Perguntar
Fechar

Saúde da Mulher

Corrimento marrom, o que pode ser?

O corrimento marrom pode ser causado por diversos motivos, entre eles infecção vaginal bacteriana (geralmente amarelado, mas pode ser marrom claro na vaginose bacteriana, porém quando é marrom escuro geralmente adquire esta cor por ter sangue em sua composição, o que pode indicar feridas sangrantes no colo do útero, paredes vaginais, tubas uterinas ou ser proveniente da própria parede uterina (alteração menstrual).

Infecções e outras doenças:

Grande parte dos corrimentos crônicos são causados por preservativos. O látex nas camisinhas pode provocar alergia em algumas mulheres, o que vai desregular o pH vaginal e criar um ambiente propício à proliferação de bactérias que causam a vaginose bacteriana. Produtos de higiene íntima (duchas vaginais) também são outro agente que provoca irritação. Duchas podem levar à destruição das bactérias benéficas (flora vaginal normal - bacilos de Doderlein) que impedem a proliferação de bactérias causadoras de doenças como as da vaginose. O uso de sabonetes, lubrificantes e cremes vaginais sem indicação do médico é outro fator que pode explicar corrimentos recorrentes.

Muitas mulheres desenvolvem alergia a uma substância química chamada propileno glicol, que a maioria dos produtos usa na sua composição. O ginecologista é o profissional indicado para prescrever o tratamento médico adequado e ele pode observar eventuais reações.

Mas nos casos de infecção bacteriana vaginal, normalmente outros sintomas acompanham o corrimento, como:

  • ardência;
  • cheiro forte e desagradável;
  • inchaço;
  • prurido (coceira);
  • vermelhidão.

Pode ser decorrente de doença inflamatória pélvica (DIP), muito mais grave e pode necessitar de internação hospitalar para tratamento, ou ainda câncer do colo do útero, câncer de endométrio, pólipos ou miomas uterinos, endometrite, outras doenças sexualmente transmissíveis como a gonorréia.

Relações sexuais:

Como dito inicialmente, o corrimento marrom escuro geralmente indica sangramento em algum local do aparelho reprodutor. O sangramento pode ser oriundo da própria parede vaginal ou do colo do útero, como consequência de relações sexuais intensas ou repetidas.

Gravidez:

Nas primeiras 12 semanas de gestação, algumas mulheres podem apresentar secreção vaginal marrom. Esse pequeno sangramento pode se originar da implantação do embrião na parede uterina (nidação). Neste caso o sangramento é semelhante à menstruação, mas em pequena quantidade, de coloração mais clara e dura poucos dias.

A vagina fica mais sensível durante a gravidez, podendo sangrar mais facilmente durante relações sexuais ou exames ginecológicos. Além disso, aumenta a chance de infecções neste período. Sempre que ocorrerem corrimentos ou sangramentos durante a gestação, ainda que geralmente comuns, um médico ginecologista deve ser consultado imediatamente, pois pode também significar algo mais grave, como por exemplo perda sanguínea decorrente de  gravidez ectópica com rotura de tuba uterina (acompanhada de fortes dores abdominais em cólica), aborto (ou ameaça de aborto), placenta prévia, descolamento prematuro de placenta, rotura de vasa prévia, entre outras causas.

Menstruação:

Pode ocorrer eliminação de um corrimento marrom após a menstruação, geralmente decorrentes de restos da menstruação que a mucosa uterina não conseguiu eliminar totalmente (escape menstrual, por alterações hormonais), mesmo depois de dias do término do fluxo. Também costumam ocorrer nas primeiras menstruações da adolescência.

Menopausa:

A menopausa também pode desencadear um corrimento marrom escuro, em raros casos, pois a diminuição dos hormônios característicos da menacme (período fértil da mulher, da primeira à última menstruação) pode ressecar a mucosa e irritar a área genital, inclusive causando coceira. Pode ocorrer também na pré-menopausa.

Em caso de corrimento, de qualquer cor ou tipo, um médico ginecologista deve ser consultado para avaliação e tratamento adequado.

Leucócitos altos na urina, o que pode ser?

Leucócitos elevados na urina (leucocitúria) pode ter várias causas, sendo a mais comum delas a infecção do trato urinário. Pode ou não cursar com sintomas. Quando não há sintomas quaisquer, é chamada de bacteriúria assintomática.

É considerada leucocitúria quando é observado número de leucócitos acima de 10.000 células/mL ou 10 células por campo. Pode ocorrer em algumas situações, como:

  • infecção do trato urinário, geralmente causada pela bactéria Escherichia coli;
  • tuberculose do trato urinário;
  • infecção por outros microorganismos, como fungos, Chlamidia, Leptospira, gonococo, Haemophilus, vírus;
  • nefrite intersticial e glomerulonefrite (inflamação dos rins);
  • litíase renal (pedras nos rins);
  • contaminação por leucócitos da vagina;
  • câncer.

Para determinar a causa da leucocitúria, é necessário avaliar outros dados do exame de urina 1. Por exemplo, se leucocito-esterase e nitrito estiverem positivos, é mais provável que seja infecção do trato urinário. Também é importante e fundamental a coleta de urocultura com antibiograma, para determinar a bactéria e o perfil de sensibilidade aos antibióticos. Se houver presença de hemácias e proteína, é importante afastar glomerulonefrite, nefrite e litíase renal.

Veja também: Bactérias na urina são sinal de infecção urinária?

Se você apresentar sintomas, como ardência para urinar, sensação de bexiga cheia e dor no baixo ventre, deve procurar um pronto atendimento para tratamento com antibióticos de uma provável infecção do trato urinário.

Na presença de alterações no exame de urina, você deve procurar médico clínico geral, que avaliará a necessidade de investigação complementar.

Também pode lhe interessar: 

Células epiteliais na urina: O que isso significa?

Nitrito na urina: O que isso significa?

Corpos cetônicos positivo no exame de urina: O isso significa?

Minha menstruação veio duas vezes este mês, é normal?

A menstruação pode vir duas vezes no mesmo mês em mulheres com ciclo menstrual curto. Sendo assim, o intervalo entre  uma menstruação e outra é menor de 28 dias e, ocasionalmente pode coincidir das duas menstruações ocorrerem no mesmo mês.

Outras situações podem explicar a presença de menstruação duas vezes no mesmo mês, como:

  • Estresse;
  • Alterações emocionais;
  • Mioma;
  • Câncer;
  • Ovários policísticos;
  • Cisto no ovário;
  • Uso de alguns medicamentos;
  • Anticoncepcionais;
  • Alterações hormonais, como o aumento da secreção de prolactina;
  • Cirurgia no ovário;
  • Laqueadura.

O uso de anticoncepcionais, por exemplo, pode levar à ligeiros escapes, o que pode ser confundido com menstruação.

Menstruar duas vezes num mesmo mês não significa, propriamente, algum problema de saúde. Em geral, as irregularidades menstruais apenas têm importância quando duram muitos dias ou se repetem com frequência.

Saiba mais em: Minha menstruação está irregular. O que pode ser?

É importante a mulher acompanhar seu ciclo menstrual, sabendo a duração da menstruação, a quantidade do fluxo menstrual, o primeiro dia que a menstruação chega, além da quantidade de dias entre as menstruações. Com isso, ela entenderá melhor o funcionamento de seu organismo e saberá relatar ao/à médico/a quando for necessário.

Na presença de sangramentos excessivos e frequentes ao longo do ciclo menstrual, é recomendado consultar o/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista para avaliação do seu estado de saúde.

Posso estar grávida?
É possível eu estar grávida?

Provavelmente SIM: Se teve relação sexual sem proteção e se a menstruação atrasou.

Provavelmente NÃO: Se usa anticoncepcional certo, se usa camisinha, se usa injeção, se a menstruação veio.

TALVEZ: Se teve relação e não usou camisinha no primeiro mês de uso de anticoncepcional oral ou injetável, se não tomou a injeção no dia certo, se esqueceu de tomar a pílula no dia certo, se usou a pílula do dia seguinte, se faz sexo com coito interrompido, se a camisinha estourou.

Importante: se menstruou não deve estar grávida. Se quer saber se está grávida só existem duas maneiras de descobrir: fazer um exame de gravidez ou ultrassom.

Testes caseiros ou de testes de farmácia para gravidez não tem nenhum valor para a definição de estar ou não grávida, apenas testes feitos em laboratórios são confiáveis e levados em consideração para tomadas de decisões médicas.

1 - Posso fazer exame de gravidez ante mesmo da menstruação atrasar?

Sim. O exame de sangue Beta-HCG já dá positivo 1 semana após a gravidez ter ocorrido mesmo antes da menstruação atrasar.

2 - Com quantos dias de atraso posso suspeitar que estou grávida e devo fazer o exame de gravidez?

Pode-se fazer exames de gravidez de sangue ou teste de farmácia de urina a partir do primeiro dia de atraso da menstruação, porém como pequenos atrasos menstruais de poucos dias  são muito comuns, nós médicos costumamos esperar 15 dias de atraso menstrual para considerar um bom indício de gravidez. O ideal é a partir desse período procurar o médico e fazer o exame de gravidez.

3 - Atraso menstrual seguido por pequeno sangramento ou corrimento tipo "borra" pode ser gravidez?

Sim. Se há possibilidade de gravidez (relações sem proteção), pode sim ser gravidez.

4 - Pequeno sangramento ou corrimento tipo borra antes o nos dias que era para vir a menstruação seguido de atraso menstrual, pode ser gravidez?

Sim. Se há possibilidade de gravidez (relações sem proteção), pode sim ser gravidez.

5 - A menstruação veio diferente neste mês, posso estar grávida?

Talvez. Nem toda alteração na menstruação significa gravidez. Menstruação que veio pouco ou veio tipo borra de café, ou veio mais que o normal, até podem significar gravidez, mas existem muitos outros motivos, se teve relação sem proteção faça o exame de gravidez.

6 - Posso estar grávida e menstruar normalmente?

É algo que até pode acontecer, mas é raro, normalmente presença de menstruação indica ausência de gravidez.

7 - Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não.

8 - Relação sem proteção com coito interrompido (ejacular fora) pode engravidar?

Sim. Coito interrompido não é método anticoncepcional confiável.

9 - Penetração com o pênis sujo de esperma ou líquido seminal engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez.

10 - Encostar o pênis sujo de esperma ou líquido seminal na vagina engravida?

Não. Se não há penetração não há como engravidar.

11 - Lavar o pênis e começar de novo, engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez.

12 - Introduzir os dedos sujos de esperma ou líquido seminal na vagina pode engravidar?

Talvez sim. Sempre que espermatozoides viáveis chegam na vagina existe a chance de gravidez.

Links úteis:
Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça. Posso estar grávida?

Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza e dor de cabeça não são propriamente sintomas de gravidez. Até porque, se não houve penetração e o seu namorado estava de cueca e você com short e calcinha, as chances de você estar grávida são praticamente nulas, mesmo que tenha havido ejaculação.

Se tudo aconteceu da maneira como você disse, é quase impossível que os espermatozoides tenham conseguido chegar até ao canal vaginal para poder gerar uma gravidez. 

Além disso, os primeiros sintomas de gravidez não surgem dois dias depois da relação, mas a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação. O primeiro deles é o atraso da menstruação, que vem acompanhado de:

  • Mamas doloridas e inchadas;
  • Escurecimento dos mamilos;
  • Aumento da frequência urinária;
  • Náuseas e vômitos;
  • Cansaço;
  • Sonolência.

Veja aqui com quantos dias aparecem os sintomas de gravidez.

Procure um/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família se esses sintomas não passarem, pois eles devem ter outra causa que precisa ser diagnosticada.

Saiba mais em: Sintomas de Gravidez

Para que serve o fluconazol e como deve ser usado?

O fluconazol serve para o tratamento de infecções fúngicas e está indicado para o tratamento das seguintes condições:

  • candidíase vaginal aguda e recorrente e balanites por Candida, bem como profilaxia para reduzir a incidência de candidíase vaginal recorrente (3 ou mais episódios por ano);
  • dermatomicoses incluindo tinea pedis, tinea corporis, tinea cruris, tinea unguium (onicomicoses) e infecções por Candida.

Cada comprimido apresenta 150mg de fluconazol e a posologia (modo de usar) depende da infecção que está sendo tratada. Sendo assim:

  • para dermatomicoses, incluindo tinha do corpo, do pé, crural e infecções por cândida, deve ser administrado em dose oral única semanal de 150 mg. A duração do tratamento é geralmente de 2 a 4 semanas, mas nos casos de tinea pedis um tratamento de até 6 semanas poderá ser necessário.
  • para tinha ungueal (onicomicoses) a dose recomendada é de 150 mg de fluconazol administrado em dose única semanal. O tratamento deve ser continuado até que a unha infectada seja totalmente substituída pelo crescimento. A substituição das unhas das mãos pode levar de 3 a 6 meses enquanto que a dos pés de 6 a 12 meses. Entretanto, a velocidade de crescimento das unhas está sujeita a uma grande variação individual e de acordo com a idade.
  • para o tratamento de candidíase vaginal e balanite por cândida, deve ser administrado em dose única oral de 150 mg.
  • para reduzir a incidência de candidíase vaginal recorrente, deve-se utilizar dose única mensal de 150 mg. A duração do tratamento deve ser individualizada, mas varia de 4 a 12 meses. Alguns pacientes podem necessitar de um regime de dose mais frequente.

A dose deverá ser ajustada em pacientes com insuficiência renal.

O fluconazol deverá ser vendido somente com prescrição médica e o paciente deverá seguir as orientações da receita.

Com quantos dias aparecem os primeiros sintomas de gravidez?

Os primeiros sintomas de gravidez começam a surgir a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, ou seja, aproximadamente entre 7 a 14 dias após o dia esperado de vir a menstruação. Em geral, o primeiro sintoma da gravidez é a ausência de menstruação ou atraso menstrual detectado quando o período não vem na data esperada.

Após este sintoma, outros podem ser percebidos no início da gestação como náusea, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, aumento da frequência urinária e cansaço.

Normalmente, o atraso do período menstrual é notado pela mulher após 1 a 2 semanas de atraso. As náuseas e os vômitos podem ter início já nos primeiros dias de gravidez. Contudo, esses sintomas são mais frequentes no primeiro ou segundo mês de gestação e nem todas as grávidas os apresentam.  

Esses sintomas de gravidez aparecem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação. Com o avançar da gravidez, outros sintomas vão aparecendo, como inchaço abdominal, constipação intestinal, azia, desconforto na região pélvica, alteração do humor, falta de ar e tontura.

Também pode lhe interessar: Existem doenças com sintomas parecidos com gravidez?

Sintomas menos comuns no início da gravidez

Algumas mulheres grávidas também podem apresentar outras manifestações menos frequentes no início, como cólicas ou sangramento no momento da implantação do óvulo no útero, o que geralmente acontece na metade do ciclo. 

As aréolas ao redor dos mamilos também podem ficar mais escuras e muitas vezes vêm acompanhadas por inchaço e aumento da sensibilidade das mamas. 

Outros sintomas iniciais da gravidez podem incluir ainda desejo pode determinados alimentos, sonolência, sensação de gosto metálico na boca e alterações no olfato, que muitas vezes fica mais apurado.  

Ao detectar uma gravidez, a mulher deve procurar o serviço de saúde para iniciar os cuidados de pré-natal.

Leia também:

Queimação no estômago pode ser gravidez?

Mal estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça, posso estar grávida?

Dor ao urinar pode ser gravidez?

Como é feito o exame preventivo feminino?

O exame preventivo feminino, esfregaço cervicovaginal, colpocitologia oncótica cervical ou simplesmente teste de Papanicolau, é um exame ginecológico de citologia cervical, realizado como prevenção ao câncer do colo do útero (principalmente causado pelo papilomavírus humano, ou HPV).

O exame preventivo é geralmente indolor, simples e rápido (dura apenas alguns minutos). Pode causar um pequeno desconforto que pode ser diminuído se a mulher for capaz de relaxar e se o exame for realizado de forma delicada e com técnica adequada.

Inicialmente, o médico inspeciona visualmente a vagina e ânus, externamente. Ele estará procurando quaisquer alterações da normalidade (pigmentação, secreções, lesões, padrão de pilificação, etc).

Em seguida, o médico introduz um instrumento chamado espéculo na vagina (conhecido popularmente como “bico de pato”, devido ao seu formato). É feita nova inspeção visual nas paredes internas da vagina e colo do útero. A seguir, o médico provoca uma pequena descamação da superfície externa e interna do colo do útero, com uma espátula de madeira e uma escovinha, respectivamente. As células colhidas são colocadas numa lâmina de vidro (para microscópio) que será encaminhada para análise em laboratório especializado em citopatologia.​

Para garantir que o resultado é o mais correto possível, a mulher deve, nas 48 horas anteriores à realização do exame:

  • abster-se de ter relações sexuais (mesmo com camisinha);
  • evitar o uso de duchas, medicamentos vaginais e anticoncepcionais locais (por exemplo, espermicidas)
  • não realizar exame ginecológico com toque, ultrassonografia transvaginal e/ou ressonância magnética da pelve.

É importante também que a mulher que vai se submeter ao exame não esteja menstruada, pois o resultado pode ser alterado se houver presença de sangue. Mulheres que estejam grávidas também podem se submeter ao exame, sem riscos de saúde para ela ou para o bebê.​

Os exames devem ser feitos com a periodicidade disposta abaixo (como estabelecido em 2009 pelo Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia):

  • Primeiro exame aos 21 anos;
  • Uma vez a cada dois anos, a partir de então, até os 29 anos.
  • A partir dos 30 anos, se você tiver três exames consecutivos normais (negativo), pode ser realizado a cada três anos.
  • Encerrar a realização dos exames: de 65 a 70 anos, nas mulheres que tiveram três exames negativos consecutivos e nenhum resultado anormal nos últimos dez anos. Exceções: portadoras do HIV, mulheres com depressão imunológica, história de NIC-I ou NIC-II e aquelas com muitos parceiros sexuais.

Essas indicações não precisam ser seguidas à risca e cabe ao seu médico ginecologista alterá-las se considerar necessário, caso a caso. Considera-se a necessidade da realização de exames mais precocemente ou com maior frequência, por exemplo, em pacientes portadores de HIV ou HPV, imunosuprimidos, que não utilizam métodos de proteção (camisinhas), têm múltiplos parceiros sexuais, fazem uso prolongado de anticoncepcionais orais, são tabagistas e/ou têm má higiene íntima.

Pode ser feito gratuitamente em postos ou unidades de saúde da rede pública e em todas as faculdades de Medicina do Brasil que tenham profissionais capacitados. É de fundamental importância, pois o câncer de colo de útero só costuma gerar sintomas tardiamente, portanto sua realização periódica reduz a mortalidade por este câncer consideravelmente.

Também pode lhe interessar:

O que significa lactobacillus sp no preventivo?