Perguntar
Fechar
Esqueci de tomar a pílula anticoncepcional. Posso engravidar? O que eu faço?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Esquecimentos inferiores a 12 horas praticamente não interferem na eficácia da medicação. O risco de gravidez é muito pequeno.

Esquecimentos superiores a 12 horas podem influenciar de forma mais significativa, com maior risco de engravidar, principalmente se foi próximo ao período fértil e teve relações.

Esqueci de tomar o anticoncepcional na hora certa. O que faço?

Se esqueceu de tomar a pílula anticoncepcional a menos de 12 horas, tome a pílula na hora que se lembrar e siga a cartela normalmente com cuidado para não esquecer outra vez.

Se o esquecimento ocorreu há mais de 12 horas, tome a pílula na hora que se lembrar, siga a cartela normalmente e faça uso de outro método anticoncepcional durante esse período, se houver relação.

Esqueci de tomar a pílula por 1 dia. Posso engravidar?

Sim. As chances são pequenas, mas pode acontecer. O risco de gravidez é maior nas primeiras semanas do ciclo, mas se voltar o uso normal logo após o esquecimento, passados 14 dias, estará protegida novamente.

Se tiver relação durante esses dias, deve fazer uso de outro contraceptivo, como a camisinha, para evitar a gravidez.

Esqueci de tomar a pílula por 1 dia. O que faço?

Tome aquela que se esqueceu imediatamente e mais a pílula do dia, no horário habitual. Depois, continue a cartela normalmente, fazendo uso de outro contraceptivo, nos próximos 7 dias.

Esqueci de tomar a pílula por 2 dias ou mais. Posso engravidar?

Sim. Quanto maior o número de dias que esquece do remédio, maior a possibilidade de uma gravidez, se houver relação nesse período.

No entanto, se voltar o uso normal da pílula e fizer uso de outro contraceptivo durante os próximos 7 dias, o risco de engravidar é bem pequeno.

Esqueci de tomar a pílula por 2 dias ou mais. O que faço?

Nesse caso a mulher não deve tomar as medicações esquecidas, apenas a próxima do dia em questão e seguir a cartela como de habitual, sabendo que o restante desse mês não estará totalmente protegida.

Por isso deverá fazer uso de outro método contraceptivo junto, como o uso da camisinha por pelo menos 7 dias e emendar a próxima cartela.

Se a cartela estiver no fim, o mais adequado é parar o seu uso, o que acarretará na descida da menstruação e então iniciar nova cartela ao primeiro dia.

Se esquecer de tomar 3 pílulas ou mais, é provável que ocorra sangramento. Nesses casos, deve começar uma nova cartela no próximo ciclo.

Dei a pausa e esqueci de voltar a tomar no dia certo. Atrasei um dia. Posso engravidar? O que faço?

Provavelmente não irá engravidar porque está no início do ciclo, portanto distante da ovulação, mas faça como um esquecimento de um dia, tome cuidado nos próximos 7 dias, com uso de mais um preservativo, para eliminar qualquer risco.

Existe risco de gravidez se atrasar a toma da pílula por algumas horas?

Não. Tome a pílula assim que se lembrar e continue a cartela normalmente. Até 12 horas de atraso da pílula, a eficácia é mantida e assegurada, segundo os fabricantes.

Existe risco de gravidez se tomar a pílula em horários diferentes?

Não, desde que a diferença de horário seja de poucas horas.

Para maiores esclarecimentos sobre o uso da pílula anticoncepcional, consulte um médico de família, clínico geral ou ginecologista.

Vontade de urinar toda hora, o que pode ser e o que posso fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A vontade de urinar a toda hora pode decorrer de uma série de motivos e nem sempre é sinal de doença. Diversas condições, patológicas ou não, podem provocar um aumento da produção de urina ou irritações na bexiga que deixam a pessoa com uma vontade constante de urinar.

1. Diabetes

Na diabetes, o aumento do açúcar no sangue, leva a um aumento também na absorção de água, resultando na maior produção de urina. A doença desencadeia ainda outros sintomas, como sede excessiva e maior vontade de comer.

Portanto, podemos dizer que os sintomas que sugerem a diabetes são:

  • Poliúria (maior volume de urina),
  • Polidipsia (aumento da sede),
  • Polifagia (aumento do apetite),
  • Emagrecimento (sem causa aparente).

Na suspeita de diabetes, especialmente se houver familiares com esta doença, procure um endocrinologista para confirmar esse diagnóstico e iniciar o devido tratamento.

2. Cistite (infecção urinária)

A cistite, ou uma infecção urinária, é a principal causa de aumento da vontade de fazer xixi na população geral. A infecção leva a uma irritação na parede da bexiga e desenvolve os sintomas:

  • Vontade de urinar várias vezes ao dia,
  • Urgência para urinar,
  • Urinar em pequenas quantidades,
  • Ardência ao urinar,
  • Coceira,
  • Dor no "pé da barriga" (região abaixo do umbigo).

Mais raramente pode haver ainda febre e confusão mental. Esses sintomas são mais comuns em pessoas idosas, diabéticas ou com imunidade baixa e indica maior risco de complicações.

Na suspeita de infecção urinária, procure imediatamente um médico clínico geral, médico da família ou urologista, para iniciar o quanto antes o tratamento com antibióticos.

A infecção urinária não tratada pode evoluir com pielonefrite (infecção renal) e infecção generalizada (sepse urinária).

3. Doenças na próstata

A próstata é uma pequena glândula localizada abaixo da bexiga e junto a uretra. Por isso, quando acontece um aumento dessa glândula, seja por inflamação (prostatite), ou presença de um tumor (hiperplasia ou câncer), ela comprime a uretra impedindo a passagem normal do fluxo de urina. Com isso a bexiga não consegue esvaziar completamente, aumentando a necessidade de urinar e outros sintomas, como:

  • Maior frequência na micção,
  • Urinar em pouca quantidade, em cada micção,
  • Pode haver dor, dependendo da compressão na uretra,
  • Pode haver sangue na urina, nos casos mais avançados.

Na suspeita de problemas de próstata, é preciso procurar o urologista, para confirmar o diagnóstico. Após o diagnóstico, o médico poderá definir o melhor tratamento, na maioria das vezes existe a indicação de ressecção cirúrgica da próstata.

4. Gravidez

Durante a gravidez, o aumento do volume de sangue e aumento das taxas hormonais, modificações naturais desse período de vida da mulher, causam um aumento do volume de urina, sendo preciso urinar mais vezes durante o dia.

Além disso, no terceiro trimestre, com o crescimento do bebê, o espaço se torna menor, e passa a comprimir a bexiga, reduzindo a sua capacidade de armazenamento de urina, aumentando assim, ainda mais, a necessidade de urinar da gestante. Os sintomas são de:

  • Aumento na frequência urinária,
  • Aumento do volume de urina em cada micção,
  • Urgência para urinar.

Neste caso, não é preciso nenhum tratamento ou preocupação, trata-se de uma adaptação natural do organismo da gestante, para permitir o desenvolvimento saudável do bebê.

No entanto, se junto a maior frequência de urina, surgir sintomas de ardência, coceira, sangramento ou febre, é preciso procurar imediatamente atendimento médico. A infecção urinária durante uma gestação pode causas graves problemas.

5. Uso de medicamentos

O uso de medicamentos diuréticos, é outra causa bastante comum de aumento na vontade de urinar. Algumas vezes é preciso correr ou usar um absorvente, para passar mais tempo na rua, em segurança. Os sintomas são de:

  • Urgência para urinar,
  • Maior volume de urina,
  • Sintomas relacionados ao início de um medicamento diurético, ou ajuste de dose.

Neste caso, é preciso conversar com o seu médico de família ou cardiologista, para avaliar os benefícios e qualidade de vida. Se houver comprometimento no seu dia a dia e/ou constrangimentos, pode ser avaliada a troca da medicação, sem prejudicar o seu tratamento.

6. Ansiedade

Na crise de ansiedade, são liberados neurotransmissores, que dentre outras ações, aumentam a contração involuntária da bexiga e a vontade de urinar. Os sintomas que sugerem os diversos tipos de ansiedade são:

  • Preocupação excessiva,
  • Palpitação,
  • Suor frio,
  • Dor no peito,
  • Vontade de fazer urinar várias vezes durante o dia.

Nos casos de ansiedade, o tratamento deve ser multidisciplinar, com medicamentos, psicoterapia e atividade física, um conjunto que permite alcançar a cura dessa doença, na grande maioria das vezes.

7. Síndrome da bexiga hiperativa

A Síndrome da Bexiga Hiperativa afeta tanto homens como mulheres e é mais encontrada em pessoas brancas, portadores de diabetes. Trata-se de uma alteração no funcionamento da bexiga que provoca contrações involuntárias no órgão, causando vontade constante e urgente de urinar. Os sintomas clássicos desta síndrome são:

  • Urgência para urinar,
  • Aumento de frequência de micção,
  • Noctúria (incontinência urinária noturna),
  • Incontinência de urgência.

Pessoas com essa Síndrome têm mais de 8 micções ao longo do dia e da noite, inclusive depois de dormir. A urgência urinária, ou seja, a necessidade de urinar logo que se tenha vontade, é o sintoma característico.

O tratamento deve ser realizado pelo urologista, que inicialmente orienta quanto as medidas comportamentais incluindo o treinamento vesical (estratégias para tentar controlar os músculos dessa região), controle da ingesta hídrica por dia e quando não for suficiente, deverá incluir o uso de medicamentos e procedimentos cirúrgicos.

Segurar o xixi faz mal?

Sim. O hábito de prender a urina aumenta o risco de desenvolver doenças como a infecção urinária e a incontinência urinária.

O ato de fazer xixi é uma das defesas do nosso corpo. Na urina são eliminados todos os germes, bactérias e substâncias tóxicas para o organismo, que foram filtradas pelos rins.

Quando seguramos o xixi, mantemos a urina por mais tempo dentro da bexiga, o que expõe o trato urinário a proliferação dessas bactérias e risco de uma infecção urinária.

Além disso, reter a urina por mais tempo do que o necessário, sobrecarrega a bexiga, prejudicando a sua elasticidade e função do esfincter, podendo resultar na perda do controle da urina, a incontinência urinária.

Portanto, para evitar essas complicações, procure ir com frequência ao banheiro, e beber pelo menos 1litro e meio de água por dia, a fim de auxiliar a filtração renal e limpeza do trato urinário.

É normal ter vontade de urinar a noite?

Sim, é normal desde que mantenha o volume considerado normal, e desde que não interfira nos hábitos de sono.

A vontade de urinar durante a noite, alterando a qualidade de sono e/ou com volume e frequência aumentados é chamado noctúria. Pode ter as mesmas causas da poliúria (aumento do volume de urina) e da polaciúria (aumento na frequência de urinar).

A poliúria é definida por um volume de urina maior do que 3 litros por dia, para o adulto e maior de 2litros por metro quadrado, na criança. Polaciúria, número excessivo de micções em 24h, é caracterizado pela frequência acima de 6 vezes por dia para um adulto, e mais de 12 micções por dia para as crianças.

Em caso de vontade de urinar a toda hora, consulte um clínico geral, médico de família, ou um urologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Veja também:

Referências:

SBN - Sociedade Brasileira de Nefrologia

SBU - Sociedade Brasileira de Urologia / Portal da Urologia

UpToDate - Daniel G Bichet, et al. Evaluation of patients with polyuria. Sep 27, 2019.

Tomei a pílula do dia seguinte. Posso engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Depende. Pode ser possível engravidar tomando a pílula do dia seguinte, quando for utilizada de maneira incorreta, por exemplo quando tomar a pílula com mais de 72h após a relação desprotegida.

A eficácia da pílula do dia seguinte é maior quanto antes for tomada, especialmente antes das 48 h. Depois de 48 até as 72 h, a eficácia já é reduzida, aumentando o risco de gravidez.

Atualmente já está disponível no mercado a pílula de até 5 dias, com eficácia comprovada, porém com as mesmas recomendações, quanto antes tomar, maior a segurança e menor o risco de gravidez.

Após os 5 dias, não está mais indicado tomar a pílula do dia seguinte, além de não conferir resposta, pode causar efeitos colaterais.

Vale ressaltar que a pílula deve ser utilizada apenas em situações de emergência, nos casos de falha do método contraceptivo utilizado regularmente ou esquecimento. Não é indicado seu uso de maneira rotineira, porque a quantidade de hormônios nesse medicamento é alta, podendo causar problemas futuros para a saúde da mulher.

Por isso, depois de tomar a pílula do dia seguinte, se não faz uso de um contraceptivo regular, é necessário procurar um ginecologista para conversar sobre o assunto.

Perguntas comuns sobre pílula do dia seguinte: 1) Como funciona a pílula do dia seguinte?

A pílula pode atrasar a ovulação, impedir a união do óvulo com o espermatozoide ou a implantação do óvulo fecundado na parede do útero. A pílula não interrompe a gravidez e não causa malformações no feto.

2) Quanto tempo dura o efeito da pílula do dia seguinte?

A pílula do dia seguinte somente produz efeito sobre a última relação sexual, se for tomada dentro de um tempo máximo de 72 horas. Imediatamente depois de tomar a pílula, a mulher já retorna à sua fertilidade normal e pode engravidar se houver outra relação desprotegida.

3) Pílula do dia seguinte faz mal?

Desde que usada esporadicamente, apenas como método anticoncepcional de emergência, a pílula do dia seguinte é segura para a saúde da mulher. Mesmo quando é necessário tomar mais de uma pílula dentro do mesmo ciclo menstrual, não há evidências de efeitos colaterais graves.

É importante lembrar que a pílula do dia seguinte somente deve ser usada em situações especiais, como contraceptivo de emergência. Tomar a pílula repetidamente pode trazer sérios riscos à saúde, como infarto, derrame cerebral e trombose.

4) Quando tomar a pílula do dia seguinte?

No caso de uma relação sexual sem proteção (não usou camisinha ou anticoncepcional de qualquer tipo), bem como se esquecer de tomar a pílula anticoncepcional.

5) Quando não devo tomar a pílula do dia seguinte?

A mulher não deve tomar a pílula do dia seguinte nas seguintes situações:

  • Se usa anticoncepcional de qualquer tipo há mais de 30 dias;
  • Na pausa do anticoncepcional;
  • Se usou camisinha;
  • Se está amamentando.
6) Tomei a pílula do dia seguinte e senti enjoo. É gravidez?

Provavelmente não. Esse é um efeito colateral frequente da pílula do dia seguinte. Podem ocorrer também: vômitos, dor de cabeça, cansaço, tontura, vômitos, diarreia, mudanças de humor, tontura, mal estar, sangramento antes do dia normal da menstruação, cólicas ou ainda atraso menstrual.

7) Tomei a pílula e depois de uns dias tive sangramento e cólicas. Pode ser gravidez?

Esses sintomas são geralmente decorrentes da própria pílula do dia seguinte. Pequenos sangramentos e irregularidade menstrual são comuns após tomar a pílula.

Lembrando que a eficácia da pílula do dia seguinte é limitada e dependente do tempo que levou para fazer uso. Porém pode não evitar a gravidez em algumas mulheres.

8) Tomei a pílula do dia seguinte e não tive nenhuma reação ou efeito colateral e nem sangramento. É normal?

Sim, nem todas as mulheres vão sentir os efeitos colaterais da pílula do dia seguinte ou apresentar sangramento nos primeiros dias.

9) Tomei a pílula do dia seguinte e a menstruação atrasou, o que faço?

Pode ser efeito da pílula, mas também pode ser gravidez. Espere até completar 15 dias de atraso e então faça o exame de gravidez.

10) E se eu tomar a pílula do dia seguinte e estiver grávida?

Eventualmente, isso pode acontecer. Porém, geralmente não traz grandes consequências à gravidez e ao feto. Vale lembrar que a pílula do dia seguinte não é abortiva (não causa aborto).

11) A pílula do dia seguinte pode cortar o efeitos dos outros anticoncepcionais?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e portanto não altera o efeito dos outros anticoncepcionais. Entretanto, se já estiver em uso de anticoncepcional regular há mais de 30 dias, não há necessidade de fazer uso da pílula do dia seguinte.

12) Estou amamentando, posso tomar a pílula do dia seguinte?

Não. As chances de gravidez na amamentação são pequenas e a pílula do dia seguinte pode fazer mal a você e reduzir a produção do leite.

13) Como saber se a pílula do dia seguinte funcionou?

A única forma de saber efetivamente se a pílula do dia seguinte funcionou ou não é esperar pela próxima menstruação. Se ela atrasar duas semanas, faça um teste de gravidez.

Para maiores esclarecimentos sobre o uso da pílula do dia seguinte, consulte um médico clínico geral, médico de família ou ginecologista.

Leia também: Interação dos Anticoncepcionais com outros Remédios

Leucócitos altos na urina, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Leucócitos altos na urina (leucocitúria) pode ter várias causas, sendo a mais comum delas a infecção do trato urinário. Pode ou não cursar com sintomas, inclusive quando não há sintomas, é chamada de bacteriúria assintomática.

Os leucócitos podem chegar ao trato urinário através de qualquer órgão ou estrutura do sistema urinário, como rim e uretra. Por isso, níveis de leucócitos altos na urina podem ser observados em quase todas as doenças inflamatórias que afetam os rins e o sistema urinário.

É considerada leucocitúria quando é observado número de leucócitos acima de 10.000 células/mL ou 10 células por campo. O nível de leucócitos pode ficar alto em situações, como:

  • Infecção do trato urinário, geralmente causada pela bactéria Escherichia coli. A infecção pode afetar a bexiga (cistite), o rim (pielonefrite) ou a uretra (uretrite);
  • Tuberculose do trato urinário;
  • Febre;
  • Após atividade física intensa;
  • Presença de corpo estranho no trato urinário;
  • Tumor de bexiga;
  • Infecção por outros micro-organismos, como fungos, clamídia, leptospira, gonococo, Haemophilus, vírus;
  • Nefrite intersticial e glomerulonefrite (inflamação dos rins);
  • Litíase renal (pedras nos rins);
  • Rejeição de transplante renal;
  • Contaminação por leucócitos da vagina;
  • Câncer.
Por que os leucócitos podem estar aumentados na urina?

Os leucócitos, também conhecidos como glóbulos brancos, são células de defesa que protegem o organismo contra agentes infecciosos, como fungos, vírus, bactérias, parasitas, entre outros. Portanto se encontram aumentados na urina, quando o organismo precisa de auxílio por alguma problema na defesa do sistema urinário.

Durante a infecção do trato urinário, por exemplo, ocorre um processo inflamatório que tem por objetivo destruir o agente agressor. Esse processo inflamatório gera alterações na circulação sanguínea local, com migração de leucócitos e alterações no calibre dos vasos, aumentando a permeabilidade dos vasos e o extravasamento de leucócitos (sobretudo neutrófilos), para fora dos vasos sanguíneos. Por isso são encontrados no exame de urina.

Vele lembrar que a leucocitúria não significa obrigatoriamente a presença de infecção urinária. Nesses casos, além de leucócitos, também estão presentes bactérias na urina.

A presença de pedra no rim (cálculo renal) e tumor de bexiga também elevam os níveis de leucócitos na urina, por produzirem uma resposta inflamatória no organismo. Além disso, o cálculo renal obstrui o fluxo de urina, favorecendo a proliferação de micro-organismos e o maior risco de infecção urinária de repetição.

Embora o diagnóstico de infecção urinária seja basicamente definido pela avaliação clínica, pode ser necessário em alguns casos, a coleta de urocultura com antibiograma, para determinar a bactéria e o perfil de sensibilidade aos antibióticos.

Se você apresentar sintomas, como ardência para urinar, sensação de bexiga cheia e dor no baixo ventre, deve procurar um pronto atendimento para confirmar o quadro de infecção urinária, e iniciar o devido tratamento com antibióticos.

Na presença de alterações no exame de urina, você deve procurar o médico que solicitou o exame, um médico de família ou clínico geral, que avaliará a necessidade de tratamento e se necessário investigação complementar.

Quantos dias de atraso são considerados como atraso menstrual?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para ser considerado atraso menstrual, a menstruação deve estar com pelo menos 15 dias de atraso. Atrasos menstruais de até 7 ou 8 dias são muito comuns e nem sempre indicam gravidez.

No entanto, mulheres com ciclos menstruais bastante regulares podem desconfiar de gravidez a partir do 5º dia de atraso menstrual.

A ausência de menstruação é o primeiro e mais importante sinal de gravidez. Em geral, esse atraso pode vir acompanhado por pequenos sangramentos, diferentes do sangramento menstrual habitual.

Em caso de gravidez, os primeiros sintomas costumam a aparecer a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, quando a menstruação já está com uma a duas semanas de atraso.

Além do atraso menstrual, é comum a mulher apresentar também náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, aumento do número de micções e cansaço.

Algumas mulheres podem apresentar náuseas e vômitos logo no início da gestação, embora esses sintomas sejam mais comuns no 1º ou 2º mês de gravidez e nem sempre estão presentes.

À medida que a gravidez avança, surgem outras manifestações, como inchaço abdominal, prisão de ventre, azia, desconforto no baixo ventre, variações de humor, falta de ar e tontura.

Além da gravidez, quais as outras causas de atraso menstrual?

Atraso na menstruação nem sempre indica uma gravidez. Outras causas de atraso menstrual incluem: estresse, ansiedade, interrupção da pílula anticoncepcional, ganhar ou perder muito peso num curto espaço de tempo, obesidade, magreza extrema, distúrbios alimentares, como anorexia, hipo ou hipertireoidismo, ovários policísticos e menopausa ;

O atraso menstrual também pode ser provocado por doenças ou infecções, mesmo que sejam simples e corriqueiras, uso de medicamentos como antipsicóticos, corticoides, antidepressivos, quimioterapia, imunossupressores e anti-hipertensivos, e até mesmo pela prática de atividade física em excesso.

Em caso de atraso menstrual, a mulher deve consultar o/a médico/a ginecologista ou médico/a de família, que poderá pedir um teste de gravidez para descartar esta possibilidade ou investigar outras possíveis causas do atraso menstrual.

Minha menstruação veio duas vezes este mês, é normal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A menstruação pode vir duas vezes no mesmo mês em mulheres com ciclo menstrual curto. Sendo assim, o intervalo entre  uma menstruação e outra é menor de 28 dias e, ocasionalmente pode coincidir das duas menstruações ocorrerem no mesmo mês.

Outras situações podem explicar a presença de menstruação duas vezes no mesmo mês, como:

  • Estresse;
  • Alterações emocionais;
  • Mioma;
  • Câncer;
  • Ovários policísticos;
  • Cisto no ovário;
  • Uso de alguns medicamentos;
  • Anticoncepcionais;
  • Alterações hormonais, como o aumento da secreção de prolactina;
  • Cirurgia no ovário;
  • Laqueadura.

O uso de anticoncepcionais, por exemplo, pode levar à ligeiros escapes, o que pode ser confundido com menstruação.

Menstruar duas vezes num mesmo mês não significa, propriamente, algum problema de saúde. Em geral, as irregularidades menstruais apenas têm importância quando duram muitos dias ou se repetem com frequência.

Saiba mais em: Minha menstruação está irregular. O que pode ser?

É importante a mulher acompanhar seu ciclo menstrual, sabendo a duração da menstruação, a quantidade do fluxo menstrual, o primeiro dia que a menstruação chega, além da quantidade de dias entre as menstruações. Com isso, ela entenderá melhor o funcionamento de seu organismo e saberá relatar ao/à médico/a quando for necessário.

Na presença de sangramentos excessivos e frequentes ao longo do ciclo menstrual, é recomendado consultar o/a médico/a de família, clínico/a geral ou ginecologista para avaliação do seu estado de saúde.

Tomei pílula do dia seguinte e a menstruação não desceu. O que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Se tomou a pílula do dia seguinte e a menstruação não desceu, isso é normal e pode acontecer mesmo quanto a pílula do dia seguinte foi eficaz. Nos casos de atraso menstrual em mulheres que usam a pílula anticoncepcional, a mulher pode continuar tomando sua medicação regularmente, mesmo não vindo a menstruação. Provavelmente no próximo ciclo haverá um reajuste e o ciclo menstrual habitual será retomado.

A pílula do dia seguinte pode atrasar a menstruação devido ao desequilíbrio hormonal que ela provoca. Após o uso da medicação, o organismo precisa se readaptar e reajustar o ciclo menstrual. Isso pode demorar algum tempo a depender de qual momento do ciclo menstrual você utilizou a pílula do dia seguinte.

Quando a pílula do dia seguinte é usada próximo do período que viria a menstruação habitual, esse atraso pode ser de mais de 1 semana, prolongando o ciclo menstrual.

Normalmente, depois de tomar a pílula do dia seguinte, a menstruação volta a descer cerca de uma semana depois da data prevista.

Se a menstruação não ocorrer depois de 4 semanas da tomada da pílula, convém fazer um exame de gravidez.

Pílula do dia seguinte atrasa sempre a menstruação?

Não, sem sempre a pílula do dia seguinte atrasa a menstruação. Embora o atraso da menstruação seja um efeito colateral comum da pílula do dia seguinte, ele não ocorre na maioria dos casos.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), para aproximadamente 57% das mulheres que tomam o anticoncepcional, a menstruação vem na data prevista. A maioria das mulheres apresenta pouca ou nenhuma alteração relevante no ciclo menstrual.

Ainda segundo a OMS, cerca de 15% das usuárias que tomam a pílula do dia seguinte podem apresentar um atraso de até 7 dias na menstruação. Aproximadamente 13% das mulheres que usam a medicação podem apresentar um atraso menstrual de pouco mais de 7 dias. Em 15% das mulheres, a pílula do dia seguinte pode antecipar a menstruação em até uma semana.

A pílula do dia seguinte não é o único método anticoncepcional que pode atrasar ou ainda antecipar a menstruação. O anticoncepcional injetável trimestral, o DIU de cobre e os implantes também podem causar irregularidade menstrual.

Depois de tomar a pílula do dia seguinte a menstruação volta ao normal?

Sim, depois de tomar a pílula do dia seguinte a menstruação volta ao normal. A irregularidade ocorre no período menstrual imediatamente seguinte ao uso da pílula. Com a vinda da menstruação, o ciclo volta ao normal.

A irregularidade no ciclo menstrual causada pela pílula do dia seguinte resolve-se espontaneamente. O uso correto do anticoncepcional não provoca alterações duradouras ou permanentes na data da menstruação.

No entanto, o uso repetitivo da pílula do dia seguinte pode tornar as alterações menstruais mais intensas, tornando difícil para a mulher prever a vinda da menstruação e identificar o seu período fértil.

Para maiores esclarecimentos sobre o uso da pílula do dia seguinte, consulte um médico clínico geral, médico de família ou ginecologista.

Posso estar grávida? Quantos dias de atraso menstrual é considerado gravidez?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A gravidez é possível sempre que há uma relação sexual sem o uso de um contraceptivo, seja ele a camisinha ou anticoncepcional hormonal.

O primeiro sinal de gravidez é o atraso menstrual. É considerado atraso menstrual quando a menstruação está atrasada há mais de 15 dias. Antes disso pode ser normal, devido a alterações hormonais naturais ou alguma situação de doença, estresse ou ansiedade.

Após 15 dias deverá realizar um teste de gravidez, para confirmar ou descartar essa possibilidade, embora possa ser feito antes. A diferença é que sendo negativo, será preciso repetir após os 15 dias, antes de descartar completamente a gestação.

Leia também: posso fazer o teste de gravidez de farmácia antes do atraso?

1. Quais são os sintomas de gravidez?

Além do atraso menstrual, que é o principal sintoma da gravidez, outros sintomas podem estar presentes no início da gravidez (5ª ou 6ª semana de gestação), como náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, cansaço, aumento do número de vezes que urina, urgência urinária, sonolência, alterações do paladar e do olfato.

À medida que a gravidez avança, outros sintomas começam a surgir, como aumento da barriga, prisão de ventre, azia, desconforto no baixo ventre, variações de humor, falta de ar e tontura.

2. Posso fazer exame de gravidez ante mesmo da menstruação atrasar?

Sim. O exame de sangue Beta-HCG já dá positivo 1 semana após a gravidez ter ocorrido mesmo antes da menstruação atrasar.

Leia também: teste de farmácia de gravidez é confiável?

3. Atraso menstrual seguido por pequeno sangramento ou corrimento tipo "borra de café" pode ser gravidez?

Sim. Se há possibilidade de gravidez (relações sem proteção), pode ser um sangramento chamado, sangramento de nidação, quando o óvulo fecundado penetra no útero.

Leia também: dá para confundir sangramento de nidação com menstruação escura?

4. A menstruação veio diferente neste mês, posso estar grávida?

Talvez. Nem toda a alteração na menstruação significa gravidez. Menstruação que veio pouco ou veio com coloração amarronzada, tipo "borra de café", ou aumentada, até podem significar gravidez, mas existem muitos outros motivos.

O principal motivo é o uso de anticoncepcional hormonal, especialmente quando troca de medicação. Contudo, se houve relação sem proteção, é recomendado fazer o exame de gravidez.

5. Posso estar grávida e menstruar normalmente?

Não. Na gravidez não existe menstruação. A menstruação é a descamação da parede do útero, por não ter havido a implantação de um óvulo e é dado início a um novo ciclo menstrual.

Quando ocorre um sangramento, semelhante à menstruação durante a gravidez, é preciso informar imediatamente ao obstetra, pois pode ser sinal de um problema grave, como a gravidez na trompa ou início de abortamento.

Saiba mais: quais as possíveis causas de sangramento durante a gravidez?

6. Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não. O uso de anticoncepcional não interfere no resultado do exame de gravidez Beta-HCG.

7. Relação sem proteção com coito interrompido (ejacular fora) pode engravidar?

Sim. Pode engravidar, o coito interrompido, embora possa ser utilizado como método contraceptivo, é um método de baixa eficácia, com taxas elevadas de falha. Por isso não deve ser usado, converse com o seu médico e veja outras opções para o seu caso, afim de evitar uma gravidez não planejada.

8. Penetração com o pênis sujo de esperma ou líquido seminal engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda a vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez. Isso porque pode haver ainda espermatozoides viáveis no líquido de lubrificação do pênis, possibilitando uma gravidez.

9. Introduzir os dedos sujos de esperma ou líquido seminal na vagina pode engravidar?

Talvez sim. Sempre que espermatozoides viáveis chegam à vagina, existe a chance de gravidez.

Para maiores esclarecimentos sobre esse assunto, converse com o seu (sua) médico (a) ginecologista.