Perguntar
Fechar

Últimas Questões

7 causas de esperma grosso e como resolver
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O esperma grosso ou sêmen grosso, pode acontecer quando o homem passa mais tempo sem ejacular, em casos de desidratação ou até em situações de ansiedade e estresse emocional, sem significar um problema.

Ao mesmo tempo, pode ser um primeiro sinal de uma doença, como uma infecção sexualmente transmissível, problemas hormonais e inflamação da próstata.

Por isso, se perceber mudanças na consistência do sêmen, especialmente se associada a mudança da cor ou do cheiro, procure um urologista para a avaliação.

1. Desidratação

O consumo de água é fundamental para a produção de quantidade e qualidade do esperma. Procure beber ao menos 1litro e meio de água a dois litros por dia. Se mesmo assim o esperma se mantiver muito grosso será preciso consultar um urologista.

2. Infecção sexualmente transmissível

As doenças infecciosas transmitidas por via sexual, como a sífilis e a gonorreia, modificam a consistência do esperma, tornando-o mais grosso. Além da consistência, o sêmen pode se apresentar amarelado e com mau cheiro. O tratamento deve ser feito com antibióticos, para isso, procure um médico de família ou urologista, para fazer a devida prescrição.

3. Problemas hormonais

A redução de testosterona ou doenças da tireoide, podem interferir na produção do sêmen, levando a uma consistência mais grossa. O tratamento deve ser feito com medicamentos, e reposição hormonal, prescritos e acompanhados pelo endocrinologista.

4. Prostatite

Um processo inflamatório, como a prostatite, inflamação da próstata, tem como sintomas, mudanças das características do esperma, aumento da frequência da micção, dor e ardência ao urinar. Se suspeitar de prostatite, pode ser indicado tratamento com medicamentos, como os anti-inflamatórios e por vezes, uma biópsia da próstata. Procure o quanto antes um urologista para avaliação e tratamento.

5. Uso de anabolizantes

O uso de anabolizantes tem como um dos efeitos adversos, interferir diretamente na produção de espermatozoides, modificando a quantidade e consistência do esperma. Essas mudanças estão também relacionados com muitos casos de infertilidade masculina. Não recorra a anabolizantes sem uma indicação médica precisa.

6. Hábitos de vida ruins (alcoolismo, tabagismo e sedentarismo)

Os hábitos de vida ruins, especialmente o alcoolismo e o tabagismo, levam a menor produção de líquido seminal (sêmen) e da quantidade e qualidade dos espermatozoides. Procure adotar hábitos de vida saudáveis, alimente-se bem e beba bastante água. Se mesmo assim não houver melhora da consistência do esperma, será preciso uma maior investigação com o urologista.

7. Estresse emocional

Situações de estresse, ansiedade, sobrecarga e cansaço físico e mental, também promovem má qualidade de esperma. Para aliviar essa situação, procure um profissional da área de psicologia, para o devido tratamento. Quanto antes compreender a doença e adotar as medidas de tratamento, melhor a sua resposta e ainda evita outras complicações da doença.

Pode lhe interessar também:

Referência:

Bradley D Anawalt, et cols. Approach to the male with infertility. UpToDate: May 13, 2019.

Útero aumentado, quais as principais causas?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

As principais causas de útero aumentado são: a adenomiose, a presença de miomas e tumores.

Entretanto, é importante saber que o útero pode variar de tamanho durante toda a vida da mulher, devido a condições normais. A gravidez e a menopausa, estão entre as alterações hormonais naturais do organismo da mulher, que leva ao aumento uterino.

Conheça neste artigo as doenças mais comuns que levam ao aumento do tamanho uterino e os seus sintomas. Para definir o melhor tratamento, o ginecologista precisa ser consultado.

Adenomiose

A adenomiose uterina acontece quando o tecido que reveste a parede interna do útero (endométrio) cresce para dentro da musculatura uterina. Apesar de provocar o aumento do volume uterino, a adenomiose não evolui para o câncer.

Os sintomas da adenomiose incluem:

  • Menstruação longa e de sangramento abundante,
  • Cólicas menstruais intensas,
  • Dor durante as relações sexuais,
  • Dor pélvica,
  • Sangramentos fora do período menstrual,
  • Dificuldade de engravidar (em alguns casos)

Como tratar? O tratamento é feito com analgésicos para aliviar a dor e o uso de anticoncepcionais orais. Para o tratamento adequado e definitivo da adenomiose é preciso passar pela avaliação de um ginecologista. Nos casos mais graves, pode ser indicado a retirada do útero (histerectomia).

Mioma

O mioma é um tumor benigno que pode ocorrer no útero e é formado, principalmente, por tecido muscular. Nem sempre causa sintomas, mas nos casos de mioma volumoso, pode apresentar:

  • Sangramento menstrual mais longo e intenso que o habitual,
  • Dor ou sensação de peso no baixo ventre durante, ou entre uma menstruação e outra,
  • Vontade de urinar com maior frequência,
  • Prisão de ventre,
  • Aborto espontâneo e
  • Sensação de inchaço na barriga.

Como tratar? Muitas vezes não tem indicação de tratamento, mas quando causam incômodos ou são muito grandes, são indicados analgésicos para aliviar os sintomas e hormônios para reduzir o tamanho dos miomas. Quando os miomas são muito grandes é indicado tratamento cirúrgico para a sua retirada. O ginecologista é o especialista indicado para avaliar o melhor tratamento, caso a caso.

Câncer de útero

O câncer de útero, inicialmente não causa sintomas. Com o seu desenvolvimento e resultar nos seguintes sintomas:

  • Sangramento entre as menstruações,
  • Menstruações irregulares e mais longas que o normal e
  • Perda de peso.

Como tratar? O tratamento do câncer de útero consiste na retirada do tumor e em casos, mais graves, do próprio útero, tubas uterinas e/ou ovários. Em algumas situações é necessário também realizar quimioterapia ou radiologia.

Qual o tamanho normal do útero?

Em uma mulher a adulta, o tamanho do útero pode variar entre 50 a 90 cm3 e pode ser medido durante a realização de ultrassonografia abdominal e transvaginal.

Se você perceber anormalidades como sangramento irregular, menstruações longas e dolorosas, do durante o ato sexual, sensação de pressão ou peso na região inferior do abdome, procure um ginecologista para definir a causa e definir o melhor tratamento.

Para saber mais sobre tamanho e aumento do útero, leia os seguintes textos:

Referências:

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia - FEBRASGO

Primo, W.Q.S.P.; Corrêa, F.J.S.; Brasileiro, J.P.B. Manual de Ginecologia da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de Brasília. SBGO, 2017.

Dor de barriga na gravidez, o que pode ser?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A dor de barriga na gravidez é um sintoma comum entre as gestantes, devido às mudanças hormonais desse período. Uma dessas mudanças é a lentificação do trânsito intestinal, o que facilita o acúmulo de gases, constipação e por vezes, diarreia.

O uso de vitaminas e suplementos nutricionais, utilizados para fortalecer a mãe e o bebê, podem desencadear náuseas e diarreia. Porém, são sintomas que não duram muito tempo e melhoram espontaneamente.

Já as dores de barriga associadas a febre, vômitos, sangramento ou mal-estar, sugerem uma infecção, por isso devem ser avaliadas pelo obstetra, ou num serviço de urgência, sem demora.

Causas de dor de barriga (tipo diarreia) na gravidez
  • Mudanças hormonais - Na gestação, as alterações hormonais são normais e por isso as alterações intestinais são esperadas, sem significar um problema de saúde.
  • Infecção intestinal - Dor na barriga associada a fezes líquidas ou pastosas, cólica, mal-estar e febre. Na suspeita de infecção, procure imediatamente o seu obstetra, para tratar com antibióticos e evitar complicações.
  • Uso de medicamentos - o uso de vitaminas, medicamentos ou suplementos na gestação podem ter como efeito colateral a diarreia, que dura um ou dois dias, sem mais sintomas.
Dor no pé da barriga na gravidez
  • Aumento do fluxo de sangue no útero - A dor no pé da barriga que ocorre no início da gestação, é comum e está relacionada com o aumento do fluxo sanguíneo na região pélvica, para nutrir o bebê até o final da gestação.
  • Aumento do volume uterino - Próximo do final da gestação, a dor pélvica pode ocorrer pelo aumento de tamanho do útero e do bebê. Ambas são modificações naturais do corpo da gestante, necessárias para dar continuidade à gestação.
  • Infecção urinária - A dor vem associada a ardência ao urinar, com ou sem cheiro forte. A infecção urinária aumenta o risco de complicações graves como abortamento, por isso nesse caso entre em contato com o seu obstetra, o quanto antes.
Dor do lado direito da barriga na gravidez
  • Excesso de gases - A dor localizada à direita da barriga, sem mais sintomas, geralmente ocorre pelo excesso de gases.
  • Apendicite - Dor localizada na região inferior, direita da barriga, que só piora com o passar do tempo, associada a febre, rigidez abdominal, náuseas e vômitos. Trata-se de uma urgência médica. Na suspeita de apendicite, procure imediatamente o seu obstetra ou um serviço de emergência.
Dor do lado esquerdo da barriga na gravidez
  • Excesso de gases - Assim como a dor à direita, a dor à esquerda sem mais sintomas, tem maior relação com excesso de gases ou constipação.

A alimentação balanceada e a prática regular de atividades físicas, ajuda na digestão e evita o acúmulo excessivo dos gases.

Dor na parte de cima da barriga na gravidez
  • Azia, gastrite e refluxo gástrico - A dor localizada na parte superior da barriga e mais central, chamada de "boca do estômago", é frequente entre as grávidas, devido às mudanças hormonais, o aumento da produção do ácido gástrico e as mudanças anatômicas dessa fase, como a redução do estômago devido a compressão pelo tamanho do bebê, especialmente no último trimestre da gravidez.

Para aliviar os sintomas de azia e refluxo, a gestante deve se alimentar com mais frequência e em menor quantidade, manter uma boa hidratação para repor os líquidos que estão sendo perdidos e frituras, doces e alimentos gordurosos.

É normal ter dor na barriga na gravidez?

Pode ser normal, desde que não venha associado a outros sintomas. Na dúvida, entre em contato com o obstetra e informe sobre os sintomas que surgiram.

Conheça mais sobre o assunto nos artigos abaixo:

O que é bom para dor de barriga?

Dor no pé da barriga durante a gravidez, o que pode ser?

Diarreia na gravidez: o que pode ser e o que fazer

Dor no estômago na gravidez é normal?

Referências:

G.C.F. et al. Gastrointestinal diseases during pregnancy: what does the gastroenterologist need to know?. Annals of Gastroenterology, 31(4): 385-394, 2018.

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia - FEBRASGO.

Diarreia na gravidez: o que pode ser e o que fazer
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A principal causa de diarreia na gravidez, é a alteração hormonal natural desse período. Além disso, o aumento do tamanho do útero, mudanças na alimentação e uso de vitaminas, também podem causar a diarreia.

Nesse caso, é importante aumentar o consumo de água e manter uma boa alimentação, evitando frituras ou alimentos gordurosos. As mudanças costumam ser o suficiente para ajuste do trânsito intestinal.

Mas se a diarreia permanecer por mais de 2 dias ou apresentar outros sintomas, como febre, vômitos e dores abdominais, é preciso procurar o médico que a acompanha para uma avaliação mais cuidadosa.

Causas de diarreia na gravidez
  • Alterações hormonais,
  • Aumento do útero, especialmente, do 7º ao 9º mês de gestação,
  • Alimentação gordurosa,
  • Intolerância alimentar,
  • Gastroenterite e
  • Medicamentos e suplementos.
O que posso fazer?

A maior parte dos casos de diarreia na gravidez são solucionados com medidas simples que você pode adotar em casa:

1. Mantenha o repouso

Fazer repouso enquanto você estiver apresentando episódios de diarreia permitirá que o seu sistema imunológico funcione melhor para combatê-la.

2. Aumente a ingestão de água

Beba em torno de 2 litros de água ao dia enquanto a diarreia estiver presente. Você também pode ingerir suco, entretanto evite os industrializados, devido à presença de corantes e conservantes que podem deixar o seu intestino ainda mais sensível.

3. Mantenha uma alimentação equilibrada

Procure alimentar-se de forma saudável, com alimentos de fácil digestão. Dê preferência a alimentos cozidos no dia e evite molhos ou condimentos. Procure comer carne magras, como frango e peixe, acompanhados de arroz branco, batatas, macarrão, legumes e ou verduras bem lavadas.

As frutas também podem ser consumidas, porém, sem casca e evitando as frutas secas. Banana e água de coco são boas escolhas, pois ajudam a repor o potássio e o sódio perdidos com a diarreia. Evite os alimentos fritos e gordurosos.

4. Beba soro caseiro

O soro caseiro é uma receita caseira muito utilizada em casos de diarreias para prevenir e combater a desidratação. Para um litro de soro caseiro você pode seguir a seguinte receita:

  • 1 litro de água fervida, filtrada ou mineral engarrafada,
  • 1 colher se sopa cheia de açúcar (20 g) e
  • 1 colher de café de sal (3,5g).

Mistures bem os ingredientes até que o açúcar e o sal se dissolvam completamente. Tome em pequenos goles, várias vezes durante todo o dia.

Devo procurar o médico de família ou obstetra quando:

Procure atendimento se você sentir:

  • Diarreia persistente que dura mais de 3 dias,
  • Mais de 3 episódios de diarreia ao dia,
  • Mas de 2 episódios de diarreia durante vários dias,
  • Vômitos frequentes,
  • Febre superior a 38 graus,
  • Dor abdominal intensa,
  • Presença de sangue nas fezes.

Estas situações podem levar a desidratação intensa que pode prejudicar você e o seu bebê, além de indicar um possível quadro de infecção. Por estes, motivos procure o mais rapidamente atendimento hospitalar.

Para saber mais sobre diarreia na gravidez, você pode ler:

Dor de estômago, vomitando e com diarreia, isso é sintoma de gravidez?

Muco nas fezes durante a gravidez é normal?

Referências

American Pregnancy Association.

G.C.F. et al. Gastrointestinal diseases during pregnancy: what does the gastroenterologist need to know?. Annals of Gastroenterology, 31(4): 385-394, 2018.

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia - FEBRASGO.

Quais os principais sintomas de trombose na perna?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Os principais sintomas de trombose na perna ou Trombose Venosa Profunda (TVP), são a dor e o inchaço na perna comprometida.

A trombose é a presença de um coágulo de sangue (trombo), dentro de uma veia, que impede o fluxo normal naquela região. Essa obstrução causa além da dor e edema, vermelhidão e calor local.

A intensidade dos sintomas dependerá principalmente da veia atingida, do tamanho do coágulo e do grau de obstrução. Há também pessoas com trombose na perna que não apresentam nenhum sintoma.

1. Dor

A dor na perna afetada pela trombose tem início súbito e aumenta no decorrer do tempo. O mais comum é que a dor atinja uma das panturrilhas, direita ou esquerda, podendo ocorrer também no pé e tornozelo da mesma perna. Além disso, a perna fica bastante sensível ao toque e endurecida.

2. Inchaço

O inchaço (edema) da perna também começa subitamente e, como a dor, vai aumentando com o passa do tempo. É possível perceber essa diferença, quando se compara uma perna com a outra.

3. Alteração da cor da pele

A modificação na cor da pele é outro sintoma frequente. A perna obstruída se torna mais avermelhada, pela concentração do sangue, e na medida em que a doença avança, pode se tornar "azulada".

4. Mudança na temperatura da pele

Geralmente, a perna com a obstrução se torna mais quente do que a perna saudável. Algumas pessoas queixam-se de queimação no membro.

Além destes sintomas principais, pode ocorrer endurecimento da pele e dilatação das veias que se tornam mais visíveis na perna com a trombose.

Quando devo me preocupar?

Sempre que suspeitar de trombose na perna é preciso se preocupar e procurar imediatamente um atendimento médico. Principalmente nos casos de:

  • Falta de ar ou dificuldade de respirar;
  • Dor ou "aperto" no peito;
  • Tosse sem motivo aparente.

São sintomas que sugerem embolia pulmonar, a complicação mais grave da TVP e pode ser fatal.

Quando o coágulo (trombo) se forma na perna, ele pode se soltar da parede da veia e viajar pela circulação sanguínea até os pulmões, causando a obstrução de uma veia pulmonar, chamada embolia pulmonar.

Na suspeita da doença não perca tempo, procure rapidamente um atendimento médico.

Para saber mais sobre trombose na perna, você pode ler:

Referência:

Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular. Trombose Venosa Profunda: diagnóstico e tratamento. SBACV, 2018.

Uma infecção no sangue pode virar leucemia?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

Não. Uma infecção no sangue não se transforma em leucemia, entretanto, a leucemia aumenta o risco de infecções, porque a doença reduz a quantidade de anticorpos no organismo.

A leucemia é um tipo de câncer, que atinge a medula óssea, interferindo na sua função de produzir as células do sangue, as hemácias, plaquetas e os glóbulos brancos.

Os glóbulos brancos, por sua vez, são os responsáveis pela formação dos anticorpos. Com menos anticorpos, o organismo tem uma queda da imunidade e maior risco de infecções.

O que é infecção no sangue?

A infecção no sangue é a presença de germes, na corrente sanguínea, que também recebe o nome de sepse ou septicemia.

Qualquer infecção no organismo, seja de pele, problemas dentários ou uma pneumonia, pode virar uma sepse, se o germe não for devidamente combatido. Para combater os germes, o corpo precisa produzir anticorpos, além de receber as medicações antibióticas.

Por isso, pessoas com a imunidade baixa, como acontece nos casos de leucemia, estão mais propensas a desenvolver infecções de repetição e infecções graves (sepse).

O contrário já não acontece. Uma infecção não é capaz de alterar a função da medula óssea, portanto não causa leucemia.

O que é leucemia?

A leucemia é um tipo de câncer comum na população, especialmente em crianças, onde a medula produz menos glóbulos brancos, as células responsáveis pela nossa defesa do corpo. Com isso aumenta o risco de infecções.

A evolução da doença atinge também a produção de hemácias e plaquetas, levando ao quadro de anemia e sangramento espontâneo sem motivo aparente.

A causa da leucemia não está bem definida, porém, tem forte relação com a história familiar, quimioterapia, radioterapia, exposição agrotóxicos, entre outros.

A infecção no sangue, mesmo quando grave, ainda não foi relacionada a casos de leucemia.

Sintomas da leucemia

Os sintomas da leucemia variam um pouco de acordo com o tipo da doença, se aguda, crônica, linfocítica ou mielocítica, mas, em geral, incluem:

  • Febre (sem causa aparente),
  • Infecção de repetição,
  • Anemia (palidez, cansaço, sonolência),
  • Manchas roxas na pele,
  • Episódios de sangramento espontâneo (sangramento gengival, manchas na pele, dificuldade de cicatrização).
Leucemia tem cura? Qual é o tratamento?

Às vezes. Alguns casos podem ser curadas, enquanto outras apenas controladas. O tratamento pode incluir quimioterapia, radioterapia, transplante de medula óssea, cirurgia para remover o baço e terapias biológicas e direcionadas.

O médico hematologista é o especialista indicado para diagnosticar e tratar a leucemia.

Conheça ainda mais sobre esse tema nos artigos:

Referências:

Abrale - Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia.

INCA - Instituto Nacional do Câncer (Brasil).

Charles A Schiffer, et al.; Clinical manifestations, pathologic features, and diagnosis of acute myeloid leukemia. Aug 15, 2019.

Tive relação 1 dia depois da menstruação, posso estar grávida?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

É bastante raro, mas quando ocorre uma relação desprotegida logo após terminar a menstruação, um ou dois dias apenas, pode sim ocorrer uma gravidez. Isso depende principalmente do ciclo menstrual da mulher.

A mulher que tem um ciclo menstrual muito curto e ao mesmo tempo, uma menstruação prolongada, tem maior risco de engravidar logo após terminar o sangramento, porque a ovulação acaba ficando próxima.

Como a ovulação acontece no meio do ciclo menstrual, mulheres com ciclos curtos, de 22 ou 23 dias, ovulam no 10º ou 11º dia. Por isso, se a menstruação durar 7 dias, um dia depois será o 8º dia, bem próximo à ovulação, oferecendo risco de uma gravidez.

Vejamos um exemplo:

  • Ciclo menstrual curto (22 ou 23 dias) → dia fértil - 10º ou 11º dia
    • Período fértil - 7º até 13º do ciclo.
Como calcular o período fértil?

Sabendo que os ciclos para a maioria das mulheres varia entre 28 e 30 dias, o dia fértil, de maior risco para engravidar, é o 14º ou 15º dia do ciclo, exatamente a metade do ciclo. Devido a vitalidade dos espermatozoides, e possíveis variações hormonais, são somados 3 dias antes e 3 dias após esse dia, resultando no período fértil, que varia entre o 11º e o 17º dia após o primeiro dia da menstruação.

Um exemplo prático:

Mulher que menstrua a cada 28 dias, regularmente, durante 5 dias, e teve o início da sua menstruação no dia 11 de março.

  • Primeiro dia do ciclo: 11 de março
  • Dia fértil: 14º dia (11+14) = 25 de março
  • Período fértil: acrescenta 3 dias antes e 3 dias depois = 22 até 28 de março

Na semana de 22 a 28 de março provavelmente será liberado o óvulo que ao se encontrar com o espermatozoide, dá origem ao embrião. Portanto, nesse período, existe grande probabilidade de engravidar, se houver relação desprotegida.

Nos casos de irregularidade menstrual, o cálculo do dia fértil pode ser feito, mas é considerado menos seguro. Nesse caso anote os ciclos durante 6 meses e depois subtraia 18 do ciclo mais longo e 11 do ciclo mais curto. Os resultados são a semana estimada de fertilidade.

Quantos dias depois da menstruação é possível engravidar?

Em geral, após 7 a 10 dias do último dia da menstruação, a possibilidade de engravidar se torna maior.

No entanto, alguns fatores podem interferir nesse cálculo e permitir que aconteça a gravidez antes desse período, e são esses fatores que a mulher que não deseja engravidar nesse momento, deve estar atenta.

Por exemplo, mulheres com irregularidade menstrual, podem ter um escape (pequeno sangramento), no meio do ciclo, próximo ao período fértil, mas interpretar como menstruação.

O uso de medicamentos, uso de anticoagulantes, que por vezes interferem na ovulação e pico hormonal da mulher.

Situações de estresse e ansiedade, crise de depressão e uso de antidepressivos, também podem modificar a liberação de neurotransmissores e assim, o pico do hormônio necessário para a liberação do óvulo.

O método mais confiável de evitar a gravidez é com uso regular de contraceptivos, em todas as relações. Como as pílulas anticoncepcionais, dispositivo intrauterino (DIU), implante subcutâneo e a camisinha (feminina ou masculina), que além da gravidez, protege contra infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

Saiba um pouco mais sobre o assunto, nos artigos abaixo:

Referência:

FEBRASGO - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia.

Qual o valor normal dos segmentados no exame de sangue?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O valor normal dos segmentados ou neutrófilos segmentados no sangue pode variar de acordo com cada laboratório. No entanto, você pode se basear nos seguintes valores de referência:

  • 3.000 a 8.000/mm³ ou
  • 40 a 65%

Os segmentados fazem parte do leucograma que, por sua vez, está incluído no hemograma completo.

Segmentados altos ou baixos, o que significa?

O nível de segmentados altos ou baixo no sangue indica que algo pode estar acontecendo no seu organismo.

Segmentados altos

Os segmentados são considerados altos no sangue quando atinge os seguintes valores:

  • acima 8.000/mm³ ou
  • acima 65%

A elevação dos níveis de segmentados no sangue é chamado de neutrofilia e ocorre nas seguintes condições:

  • Infecções bacterianas e/ou inflamações,
  • Hemorragias,
  • Infarto,
  • Uso de alguns medicamentos, por exemplo, os corticoides,
  • Presença de tumores e
  • Após a realização de cirurgias.
Segmentados baixos

Quando os segmentados no sangue estão baixos, observamos no exame de sangue os valores a seguir:

  • abaixo de 3.000 ou
  • abaixo de 40%

A redução dos segmentados na corrente sanguínea, se chama de neutropenia e pode indicar:

  • Doenças autoimunes,
  • Distúrbios na atividade da medula óssea,
  • Alcoolismo e
  • Tratamento com quimioterapia.
O que são os segmentados?

Os segmentados ou neutrófilos segmentados são os neutrófilos maduros, células de defesa encontradas em maior quantidade na corrente sanguínea. Os neutrófilos fazem parte dos glóbulos brancos do sangue, responsáveis pelo nosso sistema imune e muito importante no combate a infecções.

Neutrófilos jovens são conhecidos como bastões ou bastonetes e costumam estar elevados quando existe uma infecção aguda.

O resultado dos níveis de segmentados e outros componentes do hemograma completo, deve ser interpretado e analisado, de preferência, pelo médico que o solicitou. Geralmente é solicitado pelo médico de família ou clínico geral.

Se você quer saber mais sobre segmentados e/ou leucograma, leia também:

Segmentados alto no leucograma, o que pode ser?

Segmentados baixo no leucograma, o que pode ser?

Leucograma: Para que serve e quais os valores de referência?

Referência

Sociedade Brasileira de Análises Clínicas

Caroços e nódulos no couro cabeludo, o que pode ser?
Dra. Janyele Sales
Dra. Janyele Sales
Medicina de Família e Comunidade

Caroços no couro cabeludo podem corresponde a diferentes condições e doenças. Algumas causas de caroços no couro cabeludo são: dermatite seborreica, caspa, acne, foliculite, micoses, cistos, psoríase ou câncer de pele.

Dermatite seborreica

A dermatite seborreica é uma condição que acarreta a descamação do couro cabeludo e oleosidade. O acumulo de escamas ou caspas pode causar a formação de pequenos nódulos descamativos. A dermatite seborreica pode causar ainda coceira intensa no couro cabeludo.

Acne

A acne também pode atingir o couro cabeludo. Embora seja uma condição mais frequente em outras áreas do corpo como a face e costas, a região da cabeça também pode apresentar erupções características da acne. A acne pode formar nódulos que doem no couro cabeludo.

O tratamento da acne é feito com cuidados locais, cremes e eventualmente antibióticos ou outros medicamentos.

Foliculite

Foliculite é a infecção do folículo piloso. A base do pelo pode inchar, ficar vermelha, quente e dolorida, formando um nódulo ou caroço que pode ser palpado ao tocar o couro cabeludo. O tratamento da foliculite inclui o uso de antibióticos e drenagem do pus.

Cistos

Cisto podem ocorrer também no couro cabeludo. Os cisto são nódulos repletos de líquido e podem atingir diferentes partes do corpo, incluindo o couro cabeludo e região da cabeça. O cisto pode ser retirado através de um procedimento de excisão cirúrgica.

Micose

A presença de infecção por fungos no couro cabeludo pode levar a formação de lesões avermelhada ou esbranquiçadas, que coçam. Em algumas situações são formadas placas ou nodulações na cabeça, que podem levar a queda do cabelo. O tratamento é feito com antifúngicos em shampoos, loções ou cremes.

Psoríase

A psoríase é uma doença que leva a formação de placas avermelhadas e descamativas. Embora a psoríase não forme nódulos, as placas podem ser confundidas com nodulações no couro cabeludo. O tratamento da psoríase pode incluir, cremes contendo corticoesteroide, fármacos ou fototerapia.

Câncer de pele

Alguns tipos de câncer de pele podem formar nódulos no couro cabeludo, como o carcinoma espinocelular. O câncer de pele geralmente desencadeia um nódulo de crescimento rápido, com alterações na coloração e que podem sangrar. O tratamento exige a retirada cirúrgica e se necessário quimioterapia.

Caroço no couro cabeludo de crianças

Caroços no couro cabeludo de crianças podem ocorrer devido a pediculose (piolho), foliculite ou mesmo pelo simples ato de coçar, que pode desencadear feridas e inflamações levando a formação de nódulos e caroços na cabeça.

A pediculose é a infestação por piolhos, que causa intensa coceira e desconforto principalmente em crianças em idade escolar.

Na presença de caroços no couro cabeludo que doem ou coçam é essencial a avaliação por um médico de família, clínico geral e dermatologista para a realização do melhor diagnóstico e tratamento.

Leia também:

Qual o tratamento para foliculite no couro cabeludo?

Referências bibliográficas

SBD. Sociedade brasileira de dermatologia.

Quais são os remédios usados para unha inflamada com pus?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

O principal remédio para tratar uma unha inflamada com pus é o antibiótico. Pode ser feito em pomada, creme ou em comprimidos, dependendo da extensão e gravidade da inflamação.

Além dos remédios, para ajudar a aliviar a dor, é recomendado o uso de calor local, limpeza da ferida e cuidados com a região. Evitar trauma e sapatos fechados, por exemplo, acelera o processo de cicatrização.

Se após 2 ou 3 dias com o remédio e todos os cuidados, não observar melhora dos sintomas, procure um médico de família ou dermatologista, para avaliação. Pode ser preciso drenar o pus com um pequeno corte.

Drenar a ferida em casa, não é recomendado e pode piorar a infecção. Procure um profissional capacitado.

Lista de remédios para unha inflamada

Alguns dos antibióticos mais usados para unha inflamada são:

  • Bactroban® (mupirocina) - pomada
  • Neosporin® - pomada
  • Nebacetin® - pomada
  • Cefalexina - comprimidos
  • Eritromicina - comprimidos
  • Clavulin® - comprimidos

A pomada deve ser aplicada na área inflamada, após limpar e secar bem a região, para melhor penetração da medicação. Aplicar pequena quantidade e fechar com curativo estéril. O curativo deve ser trocado pelo menos uma vez ao dia, ou sempre que estiver muito "molhado".

A limpeza pode ser feita com soro fisiológico apenas, ou com sabão neutro.

Remédio caseiro para unha inflamada

O tratamento caseiro inclui:

  • Imersão do dedo inflamado em água morna,
  • Bicarbonato de sódio ou sal simples - podem ser incluídos na água morna, 1 colher de café para cada 300 ml de água,
  • Manter por 15 a 20 minutos,
  • Depois secar e evitar umidade.
Unha do pé inflamada: O que fazer?

1. Aplicar calor local, mantendo o pé com a unha inflamada dentro de uma bacia de água morna, durante 20 minutos, 3 a 4 vezes por dia ou aplicar compressas mornas, pelo mesmo tempo. (Na bacia pode ser diluído o bicarbonato de sódio),

2. Após o tratamento com calor local, limpar a região com água corrente e secar bem a região para evitar proliferação de fungos e para ajudar na melhor penetração do antibiótico em pomada,

3. Aplicar pequena quantidade de pomada, mais uma vez para evitar umidade na região,

4. Manter cuidados para acelerar a cicatrização, como: evitar sapatos apertados e fechados, e manter o pé com boa ventilação.

Se a unha continuar encravada ou voltar a encravar, o tratamento deve ser feito por um podólogo, médico de família, ou dermatologista. A unha encravada pode se tornar grave em pessoas com diabetes, má circulação sanguínea e problemas neurológicos.

Nesses casos, a parte encravada da unha é removida e levará de 2 a 4 meses para a unha voltar a crescer. Se o dedo do pé estiver infectado, podem ser prescritos medicamentos antibióticos.

Saiba mais sobre esse assunto nos seguintes artigos:

Unha inflamada: o que fazer?

Unha encravada: quais as causas e como desencravar?

Como acabar com micose de unha? Qual o tratamento?

Referências:

SBD - Sociedade Brasileira de Dermatologia

Beth G Goldstein, et al.; Paronychia. UpToDate: Jul 29, 2019.

Útero inflamado pode ser perigoso? Como tratar?
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

De modo geral, não é perigoso, pois as inflamações no útero são provocadas por germes que normalmente habitam essa região, como o fungo Candida sp., ou bactérias como a Chlamydia sp. ou Neisseria gonorrhoeae.

No entanto, a inflamação por outros germes como o HPV, pode sim ser grave, porque causa feridas que aumentam o risco de desenvolver o câncer de colo uterino.

Além disso, as infecções por Chlamydia sp. ou Neisseria gonorrhoeae, quando não tratadas, podem provocar a Doença Inflamatória pélvica (DIP). Doença que afeta o útero, trompas e ovários, relacionada a casos de infertilidade.

O tratamento das inflamações no útero depende da sua causa e do local acometido. Pode incluir o uso de antibióticos ou antivirais. Cabe ao ginecologista definir a melhor opção para cada caso.

Remédios para inflamação no útero

O tratamento das inflamações que afetam o útero é realizado com medicamentos orais, cremes ou óvulos vaginais de acordo com o agente causador da doença. Os medicamentos mais utilizados são:

Antifúngicos

Os medicamentos antifúngicos são indicados nos casos de candidíase, inflamação causada por Candida albicans. O tratamento tem duração de 3 a 14 dias e pode ser efetuado com:

  • Medicamentos orais: fluconazol, itraconazol ou cetoconazol,
  • Cremes vaginais: nistatina ou miconazol e
  • Óvulos vaginais: miconazol ou clotrimazol.

Quando em uso de óvulos ou cremes vaginais, é importante que você evite as relações sexuais.

Antibióticos

Os antibióticos orais e/ou injetáveis são utilizados nas inflamações uterinas causadas por bactérias como a clamídia e gonorreia. Os mais usados são:

  • Azitromicina: comprimido administrado por via oral em dose única,
  • Doxiciclina, eritromicina, levofloxacino ou ofloxacino: comprimidos administrados por via oral durante 7 dias e
  • Ceftriaxona: medicamento aplicado em dose única através de uma injeção.

Em doenças como clamídia ou gonorreia, os parceiros sexuais também devem ser tratados. Do mesmo modo, as relações sexuais devem ser evitadas até que ambos tenham sido tratados por pelo menos uma semana. As pessoas infectadas e seus parceiros sexuais devem se abster de relações sexuais até que tenham sido tratados por pelo menos uma semana.

Tratamento caseiro para inflamação no útero

Não há comprovação científica de que receitas caseiras como uso de chás são eficazes para o tratamento das inflamações no útero. Inclusive o uso destas receitas pode retardar o tratamento indicado e agravar a doença.

Por este motivo, recomendamos que na suspeita de inflamação uterina, procure um ginecologista ou médico de família, converse sobre as opções de tratamento, antes de tomar qualquer medicação mesmo que a princípio, seja um produto natural.

Sintomas de inflamações uterinas
  • Corrimento amarelado, cinza ou marrom com mau cheiro,
  • Sangramento fora do período menstrual,
  • Sangramento durante ou após as relações sexuais,
  • Dor durante o ato sexual,
  • Dor ao urinar,
  • Sensação de inchaço no baixo ventre ou útero e
  • Dor no baixo ventre.
Quando devo me preocupar?

Alguns sinais servem de alerta e podem ser um sinal de que a inflamação está piorando. Estes sinais incluem:

  • Aumento ou persistência de dor abdominal,
  • Aumento ou permanência do corrimento,
  • Sangramento depois das relações sexuais.

Se você está em tratamento e estes sintomas persistem é importante retornar ao ginecologista para nova avaliação ginecológica.

Para saber mais sobre inflamação no útero, você pode ler:

Quais os sintomas de inflamação no útero?

Quais são as causas de inflamação no útero?

Qual o tratamento para inflamação do útero?

Referências

Centers for Disease Control and Prevention. CDC. Sexually Transmitted Diseases Treatment Guidelines, 2019. UpToDate®

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetricia. Guidelines Manual in the lower genital tract and colposcopy. FEBRASGO, 2018.

Primo, W.Q.S.P.; Corrêa, F.J.S.; Brasileiro, J.P.B. Manual de Ginecologia da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia de Brasília. SBGO, 2017.

5 causas de barriga tremendo e quando devo me preocupar
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Dra. Rafaella Eliria Abbott Ericksson
Clínica médica e Neurologia

A sensação de barriga tremendo ocorre, principalmente, em pessoas com tendência a formar excesso de gases, mas também é comum durante a gravidez, no período menstrual e nos casos de síndrome do intestino irritável.

Todas essas são situações podem ser resolvidas de forma simples e não oferecem riscos de vida. No entanto, uma outra causa possível desse sintoma é o aneurisma de artéria aorta.

O aneurisma de aorta é uma doença grave, que oferece risco de morte, por isso se perceber algo "batendo" ou "pulsando" dentro da barriga, como as batidas do coração, procure imediatamente um serviço de urgência.

1. Gases intestinais

Os gases intestinais são a principal causa de barriga tremendo ou "movimentos" dentro da barriga. Isso ocorre pela produção aumentada de gases pelas bactérias intestinais, quando comemos com muita pressa, quando comemos conversando, engolindo ar, ou quando a alimentação é muito gordurosa ou de difícil digestão.

A sensação pode vir acompanhada de barriga inchada, azia e cólicas. Para evitar o excesso de gases procure se alimentar com calma, mastigar mais vezes, evitar alimentos pesados e beber líquidos durante a refeição.

2. Gravidez

Na gravidez é possível perceber o bebê mexendo a partir do quarto mês. Algumas mulheres percebem antes, em meados do terceiro mês. A barriga aumenta de tamanho, se torna mais endurecida e os movimentos estarão presentes no "pé da barriga".

Se suspeitar de gravidez, pelo atraso menstrual ou devido à relação desprotegida, entre outros sintomas, é importante realizar o quanto antes um teste de gravidez e dar início ao pré-natal no posto de saúde mais próximo.

3. Menstruação

A menstruação é a descamação da parede mais interna do útero, quando não ocorreu a fecundação, ou seja, uma gravidez. Essa descamação pode causar cólicas ou sensação de "tremores no pé da barriga".

Nesse caso, a mulher estará no período menstrual. Se a cólica ou os tremores forem muito incômodos, pode tomar um medicamento para aliviar, como o buscopan®. Mas é importante conversar com o médico para ter certeza da causa e de não haver contraindicações.

4. Síndrome do Intestino Irritável

A síndrome do intestino irritável (SII) é uma alteração na motilidade do intestino, causando mudanças frequentes no hábito intestinal, que intercala em episódios de constipação e diarreia. Além do hábito intestinal, apresenta sintomas de dor e distensão abdominal, excesso de gases e urgência para evacuar.

A causa ainda não foi bem definida, mas parece ter forte relação com situações de ansiedade e estresse. O tratamento se baseia nas mudanças de hábitos de vida, especialmente com a dieta FODMAPs, certos medicamentos e psicoterapia.

A FODMAPs é atualmente uma das dietas mais recomendadas e com ótimo resultado no tratamento de SII. A dieta não restringe alimentos, mas busca o equilíbrio entre os nutrientes. O consumo de lacticínios (leite, iogurtes, sorvete e queijos), frutose e doces, deve ser evitado, enquanto o consumo de produtos sem lactose, sementes e certos grãos, estimulado.

5. Aneurisma de Aorta

O aneurisma é uma malformação vascular, que pode acometer qualquer vaso do corpo. Como a artéria aorta é a maior artéria que temos e a mais calibrosa, um aneurisma nessa região é muito perigoso. A sua ruptura tem uma alta incidência de morte.

Por isso, se perceber um tremor ou pulsação na barriga, especialmente se sentir essa pulsação quando aperta com as pontas dos dedos, procure imediatamente o seu médico de família, ou um serviço de urgência para avaliação.

O médico especialista nesse caso é o cirurgião vascular ou angiologista.

Quando se preocupar?

O sintoma de barriga tremendo associado a gases ou cólicas intestinais podem não oferecer riscos, mas o aneurisma de aorta ou um problema na gestação sim. Se o tremor vier acompanhado de um dos sinais e sintomas abaixo, procure uma emergência imediatamente:

  • Pulsação na barriga, como se fosse o coração batendo,
  • Excesso de gases que evolui com dor e rigidez na barriga,
  • Gestante com tremor e dor na barriga,
  • Sangramento vaginal,
  • Febre alta (acima de 38º)
  • Desmaios, sonolência.
Tremores no pé da barriga

Quando os tremores estão localizados no pé da barriga, pode sugerir gravidez, especialmente quando associado ao atraso menstrual.

As cólicas menstruais também causam dor e sensação de tremor nessa região, pela contração muscular uterina. E os próprios gases intestinais, que podem se localizar em qualquer região do abdomen.

Na suspeita de gravidez, procure realizar o teste antes de recorrer a qualquer medicação. O uso de medicamentos durante a gestação, especialmente nos primeiros meses, pode causar abortamento ou malformação no bebê.

Para maiores esclarecimentos converse com o seu médico de família.

Pode lhe interessar ainda, os seguintes artigos:

Referências:

Harvard Heatlh Publishing. Try a FODMAPs diet to manage irritable bowel syndrome. Updated: September 17, 2019.

Ministério da Saúde do Brasil. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica; n. 31).