Perguntar
Fechar

Sintomas

Quantos dias de atraso são considerados como atraso menstrual?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Para ser considerado atraso menstrual, a menstruação deve estar com pelo menos 15 dias de atraso. Atrasos menstruais de até 7 ou 8 dias são muito comuns e nem sempre indicam gravidez.

No entanto, mulheres com ciclos menstruais bastante regulares podem desconfiar de gravidez a partir do 5º dia de atraso menstrual.

A ausência de menstruação é o primeiro e mais importante sinal de gravidez. Em geral, esse atraso pode vir acompanhado por pequenos sangramentos, diferentes do sangramento menstrual habitual.

Porém, atraso na menstruação nem sempre indica uma gravidez. Outras causas de atraso menstrual incluem:

  • Estresse e ansiedade;
  • Interrupção da pílula anticoncepcional;
  • Doenças ou infecções, mesmo que sejam simples e corriqueiras;
  • Medicamentos como antipsicóticos, corticoides, antidepressivos, quimioterapia, imunossupressores, anti-hipertensivos;
  • Ganhar ou perder muito peso num curto espaço de tempo;
  • Obesidade;
  • Magreza extrema;
  • Distúrbios alimentares, como anorexia;
  • Atividade física em excesso;
  • Hipo ou hipertireoidismo;
  • Ovários policísticos;
  • Menopausa.

Leia também: Existem doenças com sintomas parecidos com gravidez?

Em caso de atraso menstrual, a mulher deve consultar o/a médico/a ginecologista ou médico/a de família, que poderá pedir um teste de gravidez para descartar esta possibilidade ou investigar outras possíveis causas do atraso.

Caroço na cabeça: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Caroço (nódulo) na cabeça, mais especificamente no couro cabeludo, pode ser sinal de dermatite seborreica, cisto sebáceo ou hematomas. 

A dermatite seborreica é uma das principais causas de caroços doloridos na cabeça. Trata-se de uma doença de pele que afeta sobretudo o couro cabeludo em qualquer idade, inclusive recém-nascidos/as.

Alguns sinais e sintomas de dermatite seborreica:

  • Presença de pedaços de crosta grossa que formam o nódulo;
  • Dor ao tocar o caroço na cabeça;
  • Área circundante ao caroço coça, é macia e dolorosa ao toque;
  • Pode ou não haver presença de caspa que sai em pedaços no couro cabeludo.

O tratamento da dermatite seborreica é variado e pode incluir:

  • Lavagens mais frequentes da cabeça;
  • Evitar o uso de pomadas, sprays e géis para o cabelo, bem como chapéus ou bonés;
  • Uso de shampoos com ácido salicílico, alcatrão, selênio, enxofre, zinco e antifúngicos;
  • Aplicação de cremes/pomadas que contenham antifúngicos, corticosteroide.

Outra causa comum de caroço na cabeça é o cisto sebáceo, que ocorre quando o folículo piloso fica obstruído com sujeira, poeira, oleosidade natural da pele ou restos celulares.

O cisto sebáceo fica então inchado, formando um nódulo ou "caroço" cheio de pus e que muitas vezes provoca mau cheiro. Neste caso, a pessoa pode sentir dor ao lavar ou pentear o cabelo.

O tratamento mais indicado para cisto sebáceo é a remoção cirúrgica completa do mesmo e da sua cápsula. 

Os hematomas na cabeça são também percebidos como caroço. Eles são causados após a colisão da cabeça com algum objeto, parede, chão ou a cabeça de outra pessoa. Essa situação é transitória e o caroço fica presente até ocorrer a completa absorção pela pele local.

A presença de caroço na cabeça, seja no couro cabeludo, atrás da orelha ou em qualquer outra região da cabeça ou do corpo, deve ser avaliada pelo/a médico/a dermatologista, médico/a de família ou clínico/a geral.

Também pode lhe interessar: Caroço na nuca: o que pode ser?

Quais os sintomas de vermes no corpo?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Os sintomas de vermes no corpo do ser humano variam de acordo com a verminose, sendo que o sinal mais evidente é a presença do verme nas fezes. Outros sintomas comuns são:

  • Diarreia;
  • Febre;
  • Presença de sangue, gordura ou muco nas fezes;
  • Anemia;
  • Dor abdominal;
  • Náuseas e vômitos;
  • Fraqueza;
  • Perda de peso;
  • Perda ou aumento do apetite.

Também pode lhe interessar: Ranger os dentes pode ser causado por algum verme?

Além desses sintomas, existem determinados tipos de vermes que manifestam sintomas mais específicos, como:

  • Esquistossomo (barriga d'agua): Diarreia e/ou constipação intestinal, pode haver aumento do fígado e baço, cirrose, hemorragias;
  • Ancilóstomo (amarelão): Pele amarelada, pode causar complicações cardíacas e pulmonares, além de afetar o desenvolvimento da criança;
  • Filária (elefantíase): Inflamação nos vasos linfáticos, dor muscular, intolerância à luz, inchaço do saco escrotal, virilha, vulva, mamas, pernas e braços, manchas na pele, presença de gordura ou sangue na urina, pele grossa e áspera;
  • Larva migrans (bicho geográfico): Prurido (coceira), linhas avermelhadas na pele que assemelham-se com mapas;
  • Oxiúrus: Prurido anal, corrimento e sono agitado. Os vermes, que têm em média entre 1 e 2 cm, também são visíveis nas fezes.

Leia também:

Quais são as doenças causadas por vermes?

O que fazer no caso de verme nas fezes?

O tratamento das verminoses é feito com medicamentos vermífugos.

Estou sentindo meus seios inchados e doloridos, o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Seios inchados e doloridos podem ser causados por diversas situações, sendo as mais frequentes: período pré-menstrual (TPM), alterações hormonais, amamentação, uso de anticoncepcional e gravidez. Contudo, o inchaço e a dor nas mamas podem ter causas mais graves, como tumores.

A principal causa de inchaço e dor nos seios quando a mulher não está grávida são as alterações hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual. Esses sintomas tendem a intensificar nos dias antes de menstruar, na fase pré-menstrual.

Os próprios anticoncepcionais hormonais também podem deixar os seios inchados, sendo outra causa comum de inchaço nas mamas.

Se os seios estiverem inchados e doloridos e a menstruação estiver atrasada, pode ser um sinal de gravidez. Nesses casos, outros sintomas que podem estar presentes incluem cansaço, tontura, sonolência e inchaço abdominal.

Na TPM (tensão pré-menstrual) e nos casos de alterações hormonais, os seios podem ficar inchados e doloridos devido à retenção de líquidos causada pelas variações hormonais nas diferentes fases do ciclo menstrual.

Durante a amamentação, os seios também podem ficar inchados e doloridos. Nesses casos, a dor costuma ocorrer em uma das mamas e há vermelhidão no local.

A mulher com inchaço e dor nos seios pode observar as características do inchaço e dessa dor como, por exemplo, se ocorrem em ambos os seios ou apenas em um, se atingem a região da axila, se há presença de algum nódulo ("caroço"), se os sintomas são mais presentes em algum momento do ciclo menstrual, etc.

Procure o/a médico/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para uma avaliação completa e detecção da causa do inchaço e dor nos seios.

Estou com um caroço nos grandes lábios da vagina: o que pode ser e qual o tratamento?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Caroço nos grandes lábios da vagina pode ser característico de vários acometimentos como:

  • Bartolinite;
  • Foliculite;
  • Hematoma;
  • Linfogranuloma venéreo;
  • Cisto sebáceo e outro tipos de cistos;
  • Lipoma, etc.

A causa mais comum de caroço na região da entrada da vagina é a inflamação da glândula de Bartholin. A bartolinite geralmente ocorre em apenas um lado dos grandes lábios e a mulher não apresenta dor nem nenhum outro sintoma além do caroço. Caroço de grande tamanho pode gerar desconforto para andar, sentar ou durante a relação sexual. Em mulheres com menos de 40 anos essa inflamação resolve sozinha, sem necessitar de drenagem ou biópsia.

Caso a inflamação infeccione e transforme em abscesso com dor local, presença de pus, vermelhidão e inchaço, é necessária a drenagem para que o pus saia e alivie a dor, juntamente com uso de antibiótico.  

Se o caroço não regredir em alguns dias e vir acompanhado desses sintomas, a mulher deve procurar o/a ginecologista, clínico/a geral ou médico/a de família para o diagnóstico e tratamento adequado.

Quanto tempo o antibiótico demora para fazer efeito?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Em geral, o antibiótico demora algumas horas para começar a fazer efeito, dependendo do medicamento e da infecção. No caso da benzetacil, o seu efeito máximo ocorre entre 12 e 24 horas após ser administrada.

Na maioria das infecções causadas por bactérias, os efeitos dos antibióticos começam a ser sentidos depois dos primeiros 2 dias de tratamento. Se o antibiótico não está fazendo efeito, pode ser por alguma das seguintes razões:

  • A doença não é aquela que se pensou e o paciente pode estar tomando o antibiótico errado;
  • A dose do antibiótico é insuficiente (baixa);
  • Não estão sendo obedecidos os horários de tomar o medicamento;
  • Pode haver perda de medicamento por vômito;
  • O paciente está tomando outros medicamentos ou ingerindo alimentos que interferem no efeito do antibiótico (leia também: Posso tomar antibiótico com o estômago vazio?);
  • Resistência bacteriana.

Se já está tomando o antibiótico há pelo menos dois dias e ainda não notou melhora dos sintomas, fale com o seu/sua médico/a. Todo antibiótico deve ser utilizado pelo tempo completo prescrito pelo/a profissional para que o tratamento seja efetivo e não permita o desenvolvimento de resistência bacteriana

Dor na panturrilha, o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

É bastante comum a ocorrência de dores nas panturrilhas ("batatas das pernas") e há algumas causas possíveis.

Se a dor for aguda, iniciada após atividade física, é mais provável que seja resultado de uma distensão do músculo da panturrilha (gastrocnêmio). Em algumas ocasiões será necessário o uso de relaxante muscular e/ou anti-inflamatório, além de repouso, para melhora dos sintomas. Outra causa de dor aguda são as cãibras, quando o músculo fica contraído durante alguns minutos, associadas a bastante dor. Normalmente são auto-limitadas e não necessitam tratamento, exceto se a dor permanecer mesmo após resolução da cãibra. Para evitá-las, é importante realização de alongamento e musculação 3x/semana, além de alimentação e hidratação adequadas durante a prática de atividade física. E, após uma rotina de exercícios, descansar por um dia, pelo menos.

Contudo, há doenças que podem causar dores nas panturrilhas e os pacientes devem estar atentos a elas:

  • insuficiência venosa: especialmente comum nas mulheres, nas pessoas que ficam muitas horas em pé e idosos. Usualmente, a dor nas panturrilhas é uma dor em peso (as pernas ficam "pesadas"), mais comum no final do dia e podem estar presentes inchaço, "vasinhos" (teleangiectasias) e varizes. O tratamento consiste no uso de meias elásticas, prática regular de exercícios físicos e, algumas vezes, será necessária cirurgia para remover as veias que ficaram dilatadas e disfuncionantes. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico cirurgião vascular;
  • insuficiência arterial (claudicação intermitente): comum em idosos e especialmente em tabagistas. Usualmente, a dor é forte, em pontada, e ocorre após andar alguns quarteirões ou ao subir uma rua ou escada. É característico que o paciente necessita interromper a caminhada em virtude da dor, e o repouso durante alguns minutos, resolve os sintomas. Contudo, retornando a caminhada, ressurge a dor. A quantidade de metros caminhados para iniciar a dor é variável conforme cada paciente e tende a ser menor conforme a gravidade da obstrução arterial. O tratamento consiste no uso de medicamentos e muitas vezes é necessária uma cirurgia para desobstrução da artéria acometida, e é importante e fundamental interromper o tabagismo. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico cirurgião vascular;
  • cisto de Baker: algumas pessoas podem apresentar um cisto na região do joelho e, se o cisto estourar, pode ocorrer dor nas panturrilhas e inchaço no joelho. Em algumas ocasiões pode ser necessária retirada cirúrgica. O diagnóstico e seguimento deverá ser feito por médico ortopedista ou reumatologista.

Se a dor nas panturrilhas for recorrente, é importante procurar avaliação médica especializada.

Saiba mais em:

Distensão muscular: o que é, quais os sintomas e como tratar?

Sinto muita dor nas pernas. O que pode ser?

Formigamento na cabeça: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Formigamento na cabeça pode ser sinal de hiperparatireoidismo, enxaqueca com aura ou ainda problemas mais graves como infarto e AVC (derrame). 

O formigamento normalmente é causado por compressão de algum nervo ou falta de sangue, mas as causas variam e, por isso, é importante estar atento/a também a outros sintomas.

No hiperparatireoidismo (excesso de funcionamento das glândulas paratireoides), além do formigamento na cabeça e em outras partes do corpo, a pessoa também pode apresentar:

  • Fraqueza muscular;
  • Falta de apetite;
  • Cansaço;
  • Emagrecimento;
  • Prisão de ventre;
  • Dor abdominal;
  • Náuseas;
  • Vômitos.

A enxaqueca com aura caracteriza-se por dor de cabeça, distúrbios visuais, auditivos, sensitivos ou motores. Entre eles estão:

  • Formigamento na cabeça, boca, língua e membros;
  • Dificuldade para falar;
  • Tontura;
  • Visão borrada.

Se o formigamento na cabeça vier acompanhado por formigamentos no rosto, braço ou perna apenas de um lado do corpo, pode ser sinal de "derrame" (Acidente Vascular Cerebral - AVC) e a pessoa deve ir imediatamente ao hospital.

Quando o formigamento corre para o braço, principalmente o esquerdo, e é seguido por sintomas como dor no peito ou no pescoço, dor no braço (normalmente esquerdo), falta de ar, suor e náuseas, pode ser o início de um infarto e a pessoa deve procurar um pronto-socorro o mais rápido possível.

Se o formigamento na cabeça persistir, o mais indicado é procurar procurar o/a clínico geral, médico/a de família ou neurologista. 

Dor pélvica na mulher, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Dor pélvica na mulher pode ser devido a uma série de causas. Corresponde a um terço das queixas nos consultórios médicos e desvendar suas causas é um grande desafio para os profissionais, pois requer uma investigação profunda e detalhada do problema.

A dor pélvica normalmente é sentida no baixo ventre e como se manifesta normalmente no “pé da barriga”. Fazem parte da pelve o útero, os ovários, as tubas uterinas, a vagina, o reto e a bexiga, além de diversos músculos, nervos e ossos, portanto as causas que geram a dor pélvica podem ser as mais diversas e para seu diagnóstico correto deve ser feita uma anamnese detalhada, um exame físico bem feito e exames complementares quando necessários.

Na investigação, é fundamental saber a sua idade, sexo, antecedentes pessoais e características específicas da dor pélvica (onde exatamente dói (aponte)? qual o tipo da dor - pontada, peso, pulsação, aperto, queimação? é intensa? quão intensa (dê uma nota de zero a dez - zero é a dor mais fraca da vida e dez é a pior)? é a mais forte da vida? chega a despertar do sono ou vomitar nas crises? irradia ("espalha") para algum lugar ou é restrita a essa região específica? há quanto tempo está com dor? ela é cíclica (vai e volta) ou contínua, durando dias? quando vem a dor dura quanto tempo? você já teve antes? é comum? tem algum horário do dia ou do mês em que acontece com mais frequência? melhora com alguma coisa? está piorando, ao longo do tempo, ou apresentando novos sintomas concomitantes? piora nas relações sexuais? tem relação com o período menstrual? tem corrimento vaginal? ardência ao urinar? está indo mais vezes ao banheiro e fazendo pouco xixi? qual a sua frequência sexual? pratica sexo anal? tem mais de um parceiro? sente tontura ou enjoo juntos com a dor? etc.), início dos sintomas, concomitância dos sintomas com febre/sangramentos ou outros sinais/sintomas de gravidade, etc.

Dores agudas que surgem repentinamente na região pélvica e são progressivas necessitam de um atendimento médico emergencial, pois pode se tratar de problemas mais sérios como apendicite, ruptura de uma gravidez tubária e requerem intervenção cirúrgica, outras doenças mais sérias têm entre seus sintomas dores pélvicas, como a vulvodínia, endometriose e fibrose uterina, por isso sempre que sentir algo diferente em seu corpo, procure logo a ajuda de um médico, preferencialmente um ginecologista (que abrange a maioria das causas de dor pélvica - se não for o seu caso, ele poderá encaminhá-la ao especialista correto, seja um gastroenterologista, proctologista, urologista, ortopedista ou neurologista).

Hemoglobina baixa, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A hemoglobina é uma substância de cor vermelha presente no interior das hemácias (glóbulos vermelhos) e os valores baixos de hemoglobina é que caracterizam a anemia, que pode ser causada por vários distúrbios que provoquem uma redução da sua produção na medula, um aumento da velocidade da sua destruição ou uma perda de sangue.

hemoglobina um pouco abaixo do normal pode ser um resultado normal para muitas pessoas e, geralmente, não deve ser causa de preocupação. É comum as mulheres grávidas apresentarem valores de hemoglobina um pouco abaixo do normal. 

A hemoglobina baixa causa:

  • Palidez cutânea;
  • Descoramento das mucosas;
  • Redução dos níveis de oxigênio nos órgãos do corpo, levando ao cansaço fácil e falta de ar na realização de atividades físicas e até mesmo nas rotinas do dia-a-dia.

Doenças que levam à redução da produção da hemoglobina:  

  • Deficiência de ferro ou vitaminas;
  • Cirrose;
  • Leucemia;
  • Linfomas;
  • Anemia aplástica;
  • Hipotiroidismo;
  • Insuficiência renal;
  • Medicamentos, como os usados no tratamento do câncer e da AIDS.

​Doenças que levam a um aumento na velocidade da destruição da hemácias:

  • Anemia falciforme;
  • Talassemia;
  • Distúrbios que causam o aumento do baço (esplenomegalia);
  • Porfiria;
  • Vasculites.

Veja também: Anemias Causas, Sintomas e Tratamentos – Anemia Ferropriva

 Distúrbios que levam à perda de sangue:

  • Distúrbios de coagulação;
  • Sangramentos no aparelho digestivo;
  • Distúrbios menstruais que causam sangramento exagerado.

Para um diagnóstico adequado é necessário avaliar a história clínica e todos os sinais e sintomas associados para se chegar a conclusão de qual a causa da anemia, se por perda sanguínea, falta de produção ou por destruição das hemácias.

Também pode ser do seu interesse: 

Minha hemoglobina está baixa: o que fazer?

Hemácias normocíticas e normocrômicas é anemia?

Para que serve o eritrograma e quais os valores de referência?

O médico hematologista é o especialista indicado para avaliar as causas de anemia.

Sinto muita dor de cabeça de um lado da fonte. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Dor de cabeça forte em um lado da cabeça, em pontadas ou fisgadas, pode ser enxaqueca. Outros sintomas da enxaqueca incluem:

  • Dor de cabeça, geralmente pulsátil, em peso ou pressão, que dura entre 4 e 72 horas;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Intolerância a luz, barulhos, cheiros e movimentos.

A dor de cabeça da enxaqueca começa fraca e vai aumentando de intensidade. Outros tipos de dores de cabeça já começam fortes ou mantêm-se sempre moderadas.

Conheça as diferenças entre dor de cabeça e enxaqueca em: Enxaqueca e Cefaleia

Dor de cabeça forte pode ser AVC?

Quanto ao seu medo de que essa dor de cabeça possa ser uma veia entupida, o que poderia resultar em um "derrame" (acidente vascular cerebral - AVC), ele é comum, uma vez que a enxaqueca é muitas vezes confundida com um AVC.

Isso acontece principalmente em pessoas que têm enxaqueca com aura, um sintoma neurológico que caracteriza-se por alterações sensitivas e visuais.

Veja aqui o que é enxaqueca com aura e quais os sintomas.

O indivíduo pode sentir dormência em mãos, braços e até na língua, o que pode inclusive dificultar a fala. Todos esses sintomas somados à dor de cabeça leva a pessoa a pensar que está tendo um "derrame".

Dentre os sintomas mais comuns de um AVC estão:

  • Perda de força muscular;
  • Adormecimento ou paralisia da face ou de algum membro de um lado do corpo;
  • Alterações visuais (perda da visão, visão turva, dupla ou "com sombra");
  • Dificuldade para falar ou entender frases;
  • Falta de equilíbrio;
  • Tontura;
  • Falta de coordenação ao caminhar;
  • Queda súbita;
  • Dor de cabeça forte e persistente;
  • Dificuldade para engolir.

Leia também:

Sinto pontadas do lado esquerdo da cabeça, juntamente com enjoo, visão turva e tonturas. O que pode ser?

O que é um AVC e quais os sintomas ou sinais?

As dores de cabeça podem ter muitas causas, entre elas pressão alta. Por isso, o melhor a fazer é procurar um/a médico/a neurologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Estou com a barriga inchada, dor e pontadas. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Barriga inchada e dolorida, com dor em pontadas, é causada na maioria das vezes por gases ou intestino preso (prisão de ventre). Essas são as principais causas de barriga inchada, dura e dolorida em mulheres jovens.

Os gases são provocados principalmente por determinados alimentos que produzem muitos gases durante a digestão, como feijão, repolho, couve-flor, leite, ovos (clara do ovo), batata, entre outros. Além dos alimentos, os gases podem ser causados por:

  • Intolerância à lactose;
  • Intestino "preguiçoso";
  • Ansiedade.

Já a prisão de ventre pode ter como causa:

  • Poucas fibras na alimentação;
  • Baixa ingestão de água;
  • Falta de atividade física;
  • Ansiedade;
  • Menstruação;
  • Gravidez;

Além dos gases e da prisão ventre, barriga inchada e dura acompanhada de dores abdominais também pode ser:

  • Síndrome do intestino irritável: Deixa a barriga inchada e pode causar diarreia ou prender o intestino logo depois das refeições, além de provocar dores abdominais, gases e cólicas (saiba mais em O que é a síndrome do intestino irritável?);
  • Vermes: Além da barriga inchada, podem causar dor abdominal, náuseas, vômitos, diarreia, prisão de ventre, fraqueza, emagrecimento, aumento ou perda de apetite (veja aqui quais são os sintomas de vermes);
  • Menstruação: Nos dias que antecedem a menstruação e durante os dias em que está menstruada, a mulher pode ficar com a barriga inchada devido à retenção de líquidos que ocorre nessa fase.

Saiba mais em: Distensão abdominal: Quais as causas e como tratar?

O que fazer para acabar com a barriga inchada e dolorida?

Depende da causa. Veja o que fazer em cada situação:

  • Gases:

    • Evite feijão, ervilha, grão-de-bico, repolho, brócolis, clara de ovo, batata, couve-flor, doces, cerveja, leite, refrigerantes;
    • Mastigue devagar e evite conversar muito quando estiver comendo (veja mais sobre o assunto em: Excesso de gases: o que pode ser e como tratar?).
  • Intestino preso:
    • Beba pelo menos 2 litros de água por dia;
    • Aumente a ingestão de alimentos ricos em fibras, como verduras, frutas, aveia e outros cereais;
    • Pratique exercícios físicos.
  • Síndrome do intestino irritável:
    • Evite os alimentos que produzem gases;
    • Mastigue bem o alimento antes de engolir;
    • Evite gorduras, bebidas alcoólicas, café e refrigerantes;
    • Diminua as doses das refeições;
    • Aumente a ingestão de fibras;
    • Pratique atividades físicas;
    • Não fume;
    • Controle o estresse e a ansiedade.
  • Vermes: Fazer tratamento com remédios vermífugos, prescritos pelo/a médico/a (mais sobre o assunto em Qual o tratamento para quem tem vermes?);
  • Menstruação: Realize atividade física, como a caminhada, que ajuda na eliminação dos gases e beba alguns chás para combater a retenção de líquidos e diminuir o inchaço da barriga e do corpo.

Leia também: Barriga inchada pode ser gravidez?

Se a sua barriga continuar inchada e dolorida, procure o/a médico/a clínico geral ou médico/a de família para avaliar o caso e detectar a origem do problema.