Perguntar
Fechar
Quais as causas da sudorese noturna?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Sudorese noturna pode ter várias causas e nem sempre representa uma doença grave. Os suores noturnos em noites quentes, em mulheres jovens na época de menstruar e em mulheres mais velhas no período da menopausa são normais.

Além da menopausa, as apneias do sono também estão entre as causas mais comuns de suores noturnos. Pesadelos e o sonambulismo também são transtornos do sono em que o indivíduo apresenta sudorese, devido à intensa ativação do sistema nervoso.

Há ainda outro tipo de transtorno chamado de hiperidrose do sono que pode estar associado à "hiperidrose diurna" (sudorese excessiva que ocorre principalmente nas mãos, pés, axilas e crânio-facial).

O suor noturno que deve ser investigado é aquele que encharca os pijamas repetidamente, especialmente se estiver associado a outros sintomas, como:

  • febre
  • perda de peso
  • caroços no corpo (ínguas)
  • cansaço extremo
  • coceira pelo corpo
  • tosse com catarro com raias de sangue
  • falta de fôlego
  • dores no peito

Nestes casos, os suores noturnos podem ser causados por:

  • infecções agudas ou crônicas, como tuberculose;
  • linfoma e outros cânceres;
  • queda de açúcar no sangue, comum em diabéticos, especialmente naqueles que usam insulina.

Leia também: Suor noturno sem causa aparente. O que pode ser?

Na presença de sudorese noturna, especialmente se houver outros sintomas, você deve procurar um médico clínico geral para uma melhor avaliação.

Saiba mais em: Sonambulismo: como identificar e tratar?

Quais os sintomas de colesterol alto? O que aumenta e o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

De forma geral, o colesterol alto não apresenta sintomas. Somente por meio de um exame de sangue é possível confirmar se você está ou não com o colesterol elevado.

Entretanto, quando o colesterol se encontra muito alto, algumas pessoas podem apresentar placas amarelas na pele chamadas de xantelasmas. Dor e inchaço na barriga também podem ocorrer.

O colesterol alto por um longo período de tempo pode provocar acidente vascular cerebral, infarto agudo do miocárdio e doença arterial periférica (má circulação das pernas).

Sinais de colesterol alto

Os sintomas de colesterol elevado praticamente não existem. Quando está excessivamente alto pode ocasionar o acúmulo de gordura no fígado. Este acúmulo de gordura pode desencadear sinais como:

Xantelasma

Os xantelasmas aparecem na pele em forma de bolinhas ou placas de gordura que pode ter diversos tamanhos, têm uma cor amarelada e bordas bem definidas.

Surgem principalmente em torno dos olhos, mas também podem aparecer no antebraço, nas mãos e nos tendões.

Inchaço e dor abdominal

Quando o colesterol se encontra muito elevado, a gordura pode se depositar no fígado e provocar o seu aumento de tamanho. O baço também pode aumentar.

O aumento destes órgãos causa a dor e o inchaço abdominal. Com o passar do tempo, a dor na barriga pode se tornar intensa e ser acompanhada de náuseas.

Estes sintomas somente aparecem quando as taxas de colesterol estão extremamente elevadas.

O que causa o aumento do colesterol?

O aumento do colesterol pode ser provocado por condições diversas. Entre elas estão:

Histórico familiar (predisposição genética)

Ocorre quando o há um histórico familiar de colesterol elevado. Neste caso, o próprio organismo fabrica excessivamente o colesterol, independente se a pessoa tem uma alimentação saudável ou não.

Se algum familiar próximo como avós, mãe, pai, tios e irmãos têm colesterol elevado, é necessário que você faça exame de sangue regularmente.

Alimentação rica em gorduras

O elevado consumo de carne gordurosas, óleos saturados, manteiga, creme de leite, queijos e de outros alimentos ricos em gordura podem elevar os níveis de colesterol.

Hábitos e estilos de vida

Alguns comportamentos e condições alteram o metabolismo das gorduras e são capazes de desencadear o aumento do colesterol:

  • Sedentarismo;
  • Tabagismo;
  • Diabetes;
  • Abuso de álcool;
  • Estresse;
  • Ansiedade.
  • Uso de medicamentos sem o devido controle médico: especialmente os anticoncepcionais, estrógenos, corticoides, diuréticos e antidepressivos.

Além destes fatores, os níveis de colesterol tendem a aumentar com a idade. Nas mulheres, que geralmente apresentam colesterol mais baixo, o aumento das taxas de colesterol costuma acontecer após a menopausa.

O que fazer para reduzir o colesterol e tratar o colesterol elevado

Algumas medidas simples podem ajudar a promover um bom funcionamento do organismo para que ele metabolize melhor as gorduras. Estas medidas são:

  • Evite o consumo de alimentos gordurosos;
  • Pratique atividade física durante no mínimo 30 minutos por dia e por, pelo menos, cinco dias na semana;
  • Pare de fumar;
  • Não consuma bebidas alcoólicas em excesso.

Se com estas modificações o seu colesterol permanecer alto, o tratamento pode ser efetuado com uso de um grupo de medicamentos chamados estatinas. A prescrição destes medicamentos deve ser feita por um médico de família ou endocrinologista.

Como saber se o meu colesterol está alto?

Como os sintomas de colesterol alto só costumam surgir quando já existem danos que podem comprometer seriamente o funcionamento do organismo (AVC, Infarto e doença arterial periférica), é fundamental que os níveis de colesterol sejam avaliados regularmente.

O seu médico de família, clínico geral ou endocrinologista pode solicitar um exame de sangue para avaliar os níveis de colesterol. Recomenda-se acompanhar os níveis de colesterol em:

Pessoas com histórico familiar de doenças cardiovasculares, o acompanhamento deve começar já na infância;

  • Crianças entre 9 e 11 anos de idade;
  • A partir dos 20 anos, a medição deve ser feita a cada 5 anos, reduzindo para uma por ano a partir dos 35 anos de idade. Mas em casos que já estejam com colesterol alto, em tratamento, esse exame deve ser mais frequente.

De forma geral, os adultos devem fazer um exame de colesterol a cada quatro a seis anos. O ideal é conversar com o seu médico para definir o melhor momento para realizar o exame de sangue.

Quais são os riscos do colesterol alto?

O principal risco do colesterol alto é a ocorrência de doenças cardiovasculares. São comuns o acidente vascular cerebral, o infarto agudo do miocárdio e a doença arterial periférica (má circulação das pernas).

Leia mais: O que é um AVC e quais os sintomas ou sinais?

Quais os sintomas de um ataque cardíaco?

Existem 3 tipos de colesterol: VLDL, LDL e HDL. O LDL é também conhecido como “mau colesterol”, pois se estiver em excesso deposita-se na parede das artérias e forma placas de gordura que as entopem.

O VLDL também contribui para formar as placas que ocluem as artérias, mas é considerado menos prejudicial do que o LDL.

Já o HDL é também chamado de “bom colesterol” porque não forma placas de gordura e ainda remove o mau colesterol da circulação pelo seu maior tamanho.

Saiba mais em: Colesterol VLDL baixo: O que fazer?

O diagnóstico e o acompanhamento em casos de colesterol alto devem ser feitos preferencialmente por um/a médico/a da família ou cardiologista.

Colesterol alto em crianças

Por norma, as crianças devem fazer avaliação dos níveis de colesterol pela primeira vez entre os 9 e 11 anos de idade. Entretanto, é indicada a avaliação antes dos 9 anos de idade nos seguintes casos:

  • Tenham pais, avós, irmãos tios e primos de primeiro grau com histórico de colesterol elevado ou de doenças como o Infarto Agudo do Miocárdio e AVC que ocorreram precocemente;
  • Crianças que apresentam xantenomas (placas amareladas de gordura na pele, especialmente, na região em torno dos olhos);
  • Crianças portadoras de hipertensão arterial, diabetes, obesidade e hipotiroidismo;
  • Crianças que tenham alimentação rica em gorduras.

O tratamento do colesterol alto infantil consiste na oferta de uma alimentação saudável que inclua carnes magras, verduras, frutas e cereais integrais. O plano alimentar precisa ser pobre em gorduras.

Além disso, pode ser necessário o uso de medicamentos que reduzam o colesterol. Entretanto, estes medicamentos devem ser prescritos e orientados por um pediatra, médico de família ou endocrinologista.

O diagnóstico e o acompanhamento em casos de colesterol alto devem ser feitos preferencialmente por um/a médico/a de família ou cardiologista.

Neutrófilos altos no hemograma: O que significa?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Neutrófilos altos no hemograma podem ser um sinal de infecção bacteriana ou fúngica. Os neutrófilos são um tipo de glóbulo branco, células de defesa do sangue que participam no combate às infecções causadas por fungos e bactérias.

Contudo, o número de neutrófilos também pode estar alto em casos de inflamação, tumor, sangramento, uso de certos medicamentos, entre outros.

Os níveis de neutrófilos também podem estar elevados em algumas situações temporárias, como infarto, após exercícios físicos intensos, pós-operatório, uso de medicamentos (lítio, corticoides, epinefrina), tabagismo, gravidez e recém-nascidos nos primeiros dias após o parto.

Veja também: Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?

Vale lembrar que a neutrofilia (aumento do número de neutrófilos) não é um problema por si só, mas é um sinal de que algum processo está ocorrendo no organismo e a causa deve ser investigada.

Por isso, o resultado do hemograma deve ser interpretado pelo/a médico/a que solicitou o exame, de acordo com os sintomas e sinais clínicos que a pessoa apresenta.

Saiba mais em: 

Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?

Segmentados alto no leucograma, o que pode ser?

Segmentados baixos no leucograma, o que pode ser?

O que é a leucocitose e quais são as causas?

O que significa bastonetes baixos no hemograma?

O que é neutropenia e qual o tratamento adequado?

Quais são os tipos de anemia e seus sintomas?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os principais tipos de anemia são as anemias ferropriva, hemolítica, falciforme, microcítica, sideroblástica, de Fanconi, perniciosa, aplástica, aplásica e megaloblástica. Os sintomas podem incluir fraqueza, dor de cabeça, irritabilidade, cansaço, dificuldade para realizar atividades físicas, entre outros.

As anemias caracterizam-se pela diminuição da quantidade de glóbulos vermelhos ou de hemoglobina dentro dos glóbulos vermelhos do sangue, também conhecidos como eritrócitos ou hemácias.

A hemoglobina é uma proteína de cor vermelha que se liga ao oxigênio, permitindo que os glóbulos vermelhos transportem esse gás para os tecidos do corpo.

Glóbulos vermelhos do sangue

Por isso, os sintomas da anemia estão relacionados com a falta de oxigenação do corpo, já que essas pessoas têm menos hemoglobina ou hemácias na circulação sanguínea.

Anemia ferropriva

A anemia ferropriva é causada pela deficiência de ferro e é o tipo mais comum de anemia. Pode ocorrer em crianças e adultos, sendo também muito frequente durante a gravidez.

Sintomas de anemia ferropriva

Os principais sintomas da anemia ferropriva podem incluir: cansaço, aumento da frequência cardíaca, palpitações, falta de apetite, falta de ânimo, falta de atenção, baixo rendimento escolar, falta de ar ao realizar esforços, dores abdominais, vontade de comer coisas pouco comuns ou estranhas, como terra, queda de cabelos, alisamento da língua, unhas quebradiças, feridas nos cantos da boca, palidez.

Anemia hemolítica

A anemia hemolítica é um tipo de anemia provocada pela destruição precoce das hemácias (glóbulos vermelhos), o que impossibilita a medula óssea de repor essas células sanguíneas na quantidade adequada.

Pode ocorrer devido ao uso de certos medicamentos, fatores genéticos, processos crônicos e agudos, resposta inadequada do sistema imunológico, picadas de cobra, problemas na coagulação sanguínea, reações após transfusões de sangue e malária.

Pode tratar-se de uma doença autoimune, em que o sistema imunológico da pessoa produz anticorpos que atacam os glóbulos vermelhos do próprio corpo, destruindo essas células.

Leia também: O que é anemia hemolítica e qual é o tratamento?

Sintomas de anemia hemolítica

Algumas pessoas com anemia hemolítica podem não apresentar sintomas. Quando presentes, podem incluir cansaço, falta de ar, palidez, icterícia (peles e olhos amarelados), desconforto e sensação de barriga inchada. 

Anemia falciforme

A anemia falciforme tem causas hereditárias. Pessoas com esse tipo de anemia têm os glóbulos vermelhos em forma de foice. Essa alteração na forma da hemácia prejudica o transporte do oxigênio, gerando complicações.

Sintomas de anemia falciforme

Dentre os sinais e sintomas da anemia falciforme, estão crises de dor, dor nas articulações, palidez, cansaço, icterícia (pele e olhos amarelados), atraso no crescimento e feridas nas pernas.

Anemia microcítica

A anemia microcítica caracteriza-se pela diminuição da quantidade de hemoglobina dentro dos glóbulos vermelhos. Pode ocorrer em casos de inflamações crônicas, outros tipos de anemia (ferropriva, sideroblástica), carência de ferro, talassemia, intoxicação por alumínio, falta de zinco.

Sintomas de anemia microcítica

Pessoas com esse tipo de anemia podem apresentar cansaço, palidez, diarreia, aumento dos batimentos cardíacos, fraqueza, dor de cabeça e tontura.

Anemia sideroblástica

Esse tipo de anemia ocorre devido a um acúmulo de ferro em certas células da medula óssea, que é responsável pela produção das células do sangue. Como resultado, a produção de hemoglobina fica prejudicada e já não é suficiente.

Saiba mais em: O que é anemia sideroblástica e qual é o tratamento?

Sintomas de anemia sideroblástica

Os sinais e sintomas da anemia sideroblástica podem incluir fraqueza, aumento da frequência cardíaca, palidez, dificuldade para respirar.

Anemia de Fanconi

A anemia de Fanconi também tem causas hereditárias e caracteriza-se pela diminuição da quantidade de células sanguíneas (hemácias, glóbulos brancos e plaquetas). Crianças com esse tipo de anemia nascem com malformações na medula, no sistema urinário e apresentam atraso no desenvolvimento.

Também pode lhe interessar: O que é anemia de Fanconi, quais são os sintomas e como tratar?

Sintomas de anemia de Fanconi

A anemia de Fanconi pode causar palidez, cansaço, aumento da frequência cardíaca, dores de cabeça, dores musculares, falta de ar, facilidade em desenvolver infecções, tendência a apresentar sangramentos e hematomas.

Anemia perniciosa

A anemia perniciosa ocorre devido à incapacidade de absorver a vitamina B12 proveniente da alimentação. Essa vitamina está presente em ovos, carne vermelha, aves e peixes. A falta de vitamina B12 provoca uma redução do número de glóbulos vermelhos do sangue.

Veja também: O que é anemia perniciosa e qual é o tratamento?

Sintomas de anemia perniciosa

Os sinais e sintomas desse tipo de anemia incluem dificuldade de raciocínio, dificuldade de memória, formigamento nas mãos e nos pés, alterações no equilíbrio, fraqueza, aumento da frequência cardíaca, dificuldade para respirar, dor de cabeça, dores musculares, predisposição para desenvolver infecções, sangramentos frequentes e palidez.

Anemia aplástica

Essa anemia afeta a medula óssea e o sangue, sendo também chamada de aplasia medular. A anemia aplástica pode ter origem em fatores hereditários ou ser causada pelo contato com materiais tóxicos, quimioterapia ou ainda determinadas doenças.

Sintomas de anemia aplástica

A anemia aplástica pode causar palidez, cansaço, aumento dos batimentos cardíacos, dor de cabeça, predisposição para desenvolver infecções, sangramentos recorrentes e hematomas.

Saiba mais em: O que é anemia aplástica e quais são os sintomas?

Anemia aplásica

A anemia aplásica é um tipo grave e raro de anemia, de causas hereditárias, que caracteriza-se pela diminuição da produção de glóbulos vermelhos pela medula óssea. Pessoas com anemia aplásica desenvolvem anticorpos que atacam as células jovens da medula óssea, causando destruição das mesmas.

Sintomas de anemia aplásica

Os sinais e sintomas desse tipo de anemia podem incluir facilidade em apresentar hematomas e sangramentos, cansaço, predisposição para ter infecções, perda de apetite, emagrecimento, palidez e aumento da frequência cardíaca.

Anemia megaloblástica

Na anemia megaloblástica, os glóbulos vermelhos têm um tamanho maior que o normal. Pode ser causada por falta de vitamina B12, folato ou cobre e uso de certos medicamentos.

A anemia megaloblástica pode causar cansaço, palidez, diarreia, taquicardia e fraqueza.

Também pode lhe interessar: O que é anemia megaloblástica e qual é o tratamento?

O tratamento das anemias depende do tipo de anemia e pode ser feito através da alimentação, uso de medicamentos e transfusão de sangue, nos casos mais graves.

Leucograma: Para que serve e quais os valores de referência?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O leucograma está incluído no hemograma completo e serve para verificar o número de glóbulos brancos presentes no sangue e avaliar as características dessas células. 

Os glóbulos brancos, também chamados de leucócitos, são células de defesa do organismo que protegem o corpo contra corpos estranhos, micro-organismos invasores e até células cancerosas. 

Existem 5 tipos de leucócitos que desempenham diferentes papéis no sistema imunológico: eosinófilos, basófilos, neutrófilos, linfócitos e monócitos. 

Quando o resultado do leucograma indica um aumento do número de leucócitos (leucocitose), pode ser apenas um aumento causado por estresse, sendo portanto considerado normal, desde que seja baixo.

Por outro lado, um nível de leucócitos alto pode ser sinal de inflamações, infecções ou leucemia. A doença é definida pela contagem de cada tipo de glóbulo branco.

Quando os neutrófilos estão altos, a causa provável é uma inflamação. Já o nível de eosinófilos pode estar elevado em casos de alergia e verminoses.

Veja aqui o que significa eosinófilos baixo no exame de sangue.

Os bastonetes são neutrófilos jovens. Quando detectados no leucograma, dá-se o nome ao achado de "desvio à esquerda". Normalmente a presença de bastonetes na circulação é acompanhada por um aumento da quantidade de neutrófilos durante um processo inflamatório.

O surgimento de bastonetes no sangue durante a leucocitose normalmente indica que o organismo está reagindo bem à inflamação. Porém, se o número de bastonetes for superior ao de neutrófilos, é um sinal de que a medula não está conseguindo liberar células maduras suficientes e por isso acaba por enviar as mais jovens, que são os bastonetes.

Veja também: Bastonetes altos no hemograma, o que pode ser?

Quando o leucograma indica uma diminuição do número de leucócitos (leucopenia), geralmente é porque os glóbulos brancos estão sendo destruídos ou retirados da circulação, o que pode ocorrer em casos de infecções, inflamações e doenças autoimunes, genéticas, da medula óssea, da tireoide e do baço.

Leia também: O que é leucopenia e qual o tratamento adequado?

A redução no número de neutrófilos (neutropenia) associada a um aumento dos bastonetes indica a presença de um processo inflamatório grave.

Abaixo seguem os valores de referência do leucograma:

Leucócitos totais Valor absoluto   Valor relativo
Basófilos                                                               Raros Raros
Eosinófilos                                                    0 - 1.000/mm³ 1 - 6%
Neutrófilos jovens Raros Raros
Bastonetes                                              0 - 300/mm³ 1 - 2%
Segmentados 3.000 - 8.000/mm³ 36 - 53%
Linfócitos 1.500 - 6.000/mm³ 42 - 53%
Monócitos 0 - 1.000/mm³ 1 - 7 %

Lembrando que o leucograma deve ser analisado pelo/a médico/a que solicitou o exame, que levará em consideração a história do/a paciente, o exame clínico, o resultado de outros exames, bem como outros fatores que devem ser considerados para interpretar o exame.

Saiba mais em:

Segmentados alto no leucograma, o que pode ser?

Segmentados baixos no leucograma, o que pode ser?

Nível de leucócitos alto pode indicar uma infecção grave?

Quais são os valores de referência de um hemograma?

Leucócitos baixos, o que pode ser?

Tipos de Sangue
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Os tipos sanguíneos existem de acordo com a presença, na superfície dos glóbulos vermelhos, de antígenos que podem ser de natureza bioquímica variada.

Cada pessoa tem um grupo diferente de antígenos nos glóbulos vermelhos, e pouco provável (ou mesmo impossível) encontrar dois indivíduos com a mesma combinação antigênica. Portanto, no soro ou no plasma é possível encontrar anticorpos específicos (dirigidos contra os antígenos que o indivíduo não possui), causando aglutinação ou hemólise quando uma transfusão incompatível ocorre.

Os antigênicos considerados mais importantes são o sistema ABO e o sistema Rh. Segundo o sistema ABO, há os seguintes tipos sanguíneos: A, B, AB e O. O Sistema Rh divide os tipos sanguíneos em Rh positivo ou negativo.

Os indivíduos com sangue A possuem anticorpos anti-B circulantes; os com sangue B possuem anticorpos anti-A; os com sangue AB não possuem anticorpos e os com sangue O possuem anticorpos anti-A e anti-B. Sendo assim, os indivíduos com sangue A podem receber transfusões de sangue A ou O; aqueles com sangue B, transfusões de B ou O; aqueles com sangue AB, transfusões de qualquer tipo sanguíneo e aqueles com sangue O apenas podem receber sangue tipo O. Em outras palavras, o tipo AB é o receptor universal e o tipo O, doador universal.

Os indivíduos com Rh positivo não possuem anticorpos, e os com Rh negativo, possuem anticorpos anti-Rh, somente se forem expostos a sangue Rh positivo. Sendo assim, indivíduos com sangue Rh negativo só podem receber transfusões de Rh negativo (ou de Rh positivo, mas somente uma vez, visto que depois haverá a produção de anticorpos). Já indivíduos com Rh positivo podem receber transfusões de Rh positivo ou negativo. Complementando a informação acima, então, o doador universal é o tipo O negativo, e o receptor universal, o tipo AB positivo.

Além da importância dos tipos sanguíneos em casos de transfusão, é importante também o seu conhecimento na gestação, pois pode ocorrer uma doença chamada eritroblastose fetal, ou doença hemolítica do recém-nascido. Esta doença é verificada quando uma mãe com Rh- que já tenha tido uma criança com Rh+ (ou que tenha tido contato com sangue Rh+, numa transfusão) dá à luz uma criança com Rh+. Depois do primeiro parto, ou da transfusão acidental, o sangue da mãe entra em contato com o sangue do feto e cria anticorpos anti-Rh+. Durante a segunda gravidez, esses anticorpos podem atravessar a placenta e provocar a hemólise do sangue da segunda criança.

Hoje existe tratamento para esta condição, e mães com Rh negativo, com pesquisa positiva de coombs indireto no sangue, devem receber imunoglobulina anti-D (RhoGAM®)  algumas semanas antes do parto ou nas primeiras 72 horas após o parto, de forma a impedir a formação dos anticorpos que poderiam criar complicações nas gestações seguintes. A pesquisa do tipo sanguíneo (ABO e Rh), além da pesquisa de coombs indireto (se Rh negativo), deve ser feita no pré-natal de toda a gestante.

Dor ao urinar, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Dor ao urinar é um sintoma muito comum, que pode estar presente em diversas doenças e condições, que são citadas abaixo:

Infecção do trato urinário

É a causa mais comum. Pode acometer a bexiga, quando é conhecida como cistite, ou os rins, quando é chamada pielonefrite. Normalmente, associa-se com dor no baixo ventre, sensação de bexiga cheia o tempo todo e saída de sangue na urina. É causada por bactérias, na maioria das vezes a Escherichia coli, e o tratamento deverá ser feito com antibióticos.

Uretrite

É uma inflamação da uretra, canal que leva a urina da bexiga para o meio externo, usualmente causada por bactérias como clamídia e gonococo. Pode ocorrer de sair uma secreção purulenta que mancha a roupa íntima. O tratamento deverá ser efetuado com medicamentos antibióticos.

Veja também: Sensação de bexiga cheia mesmo depois de urinar, o que pode ser?

Vulvovaginite

É a infecção da vagina, que pode ser causada por bactéria (Gardnerella vaginalis), protozoário (Trichomonas vaginalis) ou fungo (cândida). Está associada a corrimento vaginal e pode ocorrer prurido intenso. O tratamento é feito com pomadas tópicas, no caso da candidíase, ou antibióticos, no caso da tricomoníase e vaginose bacteriana.

Leia também: Quais as causas da vulvovaginite?

Doenças da próstata

Prostatite (infecção da próstata), hiperplasia benigna da próstata, que usualmente leva a dificuldades para urinar, e câncer de próstata, que pode não se associar a outros sintomas.

Cálculo renal

Quando a pedra passa pela uretra, pode feri-la, causando a dor para urinar. Pode ser necessário tratamento com litotripsia e até mesmo cirurgia, a depender da quantidade, tamanho, tipo e número de cálculos.

Epididimite

Inflamação do epidídimo, órgão que se localiza "colado" ao testículo, que pode estar inchado e doloroso. O tratamento é feito com antibióticos.

Veja também: Epididimite: Quais os sintomas e como é o tratamento?

Irritação da uretra

O canal da urina pode ficar irritado por produtos químicos, como amaciantes de roupa, sabão/sabonetes, perfumes ou medicamentos, causando dor para urinar.

Urina muito concentrada

A pouca ingestão de líquidos, sobretudo nos dias mais quentes, pode deixar a urina muito concentrada, causando dor ou queimação durante a sua passagem pela uretra.

Veja também: Dor na bexiga, o que pode ser?

Gravidez

As causas de dor para urinar durante a gravidez são as mesmas das outras situações, ou seja, infecção do trato urinário, uretrite, vulvovaginite, cálculo renal, irritação local e urina muito concentrada.

Leia também: Dor ao urinar pode ser gravidez?

Na presença de ardência para urinar, deve-se aumentar a ingesta de líquidos para, no mínimo, dois litros por dia e observar por 24 horas.

Na ausência de melhora, deverá ser procurado uma unidade de saúde para avaliação clínica e coleta de exame de urina se o médico julgar necessário, assim como outros exames.

Se você apresentar outros sintomas associados, como dor no baixo ventre, febre, corrimento uretral ou vaginal, deverá procurar o pronto atendimento imediatamente.

Não é recomendado o uso de remédios analgésicos sem prescrição médica, como Pyridium® (fenazopiridina), pois este mascara os sintomas e pode atrasar o tratamento adequado.

Saiba mais em:

Ardência ao urinar no homem, o que pode ser?

Ardência no órgão genital depois da relação é normal? O que pode ser?

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser?

Dificuldade para urinar: o que pode ser e o que fazer?

Não conseguir ou ter dificuldade em urinar: o que pode ser e como tratar?

Picada de borrachudo é perigosa?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A picada de borrachudo pode ser perigosa, pelo risco de transmissão da febre oropouche e da oncocercose, doenças que podem causar febre alta, dores articulares e musculares, meningite, lesões na pele e até cegueira. Contudo, essas complicações são raras, as complicações mais frequentes das picadas de borrachudo são as reações alérgicas, a coceira e o inchaço que desaparecem espontaneamente dentro de poucos dias.

O borrachudo costuma picar durante o dia, principalmente no início da manhã e fim de tarde. No local da picada forma-se um pequeno ponto com sangue, que pode inchar e coçar, de acordo com a sensibilidade da pessoa.

Para tratar picada de borrachudo, o mais importante é tentar não coçar, evitando assim uma pior reação inflamatória, formação de ferida ou até uma infecção local. Recomenda-se limpar cuidadosamente o local, manter sempre limpo, seco e hidratado; para isso pode fazer uso de pomadas neutras como a vaselina.

O mosquito borrachudo é mais comum nas zonas rurais, sobretudo nas regiões ribeirinhas da Amazônia. Porém, o inseto pode se proliferar facilmente nas cidades e causar surtos.

Febre do oropouche

A febre do oropouche é causada por um vírus transmitido pela picada do borrachudo. A doença pode causar dor de cabeça, dor nas articulações e nos ossos, febre alta, sensibilidade à luz (fotofobia), meningite e inflamação no cérebro. Acredita-se que algumas doenças já instaladas ou a baixa imunidade favoreçam a chegada do vírus ao sistema nervoso central.

A febre do oropouche é muito comum na Amazônia, ficando atrás apenas da dengue na lista desse tipo de doenças.

O tratamento tem como objetivo apenas controlar os sinais e sintomas, uma vez que não existe um medicamento específico para tratar a doença. Porém, na grande maioria dos casos, a pessoa recupera-se totalmente e não fica com sequelas, mesmo nos quadros mais severos.

Oncocercose

Também conhecida como "cegueira dos rios", a oncocercose é causada por um parasita cilíndrico e alongado (Onchocerca volvulus) que se instala logo abaixo da pele. A transmissão ocorre pela picada do borrachudo, que pode estar infectado com larvas do Onchocerca.

Cerca de 1 ano depois da picada, o parasita começa a produzir minúsculos vermes (microfilárias) que se espalham pelo corpo, causando febre, lesões na pele e nódulos logo abaixo dela. Se chegarem ao olho, podem provocar perda temporária da visão ou cegueira permanente.

O tratamento da oncocercose é feito com um medicamento específico à base de Ivermectina que mata os parasitas. A medicação é administrada em doses únicas, com intervalos de 3 ou 6 meses entre elas.

Em caso de picada de borrachudo, siga os procedimentos indicados no início do artigo. Na presença de outros sintomas ou se a lesão não melhorar, procure um serviço de saúde imediatamente.

Leia também:

O que fazer em caso de picada de escorpião?

Mordida de carrapato é perigoso? O que fazer?

Qual o tratamento para mordida de rato?

Maconha pode cortar o efeito de alguns medicamentos?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Pouco se sabe se a maconha pode cortar o efeito de algum medicamento ou não. Porém, a maconha pode interagir com alguns tipos de medicação, como opioides, depressores do sistema nervoso central, antidepressivos e anticonvulsivantes.

Fumar maconha regularmente pode reduzir as concentrações de enzimas no sangue, interferindo na ação de certos medicamentos. Há ainda medicações que podem aumentar ou diminuir a concentração de THC (tetraidrocanabinol), o principal psicotrópico encontrado na planta.

As evidências indicam que fumar mais de 2 cigarros de maconha por semana já pode ser suficiente para produzir algum tipo de interação medicamentosa.

Antidepressivos

Em relação aos antidepressivos, a fluoxetina é um fármaco com baixa interação com a maconha. Por outro lado, sabe-se que outra classe de antidepressivos, como a dos tricíclicos, já possui maior possibilidade de interação.

Anticonvulsivantes

Quanto aos anticonvulsivantes, como o topiramato, pode haver um aumento dos níveis da medicação na corrente sanguínea se a pessoa fumar maconha.

Há ainda outros anticonvulsivantes que se usados juntamente com a maconha podem ter a sua concentração no sangue diminuída, tais como a zonisamida. Pacientes que usam esse tipo de medicamento e fumam maconha podem manifestar efeitos colaterais e alterações laboratoriais.

Depressores do sistema nervoso central

Sabe-se que a maconha também pode aumentar os efeitos sedativos, respiratórios e psicomotores de medicamentos depressores do sistema nervoso central, assim como do álcool.

Anestésicos

Entretanto, sabe-se que a maconha pode potencializar o efeito de alguns medicamentos anestésicos como halotano e ciclopropano, criando uma condição potencialmente perigosa.

Antibióticos

Não há estudos que confirmem que a maconha corta o efeito da Benzetacil, a penicilina benzatina, ou qualquer outro antibiótico.

Outros medicamentos

Os canabinoides, substâncias ativas da maconha, causam aumento da frequência cardíaca. Por isso, o seu uso, juntamente com anticolinérgicos, pode aumentar ainda mais esse efeito.

Pessoas que utilizam varfarina e fumam maconha regularmente devem ser acompanhadas de perto para verificar possíveis interações.

Para o seu próprio bem e para evitar possíveis efeitos indesejados, o paciente deve sempre informar o médico que lhe prescreveu o medicamento se faz uso de maconha ou qualquer outra droga.

Posso guardar as fezes na geladeira?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

As fezes para exame podem ser guardadas na geladeira dependendo do exame a ser a ser feito.

No caso do exame protoparasitológico de 3 dias, que  é feito para verificar se há vermes e outros micro-organismos (helmintos e protozoários), deve-se colher as fezes em 3 dias seguidos e guardá-las na geladeira, sem congelar. Após o 3º dia, devem ser levadas ao laboratório.

No exame de pesquisa de sangue oculto, as fezes podem ser guardadas na geladeira até no máximo, o dia seguinte após a coleta.

Existem vários tipos de exames de fezes. Os técnicos do laboratório de análises clínicas ou os profissionais de saúde que solicitam o exame podem orientar como deve ser a coleta e a conservação das fezes, de acordo com o exame pedido.

Eu e meu marido temos o mesmo tipo de sangue e agora?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Não há problema nenhum em ter o mesmo tipo de sangue. Essa ideia que mesmo tipo de sangue dá problemas na gravidez ou no bebê é um mito, um "folclore popular". O problema geralmente aparece quando a mãe tem sangue negativo e o bebê tem sangue positivo.

Unhas amareladas podem ser sinal de doença?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim, unhas amareladas podem ser sinal de algumas doenças. Dentre elas, podemos destacar as doenças do fígado, como hepatites e cirrose; doenças autoimunes, como a diabetes, artrite reumatoide e tireoidites; doenças do sistema sanguíneo, como as talassemia e ainda, doenças pulmonares como a bronquite e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Contudo, ter as unhas mais amarelas nem sempre indica sinal de doença. Por exemplo, os idosos podem apresentar unhas amareladas sem ser um sinal de anormalidade; o uso prolongado de medicamentos, como os antibióticos; o contato frequente com água e produtos de limpeza; a ingestão excessiva de alimentos com caroteno, como a cenoura, abobora e batata-doce, chamada carotenemia, podem levar a coloração amarelada tanto nas unhas quanto na pele.

Pessoas que têm as unhas dos pés muito compridas também podem ficar com as unhas amareladas. Nesse caso, a alteração da cor é causada pelo descolamento da unha que, por estar muito comprida, pode gerar uma alavanca e se descolar do seu leito.

Dentre as doenças, as principais responsáveis por deixar as unhas amarelas são a micose, o diabetes e os problemas pulmonares.

A onicomicose (micose na unha) é causada por fungos que consomem a proteína que forma a unha, deixando-a mais grossa, fraca e quebradiça ou rígida. Nas doenças respiratórias, as unhas engrossam, crescem muito devagar e vão ficando mais amarelas.

Veja também: que tipos de micose existem?

As unhas saudáveis possuem uma aparência brilhante, não costumam lascar ou apresentar sinais de falta de hidratação. Unhas que mudam de coloração, descamam, escurecem, apresentam ranhuras ou manchas podem indicar diversos problemas de saúde.

Para avaliar se o amarelado da unha é ou não sinal de alguma doença, consulte um médico dermatologista.

Saiba mais em: