, feitos em laboratório a partir do sangue, são mais precisos. Esse exame indica a quantidade da subunidade "beta" do hCG presente no sangue, onde a concentração desse hormônio é bem maior que na urina.

Nesses casos, a gravidez é confirmada quando o valor de beta-hCG é igual ou superior a 25 IU/l. Esse tipo de exame é o mais indicado, pois ao analisar a quantidade de beta-hCG na circulação sanguínea, é possível determinar o tempo aproximado de gestação.

É possível que essa relação sexual desprotegida tenha causado uma gravidez, porém a gravidez pode ter sido por relações sexuais que ocorreram em outros dias.

Para isso, é preciso conversar com sua amiga e saber detalhes sobre essas situações. O mais importante é vocês conversarem e consultarem um/a profissional de saúde para se informarem melhor e avaliarem em conjunto a necessidade ou não de teste de paternidade.

Plaquetas altas, o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

As causas de plaquetas altas podem ser:

  • fisiológicas (não denotam doenças): exercício, trabalho de parto, uso de epinefrina, após hemorragia;
  • infecciosas e/ou inflamatórias: retocolite ulcerativa, poliarterite nodosa, artrite reumatóide, sarcoidose, cirrose hepática;
  • distúrbios do baço: após esplenectomia (retirada cirúrgica do baço), atrofia ou agenesia do baço, trombose da veia esplênica;
  • neoplasias: carcinomas, linfomas;
  • doenças hematológicas: síndromes mieloproliferativas, trombocitose familiar, anemia ferropriva (por deficiência de ferro), anemias crônicas, hemofilia, mieloma múltiplo;
  • miscelânea: após procedimentos cirúrgicos e traumas, doenças renais, síndrome de Cushing e uso de medicamentos (epinefrina, isotretinoína, vincristina).

Plaquetas altas podem não causar sintomas ou podem ocorrer náuseas, vômitos, perda de noção espacial (labirintite) e formigamento nas extremidades.

A avaliação da causa da plaquetose e se será necessário tratamento deverá ser feita pelo médico hematologista.

Como é feito o exame transvaginal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O exame transvaginal é feito com a mulher deitada na maca em posição ginecológica, com as pernas um pouco abertas e dobradas sobre um apoio. O/a médico/a ultrassonografista introduz uma sonda, revestida por um preservativo e gel lubrificante, na vagina da paciente.

A sonda do ultrassom transvaginal transmite as informações para um computador, onde é possível ver as imagens dos órgãos e estruturas pélvicas, como ovários, útero e trompas. O laudo é emitido juntamente com as imagens ecográficas impressas, que serão interpretadas pelo/a médico/a que solicitou o exame.

O exame transvaginal pode ser um pouco incômodo mas não dói. É um exame rápido que pode ser feito mesmo com a presença de sangramento, sendo contraindicado se a mulher for virgem, e nesse caso ela deverá informar à/ao médica/o que irá fazer o ultrassom abdominal.

Leia também: A bexiga deve estar cheia para fazer o exame transvaginal?

Para que serve o exame de transaminase oxalacética?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O exame de transaminase oxalacética, também conhecido como TGO ou AST, é usado para detectar doenças e problemas no fígado e na bile. A transaminase oxalacética é uma enzima encontrada em todo o corpo, mas a sua maior concentração está no fígado. Por isso, quando ele sofre alguma lesão, a TGO extravasa para a corrente sanguínea e o exame apresenta valores altos.

A análise dos níveis de transaminase oxalacética é solicitada principalmente em casos suspeitos de lesões hepatobiliares. Os valores de referência da transaminase oxalacética variam entre 5 e 40 U/L, de acordo com cada laboratório.

Quando o nível de transaminase oxalacética está muito elevado, ou seja, 10 vezes superior aos valores normais, a pessoa pode estar com uma hepatite viral aguda. Após um período que varia entre 3 e 6 meses, as taxas de TGO tendem a normalizar.

Quando o exame de transaminase oxalacética é solicitado?

O exame de transaminase oxalacética pode ser solicitado na presença de sinais e sintomas de doença hepática, como dor na porção superior do abdômen, icterícia (pele e olhos amarelados), escurecimento da urina e coceira no corpo.

A análise dos níveis de transaminase oxalacética também pode ser indicada quando existe um risco elevado de doença hepática, como em casos de hepatite, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, uso de determinados medicamentos, entre outras condições.

Transaminase oxalacética alta: o que pode ser?

A transaminase oxalacética pode estar alta em várias condições e doenças que podem ou não estar relacionadas com o fígado, tais como:

  • Exposição a substâncias tóxicas, hepatite viral, pancreatite aguda;
  • Doenças musculares, radioterapia, diminuição do fluxo de sangue para o fígado;
  • Hepatite crônica, cirrose hepática, anemia hemolítica;
  • Derrame cerebral, câncer de fígado, doenças da bile;
  • Infarto, lesões musculares, ainda atividade física intensa.

Por essa razão, o resultado do exame de transaminase oxalacética é analisado juntamente com o exame de alanina aminotransferase (ALT), que também é produzida pelo fígado, entre outros exames hepáticos, como os de bilirrubina e albumina.

O/a médico/a que solicitou a análise de transaminase oxalacética é responsável pela interpretação dos resultados. Portanto, é importante levar o resultado dos exames em uma consulta de retorno para que o/a médico/a posso correlacionar esses resultados com o seu quadro clínico.

Fosfatase alcalina alta, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Fosfatase alcalina alta pode ocorrer por uma série de fatores, dentre os quais posso citar:

  • Biológicos: Gravidez; idade e sexo (vide valores de referência, abaixo);

Na infância, os níveis da enzima aumentam gradualmente, mais nos meninos do que nas meninas, chegando a atingir aos dez anos até quatro vezes mais que o valor em adultos. Após este período os níveis tendem a diminuir e aos 20 anos são similares para homens e mulheres. Durante a gravidez os valores elevam de duas a três vezes o valor de referência, principalmente pela produção da fração placentária, mas também pelo aumento da isoenzima óssea.

  • Drogas: morfina.

Aumento da FA hepática: Coledocolitíase, neoplasia hepática, atresia de vias biliares, hepatites virais.

Aumento da FA óssea: Consolidação de fraturas, tumores ósseos, osteomalásia, raquitismo, acromegalia, hiperparatireoidismo. doença de Paget.

Os valores de referência são os seguintes: (observação: os valores de referência podem variar em função do método e dos reagentes utilizados; portanto esses valores devem estar claramente citados nos laudos de resultados dos exames laboratoriais).

Faixa etária                       Masculino (U/L)            Feminino (U/L)            Ambos os sexos

Recém-nascido                                                                                                       150 a 600

6 meses a 9 anos                                                                                                    250 a 900

10 a 11 anos                                  250 a 730                    250 a 950

12 a 13 anos                                  275 a 875                    200 a 730

14 a 15 anos                                  170 a 970                    170 a 460

16 a 18 anos                                  125 a 720                     75 a 270

Acima de 18 anos                                                                                                     50 a 250

A interpretação dos resultados do exame deve ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral.

Entendendo os exames para Toxoplasmose
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

O IgG e o IgM são exames para a detecção de anticorpos contra várias doenças entre elas a Toxoplasmose.

A toxoplasmose adquirida durante a gestação pode levar a problemas no feto, porém quando adquirida fora da gestação é uma doença geralmente passageira, benigna e não costuma deixar sequelas.

IgM: é o anticorpo da infecção aguda, positiva nos primeiros dias ou semanas após iniciada a infecção e costuma ficar elevado por alguns meses;

IgG: é o anticorpo que surge para imunizar a pessoa (proteger de futuras infecções da toxoplasmose), costuma dar positivo nas primeiras semanas após a infecção e assim pode permanecer por toda a vida.

IgM negativo e IgG negativo: nunca entrou em contato;

IgM positivo e IgG negativo: está com a infecção, está doente de toxoplasmose;

IgM positivo e IgG positivo: Infecção recente (semanas ou meses já podem ter se passado desde a doença);

IgM negativo e IgG positivo: infecção antiga (meses ou anos já podem ter se passado desde a doença).