Perguntar
Fechar

Dietas e Obesidade

Norestin engorda e dá acne? Quais os efeitos secundários?

Norestin é uma medicação anticoncepcional que contém apenas progesterona. Como efeito colateral, é possível haver um aumento de peso e aparecimento de acne.

Toda medicação está propensa a apresentar efeitos secundários. No momento da escolha, eles devem ser ponderados com os efeitos benéficos para decidir se vale a pena ser utilizado.

O Norestin apresenta como efeitos secundários mais comuns ( ≥1%):

  • Aumento do fluxo menstrual;
  • Náusea e vômito;
  • Dor de cabeça;
  • Tontura;
  • Sensibilidade nas mamas;
  • Cansaço;
  • Ausência de menstruação (amenorreia).

Os efeitos secundários menos comuns são (<1%):

  • Acne;
  • Depressão;
  • Secreção vaginal;
  • Edema;
  • Nervosismo.

O Norestin pode ser usado por mulheres em aleitamento materno.

Caso você observe muitos efeitos colaterais indesejáveis com o uso desse anticoncepcional, converse com seu/sua médico/a para avaliar uma possível troca de medicação ou para lhe aconselhar formas de adaptação aos efeitos secundários.

O Xenical emagrece mesmo ou é apenas uma laxate natural?

Xenical é um dos emagrecedores liberados pela ANVISA, inibe a digestão das gorduras que não digeridas são eliminadas pelas fezes. É eficiente sim e emagrece, precisa de receita e acompanhamento médico.

Como funciona a dieta do HCG?

A dieta do HCG consiste em aplicações de injeções do hormônio HCG associadas a uma dieta com pouquíssimas calorias (cerca de 500 Kcal/dia). O programa completo da dieta tem 26 dias de duração, com 3 injeções diárias de HCG.

Nos 2 primeiros dias, não existe nenhuma restrição alimentar. A partir do 3º dia de tratamento, a dieta começa, com apenas 500 calorias por dia. Açúcar e carboidratos (pães, massas, arroz, batata) estão proibidos.

Atividades físicas intensas não são indicadas durante a dieta do HCG, pois o corpo já estará queimando muito mais calorias do que aquelas que são ingeridas.

O que é o HCG e como ele atua na dieta?

O HCG (sigla em inglês para Gonadotrofina Coriônica Humana) é um hormônio produzido pelo corpo durante a gravidez. Dentre as suas funções está a de utilizar a gordura corporal e os seus nutrientes para alimentar o feto em desenvolvimento.

A forma sintética do hormônio HCG é aprovada pela ANVISA para ser utilizada no tratamento da infertilidade e não para emagrecer.

Veja também: Remédios para emagrecer

Segundo os médicos que utilizam a dieta do HCG, a substância "engana" o organismo, que começa a funcionar como se a mulher estivesse grávida.

Assim, o corpo começa a queimar gordura, principalmente nos locais onde ela se acumula mais, como barriga, braços e coxas, preservando a massa magra (músculos).

Outra justificativa para usar o HCG é que ele ajudaria a combater a fome e a manter o suprimento de nutrientes para o corpo, de maneira que a pessoa não se sinta fraca.

A dieta do HCG funciona?

A dieta do HCG funciona, porque qualquer adulto que tenha uma dieta com apenas 500 calorias por dia irá emagrecer.

Porém, não existe comprovação científica de que o hormônio seja especificamente eficaz na perda de peso.

Na realidade, as evidências indicam que o HCG não tem nenhum efeito no emagrecimento. Toda a perda de peso é devida à restrição calórica.

Isso significa que a pessoa pode estar emagrecendo apenas devido à dieta pobre em calorias e não pelas injeções de HCG.

Além disso, uma restrição alimentar tão severa fará com que o corpo utilize as proteínas dos músculos e até órgãos, o que é contraindicado e pode trazer riscos para a saúde, embora os defensores do método garantam que o hormônio preserva a massa magra.

Leia também: A dieta do HCG faz mal à saúde? Quais os riscos?

Mesmo assim, ainda que a dieta funcione, o emagrecimento rápido não permite que a pessoa crie novos hábitos alimentares para manter o peso perdido.

A melhor e mais indicada dieta para emagrecer é aquela que promove uma reeducação alimentar, baseada numa dieta balanceada associada à atividade física.

É importante ressaltar que a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e a Associação Brasileira para Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO) não reconhecem a eficácia do método e considera que a dieta do HCG pode inclusive trazer sérias consequências ao paciente.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico endocrinologista.

O que é bulimia nervosa?

A bulimia nervosa é um transtorno alimentar em que a pessoa come compulsivamente grandes quantidades de alimentos e depois toma medidas extremas para se livrar do alimento que está em seu corpo para não engordar.

Na bulimia, o medo de ganhar peso leva a pessoa a induzir vômitos, tomar laxantes e diuréticos, ficar em jejum por longos períodos e ainda fazer exercícios físicos intensos durante horas.

Além disso, no período em ela come exageradamente, sentimentos de culpa, sair do controle, medo e vergonha são comumente presentes.

Com isso, o julgamento do corpo físico e a imagem corporal de si mesma são afetados, fazendo com que a pessoa se sinta desconfortável quando está acima do peso e se sinta bem quando está magra.

Causas

A bulimia nervosa acomete com mais frequência as mulheres na adolescência ou início da idade adulta. Ela é frequentemente associada à pressão para manutenção dos padrões de beleza impostos pela mídia e sociedade.

Contudo, existem diversos fatores que contribuem para o desenvolvimento da bulimia, tais como a personalidade da pessoa, predisposição genética, preocupação excessiva com o corpo e a forma física, pressões por parte da sociedade ou família, entre outros. 

A bulimia também é mais comum em pessoas com baixa autoestima e sintomas depressivos

Embora essas pessoas estejam constantemente preocupadas a forma física, geralmente são magras e estão dentro do peso ideal para a altura, mas são obcecadas com o corpo e tendem a fazer dietas muito restritivas. 

Assim, de um momento para o outro, perdem o controle e comem de forma compulsiva, muitas vezes sem ninguém ver. Depois, sentem-se muito culpadas e são capazes de tomar medidas extremas para que o que acabaram de comer não as faça engordar.

Continue a leitura em:

Como identificar e tratar a bulimia?

Quais os tipos de transtornos alimentares e seus sintomas?

Como é o tratamento para transtornos alimentares?

O que é dislipidemia e quais os seus sintomas?

Dislipidemia é o distúrbio das gorduras presentes no sangue, que pode ser o colesterol, triglicerídeos ou ambos.

A presença de uma quantidade elevada dessas gorduras no sangue representa um risco para doenças cardiovasculares (infarto agudo do miocárdio, Acidente Vascular Cerebral, etc). A gordura presente nos alimentos que ingerimos é absorvida pelos intestinos e transportada para o sangue. Quando nossa alimentação apresenta muita gordura, o organismo não é capaz de absorver e eliminar o suficiente e uma parte dessa gordura acumula-se nas artérias. Com o excesso de gordura acumulada nas artérias, o fluxo sanguíneo pode ser interrompido parcialmente ou totalmente, impedindo o aporte de nutrientes necessários para aquele tecido e causando prejuízos das funções.

A dislipidemia não causa sintomas específicos, porém ela pode aumentar significativamente o risco de desenvolver doenças cardiovasculares em especial as doenças das coronárias, artérias do coração. Nessas doenças, os principais sintomas são dor no peito que pode irradiar para o braço esquerdo, falta de ar, náuseas e vômito, sudorese, aceleração dos batimentos cardíacos e desmaio.

A dislipidemia é uma doença que necessita de tratamento. Leia mais em:

Qual o tratamento para dislipidemia?

Estou precisando perder 10kg, qual remédio está liberado?

Medicação não é a primeira escolha no tratamento para emagrecer, existem outras opções que devem ser tentadas antes.

Link útil:

Tomo hidroclorotiazida, posso tomar sibutramina ou orlistat?

Se o seu médico receitar para você não há nenhum problema em tomar esses medicamentos (só a sibutramina costuma causar aumento de pressão).

Quais os efeitos colaterais da sibutramina?

Os efeitos colaterais da sibutramina são:

  • Boca seca;
  • Prisão de ventre;
  • Dor de cabeça;
  • Agitação psicomotora, nervosismo, ansiedade, delírio;
  • Sudorese (transpiração);
  • Alterações do sono, por exemplo, insônia;
  • Aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca;
  • Náusea;
  • Alteração do paladar.

Os efeitos colaterais da sibutramina geralmente são transitórios. Todavia, se os efeitos colaterais forem persistentes ou com uma intensidade que interfira nas atividades diárias, a pessoa deve falar com o/a médico/a sobre a possibilidade de ajustar a dosagem ou até mesmo suspender o uso do medicamento.

A sibutramina é um medicamento usado para tratar a obesidade pois reduz a fome e aumenta a sensação de saciedade. 

O seu uso deve ser orientado e acompanhado pelo/a /a médico/a clínico/a geral ou endocrinologista.