Perguntar
Fechar

Exame de Sangue

Exame de ureia: para que serve e como entender os resultados?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O exame de ureia é um exame que mede a quantidade de ureia no sangue ou na urina. A ureia é um subproduto resultante do metabolismo de proteínas no organismo. A ureia é excretada pelos rins. Por isso, o resultado do exame de ureia pode avaliar a função renal. Uma taxa de ureia elevada pode ser um sinal de que os rins não estão funcionando de maneira eficiente.

Pessoas que estão nos estágios iniciais de uma doença renal podem não notar nenhum sintoma. O exame de ureia pode detectar problemas renais em um estágio inicial, quando o tratamento é mais eficaz.

A principal função dos rins é eliminar os resíduos e o excesso de líquidos do corpo. A ureia é um dos resíduos que os rins removem do sangue. Se a pessoa tiver uma doença renal, o material residual pode se acumular no sangue e causar sérios problemas de saúde, como pressão alta, anemia e doença cardíaca.

Além de ser usado para diagnosticar ou monitorar uma doença ou um distúrbio renal, o exame de ureia serve ainda para verificar o equilíbrio proteico de uma pessoa e a quantidade de proteína necessária nos alimentos para indivíduos gravemente doentes. Também é usado para determinar quanta proteína uma pessoa consome.

Quais são os valores de referência da ureia?

Os valores de referência da ureia variam de 12 a 20 gramas por 24 horas (428,4 a 714 mmol/dia). Esses são os valores de ureia considerados normais. As faixas de valores normais podem variar um pouco entre os laboratórios.

Ureia baixa: o que pode ser?

Ureia baixa geralmente é sinal de problemas renais ou desnutrição (falta de proteína na dieta).

Ureia alta: o que pode ser?

Ureia alta pode ser sinal de doença renal, aumento da quebra de proteínas no corpo ou ingestão excessiva de proteínas. Pode ocorrer ainda em casos de desidratação, queimaduras, uso de certos medicamentos ou outros fatores, como idade. Normalmente, a taxa de ureia fica mais elevada à medida que a pessoa envelhece.

Quando o exame de ureia é indicado?

Alguns fatores que aumentam o risco de doença renal e podem ser indicativos para solicitar o exame de ureia incluem:

  • História familiar de problemas renais;
  • Diabetes;
  • Pressão alta;
  • Doença cardíaca.

Os níveis de ureia também podem ser avaliados se a pessoa tiver sintomas de doença renal avançada, como:

  • Urinar com pouca frequência;
  • Coceira pelo corpo;
  • Cansaço constante;
  • Inchaço nos braços, pernas ou pés;
  • Cãibras musculares;
  • Dificuldade para dormir.

O exame de ureia é apenas uma das maneiras de avaliar o funcionamento dos rins. Se houver suspeita de doença renal, poderão ser recomendados outros testes, com o exame de creatinina, outro produto filtrado pelos rins, que avalie a eficácia com que os rins estão filtrando o sangue.

Para entender o resultado do exame de ureia, consulte o médico que solicitou o exame de sangue ou de urina.

Para que serve a contagem de reticulócitos?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Reticulócitos são glóbulos vermelhos levemente imaturos. A contagem de reticulócitos é um exame de sangue que mede a quantidade dessas células no sangue. O exame de reticulócitos serve para determinar se os glóbulos vermelhos estão sendo produzidos pela medula óssea a uma taxa apropriada. O número de reticulócitos no sangue indica quão rapidamente eles estão sendo produzidos e liberados pela medula óssea.

A contagem de reticulócitos é realizada através da colheita de uma amostra de sangue e não é necessária nenhuma preparação especial para a realização do exame.

Em adultos saudáveis sem anemia, um resultado normal para a contagem de reticulócitos deve apresentar valores entre 0,5% e 2,5%. As faixas de valores normais podem variar um pouco entre os laboratórios, que podem utilizar medições diferentes ou analisar amostras diferentes.

Os valores normais do exame de reticulócitos depende do nível de hemoglobina, uma proteína presente nos glóbulos vermelhos que transporta oxigênio. O intervalo entre os valores é maior se a hemoglobina estiver baixa devido a sangramentos ou destruição dos glóbulos vermelhos.

Reticulócitos altos

Um nível de reticulócitos alto, com uma contagem acima dos valores normais, pode ser sinal de anemia hemolítica (tipo de anemia em que os glóbulos vermelhos são destruídos antes do tempo), sangramento, eritroblastose fetal (doença do sangue presente no feto ou em bebê recém-nascido) ou doença renal com aumento da produção do hormônio eritropoietina.

Níveis de reticulócitos aumentados também podem ser observados durante a gravidez.

Reticulócitos baixos

Reticulócitos baixos, com uma contagem de reticulócitos abaixo do normal, podem indicar a presença de:

  • Insuficiência da medula óssea causada por toxicidade de certos medicamentos, tumores, radioterapia ou infecção;
  • Cirrose hepática;
  • Anemia causada por baixos níveis de ferro, folato ou vitamina B12;
  • Insuficiência renal crônica.

O médico que solicitou o exame de reticulócitos é o responsável pela interpretação dos resultados do mesmo.

Quais as taxas normais de colesterol HDL, LDL, VLDL, não-HDL e colesterol total?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As taxas ideais de colesterol HDL, LDL, VLDL, não-HDL e colesterol total variam de acordo com a idade e são diferentes para homens e mulheres. A seguir detalhamos os valores de acordo com os valores praticados atualmente.

Taxas ideais de colesterol para pessoas com até 19 anos:

Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total Menos de 170 mg/dL
Colesterol não-HDL Menos de 120 mg/dL
Colesterol LDL Menos de 100 mg/dL
Colesterol HDL Mais de 45 mg/dL

Taxas ideais de colesterol para homens a partir dos 20 anos:

Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total 125 a 200 mg/dL
Colesterol não-HDL Menos de 130 mg/dL
Colesterol LDL Menos de 100 mg/dL
Colesterol HDL 40 mg/dL ou superior

Taxas ideais de colesterol para mulheres a partir dos 20 anos:

Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total 125 a 200 mg/dL
Colesterol não-HDL Menos de 130 mg/dL
Colesterol LDL Menos de 100 mg/dL
Colesterol HDL 50 mg/dL ou superior
Com que frequência devo medir as taxas de colesterol?

Quem tem 20 anos ou mais deve medir as taxas de colesterol pelo menos uma vez a cada 5 anos. Homens de 45 a 65 anos e mulheres de 55 a 65 anos devem fazer o exame de colesterol a cada 1 ou 2 anos.

Para pessoas com até 19 anos, as recomendações são as seguintes:

  • O primeiro exame de colesterol deve ser feito a partir dos 5 anos de idade; depois repetir de acordo com a história familiar e resultado, variando de ano em ano ou a cada 5 anos;
  • Crianças com história familiar de colesterol alto, infarto ou derrame cerebral podem precisar fazer o exame a cada 2 anos.

O nível de colesterol é medido através de um exame de sangue. Antes do exame, é preciso estar em jejum durante 8 horas.

O que é colesterol?

O colesterol é uma espécie de gordura encontrada em todas as células do corpo. O colesterol está presente em alguns alimentos, como carnes e laticínios, além de ser produzido pelo fígado. O corpo precisa de colesterol para funcionar adequadamente. Porém, as taxas devem estar dentro do ideal para evitar doenças tromboembólicas.

Quais são os tipos de colesterol?

Existem 3 tipos de colesterol: LDL, HDL e VLDL. O colesterol total é a quantidade total de colesterol no sangue e inclui os 3 tipos (LDL, HDL e VLDL).

O colesterol LDL é o chamado colesterol “ruim”, pois se acumula na parede das artérias e forma placas de gordura, obstruindo a circulação sanguínea. Ter um nível de colesterol LDL alto aumenta o risco de infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

O colesterol HDL é conhecido como colesterol “bom”, pois não se acumula nas artérias e ajuda a eliminar o colesterol ruim (LDL) do sangue.

O colesterol VLDL também é considerado um tipo de colesterol ruim, pois pode se acumular nas artérias se estiver com um valor alto.

O colesterol não-HDL é o colesterol total menos o bom colesterol (HDL). Portanto, o colesterol não-HDL apresentado no resultado do exame de sangue inclui o colesterol ruim (LDL) e outros tipos de colesterol, como o VLDL.

Triglicerídeos são um tipo de colesterol?

Os triglicerídeos também são gorduras, mas não são um tipo de colesterol. Contudo, as suas taxas também são avaliadas no exame de colesterol. Níveis altos de triglicerídeos aumentam o risco de doenças cardiovasculares, assim como o LDL.

O valor de referência de triglicerídeos é de até 150 mg/dL. Portanto, um nível normal de triglicerídeos deve estar abaixo de 150 mg/dL.

O que pode deixar o colesterol alto ou baixo? Dieta

A gordura saturada e o colesterol presentes nos alimentos aumentam o nível de colesterol no sangue. A gordura saturada é a principal responsável pelo aumento, mas o colesterol dos alimentos também exerce um papel importante. Diminuir a quantidade de gorduras saturadas na dieta ajuda a baixar o colesterol. Os alimentos que apresentam altos níveis de gorduras saturadas incluem algumas carnes, laticínios, chocolate, alimentos processados e fritos.

Peso

O excesso de peso também aumenta o colesterol. Perder peso pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol ruim (LDL), colesterol total e triglicerídeos, além de ajudar a aumentar o bom colesterol (HDL).

Atividade física

A atividade física regular pode ajudar a reduzir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o bom (HDL). Para isso, recomenda-se praticar exercícios durante 30 minutos, pelo menos 4 vezes por semana.

Tabagismo

Fumar reduz o bom colesterol (HDL), contribuindo assim, para um nível mais alto de colesterol ruim (LDL).

Idade e alterações hormonais

À medida que mulheres e homens envelhecem, seus níveis de colesterol aumentam. Antes da menopausa, as mulheres apresentam níveis mais baixos de colesterol total do que os homens da mesma idade. Após a menopausa, os níveis de colesterol (LDL) nas mulheres tendem a aumentar.

História familiar

A genética determina parcialmente a quantidade de colesterol que o corpo produz. Por isso, o colesterol alto pode ocorrer em pessoas da mesma família.

Como baixar o colesterol?
  • Ter uma dieta pobre em gorduras;
  • Controlar o peso;
  • Praticar atividade física.

Se as mudanças no estilo de vida por si só não forem suficientes para baixar o colesterol alto, pode ser necessário tomar medicamentos.

O médico que solicitou o exame de sangue é o responsável pela interpretação dos resultados dos valores de colesterol. Para maiores esclarecimentos, consulte um médico clínico geral ou médico de família.

Leia também: O stress aumenta o nível de colesterol?

Colesterol total alto significa que o colesterol HDL e LDL estão altos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. Na verdade o aumento do colesterol total pode ser resultado da elevação de qualquer fração de colesterol.

O colesterol total é representado pela soma das quatro frações de colesterol no sangue, que são: LDL, VLDL, IDL e HDL. Quando está relacionado ao LDL (colesterol ruim), significa um risco aumentado para doenças cardiovasculares, como o infarto do coração e o derrame.

No entanto, quando o colesterol total está alto às custas do HDL, o colesterol bom, passa a ser um fator de proteção para o organismo, significa um bom resultado. Por isso, o mais importante é avaliar os valores separadamente.

O que causa colesterol alto?

Para muitas pessoas, o colesterol alto está relacionado com um estilo de vida pouco saudável. Isso inclui ter dieta rica em gordura, estar acima do peso e falta de exercício físico. Embora sejam os fatores mais comuns, outros problemas de saúde também podem causar esse aumento, como, por exemplo:

  • Diabetes;
  • Doença renal;
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Gravidez e condições que aumentam os níveis hormonais femininos;
  • Hipotireoidismo;
  • Medicamentos, como alguns contraceptivos, diuréticos, betabloqueadores e alguns medicamentos usados para tratar a depressão.
  • Doenças genéticas (Hiperlipidemia familiar combinada, Hipercolesterolemia familiar, Hipertrigliceridemia familiar).
O que é colesterol?

O colesterol é um tipo de gordura encontrada em todas as células do corpo. Grande parte do colesterol do nosso corpo é produzido pelo fígado, ou absorvidos por alimentos que consumimos, como as carnes e laticínios.

A gordura é essencial para diferentes funções do organismo, como a formação dos hormônios, vitamina D, membranas celulares e formação de sais biliares.

O que é colesterol LDL?

O colesterol LDL é conhecido como colesterol ruim porque se acumula dentro das artérias, formando placas de gordura, interrompendo a circulação sanguínea. Com isso, aumenta o risco de tromboses, doenças vasculares, como o infarto agudo do miocárdio (IAM) e o AVC (acidente vascular cerebral).

O que é colesterol VLDL e IDL?

Embora menos conhecidos, o VLDL e o IDL também são tipos de colesterol considerados “ruins”, pois pode se depositar na parede das artérias se estiver com um valor alto.

O que é colesterol HDL?

O colesterol HDL é chamado de colesterol bom porque não se acumula na parede das artérias e ainda ajuda a eliminar o colesterol ruim (LDL) do sangue.

Quais são os valores de referência do colesterol?

Os valores normais de colesterol variam um pouco de acordo a idade e também entre homens e mulheres.

Pessoas com até 19 anos de idade
Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total Menos de 170 mg/dL
LDL Menos de 100 mg/dL
HDL Mais de 45 mg/dL
Homens a partir dos 20 anos
Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total 125 a 200 mg/dL
LDL Menos de 100 mg/dL
HDL 40 mg/dL ou mais
Mulheres a partir dos 20 anos
Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total 125 a 200 mg/dL
LDL Menos de 100 mg/dL
HDL 50 mg/dL ou superior
Como baixar o colesterol total?

Para baixar o colesterol total alto, são recomendadas: mudanças no estilo de vida, que incluem dieta adequada, perda de peso, prática de atividade física, não fumar e reduzir o consumo de bebidas alcoólicas. Quando essas medidas não são suficientes para baixar o colesterol, é necessário tomar medicamentos.

1. Dieta

A gordura saturada e o colesterol dos alimentos aumentam o nível de colesterol total no sangue. A gordura saturada é a principal culpada, mas o colesterol dos alimentos também são importantes.

Diminuir a quantidade de gorduras saturadas na dieta ajuda a reduzir o nível de colesterol. Os alimentos que apresentam altos níveis de gorduras saturadas incluem algumas carnes, laticínios, chocolate, produtos de panificação e alimentos processados e fritos.

2. Perda de peso

O excesso de peso aumenta o colesterol total. Perder peso pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol ruim (LDL), colesterol total e triglicerídeos. Também ajuda a aumentar o colesterol bom (HDL).

3. Prática regular de atividade física

A atividade física regular pode ajudar a diminuir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o bom (HDL). Também ajuda a perder peso. Para baixar o colesterol, recomenda-se praticar pelo menos 30 minutos de exercícios, no mínimo 4 vezes por semana.

4. Evitar cigarro e bebidas alcoólicas

Fumar não aumenta o colesterol, mas contribui para a redução do colesterol bom (HDL), que ajuda a eliminar o colesterol ruim das artérias. Assim como o consumo de bebidas alcoólicas. Portanto, é importante evitar ou se possível, interromper completamente esses hábitos ruins.

5. Medicamentos

Se as mudanças no estilo de vida, por si só, não forem capazes de baixar o colesterol total, a pessoa pode precisar tomar medicamentos. Existem vários tipos de medicamentos disponíveis para baixar o colesterol, incluindo as estatinas.

Vale ressaltar que ao tomar medicações para baixar o colesterol, a pessoa deve continuar com as mudanças no estilo de vida.

O médico que solicitou o exame de sangue é o responsável por interpretar os valores de colesterol apresentados no resultado, e oferecer as orientações e tratamento adequados.

Conheça também alguns alimentos que podem ajudar a reduzir o colesterol no artigo: 10 alimentos que vão ajudar a baixar o colesterol

Referência:

  • Sociedade Brasileira de Cardiologia.
  • AHA - American Heart Association.
Exame fosfatase alcalina: o que é e para que serve?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O exame fosfatase alcalina (FA) é um exame de sangue que ajudar a detectar doenças no fígado ou nos ossos. A fosfatase alcalina é uma enzima que está presente em todo o corpo, mas principalmente no fígado, nos ossos, nos rins e no sistema digestivo.

Em algumas situações, uma taxa de fosfatase alcalina alta pode ser sinal de danos hepáticos ou doença óssea.

O exame de fosfatase alcalina está indicado quando o médico deseja investigar uma possível lesão hepática ou uma doença óssea. O exame FA também é usado para verificar se os tratamentos para essas doenças estão funcionando. A análise da fosfatase alcalina também pode ser parte integrante de um grupo de exames de rotina para avaliar lesão hepática.

Os sinais e sintomas que podem levar o médico a solicitar o exame FA, de acordo com cada tipo de doença:

Sintomas de doença hepática: náusea, vômitos, perda de peso, cansaço, fraqueza, icterícia (pele e olhos amarelados), inchaço e dor no abdômen, urina escura, fezes de cor clara e coceira frequente no corpo.

Sintomas de doença óssea: dor nos ossos ou nas articulações, ossos alongados ou com formato anormal e fraturas frequentes.

O exame de fosfatase alcalina não necessita de nenhum preparo especial. Porém, a pessoa não deve comer ou beber nada durante 6 horas antes do exame de sangue, a menos que tenha outra indicação médica. Se forem solicitados outros exames, pode ser necessário fazer um jejum mais prolongado.

Qual o valor de referência da fosfatase alcalina?

O valor de referência da fosfatase alcalina varia entre 44 e 147 unidades internacionais por litro de sangue (UI/L) ou 0,73 a 2,45 microkatal por litro (µkat/L). Os valores normais da fosfatase alcalina podem variar um pouco de pessoa para pessoa.

Durante a gravidez, a fosfatase alcalina pode estar mais alta que o normal. Crianças e adolescentes podem ter uma taxa de fosfatase alcalina elevada porque seus ossos estão crescendo. Alguns medicamentos, como pílulas anticoncepcionais, podem diminuir os níveis de FA, enquanto outros podem aumentá-los.

Fosfatase alcalina alta: o que pode ser?

Uma taxa de fosfatase alcalina alta pode ser um sinal de lesão no fígado ou algum tipo de doença óssea. No entanto, todo resultado de exame deve ser contextualizado diante do quadro clínico de cada pessoa, nenhum exame pode ser analisado sozinho sem outros parâmetros.Apenas a fostatase alcalina alta pode não ter nenhum significado.

A lesão hepática cria um tipo diferente de FA daquele criado por uma doença óssea. Se os resultados indicarem uma fosfatase alcalina elevada, podem ser solicitados outros exames para descobrir a causa da fosfatase alcalina aumentada.

No fígado, a fosfatase alcalina alta podem ser um sinal de cirrose, hepatite, bloqueio nos ductos biliares e mononucleose, que às vezes pode causar inchaço no fígado.

Outras possíveis causas de uma fosfatase alcalina alta:

  • Fratura cicatrizando;
  • Hiperparatireoidismo;
  • Leucemia;
  • Tumores ósseos osteoblásticos;
  • Osteomalácia;
  • Doença de Paget;
  • Raquitismo;
  • Sarcoidose.

Existem vários exames de sangue para examinar o funcionamento do fígado, como os de bilirrubina, aspartato transaminase (AST) e alanina transaminase (ALT). Se esses resultados estiverem normais e a taxa de fosfatase alcalina alta, o problema pode não estar no fígado e a causa pode ser um uma outra doença ou condição, como a doença de Paget, que faz com que os ossos se tornem anormalmente grandes, fracos e propensos a fraturas.

Fosfatase alcalina moderadamente alta

A fosfatase alcalina aumentada, mas não muito alta, pode indicar problemas como linfoma de Hodgkin, insuficiência cardíaca ou infecção bacteriana.

Fosfatase alcalina baixa: o que pode ser?

A fosfatase alcalina baixa pode ser um sinal de hipofosfatasia, uma doença genética rara que afeta ossos e dentes. Uma taxa de fosfatase alcalina baixa também pode ter como causas: deficiência de zinco, desnutrição, deficiência de proteína e Doença de Wilson.

O médico que solicitou e exame de sangue é o responsável pela interpretação do resultado do exame de fosfatase alcalina.

O que é o exame de PSA para câncer da próstata?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O exame de PSA (antígeno prostático específico) é um exame indicado para ajudar a diagnosticar e monitorar as doenças da próstata, como por exemplo o câncer.

Trata-se de um exame de sangue capaz de identificar os níveis de PSA, uma proteína produzida pela próstata. A próstata é uma pequena glândula que faz parte do sistema reprodutivo do homem, localizada embaixo da bexiga e responsável por produzir o líquido que compõe o sêmen.

Em geral, os homens apresentam um baixo nível de PSA no sangue. Quando o PSA está alto, pode ser um sinal de câncer de próstata. Porém, também podem indicar problemas não-cancerígenos da próstata, como infecção ou hiperplasia (aumento benigno da próstata).

Medir as taxas de PSA total pode aumentar a probabilidade de identificar um câncer de próstata na fase inicial. Contudo, não há um consenso sobre os valores para essa afirmação. Por isso, os resultados devem ser avaliados caso a caso, juntamente com outros fatores, como a idade, raça, uso de medicamentos, história familiar, entre outros.

Vale lembrar que os resultados do exame de PSA não são suficientes para diagnosticar o câncer de próstata. Somente com uma biópsia da próstata esse câncer pode ser confirmado.

Indicações de biópsia de próstata

A biópsia de próstata é um procedimento cirúrgico simples, que pode ser guiado por exames de imagem para maior exatidão. O procedimento consiste em retirar uma pequena amostra de tecido do órgão para análise em laboratório. As principais indicações para esse procedimento são:

  • Infecção de próstata de repetição, ou que não melhora com o tratamento medicamentoso;
  • PSA constantemente alto ou aumentando à medida que o teste é repetido;
  • Toque retal alterado;
  • Exame de PSA livre muito baixo (quanto mais baixo for o resultado do exame de PSA livre, maiores são as chances de câncer de próstata);
  • Exame de PCA-3 (teste genético, através do exame de urina, ainda em fase experimental);
  • Índice de Saúde da Próstata (PHI) aumentado.
    • O PHI é um teste de rastreio novo, com alta sensibilidade, realizado a partir da combinação de três testes sanguíneos (PSA, PSA livre e p2PSA), que tem evitado o número elevado de indicações desnecessárias de procedimentos cirúrgicos (biópsias).
Quando o exame de PSA é indicado?

Embora as indicações sejam controversas, a maioria concorda com as seguintes indicações: Investigar doenças da próstata, monitorar indivíduos que foram tratados para câncer de próstata, alterações no toque retal e presença de fatores de risco para desenvolver câncer de próstata.

Os principais fatores de risco são: história da doença na família (pai ou irmão), idade, uma vez que o câncer de próstata é mais comum em homens com mais de 50 anos e sinais e sintomas de alterações na próstata, como dor ao urinar, aumento do número de micções e dor pélvica ou nas costas.

Quais os valores normais de PSA?

O valor normal de PSA é de 4 ng/ml de sangue. Para a maioria dos homens com 50 anos ou menos, o PSA deve estar abaixo de 2,5. Homens mais velhos costumam ter níveis de PSA total um pouco mais altos do que homens jovens.

Leia também: Quais são os valores de referência do PSA?

PSA alto é sinal de câncer de próstata?

Um nível de PSA alto está associado a doenças de próstata como o câncer de próstata. Porém, como citado acima, pode se apresentar elevado em outras situações, como:

  • Aumento da próstata (hiperplasia benigna);
  • Traumatismo;
  • Infecção da próstata (prostatite);
  • Infecção urinária;
  • Exames recentes da bexiga (cistoscopia) ou da próstata (biópsia);
  • Colocação recente de cateter na bexiga;
  • Ejaculação ou relação sexual recente.

Saiba mais em: Quando o PSA dá elevado significa um tumor?

Como é o preparo para o exame de PSA?

Na maioria dos casos, não são necessários cuidados especiais para se preparar para o exame de PSA. Porém, é importante informar ao médico se está tomando algum medicamento, já que certas medicações podem baixar o nível de PSA.

Também é preciso abster-se de ejacular durante os 3 dias anteriores ao exame de sangue, pois a liberação de sêmen pode aumentar os níveis de PSA.

O médico urologista é o especialista indicado para prescrever e analisar os resultados do exame de PSA.

Também podem lhe interessar: Como é feito o exame PSA livre?

Devo repetir o exame de sangue para levar na consulta?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Se a menstruação não descer até lá pode ser uma boa ideia.