Perguntar
Fechar

Doenças e Agravos à Saúde

Formigamento na cabeça: o que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Formigamento na cabeça pode ser sinal de hiperparatireoidismo, enxaqueca com aura ou ainda problemas mais graves como infarto e AVC (derrame). 

O formigamento normalmente é causado por compressão de algum nervo ou falta de sangue, mas as causas variam e, por isso, é importante estar atento/a também a outros sintomas.

No hiperparatireoidismo (excesso de funcionamento das glândulas paratireoides), além do formigamento na cabeça e em outras partes do corpo, a pessoa também pode apresentar:

  • Fraqueza muscular;
  • Falta de apetite;
  • Cansaço;
  • Emagrecimento;
  • Prisão de ventre;
  • Dor abdominal;
  • Náuseas;
  • Vômitos.

A enxaqueca com aura caracteriza-se por dor de cabeça, distúrbios visuais, auditivos, sensitivos ou motores. Entre eles estão:

  • Formigamento na cabeça, boca, língua e membros;
  • Dificuldade para falar;
  • Tontura;
  • Visão borrada.

Se o formigamento na cabeça vier acompanhado por formigamentos no rosto, braço ou perna apenas de um lado do corpo, pode ser sinal de "derrame" (Acidente Vascular Cerebral - AVC) e a pessoa deve ir imediatamente ao hospital.

Quando o formigamento corre para o braço, principalmente o esquerdo, e é seguido por sintomas como dor no peito ou no pescoço, dor no braço (normalmente esquerdo), falta de ar, suor e náuseas, pode ser o início de um infarto e a pessoa deve procurar um pronto-socorro o mais rápido possível.

Se o formigamento na cabeça persistir, o mais indicado é procurar procurar o/a clínico geral, médico/a de família ou neurologista. 

Dor pélvica na mulher, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Dor pélvica na mulher pode ser devido a uma série de causas. Corresponde a um terço das queixas nos consultórios médicos e desvendar suas causas é um grande desafio para os profissionais, pois requer uma investigação profunda e detalhada do problema.

A dor pélvica normalmente é sentida no baixo ventre e como se manifesta normalmente no “pé da barriga”. Fazem parte da pelve o útero, os ovários, as tubas uterinas, a vagina, o reto e a bexiga, além de diversos músculos, nervos e ossos, portanto as causas que geram a dor pélvica podem ser as mais diversas e para seu diagnóstico correto deve ser feita uma anamnese detalhada, um exame físico bem feito e exames complementares quando necessários.

Na investigação, é fundamental saber a sua idade, sexo, antecedentes pessoais e características específicas da dor pélvica (onde exatamente dói (aponte)? qual o tipo da dor - pontada, peso, pulsação, aperto, queimação? é intensa? quão intensa (dê uma nota de zero a dez - zero é a dor mais fraca da vida e dez é a pior)? é a mais forte da vida? chega a despertar do sono ou vomitar nas crises? irradia ("espalha") para algum lugar ou é restrita a essa região específica? há quanto tempo está com dor? ela é cíclica (vai e volta) ou contínua, durando dias? quando vem a dor dura quanto tempo? você já teve antes? é comum? tem algum horário do dia ou do mês em que acontece com mais frequência? melhora com alguma coisa? está piorando, ao longo do tempo, ou apresentando novos sintomas concomitantes? piora nas relações sexuais? tem relação com o período menstrual? tem corrimento vaginal? ardência ao urinar? está indo mais vezes ao banheiro e fazendo pouco xixi? qual a sua frequência sexual? pratica sexo anal? tem mais de um parceiro? sente tontura ou enjoo juntos com a dor? etc.), início dos sintomas, concomitância dos sintomas com febre/sangramentos ou outros sinais/sintomas de gravidade, etc.

Dores agudas que surgem repentinamente na região pélvica e são progressivas necessitam de um atendimento médico emergencial, pois pode se tratar de problemas mais sérios como apendicite, ruptura de uma gravidez tubária e requerem intervenção cirúrgica, outras doenças mais sérias têm entre seus sintomas dores pélvicas, como a vulvodínia, endometriose e fibrose uterina, por isso sempre que sentir algo diferente em seu corpo, procure logo a ajuda de um médico, preferencialmente um ginecologista (que abrange a maioria das causas de dor pélvica - se não for o seu caso, ele poderá encaminhá-la ao especialista correto, seja um gastroenterologista, proctologista, urologista, ortopedista ou neurologista).

Hemoglobina baixa, o que pode ser?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A hemoglobina é uma substância de cor vermelha presente no interior das hemácias (glóbulos vermelhos) e os valores baixos de hemoglobina é que caracterizam a anemia, que pode ser causada por vários distúrbios que provoquem uma redução da sua produção na medula, um aumento da velocidade da sua destruição ou uma perda de sangue.

hemoglobina um pouco abaixo do normal pode ser um resultado normal para muitas pessoas e, geralmente, não deve ser causa de preocupação. É comum as mulheres grávidas apresentarem valores de hemoglobina um pouco abaixo do normal. 

A hemoglobina baixa causa:

  • Palidez cutânea;
  • Descoramento das mucosas;
  • Redução dos níveis de oxigênio nos órgãos do corpo, levando ao cansaço fácil e falta de ar na realização de atividades físicas e até mesmo nas rotinas do dia-a-dia.

Doenças que levam à redução da produção da hemoglobina:  

  • Deficiência de ferro ou vitaminas;
  • Cirrose;
  • Leucemia;
  • Linfomas;
  • Anemia aplástica;
  • Hipotiroidismo;
  • Insuficiência renal;
  • Medicamentos, como os usados no tratamento do câncer e da AIDS.

​Doenças que levam a um aumento na velocidade da destruição da hemácias:

  • Anemia falciforme;
  • Talassemia;
  • Distúrbios que causam o aumento do baço (esplenomegalia);
  • Porfiria;
  • Vasculites.

Veja também: Anemias Causas, Sintomas e Tratamentos – Anemia Ferropriva

 Distúrbios que levam à perda de sangue:

  • Distúrbios de coagulação;
  • Sangramentos no aparelho digestivo;
  • Distúrbios menstruais que causam sangramento exagerado.

Para um diagnóstico adequado é necessário avaliar a história clínica e todos os sinais e sintomas associados para se chegar a conclusão de qual a causa da anemia, se por perda sanguínea, falta de produção ou por destruição das hemácias.

Também pode ser do seu interesse: 

Minha hemoglobina está baixa: o que fazer?

Hemácias normocíticas e normocrômicas é anemia?

Para que serve o eritrograma e quais os valores de referência?

O médico hematologista é o especialista indicado para avaliar as causas de anemia.

Estou com a barriga inchada, dor e pontadas. O que pode ser e o que fazer?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Barriga inchada e dolorida, com dor em pontadas, é causada na maioria das vezes por gases ou intestino preso (prisão de ventre). Essas são as principais causas de barriga inchada, dura e dolorida em mulheres jovens.

Os gases são provocados principalmente por determinados alimentos que produzem muitos gases durante a digestão, como feijão, repolho, couve-flor, leite, ovos (clara do ovo), batata, entre outros. Além dos alimentos, os gases podem ser causados por:

  • Intolerância à lactose;
  • Intestino "preguiçoso";
  • Ansiedade.

Já a prisão de ventre pode ter como causa:

  • Poucas fibras na alimentação;
  • Baixa ingestão de água;
  • Falta de atividade física;
  • Ansiedade;
  • Menstruação;
  • Gravidez;

Além dos gases e da prisão ventre, barriga inchada e dura acompanhada de dores abdominais também pode ser:

  • Síndrome do intestino irritável: Deixa a barriga inchada e pode causar diarreia ou prender o intestino logo depois das refeições, além de provocar dores abdominais, gases e cólicas (saiba mais em O que é a síndrome do intestino irritável?);
  • Vermes: Além da barriga inchada, podem causar dor abdominal, náuseas, vômitos, diarreia, prisão de ventre, fraqueza, emagrecimento, aumento ou perda de apetite (veja aqui quais são os sintomas de vermes);
  • Menstruação: Nos dias que antecedem a menstruação e durante os dias em que está menstruada, a mulher pode ficar com a barriga inchada devido à retenção de líquidos que ocorre nessa fase.

Saiba mais em: Distensão abdominal: Quais as causas e como tratar?

O que fazer para acabar com a barriga inchada e dolorida?

Depende da causa. Veja o que fazer em cada situação:

  • Gases:

    • Evite feijão, ervilha, grão-de-bico, repolho, brócolis, clara de ovo, batata, couve-flor, doces, cerveja, leite, refrigerantes;
    • Mastigue devagar e evite conversar muito quando estiver comendo (veja mais sobre o assunto em: Excesso de gases: o que pode ser e como tratar?).
  • Intestino preso:
    • Beba pelo menos 2 litros de água por dia;
    • Aumente a ingestão de alimentos ricos em fibras, como verduras, frutas, aveia e outros cereais;
    • Pratique exercícios físicos.
  • Síndrome do intestino irritável:
    • Evite os alimentos que produzem gases;
    • Mastigue bem o alimento antes de engolir;
    • Evite gorduras, bebidas alcoólicas, café e refrigerantes;
    • Diminua as doses das refeições;
    • Aumente a ingestão de fibras;
    • Pratique atividades físicas;
    • Não fume;
    • Controle o estresse e a ansiedade.
  • Vermes: Fazer tratamento com remédios vermífugos, prescritos pelo/a médico/a (mais sobre o assunto em Qual o tratamento para quem tem vermes?);
  • Menstruação: Realize atividade física, como a caminhada, que ajuda na eliminação dos gases e beba alguns chás para combater a retenção de líquidos e diminuir o inchaço da barriga e do corpo.

Leia também: Barriga inchada pode ser gravidez?

Se a sua barriga continuar inchada e dolorida, procure o/a médico/a clínico geral ou médico/a de família para avaliar o caso e detectar a origem do problema.

Sinto muita dor de cabeça de um lado da fonte. O que pode ser?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Dor de cabeça forte em um lado da cabeça, em pontadas ou fisgadas, pode ser enxaqueca. Outros sintomas da enxaqueca incluem:

  • Dor de cabeça, geralmente pulsátil, em peso ou pressão, que dura entre 4 e 72 horas;
  • Náuseas;
  • Vômitos;
  • Intolerância a luz, barulhos, cheiros e movimentos.

A dor de cabeça da enxaqueca começa fraca e vai aumentando de intensidade. Outros tipos de dores de cabeça já começam fortes ou mantêm-se sempre moderadas.

Conheça as diferenças entre dor de cabeça e enxaqueca em: Enxaqueca e Cefaleia

Dor de cabeça forte pode ser AVC?

Quanto ao seu medo de que essa dor de cabeça possa ser uma veia entupida, o que poderia resultar em um "derrame" (acidente vascular cerebral - AVC), ele é comum, uma vez que a enxaqueca é muitas vezes confundida com um AVC.

Isso acontece principalmente em pessoas que têm enxaqueca com aura, um sintoma neurológico que caracteriza-se por alterações sensitivas e visuais.

Veja aqui o que é enxaqueca com aura e quais os sintomas.

O indivíduo pode sentir dormência em mãos, braços e até na língua, o que pode inclusive dificultar a fala. Todos esses sintomas somados à dor de cabeça leva a pessoa a pensar que está tendo um "derrame".

Dentre os sintomas mais comuns de um AVC estão:

  • Perda de força muscular;
  • Adormecimento ou paralisia da face ou de algum membro de um lado do corpo;
  • Alterações visuais (perda da visão, visão turva, dupla ou "com sombra");
  • Dificuldade para falar ou entender frases;
  • Falta de equilíbrio;
  • Tontura;
  • Falta de coordenação ao caminhar;
  • Queda súbita;
  • Dor de cabeça forte e persistente;
  • Dificuldade para engolir.

Leia também:

Sinto pontadas do lado esquerdo da cabeça, juntamente com enjoo, visão turva e tonturas. O que pode ser?

O que é um AVC e quais os sintomas ou sinais?

As dores de cabeça podem ter muitas causas, entre elas pressão alta. Por isso, o melhor a fazer é procurar um/a médico/a neurologista para receber um diagnóstico e tratamento adequados.

Dor nos olhos, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Dor nos olhos pode ser uma série decorrente de diversas causas, dentre as quais podemos citar:

  • Traumas diretos nos olhos (quedas, pancadas, queimaduras, substâncias irritantes como ácidos ou bases, etc. Pode haver úlcera/abrasão de córnea no processo);
  • Corpos estranhos (fragmentos de sujeira, poeira, madeira ou metais, plantas, lentes de contato, etc - podem causar abrasão de córnea com o atrito, com dor intensa associada);
  • Inflamações e infecções (geralmente acompanhadas de vermelhidão e lacrimejamento, além da dor. Exemplos: uveítes - inflamação intraocular; esclerites - inflamação da esclera; ceratoconjuntivite - inflamação da córnea)
  • Blefarite (inflamação comum e persistente das pálpebras). Produz sintomas como irritação, coceira, prurido e, em alguns casos, olho vermelho. Esta doença afeta frequentemente as pessoas que têm tendência a apresentar pele oleosa e/ou secura ocular. A blefarite pode começar na infância, causando granulação nas pálpebras e continuar por toda a vida como uma afecção crônica, ou iniciar apenas na fase adulta;
  • Hordéolo (conhecido popularmente como terçol, terçolho) é um pequeno abscesso que acomete a borda das pálpebras, causado por uma inflamação das glândulas sebáceas. Embora não seja grave, pode ser muito doloroso. A inflamação é normalmente causada por uma infecção bacteriana e acontece mais frequentemente em crianças. Na maioria dos casos, o terçol pode ser combatido com maior rapidez através de compressas de água quente ou morna. Quando tratados, desaparecem após mais ou menos uma semana. Em casos mais graves, os médicos podem utilizar uma agulha para drenar o pus acumulado. Existem também pomadas elaboradas especificamente para tratá-los, normalmente compostas por eritromicina;
  • Aumento da pressão intra ocular (pode ser um início de glaucoma e neste caso pode vir acompanhado de dor de cabeça). No glaucoma, há dor intensa, mais do que a dor de uma cefaléia usual, e não melhora com analgésicos comuns. O olho fica vermelho, como em uma conjuntivite, e a visão pode ficar turva. Se não for tratado, o glaucoma leva ao dano permanente do disco óptico da retina, causando uma diminuição progressiva do campo visual, que pode resultar em cegueira;
  • Defeitos ópticos (hipermetropia ou astigmatismo); 
  • Cefaléia retro-ocular ("atrás dos olhos") - comum na dengue, mas também pode ser sintoma de cefaléia comum. Deve-se distinguir a dor que ocorre em um olho, ambos, ou alternando os olhos. A dor que alterna lados normalmente deriva de uma cefaleia primária como a migrânea (enxaqueca) ou cefaleia do tipo tensional. A dor em ambos os olhos pode ser devido a uma cefaleia primária (fotofobia, na migrânea) ou secundária (sinusite). A dor ocular unilateral (um só olho) pode ser por uma enxaqueca, cefaleia em salvas, cefaleia idiopática em pontadas, neuralgia do trigêmeo do primeiro ramo ou trigêmino-autonômicas, síndrome SUNCT, hemicranias paroxísticas (episódicas ou crônicas), cefaleia secundária a aneurisma cerebral, tumor cerebral, glaucoma e hemicrania continua. Pode ser acompanhada de lacrimejamento.

Veja também: Tenho muita coceira nos olhos. O que pode ser e o que fazer para aliviar?

A prevenção deve ser realizada com bons cuidados de higiene e proteção no caso de atividades perigosas (trabalhos como soldagem, batida de ferro sobre ferro, serragem de madeira, jardinagem, etc - exigem uso de máscara ou óculos de proteção, dependendo da atividade).

A limpeza dos olhos deve ser feita todos os dias, pela manhã, deve-se atentar para quaisquer mudanças visíveis ou perceptíveis nos olhos. Recomenda-se fazer visitas periódicas a um oftalmologista para detecção de problemas visuais e medida da pressão ocular (idealmente aos 3, 6, 12, 15, 18, 25, 35, 40, 45, 50 e a partir desta idade todos os anos, pois são muitas as doenças oculares que podem ocorrer a partir dos 50 anos de idade).

Se a pessoa usa lentes de contato, deve fazer a correta higiene das mesmas e verificação de mudança de grau.

Em caso de dor nos olhos, um médico (preferencialmente um oftalmologista) deve ser consultado para avaliação e tratamento adequado, se for o caso.

Saiba mais em:

Olhos vermelhos, o que pode ser?

Pontadas na barriga, o que pode ser?
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Dr. Marcelo Scarpari Dutra Rodrigues
Médico

Pontadas na barriga podem ser decorrentes de muitas causas diferentes, sejam doenças ou não. A região abdominal é a que possui mais órgãos em nosso corpo. A dor abdominal, que é chamada popularmente de dor na barriga, é muitas vezes um desafio para qualquer médico, dada a enorme quantidade de diagnósticos diferenciais possíveis.

Na maioria dos casos, a dor abdominal é benigna, ou seja, fisiológica ou que não é decorrente de doença grave (pode ser uma gastroenterite comum) e passa após algumas horas ou dias, não há motivo para preocupação.

Principais causas de dor na barriga
  • Gastrite e úlcera péptica;
  • Intoxicação alimentar ou gases;
  • Colecistite e pedras na vesícula;
  • Pancreatite aguda;
  • Hepatite aguda;
  • Litíase renal (pedra(s) nos rins);
  • Apendicite;
  • Diverticulite;
  • Infecção intestinal e diarreia;
  • Parasitoses intestinais;
  • Cólicas menstruais (dismenorreia).
Causas menos comuns da dor de barriga
  • Menstruação;
  • Tumores dos órgãos abdominais ou pélvicos;
  • Obstrução ou constipação intestinal;
  • Infarto e isquemia intestinal.
  • Aneurisma de aorta abdominal;
  • Infecção urinária;
  • Hérnias;
  • Cetoacidose diabética;
  • Doença de Crohn e retocolite ulcerativa;
  • Doenças do ovário;
  • Endometriose;
  • Gravidez ectópica;
  • Mioma uterino;
  • Abscesso hepático;
  • Anemia falciforme;
  • Rins policísticos;
  • Peritonite (membrana que envolve os órgãos abdominais).
Causas de dor abdominal originadas fora do abdômen
  • Infarto do miocárdio;
  • Pneumonia;
  • Hérnia de hiato;
  • Derrame pleural.

A maior parte dos casos são cólicas intestinais associados à alimentação rica em gorduras ou a intoxicações alimentares. As dores de barriga leves, de curta duração ou que desaparecem após algumas horas são normalmente causadas por dilatações do intestino por gases. Ansiedade pode causar dor abdominal de curta duração, também por aumentar a quantidade de gases nos intestinos. Porém, quando há sinais de alerta associados (dor muito intensa, que dura muitos dias, que pode ser acompanhada de febre, vômitos, diarreia com sangue ou muco, entre outros sintomas), um médico deve ser consultado.

Todos os órgãos que se encontram dentro da cavidade abdominal e da cavidade pélvica podem causar dor abdominal, e algumas vezes, órgãos na cavidade torácica também podem causar dor abdominal. Os órgãos dentro do abdômen (abdome) são:

  • Fígado;
  • Vesícula biliar;
  • Vias biliares;
  • Pâncreas;
  • Baço;
  • Estômago;
  • Rins;
  • Supra renais;
  • Intestino delgado (duodeno, jejuno e íleo);
  • Apêndice;
  • Intestino grosso;

Os órgãos dentro da pelve são:

  • Ovários;
  • Trompas;
  • Útero;
  • Bexiga;
  • Próstata;
  • Reto e sigmoide (porção final do intestino grosso).

Devido à inervação característica destes órgãos, o cérebro tem certa dificuldade em localizar o ponto exato da dor, que geralmente é difusa (toda a barriga) ou próximo do centro do abdome. As exceções costumam ser os rins, vesícula biliar, ovário ou apêndice (dor mais lateralizada). Portanto, a localização e o tipo da dor ("pontada") ajudam, mas não costuma ser suficientes para determinação do diagnóstico. Também é importante avaliar outras características da dor, como tempo de duração (há horas? dias?), periodicidade (ela é intermitente ou contínua? se intermitente, vem de quanto em quanto tempo?), intensidade (dê uma nota de zero a dez - zero é a dor mais fraca da vida e dez é a pior), outros sintomas associados (como vômitos, diarreia, febre ou icterícia), fatores agravantes ou desencadeadores, região para onde a dor irradia (é restrita a um ponto/local ou espalha para outras regiões?), se é uma dor comum que já teve antes diversas vezes ou não, se tem algum horário ou dia do mês que ocorre com mais frequência, se está piorando ao longo do tempo ou apresentando novos sintomas, se tem casos semelhantes na família, se piora ou melhora com a alimentação, etc. É fundamental também saber qual a sua idade e antecedentes pessoais.

Diante do grande número de possíveis causas para dor abdominal, um médico deve ser consultado para avaliação com história completa, exame físico e eventualmente exames complementares, determinação do diagnóstico correto, avaliação e tratamento, caso a caso.

O que pode ser dor na virilha e o que fazer?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Dor na virilha pode ter várias causas. As causas mais comuns nas mulheres e homens são citadas abaixo:

  • prática de exercícios ou esportes de alto impacto, como atletismo, hóquei, tênis e futebol, em que a dor ocorre por distensão muscular;
  • osteoastrite (artrose) do quadril, ou bursite;
  • apendicite;
  • prostatite (inflamação da próstata);
  • litíase renal (pedras nos rins);
  • gravidez, especialmente nos meses finais;
  • linfonodos aumentados (ínguas);
  • inflamação ou tumores no testículo;
  • inflamação nos intestinos;
  • diferença no comprimento dos membros;
  • infecção de urina;
  • hérnia inguinal.

O tratamento dependerá da causa da dor na virilha e, para um correto diagnóstico, deve ser procurado um clínico geral, para os casos mais crônicos (que duram semanas a meses) ou um pronto atendimento se a dor for aguda e especialmente se estiver associada a febre e alteração do hábito intestinal ou urinário.

No caso das distensões musculares, artrose, bursite e a associada à gestação, muitas vezes o tratamento será baseado no uso de analgésicos potentes e anti-inflamatórios, além de fisioterapia ou acupuntura. É importante que estas drogas sejam prescritas pelo médico.

Saiba mais em: Distensão muscular: O que é, quais os sintomas e como tratar?

No caso de apendicite, hérnia inguinal e inflamação nos intestinos, é necessário avaliação de urgência, pois poderá ser necessária cirurgia.

No caso de prostatite, infecção de urina e de ínguas, poderá ser necessário o uso de antibióticos.

No caso de tumores no testículo e pedras nos rins, é necessária a avaliação de um médico urologista.

No caso de diferença no comprimento dos membros, deve ser procurado um médico ortopedista.

Para uma avaliação adequada da causa da dor na virilha, pode ser procurado um pronto atendimento ou médico clínico ou cirurgião geral.