Perguntar
Fechar

Doenças e Agravos à Saúde

Dor no estômago e diarreia: o que eu faço?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Diarreia associada com dor de estômago está associado, na maioria das vezes, a um quadro de intoxicação alimentar ou infecção gástrica e intestinal.

Quando esses sintomas são transitórios, a pessoa deve se hidratar e repor os líquidos que estão sendo perdidos e evitar alimentação gordurosa e apimentada.

Na presença de fezes com sangue, vômitos e febre, é indicado procurar um serviço de saúde para avaliação.

Se essa situação for constante e durar mais de uma semana, é importante consultar o/a médico/a clínico/a geral ou médico/a de família para investigação.

Leia também:

Diarreia o que fazer?

Posso tomar dipirona com dengue?
Dra. Nicole Geovana
Dra. Nicole Geovana
Medicina de Família e Comunidade

Quem está com dengue pode tomar Dipirona.

Os medicamentos que não devem ser usados quando está com dengue são os medicamentos à base de ácido acetil salicílico, presentes no AAS ou Aspirina. Essas medicações aumentam a chance de provocar hemorragias e, por isso, devem ser evitadas durante a dengue.

A dengue é uma infecção viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti.

Na Dengue Clássica, os sintomas são semelhantes a um resfriado: febre, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, dor muscular e nas articulações, cansaço, manchas vermelhas pelo corpo, etc.

Leia também:

Que remédios não posso tomar se tenho dengue?

O tratamento em geral é realizado com hidratação e medicamentos para aliviar a febre e a dor no corpo.

Na presença desses sintomas, é importante procurar um serviço de saúde. Não tome medicamentos sem prescrição médica.  

O que acontece se a pessoa ingerir veneno de rato?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

A ingestão de veneno de rato pode causar sintomas variados dependendo da composição do veneno de rato, da quantidade ingerida e por quanto tempo ele foi ingerido.

Veja aqui o que fazer no caso de ingestão de veneno de rato.

O veneno à base de carbamatos e organofosforados que são inseticidas usados para eliminar pragas, têm ação no cérebro e em alguns nervos e causam: salivação, lacrimejamento, sudorese, visão borrada, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarreia, coriza, falta de ar, secreção pulmonar, palidez, dificuldade para controlar a urina e as fezes, câimbras, fraqueza muscular generalizada, paralisia, tremores, sonolência, confusão mental, perda de concentração, dor de cabeça, alterações da frequência cardíaca e respiratória e coma.

O veneno à base de anticoagulantes (impedem a coagulação do sangue) causa:sangramento nas gengivas e no nariz, dor abdominal aguda, manchas roxas e vermelhas na pele (hematomas e equimoses), tosse e vômitos com sangue, fezes ou urina com sangue, derrame cerebral (AVC), pressão baixa (hipotensão), choque e coma.

Em casos de ingestão de veneno de rato deve ser procurado um serviço médico de urgência para que sejam tomadas as medidas necessárias de acordo com o veneno tomado. Por isso é muito importante que se saiba o nome do veneno ou que seja levada a embalagem dele ao atendimento de urgência.

Teste de urease positivo, o que significa?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

O teste de urease é realizado durante a endoscopia digestiva alta, para verificar a presença da bactéria Helicobacter pylori, associada à gastrite, esofagite e duodenite, úlceras, câncer e linfoma do estômago. Quando positivo, o teste significa que a bactéria está presente. Se negativo, significa que a presença da bactéria não foi detectada.

O fato de ter a bactéria, não é sinônimo da necessidade de tratamento. As atuais indicações para tratamento do Helicobacter pylori são situações de:

  • gastrite
  • úlcera gástrica e/ou duodenal
  • linfoma gástrico
  • parentes de primeiro grau com câncer gástrico
  • anemia por carência de ferro
  • púrpura trombocitopênica idiopática
  • pacientes que fazem uso de anti-inflamatórios por longo período.

Normalmente, o tratamento para o H.pylori consiste na toma de 3 drogas por 7 a 14 dias com:

  • um inibidor da bomba de prótons (Omeprazol, Pantoprazol ou Lanzoprazol) + dois antibióticos, como Claritromicina e Amoxacilina ou Claritromicina e Metronidazol.

O médico que solicitou a endoscopia deverá interpretar seu resultado, assim como a necessidade de tratamento.

O que significa ter sangramento durante a relação sexual?
Dr. Charles Schwambach
Dr. Charles Schwambach
Médico

De uma forma geral, sangramento durante relação sexual está associado a algum tipo de lesão em colo uterino ou parede da vagina; em mulheres jovens as causas inflamatórias (inflamação, infecção e DSTs) são as mais comuns e em mulheres menos jovens as causas inflamatórias dividem espaço com lesões do tipo pré-cancerígena em colo uterino ou câncer de colo de útero.

Leia também: É normal o homem sangrar durante ou depois da relação sexual?

É normal ter dor nas costas no início da gravidez?
Dr. Gabriel Soledade
Dr. Gabriel Soledade
Médico

Na maioria das vezes, é normal sim. Aliás, esse é um dos sintomas mais frequentemente queixados pelas gestantes.

As causas são tão variadas quanto em outras fases da vida, e podem incluir carga de peso excessiva, atividade física feita de forma incorreta ou exagerada, atividade repetitiva ou postura viciosa no trabalho etc.

Algumas causas específicas da gravidez também existem, como por exemplo o inchaço e o relaxamento dos ligamentos da coluna que ocorrem devido a um hormônio que é próprio desse período.

Existem alguns fatores de risco conhecidos, como por exemplo a idade materna avançada e o sobrepeso materno, além do número de gestações anteriores.

O tratamento inclui alongamento, atividade física leve e feita sob supervisão e medicamentos analgésicos e relaxantes musculares.

Essas pacientes devem sempre procurar o conselho de seus obstetras, para que outras possíveis causas de dor possam ser investigadas, e para que o tratamento seja prescrito da forma mais adequada.

Saiba mais em: O que pode causar dor nas costas?

Caroço no pescoço, o que pode ser?
Dra. Ângela Cassol
Dra. Ângela Cassol
Médico

Caroço no pescoço pode corresponder a várias estruturas e, cada uma delas se relaciona a alguns tipos de doenças. Um caroço no pescoço pode ser:

  • um linfonodo (ou íngua): o inchaço do linfonodo pode ocorrer quando apresentamos alguma infecção, geralmente na garganta, é bastante comum de ocorrer e não deve ser motivo de preocupação. Há necessidade de investigação se o inchaço do linfonodo permanecer por mais de duas semanas. Neste caso, é importante consultar um médico clínico geral ou infectologista para melhor avaliação, pois devem ser afastadas algumas doenças infecciosas, como tuberculose e micoses profundas (paracoccidioidomicose), doenças hematológicas, como os linfomas, e cânceres da cabeça e pescoço, com metástase para o pescoço. Nos casos de cânceres, normalmente os caroços são grandes, visíveis, bem endurecidos e "grudados" em estruturas profundas. Muitas vezes será necessária uma biópsia do caroço para melhor avaliação;
  • um caroço de gordura (lipoma): normalmente a consistência é mais firme que a de um linfonodo. Muitas vezes é necessária a realização de uma ultrassonografia para confirmar o diagnóstico de lipoma. O lipoma é uma lesão benigna e não é necessária a sua retirada, exceto por motivos estéticos;
  • se localizado na porção anterior do pescoço, pode estar relacionado à glândula tireóide. Neste caso, a ultrassonografia poderá delimitar melhor a localização e relação com a glândula, assim como determinar se é um cisto ou nódulo sólido. A lesão pode ser benigna ou maligna e dependerá de uma biópsia, em alguns casos, para melhor avaliação. Deve ser procurado médico endocrinologista (veja também: Quais os sintomas de um nódulo na tireoide?);
  • resquício embrionário, que é uma lesão benigna, cuja retirada deve ser feita se desejo estético e em algumas situações, se inflamar;
  • contratura da musculatura do pescoço, que deve ser tratada com relaxantes musculares.

Na presença de um caroço no pescoço que está crescendo, está presente há mais de duas semanas ou vaza secreção, é necessário consultar um médico clínico geral ou infectologista.

Também pode lhe interessar: 

Nódulo na tireoide é perigoso? Qual é o tratamento?

Caroço na nuca: o que pode ser?

Quais são as causas da inflamação no útero?
Dr. Ivan Ferreira
Dr. Ivan Ferreira
Médico

As causas da inflamação no útero podem estar relacionadas a infecções por germes ou a lesões provocadas por traumas e produtos químicos

A inflamação uterina mais comum é aquela que ocorre no colo do útero (cérvix ou cérvice), que é a região mais estreita do útero localizada no fundo da vagina e por onde sai o sangue menstrual. Esse tipo de inflamação (cervicite) muitas vezes não apresenta sintomas, o que pode levar a distúrbios mais graves devido à progressão dessa inflamação ou infecção para outras regiões próximas como ovários, trompas e região interna do útero (endometrite).

Causas mais frequentes de inflamação ou infecção no colo do útero:

  • Germes transmitidos por meio do contato sexual como Chlamydia trachomatis, Neisseria gonorrhoeae, Trichomonas vaginalis, vírus Herpes simplex, HPV (papiloma vírus humano), Mycoplasma genitalium,
  • germes que estão presentes normalmente na vagina como Candida albicans, Gardnerella vaginalis e Lactobacillus rhamnosus,
  • alergias ou irritações causadas por produtos químicos como espermicidas,
  • alergias ao látex de preservativos (camisinha) e diafragmas,
  • lesões causadas por traumas como os provocados pelo parto ou por duchas vaginais frequentes.

A inflamação do colo do útero não interfere na possibilidade de engravidar e nem na boa evolução da gravidez desde que seja tratada adequadamente. 

O Papanicolau ou citologia oncótica é o exame utilizado para diagnosticar as inflamações do colo do útero​ e o ginecologista e/ou obstetra são os especialistas indicados para o tratamento desses problemas.