Perguntar
Fechar
Dúvidas sobre Anticoncepcional Injetável
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Neste artigo, estão algumas das dúvidas sobre anticoncepcional injetável mais frequentes e ouvidas pelos médicos nos consultórios.

1) Tem como engravidar tomando anticoncepcional injetável?

Não. Se tomar a medicação de forma correta, é praticamente nula a possibilidade de gravidez. O risco de engravidar tomando anticoncepcional injetável, de forma correta,é menor do que 0,5%.

2) Quando tomar a segunda dose?

A segunda dose e as próximas doses, vão depender do seu anticoncepcional. Existem os medicamentos mensais e os trimestrais. No caso dos mensais, o anticoncepcional deve ser aplicado a cada 30 dias. Os anticoncepcionais trimestrais, devem ser aplicados a cada 90 dias, ambos são aplicados independente da menstruação.

3) Após a segunda dose já estou protegida?

Sim. Após a segunda dose já estará protegida.

4) Posso tomar injeção menstruada?

Sim, pode e deve tomar. A segunda dose e as doses subsequentes não devem ser baseadas na menstruação.

Os anticoncepcionais, orais ou injetáveis, tem como efeito colateral a irregularidade menstrual, por isso é comum nos primeiros meses, principalmente, que a menstruação atrase ou que venha mais de uma vez. Portanto, é muito importante que siga exatamente a data recomendada para a aplicação, independente da menstruação, para que a eficácia da medicação seja mantida.

5) Qual é o dia certo para tomar a injeção de anticoncepcional a primeira vez?

Na maioria dos anticoncepcionais, é o primeiro dia da menstruação. Porém alguns tipos específicos, como por exemplo o Perlutan®, recomenda que a primeira dose seja feita entre o 7º e o 10º dia do ciclo.

O primeiro dia do ciclo é o primeiro dia da menstruação. Com o início da menstruação temos certeza de que não está grávida, o que permite de forma segura aplicar a injeção de anticoncepcional.

6) Comecei a tomar a injeção este mês, já estou protegida?

Depende. Algumas medicações garantem eficácia completa após 7 dias, outras após 15 ou 30 dias do início do seu uso, por isso o mais recomendado é que aguarde pelo menos os 30 dias, ou mantenha outro método contraceptivo durante todo o primeiro mês, por exemplo, fazer uso de camisinha.

A partir do segundo mês, seja qual for o medicamento em uso, estará protegida.

7) Estarei protegida o mês todo, não corro risco de engravidar?

Sim. A partir do segundo mês do uso do anticoncepcional, estará protegida durante todo o mês. Desde que seja feito o uso de maneira correta.

Os fabricantes comprovam a segurança e estimam que o risco de gravidez seja menor do que 0,5%, para a maioria das injeções disponíveis no mercado.

8) Se eu tiver relação sem proteção nos primeiros dias após começar a usar a injeção de anticoncepcional, posso engravidar?

Sim. Existe uma pequena chance de ficar grávida se tiver relação sem proteção logo nos primeiros dias depois de tomar o anticoncepcional injetável. A eficácia do medicamento varia de acordo com o fabricante, organismo da mulher, entre outros fatores, por isso recomendamos no primeiro mês fazer uso de mais um método contraceptivo, como o uso da camisinha.

A partir do segundo mês, tomando a medicação corretamente, estará protegida.

9) Uso anticoncepcional injetável trimestral, vou menstruar a cada 3 meses?

Não. Não existe regularidade na menstruação com o uso dos anticoncepcionais trimestrais. No início, pode menstruar mensalmente, mas com o passar dos meses ocorre ausência das menstruações, irregularidade menstrual ou até mesmo sangramentos entre o ciclo, chamado sangramento de "escape".

10) Uso anticoncepcional injetável e estou tendo menstruação (sangramento contínuo). O que pode ser?

Efeito colateral da medicação. Anticoncepcionais injetáveis podem causar irregularidade menstrual e sangramento vaginal contínuo. Normalmente, nesses casos, é importante uma reavaliação com o seu ginecologista, para ajuste de dose ou substituição da medicação.

O anticoncepcional oral de alta dosagem pode ser uma opção de tratamento. O fato de ter esse sangramento não indica gravidez nem falta de eficácia do medicamento, apenas um efeito colateral deste anticoncepcional.

Outros efeitos colaterais comuns são: náuseas, dores de cabeça, aumento de peso, inchaço, sensibilidade nas mamas e diminuição da libido. Vale ressaltar que não são todas as mulheres que desenvolvem os efeitos colaterais.

11) Esqueci de tomar no dia certo. Tem algum problema tomar atrasado?

Não tem problema, você pode tomar a medicação atrasada, porém lembre-se que nesses casos a eficácia pode ser menor durante esse mês.

Os anticoncepcionais injetáveis de uso mensal têm uma tolerância de 1 dia, no máximo 2 dias de segurança, enquanto os trimestrais têm uma tolerância um pouco maior, de até uma semana, para quem já faz uso há mais de 1 ano.

Sendo assim, e devido a grande variedade de medicamentos, o mais seguro é que pense neste mês como se fosse o primeiro mês de uso novamente. Tome a medicação, mas faça uso de mais um contraceptivo, como a camisinha durante esse mês. A partir do próximo mês, a eficácia da medicação já será completa.

Lembrando que o anticoncepcional protege a mulher, apenas de uma gravidez não programada. Para se proteger de doenças sexualmente transmissíveis, é preciso fazer uso de contraceptivo de barreira, como a camisinha, em todas as relações.

12) Parei de tomar o anticoncepcional injetável há vários meses e a menstruação não veio ainda. O que fazer?

Se parou de usar o anticoncepcional e mantém relações, deve fazer uso de outro contraceptivo para evitar uma gravidez não planejada. Se existe a chance de estar grávida, ou seja, manteve relação sem camisinha ou outro contraceptivo, o mais aconselhável é que faça um teste de gravidez, ou procure um atendimento médico.

No entanto, se não manteve relações sem proteção, o mais provável é que a ausência da menstruação seja ainda um efeito do anticoncepcional injetável que estava usando. Os anticoncepcionais injetáveis, especialmente os trimestrais (3 em 3 meses), podem causar amenorreia (falta de menstruação), por muitos meses após a última aplicação.

13) Quando vou conseguir engravidar após parar as injeções?

Pode engravidar desde o primeiro que interrompe a medicação. Essa resposta varia de acordo como o organismo de cada mulher.

Aspectos emocionais, alimentares, estilo de vida e até condições de saúde do pai, influenciam nessa resposta. Mas em relação à medicação, desde o momento que para o anticoncepcional, principalmente o mensal, o organismo volta de organizar e preparar o corpo da mulher para a ovulação e possível gravidez.

14) A pílula do dia seguinte pode cortar os efeitos da injeção de anticoncepcional?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e não interfere na ação dos outros anticoncepcionais.

Trata-se de um método de emergência para evitar a gravidez quando existe alguma falha no método contraceptivo usado. Por exemplo, quando está na primeira cartela, ou primeiro mês de uso de anticoncepcional injetável e houve relação sem outra proteção. Fora isso, não existe indicação de tomar pílula do dia seguinte com a injeção.

15) Quando será meu período fértil com o uso de anticoncepcional injetável?

Não existe período fértil quando se toma anticoncepcional. O anticoncepcional atua no organismo mantendo as taxas hormonais estáveis, impedindo assim que ocorra a ovulação, data que representa o período fértil.

O período fértil compreende a data provável da oculação, mais 3 dias antes e 3 dias após, um total de 7 dias (uma semana). Entretanto, para que ocorra a ovulação, é preciso haver um pico de hormônio, que a medicação não permite.

16) Tomei a injeção e no momento da aplicação ocorreu um refluxo do líquido. Corro risco de engravidar? Tenho que aplicar novamente?

Quase todas as injeções quando aplicadas tem um pequeno extravasamento do líquido. Esse pequeno refluxo não diminui a eficácia da injeção, por isso não há risco de gravidez e não deve tomar outra injeção.

Apenas certifique-se de que a pessoa que aplica é habilitada e está aplicando no local exato. E lembre-se que o primeiro mês não confere toda a eficácia estipulada pela medicação, apenas a partir do segundo mês de uso, com algumas exceções.

Porém, não sendo a primeira dose, e havendo uma perda significativa da dose, a própria profissional, sendo ela capacitada e da área da saúde, saberá te indicar que deve tomar cuidado durante esse mês. Mas nova dose não é indicada mesmo nessas situações.

17) Em vez de menstruação, desceu apenas uma "borra". Posso estar grávida ou isso é normal?

Sim, é normal. Quando se usa anticoncepcional, principalmente os injetáveis, a menstruação costuma ser diferente e pode sim mudar de um mês para outro. Mas se tomou sempre certo, o risco de gravidez é muito baixo, em torno de 0,4 a 1% apenas. O provável é que seja um sangramento de "escape".

18) Como trocar o anticoncepcional injetável?

Para trocar o anticoncepcional e não correr riscos de engravidar, é recomendado fazer uso de um método de barreira a mais, como a camisinha, nos primeiros 7 dias, ou durante o primeiro mês da troca, dependendo da medicação.

A maneira exata depende da medicação que está em uso e qual será a nova, o médico que prescreve deve esclarecer todas essas dúvidas. Em geral, na data da próxima injeção, deve aplicar a nova medicação.

19) Posso tomar qualquer anticoncepcional de primeira vez?

Não. Inclusive nem todas as mulheres podem tomar anticoncepcionais. Mulheres com alto risco de câncer de mama, história de cancer na família, ou risco para doenças tromboembólicas (AVC, infarto do coração e trombose na perna), também não deve fazer uso de anticoncepcionais hormonais.

Por isso, antes de inciar essa medicação, seja oral ou injetável, é precisar ser avaliada por um médico da família ou ginecologista.

Pode lhe interessar também os seguintes artigos:

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Dúvidas sobre anticoncepcional
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A pílula anticoncepcional é um método contraceptivo oral. Trata-se de um medicamento composto pelos hormônios estrógeno e progestágenos, uma forma sintética do hormônio progesterona. Esses hormônios têm a função de inibir a ovulação e impedir, assim, a fecundação, que é a união do espermatozoide com o óvulo.

Não existe período fértil quando se toma anticoncepcional. É para isso que a pílula serve, para a mulher não ter ovulação e portanto não ter período fértil e não engravidar. O anticoncepcional protege a mulher de gravidez o mês inteiro, quando se está tomando a cartela e também durante a pausa dos comprimidos.

Quando tomada corretamente, a pílula anticoncepcional possui altas taxas de eficácia, além de auxiliar a regular os ciclos menstruais, reduzir as cólicas e o fluxo menstrual.

Nesse artigo, iremos abordar as principais dúvidas relativas à pilula anticoncepcional.

1. Quais são os tipos de pílulas anticoncepcionais?

O que diferencia os diversos tipos de pílula anticoncepcional são os tipos de hormônios, a dosagem dos mesmos e a forma de tomar. As pílulas anticoncepcionais combinadas possuem estrógeno e progestágenos. Também existem as pílulas sem estrógeno. Esse anticoncepcional normalmente é indicado para mulheres fumantes, com mais de 35 anos ou durante a amamentação.

2. Como tomar a pílula anticoncepcional?

A pílula anticoncepcional deve ser tomada sempre na mesma hora. As pílulas combinadas devem ser tomadas diariamente, por 21 ou 28 dias, conforme o tipo de anticoncepcional.

Quando tomada por 21 dias, há um intervalo de 7 dias, no qual ocorre a menstruação. Já as pílulas sem estrógeno são de uso contínuo, sem intervalos.

3. Esqueci de tomar a pílula. O que devo fazer?

Caso ainda não tenha passado 12 horas, o anticoncepcional continua eficaz. Nesse caso, tome a pílula que foi esquecida e continue tomando como antes. No caso de já ter passado 12 horas, a eficácia do medicamento pode ter diminuído. Nesses casos, recomenda-se ler a bula do medicamento e seguir as orientações do fabricante ou consultar o médico que receitou a pílula.

4. O que pode cortar o efeito do anticoncepcional?

O uso de alguns medicamentos, como certos antibióticos, anticonvulsivantes, barbitúricos (antiepiléticos, calmantes e sedativos), antirretrovirais e anabolizantes (hormônios), podem cortar o efeito ou diminuir a eficácia da pílula anticoncepcional.

Além disso, vômitos e diarreia que ocorrem em até 2 horas depois de tomar a pílula também podem cortar o efeito do anticoncepcional. Nesses casos, deve-se tomar uma nova pílula para que o medicamento continue eficaz.

5. Tomo o anticoncepcional bem certinho, corro risco de engravidar?

Não. É para isso que ele serve, evitar gravidez, e por isso deve ser tomado todos os dias “mais ou menos” na mesma hora (pequenas variações de horário – minutos não alteram a eficácia do anticoncepcional). Na verdade existe uma pequena chance (inferior a 1%) do anticoncepcional falhar. Depois do primeiro mês tomando os comprimidos não precisa mais ter medo, pode ter relação sem proteção e sem medo de engravidar.

6. Posso engravidar na pausa de uma cartela para outra?

Não. Se começar no dia certo ou antes do dia certo não há risco. Se começar com atraso existe risco sim, que aumenta conforme o número de dias de atraso.

7. Tomei 2 comprimidos de uma vez só, corro risco de engravidar? O que faço?

Não há risco de gravidez, sua cartela vai terminar um dia antes do normal e deve dar a pausa no número normal de dias.

7. Não tomar todos os comprimidos (parar de tomar antes da cartela terminar) tem risco de engravidar?

Sim. Pode tomar sempre a mais, mas nunca menos que uma cartela completa.

8. Vou começar a tomar anticoncepcional, qual é o dia que devo começar?

O melhor dia para começar a primeira cartela é o primeiro dia da menstruação (dia que começa a descer), mas se já estiver menstruando (outros dias da menstruação), também pode começar a tomar.

Caso já tenha acabado a menstruação, em teoria, até poderia começar o anticoncepcional em qualquer dia do mês, porém precisa ter certeza que não está grávida (a menstruação que desceu é uma "garantia" que não está grávida) e ficar ciente de que começar em qualquer dia do mês pode causar alguma irregularidade menstrual nos primeiros meses. Nunca esqueça que na primeira cartela ainda precisa usar camisinha.

Estando amamentando pode começar o anticoncepcional em qualquer dia, independente da menstruação.

9. E na pausa da pílula anticoncepcional, quando a cartela acaba, quando devo começar a próxima cartela?

Existem alguns anticoncepcionais de 28 comprimidos (deve tomar sem pausa) e existem anticoncepcionais com 21 comprimidos (deve dar uma pausa de 7 dias sem tomar entre uma cartela e outra).

Independentemente da sua menstruação, ou seja, caso a menstruação tenha adiantado, atrasado ou não ter vindo, isso não tem importância. Deve voltar a tomar os comprimidos no dia certo de voltar a tomar.

Se iniciar a nova cartela antes do dia certo, não há problema nem risco de gravidez. Porém, não pode começar depois da data certa, pois a cada dia de atraso, existe um risco maior de gravidez.

10. Dei a pausa e a menstruação veio bem pouco, o que faço?

Siga com o planejado e faça a pausa normalmente. Fluxo menstrual diferente ou em menor quantidade não é sinal de gravidez e não significa nada. Pode ficar tranquila, desde que tenha tomado o anticoncepcional da forma certa.

Leia também: A menstruação vai continuar regulada se eu parar de tomar anticoncepcional?

11. Dei a pausa e a menstruação não desceu, o que faço?

Volte a tomar a cartela no dia certo, independentemente da sua menstruação. Se tomou certo, não precisa ter medo, porque não é gravidez. Caso esteja com dúvida, faça o exame de gravidez ou vá ao médico, mas enquanto isso, volte a tomar a próxima cartela no dia certo.

12. Dei a pausa e a menstruação desceu e não parou. Já está na hora de começar a nova cartela, o que faço?

Volte a tomar o seu anticoncepcional normalmente independente de sua menstruação, caso o sangramento não pare procure um ginecologista.

13. Quando começo tomar a pílula já estou protegida no primeiro mês? A partir de quando estarei segura e sem risco de gravidez?

Quando começa a tomar anticoncepcional oral, em teoria já está protegida de gravidez a partir da segunda semana. Porém, durante todo o primeiro mês, ainda pode existir algum risco de gravidez e deve-se fazer uso de outro método anticoncepcional concomitante (camisinha ou abstinência).

A partir do final do primeiro mês já é mais seguro, mas por precaução e para evitar preocupações desnecessárias, melhor é se cuidar durante todo o primeiro mês e ficar tranquila somente a partir do segundo mês de uso do anticoncepcional.

14. Parei de tomar e agora quero voltar a tomar, como é que devo proceder?

Neste caso tudo começa do "zero" é como se fosse a primeira vez. Pode iniciar uma nova cartela no primeiro dia da menstruação, e usar preservativo no primeiro mês. Consulte o seu médico para mais informações.

15. Posso emendar uma cartela na outra para não menstruar?

Sim. Para a maioria das mulheres não há nenhum problema em fazer isso. Algumas mulheres podem desenvolver alguns sintomas como dor de cabeça, ansiedade, nervosismo, seios inchados e sensíveis, dor abdominal, sensação de inchaço na barriga e, eventualmente, pequenos sangramentos de escapes podem acontecer. Tomando certo, todos os dias sem esquecer, está protegida contra uma eventual gravidez.

16. Posso tomar somente alguns comprimidos de outra cartela para atrasar alguns dias a menstruação?

Sim. Mas cuidado para não fazer confusão, faça a pausa normalmente de 7 dias assim que resolver parar os comprimidos a mais e quando reiniciar uma nova cartela terá que começar uma cartela nova e completa.

17. Tomando anticoncepcional continuadamente, sem dar pausa entre uma cartela e outra, estarei protegida de gravidez?

Sim. Não precisa se preocupar, somente deve tomar todos os dias sem esquecer.

18. Na troca de anticoncepcional pode engravidar?

Se tomar bem certo e começar o novo anticoncepcional no mesmo dia que iniciaria o anterior não há risco de gravidez. Mesmo na primeira cartela do novo anticoncepcional já está protegida.

19. Quando se troca de anticoncepcional, quando começar a nova cartela?

Deve começar a cartela do novo anticoncepcional no mesmo dia que iria começar a nova cartela do anticoncepcional anterior.

20. Com que frequência a mulher deve trocar o anticoncepcional?

Não há necessidade de trocar de anticoncepcional, somente se algo acontecer, como sangramentos de escape ou presença de algum efeito adverso, por exemplo.

21. Existe anticoncepcional fraco?

Não. Existem anticoncepcionais com diferentes dosagens de hormônios, porém nenhum é fraco a ponto de engravidar..

22. Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não, Anticoncepcional não altera o resultado do exame de Beta-HCG.

23. A pílula do dia seguinte pode cortar o efeitos dos outros anticoncepcionais?

Não. A pílula do dia seguinte também é um anticoncepcional e não interfere no efeito de outros anticoncepcionais.

24. Anticoncepcional pode causar dor e inchaço nas mamas?

Sim. Todas as marcas de anticoncepcionais, algumas mais outras menos. Porém, depende mais da reação individual da mulher a determinado anticoncepcional do que do próprio anticoncepcional em si.

25. A menstruação veio antes de acabar a cartela, corro risco de engravidar?

Não, se tomou certo não vai engravidar.

26. Tenho sangramento há alguns dias mesmo tomando o anticoncepcional, corro risco de engravidar?

Não. Sangramentos são muito comuns e quando se tornam contínuos ou repetitivos, muitas vezes indicam a necessidade do seu ginecologista trocar de anticoncepcional para parar o sangramento. Contudo, isso não significa que ele seja fraco, apenas significa que seu organismo não se adaptou a ele.

Para esclarecimentos de mais dúvidas sobre anticoncepcionais, consulte um médico de família ou um médico ginecologista.

Saiba mais em:

Tomar anticoncepcional durante muito tempo faz mal?

Todas as mulheres podem tomar anticoncepcional?

Atrasei ou esqueci de tomar, posso engravidar? O que fazer?

Quais remédios que cortam e quais os remédios que não cortam o efeito do anticoncepcional?

Dúvidas sobre menstruação, sangramentos e escapes
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Uma dica importante que talvez resolva a dúvida de muitas mulheres: menstruação não é o período fértil da mulher. Aliás, é o contrário. Quanto mais longe da menstruação, mais fértil são os dias, tanto antes como depois da menstruação. Outra recomendação importante: se sua menstruação atrasou ou veio, mas de forma diferente, e está desconfiando de gravidez, precisa fazer o exame de gravidez.

1. O que é a menstruação?

A menstruação é uma perda de sangue decorrente da descamação da camada mais interna do útero, o endométrio. O período menstrual ocorre por ciclos e tem uma duração que varia entre 2 e 7 dias.

Depois da primeira menstruação (menarca), os ciclos menstruais geralmente são irregulares e a menina pode ficar longos períodos sem menstruar.

A duração do ciclo menstrual e a quantidade de sangue perdido em cada menstruação podem ser influenciadas por diversos fatores. Por isso, os ciclos e o fluxo menstrual podem variar de um mês para outro.

2. Quanto tempo dura o ciclo menstrual?

Em média, os ciclos menstruais têm duração de 28 a 32 dias, podendo variar em algumas mulheres para mais ou menos. O ciclo menstrual começa no 1º dia da menstruação e termina no dia anterior à vinda da próxima menstruação.

3. Comecei a menstruar há pouco tempo e minha menstruação está desregulada. Isso é normal?

Isso é "normal" nos primeiros meses depois que a mulher começa a menstruar. No início, a menstruação costuma ser desregulada, às vezes vem certo, às vezes não vem ou até mesmo vem duas vezes no mesmo mês.

4. Qual é o tempo normal de uma menstruação?

Uma menstruação normal pode durar entre 2 e 7 dias.

5. O que é sangramento de escape?

O sangramento de escape ou spotting, como também é conhecido, é uma pequena perda de sangue que ocorre fora do período menstrual. Suas causas são variadas e, na maioria dos casos, não representam nada de grave.

Porém, é necessário fazer uma avaliação com um médico de família ou ginecologista, pois o spotting pode ser sinal de mioma uterino, pólipo endometrial, lesões no colo do útero, entre outras doenças e condições.

Os sangramentos de escape são muito comuns em mulheres que tomam pílula anticoncepcional. Ocorrem no meio do ciclo menstrual e fora do período de pausa entre uma cartela e outra.

Nesses casos, os sangramentos de escape ocorrem com mais frequência nos primeiros 3 meses de uso do anticoncepcional. Porém, com o tempo, o spotting torna-se esporádico e raramente ocorre em mulheres que tomam a pílula há mais tempo.

Vale lembrar que o sangramento de escape não é um sinal de que o anticoncepcional falhou. Por isso, a mulher deve continuar a tomar a pílula normalmente.

Sangramentos são muito comuns quando se toma anticoncepcional e não significam necessariamente que existe risco de gravidez. Podem ocorrer em qualquer época do ciclo e não significam que o anticoncepcional está fraco. Porém, quando se repete muito ou é contínuo, geralmente é preciso avaliar se é necessário trocar de anticoncepcional ou de método contraceptivo.

6. Por que o anticoncepcional causa sangramento de escape?

O sangramento de escape que ocorre no meio do ciclo é causado por uma atrofia do endométrio (camada mais interna do útero). Os hormônios presentes no anticoncepcional deixam o endométrio mais fino, o que deixa os vasos sanguíneos mais expostos e aumenta, assim, o risco de sangramentos.

Porém, o spotting também pode ser provocado pelo uso incorreto ou esquecimento da pílula, ou ainda pelo início do uso fora da época correta do ciclo menstrual.

Em alguns casos, pílulas anticoncepcionais com doses muito baixas de hormônios também podem causar esse efeito colateral. Nesses casos, pode ser um sinal de que o medicamento não está atuando de forma adequada e pode falhar. Quando isso acontece, recomenda-se utilizar outro método anticoncepcional e consultar o médico ginecologista.

7. Pequeno sangramento “tipo borra” é sinal de gravidez?

Talvez. Pode ser apenas uma irregularidade ou o chamado “escape”, mas em alguns casos pode indicar gravidez. Esse sangramento é causado pela implantação do óvulo fecundado no útero e costuma acontecer entre de 7 a 15 dias após a relação sem proteção. Nesse caso, o ideal é esperar a próxima menstruação e se ocorrer atraso menstrual superior a 15 dias, deve fazer o exame de gravidez.

8. O sangramento pode ser nidação?

O sangramento de nidação é raro, nem sempre acontece, e somente ocorre se uma gravidez for possível, no caso de relação sem proteção durante o período fértil.

O sangramento de nidação somente ocorre no meio do ciclo (longe da menstruação) e dura poucas horas ou no máximo 1 ou 2 dias. O sangue pode vir com qualquer aspecto. Uma coisa é importante: se teve esse tipo de sangramento e sua menstruação atrasar (15 ou mais dias de atraso) é um bom indício de gravidez.

9. Minha menstruação atrasou. Estou grávida?

Talvez. Atrasos eventuais e de poucos dias são muito comuns e não necessariamente indicam gravidez. Os médicos consideram apenas indicativo de gravidez atrasos realmente consistentes, ou seja, 15 dias ou mais.

Isso é um bom indício de que algo está acontecendo e é prudente fazer o exame de gravidez (caso haja essa suspeita) e independente do resultado (positivo ou negativo) deve procurar um médico de família ou ginecologista para avaliar a causa do atraso.

10. Minha menstruação está atrasada. Fiz o exame de gravidez ou teste de gravidez e deu negativo. O que pode ser?

A causa do atraso menstrual precisa ser melhor avaliada por um médico de família ou ginecologista. Se está com menos de 15 dias de atraso, espere completar 15 dias e refaça o teste de gravidez. Se já está com mais de 15 dias de atraso e fez o exame depois desse período e ele veio negativo vale a pena consultar um médico para avaliar a razão do atraso menstrual.

11. Minha menstruação atrasou, tive infecção e tomei antibióticos. Pode ser por causa disso?

É uma possibilidade, tanto a infecção como os antibióticos podem interferir com o ciclo menstrual.

12. Minha menstruação está atrasada, mas não é gravidez, porque não tive relações. O que será?

Atrasos desse tipo são geralmente decorrentes de algum tipo de alteração hormonal ou alguma doença física ou emocional. Precisa procurar um médico para saber a causa.

13. Infecção urinária atrasa a menstruação?

Eventualmente sim.

14. Minha menstruação adiantou. É normal?

Eventualmente isso acontece e pode ser considerado "normal". Somente deve se preocupar caso isso aconteça com muita frequência.

15. Minha menstruação veio duas vezes esse mês. Isso é normal?

Normal não é. Porém, eventualmente, isso acontece e pode ser considerado "normal". Somente deve se preocupar caso isso aconteça com muita frequência.

16. Minha menstruação é desregulada e está atrasada, será que estou grávida?

Se sua menstruação é desregulada é difícil saber se ela está realmente atrasada. Espere mais alguns dias e, se continuar atrasada, faça o exame de gravidez.

17. Minha menstruação está desregulada. Quando ela vem novamente?

A previsão de uma nova menstruação somente é possível quando a mulher é bem regulada, tem um ciclo com uma duração fixa e a menstruação costuma vir sempre na mesma data. Nesses casos, a própria mulher já sabe quando ela vem. Porém, se está desregulada, não tem como saber quando vai descer novamente.

18. Depois que comecei a tomar anticoncepcional minha menstruação (fluxo) diminuiu e mudou seu aspecto. Isso é normal?

Pílula anticoncepcional de uma forma geral tende a reduzir a quantidade de dias e a quantidade do fluxo menstrual, além de alterarem o aspecto da secreção vaginal ou sangramento menstrual.

19. Tomo anticoncepcional bem certo e este mês a menstruação não veio. O que pode ser?

Isso é uma ocorrência relativamente comum para quem faz uso de anticoncepcional. Eventualmente, a menstruação não vem um mês e no mês seguinte ela vem normalmente. Pode até indicar gravidez, mas não é comum. Se tomou o anticoncepcional certo, não há porque se preocupar.

Volte a tomar a pílula no dia que é para voltar a tomar a próxima cartela normalmente e se ficar ansiosa ou preocupada faça um teste de gravidez para sair da dúvida.

O mesmo ocorre quando a menstruação vem menos ou diferente do habitual. Isso é comum usando anticoncepcional, sem que signifique algo a se preocupar. Na dúvida, consulte um ginecologista ou médico de família.

20. Tive relação durante a menstruação. Posso engravidar?

Não. Raramente ocorre gravidez se a relação ocorre durante a menstruação.

21. É normal ter dor forte na menstruação?

“Normal” não é a palavra mais adequada para se usar nesse caso. Existem mulheres que sempre têm cólica menstrual (antes e durante). Isso pode ser normal porque a menstruação delas sempre foi assim desde a primeira vez, mas existe tratamento.

Outras mulheres começaram a ter dor forte na menstruação depois de um tempo ou depois de terem filhos. Pode então ser alguma doença e não ser normal. Um exemplo é a endometriose (dores durante e logo depois da menstruação). Precisa procurar um médico.

22. Tenho 15 anos (ou mais ), já tenho corpo, mas minha menstruação nunca veio. O que pode ser?

alvez sua menstruação ainda venha. Porém, o esperado é vir até os 16 anos. A partir dos 16 anos de idade já é indicado fazer uma investigação para avaliar seu organismo e saber se não há algo de errado.

23. Como faço para atrasar minha menstruação ou fazê-la não descer?

Caso use anticoncepcional de 21 comprimidos, basta emendar uma cartela na outra, sem dar pausa. Caso tome anticoncepcional de 28 comprimidos, com cores diferentes, não deve tomar os últimos comprimidos de cor diferente e deve começar uma nova cartela, dispensando os comprimidos restantes.

Se não tomar anticoncepcional, basta iniciar um anticoncepcional pelo menos uns 10 dias antes da menstruação chegar. Importante: Nem sempre dá certo, mesmo que faça tudo corretamente, às vezes a menstruação vem mesmo assim.

Para maiores esclarecimentos sobre menstruação e sangramentos de escape, consulte um médico ginecologista ou médico de família.

Também podem lhe interessar:

Relação sexual sem proteção. Posso engravidar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Sim. Toda relação sexual sem o uso de contraceptivo, pode resultar em gravidez.

As chances de engravidar numa relação sexual sem proteção depende principalmente da fase do ciclo menstrual em que a mulher está e da sua idade. Para engravidar, é necessário sobretudo, que esteja no seu período fértil, que é a fase do ciclo menstrual aonde o óvulo é produzido e liberado no sistema reprodutor feminino.

O dia da ovulação ocorre no meio do ciclo menstrual. A duração do ciclo menstrual em mulheres com ciclos regulares é de 28 dias, em média. Assim, uma mulher com um ciclo menstrual de 28 dias estará ovulando no 14º dia. Lembrando que cada ciclo menstrual começa no 1º dia de menstruação e termina no dia anterior à chegada do próximo período.

O período fértil costuma estar compreendido entre os 3 dias antes da ovulação até 3 dias após. Isso porque tanto o espermatozoide como o óvulo podem permanecer vivos por até 72 horas no corpo da mulher.

Dessa forma, o período fértil de uma mulher com um ciclo menstrual de 28 dias vai do 11º ao 17º dia do ciclo, sendo o 14º o seu dia mais fértil (dia da ovulação). Esse é o período do mês em que existe o maior risco de gravidez em caso de relação sem proteção.

Saiba mais em: Como contar o ciclo menstrual?

A idade é outro fator importante para aumentar ou reduzir os riscos de uma gravidez.

Qual o risco de engravidar numa relação sexual sem proteção?

O risco de uma mulher engravidar numa relação sem proteção é de cerca de 20%, contudo, a probabilidade de engravidar diminui à medida que a mulher envelhece. A fertilidade feminina começa a declinar por volta dos 25 anos, sendo mais marcante após os 35 anos de idade.

A chance de uma mulher de 25 anos conseguir engravidar no período fértil, no primeiro mês, é de aproximadamente 25%; e para uma mulher com 40 anos ou mais, não chega a 10%. Assim como a resposta a tratamentos de fertilização, que também variam de acordo com a idade, com melhores resultados antes dos 35 anos.

Tive relação sexual sem proteção durante a menstruação. Posso engravidar?

Na verdade pode, apesar de ser raro. Em teoria esse é um período onde a mulher está menos propensa a engravidar, assim como acontece logo nos primeiros dias após a menstruação e na semana anterior. Entretanto, a medicina não é exata e nem os períodos menstruais, que por vezes, seja por problemas de saúde, como infecção, tumores, ou mesmo emoções fortes, os hormônios são alterados, e com isso os ciclos menstruais. Por isso, apesar do risco ser baixo, pode acontecer.

Outra situação que pode acontecer, são ciclos menstruais muito irregulares e/ou mulheres que fazem uso de medicamentos que reduzem consideravelmente o fluxo, o que pode confundir quanto à menstruação e episódios de escapes ocorridos no meio do ciclo. Por isso, mais uma vez, não está isenta completamente do risco de gravidez.

Leia também: O que pode alterar o ciclo menstrual?

Vale lembrar que tão importante quanto evitar uma gestação não planejada, é evitar doenças sexualmente transmissíveis, potencialmente danosas à saúde, como a sífilis e a AIDS, que ainda são prevenidas apenas por contraceptivos de barreira, como a camisinha.

Para maiores informações, consulte seu/sua médico/a clínico/a geral ou médico/a de família.

Também pode lhe interessar:

Quais são os tipos de DST e seus sintomas?

O que é AIDS e quais os seus sintomas?

Posso estar grávida? Quantos dias de atraso menstrual é considerado gravidez?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A gravidez é possível sempre que há uma relação sexual sem o uso de um contraceptivo, seja ele a camisinha ou anticoncepcional hormonal.

O primeiro sinal de gravidez é o atraso menstrual. É considerado atraso menstrual quando a menstruação está atrasada há mais de 15 dias. Antes disso pode ser normal, devido a alterações hormonais naturais ou alguma situação de doença, estresse ou ansiedade.

Após 15 dias deverá realizar um teste de gravidez, para confirmar ou descartar essa possibilidade, embora possa ser feito antes. A diferença é que sendo negativo, será preciso repetir após os 15 dias, antes de descartar completamente a gestação.

Leia também: posso fazer o teste de gravidez de farmácia antes do atraso?

1. Quais são os sintomas de gravidez?

Além do atraso menstrual, que é o principal sintoma da gravidez, outros sintomas podem estar presentes no início da gravidez (5ª ou 6ª semana de gestação), como náuseas, vômitos, aumento da sensibilidade nas mamas, cansaço, aumento do número de vezes que urina, urgência urinária, sonolência, alterações do paladar e do olfato.

À medida que a gravidez avança, outros sintomas começam a surgir, como aumento da barriga, prisão de ventre, azia, desconforto no baixo ventre, variações de humor, falta de ar e tontura.

2. Posso fazer exame de gravidez ante mesmo da menstruação atrasar?

Sim. O exame de sangue Beta-HCG já dá positivo 1 semana após a gravidez ter ocorrido mesmo antes da menstruação atrasar.

Leia também: teste de farmácia de gravidez é confiável?

3. Atraso menstrual seguido por pequeno sangramento ou corrimento tipo "borra de café" pode ser gravidez?

Sim. Se há possibilidade de gravidez (relações sem proteção), pode ser um sangramento chamado, sangramento de nidação, quando o óvulo fecundado penetra no útero.

Leia também: dá para confundir sangramento de nidação com menstruação escura?

4. A menstruação veio diferente neste mês, posso estar grávida?

Talvez. Nem toda a alteração na menstruação significa gravidez. Menstruação que veio pouco ou veio com coloração amarronzada, tipo "borra de café", ou aumentada, até podem significar gravidez, mas existem muitos outros motivos.

O principal motivo é o uso de anticoncepcional hormonal, especialmente quando troca de medicação. Contudo, se houve relação sem proteção, é recomendado fazer o exame de gravidez.

5. Posso estar grávida e menstruar normalmente?

Não. Na gravidez não existe menstruação. A menstruação é a descamação da parede do útero, por não ter havido a implantação de um óvulo e é dado início a um novo ciclo menstrual.

Quando ocorre um sangramento, semelhante à menstruação durante a gravidez, é preciso informar imediatamente ao obstetra, pois pode ser sinal de um problema grave, como a gravidez na trompa ou início de abortamento.

Saiba mais: quais as possíveis causas de sangramento durante a gravidez?

6. Anticoncepcional altera o resultado do exame de Beta-HCG?

Não. O uso de anticoncepcional não interfere no resultado do exame de gravidez Beta-HCG.

7. Relação sem proteção com coito interrompido (ejacular fora) pode engravidar?

Sim. Pode engravidar, o coito interrompido, embora possa ser utilizado como método contraceptivo, é um método de baixa eficácia, com taxas elevadas de falha. Por isso não deve ser usado, converse com o seu médico e veja outras opções para o seu caso, afim de evitar uma gravidez não planejada.

8. Penetração com o pênis sujo de esperma ou líquido seminal engravida?

Sim. Mesmo se lavar por fora e urinar, toda a vez que se inicia uma nova relação e não se usa preservativo ou outro método anticoncepcional existe sim a chance de gravidez. Isso porque pode haver ainda espermatozoides viáveis no líquido de lubrificação do pênis, possibilitando uma gravidez.

9. Introduzir os dedos sujos de esperma ou líquido seminal na vagina pode engravidar?

Talvez sim. Sempre que espermatozoides viáveis chegam à vagina, existe a chance de gravidez.

Para maiores esclarecimentos sobre esse assunto, converse com o seu (sua) médico (a) ginecologista.

O líquido que sai para lubrificar pode engravidar?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Sim. O líquido que sai do pênis durante a lubrificação pode engravidar.

Esse líquido pode conter espermatozoides e portanto, é capaz de causar gravidez.

Mesmo que a quantidade de esperma não seja grande, nesse líquido pode haver espermatozoide. Apesar de estarem em número reduzido, basta que um deles consiga chegar ao óvulo para ocorrer fecundação e uma gravidez.

Qualquer relação sexual com penetração do pênis na vagina sem o uso de camisinha, pílula anticoncepcional ou outro método contraceptivo, mesmo que tenha sido praticado o coito interrompido, pode engravidar.

coito interrompido consiste na retirada do pênis da vagina no momento da ejaculação. Apesar desta prática diminuir um pouco as chances de gravidez, uma vez que a ejaculação ocorre fora da vagina, ainda há chances da mulher engravidar. O coito interrompido não é método anticoncepcional adequado e eficiente.

Use algum método contraceptivo caso você não queira engravidar.

Receber sexo oral pega HIV?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Receber sexo oral não pega HIV. Segundo os últimos consensos sobre as formas de transmissão do vírus HIV, divulgados por fontes direcionadas ao estudo da AIDS, como a ABIA (Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS) e a Sociedade Brasileira de Infectologia, a pessoa que recebe sexo oral não corre o risco de ser infectada pelo HIV.

Antes, pensava-se que poderia haver transmissão se a pessoa que pratica o sexo oral tivesse alguma ferida na boca, já que o vírus não é transmitido pela saliva. Por exemplo, se o praticante tivesse inflamações na gengiva, aftas ou ferimentos causados pela escova de dentes ou fio dental, poderia haver um risco de infectar quem recebe o sexo oral.

Porém, devido à presença de enzimas na saliva, o vírus é eliminado e o HIV não é transmitido para quem está recebendo.

É importante lembrar que quem realiza o sexo oral corre o risco de ser infectado pelo HIV ou outra doença sexualmente transmissível (DST). Apesar da chance ser menor do que em outras formas de contato sexual, ela existe.

Durante o sexo oral, a pessoa fica exposta ao esperma ou fluido vaginal, que são seguramente meios de transmissão do HIV. Quanto maior a carga viral do indivíduo infectado, maior será a concentração do vírus nesses fluidos e maiores serão os riscos de transmissão. Por isso, recomenda-se o uso de preservativo também durante a prática de sexo oral.

Se praticou sexo oral sem proteção e está com dúvidas, o mais indicado é fazer o teste de HIV. O exame de sangue é oferecido gratuitamente nas Unidades de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

Leia também: 

Quais os sintomas do HIV?

Relação sexual sem proteção: quais os riscos?

Tive uma relação de risco onde pratiquei sexo oral e no dia seguinte tive alguns sintomas. Posso estar com uma infecção aguda pelo HIV?

Qual a possibilidade de engravidar com relação sem proteção?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Sempre há possibilidade da mulher engravidar quando há relação sexual sem proteção. Se urinar os espermatozoides vão ser eliminados juntos, muito poucos ficam viáveis dentro do corpo do pênis, porém cada relação é uma nova relação e sempre há chances de engravidar numa relação sem proteção.

Meu namorado ejaculou do lado, posso engravidar?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Se espermatozoides não entrarem na vagina não há como engravidar, ou seja, respondendo sua pergunta: não. Porém se ouve penetração sem camisinha, pode ocorrer gravidez, porque mesmo antes de gozar o homem pode liberar espermatozoides, tirar o pênis na de gozar não é um método anticoncepcional confiável.

Como tomar a pílula do dia seguinte?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A "pílula do dia seguinte" deve ser tomada o quanto antes, se possível logo após a relação sem proteção. A mulher deve tomar a pílula segundo a orientação do fabricante.

Existem pílulas que devem ser usadas em dois comprimidos, e outras pílulas em dose única.

A eficácia da pílula do dia seguinte só está garantida, quando a primeira dose é tomada até 72 horas após a relação desprotegida. Nas primeiras 24 horas, sua eficácia chega a 95%, depois de 48 horas, cai para 85% e próxima as 72 horas, tem apenas 58% de eficácia.

O único método anticoncepcional que pode ser usado para prevenir uma gravidez após uma relação sem proteção é a pílula do dia seguinte. Contudo, vale frisar que a pílula somente evita a gravidez para a relação já ocorrida, ou seja, se depois de tomar a pílula do dia seguinte houver outra relação sem proteção e a mulher não estiver usando outro método anticoncepcional, ela poderá engravidar.

Por isso, após tomar a pílula do dia seguinte, recomenda-se ter relações com métodos contraceptivos seguros até a vinda da menstruação. Se depois de 4 semanas o período menstrual ainda não ocorrer, deverá procurar atendimento e realizar um teste de gravidez.

Como funciona a pílula do dia seguinte?

A pílula do dia seguinte geralmente contém levonorgestrel, um tipo de progesterona sintética, em alta dose. O mecanismo de ação é diferente dependendo do período do ciclo menstrual em que a mulher estiver.

A pílula do dia seguinte pode provocar retardamento ou inibição da ovulação, alterar a motilidade tubária e dificultar a passagem do espermatozoide no muco cervical, impedindo a fecundação, ou impedir que o óvulo fecundado se fixe na parede do útero.

Depois da implantação do óvulo fecundado no endométrio, a pílula do dia seguinte não possui efeito, por isso não provoca aborto. O seu uso também não causa malformações fetais em caso de gravidez.

O medicamento pode ser usado por qualquer mulher, mesmo para aquelas que não podem tomar pílula anticoncepcional.

Quando devo tomar a pílula do dia seguinte?

A pílula do dia seguinte é indicada após uma relação sexual que represente risco de gravidez, como, por exemplo, em casos de problemas com o método de uso regular (falha da camisinha, expulsão do DIU, deslocamento do diafragma, eventual relação sem proteção).

É importante lembrar que a pílula do dia seguinte deve ser usada apenas como método de emergência. O ideal é usar outros métodos contraceptivos muito mais seguros e eficazes, como a pílula anticoncepcional comum associada ao uso de camisinha.

Nestes casos, um/a médico/a de família ou ginecologista deverá ser consultado/a para prescrição do melhor método anticoncepcional em cada caso.

Quais são os efeitos colaterais da pílula do dia seguinte?

Em geral, a pílula do dia seguinte é bem tolerada. Porém, o uso do medicamento pode causar efeitos colaterais em alguns casos. Cerca de 25% das mulheres que tomam a pílula do dia seguinte apresentam náuseas e cerca de 12% podem ter vômitos.

Outros efeitos colaterais da pílula do dia seguinte incluem: aumento da tensão nas mamas, dor de cabeça, tontura, cansaço, diarreia e sangramento de escape. Contudo, esses efeitos secundários tendem a desaparecer nas primeiras horas.

Para maiores esclarecimentos sobre a pílula do dia seguinte, consulte um/a médico/a clínico/a geral, médico/a de família ou ginecologista.

Pode lhe interessar também:

Transei sem camisinha e esqueci de tomar o anticoncepcional?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não deve continuar tomando. Continuar tomando, não é aconselhável nesse caso e não altera o risco de gravidez.

O esquecimento de duas pilulas associado a uma relação sem camisinha, ou outro método de barreira, aumenta bastante o risco de gestação. Portanto nesse caso a orientação da maioria dos médicos especialistas na área, é de interrupção da medicação, aguardar 7 a 8 dias para realizar o teste de gravidez, e após a certeza de não ter engravidado, iniciar uma nova cartela do anticoncepcional no primeiro dia da menstruação seguinte.

O que fazer quando esquecer de tomar a pílula?

Quando a mulher esquecer de tomar apenas uma pílula, e não houve relação nesse período, pode continuar o anticoncepcional sem aumentar o risco da gestação, basta tomar a pílula assim que se lembrar e a próxima no mesmo horário que tomaria.

No caso do esquecimento de duas ou mais pílulas, também sem relação no período, as orientações se baseiam na fase do ciclo menstrual em que se encontrava. Na primeira semana da cartela o risco de gravidez é maior, por isso pode tomar quando lembrar e seguir a diante a cartela, porém deve fazer uso de mais um método de barreira por pelo menos 7 dias.

Na segunda e terceira semana, costuma ser indicado parar a medicação, usar outro método contraceptivo e aguardar a próxima menstruação para recomeçar em nova cartela.

Vale lembrar que sempre que houver relação sem proteção, ou esquecimento da pílula, pode lançar mão do uso de contraceptivo de emergência, a pílula do dia seguinte. Que deverá ser tomada em até 72h, porém quanto mais cedo, melhor a sua eficácia.

Pode lhe interessar também: Esqueci de tomar a pílula, a penúltima da cartela, corro risco de estar grávida?

Como funciona a pílula do dia seguinte?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

A "pílula do dia seguinte" é um método anticoncepcional de emergência que age de várias formas para impedir a gestação, em situações de emergência (estupro, falha da camisinha, expulsão do DIU, deslocamento do diafragma, eventual relação sem proteção, etc). Idealmente, deve-se utilizar outros métodos contraceptivos muito mais seguros e eficazes, como por exemplo a pílula anticoncepcional comum associada ao uso de camisinha). O remédio pode agir antes ou depois da fecundação (quando um espermatozoide fecunda o óvulo). A mulher só é considerada grávida quando além da fecundação ocorre a nidação do óvulo fecundado no endométrio (parede uterina), que a partir desse momento é chamado de embrião.

O funcionamento da pílula do dia seguinte depende da fase do ciclo menstrual em que a mulher está: Se a mulher ainda não tiver ovulado, o medicamento inibe a ovulação (impede a liberação do óvulo). Se a ovulação já tiver ocorrido, a pílula age de outra forma: altera a composição da secreção vaginal, agindo no muco cervical e endométrio, tornando o ambiente hostil para os espermatozoides, que morrem antes de conseguirem chegar às tubas uterinas (onde fecundariam o óvulo). Ainda que ocorra a fecundação, se ainda não houve a nidação, a pílula consegue interferir no processo: altera o endométrio (camada interna do útero), impedindo a fixação do óvulo fecundado. Após a nidação, a eficácia da pílula é nula.

A eficácia deste medicamento é maior quando a primeira dose é tomada até 72 horas após a relação: nas primeiras 24 horas, sua eficácia chega a 95%. Depois de 48 horas, cai para 85% e após 72 horas, apenas 58%. A segunda pílula deve ser tomada doze horas após a ingestão da primeira, e não devem ser ingeridos mais do que estes dois comprimidos.

Nestes casos, um médico, preferencialmente um ginecologista, deverá ser consultado para prescrição do medicamento e avaliação correta, caso a caso.