Perguntar
Fechar

Sintomas

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Dor e coceira nos seios podem ocorrer quando as mamas incham, ficando doloridas e a pele estica devido ao inchaço, causando assim coceira.

Os seios podem ficar doloridos e inchados devido às mudanças hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual, principalmente próximo à menstruação.

Durante a gravidez, as mamas também podem ficar doloridas porque as glândulas mamárias aumentam, preparando-se para o armazenamento do leite.

coceira nos seios pode ser uma alergia a algum produto, como sabonetes, cremes ou tecidos que estiveram em contato com os seios.

Outras causas de coceira nas mamas incluem:

  • Pele seca;
  • Escabiose ("sarna");
  • Micoses de pele;
  • Banhos quentes;
  • Tumores mamários;
  • Picadas de insetos;
  • Alergia alimentar;
  • Exposição ao sol.
Coceira no bico da mama, o que pode ser?

Coceira no bico da mama com vermelhidão e descamação pode ser eczema, também chamado de dermatite. Trata-se de uma inflamação da pele decorrente de alguma alergia.

O tratamento do eczema é feito com cremes à base de corticoide, que promove uma melhora rápida dos sintomas.

Porém, coceira e vermelhidão constante no bico do seio, mais especificamente na região da aréola (ao redor do bico), pode ser um tipo raro de câncer de mama, chamado doença de Paget.

Os sintomas da doença de Paget são:

  • Coceira no mamilo ou na aréola (geralmente é o primeiro sintoma);
  • Feridas na aréola ou bico do seio;
  • Eliminação de secreção;
  • Dores fortes.

O tratamento da doença de Paget consiste na remoção cirúrgica do tumor.

Saiba mais em: O que é doença de Paget? Quais os sintomas?

Se esses sintomas durarem mais de 10 dias ou não desaparecerem num curto espaço de tempo após o uso de medicamentos específicos para dermatites alérgicas, procure o/a médico/a mastologista ou dermatologista para uma avaliação.

Leia também:

Dor no seio durante a gravidez: o que fazer para aliviar?

Tenho bolinhas nos mamilo. O que pode ser e o que fazer?

Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?

Tenho bolinhas nos mamilos. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Bolinhas nos mamilos são glândulas bem pequenas que secretam gordura e que têm a função de lubrificar a aréola. Essas glândulas podem ficar mais evidentes e ativas durante a gravidez para proteger e preparar a aréola para a amamentação.

A presença de bolinhas nos mamilos é bastante comum e muitas mulheres já as têm mesmo sem estarem grávidas ou com alterações hormonais.

Porém, se essas bolinhas na aréola ou no bico do seio se manifestarem em forma de feridas, com eliminação de secreção e dor, pode ser um tipo de câncer de mama conhecido como doença de Paget.

Saiba mais em: O que é doença de Paget? Quais os sintomas?

Em geral, o primeiro sintoma da doença de Paget é a coceira e vermelhidão constante no mamilo, mais especificamente ao redor do bico do seio, na aréola. Depois surgem as feridas, que provocam muita dor e não cicatrizam.

As bolinhas nos mamilos são comuns e não apresentam nenhuma malignidade. Na presença dos outros sintomas elencados, procure o/a médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família.

Leia também:

Dor nos bicos dos seios. O que pode ser?

Dor e coceira nos seios, o que pode ser?

Mamilos sangrando. O que pode ser e o que fazer?

Formigamento nas pernas, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

O formigamento nas pernas ou parestesia pode ser causado por uma situação passageira devido ao posicionamento das pernas, como ocorre ao sentar-se sobre elas ou mantê-las cruzadas por muito tempo, levando à uma compressão de nervos ou a uma redução da circulação sanguínea.

O transtorno de ansiedade, que é um distúrbio psiquiátrico, também causa a sensação de formigamento nas pernas e em outras partes do corpo. Além dele, existem outros distúrbios que podem causar formigamento nas pernas e que são, geralmente, acompanhados de outros sinais e sintomas.

 Alguns distúrbios que podem causar, além de outros sintomas, a sensação de formigamento nas pernas são: diabetes, o acidente vascular cerebral (AVC) ou derrame, como também é conhecido, as ateroscleroses e tromboses, a deficiência de vitamina B 12, a hérnia de disco e as neuropatias periféricas.

Quando a sensação de formigamento nas pernas não for uma situação passageira deve-se procurar o atendimento médico o mais breve possível para diagnosticar a sua causa e evitar complicações.

Sintomas da pílula do dia seguinte ou gravidez?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Provavelmente os seus sintomas (náuseas e dor de cabeça) são efeitos colaterais da pílula do dia seguinte, pois ainda seria muito cedo para começar a sentir os sintomas de gravidez, a não ser que já estivesse grávida anteriormente.

Os primeiros sintomas da gestação começam a surgir a partir da 5ª ou 6ª semana de gravidez e não poucos dias depois da relação.

Por isso, é provável que os enjoos e a dor de cabeça sejam decorrentes da pílula do dia seguinte.

Os efeitos colaterais mais frequentes desse anticoncepcional de emergência são náuseas e vômitos, mas também podem ocorrer:

  • Dor de cabeça;
  • Dor nas mamas;
  • Tontura;
  • Diarreia.

Esses efeitos são de curta duração e desaparecem espontaneamente nas primeiras 24 horas após o uso da pílula do dia seguinte.

Além disso, a pílula costuma ser bem tolerada pela maioria das mulheres e apenas em casos excepcionais ocorrem reações indesejadas mais intensas.

Se a dor de cabeça e os enjoos persistirem, consulte o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família para que a origem dos sintomas seja devidamente diagnosticada e tratada.

Também podem lhe interessar:

Quais os efeitos colaterais da pílula do dia seguinte?

Sintomas de Gravidez

Mal-estar, tontura, náuseas, fraqueza, dor de cabeça. Posso estar grávida?

Inflamação no útero pode atrasar a menstruação?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Sim, a inflamação no útero, geralmente decorrente de uma infecção, que é uma condição relativamente rara, pode atrasar sua menstruação.

A infecção uterina pode ser causada por diversos microorganismos; são diversas doenças que atingem mulheres sexualmente ativas. Os sintomas podem ser:

  • Corrimento persistente, mal cheiroso, de cor branca, amarelada, marrom ou cinza;
  • Sangramento vaginal anormal;
  • Dispareunia (dor durante a relação sexual);
  • Dor na vagina;
  • Sensação de pressão na região pélvica.

É importante notar que nem todas as infecções no útero vão apresentar os sintomas descritos acima. Existe a possibilidade, inclusive, de se estar com uma infecção no útero e não apresentar qualquer tipo de sintoma.

Causas da infecção no útero: principalmente doenças sexualmente transmissíveis (geralmente devido a múltiplos parceiros sexuais, não usar camisinha nas relações) e má higiene íntima.

Tratamento para infecção uterina: Feito com antibióticos, mas isto vai depender do estado de saúde da mulher e do que originou a doença. Sempre procurar um médico ginecologista.

Outros fatores que podem levar ao atraso menstrual são:

  • Ovários policísticos: Causa comum de atrasos nos ciclos menstruais;
  • Infecções/inflamações no colo do útero: As infecções por micro-organismos como Chlamydia trachomatis e também Trichomonas vaginalis podem ocasionar sangramento no colo uterino, e esse sangramento pode muitas vezes ser confundido com uma irregularidade no ciclo menstrual;
  • Uso de determinados medicamentos: Anticoncepcionais orais, anticoagulantes, antidepressivos, corticoides, antipsicóticos dentre outros;
  • Distúrbios hormonais: O hipotireoidismo (diminuição dos níveis do hormônio T4L no sangue) e alterações nos níveis de prolactina também podem causar irregularidades no ciclo menstrual;
  • Gestação: No período pós-gestacional (durante a amamentação), há atraso no ciclo menstrual, de até nove meses, além de alterações psicológicas e principalmente físicas.
  • Prática excessiva de exercícios físicos: Associada com alguns outros fatores (como a perda de peso, dieta inadequada e quantidade insuficiente de gordura corporal), provocam alterações hormonais e consequentemente irregularidade no ciclo menstrual, como o atraso e em alguns casos cessação da menstruação por longos períodos.
  • Cisto ovariano: Diferentemente dos ovários polimicrocísticos (supracitados), um ciclo único pode influenciar no ciclo, causando o atraso. 
  • Cirurgias: Determinados tipos de cirurgias, tais como a laqueadura e as cirurgias ovarianas, também podem ocasionar atrasos no ciclo menstrual.

Em caso de atraso menstrual ou suspeita de infecção vaginal ou uterina, por qualquer motivo, um médico ginecologista deverá ser consultado para avaliação, determinação da causa e tratamento, se necessário.

Corrimento amarelo, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Corrimento amarelo é, normalmente, um sinal de infecção bacteriana (vaginose bacteriana) ou infecção causada por protozoários (Tricomoníase). O diagnóstico e tratamento de ambas as doenças são simples.

Na vaginose bacteriana, ocorre uma alteração da flora vaginal normal, que é (primariamente composta por Bacilos de Doderlein) por outras bactérias, geralmente Gardnerella vaginalis. Nem sempre apresenta sintomas, mas geralmente há corrimento vaginal de cor amarela, branca ou cinza com odor desagradável (peixe podre), além de ardência ao urinar e coceira na vagina. O tratamento deve ser feito com antibióticos.

A melhor maneira de evitar a vaginose bacteriana é:

  • evitar fazer duchas vaginais;
  • limitar o número de parceiros;
  • usar preservativo sempre, em todas as relações;
  • procurar fazer exames ginecológicos uma vez ao ano, no mínimo.

Na Tricomoníase, o agente etiológico (causador da doença) é o protozoário Trichomonas vaginalis, cuja transmissão ocorre através do contato íntimo sem preservativo. O corrimento tem uma tonalidade mais acinzentada, com mau cheiro, por vezes espumoso. Também pode ocorrer dispareunia (dor nas relações sexuais) e disúria (dor ao urinar). O tratamento da tricomaníase também é feito com antibióticos, e deve envolver ambos os parceiros. O tratamento é desaconselhado durante a gravidez.

Sempre que ocorrer sangramento ou corrimento, de qualquer cor ou tipo, procure imediatamente um médico ginecologista para avaliação. Ele poderá fazer o exame para averiguar se você está grávida ou não e lhe dar o tratamento ideal, se for necessário.

Leia mais Corrimento vaginal: o que significam as diferentes cores

Quais são os valores de referência do PSA?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Os valores de referência do PSA total variam conforme o laboratório, mas, em média, para homens com até 59 anos de idade, as taxas devem ficar abaixo de 4,0 ng/mL. Indivíduos entre 60 e 69 anos devem estar com um PSA total de no máximo 4,5 ng/mL. Já aqueles com idade igual ou superior a 70 anos, os valores não devem ultrapassar 6,5 ng/mL.

Contudo, é importante frisar que o valor do PSA total pode estar alto devido a outros fatores que não estão relacionados com câncer de próstata, tais como doenças, infecções ou procedimentos aos quais o homem foi submetido recentemente.

Dentre os fatores que podem alterar o resultado do exame de PSA total estão o toque retal, massagem prostática, prostatite, hipertrofia benigna da próstata, instrumentações uretrais, biópsia prostática e ejaculação recente.

Por exemplo, quando os valores do PSA total estão entre 4 e 10 ng/mL, pode ser difícil interpretá-los, já que esse aumento pode ter sido causado por uma hipertrofia benigna da próstata (quando a próstata aumenta de tamanho, mas não por câncer). Nesses casos, aconselha-se fazer a associação com o resultado do PSA livre.

Veja também: Qual a diferença entre hipertrofia benigna da próstata e câncer?

A relação PSA livre / PSA total é menor nos pacientes com câncer. Isso significa que quando os valores de PSA livre são divididos pelos de PSA total, o resultado do cálculo costuma ser menor em quem tem câncer de próstata.

Os valores de referência para a relação PSA livre/PSA total não estão bem estabelecidos. Contudo, quando estão abaixo de 0,20, parecem se correlacionar com câncer de próstata, enquanto que valores acima de 0,20 parecem estar associados a doenças benignas.

O exame de PSA (Antígeno Prostático Específico Total) serve para auxiliar o diagnóstico do câncer de próstata, associado ao toque retal e ultrassom, ou acompanhar pacientes com a doença já diagnosticada.

A análise isolada do exame de PSA nãopermite o diagnóstico de doença prostática. É necessária correlação com a história e o exame físico do paciente, sendo o toque retal fundamental.

Leia também: Como é feito o exame de próstata?

Para maiores esclarecimentos consulte um médico urologista, que é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento das alterações e doenças da próstata.

Saiba mais em: 

PSA alterado: quais os sintomas e o que pode ser?

Como é feito o exame PSA livre?

Quais são os principais tipos de exame de sangue e para que servem?

Manchas vermelhas na pele que coçam, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As principais doenças responsáveis pelo aparecimento de manchas vermelhas na pele que coçam são a urticária, escabiose (sarna), o eczema, Zika e algumas doenças autoimunes como lúpus e psoríase.

A urticária é uma reação alérgica que pode ter muitas causas, como uso de medicamentos, picadas de insetos, produtos químicos, alimentos, estresse, infecções, entre outras. Apesar da coceira, as manchas vermelhas normalmente desaparecem espontaneamente em poucos dias.

Escabiose, conhecida popularmente por sarna, é uma infecção contagiosa, causada pelo ácaro Sarcoptes Scabiei, que pode se espalhar para contatos próximos com facilidade. As lesões são pequenas, como bolinhas em alto relevo, vermelhas, principalmente acometendo mãos, punho, axilas, região abaixo dos mamilos, nas genitálias, ao redor do umbigo, joelhos e nos pés, causando coceira intensa, que piora a noite. 

As manchas do eczema ou dermatite, como também é conhecido, causam coceira intensa na pele. Trata-se de um processo inflamatório semelhante a uma alergia, já que a reação é desencadeada por algum agente irritante. A exposição à água, ao sol, ou a temperaturas frias ou quentes pode agravar as manchas e a coceira.

A reação dermatológica causada pelo Zika vírus, são manchas vermelhas pouco elevadas, como "pintinhas" vermelhas que coçam, acometendo todo o corpo e desaparecem espontaneamente sem deixar marcas após 3 ou 7 dias. Podem ser confundidas com sarampo.

Entre as doenças autoimunes que podem causar manchas vermelhas e coceira, destacamos o lúpus e a psoríase. OLúpus age agredindo o tecido conjuntivo, o que faz com que as manchas vermelhas apareçam sobretudo nas partes do corpo onde há mais cartilagem, como no rosto, nariz e orelhas. As manchas não causam dor, podem coçar e mudam com o tempo. O lúpus é uma doença autoimune que pode afetar inclusive órgãos internos devido à presença de tecido cartilaginoso nos mesmos. Na psoríase, as regiões mais acometidas são os cotovelos, joelhos, couro cabeludo, unhas e a região lombar.

A presença de manchas vermelhas na pele que coçam ou não coçam, ou manchas de qualquer outra cor, deve ser avaliada por um médico dermatologista, principalmente se as manchas não desaparecerem em poucos dias. 

Leia também:

Tenho manchas vermelhas na pele que não coçam, o que pode ser?

Quais são os sintomas do lúpus?

Urticária: saiba o que é, o que pode causar e diferentes tipos

O que é dermatite atópica?

Como identificar uma crise de ansiedade?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

A crise de ansiedade pode ser identificada na presença de alguns sintomas como palpitações (coração bate forte), dor no peito, aumento da pressão sanguínea, sensação de sufocamento, tontura, dor de cabeça, boca seca com dificuldade para engolir, respiração rápida e ofegante, medo de perder controle da situação, estômago embrulhado, indigestão, náusea, relaxamento dos esfíncteres com aumento da necessidade de urinar e/ou diarreia, aumento da transpiração e rubor facial, além de aumento da tensão muscular principalmente na região do pescoço e ombros.

Dentre todos esses sinais e sintomas de ansiedade, os mais comuns são medo ou pânico, mau pressentimento, como se alguma coisa de mau fosse acontecer, sensação de aperto no peito, falta de ar, aumento da frequência cardíaca e respiratória, insônia, irritabilidade, preocupação exacerbada com situações que ainda não aconteceram e podem nem acontecer, náuseas, vômitos e tremores.

Os sintomas de uma crise de ansiedade são físicos e emocionais. Em geral, as crises são desencadeadas em momentos de medo, expectativas, falta de certezas ou ainda em situações normais do dia-a-dia.

O que é uma crise de ansiedade?

A ansiedade é uma resposta do organismo a alguma situação ameaçadora e um alerta para que a pessoa possa se proteger e fugir dessa ameaça. Muitas vezes, é um sinal benéfico que facilita a identificação de um perigo e ajuda a pessoa a tomar as medidas cabíveis para contornar a situação.

Quando a ansiedade se transforma em algo constante na vida da pessoa, trazendo prejuízos para as atividades diárias, ela passa a ser uma patologia que precisa de intervenção terapêutica e, em alguns casos, medicamentosa.

Leia também. O que é o transtorno de ansiedade?

A crise de ansiedade pode ser a manifestação de alguns transtornos: ansiedade social, pânico, obsessivo compulsivo, ansiedade generalizada.

Para maiores informações, consulte o/a psiquiatra ou médico/a de família.

Saiba mais em:

Os transtornos de ansiedade têm cura? Qual o tratamento?

Transtorno de ansiedade social: Quais as causas e como tratar?

Como aliviar cólica intestinal?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Para aliviar cólica intestinal causada por intestino preso e gases intestinais, siga as seguintes dicas:

  • Faça uma massagem abdominal para estimular o intestino:

    1. Espalhe um pouco de creme por todo o abdômen;
    2. Comece massageando a região inferior esquerda, com movimentos circulares e profundos, no sentido do ponteiro do relógio;
    3. Massageie essa região até senti-la menos dura;
    4. A seguir, faça a mesma massagem na parte inferior direita, superior direita e superior esquerda;
    5. Insista nas partes que estiverem mais endurecidas e doloridas;
    6. Termine a massagem com movimentos amplos e circulares por todo o abdômen, no sentido horário;
  • Beba água: A água deixa as fezes mais moles e favorece a passagem do bolo fecal pelo intestino;
  • Pratique atividade física com regularidade, a prática de exercícios físicos ajuda na movimentação do trânsito intestinal;
  • Beba chá de ervas como: Funcho com erva cidreira, Gengibre, Chá verde e Erva doce: Esses chás ajudam a eliminar os gases intestinais que possam estar causando a cólica;

Veja também: Existe remédio para aliviar os sintomas da cólica intestinal?

Se a cólica intestinal vier acompanhada de diarreia, é provável que você esteja com uma infecção. Neste caso, o melhor a fazer é:

  • Procurar um médico para receber um tratamento adequado;
  • Manter uma boa hidratação;
  • Cuidar da alimentação.

Leia mais sobre o assunto em: Quais os sintomas de infecção intestinal?

Os alimentos indicados em caso de cólica intestinal com diarreia são:

  • Arroz;
  • Caldo de carne magra;
  • Banana-maçã;
  • Torradas.

Alimentos e bebidas que devem ser evitados:

  • Saladas;
  • Bagaço de frutas;
  • Fibras;
  • Café;
  • Leite;
  • Sucos;
  • Frituras;
  • Temperos fortes.

Se as cólicas intestinais não passarem, consulte um médico clínico geral, médico de família ou vá diretamente a um gastroenterologista, principalmente se você também tiver diarreia.

Dor, ardência e carocinhos na língua, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A dor, ardência e carocinhos na língua podem ser causados por uma irritação das papilas gustativas por alguma substância irritativa ou picante. Também pode ser causados por alergias à alimentos, temperos, álcool ou pastas de dente. Quando há uma reação alérgica ou uma inflamação, as papilas gustativas presentes na língua tendem a ficar com aspecto inchado e alisado, podendo ser acompanhada por dor e ardência.

Outras causas possíveis para dor, ardência e lesões na língua: líquen plano oral, infecção por fungos ou bactérias, alergia à substâncias irritantes como álcool, tabaco, temperos, alimentos cítricos, eritema multiforme, aftas, herpes oral, Síndrome da Ardência Bucal (SAB).

Uma boa higiene diária da boca e da língua, com sua escovação frequente, pode evitar alguns desses problemas. O dentista e o gastroenterologista são os profissionais que podem diagnosticar e tratar os problemas relacionados com a língua.

Saiba mais em: Quais são os sintomas do câncer de língua?

O que é hérnia hiatal e quais os sintomas?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Hérnia hiatal (hérnia de hiato) é a protusão de parte do estômago da cavidade abdominal para o tórax, através do orifício pelo qual o esôfago atravessa o diafragma para penetrar na cavidade abdominal.

É a principal causa de Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE). Geralmente ocorre por deslizamento do estômago para cima, pelo orifício no diafragma (95% dos casos).

Sintomas:

Muitos casos são assintomáticos, mas alguns pacientes podem apresentar:

  • Refluxo dos ácidos estomacais e conteúdo alimentar até a boca (refluxo gastroesofágico) que podem alcançar a garganta, com gosto ácido e azedo. Regurgitações frequentes podem levar a lesões erosivas dos dentes (desgaste do esmalte dentário pela diminuição do pH bucal). Em raros casos, pode provocar tosse ou náuseas/vômitos;
  • Pirose ou azia (é a sensação de queimação ou calor no peito, que normalmente irradia da parte superior do abdômen até a garganta). Costuma ocorrer depois da alimentação, quando o estômago cheio favorece o refluxo gastroesofágico. Costuma ser o sintoma mais comum nesta doença. Quando crônica, pode causar úlceras e esofagite, uma inflamação na parede do esôfago;
  • Sensação de "peso" abdominal, digestão lenta e inchaço ("empachamento") do estômago;
  • Tosse, rouquidão e asma (o refluxo de material ácido para a parte inferior da garganta pode levar em alguns casos a tosse crônica e alterações na voz). O refluxo gastroesofágico é uma das três principais causas de tosse (rinite alérgica e asma são as outras duas). Em pessoas susceptíveis, o refluxo pode desencadear crises de asma;
  • Eructações frequentes (arrotos);
  • Dor no peito (alguns pacientes apresentam dor torácica que pode lembrar a dor de um infarto, mas esta dor não tem relação com esforço e melhora com analgésicos específicos);
  • Dor de garganta (dores de garganta crônicas, sem causa aparente e sem outros sinais de infecção, como febre, podem ser sinal de doença do refluxo gastroesofágico);
  • Salivação excessiva;

incidência da hérnia hiatal é maior em obesos, idosos e multíparas (mulheres que tiveram muitos partos).

Algumas complicações da doença são:

  • Ulcerações: a esofagite grave pode levar a úlceras e erosões na parede do esôfago, causando grande desconforto;
  • Estenose do esôfago: a inflamação do esôfago pode ser tão intensa que o edema (inchaço) formado no local pode dificultar a passagem de alimentos. O paciente queixa-se de sensação de "bolo na garganta" e impactação dos alimentos ingeridos;
  • Dismotricidade esofágica: o esôfago é um órgão muscular, que através de contrações sequenciais empurra o alimento ingerido em direção ao estômago. Com a inflamação crônica causada pelo ácido estomacal e lesão de nervos e fibras musculares esofágicas, este órgão começa a apresentar dificuldades na sincronização dos movimentos, dificultando o transporte de alimentos da boca ao estômago, colaborando também para os sintomas de impactação e "bolo na garganta";
  • Esôfago de Barrett: a agressão crônica às células do esôfago pelo ácido estomacal faz com que elas sofram transformações e passem a ter características de células intestinais. A essa alteração estrutural do tecido esofagiano damos o nome de esôfago de Barrett. Essa células alteradas apresentam maior risco de transformação em câncer, (adenocarcinoma do esôfago). Portanto, um refluxo contínuo, levando à esofagite, é um fator de risco para câncer do esôfago.

Também pode lhe interessar o artigo: Hérnia pode virar câncer?

Na maioria das vezes o diagnóstico da hérnia hiatal, refluxo e a esofagite são diagnosticados pela endoscopia digestiva alta. É importante salientar que até 25% dos pacientes com refluxo podem tê-lo na forma leve, não apresentando alterações à endoscopia digestiva. Uma endoscopia normal não descarta o diagnóstico de DRGE.

O tratamento pode ser feito com simples mudanças nos hábitos de vida (vide abaixo) ou medicamentoso, na maioria dos casos. Casos mais graves podem recorrer ao tratamento cirúrgico.

Recomendações (para pacientes com o diagnóstico de hérnia hiatal ou DRGE por outra causa):

  • Evitar alimentos gordurosos, ricos em proteínas, muito condimentados e frituras, além de doces e pão branco;
  • Fazer uma dieta rica em frutas, verduras, vegetais e fibras;
  • Fazer exercícios físicos (pelo menos 40 minutos, 5 vezes por semana);
  • Evitar situações estressantes ou fadigantes;
  • Perder peso, procurando manter o índice de massa corporal (peso em quilos dividido pela altura em metros ao quadrado) igual ou menor que 25;
  • Dormir com travesseiro alto ou leve elevação da cabeceira da cama (30º);
  • Procurar não beber álcool, café ou bebidas gaseificadas;
  • Não fumar;
  • Evitar comer em excesso próximo da hora de dormir (e fazer a última refeição pelo menos duas horas antes de deitar);
  • Não usar roupas nem acessórios apertados;
  • Evitar ingerir muito líquido durante as refeições;
  • Fazer refeições menores, mais leves e mais próximas umas das outras;

Em caso de suspeita de hérnia de hiato, um médico (preferencialmente um gastroenterologista) deverá ser consultado para avaliação, diagnóstico e tratamento correto.

Leia também:

Como saber se tenho uma hérnia?

Quais são os tipos de hérnia?