Perguntar
Fechar

Especialidades Médicas

Dor na barriga do lado direito durante a gravidez, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A dor na barriga do lado direito durante a gravidez pode ter muitas causas, mas se for localizada na região inferior da barriga, geralmente está relacionada com a compressão das estruturas internas do abdômen causadas pelo aumento do volume do útero e pelo estiramento dos ligamentos pélvicos.

Vale lembrar que dor na barriga na gravidez é uma condição bastante comum, sobretudo a partir do 4º mês de gestação, podendo atingir o lado direito, esquerdo ou a porção inferior do abdômen.

Em geral, essas dores na barriga são provocadas pela compressão dos órgãos da cavidade pélvica devido ao aumento de tamanho do útero e pelo estiramento dos ligamentos pélvicos.

No começo da gestação, algumas mulheres podem sentir também um pouco de desconforto abdominal. A sensação é parecida com a da cólica menstrual, como se alguma coisa estivesse torcida dentro da barriga. Esse sintoma é causado pelo aumento da circulação sanguínea no baixo ventre, necessário para nutrir o embrião e permitir o desenvolvimento da gravidez.

Contudo, dores intensas na barriga durante a gravidez, semelhantes a cólicas menstruais fortes, devem ser avaliadas com atenção. Se a dor surgir após algum esforço físico, normalmente ela desaparece com o repouso. Quando a dor permanece, pode ser um sintoma de contrações uterinas, com risco de aborto ou parto prematuro.

É importante que seja realizado um exame clínico para avaliar outras causas possíveis para as dores abdominais, como as dores devido a contrações uterinas, constipação intestinal e formação de gases, cálculos (pedras) nos canais urinários, diverticulose, dor de estômago, pedras na vesícula, flacidez abdominal ou apendicite.

A dor abdominal do lado superior direito pode indicar um distúrbio de coagulação sanguínea (síndrome HELLP), principalmente se ocorrer no 3º trimestre de gestação e houver pré-eclâmpsia associada.

Também é importante verificar se a dor na barriga aparece juntamente com outros sinais e sintomas, como sangramentos ou febre.

O médico obstetra ou médico de família que acompanha a gestação deve ser consultado sempre que houver dúvidas em relação ao desenvolvimento da gravidez.

Leia mais sobre outros sintomas de gravidez em:

Principais sintomas de gravidez

É normal sentir cólicas no inicio da gravidez?

Barriga de grávida é dura ou mole?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Barriga de grávida é dura, pois o útero está se expandindo para acomodar o desenvolvimento do bebê. A mulher já pode sentir a barriga mais dura logo no início da gravidez, por volta da 7ª semana de gestação.

Primeiro é a região abaixo do umbigo que fica dura, passando a seguir para a área ao redor do umbigo. À medida que o feto vai crescendo, a barriga da grávida vai ficando mais dura e arredondada.

Quando a gravidez está mais ou menos pela metade, entre a 16ª e a 20ª semana de gestação, a grávida pode começar a sentir a barriga mais dura durante períodos de 30 a 60 segundos.

Nesses casos, o que deixa a barriga dura momentaneamente são contrações uterinas que podem ocorrer várias vezes ao dia, de forma aleatória e normalmente sem causar dor.

São as chamadas "contrações de Braxton-Hicks", também conhecidas como "contrações falsas" ou "contrações de treinamento", pois acredita-se que sejam uma espécie de preparação do corpo para o momento do parto. Nem todas as grávidas sentem essas contrações, que são normais e esperadas.

No entanto, se essas contrações ocorrerem mais de duas vezes por hora ou causarem muita dor, se forem no final da gravidez, se a grávida suspeitar de trabalho de parto, notar perda de sangue ou se o bebê parar de se mexer, deve-se procurar seu/sua médico/a obstetra com urgência.

Com quanto tempo de gravidez a barriga começa a aparecer?

Geralmente, a barriga começa a ficar mais saliente e visível entre a 16ª e a 20ª semana de gestação. O 8º mês é o período em que a barriga da grávida chega ao seu tamanho máximo. No 9º mês, quando o bebê desce e se encaixa para se preparar para o parto, a barriga pode descer e diminuir de tamanho.

Porém, para gestantes que já foram mães, a barriga pode começar a aparecer já na 12ª semana de gestação. Isso acontece devido à flacidez do útero causada pela primeira gravidez, o que faz com que o órgão se distenda mais facilmente nas gestações seguintes.

Algumas grávidas podem começar a notar uma saliência na barriga, na região abaixo do umbigo, quando estão na 8ª ou 9ª semana de gestação. O aumento de tamanho da barriga nessa fase é devido às alterações hormonais, uma vez que o feto ainda é muito pequeno para causar crescimento do útero.

O que pode influenciar o crescimento da barriga na gravidez?Largura do quadril

Mulheres com quadril mais largo possuem mais espaço para o crescimento do útero, o que pode atrasar um pouco o aparecimento da barriga ou fazer com que a barriga cresça menos.

Prática de atividade física

Mulheres que praticam exercícios físicos podem levar mais tempo para notar o crescimento da barriga, já que os músculos abdominais mais tonificados podem “disfarçar” o crescimento do útero.

Magreza ou excesso de peso

Mulheres magras, com pouca gordura abdominal e músculos abdominais pouco volumosos, podem notar o crescimento da barriga mais cedo. Por outro lado, grávidas com excesso de peso ou obesas podem demorar mais para notar o crescimento da barriga, uma vez que a gordura abdominal “disfarça” a distensão do útero.

Gestação de gêmeos ou gravidez múltipla

Nesses casos, a barriga pode começar a crescer antes, embora essa não seja uma regra.

Para maiores esclarecimentos quanto ao crescimento e endurecimento da barriga durante a gravidez, consulte o seu médico obstetra.

Dor lombar no lado direito, o que pode ser?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

A maioria das dores nas costas, independente do lado, é de origem muscular, ou seja, causada por algum esforço físico feito de maneira exagerada ou incorreta. Não existe nenhum órgão localizado no lado direito nas costas que exija alguma atenção ou preocupação especial.

As principais causas de dor muscular incluem carregar peso excessivo (inclusive o próprio peso, no caso de pessoas obesas), ter uma postura ruim e outros hábitos que acabam esforçando a musculatura.

Em alguns casos, entretanto, ela pode ser sinal de doenças mais sérias, como por exemplo inflamações dos ossos, tendões e músculos, além de infecções urinárias e de pele, ou até mesmo alguns tipos de câncer.

De maneira geral, a melhora na postura associada a alongamento e atividade física leve podem ajudar bastante no alívio dos sintomas, mas é sempre importante que a pessoa procure um médico para uma avaliação mais detalhada, principalmente nos casos em que as dores durarem muito tempo ou não melhorarem com analgésicos comuns.

Quais são as causas da hemoglobina baixa?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

As causas para a hemoglobina baixa estão relacionadas a distúrbios que causam a redução da quantidade de hemácias no sangue. A hemoglobina é uma substância de cor vermelha presente no interior das hemácias (glóbulos vermelhos). Valores baixos de hemoglobina caracterizam a anemia.

Esses valores baixos podem ser causados por problemas que levam à redução da produção das hemácias, ao aumento da velocidade da sua destruição ou à perda de sangue.

A hemoglobina é uma proteína que tem como função transportar o oxigênio dos pulmões para os tecidos do corpo através do sangue. Quando a hemoglobina está baixa, o transporte de oxigênio para as células do corpo fica prejudicada.

Porém, a hemoglobina um pouco abaixo do limite pode ser um resultado normal para muitas pessoas e, geralmente, não deve ser causa de preocupação. É comum as mulheres grávidas apresentarem valores de hemoglobina um pouco abaixo do normal.

Que doenças podem causar redução da produção de hemácias e hemoglobina?

As doenças que podem deixar a hemoglobina baixa incluem anemias por falta de ferro ou vitaminas, cirrose, leucemia, linfomas, insuficiência renal, anemia aplástica, hipotireoidismo, e uso de medicamentos, como os usados no tratamento do câncer e da AIDS.

Que doenças aumentam a velocidade de destruição das hemácias e hemoglobina?

Dentre as doenças que podem causar um aumento da velocidade de destruição das hemácias, deixando a hemoglobina baixa, estão: anemia falciforme, talassemia, distúrbios que causam o aumento do baço (esplenomegalia), porfiria e vasculites.

Quais distúrbios levam à perda de sangue e deixam a hemoglobina baixa?

Uma vez que a hemoglobina baixa também pode ser um sinal de perda sanguínea, alguns distúrbios que provocam hemorragia também devem ser levados em consideração, tais como: distúrbios da coagulação, sangramentos no sistema digestivo e distúrbios menstruais com sangramento exagerado.

Quais são os sintomas de hemoglobina baixa?

A hemoglobina baixa causa palidez, descoramento das mucosas e redução dos níveis de oxigênio em todos os órgãos do corpo, levando à sensação de fraqueza, cansaço fácil e falta de ar, até mesmo para a realização de atividades das rotinas diárias.

Para um diagnóstico adequado é necessário avaliar a história clínica e os sinais e sintomas associados para se chegar a conclusão de qual é a causa da anemia, se por perda sanguínea, falta de produção ou por destruição das hemácias.

O clínico geral ou o médico de família podem diagnosticar e iniciar o tratamento das anemias. Em casos mais complicados pode ser necessário o acompanhamento também pelo hematologista.

O que é adenocarcinoma?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O adenocarcinoma é um tumor maligno, que deriva de células glandulares epiteliais secretoras. Este é um tumor que pode afetar vários órgãos do corpo humano: pulmões, intestinos, pâncreas, fígado, colo do útero, mama, esôfago, estômago, próstata, vesícula biliar.

Os adenocarcinomas são, normalmente, um tipo de câncer de agressividade elevada. A remoção cirúrgica é também bastante difícil, e por esse motivo o prognóstico costuma ser desfavorável.

Não se conhece precisamente as causas dos adenocarcinomas, mas antecedente familiar de câncer, idade avançada, tabagismo (no caso do câncer de pulmão especialmente), reposição hormonal (no caso de câncer de mama especialmente), qualidade da alimentação (no caso de câncer do trato gastrointestinal) são causas associadas ao surgimento de adenocarcinomas.

Os sintomas dos adenocarcinomas vão depender muito do órgão que eles estiverem comprimindo ou afetando com sua presença. Dependendo da localização, pode passar muito tempo antes que os adenocarcinomas podem evoluir comecem a provocar sintomas. Visto que os adenocarcinomas podem afetar muitos órgãos diferentes, os sintomas variam muito:

  • tosse com sangue, falta de ar, dor no tórax, perda de peso: associados ao adenocarcinoma de pulmão;

  • sangramento misturado nas fezes, anemia, dor abdominal, mudança no diâmetro nas fezes ou alteração do hábito intestinal (alternância constipação e diarréia): associado ao adenocarcinoma de cólon;   

  • sangramento vaginal, dor nas relações sexuais, corrimento vaginal escuro e mal cheiroso: associados ao adenocarcinoma de colo de útero;

  • dor no abdome, icterícia e perda de peso: associados ao adenocarcinoma de pâncreas;

  • perda de apetite e de peso, enjôos e sensação de estômago cheio, intolerância a carnes e outros alimentos de digestão mais lenta, anemia: associados ao adenocarcinoma de estômago;

  •  nódulo na mama, caroços na axila, saída de secreção espontaneamente pelo mamilo, associados ao adenocarcinoma de mama.

O diagnóstico pode ser feito por exames de imagem, como raio-x e tomografias, e, se possível, deve ser feita biópsia para diagnóstico histológico (que dividirá o câncer em pouco, moderadamente ou bem diferenciado). De maneira geral, os adenocarcinomas bem diferenciados tem melhor prognóstico e aqueles pouco diferenciados tem pior prognóstico. Quando descoberto, requer tratamento imediato, porque os adenocarcinomas são de rápida progressão e tendem a dar metástases com facilidade, permitindo ao câncer espalhar-se para outros órgãos que não o original.

O tratamento do adenocarcinoma inclui a remoção cirúrgica do tumor e cuidados com as possíveis complicações que ele tenha causado. Se o diagnóstico for tardio, a cirurgia pode não ser possível, restando o tratamento com quimioterapia e/ou radioterapia, que pode ser complementar mesmo se for possível a remoção cirúrgica.

Se descoberto no início, dependendo do órgão acometido e do grau de diferenciação do tumor, pode haver cura, contudo, só se pode considerar cura após seguimento clínico e radiológico por no mínimo cinco anos.

O médico que conduzirá o diagnóstico e o tratamento depende do sítio acometido, sendo que, na necessidade de quimioterapia, será o oncologista clínico que a prescreverá. No caso de tumores na mama, colo do útero e vagina, deve-se procurar um ginecologista; se pulmonar, pneumologista; se no trato gastrointestinal, gastrocirurgião ou proctologista.

Dependendo do estado do paciente e das complicações em virtude do próprio tumor ou do tratamento, deve ser procurado um pronto atendimento.

Teste de farmácia tem que ser feito com a 1ª urina do dia?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

Teste de gravidez de farmácia pode ser feito com a urina de qualquer hora do dia e pode ser feito a partir de um dia de atraso menstrual. Antes disso não é confiável.

Porém, o ideal é esperar 8 dias para ver se realmente é atraso menstrual, após esse período o teste se torna ainda mais fidedigno, alcançando eficácia próxima a 100%.

Contudo, apesar da maioria dos testes de gravidez de farmácia poderem ser feitos com a urina de qualquer hora do dia, a primeira urina da manhã está mais concentrada e possui uma maior concentração de beta-HCG, oferecendo melhores resultados. Quanto mais intensa a cor da risca que aparece no teste, mais beta-HCG está presente na urina.

Como foi dito, o teste de gravidez de farmácia pode dar resultado positivo a partir do 1º dia de atraso menstrual, mas para o teste detectar uma gestação, é necessário que os níveis do hormônio beta-HCG, que só é produzido durante a gravidez, estejam altos o suficiente para serem detectados na urina, o que só ocorre pelo menos 8 dias depois da fecundação.

Portanto, é necessário q ocorra a implantação do óvulo fecundado no útero para que o corpo da gestante comece a produzir esse hormônio. Para evitar os resultados chamados "falso-negativo", o recomendado é aguardar uma semana de atraso para realizá-lo. Se ainda assim der negativo e ainda houver suspeita de gravidez, o teste deve ser repetido após uma semana ou buscar pedido médico para realização do teste no sangue.

A eficácia do teste de gravidez pela urina varia entre 97% e 99,5%. Resultados falso-positivos, ou seja, a mulher não está grávida e o resultado é positivo, são raros. Portanto, se o resultado for positivo, a probabilidade da mulher estar grávida é muito alta.

Já o exame de gravidez beta-HCG feito através da análise do sangue é ainda mais confiável que os testes de farmácia, uma vez que a concentração desse hormônio é bem maior na circulação sanguínea do que na urina. Vale lembrar que para fins médicos, a gravidez só é confirmada pelo exame de sangue.

Para maiores esclarecimentos, consulte um médico clínico geral, médico de família ou ginecologista.

Leia também: Teste de farmácia pode dar resultado errado?

Quais são os sintomas de plaquetas baixas?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Os sintomas de plaquetopenia ou trombocitopenia (plaquetas baixas) dependem do quão baixas estão as plaquetas. Considera-se plaquetopenia quando as plaquetas estão abaixo de 150.000/mm3.

Os sinais mais comuns das plaquetas baixas são os sangramentos na pele e nas mucosas, que ocorrem espontaneamente quando o número de plaquetas estão abaixo de 30.000/mm3. Nesses casos, pode haver:

  • Pequenos pontinhos avermelhados no corpo (petéquias ou hemorragias puntiformes);
  • Sangramentos pelas gengivas (gengivorragia);
  • Sangramento menstrual abundante;
  • Sangramento na urina ou nas fezes;
  • Sangramento de maior intensidade quando ocorre um ferimento;
  • Sangramento pelo nariz (epistaxe).

A plaquetopenia pode ser leve (plaquetas entre 100.000 a 150.000/mm3), moderada (plaquetas entre 50.000 e 99.000/mm3) e grave (plaquetas abaixo de 50.000/mm3).

Porém, algumas pessoas podem apresentar valores de plaquetas entre 100.000 e 150.000/mm3 sem que isso seja classificado como um quadro de plaquetopenia. Isso significa que, para alguns indivíduos, pode ser normal ter as plaquetas baixas.

As plaquetas são células produzidas na medula óssea, que possuem a propriedade de coagular o sangue e de ajudar que uma ferida pare de sangrar.

É importante frisar que as plaquetas não são as únicas envolvidas da cascata de coagulação. Sendo assim, outras doenças podem levar a sangramentos, sem que ocorra alteração na contagem das plaquetas.

Plaquetas baixas: o que pode ser?

O número de plaquetas pode estar baixo devido à queda da produção de plaquetas na medula óssea, destruição das plaquetas por anticorpos ou acúmulo e destruição das plaquetas no baço.

As principais causas de plaquetopenia incluem: púrpura trombocitopênica imune (PTI), infecções virais e bacterianas, uso de certos medicamentos, gravidez, doença crônica do fígado, aumento de tamanho do baço, doenças das plaquetas e doenças da medula óssea.

O tratamento para a plaquetopenia pode ou não ser necessário, de acordo com as suas causas e com o número de plaquetas encontrado no sangue.

Também é importante ver a evolução da contagem das plaquetas por um período de tempo, pois há variações consideradas normais. Porém, contagem baixa de plaquetas persistente deve ser melhor investigada por um clínico geral ou hematologista.

Leia também: O que fazer em caso de plaquetas baixas?

TSH baixo, o que significa?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

TSH pode estar baixo em diversas situações; primariamente no hipertireoidismo ou pelo uso excessivo/inadequado de hormônio tireoidiano exógeno (por exemplo, no tratamento do hipotireoidismo em dose superior à necessária para o controle da doença). Também pode diminuir com o uso de glicocorticóides, levodopa ou dopamina, bem como stress, ou mais raramente quando a glândula que produz o hormônio (hipófise) ou o hipotálamo, que produz o TRH (que estimula a síntese do TSH hipofisário), não funcionam adequadamente (hipotireoidismo secundário ou terciário, respectivamente).

Por outro lado, o TSH pode estar aumentado primariamente no hipotireoidismo primário, mas também com o uso de uso de lítio, metimazol, propiltiouracil ou contrastes radiográficos.

O exame TSH é a dosagem de um hormônio produzido pela glândula hipófise (anterior), conhecido como hormônio tireoestimulante. Como seu nome diz, ele age sobre a glândula tireóide estimulando-a a produzir os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). A secreção do TSH é inibida pelo aumento dos níveis de T3 e T4 (feedback negativo) e é estimulada pela produção de TRH (hormônio liberador de tirotrofina) no hipotálamo.

Veja também: O que é hipotireoidismo e quais os sintomas?

É um exame útil na avaliação da função tireoidiana, sendo considerado, isoladamente, o teste mais sensível para diagnóstico de hipotireoidismo primário.

Os valores de referência podem variar em função do método e reagente utilizado, portanto, esses valores devem estar claramente citados nos laudos de resultados de exames laboratoriais: Prematuros (28 a 36 semanas): 0,7 a 27 mUI/L Até 4 dias: 1,0 a 39,0 mUI/L 2 a 20 semanas: 1,7 a 9,1 mUI/L 21 semanas a 20 anos: 0,7 a 6,4 mUI/L 21 a 54 anos: 0,4 a 4,2 mUI/L 55 a 87 anos: 0,5 a 8,9 mUI/L

A interpretação dos resultados do exame deve ser realizada pelo médico que o solicitou, em conjunto com a história e o exame clínico. Para maiores informações, procure um médico clínico geral ou endocrinologista.

Saiba mais em: Hipotireoidismo tem cura? Qual o tratamento?