Perguntar
Fechar
Estradiol engorda?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

Engordar é um efeito que pode surgir com o uso do estradiol. Além disso, algumas pessoas também podem apresentar inchaço, que é outra reação que pode fazer aumentar o peso.

O estradiol pode ser usado na forma de comprimidos, adesivos ou gel. Com o uso do gel, as reações adversas costumam ser mais raras e mais leves, além de passarem após os primeiros meses de tratamento.

Outras reações adversas frequentes relatadas por quem usa estradiol são:

  • Aumento das mamas, sensibilidade ou dor mamária;
  • Dor de cabeça;
  • Depressão;
  • Dor abdominal, gases e náuseas;
  • Câimbras nas pernas;
  • Piora da diabetes.

O estradiol é indicado para o tratamento dos sintomas de pós-menopausa, como ondas de calor e secura vaginal, e para prevenir a osteoporose.

Leia também:

Referência:

Estradiol. Bula do medicamento

O que fazer em caso de dormência ou formigamento dos dedos dos pés?
Dra. Janessa Oliveira
Dra. Janessa Oliveira
Farmacêutica-Bioquímica

A dormência ou formigamento nos dedos dos pés podem ser causados por:

  • Compressão do nervo ou no vaso sanguíneo que chega ao nervo
  • Problemas de circulação
  • Diabetes
  • Lesão de nervos
  • Inflamação

Se você tem diabetes e sente dormência e formigamento dos dedos dos pés e pés, pode estar desenvolvendo a neuropatia diabética. É importante que entenda como ela se desenvolve e o que fazer para prevenir complicações.

A dormência e formigamento dos dedos dos pés e das mãos associados a outros sintomas podem ser sinais de hanseníase (lepra).

Os sintomas podem começar pela ponta dos dedos e, se a causa persistir, passarem a afetar o pé. Você deve procurar um médico para investigar a causa sempre que a dormência ou formigamento forem contínuos. Veja abaixo o que acontece e o que fazer em cada caso:

O que fazer quando algo comprime um nervo ou um vaso?

O excesso de peso, postura ou calçados apertados são causas fáceis de associar à compressão dos dedos. Ela faz com que o sangue não chegue até o nervo e isso causa a sensação de dormência ou formigamento. Normalmente a sensação é passageira e mais simples de resolver.

Quando a dormência for causado por postura ou excesso de peso, a sensação normalmente acaba se você modificar a posição do pé para liberar os dedos do que está causando a compressão e movimentá-los. Tirar o calçado que está apertando os dedos tem o mesmo efeito.

O nervo pode ser comprimido em doenças como a hérnia de disco, a síndrome do túnel do tarso e a neuropatia fibular. Nesses casos, a dormência ou formigamento são contínuos. Você precisa procurar um médico para investigar se um desses problemas é o que causa a sensação.

Se a compressão persistir por muito tempo, mais fibras do nervo são afetadas e ele pode sofrer degeneração. O resultado pode ser o surgimento de dor e falta de força para os movimentos nos dedos e no pé.

Procure um médico quando há um problema de circulação

Quando a circulação sanguínea não está boa, os nervos podem não receber a quantidade de alimento e oxigênio necessários. As extremidades, principalmente dos membros inferiores (dedos dos pés e pés) são mais sensíveis aos problemas de circulação.

Vasculite e doença aterosclerótica são dois exemplos de doenças que afetam a circulação sanguínea. Elas podem causar degeneração do nervo em poucos dias, o que faz com que os sintomas (dormência, formigamento, dor) sejam contínuos.

O início rápido do tratamento da doença que está causando o problema é fundamental. Isso permite que o nervo danificado se recupere e a sensibilidade da região afetada volte ao normal. Por isso, é importante procurar um médico.

Controle o açúcar do sangue

A neuropatia diabética é a complicação mais comum da diabetes tipo 1 e 2. Ela é percebida inicialmente por causar dormência ou formigamento nos dedos dos pés e nos pés, levando à perda progressiva de sensações.

A diabetes danifica os nervos periféricos quando não está controlada. O nível alto de açúcar do sangue (hiperglicemia) prejudica a circulação do sangue, causa inflamação e toxicidade direta, começando pelas extremidades dos nervos. Por isso, a perda de sensações começa nos dedos dos pés.

São fatores que aumentam a gravidade da neuropatia diabética e o risco de complicações:

  • A duração e a gravidade da hiperglicemia
  • A associação da diabetes com hipertensão, obesidade e problemas de colesterol e / ou triglicérides altos (síndrome metabólica)

As complicações mais comuns da neuropatia diabética são feridas nos pés, dores nas articulações e quedas. Se você é diabético, precisa controlar a glicemia e as outras doenças associadas à diabetes para diminuir a progressão e evitar essas e outras complicações da doença.

O que fazer quando há lesão de nervos?

O rompimento do nervo pode acontecer devido a um ferimento ou corte que o divide em duas partes. A parte final dele, responsável por sentir o toque e a pressão, fica sem comunicação com a parte do nervo que vem da coluna. Por isso, a pessoa perde essas sensações no local.

É uma causa que não é frequente, mas é fácil de ser identificada. As sensações podem voltar depois de um tempo, sem necessidade de tratamentos.

A dormência ou formigamento podem ser percebidos anos depois para quem fez radioterapia para tratamento de câncer cervical ou de próstata, por exemplo. A pessoa pode sentir também falta de força progressiva para movimentar o dedo, dedos ou o pé. Se esse pode ser o seu caso, procure um médico.

Hanseníase ou lepra

A hanseníase é causada por uma bactéria que, entre outras coisas, afeta os nervos. A suspeita inicial da doença se baseia na presença de alguns sinais:

  • Perda de sensibilidade nos dedos das mãos e pés
  • Perda de sensibilidade na pele, percebida por não sentir dor ao se ferir (cortes e queimaduras que não doem)
  • Manchas mais claras ou avermelhadas na pele
  • Machucados que não respondem a tratamento
  • Caroços e inchaço no lóbulo da orelha e no rosto
  • Falta de transpiração em partes do corpo

No caso de apresentar algumas das manifestações, procure um médico. A hanseníase é um problema de saúde pública em algumas regiões do país.

Inflamação

Doenças virais, como as causadas pelos vírus herpes zoster, herpes simplex e Epstein-Barr podem afetar os nervos e causar sensação de dormência e problemas de movimentação nos dedos, pés e pernas. Há outras doenças que também podem causar inflamação que afeta o funcionamento do nervo, mas são mais raras.

Nesses casos, a dormência e demais sintomas são contínuos. Você precisa de uma avaliação médica para saber se uma dessas doenças é o que causa a dormência e formigamento nos seus dedos ou pés.

O que fazer em outras situações que causam dormência nos dedos dos pés?

Você também pode sentir dormência nos dedos dos pés:

  • Quando está muito frio
  • Após cirurgias (devido ao efeito da anestesia ou de outros medicamentos)
  • Quando o pé está engessado e o gesso está muito apertado
  • Devido à deficiência de vitamina B1 (mais comum para quem bebe excesso de bebidas alcoólicas com frequência)

A dormência passa:

  • Basta proteger os pés do frio com meias e calçados adequados
  • Quando o efeito do medicamento acabar, algum tempo após o término da cirurgia

No caso em que o gesso apertado estiver causando a dormência, consulte um médico ou enfermeiro para saber o que deve fazer.

Se suspeitar que a dormência nos dedos dos pés pode ser causada por deficiência de vitamina B1, procure um médico de família para indicar o tratamento adequado.

Saiba mais em:

Sinto dormência nos pés, o que pode ser?

Estou sentindo dormência nos membros. O que pode ser e qual médico procurar?

Referências

UpToDate

Cúrcuma ajuda a emagrecer?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A cúrcuma (Cúrcuma longa) tem uma potente ação anti-inflamatória e por este motivo pode ajudar nos processos de emagrecimento. A curcumina, que atribui à cúrcuma a cor amarelo-alaranjado, é um dos flavonoides componentes da planta e o principal responsável pelo seu efeito anti-inflamatório.

Pertencente à família do gengibre, é também conhecida como açafrão-da-terra, açafrão-da-índia e gengibre amarelo. É bastante utilizada na Medicina Ayurvedica (Medicina Indiana) e na Medicina Tradicional Chinesa.

Cúrcuma e emagrecimento

Alguns estudos indicam a propriedade anti-inflamatória da curcumina como um dos mecanismos envolvidos na perda de peso, uma vez que esta substância age sobre os sintomas inflamatórios da obesidade. Estas pesquisas sugerem que a curcumina interfere no metabolismo com capacidade para reverter o colesterol elevado (hiperlipidemia), os altos índices de açúcar no sangue (hiperlipidemia) e a resistência à insulina.

Além destes efeitos, uma pesquisa publicada pelo Journal of Nutrition demonstrou que a cúrcuma inibe a produção de gordura pelo corpo (lipogênese). Neste estudo, o grupo de pessoas que utilizou 5 gr (uma colher de chá rasa) reduziu o percentual de gordura corporal. Entretanto, o mecanismo que produziu esta ação do condimento precisa ser melhor esclarecido.

Cúrcuma e atividade anti-inflamatória

Estudos feitos em humanos comprovaram a atividade anti-inflamatória da curcumina. Este fitoterápico exerce sua capacidade anti-inflamatória por meio da inibição de diferentes moléculas envolvidas nos processos inflamatórios. É indicada para tratar distúrbios digestivos.

A ação anti-inflamatória pode ser comparada a medicamentos anti-inflamatórios como o diclofenaco, a hidrocortisona e a fenilbutazona. Além de a ação ser semelhante, a cúrcuma não produz efeitos colaterais.

Contraindicações e efeitos colaterais da cúrcuma

A cúrcuma não oferece nenhum efeito colateral, mas é contraindicada em casos de:

  • Gravidez e lactação;
  • Obstrução de dutos biliares;
  • Portadores de úlcera duodenal.

Crianças não devem utilizar cúrcuma e pessoas portadoras de cálculos biliares não devem utilizá-la sem indicação médica.

Pessoas que utilizam medicamentos de uso contínuo (remédios para pressão e diabetes, por exemplo) não devem suspender o uso e nem utilizar a curcumina sem orientação médica.

Além da curcumina, a cúrcuma possui outros fitoterápicos benéficos à saúde e é fonte de vitamina A, C, E e B6 e é rica em aminoácidos, fibras, e minerais como cálcio, ferro, sódio e potássio. Frequentemente utilizada na culinária indiana, pode ser usada como tempero, na forma de chá e pode ser encontra em pó, rizomas (raiz semelhante ao gengibre) e em cápsulas.

Para fins de emagrecimento, a cúrcuma deve ser associada a adoção de um estilo de vida saudável que inclua uma alimentação saudável e a prática de atividade física.

Leia também

Plantas medicinais são seguras para a saúde?

Colesterol total alto significa que o colesterol HDL e LDL estão altos?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. Na verdade o aumento do colesterol total pode ser resultado da elevação de qualquer fração de colesterol.

O colesterol total é representado pela soma das quatro frações de colesterol no sangue, que são: LDL, VLDL, IDL e HDL. Quando está relacionado ao LDL (colesterol ruim), significa um risco aumentado para doenças cardiovasculares, como o infarto do coração e o derrame.

No entanto, quando o colesterol total está alto às custas do HDL, o colesterol bom, passa a ser um fator de proteção para o organismo, significa um bom resultado. Por isso, o mais importante é avaliar os valores separadamente.

O que causa colesterol alto?

Para muitas pessoas, o colesterol alto está relacionado com um estilo de vida pouco saudável. Isso inclui ter dieta rica em gordura, estar acima do peso e falta de exercício físico. Embora sejam os fatores mais comuns, outros problemas de saúde também podem causar esse aumento, como, por exemplo:

  • Diabetes;
  • Doença renal;
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Gravidez e condições que aumentam os níveis hormonais femininos;
  • Hipotireoidismo;
  • Medicamentos, como alguns contraceptivos, diuréticos, betabloqueadores e alguns medicamentos usados para tratar a depressão.
  • Doenças genéticas (Hiperlipidemia familiar combinada, Hipercolesterolemia familiar, Hipertrigliceridemia familiar).
O que é colesterol?

O colesterol é um tipo de gordura encontrada em todas as células do corpo. Grande parte do colesterol do nosso corpo é produzido pelo fígado, ou absorvidos por alimentos que consumimos, como as carnes e laticínios.

A gordura é essencial para diferentes funções do organismo, como a formação dos hormônios, vitamina D, membranas celulares e formação de sais biliares.

O que é colesterol LDL?

O colesterol LDL é conhecido como colesterol ruim porque se acumula dentro das artérias, formando placas de gordura, interrompendo a circulação sanguínea. Com isso, aumenta o risco de tromboses, doenças vasculares, como o infarto agudo do miocárdio (IAM) e o AVC (acidente vascular cerebral).

O que é colesterol VLDL e IDL?

Embora menos conhecidos, o VLDL e o IDL também são tipos de colesterol considerados “ruins”, pois pode se depositar na parede das artérias se estiver com um valor alto.

O que é colesterol HDL?

O colesterol HDL é chamado de colesterol bom porque não se acumula na parede das artérias e ainda ajuda a eliminar o colesterol ruim (LDL) do sangue.

Quais são os valores de referência do colesterol?

Os valores normais de colesterol variam um pouco de acordo a idade e também entre homens e mulheres.

Pessoas com até 19 anos de idade
Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total Menos de 170 mg/dL
LDL Menos de 100 mg/dL
HDL Mais de 45 mg/dL
Homens a partir dos 20 anos
Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total 125 a 200 mg/dL
LDL Menos de 100 mg/dL
HDL 40 mg/dL ou mais
Mulheres a partir dos 20 anos
Tipo de colesterol Valores de referência
Colesterol total 125 a 200 mg/dL
LDL Menos de 100 mg/dL
HDL 50 mg/dL ou superior
Como baixar o colesterol total?

Para baixar o colesterol total alto, são recomendadas: mudanças no estilo de vida, que incluem dieta adequada, perda de peso, prática de atividade física, não fumar e reduzir o consumo de bebidas alcoólicas. Quando essas medidas não são suficientes para baixar o colesterol, é necessário tomar medicamentos.

1. Dieta

A gordura saturada e o colesterol dos alimentos aumentam o nível de colesterol total no sangue. A gordura saturada é a principal culpada, mas o colesterol dos alimentos também são importantes.

Diminuir a quantidade de gorduras saturadas na dieta ajuda a reduzir o nível de colesterol. Os alimentos que apresentam altos níveis de gorduras saturadas incluem algumas carnes, laticínios, chocolate, produtos de panificação e alimentos processados e fritos.

2. Perda de peso

O excesso de peso aumenta o colesterol total. Perder peso pode ajudar a reduzir os níveis de colesterol ruim (LDL), colesterol total e triglicerídeos. Também ajuda a aumentar o colesterol bom (HDL).

3. Prática regular de atividade física

A atividade física regular pode ajudar a diminuir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o bom (HDL). Também ajuda a perder peso. Para baixar o colesterol, recomenda-se praticar pelo menos 30 minutos de exercícios, no mínimo 4 vezes por semana.

4. Evitar cigarro e bebidas alcoólicas

Fumar não aumenta o colesterol, mas contribui para a redução do colesterol bom (HDL), que ajuda a eliminar o colesterol ruim das artérias. Assim como o consumo de bebidas alcoólicas. Portanto, é importante evitar ou se possível, interromper completamente esses hábitos ruins.

5. Medicamentos

Se as mudanças no estilo de vida, por si só, não forem capazes de baixar o colesterol total, a pessoa pode precisar tomar medicamentos. Existem vários tipos de medicamentos disponíveis para baixar o colesterol, incluindo as estatinas.

Vale ressaltar que ao tomar medicações para baixar o colesterol, a pessoa deve continuar com as mudanças no estilo de vida.

O médico que solicitou o exame de sangue é o responsável por interpretar os valores de colesterol apresentados no resultado, e oferecer as orientações e tratamento adequados.

Conheça também alguns alimentos que podem ajudar a reduzir o colesterol no artigo: 10 alimentos que vão ajudar a baixar o colesterol

Referência:

  • Sociedade Brasileira de Cardiologia.
  • AHA - American Heart Association.
Auriculoterapia: o que é, para que serve e quais os benefícios?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Auriculoterapia ou acupuntura auricular é uma técnica terapêutica que considera a orelha como um microssistema em que cada um de seus pontos representa um órgão ou região corporal. É empregada no tratamento de várias enfermidades.

É uma prática integrativa e complementar que pode ser desenvolvida por profissionais de saúde especializados no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). A auriculoterapia não deve substituir medicamentos ou outros tratamentos convencionais indicados para o tratamento da disfunção de saúde que você apresenta.

Auriculoterapia com agulhas filiformes. Indicações e benefícios do tratamento com auriculoterapia

A auriculoterapia é indicada no tratamento de enfermidades dolorosas, inflamatórias, endocrinometabólicas, geniturinárias e doenças crônicas. Além destas, estudos realizados demonstram que a auriculoterapia também tem se mostrado eficaz na melhora de diversos quadros psicoemocionais. Dentre os benefícios podemos citar:

  • Redução do estresse;
  • Melhoria dos transtornos generalizados de ansiedade;
  • Tratamento de enxaquecas;
  • Melhora de quadros depressivos;
  • Diminuição da dor em casos de fibromialgia;
  • Redução de lombalgias (dores em região lombar);
  • Tratamento da obesidade;
  • Tratamento de contraturas musculares.
Como funciona a auriculoterapia

Para a auriculoterapia, o pavilhão auricular se relaciona com todas as partes do corpo humano onde se localizam pontos específicos para estimulação neural e tratamento de diversas doenças.

Antes de realizar tratamento com auriculoterapia você passará por uma consulta na qual o terapeuta especializado buscará compreender os sinais e sintomas que você apresenta e identificará os órgãos corporais afetados.

A partir da consulta, o profissional especializado definirá os pontos mais indicados para estimulação neural e fará pressão sobre estes pontos. Para isto, pode utilizar:

  • Agulhas filiformes: estas agulhas são aplicadas sobre os pontos correspondentes das regiões corporais afetadas por um intervalo de 10 a 30 minutos.
  • Agulhas intradérmicas: esses dispositivos são inseridos debaixo da pele e deve, permanecer na orelha por cerca de 7 dias.
  • Esferas magnéticas: as esperas são colocadas nos pontos auriculares por 5 dias, em média.
  • Sementes de mostarda: as sementes de mostarda, aquecidas ou não, são posicionadas sobre a pele por 5 dias.

A auriculoterapia é um tratamento adicional que pode auxiliar na melhora do quadro clínico apresentado e na prevenção de doenças.

Pontos auriculares

Os pontos auriculares correspondem a áreas específicas na superfície da orelha que refletem todas as partes do corpo humano, o que propicia a realização do diagnóstico e tratamento de doenças a partir da intervenção clínica nestes pontos específicos.

O conhecimento da localização e da função destes pontos é de fundamental importância para o profissional que atua na área de auriculoterapia. É preciso, portanto, que este profissional seja especializado na área.

O mapa da Medicina Tradicional Chinesa, base da auriculoterapia, preconiza a distribuição dos pontos auriculares de acordo com a anatomia da orelha. Um estudo estabeleceu ainda a correlação entre a orelha e o feto na posição invertida. Por analogia, o lóbulo da orelha representa a cabeça do feto em posição intrauterina.

Vantagens da auriculoterapia

Algumas vantagens podem ser apontadas quanto ao uso da auriculoterapia:

  • Técnica pouco invasiva
  • Segura
  • Aplicação simples
  • Baixo custo econômico

A prática da auriculoterapia ou acupuntura auricular foi aprovada, a partir de 2006, pela Portaria nº 971. Esta portaria aprovou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde.

A auriculoterapia pode ser empregada como terapia coadjuvante de diversas doenças. Medicamentos e demais tratamentos convencionais não devem ser suspensos ou substituídos pela auriculoterapia.

Busque sempre um profissional especializado em auriculoterapia para realizar, acompanhar e avaliar o seu tratamento.

A dieta do HCG faz mal à saúde? Quais os riscos?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Sim, a dieta do HCG pode fazer mal à saúde, pois o uso do hormônio HCG pode aumentar o risco de tromboembolismo (formação de coágulos), levar ao acumulo de líquidos (edema), provocar depressão e dores de cabeça, e ocasionar sintomas decorrentes da ação hormonal do HCG como ginecomastia, que é o crescimento da mama em homens.

Algumas pesquisas inclusive associam a realização da dieta do HCG com um aumento do risco de câncer de mama a longo prazo.

Nas mulheres as alterações hormonais podem levar a:

  • Ciclos menstruais irregulares;
  • Sangramento vaginal;
  • Aumento das mamas;
  • Cistos no ovário;
  • Dor nas mamas;

Nos homens a dieta pode levar a problemas relacionados a produção de esperma e fertilidade.

Além dos riscos associados ao uso do hormônio HCG, o fato de ser uma dieta restritiva, com uma ingesta diária de quantidades muito pequenas de calorias (cerca de 500 Kcal/dia), também provoca diversos efeitos colateraisdecorrentes da carência de nutrientes essenciais ao organismo. Entre os mais comuns estão:

  • Fraqueza;
  • Cansaço;
  • Tontura;
  • Dor de cabeça;
  • Irritabilidade.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) afirmam que o uso do HCG para emagrecer não tem nenhuma eficácia, uma vez que não há evidências científicas sólidas que comprovem o seu efeito no tratamento da obesidade.

A SBEM e a ABESO também consideram que o tratamento com HCG pode ser prejudicial para as pessoas, por apresentar potenciaisriscos para a saúde.

Para maiores esclarecimentos sobre os riscos da dieta do HCG para a saúde, fale com o seu médico. Caso pretenda perder peso procure uma orientação profissional com um nutricionista.

Leia também: Como funciona a dieta do HCG?

Como baixar o colesterol ruim (LDL)?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para baixar o colesterol ruim (LDL) é necessário fazer mudanças na dieta, controlar o peso, não fumar e praticar atividade física regularmente.

Os alimentos que ajudam a reduzir o LDL são aqueles ricos em fibras, como frutas, verduras, aveia e leguminosas como feijão, grão-de-bico, ervilha e lentilha.

Uma dieta para controle e redução de colesterol alto também deve incluir alimentos ricos em gorduras “boas”, de origem vegetal e excluir alimentos ricos em gorduras “ruins”, presentes em alimentos de origem animal e industrializados.

Como deve ser a dieta para baixar o colesterol ruim (LDL)? Escolha alimentos ricos em gorduras saudáveis

Para baixar o colesterol ruim, deve-se limitar o consumo de gordura total, gordura saturada e gordura trans, priorizando gorduras saudáveis, de origem vegetal.

A gordura saturada pode ser encontrada em algumas carnes, laticínios, chocolate, alimentos processados e fritos.

A gordura trans é outra gordura prejudicial. Pode aumentar o colesterol ruim e diminuir o colesterol bom (HDL). Encontrada principalmente na margarinas, bolachas e salgadinhos.

Ao invés das gorduras nocivas, experimente gorduras mais saudáveis (insaturadas), presentes em carnes magras, nozes, avelãs, amêndoas, castanhas e azeite. Além de ajudar a baixar o colesterol ruim, esses alimentos aumentam o colesterol bom (HDL), que dentre outras funções, remove o colesterol LDL do sangue.

As gorduras devem representar no máximo 35% das calorias consumidas diariamente. Desses 35%, menos de 7% das calorias devem provir de gorduras saturadas. A quantidade máxima de gordura presente na dieta para baixar o colesterol depende de quantas calorias a pessoa costuma consumir diariamente.

Calorias diárias Gordura total Gordura saturada
1.500 42-58 gramas 10 gramas
2.000 56-78 gramas 13 gramas
2.500 69-97 gramas 17 gramas
Diminua o consumo de alimentos com colesterol

Para baixar o colesterol LDL, deve-se consumir menos de 200 mg de colesterol por dia. O colesterol é encontrado em alimentos de origem animal, como fígado, miúdos, gemas de ovos, camarão e laticínios.

Aumente a ingesta de alimentos ricos em fibras

Alimentos ricos em fibras diminuem a absorção de colesterol pelo intestino e são parte fundamental de uma dieta para reduzir o LDL. Esses alimentos incluem:

  • Cereais integrais, como aveia e farelo de aveia;
  • Frutas (maçã, banana, laranja, pera, ameixa);
  • Leguminosas (feijão, lentilha, grão-de-bico, ervilha).
Coma muitas frutas e legumes

Uma dieta rica em frutas e legumes pode aumentar a quantidade de substâncias capazes de reduzir o colesterol LDL, são substâncias chamadas estanóis ou esteróis vegetais. Funcionam como fibras solúveis, reduzindo a absorção de gorduras pelo trato digestivo.

Coma peixes ricos em ômega 3

O ômega 3 também é um tipo de gordura saudável. Apesar de não reduzir diretamente os níveis de colesterol ruim (LDL), aumentam o nível de colesterol bom (HDL), .que tem entre suas principais funções a remoção do LDL dos vasos, devido sua alta densidade.

Os peixes considerados como fonte de ômega 3 incluem salmão, atum, sardinha e cavala. A recomendação é comer esses peixes duas vezes por semana.

Diminua o consumo de álcool

O álcool é bastante calórico, pelo que o seu consumo em excesso pode causar ganho de peso. Estar acima do peso pode aumentar o colesterol ruim e diminuir o colesterol bom. O excesso de álcool também pode aumentar o risco de doença cardíaca, porque aumentar a pressão arterial e o nível de açúcar e triglicerídeos.

Considera-se uma dose adequada de bebida alcoólica, o equivalente a uma cerveja, um copo de vinho ou uma pequena quantidade de bebida destilada. Para baixar o colesterol ruim (LDL), recomenda-se tomar no máximo duas doses de bebida alcoólica por dia, no caso dos homens, e uma dose por dia, no caso das mulheres.

O que é colesterol LDL?

O colesterol é um tipo de gordura (lipídio) que está presente em certos alimentos de origem animal (carnes, laticínios, gema de ovos), mas que também é produzido pelo fígado. Para ser transportado no sangue, o colesterol precisa se ligar a uma proteína, que funciona como uma espécie de “peso” para que o colesterol possa se misturar com a água do sangue, uma vez que se trata de uma gordura. A ligação entre o colesterol e a proteína forma uma lipoproteína (lipídio + proteína).

LDL é a sigla para lipoproteína de baixa densidade, em inglês. O LDL é chamado de colesterol "ruim" porque um nível de LDL alto provoca a formação de placas de gordura nas artérias. Isso ocorre porque esse colesterol tem baixa densidade, ou seja, é relativamente “leve”, o que faz com que flutue na superfície do sangue e se acumule na parede das artérias.

Esse acúmulo de colesterol forma placas de gordura que podem interromper ou reduzir o fluxo sanguíneo para o coração e para o cérebro, podendo causar infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

Por outro lado, o colesterol HDL (sigla em inglês para lipoproteína de alta densidade) é chamado de colesterol "bom" porque além de não se depositar na parede dos vasos devido a sua alta densidade, é capaz de remover o colesterol ruim (LDL) do sangue.

Para mais informações sobre como baixar o colesterol ruim (LDL), consulte um médico de família ou um clínico geral.

O que fazer para emagrecer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para emagrecer a melhor receita é a junção de uma dieta equilibrada com exercícios físicos.

A dieta em que a quantidade de calorias ingeridas seja menor do que aquela que o corpo gasta diariamente, com a prática regular de exercícios físicos, além de reduzir o peso, ajuda na qualidade de vida e estabilidade de humor.

Algumas recomendações para quem deseja emagrecer:

  • Fracionar a alimentação: Fazer pequenos lanches entre as principais refeições ajuda a manter a fome sob controle e estimula o metabolismo. Barras de cereais, iogurtes desnatados e frutas são boas opções de lanches;
  • Ter uma alimentação equilibrada: É importante distribuir bem os alimentos ao longo do dia, evitando comer grandes quantidades de carboidratos de uma só vez;
  • Substituir os alimentos: Massas, arroz, pães e cereais integrais dão mais saciedade que os alimentos feitos com farinha branca pois possuem um menor índice glicêmico. Isso significa que eles evitam uma grande liberação de insulina, que sacia temporariamente, mas, após um curto período de tempo, a pessoa fica com mais fome ainda;
  • Aumentar o ingestão de proteínas: As proteínas demoram mais tempo para serem digeridas e por isso prolongam a sensação de saciedade. Frango, peixes, carnes, leite e ovos são boas fontes de proteína.

A praticar de exercícios físicos, aumenta a quantidade de calorias que o corpo queima e por isso potencializa muito o emagrecimento. Porém, para contribuir com a perda de peso, o exercício deve ser praticado pelo menos 4 vezes por semana, e sob orientação de um profissional para promover melhores resultados e evitar uma sobrecarga que prejudique, ao invés de auxiliar.

Também pode lhe interessar:

Usar cinta, body ou modelador emagrece?

7 Erros que Você não Pode Cometer se Quer Emagrecer

Tomar vinagre para emagrecer faz mal?

Criolipólise funciona? Como é feito o tratamento?

O nutricionista é o profissional indicado para prescrever uma dieta para emagrecer, que levará em conta as necessidades calóricas da pessoa, de acordo com o seu peso, altura, estilo de vida, entre outros fatores.