Últimas Questões

Formigamento no corpo: o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O formigamento e a dormência são sensações que podem se manifestar em qualquer parte do corpo, embora sejam mais comuns nos dedos, nas mãos, nos pés, nos braços e nas pernas. Existem muitas doenças e condições que podem deixar o corpo formigando ou causar dormência. Dentre elas estão:

  • Permanecer na mesma posição por muito tempo;
  • Compressão de um nervo (uma compressão do nervo no pescoço pode causar formigamento no braço ou na mão, enquanto uma compressão na região lombar pode causar formigamento na perna ou no pé do lado acometido);
  • Lesão de um nervo, pode causar formigamento, ou diminuição da sensibilidade na região por ele inervada;
  • Danos a um nervo periférico causada por varizes, tumores, cicatriz, infecção, contato com chumbo, uso abusivo de bebidas alcoólicas, cigarro, radio ou quimioterapia;
  • Herpes zoster (“cobreiro”);
  • HIV ou AIDS;
  • Falta de irrigação sanguínea para uma determinada área do corpo;
  • Níveis anormais de cálcio, potássio ou sódio no organismo;
  • Deficiência de vitaminas B1, B6, B12 ou B9 (ácido fólico);
  • Uso de certos medicamentos ou drogas ilícitas;
  • Picadas de insetos, carrapatos, ácaros e aranhas;
  • Toxinas presentes em frutos do mar;
  • Defeitos congênitos (presentes desde o nascimento) que afetam os nervos.

O formigamento e a dormência podem ser causados ainda por síndrome do túnel do carpo (compressão do nervo localizado no punho), diabetes (neuropatia diabética), enxaqueca, esclerose múltipla, crise epiléptica, derrame cerebral (AVC), ataque isquêmico transitório (AIT), hipotireoidismo e fenômeno de Raynaud (estreitamento dos vasos sanguíneos, geralmente nas mãos e nos pés).

O que fazer se sentir dormência ou formigamento no corpo?

O tratamento para o formigamento ou para a dormência dependem da causa, que deve ser diagnosticada e tratada, quando possível. Para identificar a origem dessas alterações sensoriais, é importante verificar a presença de outros sinais e sintomas ou condições que podem ter desencadeado o formigamento ou a dormência, tais como:

  • Fraqueza ou incapacidade de movimentar alguma parte do corpo;
  • Lesões na cabeça, no pescoço ou nas costas;
  • Perda de controle dos movimento de braços ou pernas;
  • Falta de controle do esfíncter;
  • Confusão mental ou perda da consciência;
  • Dificuldade para falar;
  • Alterações visuais;
  • Dificuldade para caminhar.

Procure atendimento médico se:

  • A dormência ou o formigamento surgirem sem uma razão aparente;
  • Houver dor ou diminuição de força em braços ou pernas;
  • Houver mudanças na frequência ou volume urinários;
  • A dormência ou o formigamento ocorrer nas pernas e piorar ao caminhar;
  • Surgir erupções na pele;
  • Tiver tontura ou espasmos musculares.

Na presença desses sinais e sintomas, consulte um médico clínico geral ou médico de família.

Herpes labial: o que é, quais as causas, sintomas e tratamento?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O herpes labial é uma infecção causada pelo vírus herpes simplex tipo 1. O herpes bucal ou oral, como também é conhecido, manifesta-se sobretudo nos lábios, mas também pode ocorrer dentro da boca, na garganta e na gengiva. A doença caracteriza-se pelo aparecimento de bolhas pequenas e dolorosas na boca.

A infecção por herpes pode ser grave e perigosa se ocorrer dentro ou perto dos olhos ou casos de imunidade baixa, seja por doenças ou uso crônico de medicamentos.

Herpes labial Como ocorre o contágio do herpes labial?

O vírus do herpes labial é facilmente transmitido através do contato com feridas de pessoas infectadas. O líquido presente no interior das feridas contêm grandes quantidades de vírus vivo, e por isso é altamente contagioso.

Após o contágio, o vírus se aloja em um nervo e permanece inativo por muito tempo, até que algum fator desencadeante reativa o vírus, possibilitando a sua multiplicação e o aparecimento dos sintomas.

Situações como menstruação, gestação, alterações hormonais, exposição prolongada ao sol, febre, uso de medicamentos e períodos de ansiedade ou estresse, são as causas mais comuns de reativação do vírus.

Quais os sintomas do herpes labial?

Algumas pessoas apresentam feridas na boca quando entram em contato com o vírus herpes simplex pela primeira vez, enquanto outras não manifestam sintomas.

Antes do aparecimento da lesão, é comum sintomas como coceira, queimação e formigamento no lábio ou na pele ao redor da boca. A pessoa pode apresentar ainda dor de garganta, febre, gânglios inchados e dor para engolir.

Após os sintomas iniciais, surge então a lesão que caracteriza o herpes labial. Inicialmente as pequenas bolhas (vesículas) avermelhadas, que se tornam cheias de líquido amarelo claro no seu interior e podem se unir formando uma grande bolha.

A seguir, as bolhas se rompem e liberam o seu conteúdo líquido. No estágio final, a lesão se torna amarela e fica coberta por uma crosta. Depois de desaparecer, a pele no local fica rosada, retornando à coloração normal.

Qual é o tratamento para herpes labial?

Os sinais e sintomas do herpes labial desaparecem espontaneamente, sem tratamento, depois de uma a duas semanas. Porém, podem ser usados medicamentos antivirais para combater o vírus. O mais usado é o aciclovir, sob a forma de pomada ou comprimidos. O remédio ajuda a reduzir a dor e faz com que os sintomas desapareçam mais rapidamente.

O medicamento produz melhores resultados se for utilizado logo no início dos sinais de alerta, antes do aparecimento da lesão. Quando as manifestações do herpes labial são recorrentes, pode ser indicado o uso de medicação regular, todos os dias, durante um período.

Quais as possíveis complicações do herpes labial?

A infecção ocular por herpes é uma causa importante de cegueira, devido às cicatrizes que deixa na córnea. Outras complicações do herpes labial podem incluir:

  • Reaparecimento de feridas e bolhas na boca;
  • Propagação do vírus para outras áreas da pele;
  • Infecção bacteriana da pele;
  • Infecção generalizada, que pode ser fatal em pessoas com imunidade baixa causada por dermatite atópica, câncer ou infecção por HIV.

Procure atendimento médico se:

  • O herpes labial causar sintomas graves que não desaparecem após 2 semanas;
  • Surgirem feridas ou bolhas perto dos olhos;
  • Apresentar sintomas de herpes e tiver o sistema imunológico debilitado devido a doenças ou medicamentos.

O médico dermatologista é o especialista indicado para diagnosticar e indicar o tratamento para o herpes labial.

Leia também: Como controlar Herpes Labial?

Quais os sintomas de problemas nos rins?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os sinais e sintomas de problemas nos rins podem incluir inchaços, perda de apetite, sensação de mal-estar, cansaço, dor de cabeça, coceira no corpo, pele seca, náuseas e perda de peso sem motivo aparente. Quando os rins perdem parcialmente ou totalmente a capacidade de filtrar o sangue, surge o quadro de insuficiência renal. Nesses casos, a pessoa pode apresentar:

  • Edema, inchaço nas mãos e nos pés;
  • Sonolência;
  • Escurecimento ou clareamento anormal da pele;
  • Dor nos ossos;
  • Dificuldade para se concentrar ou pensar;
  • Contrações rápidas, leves e involuntárias da musculatura, semelhante a tremores (fasciculações) ou cãibras musculares;
  • Mau hálito;
  • Facilidade em formar hematomas;
  • Ausência de menstruação (amenorreia);
  • Dificuldade para respirar (nos casos mais avançados).

Sem tratamento, a insuficiência renal pode evoluir com diversas complicações, como:

  • Anemia;
  • Sangramento do estômago ou intestino;
  • Alterações nos níveis de açúcar no sangue;
  • Danos nos nervos das pernas e dos braços (neuropatia periférica);
  • Demência;
  • Acúmulo de líquido ao redor dos pulmões (derrame pleural);
  • Complicações cardiovasculares;
  • Altos níveis de fósforo e potássio, Hiperparatireoidismo;
  • Aumento do risco de infecções;
  • Lesão ou falhas no funcionamento do fígado;
  • Desnutrição;
  • Aborto e esterilidade;
  • Convulsões;
  • Edema generalizado;
  • Enfraquecimento ósseo e aumento do risco de fraturas.

A doença renal crônica piora lentamente ao longo de meses ou anos e a pessoa pode não manifestar nenhum sintoma por algum tempo. A perda da função renal pode ser tão lenta que os sintomas podem surgir apenas quando os rins praticamente deixam de funcionar. Por isso, muitas pessoas não são diagnosticadas até perderem grande parte da sua função renal.

Os rins estão localizados no meio das costas, logo abaixo das costelas. Dentro de cada rim existem milhares de pequenas estruturas chamadas néfrons, que filtram resíduos e excesso de água do sangue, formando a urina.

A maioria das doenças renais ataca os néfrons, causando danos que podem deixar os rins incapazes de filtrar o sangue, gerando insuficiência renal.

O que pode causar problemas nos rins?

Os problemas nos rins podem ser causados por fatores genéticos, lesões ou medicamentos. As principais doenças e condições que afetam os rins e podem causar insuficiência renal incluem câncer, cistos, cálculos renais (pedras no rim) e infecções. A insuficiência renal também pode ter como causas:

  • Doenças autoimunes, como lúpus eritematoso sistêmico e esclerodermia;
  • Doenças crônicas como hipertensão e diabetes mal controlados;
  • Defeitos congênitos dos rins, como doença renal policística;
  • Substâncias químicas tóxicas;
  • Lesão renal;
  • Problemas com as artérias que irrigam os rins;
  • Uso de medicamentos, como analgésicos e medicações contra o câncer;
  • Retorno da urina para os rins (nefropatia por refluxo).

O risco de desenvolver insuficiência renal é maior se a pessoa for portadora de doenças crônicas como diabetes, pressão alta ou história familiar.

A doença renal crônica provoca o acúmulo de fluidos e resíduos no organismo. Essa condição afeta a maioria das funções e sistemas do corpo, podendo causar hipertensão arterial, diminuição do número de células do sangue, além de prejudicar a produção de Vitamina D e a saúde dos ossos.

Qual é o tratamento para problemas nos rins?

O tratamento para problemas nos rins inclui o uso de medicamentos, dieta, cuidados especiais e mudanças no estilo de vida. Se os rins deixarem de funcionar completamente, é necessário realizar um transplante ou tratamento com diálise, que substitui a função normalmente desempenhada pelos rins.

O controle da pressão arterial retarda os danos aos rins. Para isso, são utilizados medicamentos específicos. O objetivo é manter a pressão arterial igual ou inferior a 130/80 mmHg (“13 por 8”).

Mudanças no estilo de vida e alguns cuidados especiais podem ajudar a proteger os rins e prevenir doenças, como:

  • Não fumar;
  • Consumir alimentos pobres em gordura e colesterol;
  • Praticar atividade física regularmente;
  • Controlar os níveis de colesterol e glicose (açúcar) no sangue;
  • Evitar consumir sal ou potássio em excesso.

Outros tratamentos podem incluir:

  • Uso de medicamentos fixadores de fosfato para ajudar a evitar altos níveis de fósforo no corpo;
  • Suplementação com ferro, aumento do consumo de alimentos ricos em ferro, uso de medicamento (eritropoetina) e transfusões de sangue para tratar a anemia;
  • Suplementação com cálcio e vitamina D.

Na presença de sintomas de problemas nos rins, consulte um médico de família ou um clínico geral.

Quais os níveis ideais de colesterol no sangue?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os níveis ideais de colesterol no sangue são diferentes para homens e mulheres e variam conforme a idade. Para pessoas (homem ou mulher) com até 19 anos, os valores ideais de colesterol são os seguintes:

  • Colesterol total: Menos de 170 mg/dL;
  • Colesterol não HDL: Menos de 120 mg/dL;
  • Colesterol LDL (colesterol “ruim”): Menos de 100 mg/dL;
  • Colesterol HDL (colesterol “bom”): Mais de 45 mg/dL.

Homens com 20 anos ou mais devem apresentar os seguintes valores de colesterol no sangue:

  • Colesterol total: 125 a 200 mg/dL;
  • Colesterol não HDL: Menos de 130 mg/dL;
  • Colesterol LDL (colesterol “ruim”): Menos de 100 mg/dL;
  • Colesterol HDL (colesterol “bom”): 40 mg/dL ou mais.

Para mulheres com 20 anos ou mais, os níveis ideais de colesterol são:

  • Colesterol total: 125 a 200 mg/dL;
  • Colesterol não HDL: Menos de 130 mg/dL;
  • Colesterol LDL (colesterol “ruim”): Menos de 100 mg/dL;
  • Colesterol HDL (colesterol “bom”): 50 mg/dL ou mais.

Os triglicerídeos são gorduras ingeridas através da alimentação e também produzidas pelo organismo, que servem de reserva energética para seu metabolismo. Os níveis séricos não devem ultrapassar 150 mg/dL.

O que é o colesterol?

O colesterol é um tipo de gordura encontrada em todas as células do corpo. O colesterol é produzido pelo fígado e encontrado em alguns alimentos, como carnes e laticínios.

O corpo humano precisa de colesterol para funcionar adequadamente. Porém, se os níveis de colesterol no sangue estiverem altos, aumentam os riscos de doenças cardiovasculares, como infarto e derrame cerebral.

Colesterol HDL

HDL é a significa em inglês para lipoproteína de alta densidade. Isso significa que esse colesterol é relativamente “pesado”, por isso não flutua na superfície do sangue e não se acumula na parede das artérias. Daí ser conhecido como “bom” colesterol, pois além de não formar placas de gordura nas artérias, remove o colesterol ruim (LDL) do sangue.

Colesterol LDL

LDL é a sigla em inglês para lipoproteína de baixa densidade. Ao contrário do bom colesterol, o LDL é mais leve e por isso tende a se acumular na parede das artérias, formando placas de gordura que podem obstruir o fluxo de sangue e causar infarto e derrame cerebral (AVC). Por isso é conhecido como colesterol "ruim".

Colesterol VLDL

VLDL é a sigla em inglês para lipoproteína de muito baixa densidade. Também é considerado como colesterol "ruim", pois também contribui para o acúmulo de placas de gordura nas artérias.

O que pode aumentar os níveis de colesterol? Fumar

Fumar aumenta os níveis de LDL e diminui os níveis do bom colesterol (HDL). o que contribui para o maior risco de acúmulo de gordura nos vasos.

Idade e sexo

À medida que mulheres e homens envelhecem, seus níveis de colesterol aumentam. Antes da menopausa, as mulheres apresentam níveis mais baixos de colesterol total do que os homens da mesma idade. Após a menopausa, os níveis de colesterol LDL nas mulheres tendem a aumentar.

História familiar

A genética pode determinar a quantidade de colesterol que o corpo produz. Por isso, é comum haver vários casos de colesterol alto na mesma família.

O que pode diminuir os níveis de colesterol? Dieta

Alimentos ricos em gordura de origem animal (gordura saturada), aumentam os níveis de colesterol LDL no sangue. A gordura saturada está presente em alimentos como carnes, laticínios, chocolate, alimentos processados e fritos. Reduzir o consumo desses alimentos ajuda na redução do colesterol ruim e elevar o bom.

Atividade física

A atividade física regular pode ajudar a diminuir o colesterol ruim (LDL) e aumentar o bom (HDL), além de contribuir para a perda de peso. Para isso, recomenda-se praticar exercícios físicos durante 30 minutos, pelo menos 4 vezes por semana ou diariamente.

Pessoas com mais de 20 anos de idade devem verificar os níveis de colesterol pelo menos uma vez a cada 5 anos. Homens com 45 a 65 anos e mulheres dos 55 aos 65 anos devem realizar o exame de colesterol uma vez a cada 1 ou 2 anos.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico clínico geral ou médico de família.

Quais as causas de dor na barriga?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A dor na barriga é uma queixa muito comum e, na maioria das vezes, não indica nada de grave, mesmo quando a dor abdominal é forte. É normal, por exemplo, sentir dor de barriga intensa (cólicas) se a pessoa tiver gases intestinais ou dores no estômago, em casos de gastroenterite.

Porém, as dores abdominais podem ser sintomas de doenças e condições que podem ser fatais, como câncer de cólon ou apendicite. Nesses casos, a dor pode inclusive ser leve e não tem necessariamente que ser forte, sobretudo nas fases iniciais.

A dor na barriga pode se manifestar de diferentes formas, de acordo com a causa. A dor abdominal pode ser generalizada, localizada, tipo cólica ou cãibra.

Dor na barriga generalizada

A dor nesses casos é sentida em mais da metade da barriga. Esse tipo de dor é mais típico em casos de infecção no estômago causada por vírus, indigestão ou gases. Se a dor se tornar mais intensa, pode ser causada por obstrução do intestino.

Dor na barriga localizada

Ocorre em apenas uma área do abdômen. É provável que esse tipo de dor abdominal seja sintoma de algum problema no apêndice (apendicite), na vesícula biliar ou no estômago.

Dor na barriga tipo cãibra

Na maioria das vezes, essa dor na barriga não indica nada de grave, sendo causada principalmente por gases e inchaço abdominal. Em geral, é acompanhada por diarreia. Contudo, se a dor abdominal ocorrer com frequência, durar mais de 24 horas ou vier acompanhada de febre, deve ser investigada, pois pode ser sintoma de algo mais sério.

Dor na barriga tipo cólica

Esse tipo de dor ocorre em crises, é intensa e geralmente começa e termina subitamente. A dor abdominal tipo cólica é causada muitas vezes por cálculos renais ou biliares (pedras nos rins ou na bile).

O que pode causar dor na barriga?
  • Prisão de ventre;
  • Síndrome do intestino irritável;
  • Alergias ou intolerância a certos alimentos, como intolerância à lactose, por exemplo;
  • Intoxicação alimentar;
  • Gastroenterite viral;
  • Apendicite;
  • Aneurisma da aorta abdominal;
  • Obstrução intestinal;
  • Câncer de estômago, cólon (intestino grosso) e outros órgãos abdominais;
  • Colecistite (inflamação da vesícula biliar) com ou sem cálculos;
  • Diminuição do suprimento sanguíneo para os intestinos (isquemia intestinal);
  • Diverticulite (inflamação e infecção do cólon);
  • Acidez gástrica, indigestão ou refluxo gastroesofágico;
  • Doença inflamatória intestinal (doença de Crohn ou colite ulcerativa);
  • Cálculos renais (pedras no rim);
  • Pancreatite (inflamação ou infecção do pâncreas);
  • Úlceras.

Às vezes, a dor abdominal pode ter origem em outra parte do corpo, como tórax ou pelve (“pé da barriga”). Nesses casos, a dor na barriga pode ter como causas:

  • Cólicas menstruais intensas;
  • Endometriose;
  • Fadiga muscular;
  • Doença inflamatória pélvica (DIP);
  • Gravidez tubária (ectópica);
  • Ruptura de um cisto no ovário;
  • Infecções do trato urinário.
Quando procurar um médico se estiver com dor na barriga?

Em caso de dor abdominal, recomenda-se procurar atendimento médico com urgência se:

  • Estiver fazendo tratamento para câncer;
  • Não conseguir evacuar, especialmente se estiver vomitando;
  • Estiver vomitando sangue ou houver sangue nas fezes, principalmente se as fezes estiverem com coloração vermelho vivo, marrom ou preta;
  • Estiver com dores no peito, pescoço ou ombros;
  • Estiver com dor abdominal súbita e intensa;
  • Estiver com dor na parte de cima das costas, na região das escápulas (omoplatas) ou entre elas;
  • A barriga estiver dura e sensível ao toque;
  • Estiver grávida ou com suspeita de gravidez;
  • Teve uma lesão recente no abdômen;
  • Tiver dificuldade para respirar;
  • Tiver desconforto abdominal com duração de uma semana ou mais;
  • A dor na barriga não melhorar em 24 a 48 horas ou ficar mais intensa, frequente e vier acompanhada de náuseas e vômitos;
  • Tiver inchaço abdominal que persiste por mais de 2 dias;
  • Tiver sensação de queimação ao urinar ou estiver urinando com mais frequência;
  • Tiver diarreia por mais de 5 dias;
  • Tiver febre acima de 37,7°C (adultos) ou 38°C (crianças);
  • Tiver sangramento vaginal prolongado;
  • Perda de peso sem razão aparente.

Para maiores esclarecimentos sobre as dores abdominais e suas possíveis causas, consulte um médico de família ou um clínico geral.

Dor no peito: o que pode ser e o que fazer?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor no peito preocupa a todos, pelo medo de ser um sinal de infarto no coração. E embora essa não seja a causa mais comum de dor torácica, é uma das causas que mais oferece risco de vida, por isso deve mesmo ser sempre investigada.

Hoje existem protocolos bem estruturados de atendimento nas emergências médicas, com excelentes resultados quando a doença é tratada a tempo.

Na suspeita de um infarto agudo do miocárdio, procure um serviço de emergência imediatamente.

Como saber se a dor no peito é infarto do coração?

Os sintomas característicos de infarto agudo do miocárdio (IAM) são:

  • Dor ou desconforto no peito, de início súbito,
  • Localizada no lado esquerdo do peito (ou no meio do peito),
  • Tipo aperto, pressão ou desconforto, contínua,
  • A dor pode ser irradiada para o braço esquerdo, pescoço, mandíbula ou dorso (do mesmo lado),
  • Sintomas associados: Suor frio, tontura, náuseas, vômitos, fraqueza, mal-estar e falta de ar.

Vale ressaltar que portadores de diabetes podem não apresentar a dor no peito, mas apenas os sintomas de mal estar, suor frio, náuseas e vômitos. Por isso, em caso de diabetes, com esses sintomas, procure imediatamente um serviço de emergência para avaliação médica cardiológica.

Outras causas de dores no peito Problemas cardiológicos

1. Angina

A angina é considerada por alguns como o "princípio de infarto". De fato, a angina se caracteriza pela dor no meio do peito, tipo aperto, desconforto ou pressão, que pode ser irradiada para o braço esquerdo, pescoço, mandíbula ou dorso, e assim como no infarto, é causada pela falta de sangue em uma área do miocárdio (músculo do coração).

A grande diferença, é que a falta de sangue não é completa, a obstrução é parcial, portanto, o fluxo não é totalmente interrompido fazendo com que a dor dure menos de 15 a 20 minutos. A dor não é contínua, ela não dura mais de 20 minutos.

Quando a dor se mantém por mais de 20 minutos já caracteriza uma angina "instável" ou infarto.

No caso de angina, procure imediatamente um serviço de emergência médica. O tratamento é realizado com medicamentos sublinguais (para efeito mais rápido), com intuito de dilatar os vasos do coração, restituindo a circulação.

2. Endocardite

A endocardite é uma infecção no endocárdio (camada mais interna do coração). Os sintomas mais comuns são a febre, suor noturno, perda de peso, tosse e mal-estar.

Devido a tosse frequente, não é raro a presença de dor ou desconforto no peito. Entretanto não é um sintoma específico para essa doença. Contudo, por se tratar de uma doença grave com elevada taxa de mortalidade, deve entrar no grupo de causas possíveis a ser investigada.

O tratamento é feito com antibioticoterapia intravenoso, em ambiente hospitalar.

3. Pericardite

A pericardite é a infecção no pericárdio (uma espécie de "bolsa" que recobre o coração). A doença pode ser causada por uma infecção (bacteriana, fúngica ou viral), por trauma, uso crônico de medicamentos, doenças autoimunes ou pela presença de células neoplásicas (tumores).

Os sintomas característicos são a dor torácica no lado esquerdo do peito, que se irradia para o pescoço ou dorso, que melhora quando está sentado e piora quando se deita (decúbito dorsal).

O tratamento depende da gravidade do quadro e do agente causador dessa infecção. Sempre em ambiente hospitalar, pode ser tratado apenas com antibióticos venosos, ou associado a cirurgia.

4. Derrame pericárdico

O derrame pericárdico é o acúmulo de líquido no pericárdio. Os sintomas mais frequentes são a dor no peito do lado esquerdo, ou mais ao centro, tipo pressão ou aperto, associado a febre baixa, tosse e cansaço extremo.

O tratamento depende da causa do problema, do volume de líquido encontrado e do quadro clínico. Podendo ser conservador, com medicamentos, tratamento da causa e acompanhamento. Ou cirúrgico de urgência para os casos com falta de ar intensa e queda da pressão arterial.

5. Dissecção de aorta

A dissecção de aorta é uma emergência médica, uma das doenças que mais mata, se não tratada imediatamente. Chama-se dissecção, quando uma das camadas dos vasos se rompe, causando um extravasamento de sangue entre os folhetos do vaso.

Com o aumento da pressão entre essas paredes dos vasos, acontece uma ruptura do vaso, e sendo a aorta o maior vaso do corpo humano, o sangramento costuma ser fatal.

Os sintomas inicialmente são leves e inespecíficos, com dor entre os ombros, no meio do peito, sensação de peso no peito, dor no abdômen, fraqueza e ou mal-estar. O diagnóstico pode ser feito no exame clínico nos casos de aneurisma de grande volume na cavidade abdominal, ou por exames de imagem se for na região do tórax.

O tratamento é baseado no tamanho da dissecação, queixas e condições clínicas da pessoa.

Problemas pulmonares

1. Pneumonia

A pneumonia é a infecção do tecido pulmonar, geralmente decorrente de uma gripe mal curada. O principal sintoma é de dor no peito, em aperto ou pontadas, do lado acometido, que piora com a respiração profunda. Apresenta ainda, tosse produtiva, com secreção amarelada ou esverdeada, febre alta, falta de ar, fadiga e inapetência.

O tratamento é realizado com antibióticos. O médico da família, clínico geral ou pneumologista são os profissionais responsáveis pela confirmação desse diagnóstico e iniciar o devido tratamento.

2. Crise de asma (doenças crônicas do pulmão)

O processo de inflamação ou de fibrose encontrado nos problemas crônicos do pulmão, como a crise de asma, DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), dificultam a passagem de ar devido ao edema, causando como sintomas: a dor no peito, ou desconforto tipo pressão, mais comum no meio do peito ou difusa, com dificuldade de respirar, sibilos ("chiado") e tosse seca.

A crise de asma pode evoluir para o óbito se não for devidamente tratada. O tratamento se baseia em medicamentos dilatadores para os brônquios, corticoides, nebulizações e oxigênio.

Na suspeita de crise de asma, procure imediatamente um serviço de emergência médica.

3. Pneumotórax

O pneumotórax é o acúmulo de ar entre as pleuras do pulmão (membranas que recobrem os pulmões). O afastamento das pleuras, que costumam ser "coladas", causa dor intensa tipo pontadas ou "agulhadas", que piora muito com a respiração profunda.

O tratamento depende do volume de ar encontrado e do quadro clínico. Nos casos mais leves, de pequena quantidade de ar, o tratamento é tratar a causa do problema e acompanhamento. Mas nos casos de grande quantidade de ar, impedindo uma boa ventilação, a drenagem torácica deverá ser indicada.

4. Derrame pleural

O derrame pleural é o acúmulo de líquido entre as pleuras dos pulmões (membranas que recobrem os pulmões). Pode ser originado de traumas, infecções ou doenças autoimunes.

A separação das pleuras pelo líquido acumulado, causa dor no peito, no lado acometido, que piora com a respiração profunda. Pode haver também, febre, falta de ar e cansaço associados.

O tratamento depende da causa e do volume de líquido acumulado. No caso de comprometimento da respiração, está indicado drenagem torácica, para restabelecer a expansão dos pulmões, e possibilita coleta do material para análise.

5. Trauma

No trauma torácico, pode haver contusão ou fratura de costela(s). As fraturas resultam em dor intensa no local do trauma, dificuldade de respirar e de falar devido à dor, pôr 5 a 7 dias em média. O tratamento é repouso absoluto, para consolidação da lesão, e analgésicos potentes.

No trauma grave, com mais de 8 costelas fraturadas ("tórax instável"), a dificuldade respiratória pode evoluir para parada respiratória, o que pode ser fatal. Nesses casos o tratamento exige internação hospitalar, com monitorização, vigilância respiratória e quando necessário, intubação orotraqueal para assegurar uma boa oxigenação ao organismo, até sua consolidação.

6. Tuberculose pulmonar

A tuberculose pulmonar é uma doença endêmica no nosso país, altamente contagiosa, causada pela bactéria M. tuberculosis. Os sintomas típicos são de tosse seca ou produtiva, sudorese noturna, febre vespertina, cansaço e fraqueza.

A tosse é contínua, com duração de mais de 3 semanas, fato que acaba por desencadear a dor no peito, do lado comprometido, do tipo pressão ou pontadas.

O tratamento é baseado em medicamentos antibióticos específicos e orientações gerais. Esses medicamentos são oferecidos gratuitamente pelo Ministério da saúde, nos postos de saúde da cidade, aonde deve realizar também o acompanhamento solicitado pela equipe.

7. Embolia pulmonar

A embolia pulmonar é uma obstrução súbita de artérias do pulmão, impedindo o fluxo de sangue nessa região, com consequente isquemia ou infarto pulmonar. A causa mais comum é a formação de um coágulo nas veias da perna, que caem na circulação e chegam aos pulmões, aonde o calibre de veia é menor, impedindo a sua passagem.

É mais uma emergência médica, com alta taxa de mortalidade se não tratada dentro das primeiras horas.

O tratamento é realizado com medicamentos anticoagulantes, para dissolver esse coágulo (ou êmbolo), restabelecendo o mais rápido possível, o fluxo de sangue naquela região. Quanto antes for recanalizado o vaso, menor a chance de sequelas.

Problemas digestivos

1. Excesso de gases

Os sintomas de dores no peito devido a excesso de gases, são dores do tipo cólica ou em "pontadas", mais intensas na região abaixo das costelas. Tem como principal característica, a melhora da dor com a mudança de posição e ou com a eliminação de gases.

As dores por excesso de gases costumam estar associadas ao sedentarismo, alimentação gordurosa ou consumo excessivo de bebidas gaseificadas, como os refrigerantes e a água com gás.

Para evitar a formação excessiva de gases, é importante manter hábitos de vida saudáveis, como a prática regular de atividades físicas, alimentação saudável e preferir o consumo de água e sucos naturais. O uso de chás naturais e massagem auxiliam na melhora dos sintomas.

Nos casos de dor refratária, podem ser utilizados os medicamentos à base de simeticona (dimeticona), capazes de unir as bolhas de gás e acelerar a sua eliminação.

2. Refluxo gástrico

A doença do refluxo se caracteriza pelo retorno de uma parte do conteúdo do estômago para o esôfago, que origina a queimação no meio do peito, com sensação de peso ou "aperto" na região.

Isso acontece porque o conteúdo gástrico já foi misturado e contém uma quantidade de suco gástrico, um líquido ácido produzido no estômago para auxiliar a digestão dos alimentos.

Porém a parede do esôfago não é preparada para receber um conteúdo ácido, sendo assim, esse refluxo gera uma irritação na mucosa esofagiana, desencadeando os sintomas.

O refluxo é popularmente conhecido por azia.

Para reduzir o refluxo, é necessário comer mais vezes em menor quantidade, evitar beber líquidos junto com a comida, e evitar se deitar logo após as refeições.

O tratamento específico para cada caso, deverá ser definido por um médico gastroenterologista, após a identificação da causa do refluxo.

3. Espasmo esofagiano

Os distúrbios esofagianos alteram a sua motilidade, gerando contrações fortes, que chamamos de espasmos. A causa mais comum é a doença do refluxo, mas os espasmos podem ser desencadeados também por tabagismo, situações de estresse, alimentos ácidos, entre outros.

O sintoma de espasmo esofagiano é uma dor no meio do peito, tipo aperto ou pressão, de moderada a forte intensidade, intermitente, que piora após as refeições ou em situações de estresse importante ou crise de pânico.

O tratamento dependerá da causa do problema e da gravidade dos sintomas.

4. Tumor de esôfago

Nos casos de tumores, os sintomas são causados principalmente pela compressão de estruturas próximas. As queixas mais comuns são de dor no meio do peito, dificuldade de engolir, rouquidão e ou tosse.

Com a evolução da doença podem apresentar ainda, emagrecimento sem causa aparente, mal-estar, inapetência, febre baixa e sudorese.

Nesses casos, deve procurar seu médico da família e ou clínico geral para iniciar uma investigação ampla e assim possibilitar o tratamento mais indicado.

5. Gastrite

A gastrite é uma inflamação na mucosa do estômago, causada por diversas situações, como o uso crônico de medicamentos anti-inflamatórios, alimentação inadequada, infecção pela H.Pylori ou estresse contínuo.

A inflamação origina os sintomas de dor no meio do peito, dor abdominal, náuseas, má digestão, falta de apetite e perda de peso nos casos mais avançados.

A dor típica da gastrite é uma dor em queimação, conhecida popularmente como azia, que piora após as refeições ou com jejum prolongado, no meio do peito.

O tratamento se baseia na orientação alimentar, redução de fatores de risco, como tabagismo e alcoolismo, e medicamentos que reduzem a acidez do estômago, para restabelecer a mucosa gástrica, os inibidores de bomba de prótons.

Nos casos de infecção pela bactéria H.Pylori, é necessário o uso de antibióticos

6. Hérnia de hiato

A hérnia de hiato é a passagem de parte do estômago para o tórax, através do diafragma, o que causa grande desconforto ou dor no meio do peito, do tipo aperto ou pressão.

O tratamento depende da gravidade, tamanho da hérnia e condições de saúde de cada pessoa. A doença é mais comum no idoso, e por isso as opções devem ser bem avaliadas. Uma opção é a orientação alimentar e acompanhamento. Nos casos que não melhoram ou com muitas queixas, pode ser indicada a cirurgia para a correção da hérnia.

7. Pedras na vesícula

A vesícula é o órgão responsável por armazenar a bile e liberar para o intestino na presença de alimentos, com o objetivo de auxiliar na digestão. A presença de pedras pequenas na vesícula não interfere nesse processo, pois são eliminadas junto com as fezes sem que a gente perceba.

No entanto, as pedras grande ficam impactadas no seu interior e causam dor tipo cólica, do lado direito do abdômen, que se irradia para a região torácica à direita, quando se contrai para enviar a bile para os intestinos.

Esse é o motivo da dor se agravar logo após as refeições, e principalmente nas refeições mais gordurosas, quando é necessário enviar maior quantidade de bile para a digestão.

O tratamento se inicia com orientações alimentares, mas pode evoluir para cirurgia nos casos de dor crônica, inflamação aguda ou complicações graves, como a pancreatite por cálculos biliares.

O mais adequado é que trate adequadamente com as orientações dietéticas, para evitar as complicações que podem ser fatais.

Outros problemas que causam dor no peito

Para além dos problemas já descrito, outras situações podem resultar em dor no peito e por isso devem ser investigadas, como:

1. Crises de ansiedade

A dor no peito causada por ansiedade, costuma se localizar no meio do peito, do tipo aperto ou pressão, por vezes referida como "angústia no peito". Além disso, costuma estar associada a outros sintomas como: falta de ar, palpitação, formigamento no rosto ou nos braços, "bolo na garganta", pelo espasmo esofagiano, náuseas ou vômitos.

Isso acontece, porque durante uma crise de ansiedade ou pânico, o cérebro funciona da mesma maneira do que em uma situação de perigo real, preparando o organismo para a reação de fuga. Com isso aumenta os batimentos cardíacos, contrai a musculatura, aumenta a pressão arterial, reduz o calibre dos vasos, entre outras modificações, que originam todos esses sintomas.

No entanto, a única maneira de diferenciar com exatidão uma crise de ansiedade e o infarto do coração, é através do exame médico e exames complementares. Não existe um exame que confirme a ansiedade, trata-se de um diagnóstico de "exclusão".

No caso de dor no peito com os sintomas acima citados, o mais recomendado é que procure um atendimento médico de emergência, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento necessário.

2. Dor muscular

A dor muscular ou contratura muscular é uma das causas mais comuns de dor no peito. Pode ser decorrente de uso excessivo da musculatura, como em frequentadores assíduos de academia, por trauma, posturas ou movimentos repetidos, entre outras situações.

A dor muscular se caracteriza por piorar com o movimento e ou palpação, e melhorar com repouso e uso de medicamentos relaxantes musculares.

O tratamento irá depender da intensidade da dor, basta manter-se em repouso de 1 a 2 dias, ou associar o uso de anti-inflamatórios e analgésicos comuns.

Tipos de dores no peito, o que pode ser?

Na avaliação da dor no peito, a descrição da sua localização, pode auxiliar na pesquisa da causa desse problema.

Entenda com a tabela abaixo, os principais diagnósticos, para cada tipo de dor torácica.

Tipos de dores no peito O que pode ser?
Dor no peito à esquerda

Infarto agudo do coração, Dor muscular, Pneumonia, Asma, Pneumotórax, Derrame pericárdico, Gases.

Dor no meio do peito Refluxo gástrico, Espasmo esofagiano, Infarto agudo do miocárdio, Pericardite, Endocardite, Derrame pericárdico, Dissecção de Aorta, Hérnia de hiato, Asma, Ansiedade, Gases.
Dor no peito à direita Dor muscular, Pneumonia, Pneumotórax, Derrame pericárdico, Embolia, Pedras na vesícula, Gases.
Dor no peito que piora com a respiração profunda Pneumonia, Derrame pleural, Pneumotórax, Embolia pulmonar, Pericardite.
Dor no peito: quando procurar uma emergência?

Em caso de dor no peito, procure atendimento médico com urgência se:

  • A dor no peito tiver início súbito e vier acompanhada de sintomas como suor frio, mal-estar, dificuldade em respirar, batimentos cardíacos aumentados, náuseas e/ou vômitos;
  • A dor no peito se espalhar para mandíbula, braço esquerdo ou costas;
  • A dor no peito for forte e não melhorar após 20 minutos;
  • É portador de angina e o desconforto no peito se torna mais intenso subitamente ao praticar atividades leves ou dura mais tempo que o habitual;
  • Os sintomas de angina surgirem enquanto você estiver em repouso;
  • História prévia de ataque cardíaco ou embolia pulmonar;
  • Dor no peito associado a tosse com catarro verde e ou amarelado.
  • A dor no peito tiver início súbito e vier acompanhada de dificuldade para respirar, especialmente após viagem longa, permanecer muito tempo sentado (a), acamado(a) ou imobilizado(a) por cirurgia, por exemplo.

Em caso de dor no peito, verifique a ocorrência de outros sinais e sintomas procure um serviço de urgência, visto que as doenças cardiovasculares estão entre as principais causas de morte na população, e se iniciam com queixa de dor no peito.

Pode lhe interessar também: O que fazer no caso de dor no peito?

Como identificar sintomas de uma apendicite?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O primeiro sintoma da apendicite geralmente é a dor ao redor do umbigo ou na parte central do abdômen superior. Essa dor pode ser leve no início, mas se torna mais aguda e intensa com o passar das horas. Outros sinais e sintomas que podem estar presentes no início de uma crise de apendicite aguda incluem perda de apetite, náuseas, vômitos e febre baixa.

A dor da apendicite tende a irradiar para a parte inferior direita do abdômen, até se localizar em um ponto diretamente acima do apêndice. Isso ocorre com mais frequência depois de 12 a 14 horas do início dos primeiros sintomas, embora possa acontecer antes. A dor pode piorar ao caminhar, tossir ou fazer movimentos bruscos.

Apêndice vermiforme inflamado (apendicite)

Após esse período, outros sintomas podem surgir, como febre alta, calafrios, tremores, constipação, náuseas, vômitos e abdômen rígido.

A dor da apendicite aumenta ao pressionar o quadrante inferior direito do abdômen e soltar abruptamente. Se houver ruptura do apêndice, tocar nesse ponto da barriga já pode causar dor intensa e contração involuntária dos músculos.

Contudo, os sintomas da apendicite podem variar de caso a caso, dificultando um diagnóstico especialmente em crianças pequenas, adultos mais velhos e mulheres em idade reprodutiva.

O que é apendicite e quais são as causas?

A apendicite é uma condição na qual o apêndice vermiforme fica inflamado. O apêndice é um pequeno saco ou bolsa localizado no intestino grosso. A apendicite quase sempre ocorre quando o apêndice fica obstruído por fezes, corpo estranho, tumor ou, em situações mais raras, algum parasita.

Qual é o tratamento para apendicite?

O tratamento da apendicite é feito através de cirurgia, na qual o apêndice é removido. Se o exame de tomografia computadorizada identificar a presença de um abscesso, podem ser administrados medicamentos antibióticos associado a cirurgia, porém trata-se de uma emergência cirúrgica.

A maioria das pessoas com apendicite se recupera rapidamente após a operação, desde que o apêndice seja removido antes de se romper. Em caso de ruptura e disseminação da infecção para cavidade abdominal, a recuperação é mais demorada.

A apendicite pode trazer complicações antes e após a cirurgia em casos de abscesso, obstrução intestinal, infecção generalizada dentro do abdômen (peritonite) e infecção da ferida após a cirurgia.

A apendicite é uma emergência médica, por isso na suspeita da doenças pela presença de um desses sintomas, procure atendimento médico imediatamente.

Leia também: Qual é o tempo de recuperação de uma cirurgia de apendicite?

Íngua na axila: o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Íngua na axila pode ter muitas causas. A presença de um nódulo ou caroço na axila pode ser sinal de inchaço dos gânglios linfáticos (linfonodos), infecções ou cistos.

Os gânglios linfáticos são pequenos órgãos de defesa localizados em várias partes do corpo, como axilas, virilha e pescoço. Os linfonodos atuam como filtros que podem reter micro-organismos invasores (vírus, fungos, bactérias) ou células cancerígenas. Quando isso acontece, os gânglios aumentam de tamanho, dando origem à íngua, que pode ser sentida sob a forma de um caroço ou nódulo na axila.

Existem diversas doenças e condições que podem deixar os linfonodos aumentados e causar íngua na axila. Dentre elas estão:

  • Infecção no braço ou na mama;
  • Infecções sistêmicas, como mononucleose, AIDS ou herpes;
  • Câncer, como linfoma e câncer de mama.

A presença de cistos ou abscessos subcutâneos também podem produzir ínguas grandes e dolorosas na axila. Podem ser causados por depilação com lâmina e uso de antitranspirantes (não desodorantes). Esses nódulos ocorrem com mais frequência em adolescentes, quando começam a se depilar.

A presença de íngua na axila pode ser causada ainda por:

  • Doença da arranhadura do gato;
  • Lipomas (tumores gordurosos benignos);
  • Uso de certos medicamentos ou vacinas.

O tratamento da íngua na axila depende da causa. No caso das mulheres, o caroço pode ser sinal de câncer de mama, o que requer atenção especial e uma avaliação imediata por um médico.

Uma vez que a presença de caroços ou nódulos na axila pode indicar a presença de doenças graves, é altamente recomendável que na presença de ínguas nesse local, seja consultado um médico clínico geral ou médico de família para que a causa seja devidamente diagnosticada e tratada.

O que causa queda de cabelo e como tratar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A queda de cabelo parcial ou total é chamada de alopecia. A perda de cabelo ocorre gradualmente e pode acontecer de forma localizada ou generalizada. Em geral, todos nós perdemos cerca de 100 fios de cabelo por dia, sendo que o couro cabeludo contém cerca de 100.000 cabelos.

Quais as causas da queda de cabelo? Hereditariedade

Homens e mulheres tendem a perder a espessura e a quantidade de cabelos com a idade. Este tipo de queda de cabelo geralmente não é causado por doença e está relacionado com envelhecimento, herança genética e alterações no hormônio testosterona.

A perda de cabelo hereditária ou padrão afeta muito mais homens do que mulheres. A calvície masculina pode acontecer a qualquer momento após a puberdade. Aos 70 anos, cerca de 80% dos homens mostram algum sinal de queda de cabelo.

Estresse físico ou emocional

O estresse físico ou emocional pode causar a queda de mais da metade do cabelo. Esse tipo de perda de cabelo é chamado eflúvio telógeno. O cabelo tende a cair em mechas ao lavar, pentear ou passar as mãos pelos cabelos.

Nesses casos, a queda de cabelos pode ocorrer depois de semanas ou meses do episódio de estresse. Depois disso, a perda de cabelo tende a diminuir durante 6 a 8 meses. O eflúvio telógeno geralmente é temporário, mas pode se tornar crônico.

As causas desse tipo de queda de cabelo incluem:

  • Febre alta ou infecção grave;
  • Parto;
  • Grandes cirurgias, doenças graves, sangramento súbito;
  • Estresse emocional intenso;
  • Dietas radicais, especialmente aquelas que não contêm proteínas suficientes;
  • Medicamentos (retinoides, pílulas anticoncepcionais, beta-bloqueadores, bloqueadores dos canais de cálcio, alguns antidepressivos e anti-inflamatórios).

Algumas mulheres entre 30 e 60 anos podem notar uma queda de cabelo que afeta todo o couro cabeludo. A perda de cabelo pode ser abundante no início e depois diminui ou cessa gradualmente. A causa desse tipo de eflúvio telógeno não é conhecida.

Outras causas de queda de cabelo

Outras causas de queda de cabelo, especialmente se a perda de cabelo seguir um padrão incomum, incluem:

  • Alopecia areata (áreas sem cabelos ou pelos que surgem no couro cabeludo, na barba, nas sobrancelhas, podendo ainda haver queda de cílios);
  • Anemia;
  • Doenças autoimunes, como lúpus;
  • Queimaduras;
  • Doenças infecciosas, como sífilis;
  • Excesso de lavagens do cabelo ou uso excessivo de secador;
  • Alterações hormonais;
  • Doenças da tireoide;
  • Puxar os cabelos continuamente ou esfregar o couro cabeludo;
  • Radioterapia;
  • Micose do couro cabeludo;
  • Tumor no ovário ou nas glândulas suprarrenais;
  • Penteados que aumentam muito a tensão nos folículos capilares;
  • Infecções bacterianas do couro cabeludo.
Qual é o tratamento para queda de cabelo?

A queda de cabelo causada por menopausa ou parto geralmente desaparece depois de 6 meses a 2 anos. A perda de cabelo devido a doença (como febre), radioterapia, uso de medicamentos ou outras causas, não necessita de tratamento. Nesses casos, o cabelo volta a crescer quando a doença cessar ou o tratamento terminar.

O uso de extensões, perucas ou mudanças de penteado podem ajudar a disfarçar a queda de cabelo. As perucas não devem ser suturadas (costuradas) no couro cabeludo devido ao risco de cicatrizes e infecções.

Podem ser indicados ainda medicamentos em forma de solução, como minoxidil, para serem aplicados no couro cabeludo e estimular o crescimento do cabelo. Outros medicamentos, como hormônios, podem ser prescritos para diminuir a perda de cabelo e promover o crescimento.

Para tratar a queda de cabelo em homens, podem ser utilizadas medicações como finasterida e dutasterida para diminuir a perda de cabelo e gerar novo crescimento capilar.

Se a queda de cabelo for causada pela deficiência de alguma vitamina, recomenda-se o uso de suplemento.

O transplante capilar também pode ser indicado em algumas situações de queda de cabelo.

O médico dermatologista é o especialista indicado para diagnosticar e tratar casos de perda de cabelo.

O que é a Doença Bipolar?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A Doença Bipolar, ou Transtorno afetivo bipolar, é um transtorno mental em que a pessoa tem mudanças extremas de humor. A bipolaridade caracteriza-se por períodos de tristeza ou depressão alternados com períodos de alegria e atividade ou mau humor e irritação.

A Doença Bipolar afeta homens e mulheres e geralmente tem início entre os 15 e os 25 anos de idade. A causa exata do transtorno é desconhecida, mas sabe-se que ocorre com mais frequência em parentes de pessoas que sofrem desse distúrbio.

Na maioria das pessoas com transtorno bipolar, não há uma causa clara para os períodos de extrema felicidade e muita atividade ou energia (mania) ou baixa atividade ou energia (depressão).

Alguns fatores que podem desencadear um episódio de mania: parto, medicamentos antidepressivos ou esteroides, insônia e uso de drogas psicoativas.

Quais os sintomas da Doença Bipolar?

Os sintomas da Doença Bipolar variam conforme a fase em que a pessoa está: mania ou depressão. A fase maníaca pode durar de dias a meses. Os sintomas podem incluir:

  • Distração fácil;
  • Participação excessiva em atividades;
  • Pouca necessidade de dormir;
  • Fraca capacidade de discernir;
  • Falta de controle do temperamento;
  • Comportamentos imprudentes e falta de autocontrole (beber, usar drogas, ter relações com muitos parceiros, jogar e gastar dinheiro de forma exagerada);
  • Humor muito irritado, pensamentos apressados, excesso de conversa e crenças falsas sobre as suas próprias habilidades.

Já o período depressivo caracteriza-se por:

  • Tristeza ou humor deprimido diariamente;
  • Dificuldade de concentração, memória ou tomada de decisões;
  • Problemas com a alimentação, como falta de apetite e perda de peso ou consumo exagerado de alimentos e ganho de peso;
  • Fadiga ou falta de energia;
  • Sentimentos de incapacidade, desesperança ou culpa;
  • Perda de prazer com atividades que antes despertavam interesse;
  • Falta de autoestima;
  • Pensamentos de morte ou suicídio;
  • Dificuldade em adormecer ou dormir demais;
  • Afastar-se de amigos.

Uma pessoa bipolar tem um alto risco de cometer suicídio. O consumo de álcool ou outras substâncias em excesso é comum, o que pode piorar os sintomas e o risco de suicídio.

Os episódios de depressão são mais frequentes que os de mania. Porém, os sintomas de depressão e mania podem ocorrer juntos, o que é chamado de estado misto.

Doença Bipolar tem cura? Qual é o tratamento?

A Doença Bipolar não tem cura, mas tem tratamento, que pode levar ao controle dos sintomas por longos períodos. Os principais objetivos do tratamento do transtorno bipolar é tornar os episódios menos frequentes e intensos, ajudar a pessoa a ter um bom desempenho geral, melhorar a sua vida pessoal e profissional e prevenir a autoagressão e o suicídio.

Medicamentos

Os medicamentos são uma parte essencial no tratamento da doença bipolar. Quase sempre, os primeiros medicamentos usados são os chamados estabilizadores de humor, que ajudam a evitar os altos e baixos do humor e as mudanças extremas na atividade e no nível de energia.

Se os estabilizadores de humor não forem suficientes para controlar os sintomas, podem ser indicados outros medicamentos, como antipsicóticos e antidepressivos.

Outros tratamentos

A psicoterapia também pode ajudar pessoas com transtorno bipolar, bem como a participação em grupos de apoio.

Se a Doença Bipolar não responder à medicação, pode ser usada a eletroconvulsoterapia para a fase maníaca ou depressiva.

Pessoas bipolares que estão no meio de episódios maníacos ou depressivos podem precisar permanecer em um hospital até que seu humor se estabilize e seu comportamento esteja sob controle.

Esses pacientes também podem ter problemas com abuso de álcool ou drogas, além de problemas financeiros, nos relacionamentos interpessoais, na escola e no trabalho.

O suicídio é um risco muito real durante a mania e durante a depressão. Por isso, pessoas com transtorno bipolar que pensam ou falam sobre suicídio precisam receber tratamento com urgência.

O médico psiquiatra é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento da Doença Bipolar.

Febre: quando é hora de procurar um médico?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A febre é o aumento temporário da temperatura corporal em resposta a alguma doença ou condição. Uma criança ou bebê tem febre quando a temperatura do corpo está igual ou superior a 37,8°C, quando esta temperatura for medida na axila. Um adulto está febril quando a temperatura está acima de 37,5°C e com febre a partir de 37,8ºC.

Em caso de febre, deve-se procurar um médico se a criança ou o bebê estiver chorando e não conseguir se acalmar, se a pessoa não acordar facilmente ou não acordar, parecer confusa, não conseguir andar, tiver dificuldade para respirar, estiver com unhas, língua ou lábios roxos, tiver dor de cabeça muito forte, apresentar rigidez de nuca, recusar-se a mexer um braço ou uma perna (crianças) ou ainda tiver convulsão.

Febre em bebê e criança: quando procurar um médico?

Bebês e crianças com febre devem ser vistos por um médico pediatra nas seguintes condições:

  • Bebê com 3 meses ou menos, com febre;
  • Febre acima de 40ºC;
  • Febre com mais de 3 a 4 dias que não melhora, ou apresenta picos febris espaçados durante uma semana ou mais;
  • Presença de manchas, erupções ou hematomas na pele;
  • Presença de gemido, convulsões, dificuldade respiratória, vômitos incoercíveis ou sinais de desidratação;
  • Criança se apresenta prostrada ou sonolenta;
  • Presença de doenças crônicas ou graves, como problemas cardíacos, anemia falciforme, diabetes ou fibrose cística;
  • Imunidade baixa devido a tratamento prolongado com corticoide, transplante de medula óssea ou órgão, remoção de baço, tratamento de HIV ou câncer;

A doença provavelmente não é grave se a criança tiver interesse em brincar, estiver comendo e bebendo bem, estiver acordada e sorrindo, apresentar uma cor de pele normal e um bom estado geral quando a temperatura cai.

Febre em adultos: quando procurar um médico?

Um adulto com febre deve procurar um médico nas seguintes situações:

  • Febre persistente por mais de 3 a 5 dias, que permanece por semanas em picos espaçados ou se mantém por mais de uma semana mesmo sendo baixa;
  • Presença de outros sintomas confusão mental, vômitos incoercíveis, dor de cabeça que interfere nas atividades diárias, rigidez de nuca, dificuldade em respirar ou dor no peito, urina mais escura ou dor ao urinar;
  • Presença de manchas, erupção cutânea ou hematomas;
  • Presença de doença grave, como problemas cardíacos, anemia falciforme, diabetes, fibrose cística, DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) ou outros problemas pulmonares crônicos;
  • Imunidade baixa causada por terapia prolongada com corticoide, transplante de medula óssea ou órgão, remoção de baço, tratamento de HIV ou câncer;
  • Viagem recente para outro país.
Qual é a temperatura normal do corpo?

A temperatura normal do corpo varia entre 36,1ºC e 37,2ºC. Vale lembrar que a temperatura corporal pode variar de acordo com a hora do dia, sendo geralmente mais alta no início da noite. Outros fatores que podem afetar a temperatura do corpo:

  • Fase do ciclo menstrual (na segunda metade do ciclo, a temperatura corporal da mulher pode aumentar em 1ºC ou mais);
  • Atividade física;
  • Emoções fortes;
  • Alimentação;
  • Roupas grossas;
  • Uso de medicamentos;
  • Temperatura ambiente elevada;
  • Umidade do ar alta.

A febre é um importante mecanismo de defesa do organismo contra infecções, já que a maioria das bactérias e vírus que causam infecções prosperam melhor à temperatura de 37°C.

O que fazer para baixar a febre antes de procurar um médico? Cuidados gerais
  • Retire o excesso de roupas ou cobertores;
  • Mantenha o local com uma temperatura confortável, nem muito quente, nem muito fria;
  • Use uma camada de roupa e um cobertor leve para dormir;
  • Tome um banho morno ou passe uma esponja molhada no corpo para ajudar a baixar a temperatura (essa medida é especialmente eficaz após a administração de medicamentos);
  • Não tome banhos frios nem espalhe álcool pelo corpo, pois esfriam a pele e muitas vezes pioram a situação, causando calafrios, o que aumenta a temperatura do corpo.
Medicamentos

Para bebês com mais de 6 meses de idade e adultos, são indicados medicamentos como dipirona, paracetamol e ibuprofeno, que podem ser administrados quando a criança ou adulto apresenta desconforto importante ocasionado pela febre. O ácido acetilsalicílico (aspirina) não deve ser usado em crianças, exceto com indicação do pediatra.

No caso de bebês com até 3 meses de idade, consulte o médico pediatra antes de administrar os medicamentos.

O tratamento para casos de febre depende da duração e da causa da febre, além de outros sintomas.

Para maiores informações, consulte um médico clínico geral ou um médico de família.

Dor no peito é sintoma de ataque cardíaco?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor no peito é o sintoma mais comum de um ataque cardíaco. A dor do infarto geralmente é intensa, não melhora com o repouso e dura mais de 20 minutos, podendo irradiar do meio do peito para o braço (principalmente braço esquerdo), ombro, pescoço, mandíbula, abdômen ou costas. O ataque cardíaco também pode causar sensação de aperto, peso ou pressão no tórax.

Além da dor no peito, os sintomas do infarto do miocárdio podem incluir: ansiedade, tosse, sudorese fria, tontura, vertigem, náusea, vômito, batimentos cardíacos rápidos ou irregulares, dificuldade para respirar, falta de ar e desmaio.

Contudo, algumas pessoas, principalmente idosos, diabéticos e mulheres, podem ter pouca ou nenhuma dor no peito. Nesses casos, o ataque cardíaco pode se manifestar apenas com quadro de sudorese fria, cansaço, mal-estar e fraqueza, dificultando o rápido diagnóstico. Devemos estar sempre atentos a essa possibilidade.

O que fazer em caso de sintomas de infarto?

A primeira coisa a fazer na presença de sinais e sintomas de um ataque cardíaco é levar a pessoa para um hospital com urgência. Se não for possível, ligue para o número 192 para chamar uma ambulância. Enquanto aguarda pelo socorro:

  • Peça para a pessoa se sentar ou deitar;
  • Desaperte qualquer roupa apertada;
  • Pergunte à pessoa se ela toma algum medicamento para dor no peito, como a nitroglicerina, e ajude-a a tomá-lo;
  • Não deixe a pessoa sozinha, exceto para pedir ajuda, se necessário;
  • Não espere para ver se os sintomas desaparecem;
  • Não dê nada à pessoa por via oral, a menos que tenha sido prescrito um medicamento, como a nitroglicerina, para casos como esse de dor no peito.

No caso da pessoa estar inconsciente e não reagir, inicie a massagem cardíaca:

Coloque uma mão sobre a outra e faça 30 compressões fortes e ritmadas no meio do peito da vítima, usando o peso do próprio corpo para fazer a compressão (procure manter um ritmo de cerca de 100 a 120 compressões por minuto). Continue a massagem cardíaca até à chegada do socorro.

Veja também: Saiba como identificar um infarto cardíaco e conheça os sintomas

O que causa um infarto?

A maioria dos ataques cardíacos é causada por um coágulo de sangue que “entope” uma das artérias coronárias, que são responsáveis pela irrigação sanguínea do músculo do coração (miocárdio). Com a interrupção do fluxo sanguíneo, o coração sofre com a falta de oxigênio e as células cardíacas morrem.

A obstrução da artéria coronária também pode ser causada pela formação de uma placa de gordura, composta principalmente por colesterol, que se acumula nas paredes do vaso sanguíneo, obstruindo parcial ou totalmente a irrigação sanguínea do miocárdio. Essa falta de sangue leva a morte do músculo cardíaco, denominado "isquemia" do coração.

A falta de sangue e oxigenação adequadas no miocárdio, é a causa do sintoma de dor no peito. Por isso, se já tem a dor, já está havendo sofrimento do músculo, por isso a urgência em procurar atendimento médico.

Um ataque cardíaco é uma emergência médica. Quanto mais rápido a pessoa receber atendimento, menor será a extensão da lesão, com menos danos ao coração e maior a chance de sobreviver ao infarto.

Leia também: Doenças cardiovasculares: Quais os fatores de risco e como prevenir?