Perguntar
Fechar

Saúde da Mulher

Dor pélvica na mulher, o que pode ser?

Dor pélvica na mulher pode ser devido a uma série de causas. Corresponde a um terço das queixas nos consultórios médicos e desvendar suas causas é um grande desafio para os profissionais, pois requer uma investigação profunda e detalhada do problema.

A dor pélvica normalmente é sentida no baixo ventre e como se manifesta normalmente no “pé da barriga”. Fazem parte da pelve o útero, os ovários, as tubas uterinas, a vagina, o reto e a bexiga, além de diversos músculos, nervos e ossos, portanto as causas que geram a dor pélvica podem ser as mais diversas e para seu diagnóstico correto deve ser feita uma anamnese detalhada, um exame físico bem feito e exames complementares quando necessários.

Na investigação, é fundamental saber a sua idade, sexo, antecedentes pessoais e características específicas da dor pélvica (onde exatamente dói (aponte)? qual o tipo da dor - pontada, peso, pulsação, aperto, queimação? é intensa? quão intensa (dê uma nota de zero a dez - zero é a dor mais fraca da vida e dez é a pior)? é a mais forte da vida? chega a despertar do sono ou vomitar nas crises? irradia ("espalha") para algum lugar ou é restrita a essa região específica? há quanto tempo está com dor? ela é cíclica (vai e volta) ou contínua, durando dias? quando vem a dor dura quanto tempo? você já teve antes? é comum? tem algum horário do dia ou do mês em que acontece com mais frequência? melhora com alguma coisa? está piorando, ao longo do tempo, ou apresentando novos sintomas concomitantes? piora nas relações sexuais? tem relação com o período menstrual? tem corrimento vaginal? ardência ao urinar? está indo mais vezes ao banheiro e fazendo pouco xixi? qual a sua frequência sexual? pratica sexo anal? tem mais de um parceiro? sente tontura ou enjoo juntos com a dor? etc.), início dos sintomas, concomitância dos sintomas com febre/sangramentos ou outros sinais/sintomas de gravidade, etc.

Dores agudas que surgem repentinamente na região pélvica e são progressivas necessitam de um atendimento médico emergencial, pois pode se tratar de problemas mais sérios como apendicite, ruptura de uma gravidez tubária e requerem intervenção cirúrgica, outras doenças mais sérias têm entre seus sintomas dores pélvicas, como a vulvodínia, endometriose e fibrose uterina, por isso sempre que sentir algo diferente em seu corpo, procure logo a ajuda de um médico, preferencialmente um ginecologista (que abrange a maioria das causas de dor pélvica - se não for o seu caso, ele poderá encaminhá-la ao especialista correto, seja um gastroenterologista, proctologista, urologista, ortopedista ou neurologista).

Esqueci de tomar 1 pílula e tive relação, posso estar grávida?

Fazendo o uso da medicação da forma correta e evitando falhas, a chance de engravidar é reduzida. Sempre que há algum tipo de falha na tomada da medicação pode haver chance de ocorrer a gravidez. Porém, na situação que você descreveu, as chances são menores pois as devidas ações foram tomadas a tempo.

Na dúvida, você pode aguardar umas semanas e realizar um teste de gravidez para excluir a possibilidade de estar grávida.

A pílula anticoncepcional deve continuar sendo tomada nos horários habituais e 1 em cada dia para não haver falhas no método.

Em caso de outras dúvidas, procure um serviço de saúde para uma consulta de avaliação.

Tomar junto as 2 pílulas do dia seguinte faz mal? Corta efeito?

Tomar junto as duas pílulas do dia seguinte não faz mal e não corta o efeito.

Há duas opções de pílula do dia seguinte:

- 1 comprimido de 1,5 mg

- 2 comprimidos de 0,75 mg cada.

Para as pílulas que vêm em 2 comprimidos recomenda-se tomar os 2 comprimidos de uma vez. Há possibilidade de tomar 1 comprimido e após 12 horas de intervalo tomar o outro. Como a mulher pode esquecer de tomar o segundo comprimido, recomenda-se tomar os 2 juntos. Isso não vai afetar no efeito da medicação nem alterar os possíveis efeitos colaterais.

A pílula do dia seguinte é um método de contracepção de emergência e deve ser usada até 72 horas após a relação sexual desprotegida.

Se você deseja um método anticoncepcional duradouro, procure um/a médico/a de família ou ginecologista para aconselhar o melhor método para você.

Leia também:

Quantas pílulas do dia seguinte posso tomar por ano?

2 pílulas de anticoncepcional tem o mesmo efeito da pílula do dia seguinte?

Faz mal tomar a pílula do dia seguinte tomando anticoncepcional?

Não. A mulher que já faz uso de anticoncepcional não apresenta riscos adicionais ao tomar a pílula do dia seguinte.

Quando o anticoncepcional é usado corretamente, na hora certa e sem esquecimento, não há necessidade da mulher tomar a pílula do dia seguinte mesmo tendo feito sexo vaginal desprotegido. O anticoncepcional usado rotineiramente apresenta uma boa segurança para evitar gravidez indesejada.

Vale lembrar que a pílula do dia seguinte contém uma quantidade alta de hormônio capaz de desequilibrar o ciclo menstrual da mulher e não deve ser tomada constantemente.

A mulher que já usa algum tipo de anticoncepcional (comprimidos, injeção, anel vaginal, DIU, adesivo ou implante intradérmico) só precisa tomar a pílula do dia seguinte em algumas situações como:

  • atraso maior de 24 horas para pílulas com estrógeno e progestágeno;
  • atraso maior de 3 horas para pílulas só com progestágeno;
  • atraso maior de 2 semanas para injeção com Medroxiprogesterona (ex: Depo-Provera® ).

Fora dessas situações, não há necessidade de usar os dois métodos em conjunto.

Links úteis:

Pílula do dia seguinte corta efeito do anticoncepcional?

Esqueci de tomar a pilula, posso engravidar? O que eu faço?

2 pílulas de anticoncepcional tem o mesmo efeito da pílula do dia seguinte?

Quantas pílulas do dia seguinte posso tomar por ano?

O que é o Beta-hCG qualitativo?

O Beta-hCG é um exame geralmente usado para verificar se a mulher está grávida, e pode dar, no caso do exame QUALITATIVO, positivo ou negativo, independentemente do valor, apenas diz se SIM ou se NÃO (como os que são vendidos em farmácia: ou mostram duas linhas - POSITIVO, ou uma linha - NEGATIVO).

Já o Beta-hCG QUANTITATIVO é melhor, porque diz o VALOR exato do exame, a partir do qual obviamente é possível inferir se é positivo ou negativo a partir dos valores de referência, a seguir:

Homens e mulheres não grávidas, saudáveis: NEGATIVO Diagnóstico de gravidez:

                • De 5 a 50mU/ml: indeterminado

                • Acima de 50mU/ml, mulher saudável: positivo

No caso do exame dar indeterminado, repetir após uma semana ou mais.

Sinônimos possíveis: REAGENTE = POSITIVO; NÃO REAGENTE = NEGATIVO.

A pesquisa de Beta-hCG pode ser feita no sangue ou na urina quando há suspeita de gravidez (normal ou ectópica), aborto, doença trofoblástica gestacional e no caso de tumores germinativos (ovarianos e testiculares).

Valores normais de Beta-hCG quantitativo da 1ª à 12ª semana de gestação:

1 semana de gestação: 5-50 mIU/ML hCG 2 semanas de gestação: 20-500 mIU/ML hCG 3 semanas de gestação: 500-5,000 mIU/ML hCG 4 semanas de gestação: 3,000-19,000 mIU/ML hCG 8 semanas de gestação: 14,000-169,000 mIU/ML hCG 12 semanas de gestação: 16,000-160,000 mIU/ML hCG

Em caso de níveis muito elevados de Beta-hCG logo no início da gestação, deve ser investigada a hipótese de doença trofoblástica gestacional.

É fundamental o acompanhamento de qualquer gestação desde o início, com um médico ginecologista.

Ultrassom Transvaginal

Dúvidas e perguntas frequentes sobre Ultrassom, Ultrassom Transvaginal e Ecografia:

1 - Posso fazer ultrassom transvaginal sangrando?

Depende. Depende do motivo, depende da clínica que vai realizar o exame, depende do médico que vai realizar o exame...

2 - Posso fazer ultrassom transvaginal grávida?

Sim. Não precisa ter medo, não existe nenhum risco par o bebê e não causa aborto, eventualmente pode causar um pequeno sangramento (raro), porém nada que deve preocupá-la.

3 - Fiz ultrassom transvaginal e não mostrou nada, mas exame de gravidez é positivo?

O ultrassom transvaginal somente começa a mostrar o bebê (saco gestacional) a partir da 5 semana de gestação (segundo mês) antes disso não adianta fazer que não irá aparecer nada e ficará em dúvida se está ou não está grávida.

4 - A partir de quando dá para fazer ultrassom para ver uma gravidez?

Somente se essa gestação tiver mais de 5 semanas, ou seja mais de mês de atraso menstrual, antes disso não adianta.

5 - Ultrassom pode dar o sexo errado do bebê?

Sim. É difícil de acontecer, porém é algo possível sim.

6 - Fiz uma ultrassom  transvaginal  e deu cisto no ovário, isto é grave?

A grande maioria de cisto de ovários é formada por cistos funcionais (ovulatórios) ou cistos benignos, os cistos malignos são uma ocorrência rara. Como saber qual tipo é? Converse com seu médico somente ele pode dar o diagnóstico.

7 - O que significa ovários não visualizados?

Significa que o médico que fez o exame não conseguiu ver os ovários, ou porque não estão lá ou porque algo não permitiu a visualização.

8 - Hiperplasia ou Hipertrofia do endométrio, o que isso significa no resultado do meu ultrassom?

Tanto a hipertrofia quanto a hiperplasia do endométrio significam que existe um aumento da camada interna do útero (que é o endométrio), pelo ultrassom não dá para definir qual das duas é a causa desse aumento, então o médico coloca as duas interrogadas no exame (isso é rotina), para saber qual das duas e qual a causa e o que realmente significa somente com a continuação da investigação e realização de novos exames.

9 - O que é Fundo de Saco de Douglas Livre?

"Fundo de Saco de Douglas" é o nome dado (anatomia) a um local no abdômen localizado atras do útero e se está "livre" significa que não há nada lá.

10 - O que significa líquido em Fundo de Saco de Douglas?

Significa que há líquido lá, pode ser água (muitas situações e doenças), sangue (algum sangramento ou hemorragia intra-abdominal) ou pus (alguma infecção intra-abdominal).

11 - O que é útero em AVF?

Útero em AVF é uma das maneiras normais de posicionamento do útero e significa útero em ântero-verso flexão (dobrado para frente).

Irritação na vagina tipo assadura com coceira e sangramento: o que é?

Irritação na vagina, tipo assadura, com coceira e sangramento é muito comum nas infecções vaginais tipo vaginose bacteriana ou infecção por fungo (como a candidíase).

No caso da candidíase, outro sintoma comumente observado é a presença de corrimento vaginal esbranquiçado ou amarelado. Os sintomas geralmente pioram antes da menstruação e melhoram no início do período.

A candidíase é bastante comum e não é considerada uma doença sexualmente transmissível (DST), embora o fungo causador da doença possa ser disseminado através do contato oral-genital.

O fungo causador da candidíase, a cândida, está naturalmente presente no canal vaginal, juntamente com várias outras bactérias. Os lactobacilos (um tipo de bactéria) contrabalanceiam a proliferação dos fungos no interior da vagina. Quando há um desequilíbrio na proliferação de cândida, temos um quadro de candidíase vaginal.

Alguns dos principais fatores de risco para candidíase:

  • Uso de antibiótico;
  • Gravidez;
  • Diabetes mellitus descontrolada;
  • Obesidade;
  • Uso de glicocorticoides e imunossupressores;
  • Uso de roupas de lycra e mal ventiladas;
  • Doenças autoimunes ou imunidade alterada;
  • Uso de ducha ou sabonete íntimo diário.

O tratamento da candidíase vaginal pode incluir:

  • Aplicação única ou aplicações diárias de cremes antifúngicos, supositórios ou óvulos;
  • Uso de antibióticos orais.

Outra situação em que pode haver irritação na vagina, parecida com uma assadura, com coceira e sangramento, é na vaginose bacteriana, sendo esta a principal causa de corrimento vaginal em mulheres na idade reprodutiva.

A vaginose caracteriza-se por um crescimento anormal de bactérias anaeróbias como Gardnerella vaginalis, Mobiluncus, entre outras, associado a uma diminuição de lactobacilos da flora vaginal normal.

Relações sexuais frequentes, uso de duchas vaginais ou período pré-menstrual favorecem a alteração da flora bacteriana vaginal, podendo desencadear a vaginose.

A vaginose bacteriana também não é considerada uma DST, embora a sua ocorrência seja maior em mulheres com número elevado de parceiros sexuais, sendo rara naquelas sexualmente inativas.

O tratamento da vaginose bacteriana inclui:

  • Uso de pomada ou creme vaginal;
  • Medicamentos antibióticos orais.

Para um diagnóstico e tratamento adequado, a mulher deve consultar o/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Resultado do exame de gravidez de laboratório: o que significa reagente e não reagente?

O exame de gravidez realizado em laboratório é o beta hCG. Esse exame avalia a presença do hormônio beta hCG no sangue ou na urina.

Quando esse hormônio está presente em determinada quantidade no sangue ou na urina da mulher, o resultado aparecerá como reagente, ou seja, positivo, indicando a alta possibilidade de confirmação da gravidez.

Quando a quantidade do hormônio é baixa ou ausente, o resultado do exame será não reagente, negativodescartando a possibilidade de gravidez.

Vale lembrar que um exame de gravidez realizado logo após o período fértil muitas vezes não é capaz de detectar a gestação, pois o hormônio beta hCG começa a ser produzido após a implantação do ovo no útero da mulher. Essa implantação ocorre em torno de uma semana após a fecundação. Por isso, normalmente é indicado a realização do teste de gravidez a partir do momento em que há de fato o atraso menstrual.

Caso o resultado do exame de gravidez tenha dado reagente, procure um serviço de saúde para maiores explicações e acompanhamento.