Últimas Questões

Mieloma múltiplo tem cura? Qual é o tratamento?

O mieloma múltiplo ainda não tem cura completa.

O tratamento do mieloma múltiplo poderá incluir:

  • Quimioterapia;
  • Corticoide;
  • Imunomoduladores;
  • Antibióticos monoclonais;
  • Transplante de medula óssea.

A escolha do melhor tratamento é feita levando em conta vários aspectos do/a paciente, bem como a classificação e estadiamento desse tipo de câncer.

Outras formas de tratamento são definidas a depender dos sintomas apresentados pela pessoa e pelas complicações desenvolvidas. Isso poderá incluir:

  • Hemodiálise;
  • Uso de anti-inflamatórios;
  • Antibióticos;
  • Medicamento para estimular a produção das células vermelhas do sangue.

Leia também:

O que é mieloma múltiplo e quais são os sintomas?

Dra. Nicole Geovana
O que é mieloma múltiplo e quais são os sintomas?

Mieloma múltiplo é um câncer das células plasmáticas do sangue localizadas na medula óssea. Essas células são responsáveis pela produção de anticorpos e desempenham uma função importante no sistema imune.

O crescimento incontrolável dessas células pode provocar:

  • Dor óssea no peito, nas costas, braços ou pernas;
  • Fraturas;
  • Alteração da função renal e insuficiência renal;
  • Anemia: fraqueza, cansaço, palidez, fadiga;
  • Aumento da suscetibilidade a infecções;
  • Aumento dos níveis de cálcio no sangue;
  • Perda de apetite;
  • Náuseas e vômitos;
  • Borramento da visão;
  • Perda de peso;
  • Incontinência urinária e/ou fecal;
  • Aumento da frequência urinária.

Continue a leitura em:  

Mieloma múltiplo tem cura? Qual é o tratamento?

Dra. Nicole Geovana
O que é hirsutismo e qual é o tratamento?

Hirsutismo é a denominação do excesso de pelos corporais em mulheres. Esses pelos são mais escuros e grossos e crescem em locais atípicos como acima do queixo e dos lábios, no peito, abdômen e nas costas. Esse excesso de crescimento dos pelos é causado pelo aumento no nível dos hormônios andrógenos.

Na maioria das situações, o hirsutismo não é uma condição médica preocupante, porém, em certos casos ele pode ser a expressão de certas condições clínicas que devem ser investigadas.

O tratamento do hirsutismo dependerá da causa identificada e de certas questões pessoais e estéticas. Isso poderá envolver o uso de medicações que regulam a produção dos hormônios andrógenos e consequentemente reduzem a produção dos pelos. Outras medidas podem incluir a perda de peso, uso de cremes, técnicas para remoção e redução dos pelos corporais, etc.

Alguns tratamentos levam um tempo prolongado para perceber o efeito, visto que a atuação no folículo piloso é longa e demora em torno de 6 meses para perceber algum impacto no crescimento dos novos pelos.

O/a médico/a de família,clínico/a geral ou ginecologista são responsáveis pelo acompanhamento inicial da mulher com hirsutismo.    

Dra. Nicole Geovana
O que é impetigo?

Impetigo é uma infecção de pele contagiosa que afeta principalmente crianças entre os 2 e 5 anos de idade, apesar de acometer crianças em outras idades e, inclusive, pessoas adultas.

A infecção se desenvolve após a penetração da bactéria Staphylococcus aureus ou, menos frequentemente, a bactéria do tipo Streptococcus na pele e se propaga com o contato próximo entre as crianças.

O impetigo causa algumas protuberâncias avermelhadas na pele do rosto, braços e pernas. Essas protuberâncias evoluem para bolhas que após estourarem formam uma crosta amarelada com bordas avermelhadas.

O tratamento do impetigo pode ser feito com uso de pomadas de uso tópico ou comprimidos por via oral.

A melhor forma de se prevenir do impetigo é lavar as mãos com água e sabão com frequência. 

Dra. Nicole Geovana
Como é feita a doação de medula óssea?

Antes da doação, o doador da medula óssea tem que passar por uma série de exames para confirmar que o seu estado de saúde é bom. Não é necessário mudar a alimentação nem os seus hábitos de vida normais.

A doação da medula óssea é feita sob anestesia, num centro cirúrgico. A medula que será transplantada é colhida dos ossos da bacia do doador através de agulhas. Retira-se no máximo 15% da medula do doador, sem que isso traga qualquer prejuízo para a sua saúde. O procedimento dura cerca de duas horas.

Existe ainda uma outra forma de doar a medula óssea, conhecida como coleta por aférese. Nesse método, o doador primeiro toma um medicamento durante 5 dias para aumentar a quantidade de células-tronco no seu sangue. Depois, a doação é feita através de uma máquina que retira o sangue, separa as células-tronco e devolve o sangue ao doador. Não é preciso ficar internado nem tomar anestesia. O procedimento é feito pela veia e não pelos ossos.

Os riscos para o doador são baixos e estão relacionados com a anestesia. Após a doação pode ocorrer dor no local, fraqueza e dor de cabeça. Entretanto, esses sintomas são passageiros e podem ser controlados com medicamentos.

A quantidade de medula óssea que é retirada não interfere no funcionamento normal do organismo do doador e em poucas semanas a sua medula já está totalmente recuperada.

O transplante da medula para o paciente é realizado através de um procedimento semelhante a uma transfusão de sangue.

Saiba mais em:

Como é feito o transplante de medula óssea?

O que é medula óssea e para que serve?

Quais são as características de uma pessoa com síndrome de Down?

A pessoa com Síndrome de Down apresenta algumas características típicas que são:

  • Face achatada e rosto arredondado;
  • Dobras na pele das pálpebras;
  • Olhos oblíquos;
  • Prega palmar transversa única;
  • Diminuição do tônus muscular;
  • Língua protusa;
  • Boca aberta;
  • Alterações dentárias;
  • Encurtamento do pescoço;
  • Orelhas dobradas ou pequenas;
  • Mãos curtas e largas;
  • Atraso na articulação da fala;
  • Dificuldades motoras;
  • Comprometimento intelectual que reflete em dificuldade na aprendizagem.

É recomendado que a criança com Síndrome de Down seja estimulada desde o nascimento para que consiga superar algumas limitações impostas pela genética.

O acompanhamento da pessoa com Síndrome de Down é feita por uma equipe multidisciplinar capaz de oferecer um cuidado diversificado e completo.

Leia também:

O que é Síndrome de Down e quais são as causas?

Dra. Nicole Geovana
O que é síndrome de Down e quais são as causas?

Síndrome de Down é uma condição genética em que a pessoa nasce com ela.

A Síndrome de Down é causada pelo excesso de um cromossomo no material genético da pessoa, resultando na trissomia do cromossomo 21.

Esse cromossomo a mais é oriundo de uma alteração na divisão do material genético no momento da formação do gameta feminino ou masculino.

Sabe-se que a idade materna no momento da concepção pode influenciar e aumentar os riscos quanto mais avançada é a idade da mulher. A idade do pai também pode ter alguma influência nesse risco.

Por conta desse cromossomo a mais, a pessoa tem algumas repercussões clínicas que vão influenciar também em características físicas especiais.

Saiba mais em:

https://medicoresponde.com.br/Quais são as características de uma pessoa com Síndrome de Down?

A criança com Síndrome de Down deve ser estimulada desde o nascimento para que consiga superar algumas limitações impostas pela genética.

Além disso, ela deve ser acompanhada por uma equipe multidisciplinar capaz de oferecer um cuidado integral à pessoa com Síndrome de Down.

Dra. Nicole Geovana
Síndrome de Sjögren: o que é, quais os sintomas e qual é o tratamento?

Síndrome de Sjögren é uma doença inflamatória crônica autoimune caracterizada pela diminuição da função das glândulas salivares e lacrimal.

Os principais sintomas da Síndrome de Sjögren são olhos ressecados e boca seca. Em geral, a pessoa poderá sentir que os olhos estão ressecados e com sensação de queimação ou que há areia nos olhos. Além disso, os olhos podem ficar avermelhados, lacrimejantes e com a visão embaçada.

Essa síndrome pode afetar outros órgãos causando:

  • Pele seca e coceira na pele;
  • Dor muscular e nas articulações;
  • Cansaço;
  • Problemas urinários como dor ao urinar, aumento da frequência urinária, urgência urinária e micção noturna;
  • Secura vaginal e por vezes dor durante o ato sexual.

O tratamento da Síndrome de Sjögren é feito a depender dos sintomas apresentados pela pessoa. Isso poderá incluir:

  • Colírio ou pomada ocular;
  • Anti-inflamatório;
  • Bálsamo labial;
  • Lubrificante vaginal;
  • Corticoide;
  • Imunomoduladores.

O diagnóstico inicial pode ser feito pelo/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família.

Dra. Nicole Geovana
Como é feito o transplante de medula óssea?

O transplante de medula óssea consiste na substituição da medula doente por células normais de medula óssea, de maneira que o organismo da pessoa volte a produzir células sanguíneas. A medula óssea usada no transplante pode ser do próprio paciente (transplante autogênico) ou de um doador (transplante alogênico).

O transplante também pode ser realizado a partir de células-tronco, que darão origem a células de medula óssea. As células-tronco são obtidas através do sangue do cordão umbilical ou do sangue de um doador.

Antes da doação, o doador da medula óssea tem que passar por uma série de exames para confirmar que o seu estado de saúde é bom. O doador pode manter os seus hábitos de vida normais, sem necessidade de alterar a sua rotina ou alimentação.

A doação da medula óssea é feita sob anestesia, num centro cirúrgico. A medula que será transplantada é obtida através de agulhas que são introduzidas nos ossos da bacia do doador. Retira-se no máximo 15% da medula do doador, sem que isso traga qualquer prejuízo para a sua saúde. O procedimento dura cerca de duas horas.

Existe ainda uma outra forma de doar a medula óssea, conhecida como coleta por aférese. Nesse método, o doador primeiro toma um medicamento durante 5 dias para aumentar a quantidade de células-tronco no seu sangue. Depois, a doação é feita através de uma máquina que retira o sangue, separa as células-tronco e devolve o sangue ao doador. Não é preciso ficar internado nem tomar anestesia. O procedimento é feito pela veia e não pelos ossos. 

Para o paciente, o transplante da medula óssea começa com um tratamento para destruir a sua própria medula. Depois desse período, é feito o transplante. O procedimento é semelhante a uma transfusão de sangue, através da qual o paciente recebe a nova medula saudável.

Através da circulação sanguínea, as células da medula transplantada chegam então à medula óssea do paciente, onde permanecem e se desenvolvem. Entretanto, leva algum tempo até que a medula nova produza células sanguíneas suficientes para manter os níveis normais dessas células no sangue.

Leia também: O que é medula óssea e para que serve?

Isso deixa o paciente mais suscetível a infecções e hemorragias, pelo que precisa ficar internado em regime de isolamento durante duas a três semanas. É muito comum haver episódios constantes de febre após o transplante.

O tratamento continua, mesmo após a recuperação da medula. Entretanto, o mesmo é feito em regime ambulatorial, embora possa ser necessário comparecer diariamente ao hospital.

O transplante de medula óssea é indicado em casos de doenças que afetam gravemente a produção das células do sangue, como leucemias, anemia aplástica, linfomas, mieloma múltiplo, doenças autoimunes, entre outras.

O médico hematologista é o especialista responsável pelo transplante de medula óssea.

O que é medula óssea e para que serve?

A medula óssea, também conhecida como "tutano", é um tecido gelatinoso localizado no interior dos ossos, onde são formadas as células sanguíneas (glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas).

A medula óssea pode ser vermelha ou amarela. A primeira é responsável pela produção das células do sangue, enquanto que a segunda é formada apenas por gordura e não produz células sanguíneas.

Nos bebês recém-nascidos, a medula óssea é toda vermelha. Já nos adultos, a medula óssea vermelha é encontrada apenas nos ossos chatos (esterno, costelas, crânio), nas vértebras da coluna e nos ossos longos do corpo, como fêmur (osso da coxa) e úmero (osso do braço). À medida que a pessoa envelhece, a medula vermelha dos ossos longos é substituída por tecido gorduroso e torna-se amarela.

É na medula óssea vermelha que são produzidas as células do sangue: hemácias ou eritrócitos (glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e plaquetas.

As hemácias são responsáveis pelo transporte de oxigênio dos pulmões para os tecidos do corpo e também levam o gás carbônico dos tecidos para os pulmões para ser eliminado através da respiração.

Os leucócitos fazem parte do sistema imunológico, são as células de defesa que protegem o organismo contra infecções e agentes invasores.

Já as plaquetas são responsáveis pela coagulação do sangue. São essas células que interrompem um sangramento e impedem que a pessoa sangre sem parar.

O transplante de medula óssea é indicado em casos de doenças que afetam gravemente a produção das células do sangue, como leucemias, anemia aplástica, linfomas, mieloma múltiplo, doenças autoimunes, entre outras.

Leia também: O que é leucemia?

O transplante consiste na substituição da medula doente por células normais de medula óssea, de maneira que o organismo da pessoa volte a produzir células sanguíneas. A medula óssea usada no transplante pode ser do próprio paciente (transplante autogênico) ou de um doador (transplante alogênico).

O transplante também pode ser realizado a partir de células que darão origem a novas células de medula óssea, obtidas através do sangue do cordão umbilical ou de um doador.

Saiba mais em: Como é feito o transplante de medula óssea?

O médico hematologista é o especialista responsável pelo diagnóstico e tratamento das doenças relacionadas com a medula óssea.

O que é sarcoidose? Quais são os sintomas e como é o tratamento?

Sarcoidose é uma doença multissistêmica que pode acometer um ou mais órgãos.

Essa doença causa pequenos nódulos (granulomas) que podem se aglomerar e formar nódulos maiores que acabam interferindo no funcionamento habitual de determinado órgão. O pulmão é o órgão mais comumente afetado, porém, pode acometer outros órgãos como a pele, nariz, olhos, músculos, testículos, fígado, coração, baço, rins, intestino,  linfonodos, articulações, etc.

Os sintomas vão depender do órgão acometido, podendo ser:

  • Tosse;
  • Falta de ar;
  • Dor no peito;
  • Fadiga;
  • Fraqueza;
  • Perda de peso;
  • Febre;
  • Erupções na pele;
  • Alterações na visão;
  • Cegueira;
  • Dormência ou formigamento;
  • Inchaço e/ou dor nas articulações.

O tratamento da sarcoidose dependerá do/s órgão/s acometido/s e dos sintomas apresentados pelo/a paciente. Isso poderá envolver o uso de alguns medicamentos como: corticoide, metotrexato, azatioprina, colchina, etc.

O/a médico/a clínico/a geral ou o/a médico/a de família podem fazer uma avaliação inicial da pessoa e, quando necessário, encaminhar para outro especialista.

Dra. Nicole Geovana
O Aedes aegypti transmite quais doenças?

As doenças transmitidas pelo Aedes aegypti são: febre amarela, dengue, chickungunya e zika. Todas são causadas por vírus e transmitidas através da picada da fêmea do mosquito. O Aedes aegypti é originário do Egito (aegypti = Egito), de onde se espalhou para as Américas, Ásia e Oceania. Apenas a fêmea pica, pois necessita do sangue para produzir os ovos. 

A febre amarela é uma doença febril aguda que provoca insuficiência renal e hepática, podendo causar sinais e sintomas como febre, dor de cabeça, calafrios, dor muscular, perda de apetite, dor abdominal, diarreia, vômitos escuros, icterícia (pele e olhos amarelos), hemorragias, diminuição urinária, entre outros. A doença pode levar à morte em aproximadamente uma semana.

A dengue pode causar febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, náuseas ou ainda não apresentar qualquer sintoma. No entanto, a ocorrência de manchas vermelhas na pele, sangramentos no nariz ou gengivas, dor abdominal intensa e vômitos persistentes podem indicar um caso de dengue hemorrágica, que é grave e precisa de intervenção médica urgente pois pode levar à morte.

Os principais sintomas da febre chikungunya incluem febre acima de 39 graus de início súbito, fortes dores articulares nos pés e nas mãos, dor de cabeça, dores musculares e manchas vermelhas na pele. Algumas pessoas não chegam a manifestar sintomas.

Já o zika virus pode causar febre baixa, manchas pelo corpo, coceira, vermelhidão nos olhos, dor nas articulações, mal estar e dor de cabeça. A doença é auto-limitada e de evolução benigna, geralmente se resolve em 1 semana, sem necessitar de internamento hospitalar. A complicação mais grave é a microcefalia em bebês de mães que tiveram a doença durante a gravidez.

Não existe um tratamento específico para nenhuma das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Em todos os casos, o tratamento visa apenas controlar os sintomas. Para evitar ser picado pelo mosquito, recomenda-se usar repelente durante o dia.

Na presença desses sintomas, procure o serviço de saúde mais próximo.