Perguntar
Fechar

Últimas Questões

6 causas de mau cheiro no umbigo e como tratar
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O umbigo é uma região do corpo que quase sempre está fechado e húmido, por isso se não for limpo e seco adequadamente, pode causar mau cheiro e feridas no local.

Além da má higiene, outras situações que causam odor desagradável no umbigo são a foliculite (pelo inflamado), infecção, piercing inflamado, persistência do úraco e diabetes descompensada.

1. Má higiene

Como é a causa mais frequente do mau cheiro no umbigo, a primeira recomendação é sempre de lavar a região do umbigo com água corrente e sabão neutro no banho, diariamente.

Se mesmo assim o cheiro permanecer, ou se perceber outros sinais como vermelhidão e dor local, é preciso procurar atendimento médico, para pesquisar a presença de uma infecção ou inflamação local.

No caso de infecção é preciso iniciar antibiótico tópico, como neomicina®. A pomada deve ser aplicada após limpar e secar bem a região, e sempre em pequena quantidade, para não deixar a região ainda mais úmida.

2. Foliculite (pelo inflamado)

O umbigo possui pelos no seu interior, embora pequena quantidade. O acúmulo de humidade, restos de células mortas e fungos naturais da região, podem dar origem a uma inflamação nesse folículo piloso. Os sintomas são de dor e vermelhidão.

O tratamento deve ser feito com a mesma limpeza local, com cuidado, secar bem a região. Pode ser preciso ainda incluir pomada anti-inflamatória ou antibiótico, no caso de sinais de infecção (como secreção com mau cheiro).

3. Infecções

A infecção bacteriana se caracteriza pela proliferação de bactérias, geralmente após uma inflamação mal cuidada. Os sintomas nesse caso incluem secreção amarelada, com mau cheiro, dor intensa, calor e vermelhidão, algumas vezes, febre.

O tratamento é feito com antibióticos, em pomada e/ou comprimidos. Uma pomada bastante utilizada nesses casos é o nebacetim®.

A infecção fúngica é desencadeada pelo crescimento desordenado da quantidade de fungos. A secreção tem aspecto mais esbranquiçado, com mau cheiro e grumos.

O tratamento deve ser feito com pomadas antifúngicas, como cetoconazol® creme. Por vezes pode ser acrescentado medicamento oral antifúngico.

Pós-operatório, seja de uma pequena cirurgia, como correção de hérnia umbilical ou uma endometriose umbilical, podem evoluir com infecção da ferida, o que causa mau cheiro, dor e secreção purulenta na região.

Nesse caso, de infecção cirúrgica, pode ser preciso iniciar antibióticos, ou até avaliar uma possível drenagem do local.

4. Piercing inflamado

Pessoas com piercing no umbigo, precisam limpar diariamente o umbigo, aplicar pomadas cicatrizantes nos primeiros dias, como o bepantol®, e pelo menos 1x por semana retirar o acessório, para uma limpeza mais criteriosa.

Limpar o orifício sem o piercing e enquanto faz a limpeza mantém o acessório um tempo imerso em água salgada ou álcool 70%, para evitar o acúmulo de bactérias.

Se mesmo assim permanecer com sinais de inflamação, dor, vermelhidão e calor local, procurar um médico para avaliar o início de medicamentos como anti-inflamatório e antibiótico tópico, como a nebacetim® pomada.

5. Persistência do úraco

O úraco é uma ligação entre a bexiga que o umbigo, que durante a formação do bebê dentro do útero materno, é fundamental para levar os nutrientes até o bebê. Mas após o nascimento é naturalmente fechado. Quando esse canal se mantém, pode formar cistos e secreção com mau cheiro, devido a presença de urina.

O tratamento é feito com anti-inflamatório e antibiótico, se for confirmado sinal de infecção e cirurgia para o fechamento definitivo do canal.

6. Diabetes

Pessoas portadoras de diabetes tem uma maior tendência a proliferação de fungos, pois são germes que se alimentam do açúcar. Para evitar infecções fúngicas de repetição, é importante sempre ter atenção as regiões mais fechadas e húmidas, como o umbigo, virilhas, axilas e ente os dedos dos pés e adotar o hábito de limpar e secar diariamente.

Contudo, na presença de dor vermelhidão, coceira ou secreção, informar ao seu médico endocrinologista.

Mau cheiro em umbigo de criança, o que pode ser?

Na maioria das vezes também é uma situação de má higiene, porém, em crianças pequenas ou com umbigo mais profundo, é fundamental olhar com atenção no interior da cavidade, com o dedo ou com uma lanterna, porque podem em situação de brincadeira, colocar um objeto pequeno e esquecer, o que chamamos de corpo estranho, e o organismo em resposta, dá origem a uma infecção grave de pele ou até formação de abscesso local.

O tratamento pode ser feito com a retirada do objeto e limpeza local, ou quando preciso, drenagem do abscesso.

Para maiores esclarecimentos sobre mau cheiro no umbigo, converse também com o seu médico de família.

Pode lhe interessar ainda, os seguintes artigos:

O que é e como tratar a colpite difusa? Tem cura?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Colpite é uma inflamação da mucosa vaginal, ou seja, o revestimento de todas as paredes da vagina até o colo do útero. É chamada de colpite difusa quando pontos avermelhados estão presentes em toda a mucosa vaginal e no colo do útero.

Quanto maior o número de pontos vermelhos, mas grave e intensa é a inflamação.

A colpite difusa tem cura e somente pode ser confirmada através do exame ginecológico. O seu tratamento depende do agente causador da doença.

Tratamento da Colpite Difusa

O tratamento da colpite difusa é feito com medicamentos orais, cremes ou óvulos vaginais, de acordo com os seus agentes causadores, dentre os quais os mais comuns são: a Candida albicans, Gardnerella vaginallis e Trichomonas vaginalis.

Tratamento da colpite causada por Candida albicans

A colpite provocada pelo fungo chamado de Candida albicans tem duração de 3 a 14 dias e pode ser efetuado com:

  • Medicamentos orais: fluconazol, itraconazol ou cetoconazol,
  • Cremes vaginais: nistatina ou miconazol,
  • Óvulos vaginais: miconazol ou clotrimazol.
Tratamento da colpite causada por Gardnerella vaginallis

A Gardnerella vaginallis é uma bactéria que também pode provocar colpite difusa. Nestes casos, o tratamento dura em torno de 7 dias e é realizado também com uso de antibióticos.

  • Medicamentos orais: metronidazol e clindamicina,
  • Creme vaginal: clindamicina,
  • Gel vaginal: metronidazol.
Tratamento da colpite causada por Trichomonas vaginalis

O Trichomonas vaginalis é um protozoário flagelado de elevada transmissão sexual. Nas colpites causadas por este agente somente são usados medicamentos orais por um período de 7 dias.

  • Medicamentos orais: metronidazol e tinidazol.

Os tratamentos locais com cremes vaginais e óvulos não são indicados e os parceiros sexuais devem ser tratados. Para as mulheres grávidas, somente é indicado o uso de metronidazol a partir do segundo semestre de gestação. Além disso, as pessoas sem sintomas não devem ser tratadas.

Colpite difusa tem cura

A cura da colpite difusa envolve uma avaliação por meio dos sintomas apresentados pela paciente e pelo exame ginecológico. Com base nesta avaliação, o ginecologista define o melhor tratamento que pode incluir medicamentos orais, cremes vaginais e/ou óvulos.

Em alguns casos, especialmente quando a colpite é provocada por bactérias, os parceiros sexuais também devem ser tratados.

Para curar definitivamente, é fundamental o seguimento rigoroso do tratamento.

Quais os sintomas da colpite?

Os sintomas da colpite variam de acordo com o agente que está causando a doença e incluem:

  • Corrimento vaginal: é o principal sintoma e pode ser branco, amarelado, acinzentado ou esverdeado que pode ter ou não odor fétido,
  • Coceira (prurido),
  • Ardência ao urinar (disúria)
  • Edema na região da vulva,
  • Vermelhidão,
  • Dor durante as relações sexuais (dispaurenia).
O teste de Schiller pode ajudar a saber se tenho colpite

Além de avaliar os sintomas e as características da inflamação na mucosa da vagina, o ginecologista realiza o teste de Schiller.

Este teste é feito durante o exame ginecológico em que o médico passa, na parte interna da vagina e no colo do útero, uma substância com iodo. O uso desta substância permite identificar alterações nas células desta região que indicam inflamação ou infecção,

Para saber mais sobre colpites, você pode ler:

O que é colpite e o que pode causar?

Candidíase vaginal: tratamentos com medicamentos e remédios caseiros

Vulvovaginite: Quais os sintomas e como é o tratamento?

Referências

Centers for Disease Control and Prevention. CDC. Sexually Transmitted Diseases Treatment Guidelines, 2019. UpToDate®

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetricia. Guidelines Manual in the lower genital tract and colposcopy. FEBRASGO, 2018.

Primo, W.Q.S.P.; Corrêa, F.J.S.; Brasileiro, J.P.B. Manual de Ginecologia da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de Brasília. SBGO, 2017.

Com quantas semanas a genitália do bebê está totalmente formada?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A genitália de um bebê estará totalmente formada por volta da 10ª ou 12ª semana de gestação, que significa o final do terceiro mês de gravidez.

No entanto, parte desses órgãos ainda estarão dentro do abdômen do bebê, mantendo a aparência externa muito parecida entre os meninos e as meninas.

Por isso, para identificar o sexo do bebê através do exame de ultrassonografia, é preciso aguardar pelo menos o quarto mês de gestação, quando as estruturas externas poderão ser vistas com maior clareza pelo médico radiologista.

Como é formada a genitália do bebê

A formação dos órgãos genitais femininos e masculinos, os ovários e testículos, se iniciam já na 8ª semana (2 meses de gestação), no entanto, se mantendo na cavidade abdominal.

Os caracteres sexuais externos, como a formação da vagina na menina, e do pênis no menino, só começam no final do 3º mês de gravidez (10 a 12 semanas).

Ao final de 13 semanas, início do quarto mês de gravidez, já é possível analisar a genitália do bebê, embora alguns fatores possam interferir nessa avaliação, como a experiência do médico, posição do bebê e aparelho utilizado.

A partir do quinto mês, ou 16 semanas, fica mais segura a avaliação pela ultra e confirmação do sexo do bebê.

Com quantas semanas consigo ver o sexo do bebê?

Pelo exame de sexagem fetal, é possível saber o sexo do bebê a partir da 8ª semana.

O exame é feito através da coletada de uma pequena amostra de sangue da mãe, onde se pesquisa a presença de um marcador genético, específico do sexo masculino (cromossomo Y). A sua presença indica o desenvolvimento de um feto do sexo masculino. A sua ausência, o desenvolvimento de um bebê do sexo feminino.

Existe também um exame de urina, vendido em farmácias, para identificação do sexo do bebê, porém, esse apresenta menor confiabilidade e pode ser realizado a partir da 10ª semana.

E o exame de ultrassonografia, como melhor detalhado no início desse texto, é recomendado para esse objetivo, apenas depois da 13ª semana.

O que é genitália ambígua?

A genitália ambígua é uma anormalidade genética rara, na qual a aparência externa dos genitais não é bem definida.

Em geral, os bebês apresentam a genitália semelhante até a 12ª semana de gestação, com apenas uma pequena protuberância, chamada tubérculo genital. Após 12 ou 13 semanas, essa protuberância começa a se diferenciar em lábios vaginais ou corpo peniano.

Na genitália ambígua, seja por problemas hormonais ou genéticos, isso não ocorre.

Geralmente não indica um problema de saúde grave ao bebê, porém é importante que o médico obstetra seja informado, para avaliar caso a caso, aqueles que precisarão realizar novos exames e investigação mais criteriosa ainda durante a gestação.

Pode lhe interessar ainda:

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Yee-Ming Chan, et al. Evaluation of the infant with atypical genitalia (disorder of sex development). UpToDate: Dec 31, 2018.

O que é VCM? O que significa quando está alto ou baixo?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

VCM é a sigla para volume corpuscular médio, uma medida do tamanho das hemácias (glóbulos vermelhos ou eritrócitos), células sanguíneas responsáveis pelo transporte de oxigênio no sangue. O valor normal de VCM varia entre 80 a 100 fl. Se o VCM for baixo as hemácias estão pequenas, por outro lado, se for alto, as hemácias estão maiores que o esperado.

O VCM é um dos parâmetros analisados no hemograma completo, um dos mais comuns exames de sangue realizados. Aparece com os demais dados relativos às hemácias do sangue.

O tamanho das hemácias pode estar alterado principalmente nas anemias, sendo que existem anemias em que o VCM está baixo, outras em que o VCM está alto e anemias com VCM normal. Portanto, este é um parâmetro muito importante a ser avaliado neste grupo de doenças.

VCM baixo (abaixo de 80 fl)

O VCM baixo pode sugerir anemia microcítica, em que as hemácias ficam pequenas.

Uma das principais causas de anemia microcítica é a deficiência de ferro, principalmente, se vier acompanhado de uma quantidade de eritrócitos e de hematócrito baixo (porcentagem do sangue preenchido por hemácias).

Outras formas de anemia que também causam uma redução no valor do VCM é a talassemia e a anemia por doença crônica.

A talassemia é uma anemia de origem genética e hereditária, mais rara do que a anemia por falta de ferro.

Já a anemia por doença crônica, como o próprio nome diz,se origina doenças que causam um estado inflamatório a longo prazo, como doenças autoimunes, doença renal, câncer ou infecções.

Embora a anemia por doença crônica seja na maioria das vezes normocítica, ou seja, apresenta o valor de VCM normal, em alguns casos mais avançados o valor de VCM pode diminuir.

VCM alto (acima de 100 fl)

O VCM alto pode indicar uma anemia macrocítica, quando as hemácias ficam grandes, também chamada de anemia megaloblástica.

A anemia macrocítica é causada principalmente pela deficiência de ácido fólico ou de vitamina B12, o que interfere na duplicação do DNA e faz com que a hemácia aumente de tamanho.

Outras doenças também podem causar aumento no valor do VCM como:

  • Insuficiência e cirrose hepática
  • Uso de medicamentos (metotrexato, hidroxiureia)

Ao realizar um hemograma consulte o médico que o solicitou para maiores esclarecimentos acerca do seu exame.

Também pode ser do seu interesse:

Referências bibliográficas

ABHH - Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular.

Harrison’s principles of internal medicine.19th ed. 2017

O que é HCM e como interpretar no exame de sangue
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

HCM significa Hemoglobina Corpuscular Média, uma das medidas encontradas no exame de sangue, que avalia a quantidade média de hemoglobina dentro das hemácias.

A hemoglobina é uma proteína de coloração avermelhada, por isso a cor vermelha do sangue, com grande afinidade pelo oxigênio. Sendo assim, a sua principal função é de transportar o oxigênio dos pulmões para todos os tecidos do corpo.

Uma baixa concentração de HCM, reduz a oxigenação aos tecidos, causando os sintomas de cansaço, fraqueza, sonolência, palidez nas mucosas, entre outros. O HCM alto geralmente não causa sintomas.

Valores de referência de HCM

Os valores normais de HCM são medidos em picograma (pg) e apresentam pequenas variações entre idade e gênero, como descrito abaixo:

  • Mulheres (27 - 34)
  • Homens (27 - 34)
  • Crianças de 10 a 12 anos (24 -30)
  • Crianças de 1 ano (23 -31)
  • Crianças de 3 meses (24- 34)

HCM normal: Confere uma coloração normal das hemácias. Caso haja uma anemia, com HCM normal, essa anemia será classificada como normocrômica. As causas de anemia normocrômica mais frequentes são:

  • Anemia megaloblástica (por carência de B12 ou folato)
  • Anemia por doenças do fígado
  • Anemia por neoplasias (câncer)
  • Anemia por doenças endócrinas (diabetes, doenças da tireoide)
  • Hemogobinopatias (doenças

HCM alto: Valores altos de HCM indicam a presença de mais hemoglobina nas células, o que torna essas hemácias mais escuras. Nesse caso, se houver uma anemia, será chamada anemia hipercrômica. Causas de anemia hipercrômica:

  • Doenças de tireoide
  • Alcoolismo

HCM baixo: Valores diminuídos de HCM, ao contrário, tem menos hemoglobina nas células, o que resulta em hemácias de coloração mais clara, e a anemia é chamada hipocrômica, sendo as causas mais frequentes:

  • Anemia ferropriva
  • Anemia por sangramentos
  • Anemia por má absorção intestinal
  • Envenenamentos
  • Talassemia
  • Gravidez

No entanto, para compreender melhor o resultado do exame, é preciso que o médico avalie esse dado, em conjunto com os demais índices hematimétricos, como o VCM, CHCM e RDW.

O exame deverá ser interpretado pelo médico que o solicitou, em conjunto com as queixas e o exame físico.

Saiba mais sobre o assunto nos artigos:

O que significa CHCM no hemograma?

O que é o RDW e qual a sua importância no exame de sangue

Hemácias normocíticas e normocrômicas é anemia?

Referências:

ABHH - Associação Brasileira de Hematologia, Hemoterapia e Terapia Celular.

Berhanu Elfu Feleke & Teferi Elfu Feleke. The Effect of Pregnancy in the Hemoglobin Concentration of Pregnant Women: A Longitudinal Study. J Pregnancy 2020 Jun 3;2020.

O que é o RDW e qual a sua importância no exame de sangue
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O RDW (Red Cell Distribution Widt), em português Amplitude de Distribuição dos Glóbulos Vermelhos, é uma das medidas apresentadas no hemograma, que indica a variação de tamanho das hemácias.

Essa variação de tamanhos recebe o nome de anisocitose, e o valor considerado normal nos adultos e crianças, varia entre 11,6 e 14,5%.

O índice de RDW é geralmente utilizado para identificar os diferentes tipos de anemia. Em conjunto com as outras medidas do hemograma, como o VCM, HCM e CHCM, o RDW é possível identificar a anemia, e iniciar o tratamento mais eficaz.

RDW alto

Acima de 14,5%, ou até mais, em alguns casos dependendo da idade e dos valores de referência dos laboratórios, o índice de RDW é considerado aumentado, ou seja, existe grande variedade de hemácias com tamanhos diversos.

As principais causas de RDW elevado são:

  • Anemia carencial (por exemplo, devido a deficiências de ferro, folato ou vitamina B),
  • β-talassemia (doença hereditária),
  • Anemia falciforme,
  • Esferocitose hereditária,
  • Transfusão de sangue,
  • Anemias hemolíticas,
  • Estresse oxidativo,
  • Doenças renais.
RDW baixo

O índice de RDW abaixo de 11%, indica é um sinal de que os glóbulos vermelhos do sangue apresentam pouca variação de tamanho entre eles, o que pode descartar a presença dos tipos mais comuns de anemia, já que nesses casos os valores de RDW costumam estar aumentados.

As principais causas de RDW baixo são:

  • anemia aplástica,
  • doença hepática crônica,
  • quimioterapia,
  • certos medicamentos (antivirais, por exemplo).
RDW alto confirma uma anemia?

Nem sempre. O exame de RDW precisa ser avaliado em conjunto com as outras medidas apresentadas no exame de sangue, chamados índices hematimétricos.

O RDW avalia a variação entre os tamanhos das hemácias, o VCM avalia o volume dessas células. O HCM e CHCM avaliam a quantidade média de hemoglobina no sangue. Todos juntos contribuem para analisar todas as características das hemácias e assim, qual doença pode causar essas alterações.

Uma anemia ferropriva, por exemplo, se apresenta com VCM baixo e RDW alto, já que são células menores e de tamanhos mais variados, pela falta de ferro. As anemias de doenças crônicas, como a diabetes mellitus de longa data pode manter as métricas normais.

Portanto, o exame de RDW, assim como outras medidas, não devem ser analisados de forma isolada, mas interpretadas pelo médico que o solicitou, sempre em conjunto, inclusive com as queixas e o exame físico.

Na suspeita de anemia, procure o seu médico de família, ou o hematologista.

Saiba ainda mais sobre esse assunto, nos artigos:

No hemograma, o que significa VCM, HCM e RDW?

Hemácias normocíticas e normocrômicas é anemia?

Referências:

  • Leila Monteiro. Valores de referência do RDW-CV e do RDW-SD e sua relação com o VCM entre os pacientes atendidos no ambulatório do Hospital Universitário Oswaldo Cruz - Recife, PE. Rev. Bras. Hematol. Hemoter.
  • Giuseppe Lippi, et al.; Red blood cell distribution width: A marker of anisocytosis potentially associated with atrial fibrillation. World J Cardiol. Dec 26;11(12):292-304. 2019.
Para que serve a Benzetacil e porque a injeção dói tanto?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A Benzetacil® é um antibiótico do grupo das penicilinas, indicado para o tratamento de infecções respiratórias, dor de garganta (amigdalite), infecções de pele e sexualmente transmissíveis como, por exemplo, a sífilis.

A injeção de Benzetacil® é aplicada no músculo e costuma ser bastante dolorosa devido ao seu conteúdo que é viscoso e absorvido lentamente pelo organismo. Geralmente a dor permanece até 7 dias após a aplicação.

Indicações de Benzetacil® 1. Amigdalites e faringites bacterianas

Amigdalites e faringites bacterianas se caracterizam por inflamação das amígdalas ou da faringe. Os sintomas mais comuns incluem dor de garganta acompanhada pela presença de placas de pus e febre.

2. Impetigo

O impetigo infecção de pele que se inicia com a presença de pequenas pápulas vermelhas, parecidas com picadas de mosquito. Na medida em que a doença avança, as lesões na pele passam a conter pus e, posteriormente, estouram formando feridas com crostas de cor dourada ou mel.

3. Sífilis

A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível que tem como principal sintoma a presença de uma ferida indolor, ou seja, que não provoca dor na região genital. A sífilis é transmitida por via sexual através da penetração da bactéria Treponema pallidum em feridas microscópicas ou abrasões presentes na mucosa da vagina e do pênis. Pode também ser transmitida de mãe para filho durante a gravidez. Nestes casos, é chamada de sífilis congênita.

4. Febre reumática

A febre reumática é uma doença inflamatória que pode afetar as articulações, o coração, o cérebro e a pele de crianças de 5 a 15 anos. Ocorre como uma complicação de infecções de garganta como a faringite e amigdalite ou de pele, como o impetigo.

Os sintomas principais são dores nas articulações que provocam dificuldade de caminhar, inchaço e calor, principalmente nos joelhos e tornozelos, aumento dos batimentos cardíacos, cansaço e fraqueza de braços e pernas.

A aplicação de Benzetacil® para cada uma destas doenças deve ser efetuada de acordo com a orientação médica. O efeito deste medicamento começa de 15 a 30 minutos após a sua administração e se prolonga por um período de 1 a 4 semanas.

Benzetacil® dói, por qual motivo?

A injeção de Benzetacil® é feita de um líquido bastante espesso que, ao ser injetado no músculo, provoca o afastamento das fibras musculares e causa dor no momento da aplicação. Além disso, o fato de ser absorvida pelo corpo de forma mais lenta, faz com que a dor persista por até uma semana.

Para amenizar a dor, procure relaxar a musculatura no momento da aplicação da injeção. Quando estamos tensos, nossas fibras musculares se contraem e se tornam mais próximas e rígidas, o que dificulta a passagem do medicamento e aumenta a sensação de dor.

Para eliminar a dor durante e nos dias após a injeção, é possível ainda diluir a Benzetacil® com anestésicos chamados xilocaína ou lidocaína. Para isto, é preciso prescrição de um médico indicando a forma de diluição.

Quais os efeitos colaterais da Benzetacil®?

Os efeitos adversos mais comuns da Benzetacil® incluem:

  • Náuseas,
  • Dor de estômago,
  • Diarreia,
  • Tonturas e
  • Candidíase vaginal.

Se você sentir algum destes efeitos colaterais, procure o médico de família ou o médico que indicou o medicamento para que ele avalie a necessidade de algum tratamento.

Contraindicações da Benzetacil®

O uso de Benzetacil® é contraindicado para pessoas alérgicas à penicilina. As mulheres grávidas ou que estão amamentando devem evitar o uso do medicamento e só devem utilizá-lo sob orientação médica.

Para saber mais sobre Benzetacil®, você pode ler:

Tudo sobre Benzetacil

Benzetacil leva quantos dias para fazer efeito?

Referências

  • Lima, L.M., Silva, B.N.M., Barbosa, G. β-lactam antibiotics: an overview from a medicinal chemistry perspective. European Journal of Medicinal Chemistry, v.208, 2020.
  • Sociedade Brasileira de Reumatologia.
O que são eosinófilos? O que pode alterar os seus valores?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os eosinófilos são células de defesa do organismo, também conhecidos por glóbulos brancos, ou leucócitos. O seu valor é encontrado dentro do hemograma, na contagem de série branca (leucograma).

Os leucócitos são divididos em 5 tipos de células: os neutrófilos, linfócitos, monócitos, eosinófilos e basófilos. Cada uma delas exerce uma função no sistema imunológico. Os eosinófilos têm como principal função, combater germes e parasitas, auxiliar e mediar as reações inflamatórias.

A contagem normal de eosinófilos no sangue, varia de 50 – 500 células/microlitro. No entanto, esse valor deve ser analisado em conjunto com os sintomas e exame clínico. Isoladamente, não tem um significado exato.

Eosinófilos altos - o que pode ser?

O aumento dos eosinófilos chama-se eosinofilia e ocorre, principalmente, nos casos de alergia, asma e verminoses. Com menor frequência, outras situações também podem cursar com esse aumento. Sendo assim, as principais causas de eosinofilia são:

  • Alergias (rinite alérgica, dermatite, urticária)
  • Verminoses (ascaridíase, ancilostomíase, oxiuríase)
  • Asma
  • Doenças auto-imunes (lúpus, artrite reumatoide)
  • Linfoma, Leucemias
  • Doença de Crohn, retocolite ulcerativa
  • Uso de certos medicamentos (anfotericina B, alopurinol, anticonvulsivantes)
Eosinófilos baixos - o que pode ser?

A redução dos eosinófilos é menos comum, chamada de eosinopenia. As causas mais frequentes incluem:

  • Estresse,
  • Uso crônico de corticoides (oral ou venoso),
  • Gravidez,
  • Infecção bacteriana ou viral,
  • Síndrome de Cushing,
  • Febre alta.
Como tratar?

O tratamento varia de acordo com a causa dessa alteração, e nem sempre será preciso um tratamento específico.

Por exemplo, na rinite alérgica e pessoas asmáticas, a eosinofilia leve é um achado comum devido às constantes ativações alérgicas, mas não representa um sinal de risco ou gravidade. Na febre alta, a redução dos eosinófilos é passageira, quando a doença que causa a febre for tratada, o valor se normaliza.

Em contrapartida, nos casos de linfoma ou leucemia, a alteração será importante com um valor muito elevado, podendo ultrapassar o valor de 2.000 células / microlitro. Nesse caso, é preciso procurar um atendimento médico com urgência.

Ainda, se perceber uma alteração dos leucócitos com ou sem aumento de eosinófilos, associado a febre alta (acima de 38,5o), manchas no corpo ou perda de peso sem motivo aparente, procure imediatamente uma avaliação médica.

Saiba mais sobre esse assunto, nos seguintes artigos:

Referências:

Peter F Weller, et al.; Eosinophil biology and causes of eosinophilia. UpToDate: Aug 13, 2020.

Thomas D Coates, et al.; Approach to the patient with neutrophilia. UpToDate: Jan 20, 2020.

4 causas principais de vômito verde e o que posso fazer
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O vômito verde é provocado principalmente pela presença de bile, que ocorre devido ao jejum prolongado, e ingestão de alimentos e bebidas de cor verde. Geralmente, vomitar verde não indica doenças graves.

Entretanto, se você está vomitando verde e apresenta outros sintomas como perda de apetite e cólicas, por exemplo, pode indicar obstrução intestinal, quadro que necessita de avaliação médica.

1. Presença de bile

O vômito verde ocorre principalmente devido ao jejum prolongado, quando o estômago permanece vazio por longo tempo. Nesta situação, a bile que se acumula no estômago é eliminada em forma de vômito que varia da coloração verde-claro amarelado até o verde musgo. Além disso, pode ter, algumas vezes, um sabor amargo.

É importante que você saiba que vomitar bile também pode ser um sinal de uma doença grave chamada obstrução intestinal, da qual trataremos a seguir, e que necessita de atendimento de emergência.

O que posso fazer? Se você está em jejum prolongado e vomitando bile, procure ingerir líquidos como água, água de coco e sucos. Tente também comer alimentos leves como frutas e faça repouso. Bebidas como refrigerantes devem ser evitados, pois, podem irritar a parede do estômago.

2. Obstrução intestinal

Vomitar verde devido a presença de bile pode indicar obstrução intestinal, doença grave que bloqueia o fluxo alimentos, líquidos digestivos e gases pelo intestino. Nestes casos, além do vômito verde você também pode sentir cólicas, inchaço no abdome e perda de apetite.

Quando a obstrução intestinal é parcial e afeta o intestino delgado é comum ocorrer vômito verde e diarreia. Já nos casos de obstrução total do intestino grosso, a pessoa apresenta prisão de ventre (constipação).

O que posso fazer? A obstrução intestinal é uma emergência médica que requer cirurgia na maior parte dos casos. Por este motivo, você deve buscar rapidamente uma emergência hospitalar.

3. Gripes, resfriados e infecções respiratórias

Se você estiver gripado ou resfriado, o vômito verde pode vir acompanhado de uma secreção mais espessa e mau cheiro. Isto ocorre porque o catarro produzido nos quadros gripais pode ser engolido e expelido com o vômito.

Fique atento porque a presença de secreção verde no vômito, por ser um indicativo de infecção das vias respiratórias superiores. Nestas situações sintomas como febre, sensação de fraqueza e mal-estar e dor de cabeça podem estar presentes.

O que posso fazer? Procure beber bastante líquido e lavar o nariz com 3ml de soro fisiológico em cada narina. Entretanto, na presença de febre e demais sintomas busque um médico de família e otorrinolaringologista.

4. Intoxicação alimentar

A ingestão de alimentos contaminados pode causar intoxicação alimentar devido à contaminação por vírus e bactérias. Nestas situações a pessoa pode vomitar repetidas vezes, vomitando não somente os alimentos contaminados, mas também a bile, o que provoca vômito verde.

O que posso fazer? Consuma bebidas isotônicas, ricas em eletrólitos como sódio, potássio e cálcio.

Vômito verde na gravidez, o que pode ser?

A náusea e o vômito verde ou amarelado é conhecido como enjoo matinal e se deve às rápidas variações hormonais (estrogênio, progesterona e hCG) que ocorrem no início da gravidez.

É bastante frequente nos três primeiros meses de gravidez e, embora seja chamado de enjoo matinal, pode ocorrer em qualquer momento do dia. Costuma desaparecer na 12ª semana de gestação. É considerado normal quando você consegue se alimentar e ingerir líquido normalmente.

Entretanto, se os enjoos e vômitos, impedirem que você se alimente e, por este motivo, provocarem perda de peso e desidratação, e forem acompanhados de dor abdominal, diarreia ou ambos, é importante que você procure o seu médico de família ou ginecologista.

Quando devo me preocupar?

Alguns sintomas servem de alerta e indicam que algo mais grave pode estar acontecendo. Estes sintomas incluem:

  • Vômito que persiste por mais de 24 a 48 horas,
  • Não conseguir ingerir mais que alguns goles de líquido,
  • Sinais de desidratação: boca seca, sede, redução na quantidade de urina e fraqueza,
  • Febre alta (acima de 38 graus),
  • Vômitos com cheiro de fezes,
  • Vômitos pretos ou com presença de sangue,
  • Dor abdominal constante,
  • Barriga inchada (abdome distendido),
  • Prisão de ventre (constipação).

Ao perceber estes sintomas, você deve buscar imediatamente um serviço de emergência.

Para saber mais sobre vômitos, você pode ler os seguintes artigos:

O que causa o vômito amarelo e amargo? Como tratar?

Tossir muito e vomitar um líquido amarelo, o que pode ser?

Estou com vômito amarelo, pode ser perigoso? Como faz para parar?

O que causa vômito amarelo? Como tratar?

Referência:

FBG - Federação Brasileira de Gastroenterologia.

Para que serve a contagem das plaquetas e como entender os resultados?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A contagem de plaquetas é utilizada para avaliar a coagulação sanguínea. As plaquetas são as células do sangue, responsáveis por dar início ao processo de coagulação.

O resultado do exame, considerado normal, é o valor de plaquetas entre 150.000 e 450.000 mm³ de sangue, encontrado no exame de sangue, o hemograma, tanto para adultos quanto para crianças.

Um valor abaixo ou acima dessa faixa é considerada anormal, por isso, deve ser investigado. Conheça um pouco mais sobre as alterações nas plaquetas e o que pode ser feito em cada caso, no seguimento desse artigo.

Trombocitose (plaquetas altas)

As plaquetas altas, acima de 450 mil por mm³ de sangue, recebe o nome de trombocitose. Essa condição preocupa porque uma grande quantidade de plaquetas juntas podem dar origem aos coágulos sanguíneos, conhecidos por "trombos". Os trombos, dependendo do seu tamanho, podem obstruir o vaso, impedindo a passagem do sangue, dando origem a doenças graves como trombose e embolia pulmonar, condições que podem levar à morte.

As causas mais frequentes de trombocitose são:

  • Anemia hemolítica;
  • Deficiência de ferro;
  • Infecções, grandes cirurgias ou traumatismos;
  • Policitemia Vera;
  • Câncer;
  • Uso de certos medicamentos;
  • Doença da medula óssea (neoplasia mieloproliferativa);
  • Retirada do baço.

O tratamento da trombocitose depende da causa e pode incluir o uso de medicamentos e outros procedimentos médicos. No caso de plaquetas altas, procure o hematologista para avaliar o seu caso.

Pancitopenia (plaquetas baixas)

As plaquetas baixas, ou seja, abaixo de 150 mil por mm³ de sangue, é chamada pancitopenia ou trombocitopenia. Essa condição também causa preocupação, porque aumenta o risco de sangramentos.

A queda das plaquetas pode ocorrer por dois mecanismos principais: pela produção baixa dessa célula, ou pela sua destruição acelerada ou precoce. As causas mais frequentes são:

  • Púrpura trombocitopênica idiopática ou Trombocitopenia imune primária (PTI),
  • Gravidez,
  • Infecções virais e bacterianas (ex.: dengue, febre amarela, hepatite C, HIV)
  • Uso de certos medicamentos (heparina, ampicilina, cimetidina, ibuprofeno, naproxeno, entre outros),
  • Doença crônica do fígado, como a cirrose,
  • Alcoolismo,
  • Carência de vitaminas (folato e B12)
  • Doenças da medula óssea (anemia aplástica, câncer, leucemia),
  • Doenças reumatológicas (lúpus, artrite reumatoide),
  • Quimioterapia e radioterapia.

O tratamento mais uma vez irá depender da causa, e nem sempre existe algo a fazer. Por exemplo, na gravidez é preciso acompanhar e orientar quanto a alimentação, mas, em geral, a contagem se normaliza após o nascimento do bebê, espontaneamente.

Na PTI, com sinais de gravidade, pode ser indicado o uso de corticoides e imunoglobulina. O câncer possui um protocolo de tratamento mais específico, determinada pelo oncologista.

Cabe ao especialista, hematologista ou oncologista, definir a melhor opção, caso a caso.

O que pode alterar as plaquetas?

Diversas situações podem alterar as plaquetas sem, necessariamente, significar uma doença. Entretanto, em alguns casos, essas alterações podem ser bastante perigosas para a saúde, como, por exemplo, a púrpura trombocitopênica imune (PTI) ou a policitemia vera.

Sendo assim, se perceber que tem dificuldade para parar um sangramento, se apresenta sangramentos espontâneos sem motivo aparente ou manchas roxas pelo corpo, mesmo sem sofrer pancadas, procure um hematologista para avaliar com mais cuidado esses sintomas.

Quando devo me preocupar?

Sempre que houver alteração nas plaquetas, é preciso avaliar junto com médico de família ou hematologista, no entanto, alguns sinais e sintomas indicam necessidade de avaliação de urgência, como:

  • Sangramento de difícil controle,
  • Contagem de plaquetas abaixo de 50.000,
  • Plaquetopenia na gravidez,
  • Sangramento espontâneo, sem motivo aparente;
  • Sangramento com presença de manchas roxas pelo corpo;
  • Sangramento associado a febre, falta de ar ou cansaço extremo.

Conheça mais sobre esse assunto nos artigos:

Quais são os sintomas de plaquetas baixas?

Plaquetas altas e baixas: o que pode ser e quais os sintomas?

Cada vez que faço hemograma as plaquetas estão...

Referência:

Charles S Abrams, et al.; Platelet biology. UpToDate: Jul 10, 2019.

Donald M Arnold, et al.; Approach to the adult with unexplained thrombocytopenia. UpTodate: Jul 19, 2019.

Dor de cabeça na gravidez: quais remédios posso e quais não posso tomar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Na gestação, os medicamentos mais utilizados e seguros para dor de cabeça, são o paracetamol e dipirona®. No entanto, a dose, forma de uso e se existe alguma contraindicação, deve ser analisada pelo médico obstetra.

Qualquer medicamento durante a gestação deve ser prescrito pelo obstetra, que acompanha a gestante, inclusive os remédios para dor de cabeça.

Já os anti-inflamatórios não-esteroides (AINES) como o ibuprofeno, embora bastante usado para combater a dor de cabeça, são contraindicados durante a gravidez. Estes medicamentos podem provocar desde aborto espontâneo até hemorragia pós-parto.

No seguimento deste texto falaremos sobre o uso de remédios para dor de cabeça durante a gestação.

Paracetamol

Quando utilizado em doses adequadas, o Paracetamol pode ser indicado durante todas as fases da gestação para combater a dor de cabeça. O medicamento apresenta ainda uma quantidade muito reduzida de efeitos colaterais, quando a dose indicada pelo médico é respeitada.

Apesar de atravessar a placenta, o paracetamol não prejudica o feto quando em doses adequadas. Entretanto, quando usado em doses elevadas durante a gravidez pode ser tóxico para o fígado da mãe e do bebê.

Dipirona® (ácido acetilsalicílico)

A Dipirona® tem efeito muito semelhante ao paracetamol quando utilizado para dor de cabeça em mulheres grávidas.

Estudo mostraram que as mulheres grávidas que usaram Dipirona® durante os três primeiros meses de gestação não apresentaram aumento de malformações no feto e nem de abortamentos. Embora, seja seguro o uso da Dipirona® para tratar a dor de cabeça durante a gestação, é preciso que seja administrada de acordo com a prescrição médica.

Grávidas não podem tomar ibuprofeno para dor de cabeça

O ibuprofeno é um medicamento contraindicado para as mulheres grávidas.

Quando usado no início da gestação (três primeiros meses) o ibuprofeno pode provocar distúrbios de implantação do embrião na parede do útero, o que pode levar ao aborto. Além disso, pode causar problemas no coração, lábio leporino e fenda palatina.

Do ao 7º ao 9º mês de gravidez, o uso de ibuprofeno pode afetar os pulmões e causar anomalias na parede abdominal e hemorragia cerebral no bebê. Na mãe, o medicamento pode prolongar o trabalho de parto e hemorragia pós-parto.

Aspirina® deve ser evitado para dor de cabeça na gravidez

O uso de aspirina® deve ser evitado para tratar a dor de cabeça durante a gravidez. Este medicamento pode causar anemia, hemorragia e inibição do trabalho de parto, principalmente, quando usado em doses altas.

Como aliviar a dor de cabeça sem usar remédios?

Antes de utilizar remédios, deve dar preferência a adoção de medidas simples que ajudam a reduzir a dor de cabeça e protegem você e seu bebê dos seus efeitos prejudiciais. Estas medidas incluem:

  • Manter uma rotina de sono e descanso em um ambiente tranquilo e silencioso,
  • Praticar atividade física: um educador físico por orientar os exercícios mais adequados a sua fase de gestação,
  • Efetuar refeições leves e saudáveis livres de doce com açúcar branco, frituras e outros alimentos gordurosos,
  • Manter hidratação adequada: consuma água e bebidas saudáveis como sucos de fruta naturais,
  • Evitar bebidas com cafeína: refrigerante, café em excesso café,
  • Massagear ombros, pescoço e testa para aliviar a tensão,
  • Aplicar compressas de água fria na testa.
Quando devo me preocupar?

Embora a dor de cabeça na gravidez seja frequente devido às alterações hormonais, alguns sinais servem de alerta. Busque rapidamente atendimento médico se a dor de cabeça vier acompanhada de sintomas como:

  • Febre,
  • Náuseas,
  • Vômitos,
  • Dor de estômago,
  • Visão dupla ou embaçada,
  • Desmaio e
  • Convulsões.

Ao sentir dor de cabeça durante a gravidez, converse com o seu médico. Somente ele poderá indicar o medicamento mais eficaz e seguro, de acordo com o seu tipo de dor e fase da gestação.

Conheça mais sobre dor de cabeça na gravidez lendo os seguintes artigos:

Dor de cabeça na nuca durante a gravidez, o que pode ser?

Quais remédios posso tomar na gravidez?

Referências

  • Aragão, F.F.; Tobias, A.F. Pharmacological treatment of pain in pregnancy. BrJP, (2)4:374-80, 2019.
  • Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de teratogênese em humanos. FEBRASGO, 2018.
Principais tipos e como tratar a gastrite: infecciosa, autoimune e erosiva
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

A gastrite é a inflamação da mucosa que reveste o estômago internamente. Existem diferentes tipos de gastrite, as principais são: gastrite infecciosa, gastrite autoimune e gastrite erosiva.

Além destes principais tipos, as gastrites também podem ser diferenciadas em duas formas: aguda e crônica.

  • Gastrite aguda: é a inflamação do estômago transitória, que apresenta lesões e alterações na mucosa gástrica reversíveis.
  • Gastrite crônica: é aquela que existe há mais tempo, por isso ocasiona lesões gástricas que não podem mais ser revertidas, como a atrofia da mucosa do estômago.

Vejamos as diferenças entre os principais tipos de gastrites.

Gastrite infecciosa

A presença de uma agente infeccioso pode causar tanto uma gastrite aguda quanto uma gastrite crônica. A principal causa de gastrite infecciosa é a bactéria Helicobacter pylori.

Algumas pessoas podem apresentar esta bactéria no estômago e não apresentar nenhum sintoma. No entanto, outras podem apresentar sintomas de dor, desconforto gástrico, azia e náuseas, caracterizando a gastrite.

Geralmente a gastrite causada pela H. pylori se inicia como uma gastrite aguda. Se não for tratada pode levar ao desenvolvimento de uma gastrite crônica, com persistência dos sintomas no decorrer do tempo.

Tratamento da gastrite infecciosa

O tratamento da gastrite infecciosa causada pelo Helicobacter pylori consiste no uso de medicamentos como o omeprazol, pantoprazol e outros, e também de antibióticos que visam erradicar a bactéria.

Gastrite autoimune

É uma forma de gastrite mais rara do que a gastrite infecciosa, mas sua incidência tem vindo a aumentar.

É causada por uma reação do sistema imune do próprio individuo contra células da mucosa do estômago.

A gastrite autoimune prejudica a absorção de nutrientes podendo levar ao desenvolvimento de anemia perniciosa, deficit de vitamina b12 e magnésio. Além disso, a gastrite autoimune também aumenta o risco de desenvolvimento de câncer do estômago.

Tratamento da gastrite autoimune

O tratamento é feito com medicamentos que aliviam os sintomas de desconforto estomacal, como antiácidos, e de suplementos vitamínicos como o ferro e a vitamina B12.

Gastrite erosiva

A gastrite erosiva é uma forma de gastrite aguda, que pode ser assintomática ou levar a sintomas de dor estomacal, azia e náuseas.

Pode ser causada pelo uso abusivo de medicamentos anti-inflamatórios, álcool ou por estresse persistente.

Tratamento da gastrite erosiva

O tratamento inclui a suspensão da causa da gastrite, portanto, pode ser necessário suspender o uso de anti-inflamatórios, ou do álcool, ou ainda reduzir os níveis de estresse.

Medicamentos antiácidos e do grupo dos inibidores de bomba de prótons (omeprazol, pantoprazol, etc) também podem ser utilizados no tratamento.

Na presença de sintomas sugestivos de gastrite é importante consultar um médico para uma avaliação, diagnóstico do tipo de gastrite e realização do tratamento adequado.

Leia também:

Queimação no estômago: medidas caseiras e remédios para aliviar a azia

5 alimentos que quem tem gastrite deve comer

Gastrite crônica tem cura? Qual o tratamento?

Gastrite pode evoluir para câncer?

Referências bibliográficas

Mark Feldman. Gastritis: Etiology and diagnosis. Uptodate. 2020

Pamela J Jensen. Acute and chronic gastritis due to Helicobacter pylori. Uptodate. 2020