Perguntar
Fechar

Tipo de Sangue

Leucograma: Para que serve e quais os valores de referência?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O leucograma está incluído no hemograma completo e serve para verificar o número de glóbulos brancos presentes no sangue e avaliar as características dessas células. 

Os glóbulos brancos, também chamados de leucócitos, são células de defesa do organismo que protegem o corpo contra corpos estranhos, micro-organismos invasores e até células cancerosas. 

Existem 5 tipos de leucócitos que desempenham diferentes papéis no sistema imunológico: eosinófilos, basófilos, neutrófilos, linfócitos e monócitos. 

Quando o resultado do leucograma indica um aumento do número de leucócitos (leucocitose), pode ser apenas um aumento causado por estresse, sendo portanto considerado normal, desde que seja baixo.

Por outro lado, um nível de leucócitos alto pode ser sinal de inflamações, infecções ou leucemia. A doença é definida pela contagem de cada tipo de glóbulo branco.

Quando os neutrófilos estão altos, a causa provável é uma inflamação. Já o nível de eosinófilos pode estar elevado em casos de alergia e verminoses.

Veja aqui o que significa eosinófilos baixo no exame de sangue.

Os bastonetes são neutrófilos jovens. Quando detectados no leucograma, dá-se o nome ao achado de "desvio à esquerda". Normalmente a presença de bastonetes na circulação é acompanhada por um aumento da quantidade de neutrófilos durante um processo inflamatório.

O surgimento de bastonetes no sangue durante a leucocitose normalmente indica que o organismo está reagindo bem à inflamação. Porém, se o número de bastonetes for superior ao de neutrófilos, é um sinal de que a medula não está conseguindo liberar células maduras suficientes e por isso acaba por enviar as mais jovens, que são os bastonetes.

Veja também: Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?

Quando o leucograma indica uma diminuição do número de leucócitos (leucopenia), geralmente é porque os glóbulos brancos estão sendo destruídos ou retirados da circulação, o que pode ocorrer em casos de infecções, inflamações e doenças autoimunes, genéticas, da medula óssea, da tireoide e do baço.

Leia também: O que é leucopenia e qual o tratamento adequado?

A redução no número de neutrófilos (neutropenia) associada a um aumento dos bastonetes indica a presença de um processo inflamatório grave.

Abaixo seguem os valores de referência do leucograma:

Leucócitos totais Valor absoluto   Valor relativo
Basófilos                                                               Raros Raros
Eosinófilos                                                    0 - 1.000/mm³ 1 - 6%
Neutrófilos jovens Raros Raros
Bastonetes                                              0 - 300/mm³ 1 - 2%
Segmentados 3.000 - 8.000/mm³ 36 - 53%
Linfócitos 1.500 - 6.000/mm³ 42 - 53%
Monócitos 0 - 1.000/mm³ 1 - 7 %

Lembrando que o leucograma deve ser analisado pelo/a médico/a que solicitou o exame, que levará em consideração a história do/a paciente, o exame clínico, o resultado de outros exames, bem como outros fatores que devem ser considerados para interpretar o exame.

Saiba mais em:

Segmentados alto no leucograma, o que pode ser?

Segmentados baixos no leucograma, o que pode ser?

Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?

Quais são os valores de referência de um hemograma?

Leucócitos baixos, o que pode ser?

Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Nível de bastonetes alto no hemograma pode ser sinal uma infecção bacteriana aguda. Os bastonetes são neutrófilos (células de defesa) imaturos. Portanto, quando os níveis estão altos, significa que o organismo está solicitando mais neutrófilos da medula óssea, onde são produzidos. O resultado é um aumento do número de neutrófilos jovens (bastonetes) no sangue.

Em geral, quando os bastonetes estão altos, o nível de neutrófilos maduros, chamados de segmentados, também está elevado. Se o aumento de bastonetes vier acompanhado por um aumento do número dos outros glóbulos brancos (eosinófilos, basófilos, linfócitos e monócitos), indica que o organismo está respondendo bem a uma inflamação ou infecção.

Porém, se o número de bastonetes estiver mais alto que o de segmentados, significa que a medula óssea não está conseguindo enviar para o sangue uma quantidade suficiente de neutrófilos maduros, liberando os imaturos. Isso geralmente ocorre em processos inflamatórios e infecciosos mais graves.

Veja também: Segmentados alto no leucograma, o que pode ser?

Os neutrófilos são um tipo de células do sangue que participam no combate às infecções. A sua quantidade pode aumentar nos casos de infecções (principalmente quando há presença de febre e pus em algum local), inflamações, tumores, sangramentos, uso de certas medicações, entre outras causas. 

Saiba mais em: Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?Mielócitos altos ou baixos no leucograma, o que significa?

O resultado de um exame sempre deve ser interpretado de acordo com os sintomas e sinais clínicos que a pessoa apresenta. Por isso, é importante levar o resultado do exame para que o/a médico/a que solicitou faça a correlação adequada e tome as medidas apropriadas em cada caso.

Também pode lhe interessar:

Segmentados baixos no leucograma, o que pode ser?

Leucograma: Para que serve e quais os valores de referência?

O que significa bastonetes baixos no hemograma?

O que é neutrofilia?

O que é neutropenia e qual o tratamento adequado?

Picada de borrachudo é perigosa?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A picada de borrachudo pode ser perigosa, pelo risco de transmissão da febre oropouche e da oncocercose, doenças que podem causar febre alta, dores articulares e musculares, meningite, lesões na pele e até cegueira. Contudo, essas complicações são raras, as complicações mais frequentes das picadas de borrachudo são as reações alérgicas, a coceira e o inchaço que desaparecem espontaneamente dentro de poucos dias.

O borrachudo costuma picar durante o dia, principalmente no início da manhã e fim de tarde. No local da picada forma-se um pequeno ponto com sangue, que pode inchar e coçar, de acordo com a sensibilidade da pessoa.

Para tratar picada de borrachudo, o mais importante é tentar não coçar, evitando assim uma pior reação inflamatória, formação de ferida ou até uma infecção local. Recomenda-se limpar cuidadosamente o local, manter sempre limpo, seco e hidratado; para isso pode fazer uso de pomadas neutras como a vaselina.

O mosquito borrachudo é mais comum nas zonas rurais, sobretudo nas regiões ribeirinhas da Amazônia. Porém, o inseto pode se proliferar facilmente nas cidades e causar surtos.

Febre do oropouche

A febre do oropouche é causada por um vírus transmitido pela picada do borrachudo. A doença pode causar dor de cabeça, dor nas articulações e nos ossos, febre alta, sensibilidade à luz (fotofobia), meningite e inflamação no cérebro. Acredita-se que algumas doenças já instaladas ou a baixa imunidade favoreçam a chegada do vírus ao sistema nervoso central.

A febre do oropouche é muito comum na Amazônia, ficando atrás apenas da dengue na lista desse tipo de doenças.

O tratamento tem como objetivo apenas controlar os sinais e sintomas, uma vez que não existe um medicamento específico para tratar a doença. Porém, na grande maioria dos casos, a pessoa recupera-se totalmente e não fica com sequelas, mesmo nos quadros mais severos.

Oncocercose

Também conhecida como "cegueira dos rios", a oncocercose é causada por um parasita cilíndrico e alongado (Onchocerca volvulus) que se instala logo abaixo da pele. A transmissão ocorre pela picada do borrachudo, que pode estar infectado com larvas do Onchocerca.

Cerca de 1 ano depois da picada, o parasita começa a produzir minúsculos vermes (microfilárias) que se espalham pelo corpo, causando febre, lesões na pele e nódulos logo abaixo dela. Se chegarem ao olho, podem provocar perda temporária da visão ou cegueira permanente.

O tratamento da oncocercose é feito com um medicamento específico à base de Ivermectina que mata os parasitas. A medicação é administrada em doses únicas, com intervalos de 3 ou 6 meses entre elas.

Em caso de picada de borrachudo, siga os procedimentos indicados no início do artigo. Na presença de outros sintomas ou se a lesão não melhorar, procure um serviço de saúde imediatamente.

Leia também:

O que fazer em caso de picada de escorpião?

Mordida de carrapato é perigoso? O que fazer?

Qual o tratamento para mordida de rato?

Maconha pode cortar o efeito de alguns medicamentos?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pouco se sabe se a maconha pode cortar o efeito de algum medicamento ou não. Porém, a maconha pode interagir com alguns tipos de medicação, como opioides, depressores do sistema nervoso central, antidepressivos e anticonvulsivantes.

Fumar maconha regularmente pode reduzir as concentrações de enzimas no sangue, interferindo na ação de certos medicamentos. Há ainda medicações que podem aumentar ou diminuir a concentração de THC (tetraidrocanabinol), o principal psicotrópico encontrado na planta.

As evidências indicam que fumar mais de 2 cigarros de maconha por semana já pode ser suficiente para produzir algum tipo de interação medicamentosa.

Antidepressivos

Em relação aos antidepressivos, a fluoxetina é um fármaco com baixa interação com a maconha. Por outro lado, sabe-se que outra classe de antidepressivos, como a dos tricíclicos, já possui maior possibilidade de interação.

Anticonvulsivantes

Quanto aos anticonvulsivantes, como o topiramato, pode haver um aumento dos níveis da medicação na corrente sanguínea se a pessoa fumar maconha.

Há ainda outros anticonvulsivantes que se usados juntamente com a maconha podem ter a sua concentração no sangue diminuída, tais como a zonisamida. Pacientes que usam esse tipo de medicamento e fumam maconha podem manifestar efeitos colaterais e alterações laboratoriais.

Depressores do sistema nervoso central

Sabe-se que a maconha também pode aumentar os efeitos sedativos, respiratórios e psicomotores de medicamentos depressores do sistema nervoso central, assim como do álcool.

Anestésicos

Entretanto, sabe-se que a maconha pode potencializar o efeito de alguns medicamentos anestésicos como halotano e ciclopropano, criando uma condição potencialmente perigosa.

Antibióticos

Não há estudos que confirmem que a maconha corta o efeito da Benzetacil, a penicilina benzatina, ou qualquer outro antibiótico.

Outros medicamentos

Os canabinoides, substâncias ativas da maconha, causam aumento da frequência cardíaca. Por isso, o seu uso, juntamente com anticolinérgicos, pode aumentar ainda mais esse efeito.

Pessoas que utilizam varfarina e fumam maconha regularmente devem ser acompanhadas de perto para verificar possíveis interações.

Para o seu próprio bem e para evitar possíveis efeitos indesejados, o paciente deve sempre informar o médico que lhe prescreveu o medicamento se faz uso de maconha ou qualquer outra droga.

Quais os sintomas de câncer no colo do útero?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sinais e sintomas do câncer no colo do útero normalmente são observados quando o câncer já está em uma fase mais avançada. Um dos sintomas mais comuns do câncer de colo de útero é o sangramento vaginal ou corrimento vaginal com presença de sangramento logo após a relação sexual, após a menopausa ou de forma espontânea.

Outros sintomas que podem estar incluídos:

  • Sangramento vaginal durante ou após as relações sexuais;
  • Sangramentos vaginais após a menopausa;
  • Sangramento excessivo durante a menstruação;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Sensação de peso na região entre o ânus e a vagina (períneo);
  • Corrimento vaginal mucoso, que pode ser avermelhado e ter mau cheiro;
  • Dor pélvica ou abdominal;
  • Presença de sangue na urina.

Nos casos mais avançados, os sintomas podem vir acompanhados de alterações urinárias ou intestinais.

Porém, vale lembrar que no início, o câncer no colo do útero geralmente não apresenta sintomas. O desenvolvimento desse tipo de câncer é lento e os sinais tendem a surgir com a evolução do quadro.

Quais são os fatores de risco para câncer no colo do útero?

A causa do câncer de colo uterino não está totalmente definida. Porém, sabe-se que o principal fator de risco para o câncer no colo do útero é a infecção pelo vírus HPV, que pode ser transmitido sexualmente e pode ser prevenido. A infecção por HPV provoca modificações nas células do colo do útero que podem evoluir para câncer.

Há ainda outros fatores que podem aumentar as chances da mulher desenvolver esse tipo de câncer, tais como: ter muitos filhos, ter vários parceiros sexuais, início precoce da vida sexual, fumar, história de infecções sexualmente transmissíveis, ter mais de 40 anos de idade e tomar pílula anticoncepcional durante 5 anos ou mais.

Como é feito o diagnóstico do câncer no colo do útero?

O diagnóstico do câncer de colo de útero é feito pelo exame físico e confirmado por uma biópsia. Os exames de ressonância magnética e tomografia computadorizada são importantes para definir o grau de avanço do câncer e detectar possíveis comprometimentos de outros órgãos.

O diagnóstico precoce do câncer de colo de útero pode ser feito através do exame preventivo papanicolau, que detecta o HPV e a presença de células anormais, uma vez que a infecção pelo vírus é o principal fator de risco para o desenvolvimento desse tipo de câncer.

Se o papanicolau detectar a presença de alterações nas células, o tratamento pode incluir crioterapia, procedimentos para queimar a lesão, retirada da lesão e ainda medicamentos.

Câncer no colo do útero tem cura? Como é o tratamento?

Sim, câncer no colo do útero tem cura. Se for diagnosticado precocemente, as chances de cura são de aproximadamente 90%. O tratamento depende do grau de avanço da doença.

Se o câncer estiver numa fase inicial, é feita uma cirurgia, que pode ou não ser complementada com radioterapia ou quimioterapia. A associação de radioterapia e quimioterapia permite manter o câncer de colo de útero bem controlado em casos mais avançados.

Nos casos mais graves de câncer de colo uterino, é feito primeiro o tratamento com quimioterapia e radioterapia, que permite depois a realização da cirurgia. O procedimento cirúrgico pode remover o útero, as trompas e o ovário.

A radioterapia pode ser aplicada externamente ou internamente:

Na radiação externa, utiliza-se um aparelho que emite um feixe de radiação para a área a ser tratada. Nesses casos, geralmente são feitas 5 sessões de radioterapia, durante um período que varia entre 5 e 7 semanas.

Na radioterapia aplicada internamente, a radiação é administrada pela colocação de implantes com substâncias radioativas na vagina. Os implantes permanecem no corpo durante algumas horas ou até por 3 dias. Essa forma de radioterapia necessita de internamento hospitalar e o tratamento pode precisar ser repetido, às vezes por algumas semanas.

Se o câncer já tiver alcançado outros órgãos, o tratamento com quimioterapia terá como objetivo tentar conter a doença e melhorar os sintomas.

Quanto mais cedo o câncer no colo do útero for detectado, maiores são as chances de cura. Por isso é muito importante visitar regularmente a/o médico/a de família ou ginecologista e fazer o exame preventivo papanicolau com a regularidade indicada pelo/a médico/a.

Quais são os sintomas de uma cólica renal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A cólica renal caracteriza-se como uma dor intensa na região lombar que começa subitamente e pode irradiar para a lateral do abdômen, virilha e região genital. Sua principal causa é a presença de pedra nos rins (cálculo renal). Os sintomas normalmente têm início quando a pedra sai do rim e obstrui o canal que leva a urina do rim à bexiga (ureter), causando uma dilatação do rim que provoca dores intensas.

A cólica renal geralmente manifesta-se apenas em um lado do corpo, não piora com os movimentos, nem melhora com o repouso. Também pode haver sangue na urina devido à lesão causada pela passagem do cálculo renal pelo canal da urina.

A cólica renal pode ser uma das piores dores na escala de intensidade da dor. A dor é tão forte que pode causar náuseas e vômitos.

Outros sintomas que podem estar presentes em caso de pedra nos rins incluem febre e calafrios.

O que é cálculo renal?

O cálculo renal é uma massa sólida composta por pequenos cristais. Podem estar presentes uma ou mais pedras no rim ou no ureter (canal que a urina percorre do rim à bexiga).

Quais as causas do cálculo renal?

Existem diferentes tipos de cálculo renal. A causa do problema depende do tipo de cálculo. As pedras podem se formar quando a urina tem um alto teor de certas substâncias que formam cristais. Esses cristais podem se tornar pedras ao longo de semanas ou meses.

O principal fator de risco para desenvolver pedra no rim é não beber bastante líquido. Os cálculos têm mais chances de se formar se a pessoa produzir menos de 1 litro de urina por dia.

Sabe-se ainda que as doenças do intestino delgado aumentam o risco de formação de pedra nos rins. Outras substâncias, como certos medicamentos, também podem formar pedras.

Os cálculos renais de cálcio são os mais comuns. Ocorrem mais frequentemente em homens entre 20 e 30 anos de idade. O cálcio pode ser combinado com outras substâncias para formar a pedra, como oxalato, fosfato ou carbonato. Porém, o oxalato é o mais comum deles e está presente em certos alimentos, como espinafre, e também é encontrado em suplementos de vitamina C.

Outros tipos de cálculo renal incluem:

  • Pedras de cistina: podem se formar em pessoas com cistinúria, um distúrbio hereditário que afeta homens e mulheres;
  • Pedras de estruvita: são encontradas principalmente em mulheres com infecção do trato urinário. Essas pedras podem crescer muito e bloquear os rins, ureteres ou bexiga;
  • Pedras de ácido úrico: são mais comuns em homens do que em mulheres. Eles podem ocorrer devido à gota ou quimioterapia.
Qual é o tratamento para cálculo renal?

O tratamento para cálculo renal depende do tipo de pedra e da gravidade dos sintomas. Cálculos pequenos quase sempre passam pelo trato urinário e são eliminados com a urina.

Medicamentos

Para aliviar dor intensa da cólica renal, são usados medicamentos analgésicos. Há casos de cólica renal que necessitam de hospitalização, para administrar soro através da veia.

Para alguns tipos de cálculo renal, podem ser prescritos medicamentos para impedir a formação das pedras ou ajudar a quebrar e eliminar a substância responsável pela formação dos cálculos. Esses medicamentos podem incluir:

  • Alopurinol, para cálculos de ácido úrico;
  • Antibióticos, para pedras de estruvita;
  • Diuréticos;
  • Soluções de fosfato;
  • Bicarbonato de sódio ou citrato de sódio;
  • Tansulosina para relaxar o ureter e facilitar a passagem da pedra.
Cirurgia

A cirurgia para tirar pedras dos rins pode ser necessária se:

  • O cálculo for muito grande para ser eliminado;
  • O cálculo estiver crescendo;
  • A pedra estiver bloqueando o fluxo de urina, causando infecção ou danos aos rins;
  • A dor for incontrolável.

A litotripsia é usada para remover pedras com menos de 1,25 cm. Esse método usa ondas de ultrassom ou ondas de choque para quebrar as pedras em pequenos fragmentos que são eliminados pela urina. É também chamada litotripsia extracorpórea por onda de choque.

Para retirar pedras grandes, é feito um pequeno corte na pele das costas e o cálculo é extraído com uma sonda (endoscópio). A uretroscopia pode ser usada para cálculos no trato urinário inferior.

A cirurgia aberta do rim (nefrolitotomia) pode ser necessária se os outros métodos não funcionarem ou não forem possíveis de serem realizados. Porém, esses casos são raros.

É comum os cálculos renais voltarem a aparecer. Isso ocorre com mais frequência se a causa não for identificada e tratada.

Em caso de cólica renal, deve-se procurar atendimento médico com urgência para receber os medicamentos que irão aliviar a dor e o melhor tratamento para eliminar o cálculo renal, caso seja indicado.

Esse atendimento emergencial pode ser feito pelo/a médico/a clínico/a geral, porém, o seguimento para retirada do cálculo poderá ser feita com o/a médico/a urologista ou nefrologista, dependendo da localização da pedra e de outras comorbidades presentes.

Quais os valores de referência do ácido úrico?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os valores de referência do ácido úrico variam de acordo com o método utilizado na dosagem e também com o laboratório, mas, em geral, situam-se entre 3,5 a 7,2 mg/dL.

1) Valores de referência do ácido úrico no sangue:

  • Homens: 2,5 a 7,0 mg/dL;
  • Mulheres: 1,5 a 6,0 mg/dL.

2) Valores de referência do ácido úrico na urina:

  • Homens e mulheres: 250 a 750 mg/24 horas.

Os valores normais de ácido úrico no sangue podem variar de um dia para outro e até mesmo ao longo do próprio dia, sendo normalmente mais elevados de manhã.

O ácido úrico é resultante do metabolismo das purinas, principais elementos estruturais do DNA e RNA, sendo grande parte dela proveniente da alimentação.

O consumo excessivo de carne ou álcool pode elevar os níveis de ácido úrico e associado à presença de outras doenças pode causar episódios agudos de gota. O ácido úrico pode também se depositar no trato urinário e levar à formação de cálculos renais.

Quem está em tratamento para controlar o nível de ácido úrico no sangue, recomenda-se a manutenção em valores abaixo de 6mg/dL. O/a médico/a assistente fará o controle indicado para cada caso.

Também pode lhe interessar:

Qual o valor de referência da ureia?

Quais são os principais tipos de exame de sangue e para que servem?

HPV: o que é e como se transmite?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O HPV (Papiloma Vírus Humano) é um vírus capaz de causar infecções na pele e mucosas. Entre elas, as verrugas de pele, verrugas genitais, a papilomatose respiratória e o diferentes tipos de câncer relacionados ao HPV, o principal deles é o câncer de colo de útero, outros também relacionados são o câncer de garganta e de ânus.

Existem centenas de tipos de HPV, e cada grupo deles é responsável por um tipo diferente de manifestação. Cada pessoa pode ser contaminada por diferentes tipos ao longo da vida.

Vale lembrar que as verrugas, que caracterizam o HPV, não são causadas pelos tipos de HPV que provocam câncer, já que existem mais de 150 formas desse vírus. Desses, cerca de 40 tipos costumam causar herpes genital, enquanto outros 12 estão mais relacionados ao desenvolvimento de câncer no local da infecção, ou seja, boca, garganta, colo do útero, vagina, pênis e ânus.

Como ocorre a transmissão do HPV? Relações sexuais

O HPV é transmitido sobretudo pelo contato direto com a pele ou as mucosas de pessoas infectadas pelo vírus. Por isso, sua principal via de transmissão é através de relações sexuais desprotegidas (sem preservativo), seja qual for a forma de contato sexual (oral, genital ou anal).

Até mesmo o contato manual com o local afetado pelo HPV parece ter relação com a transmissão do vírus. Isso significa que não é necessário haver penetração, mesmo com camisinha, para que o HPV seja transmitido.

O HPV é altamente contagioso, por isso entra no corpo através de feridas, mesmo que pequenas, as quais nem sempre são visíveis a olho nu. 

Gravidez

Mães portadoras de HPV também podem transmitir o vírus ao bebê no momento do parto.

Uma vez que o HPV não circula na corrente sanguínea, como o HIV, por exemplo, a infecção da mãe para o filho ocorre no momento do parto, nos casos em que esteja com feridas ativas no canal do parto, e não enquanto o bebê ainda está no útero. Portanto, nesses casos está indicada inclusive o parto via cesariana.

Leia também: HPV durante a gravidez: quais os riscos e como tratar?

Autoinfecção

Outra forma de contágio é a autoinfecção, que ocorre quando a pessoa tem ferimentos pequenos na pele ou mucosas, que atuam como porta de entrada para o vírus em outras partes do corpo.

Objetos contaminados

Apesar de mais raro, parece que a transmissão do HPV pode ocorrer por objetos contaminados, como vaso sanitário, toalhas, ou até mesmo pelo uso de piscinas, já que o vírus sobrevive por mais tempo em ambientes externos com secreções.

Quais os sintomas e tratamento para o HPV?

Quando transmitido pela via sexual, o HPV normalmente provoca o aparecimento de verrugas na glande (cabeça do pênis), vagina, ânus, colo do útero, boca e garganta. 

O tratamento da infecção pelo HPV varia conforme a doença e as respectivas manifestações. No caso das verrugas, o tratamento inclui medicamentos específicos e cauterização das lesões. Já o câncer é tratado com cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

Veja mais sinais e sintomas do HPV nos artigos Quais são os sintomas do HPV? e 

HPV na garganta: Quais os sintomas e como tratar?

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza gratuitamente a vacina contra o HPV para meninas dos 9 aos 14 anos, meninos dos 11 aos 15 anos incompletos, bem como para pessoas entre 9 e 26 anos que foram transplantadas, estão em tratamento para o câncer com quimioterapia e radioterapia ou têm AIDS/HIV.

Sabendo que a previsão do Ministério da Saúde é de ampliar a vacinação nos meninos, tal como nas meninas, a partir dos 9 anos, em breve.

Conheça mais sobre a vacina contra o HPV em: 

Quem deve tomar a vacina contra HPV?

A vacina HPV tem efeitos secundários?

A vacinação tem como objetivo prevenir câncer de pênis, boca e garganta, verrugas genitais, lesões pré-cancerosas nas regiões anal e genital, além de reduzir a ocorrência de câncer de colo de útero e vulva.

Na suspeita de infecção por HOV você deve procurar o quanto antes um médico/a ginecologista ou infectologista para avaliação e conduta adequadas.

Saiba mais sobre o assunto em:

Quem tem HPV pode engravidar?

Quais são os tratamentos para HPV?

HPV tem cura definitiva?

Toda verruga é HPV?

Como é feito o diagnóstico do HPV?

Quem tem HPV pode doar sangue?

Qual o tempo de incubação do HIV?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O tempo de incubação do HIV varia de 5 a 30 dias. Este é o período que vai do momento que a pessoa é contaminada pelo HIV até o início dos primeiros sintomas da doença.

Depois do período de incubação, podem surgir sintomas semelhantes aos de uma gripe, como:

  • Febre;
  • Dor de garganta;
  • Dor de cabeça;
  • Manchas na pele;
  • Diarreia;
  • Dores no corpo.

Esses sintomas iniciais do HIV desaparecem espontaneamente após 2 ou 3 semanas. Depois, vem um longo período de latência, no qual o vírus se multiplica no organismo, mas sem causar sintomas.

Veja mais sobre o assunto em Quais os sintomas do HIV?

Esse período pode ser superior a 10 anos, sendo o tempo médio de 5 ou 6 anos. Durante esse tempo de latência, a pessoa infectada com o HIV não apresenta sintomas de imunodeficiência, ou seja, ainda não tem AIDS.

Depois do período de latência, podem então aparecer os sintomas da AIDS, como:

  • Perda de peso significativa;
  • Diarreia;
  • Sapinho;
  • Infecções recorrentes de pele;
  • Infecções respiratórias frequentes.

A doença vai destruindo o sistema imunológico do paciente, deixando-o exposto a doenças oportunistas. Estas doenças são chamadas de oportunistas porque se desenvolvem em indivíduos com o sistema imunológico debilitado, como no caso da AIDS. Geralmente são de origem infecciosa, embora vários tipos de câncer também podem ser considerados "oportunistas".

É importante lembrar que mesmo durante o período de incubação ou período de latência, o vírus já está se multiplicando nas células do corpo e por isso pode ser transmitido e danificar mais o organismo. 

O exame de sangue para detectar o vírus HIV pode ser feito gratuitamente nas Unidades de Saúde do SUS.

Qualquer exame de sangue detecta se estou com aids?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Não. O exame que detecta se você está com o vírus da AIDS é um exame de sangue específico chamado anti-HIV.

O diagnóstico do HIV é feito a partir do resultado do exame de sangue específico.

Há vários tipos de testes disponíveis: teste de triagem, teste confirmatório, testes moleculares. Nesses testes, o/a paciente realiza a coleta de sangue em laboratório e o resultado é liberado em média após 4 horas.

Os testes rápidos ganharam visibilidade pela facilidade na realização, acessibilidade e a rapidez na liberação do resultado que pode demorar menos de meia hora. Eles podem ser feitos a partir de uma gota de sangue retirada do dedo da pessoa ou a partir da saliva captada por um dispositivo. Os testes rápidos são disponibilizados em unidades móveis e em algumas unidades de saúde e hospitais.

Apesar de atualmente ser rara, falha no diagnóstico pode ocorrer e, em alguns casos, pode ser necessária a repetição com outros testes para confirmação. Outra consideração que deve ter é a questão da janela imunológica, o período no qual há presença do vírus no organismo da pessoa, porém ainda não houve uma resposta do sistema imune capaz de ser detectada nos testes.

Todos esses testes são gratuitos e podem ser feitos a qualquer momento nas Unidades de Testagem Móvel ou nas Unidades de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia também:

O que é AIDS e quais os seus sintomas?

Portador do vírus HIV pode não apresentar sintomas?

Quais os sintomas do H. pylori?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O H. pylori não causa sintomas na grande maioria das pessoas infectadas. A presença de sinais e sintomas indica que o H. pylori já provocou alguma doença no estômago, como gastrite, úlcera ou ainda câncer de estômago.

A gastrite pode causar dor e distensão no abdômen, náuseas e vômitos, sensação de queimação no abdômen ou no peito, perda de apetite, sensação de saciedade precoce, mesmo com pequena quantidade de alimento ingerido.

O principal sintoma da úlcera gástrica é uma dor em queimação na "boca do estômago", que começa 2 a 3 horas depois de uma refeição. Quando o estômago está vazio, no meio da noite, a dor aparece e geralmente melhora depois que a pessoa come alguma coisa.

Já os sintomas do câncer gástrico podem incluir vômitos com sangue, sensação de inchaço no estômago após as refeições ou sensação de satisfação precoce durante as refeições, dor abdominal tipo úlcera, azia forte, náuseas e vômitos, perda do apetite, diarreia, emagrecimento, fezes escurecidas, pastosas e com odor muito forte, palidez da pele.

O diagnóstico do H. pylori pode ser feito por endoscopia ou métodos não endoscópicos. A endoscopia pode detectar o Helicobacter pylori através do teste da urease ou por pesquisa no tecido do estômago. A bactéria também pode ser cultivada em pequenas amostras obtidas por biópsia durante a endoscopia.

Leia também: Teste de urease positivo, o que significa?

O H. pylori também pode ser detectado através de métodos menos invasivos, como o teste respiratório e a pesquisa para identificar anticorpos no sangue e nas fezes.

Na presença de dor no estômago, azia, náuseas e ou vômitos, procure um médico clínico geral, médico de família ou um gastroenterologista.

Também podem ser do seu interesse:

H. pylori tem cura? Qual é o tratamento?

Como deve ser a dieta para quem tem H. pylori?

O que é H. pylori?

H. pylori positivo é sinal de câncer de estômago?

Corrimento vaginal e ardência para urinar o que é?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Após a relação sexual, a pessoa pode sentir ardência para urinar o que não necessariamente chega a ser dor. Pela fricção que ocorre durante o ato sexual, é normal sentir essa ardência após a relação. Contudo, essa ardência, em geral, deixa de existir após algumas micções.

Outra situação que pode ocorrer é a infecção de urina, muito frequente em mulheres com vida sexual ativa. A infecção urinária pode ser desencadeada com o ato sexual. Com ela, a mulher pode sentir dor ou ardência ao urinar, vontade constante de urinar e ainda notar a presença de sangue na urina. A infecção urinária normalmente é tratada com medicamentos antibióticos.

O corrimento vaginal pode ser normal quando apresenta coloração clara ou esbranquiçada, parecida com clara de ovo, não possui cheiro forte, não provoca coceira ou ardência. Neste caso, trata-se de uma secreção vaginal normal.

No entanto, corrimento vaginal branco, amarelo ou esverdeado, com odor desagradável tipo peixe podre ou azedo, pode ser algum tipo de infecção ou inflamação vaginal que precisa ser avaliada e tratada adequadamente pelo clínico geral, médico de família ou ginecologista.

Você pode observar essa ardência e o corrimento. Caso fiquem constante, é recomendável procurar um serviço de saúde para uma avaliação e uso da medicação indicada.

Saiba mais em:

Dor ao urinar, o que pode ser?

O que pode causar ardência ao urinar?

Ardência ao urinar no homem, o que pode ser?

Não conseguir ou ter dificuldade em urinar: o que pode ser e como tratar?

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?

Corrimento vaginal: o que significam as diferentes cores