Perguntar
Fechar
Posso engravidar na pausa do anticoncepcional?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A mulher que faz uso correto do anticoncepcional, tomando um comprimido por dia, sempre no mesmo horário e sem apresentar esquecimento de pílulas, não engravida na pausa do anticoncepcional.

A pausa do anticoncepcional é o intervalo entre uma cartela e outra. Nesses dias de intervalo, ocorrerá o sangramento equivalente à menstruação e, após essa pausa, a mulher deve iniciar a nova cartela e continuar tomando a medicação como indicada.

Durante essa pausa, os hormônios da pílula continuam agindo no organismo da mulher e evitando a gravidez indesejada.

Caso a mulher esteja começando o uso da pílula e esteja nas primeiras três cartelas, seu organismo está em fase de adaptação à medicação e, portanto, ela deve usar um método contraceptivo adicional (como o preservativo) para evitar possíveis falhas.

O uso da amoxicilina juntamente com o anticoncepcional não diminui a eficácia da pílula. As duas medicações podem ser usadas ao mesmo tempo e, durante o tratamento com antibiótico, a mulher deve continuar o uso do anticoncepcional normalmente.

Leia também:

Com quantos dias aparecem os sintomas de gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de gravidez começam a surgir a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação, ou seja, cerca de 40 dias depois da mulher ter engravidado. 

Em geral, o primeiro sintoma da gravidez é a ausência de menstruação ou atraso menstrual, detectado quando a menstruação não vem no período esperado.

Após este sintoma, outros podem ser percebidos no início da gestação, como náusea, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, aumento da frequência urinária e cansaço.

O atraso da menstruação geralmente é percebido pela mulher depois de uma a duas semanas que a menstruação não veio.

Algumas gestantes podem manifestar sintomas menos comuns no início da gravidez, como cólicas e sangramento, principalmente nos momentos em que o óvulo fecundado é implantado no útero.

Veja também: Quais as possíveis causas de sangramento durante a gravidez?

Há ainda grávidas que manifestam desejo por certo tipo de alimentos, sonolência diurna e alterações no paladar e no olfato.

Lembrando que os enjoos (náuseas) e os vômitos podem surgir já nos primeiros dias de gestação. Contudo, a maioria das grávidas podem nem manifestar esses sintomas e, quando presentes, costumam surgir no 1º ou 2º mês de gravidez.

Leia também: Quando começam os enjoos na gravidez?

O aumento da sensibilidade das mamas é sentido quando a mulher toca ou pressiona os seios, que podem estar mais inchados. As aréolas ao redor dos mamilos também podem ficar mais escuras.

Saiba mais em: Seios inchados fora do período menstrual: o que pode ser?

Outro sintoma comum no início da gestação é o aumento da frequência urinária, ou seja, a mulher começar a ir ao banheiro mais vezes e, muitas vezes, com urgência para urinar.

Esses sintomas de gravidez aparecem a partir da 5ª ou 6ª semana de gestação. Com o avançar da gravidez, outros sintomas vão aparecendo, tais como: inchaço abdominal, constipação intestinal, azia, desconforto na região pélvica, alteração do humor, falta de ar e tontura.

Ao detectar uma gravidez, a mulher deve procurar o serviço de saúde para iniciar os cuidados de pré-natal.

Quantos dias dura o efeito da pílula após parar de tomar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

O efeito da pílula dura somente um dia. Se parou de tomar o anticoncepcional significa que já estava desprotegida a partir do dia seguinte, com risco de engravidar.

A pílula anticoncepcional é um medicamento que faz efeito enquanto ele é utilizado. Ao parar de tomar a pílula, a ovulação volta a acontecer, podendo haver uma gravidez. Por isso, ao deixar de tomar a pílula, a mulher deve usar outro método anticoncepcional para não engravidar.

Porém, há diversos fatores que influenciam a permanência do efeito do anticoncepcional no organismo, como o tempo em que tomou a pílula, quantas pílulas tomou na última cartela, se menstruou após parar de tomar e assim por diante.

Quanto tempo leva para engravidar após parar de tomar a pílula?

Ao interromper o uso do medicamento, o corpo se prepara para iniciar novamente a ovulação. Esse processo leva em média de 1 a 3 meses, fazendo a ovulação e a menstruação voltarem ao normal. Nos primeiros meses após a parada da pílula, pode acontecer de não haver ovulação e a mulher não menstruar.

Por isso, o tempo para uma mulher engravidar após parar de tomar a pílula é variável, podendo ser no próximo ciclo ou até 6 meses após o término da pílula.

Há quem consiga engravidar logo no primeiro mês que deixou o anticoncepcional. Já em outros casos, o corpo pode demorar mais para eliminar completamente os hormônios do medicamento, fazendo com que as funções do organismo demorem mais para voltar ao normal.

Para quem usa anticoncepcional injetável trimestral, os efeitos demoram de 6 a 8 meses para desaparecer após a última injeção. Na presença de excesso de peso, os efeitos do anticoncepcional podem demorar ainda mais para desaparecer. Nesses casos, gravidez pode levar mais tempo para acontecer.

Caso você tenha parado de usar o anticoncepcional mas queira buscar um outro método contraceptivo, consulte o/a médico/a ginecologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Corrimento esverdeado sem cheiro e sem coceira, o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Corrimento vaginal esverdeado que não apresenta cheiro nem coceira pode ser decorrente de alterações da flora vaginal. A flora vaginal pode se modificar em diferentes situações como:

  • Idade: no começo dos ciclos menstruais e na período próximo a menopausa ou após a menopausa, a vagina passa por modificações que pode alterar as bactérias ali presentes, favorecendo o aparecimento de corrimentos com um padrão diferente do habitual.
  • Alterações do ciclo menstrual: durante o ciclo menstrual, as alterações hormonais podem modificar o ambiente vaginal, modificando a flora e causando alterações no corrimento e modificando a sua cor.
  • Hábitos de higiene: alguns hábitos de higiene como a utilização excessiva de sabonetes e cremes com odor ou a realização de duchas vaginais também podem mudar o corrimento vaginal O uso de sabonetes impróprios para a região genital podem prejudicar a flora bacteriana normal, mas mesmo o uso de sabonetes íntimos em excesso também podem levar a modificações na cor e características do corrimento.
  • Doenças como o diabetes mellitus, podem modificar a flora vaginal, inclusive aumentando a chance de infecções fúngicas, como a candidíase.
  • Infecções vulvovaginais: infecções como a vaginose bacteriana e a tricomoníase podem ocasionar corrimento esverdeado sem cheiro se sem coceira.
Tricomoníase: Principal infecção vaginal que pode causar corrimento verde

Entre as infecções que atingem a vagina, se destaca a infecção pelo protozoário chamado Trichomonas vaginallis, chamada tricomoníase. Usualmente está associado a coceira intensa e odor desagradável, porém estes podem estar ausentes. Também pode apresentar-se como corrimento amarelado, pastoso ou grosso e, muitas vezes, bolhoso.

A mulher pode apresentar ainda, dor nas relações sexuais e ao urinar.

O diagnóstico da tricomoníase é realizado através do exame de papanicolau ou após análise do líquido vaginal (Swab). É importante frisar que a tricomoníase é considerada uma doença sexualmente transmissível e o parceiro deve ser examinado e tratado em conjunto, para não haver recontaminação.

Outras situações que podem causar corrimento vaginal verde

Há algumas fases da vida em que é mais comum a ocorrência dos corrimentos vaginais, como no período que antecede a primeira menstruação e na menopausa.

Outra época em que o corrimento é mais comum é no verão, porque o calor favorece a proliferação de bactérias e fungos. Ambientes abafados, quentes e úmidos, como a vagina, propiciam crescimento desses germes.

Na gravidez, corrimento esverdeado também é possivelmente causado pela tricomoníase e não traz prejuízo ao bebê. O tratamento é feito usualmente com antibiótico, de preferência o metronidazol, e não costuma deixar sequelas.

O diagnóstico e tratamento devem ser feitos por médico ginecologista.

Veja também:

Minha vagina fica inchada e dolorida após a relação, isso é normal?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Vagina inchada e dolorida após a relação pode ser normal. Porém, é importante detectar a presença de alguma infecção vaginal, peniana ou urinária que podem agravar a sensação de ardência.

Pela fricção que ocorre durante o ato sexual, pode haver uma ardência logo após a relação. Essa ardência, em geral, deixa de existir depois do ato sexual.

O ato sexual pode provocar esse ardor principalmente quando não há tanta lubrificação dos órgãos genitais. Para isso, é importante estar com o desejo sexual preservado e se sentir à vontade com a pessoa. Nos momentos iniciais da relação, as pessoas podem fazer carícias e outras ações que estimulam a lubrificação e garantem uma comodidade maior no momento da penetração.

Outros fatores que podem causar ardência genital são as infecções tanto vaginal, peniana e urinária. Na presença de alguma infecção como candidíase, gonorreia, clamídia, entre outras, a pessoa pode sentir ardor nos órgãos genitais ou ardência ao urinar.

Essas infecções têm tratamento e com o uso da medicação indicada, é possível acabar com a ardência.

A pessoa deve observar essa ardência. Caso o incômodo continue presente, é recomendável procurar um serviço de saúde para uma avaliação e devido tratamento específico a depender da infecção.

Tomei duas pílulas do anticoncepcional no mesmo dia
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Caso a mulher tome duas pílulas no mesmo dia, no dia seguinte ela deve continuar a tomar a medicação normalmente tomando um comprimido por dia. Dessa forma, ela terminará a cartela um dia antes do previsto.

Mesmo assim, deve fazer a pausa prevista de acordo com o anticoncepcional (alguns 7 dias e outros 4 dias) e começar a nova cartela como habitualmente.

Leia também:

Tomar duas pílulas de anticoncepcional faz mal?

Quanto dias depois de tomar o anticoncepcional injetável posso ter relação?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A mulher pode ter relações sexuais quando ela desejar, desde que de forma protegida. Caso ela queira evitar uma gravidez e estiver iniciando o uso do anticoncepcional injetável, é recomendado usar outro método adicional de apoio, como o preservativo, durante as relações sexuais no primeiro mês após a primeira injeção.

Após o primeiro mês de uso do anticoncepcional injetável, a medicação já produz o efeito contraceptivo.

Em geral, quando a mulher vai iniciar o método anticoncepcional injetável, é recomendado ela aplicar a primeira injeção nos primeiros dias da menstruação. Isso é indicado para assegurar que a mulher não está grávida e pode assim começar um método anticoncepcional.

Quando a mulher já faz uso regular de outro tipo de método anticoncepcional e irá trocar para o injetável, ela pode aplicar a injeção sete dias antes de parar o contraceptivo antigo.

Na primeira injeção, início do uso desse contraceptivo, um método contraceptivo adicional (camisinha) deve ser associado, especialmente no primeiro mês e principalmente nos casos em que a injeção foi aplicada após os sete primeiros dias da menstruação.

O anticoncepcional injetável não previne doenças sexualmente transmissíveis (DST). Por isso, é aconselhável o uso de preservativos durante todas as relações sexuais para prevenir as DSTs.

Saiba mais sobre esse assunto nos artigos:

O que é o Beta-hCG qualitativo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

O Beta-hCG qualitativo é um exame geralmente usado para verificar se a mulher está grávida. O resultado pode dar positivo ou negativo, independentemente dos valores, apenas diz “sim” ou “não”. Um exemplo de exame Beta-hCG é o teste de gravidez de farmácia, que apenas indica “positivo” ou “negativo”.

O Beta-hCG qualitativo dá resultado positivo quando as amostras apresentam níveis de hormônio hCG acima de 25 IU/L.

Qual o melhor período para fazer o exame Beta-hCG qualitativo?

O Beta-hCG qualitativo deve ser feito de preferência no 2º dia após o atraso da menstruação, ou seja, cerca de 15 dias depois da ovulação. Não é necessário jejum.

Como interpretar os resultados do Beta-hCG qualitativo?

Se o resultado do Beta-hCG qualitativo for “positivo”, pode indicar gravidez. No caso de resultado “negativo”, indica ausência de gravidez ou que as taxas de hormônio estão abaixo do valor necessário para serem identificadas no exame. Em caso de suspeita de gravidez, deve-se realizar um novo exame depois de 7 dias.

O que é o Beta-hCG quantitativo?

O Beta-hCG quantitativo é melhor que o qualitativo, porque diz o valor exato do exame, a partir do qual é possível inferir se é positivo ou negativo a partir dos valores de referência.

Quais os valores de referência do Beta-hCG quantitativo?

Diagnóstico de gravidez:

  • De 5 a 50 mU/ml: indeterminado;
  • Acima de 50 mU/ml, mulher saudável: positivo

No caso do exame dar indeterminado, repetir após uma semana ou mais. Em alguns exames, “reagente” pode significar “positivo” e “não reagente” pode significar “negativo”.

Os valores de referência podem apresentar alguma variação conforme o laboratório em que é realizado. Por isso, o exame deve sempre ser interpretado pelo médico que o solicitou.

A pesquisa de Beta-hCG pode ser feita no sangue ou na urina quando há suspeita de gravidez (normal ou ectópica), aborto, doença trofoblástica gestacional e no caso de tumores germinativos (ovarianos e testiculares).

Em caso de níveis muito elevados de Beta-hCG logo no início da gestação, deve ser investigada a hipótese de doença trofoblástica gestacional.